União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ir em baixo

3° PASTA: A Rainha Bestial.

Mensagem  Ana Nery em Sab 30 Out - 12:01:24

3° Anotação: Havia se passado tanto tempo desde que eu e Lilith conversamos,como presenciaram! Céus,meses para ser sincera.Foi como se sua pessoa tivesse tido
a coragem de presenciar fatos futuros,os resolver,e foi isso que aconteceu conforme vim a descobrir futuramente. Eu estava sozinha em meu quarto,chovia muito,os
trovões ecoaram,era noite. Ouvi vozes me chamando.

Quando abri os olhos era Lilith curvada ao lado de minha cama,a olhei por alguns segundos. Havia vindo até mim,uma Rainha por si,em sua majestade.Uma Rainha
Bestial em todos os sentidos ao vislumbrar sua pele imaculamente branca,pálida,os olhos azuis ferozes me fitando,frios como gelo.Me sentei a beira da cama,a vi afas-
tar-se me esticando as mãos. Usava vestido cinza de tecido de algodão,o vestido se ajustava a suas curvas.

A sandália delicada o toque final.Os cabelos loiros e lisos soltos,se moviam por trás das costas com seu andar.Quando na sala ofeguei,me senti deprimida ao está com
minha simples calça de algodão de cor negra,a camiseta cinza de alças delicadas.O conjunto básico para dormir como veem.Ela pediu-me para sentar-me á mesa da co-
zinha,afastei a cadeira,ela mesma tinha colocado meu matérial lá.

Tirei o caderno limpido,dei-me a escrever conforme ela continuava.Vislumbrá-la de um modo tão pessoal,como nesse momento era chocante,acreditem! És a continuida-
de do conto interrompido novamente.A continuidade dos fatos que ela teve que interromper para ir embora,descansar.Minha mão se movia,a caneta esferográfica nunca
me foi necessário como nesse momento.

HISTÓRIA: Eu havia chegado em casa,nunca me senti alíviada como nesse momento.O perfume da minha casa nunca me foi tão agradável como nesse momento.Pa-
ra minha pessoa o renascimento de meu coração,minha alma.Era início de noite nova,o crepúsculo tomava conta dos céus da Cidade.Tinha chegado pela tarde como de-
ve está imaginando Sara.

Tinha acabado de tomar banho,me vestido com túnica fresca e,desse modo sublime me mantinha deitada na cama,tinha meus olhos fechados,o rosto encostado sobre os
travesseiros que me confortavam.Samantha dormia em seu quarto,admito que em minha chegada ao está sozinha desse modo,chorei horrores sentindo a falta da presen-
ça de Aziel,chorei tanto!

Mas eu não esperava que alguém espécial quisesse conversar comigo.Ouvi a campainha tocar,movi meu rosto ainda choroso,havia passado bastante tempo desde minha
chegada no meio da tarde,como deve imaginar-Quem será?-Disse rouca,sentindo minhas palavras sequidas virem a boca,me levantei indo ao corredor.Quando na sala eu
abri a porta,me deparei com Lucy me fitando,ela vestida com vestido de cetim que ía até a altura dos joelhos,a sandália delicada me foi encatandor.

-Oi Lucy,não a esperava para hoge querida-Ela ofegou tomada de tristeza-Imagino como deva está-Disse ao entrar,fechando a porta me sentei na poltrona,deixei as mãos
pousarem á frente de meu colo,ela olhou-me como se isso fosse uma afronta a seus conceitos-Querida,não que Isabel soubesse,mas suspeitava,sabe que ela mantém con-
tato com Vitória Regia-Ofeguei nesse instante.

Olhando para o nada disse-O que Vitória disse?-Ela respondeu como se lhe fosse necessário-Bem querida,ao chegar em casa,falo de quanto se despediram no aeroporto,ela
ligou desesperada para Isabel,conversaram por horas,Isabel se assustou,chorou horrores quando soube,a mãe de Aziel chorou também ao descrever tudo,o que chamo de
terrível-De compreender,apesar das duras circunstâncias.Desabafei como me fosse a valvúla de escape.

-Não imaginava,entende? Eu não imaginava,não quando aqueles malditos nos seguestaram,fizeram o que fizeram com ele,foi como martírio.Lucy,ele sofreu,e muito!-Tentei
não chorar,mas meus soluços vieram,me foi sofrido sentir as lágrimas brotarem de novo.A vi levantar-se posando as mãos sobre meus ombros."Entendo,não se deixa domi-
nar pelas trevas que circundam seu coração,sei que saberá viver".Ofeguei.Depois disso fiquei chorando horas e horas no quarto acolhida por ela.

Ela que se mantinha sentada encostada sobre o espelho da cama,meu rosto pousado em seu colo,foi difícil sentir a sensação de injustiça e sofrimento passar,não passava.Eu
admito que acomeçou a passar ao longo do tempo,isso ao poder ir em sua casa ao passar de algumas semanas como deve imaginar,Sara.Novamente atenção! Vés que ago-
ra e que coisas são reveladas,colocadas em ordem!

Foi percetível o volume de seu ventre,começava a crescer,devagar,mas era percetível."Tenho medo que algo dê errado. Admito que me está sendo cansativo".Foi o que a
Lucy disse nesse momento em que jaziamos em seu quarto.Ela escrevia,havia parado para salientar toda essa situação.Eu a olhava sentada de frente a mesinha,me mantive
deitada sobre a cama pensativa,ao vê-la levantar-se a olhei nos olhos ao curvar-se a minha frente."Isto é trevoroso,me faz sofrer,sabe disso.O que será destra criança queri-
da?".Ela riu."Ellenos Cyrus será amado por mim,sou sua mãe,correto? Também te amo querida,sabe que poderemos cuidar de Samantha e Ellenos Cyrus com ávido amor".
Ofeguei quando senti suas mãos pousarem sobre meu rosto.

Ao sentir seu ácido beijo.Loucura,eu sei,mas sensato.Lembro também de está em casa no fim de semana a frente.Sábado! Eu havia preparado uma deliciosa pizza para mim.
Lucy havia ligado avisando que viria.Samantha estava na sala,a nova chuva a deixava confortável,fresca ao jazer em seu cesto.Ofeguei ao ouvir seu choro,ela começou a
chorar,e verás o momento crucial para mim,Sara,o momento que me deu pavor,medo de Samantha.

Fui averiguar o que acontecia com ela,foi quando me deparei com aquele maldito animal a olhando ao manter-se de pé ao lado de seu cesto.Fera averiguava a situação como
lhe fosse presságio,ofeguei temerosa com o que Fera poderia fazer com ela,me mantive acuada encostada na parede em meio as sombras."Criança má,sabe que não faria mau
a você,jamais! Nem a sua mãe.Nem um dos meus filhos bestiais me importa,só vocês".Aterrador!

Fechei meus olhos por alguns segundos,foi quando ela viu-me."Não há o que temer Lilith,não tema,desejo a você,lhe fazer plena de alma e corpo,se meus filhos bestiais fa-
lham,e que eles são merecedores".Ofeguei novamente,lágrimas me vieram ao rosto,me deparei abaixando-se até sentar-me encolhida sobre o chão.Samantha chorava alto.
Não media esforços,foi quando ela olhou para Fera,o vento veio do jardim dos fundos,pairou pela sala,provocou um terrível extrondo ao fazer a porta bater,que choro!

O choro ácido,marcante nunca esquecido por mim,eu olhava a cena,olhava Samantha,não sabia da onde aquela força vinha,mas soube ao vislumbrar em meio a agonia,Fera
recuar em passos relicados a olhar para depois sumir devido a imposição da força espectral provindo do vento."Menina esperta".Fera disse.Ofeguei-Ah,céus! Me ajuda Aziel!-
Me esforcei em pegar minha menina do cesto,ela chorava tanto que seus pulmões doiam,ela me olhava temerosa,assustada.

Pelo visto sabia que ela mesma havia feito aquilo.Me deparei grudada a ela,beijando seu rosto.Só aos poucos e que ela acalmou-se,acabou por dormir em meus braços.
Nunca pensei presenciar algo assim.Trevas pairaram pela casa enquanto me mantinha sentada no sofá olhando para frente,ela ainda se acalmando,havia ficaro estática.
Paralisada,nada me importava nesse momento.Nada.

Silêncio,terrível quietude.Com o tempo Lucy acabou por ligar avisando que não poderia vir,estava trânsito demais na Cidade."Desculpe Lilith! Adoraria passar a noite com
você,mas o trânsito me toma tempo,vou para casa,por favor venha passar alguns dias comigo em casa,preciso de sua presença".Compreendi.A essa altura a calma toma-
va a casa,apesar das circusntância,ela havia voltado a reinar.

Só meu amado Redenção para me trazer paz,amor por alguns momentos.Eu havia cochilado.Sabia que Samantha jazia dormindo em seu cesto ao lado da cama do quarto.
Ofeguei delirante.Imaginava tantas coisas! Muitas coisas ao sentir alguém mover suas mãos pela minha cintura,eu que dormia deitada para cima,meu rosto se moveu sobre
o macio travesseiro,os botões simplesmente arrancados de minha túnica.

"Para querido,isto e injusto".O lamento me veio aos ouvidos-Lilith! Me deixa pairando pelo mundo,a algum tempo sofro,por favor! Preciso tentar fazê-la feliz-Olhei para a
pessoa,o lamento me veio ao saber que era Redenção,seus olhos brilhavam em meio ao escuro do quarto-Entendo querido,entendo-Necessitava! O desejei por está sen-
tindo o mesmo que minha pessoa.Desde meus quinze,dezesseis anos,não sabia o que era fazer amor com ele,como nesse momento.

Ela me satisfazia,sabia como provocar-me arrepios,tudo isso.Me foi arrepiante está despida sobre a cama olhando para o teto,e ele curvar-se me desferindo beijos desde os
ceios até meu vente-Está intacta,e como se não tivesse passado por uma gravidez,o desgaste desses últimos meses-Ofeguei,com o tempo voltamos a fazer amor silencio-
sos,ainda sentido-me delirante disse."Sabe que estou livre e faz proveito disso".Não era o que ele pensava ao olhá-lo profundamente,ele jazia deitado por cima de mim.

Senti a macieis de suas penas ao tocá-lo por trás das costas."Não,sabe que não.Falo de preceitos,renovação".Dei-me a ficar choramingando ao ser acolhida por ele,senti
suas asas se moverem me puxando para junto dele.Tranpor de tempo,malva de inquietação em meu coração e minha vida.Estando na casa de Lucy ao passar de três di-
as eu sentiá-me melhor,melhor,mas não curada.

Lembrava de Aziel ao está parada,olhando alguns textos dele no meu laptop,nem sei como consegui fazer toda baixa daqueles arquivos,mas lá estavam.Os lia,jazia na pi-
cina,tinha o laptop de frente a mim sobre a borda.A fumaça da água aquecida subia,pairava por todo lugar.Ofeguei por alguns segundos.Mas não estava preparada quando
ao sair da picina,ao pegar a toalha sobre a mesa,me deparar com Fera me olhando.

Eu andei para trás,sem querer derrubei o jarro de flores dá mesa,ele quebrou em casos me fazendo cortar o calcanhar de meu pé.Ofeguei quando ela simplesmente avan-
çou sobre mim,a noite ficará simplesmente terrível."Finalmente".A ouvi dizer por pensamento ao me deparar dentro da picina.Meu pé estava ferido,céus! Pelo sangue sen-
tia como se algo entrasse dentro de mim,eu gritava alto.

-Lucy!-Fui forçada pela sua força a subemergir."Amo sua filha,mas não a pouparei,a farei invencível".Loucura! Pude me segurar na base,mas ela voltou a morder-me no
tornozelo,afundei.Quando Lucy apareceu a vi pular,desmaei.Entende isso? Passou-se alguns minutos até acordar dolorida-O que foi aquilo?-Bramiu olhando-me,ainda es-
tava molhada,havia esperado acordar-me.

-Maldição,é isso-E como meu pé doia,mas ia passar,eu sabia! Mas junto disso o lamento por passar por essa situação,Fera nunca me foi tão severa como nesse momento.
Olhei os céus estrelados,o frio me tomou,jazia nua sentada no piso a frente da piscina.Lucy pensava e claro,até eu organizava meus pensamentos.Ofeguei tomando ar.Eu
sabia,eu soube que mais do que nunca,Fera me atiçaria a mente.Temi,tremi ao questionar-me se eu estava ou não preparada para suportar.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Dom 31 Out - 11:56:56

Imagine-me sentido-me irritada,foi se minha pessoa se envolvesse em cãos.E tudo nesse momento tende a funcionar dá forma mais gradual possível.Sinceramente minha
pessoa se envolveu em silêncio.Quando a sóis no quarto após nos arrumar-mos,Lucy desejou ajudar-me a enfaixar meu pé ferido.A olhava sentada a beira da cama,pensa-
va em como continuar.Sinceramente depois deste ataque sentia-me tomada de angustia.

Havia escolhido uma camisola longa de cor amarelo-escuro.Pensava.A querida Lucy não parava,mantinha-se abaixava a minha frente enfaixando meu pé,seus cabelos ne-
gros andulados escorrendo pelas costas ao estarem soltos.Nem sempre somos sensatos,correto? Nem sempre estamos aptos para que possamos compreender.Foi como se
minha vida se transmutasse em loucura por alguns segundos-Está pronto querida,está pronto-A olhei levantar-se,andar por alguns segundos no quarto.

-Sabe se está doendo? O corte vai cicatrizar rapidamente-Assenti pensativa,ela pegou seu longo roupão de seda,a camisola no mesmo tom fazia o conjunto perfeito por se-
rem de cor vermelha,puramente vermelha-Obrigada querida-Brami.Mas eu não sabia que ao decorrer dos próximos dias minha depressão seria tão grande.Ao está em casa
após voltar do trabalho,em plena sexta-feira,me senti tomada de medo,aflição.

Isabel se despediu de mim antes deu tomar posse de Samantha,foi como se meu coração doesse por completo neste momento.A tirei do cesto delicadamente,o frio que a
chuva provocou me foi maravilhoso,vi quando ela sorriu para mim-Oi amor,finalmente sozinha com você-Ela continuou rindo,moveu suas perninhas para cima e para baixo.
Ofeguei sentido-me melhor,mas apesar de tudo,me era aterrador o que sentia ao está com ela no quarto.

Tirei meu jaleco ao colocá-la sobre minha cama,a olhei ao andar delicadamente pelo quarto.Me despi rapidamente-Ah,vamos tomar banho? Adorária ter sua compainha.Será
que seu pai se agradária?-Ela riu novamente,parecia-me uma boneca vestida com um de seus vestidinhos de algodão macio,a cor cinza me foi agradável.Com o tempo jazia
com ela na banheira,durante todo tempo me foi imprecionante o quão ela se manteve calma.

-Olhe para você! E como se nada o que aconteceu,lhe importasse,sequer sentisse-A olhava ao mantê-la pousada sobre meu colo,mantinha minhas pernas curvadas,ela segu-
rou o meu dedão da mão por alguns segundos,a água do banho para ela,estava maravilhosa,sinceramente encheu-me o coração me envolver nessa questão.Pensei em Aziel
neste momento,foi como se ele estivesse presente.

A quietute tomou-me por alguns minutos,e derrepente sem perceber a depressão me veio ao coração.Não esperava que viesse segurar Samantha tão forte contra mim,ela a
olhar-me quieta,pensativa.Seus bracinhos se moveram até pousarem sobre meus ombros.Ela escondeu seu rostinho entre meus ceios por alguns momentos,ofeguei triste,não
pensava que Samantha fosse sobreviver a minha gestação,mas lá estava ela,ela que acolhia-se a mim como uma menininha precisando de ajuda,imensa ajuda.

Foi como se meu lamento neste momento brotasse de vez.Ofeguei a apertando-a contra mim,lhe dando apoio,pensava ao olhar para frente,foi neste momento que ouvi ge-
midos delicados de Samantha,foi o bastante para chorar,me encher de magoa,tudo isso,fiquei imaginando Graciel conseguindo se desvencilhar e por fim,enfiar aquela maldita
lámina nas costas de Aziel lhe perfurando um dos pulmões-Disse-me que me daria algo,deu,mas porém,não compriu sua maior promessa maldito:Ficar comigo-Minhas palavras
ecoaram pelo banheiro.

Lembro com perfeição após arrumar-me depois do banho,ao deitar-me,o modo como aquela bonequinha se acolheu mais a mim,grudou-se querendo mamar até dormir
ao meu lado.Me foi cálido.O passar do tempo e descanso nunca me foi gratificante como neste momento.A minha depressão piorou ao decorrer dos dias,foi como um
ácido me corroendo por dentro,me tomando em todos os aspectos morais e esperituais.Tanto que levou-me a sair do meu trabalho indo direto para a mansão de Lucy.

Ela não me esperava,não havia sido avisada para que me encontrasse em seu lar.Era noite,não me preocupei ao deixar Samantha aos cuidados de Isabel,já que ela es-
tava na casa dela.Ofeguei ao entrar com meu porshe pelo portão,nunca em minha existência esperei por um momento como esses.Me foi aterrador,a chuva começou a ca-
ir exatamente no momento em que Lucy abriu a porta.

Me deparei com uma jovem mulher com seus cabelos presos para trás,usada calça de algodão negra,camiseta na mesma cor do tecido,pantufas para conforto de seus pés.
-Lilith! O que foi? Olhe seu estado!-Chorei! Estava sendo insuportável! Disse isso a encarando ainda do lado de fora,estava molhada pela chuva,todo meu vestido de algo-
dão estava-Não aguento Lucy! Não aguento! Me conforta por favor!-Me vi abraçada a ela,ela que fechou a porta com delicadeza.

Ah,céus,que maldição,Sara,que tensa maldição ao está com a doce Lucy no quarto,chorando por algum tempo,e depois me deixar envolver em seus braços.Com o tempo
jaziamos deitadas na cama de seu quarto,a chuva não parava de cair do lado de fora,trovões ecoando por toda Cidade.Está época de chuva me era maravilhosa por tudo
isso que proporcionavá-me,até mesmo em meus piores momentos.

A beijei com profundidade ao mover-me ao seu lado,sentia seus dedos tocar-me o rosto delicadamente,os lençóis macios me era maravilhosos,á ouvi ofegar quando desli-
zei os dedos pelos meus cabelos jogando alguns fios para trás,beijei-lhe os ceios quentes,ela ofegou novamente.Tinha feito uma loucura,a depressão por tudo me levará a
agir nesse contexto: Amá-la,amar a seu futuro filhote,e ainda por cima,saber que ela me protegia,assim como eu a protegia.

Foram juras necessárias,e ao olhar em seus olhos imaginei toda situação caso Aziel ainda estivesse vivo-Me ama de verdade não e? Me perdoa por ter cido tão egoísta? O
arrependimento e dolorido querida-Ela ofegou por alguns segundos,eu estava suada, tinha minha pele humida de suor,delírios provocados por ela-Lilith,eu me sinto em paz.
Mas saber que tu se sente assim,isto e preocupante-Sorri secamente por alguns segundos.

-Nem sepre estamos felizes querida-E foi com esse jeito pretencioso que me envolvi com a maior profundidade possível perante minha situação depressiva.Novamente lhe
peso para que tenha atenção Sara,há muitas coisas que sua pessoa,só agora começa a compreende,falo da verdadeira ordem dos acontecimentos,e ainda por cima o que
chamo de ***Verdadeiros preceitos & acontecimentos***.

Terminamos a noite dormindo uma ao lado da outra.Não lembro a continuidade de tudo,mas sei que em meio a madrugada voltamos a fazer amor até o amanhecer.O que
me foi pior ao decorrer do tempo,após esses momentos enlouquecidos,foi quando ao está em meu quarto escrevendo,algo me chamou.Tinham se passado semanas como
deve saber,acredite,não foi a toa que meus intervá-los a vê-la,foram longos Sara,muitas coisas aconteceram enquanto isso.

Foram risos que me chamaram."Ah,céus!".Ouvi algo bramir.Corri em direção ao salão de recepção,me deparei com a cena mais deslubrante de todas até então,vi quando
Samantha pode de mover ao está dentro do seu cesto,as chamas da lareira crespiraram.Céus,ela havia se virado,movido as mãozinhas delicadamente sobre a boda do ces-
to e saído engatinhando a procura de algo-Nossa! O que pretende com isso?-Brami.

Minha túnica movia-se enquanto endava ao seu redor,apreciando a verdadeira pretenção dela.Olhar aquele bebezinho engatinhar,ter seu manto se arrastando enquanto is-
so me foi maravilhoso-Olha só,olha só!-Bramia sem parar,era uma princesa engatinhando a procura de algo,não que ela pudesse andar,mas podia engatinhar tentando saber
aonde algo se escondia.

-Samantha,Samantha!-Disse a seguindo até a varanda de entrada para o jardim dos fundos,foi nesse instante que vi Redenção sair detrás da imensa arvore,nunca a noite
me foi tão maravilhosa,era ele que ela procurava,aquele bebezinho que mal acabará de aprender a engatinhar,procurava a ele."Ela me assusta,ela tentou me queimar ma-
terialmente".E ela tentou novamente ao vê-lo aproximar-se,isto ao tocar em sua mãe.

Redenção andou para trás temeroso,ela riu mantendo seus bracinhos esticados enquanto a segurava nos braços."Para com isso,assim,ficará impossível nossa convivência e
negociações quando precisar ajudá-la".Eu ri apreciando a cena-Céus,foi sofrido,mas ela conseguiu,não vai demorar até ela está andando,as semanas passam,e muito rápido-
Vislumbrei Redenção me fitando,ele desapareceu tremendo de medo devido a Samantha.Ela ficou olhando para o nada,o lindo jardim.

"Ah,que maravilhosa princesa,logo,logo deve está aprontando por ai".Ela riu docemente,ouvi seis cálidos risinhos de bebê ao subirmos.Ao fim da noite ela tomou uma dê
suas mamadeiras de mingau matinais.Mais um fato imprecionante que eu nunca vou entender,mesmo estando descrevendo isso para você,Sara,foi ao passar de dois dias.
Foi no início da tarde,eu almoçava acompanhada de Isabel,ela que veio ao meu encontro.

Do nada ela se assustou ouvindo o vento rugir forte,a quietude pairou pela casa.Eu e ela subimos temerosas para o meu quarto.Até o momento não sabíamos o que acon-
tecia-Vai saber o que é,odeio esperitos-Isabel disse me empurrando em direção a saída do quarto.Ao andar pelo corredor ouvi uma voz masculima,adocicada,porém,não sa-
bia de quem se tratava,mas quem sabe agora eu suspeite de quem seja."Cuidado minha menina,começa a se envolver em seus dons muito cedo".Sons de alguma coisa se
movendo dentro do quarto de Samantha.

Ao entrar gritei de medo ao vê uma sombra saíndo pela porta,a porta que fechou provocando maior extrondo.A olhei,ela dormia de bruços envolva em seu manto.Céus,eu
tremia de medo a olhando,foi quando ela abriu seus olhinhos,ficou nitido ao pegá-la nos braços que ela olhava para o nada como se visse algo,mais aterrador ainda ao cami-
nharmos pelo corredor indo para a sala de recepção,o modo como ela continuava olhando para algo.

Nunca me esquecerei dos tremores de Isabel ao olhar para ela ao juntar-se a nóis-Lilith! Tenho medo,e claro como malva de petálas de rosas que Samantha emanará mais
cedo do que pensavámos,seus dons,e o pior! Vejo que essa menininha ai,detém a mistura perfeita do que foi o pai dela,e você-ofeguei a fitando,Samantha se acolhia junto
a mim no colo,uma menininha encarando Isabel secamente.

Percebi a frieza no olhar cinzento dela.Mas o que tinha sico aquela voz? Um homem falava intimamente com ela,Samantha espirou devido ao ar pesado,segurei suas mãozi-
nhas-Isabel! Não se preocupe,sei e acredito que poderemos conviver com Samantha,Aziel disse claramente que devíamos nos preparar para isso,ela seria uma bruxa entanto,
ele acreditava nela,via nela o maior potencia até então de sua família-Isabel riu por alguns segundos-Entendo,que seja-Samantha espirou novamente-Ah,amorsinho,espero
que esse tempo frio não lhe deixe resfriado-Me deparei rindo docemente.Ofegar de amor,só isso que senti neste momento.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Dom 31 Out - 13:23:03

Há! Nem sempre estamos aptos a compreender,correto? Principalmente quando se diz a respeito de VISITAS inesperadas.Nunca me passou pela cabeça que viesse
receber uma visita tão espécial como nesse momento.Não tinha se passado sequer cinco dias após esse impasse com Samantha,e me deparei com uma forma de visi-
ta inesperada.Era noite,eu tinha acabado de entrar pelos portões com Samantha.

Aproveitei que havia chegado cedo do trabalho,para sair aos bosques com ela.Sinceramente abrir a porta e me deparar com Hyarian me foi assombroso,de imediato
andei para trás,temi de verdade que ele tivesse vindo a procura de algo,céus! Quem sabe levar Samantha seguindo ordens superiores dos anciões.Ele andou fitando-
me ao levantar-se da poltrona na sala.

-Mas o que faz aqui Hyarian?-Ele ofegou por alguns segundos,tinha seus cabelos amarrados para trás,havia caçado antes de vir para nossa caça,ao entrar na Cidade.
Seu belo casaco negro de belo corte era encantador,a calça de corte clássico também,os sapatos brilhosos.Ele pegou Samantha delicadamente,a olhou como se lhe fos-
se algo precioso.

Ajeitei a borda de meu longo vestido negro de lã finissíma ao sentar-me no sofá,meus cabelos soltos me eram confortáveis,ao vê-lo sentar-se na poltrona assenti fican-
do quieta,ele atendia ao desejo de Samantha de tocar-lhe nos dedos.Foi como se a presença dela o fizesse bem,sinceramente minha pessoa ofegou temerosa,ele voltou
sua atenção a mim-Não se preocupe,ainda não sabemos o que decidiremos a respeito de Samantha,já que desde quando as Bruxas Lioncourt surgiram,despertaram para
o mundo,o mundo imortal se viu tomado-Compreendi.

-Mas o que o trás aqui Hyarian?-Ele riu por alguns segundos,mas depois acolhendo Samantha junto a si,disse-me-Desejo levar-lhe a Ilha de Tompei,ele ficará fora por
várias noites,está em Athena neste momento com os anciões,não sabemos o que Vitória Regia decidiu para si,mas trata-se de algo importante Lilith,sei que papai está
desesperado pela decisão dela,está argumentando com ela neste momento para que ela tenha tomado a decisão certa-Compreendi-Entendo,e algo que diz respeito so-
mente a ela,imagino como o pai de Aziel deva está-Hyarian neste momento me repreendeu.

-Ex-pai,sabe que Aziel morreu e antes de tudo eu quero aproveitar está change para que possa visitar o túmulo de Aziel,para que possa pensar,para que saiba que eu,
apesar de muitos não a quererem ajudar,estou disposto a saber como minha sobrinha anda-Ofeguei pensativa,levantei-me ao vislumbrá-lo erguer Samantha a frente.
-Obrigad,pensei que vossa pessoa pensava diferente-Ele pode acolher Samantha junto a si.

Ela não largava de sua chupetinha delicada,ofegou sonolenta,foi como se a presença dele lhe fosse cálida,cheia de preceitos-Que bom! Parece que ela gosta de mim-O
seu olhar foi nitido,tomado de angustia-Ah,Aziel,és maldito por deixares uma coisa dessas-Disse ainda olhando para ela-E verdade que aquela guria da Lucy futuramen-
te dará a luz a um filho dele?-Ofeguei-Sim,um menino-Foi como um golpe terrível em seu coração.

Antes deu ligar para Isabel pedindo que ela ficasse com Samantha enquanto jazia nessa viagem,vi ele sentar-se-Maldito ele foi,imagino o quão varão ele deve ter sido.
Espalhador de sangue,perpetuador maldito de sangue-Eu ri pensativa,sentei-me na poltrona,me deparei arqueando a sobrancelha,tinha o telefone sem fio na mão-Não
sabe o quanto.Foi varão,varão até mais,e como muitos diriam: Muito sangue Lioncourt para uma pessoa só-Ele ofegou,enquanto avisava a Isabel que iria está fora nos
próximos dias,ele deitou-se de lado no sofá com Samantha ao seu lado.

Estava acertado: Isabel viria de imediato vê Samantha.Eu deixei minha menina em sua cama no quarto,trancando a porta fomos para o lado de fora,deixei as chaves
debaixo do tapete como havia combinado com Isabel. Hyarian me acolheu nos braços ao irmos para os fundos no jardim da casa.Subiu comigo aos céus da Cidade,eu
não estava preparada para a visão sublime da Cidade.

Ás luzs bruxelando abaixo de nóis dois me foi assustador,movi meu rosto o escondendo entre o seu longo casado."Faça-o rápido".Brami,ouvi seus risos,o vento era ater-
rador,sem dúvida de que demoraria até chegarmos.Foi como se minha pessoa deixasse os gritos ecoarre.Acordei deitada em uma cama,ela era imensa,imensa! Jazia no
quarto principal de algum lugar na Ilha que ele dizia ter me levado.

Estava escuro,nevando! Dá para entender!? Senti a aterradora presença de Hyarian vindo dos campos.Segui ao levantar-me pelos corredores,geltilmente minha pessoa
vislumbrou o imenso salão do que me parecia ser um palácio:Conjunto de sofá e poltronas brancos,a mesa de vidro de centro ao meio decorada com jarro de rosas ver-
melhas,o cortinado se moveu com o vento.

Ás luzes cálidas do salão me confortaram,eu andei ao sair pela varanda,pelos campos,vi o cemblante de Hyarian sentado a beira do penhasco da Ilha,ele pensava,esta-
va vestido com uma bela túnica de cor cinza,vê-lo sentado de costas me transmitia uma imagem de pura elegancia.Será que ele sabia que eu tinha acordado? Ao decor-
rer de meus passos ele levantou-se me fitando.

Esticou a mão-direita em minha direção-Finalmente acordou querida,se passou o dia inteiro em meu recolhimento no sotão do palácio enquanto tu dormia-Ofeguei pensa-
tiva,o cinturião de ouro que ele usava me era a imagem de um puro Deus,lhe transmitia acolhimento,vi as pedras de safirá,rubi decorando o cinturião ajustado a sua cintu-
ra reta,estando por cima da pela túnica de linho.

Muito elegante,me assombrei enquanto andavámos em direção ao túmulo-Sabia que dá última vez que ele esteve aqui,ele só de raiva,libertou um Deus? Tupã me foi
aterrador,ele o livrou do englasuramento com a justificativa de que Tupã podia se liberto,tinha aprendido-Ofeguei gentilmente.Só quando paramos e que me asosmbrei
ao sentir caláfrios,ele virou-me me fazendo encarar o túmulo-Aqui está querida,tudo que precisar me dizer,fale-Ofeguei temerosa.

Tive medo,sabia que o corpo de Aziel jazia englasuraro dentro de uma lápide de gelo-cristalizado,inquebrável nos conceitos naturais! Deixei a mão fechar-se a frente de
meus ceios,o vento fez meu vestido oscilar,muitas rosas,inumeras rosas havian crescido nas últimas semanas sobre o túmulo,ele jazia coberto por rosas vermelhas se des-
tacando em meio a escuridão.

Só quando as gotas de lágrimas me vieram,e que Hyarian se retirou para esperar-me no lindo salão do Palácio.Será que era verdade o que enchergava? A lápide com
o nome de Aziel gradado em pura prata jazia perante mim,o vento fez as rosas se moverem,petálas voaram.Ao piscar os olhos me deparei com imagens rispidas,desa-
bei com as mãos arqueadas sobre a Terra humida,a neve caia,continuava cobrindo a paisagem-Aziel,está preservado,nem as forças do tempo,deste planeta destruiriam
seu corpo-Será que existia alguma esperança? Nunca vou saber,Sara,e nem soube naquele momento.

Me deparei com imagens do casulo de gelo-cristal envolvendo seu corpo,com um jovem morto jazendo apricionado lá dentro,eternamente marcado,é como desejei po-
der abrir o túmulo,tirar o corpo da lápide imquebrável de cristal.Chorei acuada por muitos minutos,nem o frio me fez sair daquele lugar.Só quando pude arrancar algumas
rosas e fazer um lindo buque e que sai.

Me direcionei ao palácio,Hyarian não acreditou na minha situação."Céus,parece que viu assombraçõe".Conversamos por alguns minutos,lhe disse do que acontecia com
Samantha,ele disse-me assustado,temeroso que devia lhe chamar,não devia esperar."Se Samantha ainda tão pequena vê esperitos,os sente,ou os manipula,e que algo
daquele maldito corre em suas veias.Já vi Aziel fazer coisas terríveis Lilith,terríveis".Últimas palavras antes deu me envolver em prantos.

-Aquela lápide! O casulo de gelo cristalizado,e inquebrável,correto!?-Ele ofegou cheio de tristeza-Foi feito por minha mãe,minha meia-irmã Sépia,e acredite! Ninguém o
quebraria se não as duas-Ofeguei tristemente-Diga-me querido;o que levou-os a essa decisão?-Ele ficou pensativo-Ah,coisa nossa,não temos esperanças de trazer Aziel
de volta,morto,morto como a malva da escuridão que foi o que lhes restou,porém,se tivermos a change de fazer-lhes algo precioso,que seja-Compreendi.

Foi desta forma trágica que conclui minha conversa com Hyarian.Passei três dias na Ilha,só quando Hyarian decidiu e que voltei para casa.Entrei em estado de solidão.
Não desejava vê Lucy,sequer Isabel! Não sei o que acontecia comigo,mas foi o bastante para deixar Samantha sozinha em uma noite chuvosa.Quando a chuva passou
eu peguei o Porshe e sai em direção ao imenso bosque.Eu chorava,não entendia o que se passava em meu coração.

As imagens da Ilha,daquele lugar não me saiam da mente.Chegando ao lago parei o carro,sai aflíta,e foi quando deixei meus berros ecoarem em meio a solidão e silên-
cio da noite-Fera! Para de me importunar,encher-me o coração de medo!-Chorosa estava,o vento fazia minha túnica reverbar.Gritei angustiada novamente.Iria enloque-
cer,ficar louca! Havia demorado,já vinha sentindo.

Mas Aziel me fazia falta,cortava-me a celfa da alma sua falta de presença,de vida.Ouvi passados,cai para trás encostada na pedra ao vislumbrar Fera andando em minha
direção-O que quer? Tu e que me importunas,lhe disse que lhe afagaria o coração quando me chamasse,não a forçarei a nada,mas Lilith! Tua alma não estará em paz até
não decidir o que quer,o que anceia-Ofeguei,curvei as pernas contra mim (Uma garotinha acuada diante do animal).Estava tomada de medo,tudo isso.

-Vou morrer,estou morrendo,sabe o que sinto? Ah,não sabe-Ela manteve-se de pé diante de mim,fitou-me silenciosa,esperava.Eu pensava.A minha loucura havia me leva-
do a este momento,sonhará com meu Aziel várias vezes ao decorrer desse tempo.A olhava,trocavámos olhares silenciosos,era como fogo queimando em meu pensamento.
O que decidiria de minha vida? Não sabia,mas estava enlouquecida,cheia de medo,tudo isso.Veria por mim,perante minha dor no coração.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Seg 1 Nov - 11:05:01

Foi como outrora em meu passado.E como eu desejei vislumbrar tudo que eles havian sido.Fera manteve-se silenciosa,o vento reverbava contra ela lhe fazendo o pelo
mover-se,pelo macio,pelo visto,macio como algodão,neve.Não demorou para ela manter-se silenciada,pensativa a respeito de minha situação esperitual.Os ferozes olhos
emanando um sutil brilho por alguns segundos.

-Tome cuidado,ainda não conquistou sua vitória entende?-Ela lambia sua pata,a pata macia e longa,nunca pensei que em certos aspectos ela poderia ser tão perfeita.Vi o
cemblante da Lua negra em sua testa,ela arqueou as orelhas pontudas,como a malva do luar fazia seu pelo brilhar.Pensei que ela não teria coragem de responder-me,mas
teve,o tom de sua voz me vez delirar por alguns segundos profundos.

-Eu sei,sabia que enjoei de te procurar? Sei que Drarytha e Mana construiram uma família entanto.Claro! Drarytha não sabia da existência de um filho dele e de Mana,eu
vejo o bastante para saber que Mana cuidou muito bem de sua família,ensinou com maestria as antigas artes-Ofeguei nesse momento sendo tomada por preceitos antigos.
Mesmo assim,estava difícil conversar com ela,me mantive quieta,ainda angustiada-O que quer dizer com isso?-Quis saber.

Ela levantou-se novamente,vi como bochejou tomando ar.Uma alma Bestial como ela tinha essas necessidades? Olhou-me de modo pretencioso sentindo minha dívida-Eu
é os demais,qualquer alma,esperito,temos as mesmas necessidades,só não digerimos comida,mas necessidades de respirar,cheiras,andar,são as mesmas,só estamos desma-
terializados-Ofeguei levantando-me.

Sinceramente!? A presença dela começava a me fazer bem! Não compreendi os motivos-É por qual motivo veio aqui Lilith?-Arqueei minha sobrancelha,dei de costas pensan-
do profundamente-Pensei que teria coragem,mas vejo que não-Foi como malva para ela,era terrível como ela não precisava falar,mas,sim,emanar seu pensando em respos-
ta-Hum...Ao contrário de Drarytha,que criou-se para fazer guerra,isto é! Ele mesmo provocou está maldita guerra,pelo visto vossa pessoa,recriaria os Seres Bestiais para po-
der renová-los,falo de pacificar,separar os dois mundos-Ofeguei ao virar-me a olhando.

-E por que motivos vale está guerra,Fera? Ah,céus,indiotisse,custou-nos a vida de Aziel! Uma pessoa que amei e ainda amo tanto! Não entende isto,nunca entenderia.Mas
será mesmo que lê meu coração? Impossível,amei Aziel,se eu pudesse está em seus braços,agora,eu estaria. Ele me faz falta,imensa falta.

Ela silenciou-se,pensou com profundidade-Ao contrário do que pensa,Lilith,convivi o bastante com ele para lê em seu coração o amor imaculado que ele teve por Mana e sua
Kalawina-Pensei com profundidade,mas me foi impossível entender,ela continuou-Kalawina morreu,ainda vive,não sabe da parcela de culpa que ele carregou até nos novos
tempos,antes de morre,a vê viva,apesar de amar tanto Mana-Ofeguei,afastei-me andando para trás,sentei-me em uma pedra.

-Continue-Pedi delicadamente-Desde o nascimento do filhote humano de Drarytha e Mana,na sua vida passada com Aziel,a destruíção entre Kalawina e Drarytha.Ah,céus!
Essas duas malditas famílias sempre estiveram entrelaçadas,unidas,lamento tanto que Drarytha nunca tenha visto isso,soubesse de tudo-Arqueei a sobrancelha-Ah,coisas do
passado! Tudo defitivamente separado-Não esperava pelas crueis palavras dela em resposta.

-Não,veja sua filha,veja Samantha! Naquela pequenina corre em suas veias algo maior do que os antigos membros,sabe disso-Levantei-me enjugando as poucas lágrimas a
restar-me,ofeguei,o vento veio frio,tocou-me o rosto-Lilith!?-Ela disse ao ver-me caminhar em direção ao meu carro-O que foi!? Basta-fou inútil vir aqui,sabe disso-Ela ofegou,
ouvi o ofegar por seu pensamento-Pense querida,pense! Se é o que deseja,se deseja mesmo receber o que tenho a lhe entregar,eu entendo,se pretende usar isto para sepa-
rar os dois mundos e instaurar a ORDEM,eu compreendo-Eu tinha ouvido bem!?

-Faria isso por mim!? Ah,imagina! Mente-Foi neste momento que o silêncio pairou entre nóis duas,e pude vê sinceridade em seu olhar,uma sinceridade inegável,e ela disse an-
tes deu partir-Vampiros e Seres Bestiais nunca poderam viver juntos,viver pacificamente,sabe disso! São duas raças feitas para guerrear,veja quanto sangue derramado! Se
quer mesmo instaurar a Ordem,está e a change,e não a negarei,vejo em você o potêncial para trazer a ordem que Drarytha não foi capaz de trazer.Está foi o erro dele,o seu
maior defeito! Vejo que não e o seu-Ofeguei,me apressei em entrar no carro dando partida em seguida.

-Não sei Fera,mas admito: Vejo sinceridade em você,vou pensar,até lá,por favor! Deixa-me na paz-Ela olhava-me."Se é o que deseja,tudo bem,e uma tregua".Sumiu,com
isso peguei caminho de volta para minha casa,na estrada vi quando Redenção apareceu ao meu lado sentado no banco,ele olhou-me irritado,eu seguia prestando atenção na
direção,ele tinha seus braços cruzados.

-Maldita és! Mil vezes maldita! Acha mesmo que mesmo Fera a amando como eu a amo,pode trazer a ordem? Loucura!-Disse,não só preocupado,mas tomado de presságio.
-E se eu pudesse? O que faria comigo?-Lhe disse-Não sei! Loucura,loucura!-Lembro de ao chegarmos em casa,discutir com ele,vi taças de vidro quebrarem na cozinha,nunca
tive uma briga com ele,como naquele momento,ele chegou furioso,tomado de irá.

-Maldita és! Não pensa em Samantha!? Sua filha? O que Aziel lhe deixou!?-Ah,céus,ele não compreendia,não compreendia! Eu jazia chorosa sentada á mesa,tinha os dedos
de minhas mãos unidos a frente-Não e isso Redenção,e que...-Ele virou-se olhando-me-O que é então!? Solidão? Medo,frustração!? Samantha precisa de você,precisa que a
mãe dela coloque a mente em ordem para á criar,a fazer plena.Está foi a missão que Aziel lhe impos ao pedir-me para tirá-la daquele covil-Ofeguei silenciado-me,pensava
friamente em suas palavras.

-Será mesmo que ela precisará de mim? Será que Isabel não seria uma mãe melhor,do que eu?-Isto o revoltou,ao parar ao meu lado segurou-me pelos ombros,sacudiu-me
a mercé de seu feroz olhar-Tenta e juro! Eu a mato,não atendi ao pedido de Aziel envão,ele sabia que ia morrer entende? Ele pressentiu isso ao vê Hyarian,ao saber que vo-
cê poderia ser salva-Não esperava o tapa em meu rosto ao vê-lo largar-me fazendo-me sentar na cadeira.

Este foi o fim de nossa discussão,fiquei devagando por alguns momentos.Quando sozinha no quarto com Samantha,a deixei mamar,não esperava que ela estivesse famin-
ta como aparentou está.Eu havia lhe tirado as roupinhas a deixando despida para lhe dá frescor,isto a fazia bem,apesar do frescor dos últimos dias,eu senti que ela precisa-
da se refrescar como esperado.Maior,porém,não totalmente crescida.

Mais esperta,mas ainda,muito o que desenvolver,lhe acariciava os cabelos enquanto ela mamava-Admito,mesmo estando varindo na alimentação,mamará muito ainda-Os
seus olhos se fecharam aos poucos.Foi ai que pensei:Será que ela me amava? Naqueles delírios ela aparentava ter tanto ódio por mim.Foi quando lembrei ao dizer-me que
não lembraria mais da outra vida,Ofeguei.Dormir com ela nesta noite tenebrosa para mim.Na manhã seguinte Lucy me ligou avisando que eu deveria encontrar-me com ela.

Poderíamos passar algumas horas juntas.Foi inesperado,mas atendi ao seu pedido.Eu cheguei por volta das 18:30 da tarde.Havia tomado banho,Isabel antes deu sair pega-
rá Samantha em casa a levando para sua.Lucy me olhava pensativa conforme terminava de me arrumar após o banho,ela havia acabado de concluir um de seus processos
empresáriais.

-Apesar de tudo,sente-se bem? Acha que apesar da correria,conseguirá lhe dar com a situação de mãe?-Ela olhou-me pensativa,respirou fundo para que pudesse responder.
-Sem duvida Lilith,mas sei que podemos negociar,correto?-Sorri.Quando terminei de escovar os cabelos me dei por satisfeira por está vestindo uma de minhas túnicas,a cor
clarinha me era aconchegante.Espere o terrível Sara,por que o terrível se tornou real ao decorrer do tempo.

Foi durante a madrugada.Meus olhos se moveram ao sentir a claridade de um dos abajures acesos,senti-me tomada de irritação."Ah,céus,alguém me ajuda".Meu corpo es-
tava pesado,sonolento,novamente a voz de Lucy me veio a mente-Aonde está? O que acontece?-Ela respondeu do banheiro estava lá,o tom de desespero me foi ácido,eu
me deparei com sua pessoa tomada de dor,sofrendo devido ao impasse que tinha acontecido.

-Lilith chame uma ambulância,quer uma! Preciso de ajuda! Meu bebê-Quando ela desmaiou a segurei delicadamente,tentei não me desesperar,seria a maior insensatez que
minha pessoa poderia cometer neste momento.Quando no hospital me deparei sendo empurrada para fora da sala de emergencia a qual tinham entrado com ela sobre a ma-
ca hospitalar-Isto e um absurdo! Ao menos separam um quarto para ela!?-Só quando sentei sobre o banco do lado de fora,uma das enfermeiras me respondeu.

-Sim,tenha calma,a gente separou um dos quartos para a senhorita Lucy-Ofeguei,me entregaram um copo de água,tomei alguns goles,meus dedos tremiam,estava tomada
de tanta frustração e fúria nesse momento que,só um comprimido de tranqulizante para me acalmar.Olhava a luz***EMERGENCIA*** ainda ligada,foi como se meu cora-
ção doesse-Ah,céus,por favor.Não Ellenos Cyrus,seria injusto demais!-Brami em meio a solidão no maldito corredor.

Eu tinha saído da mansão de Lucy vestida com túnica,colocará apenas um toupão negro por cima,que loucura! Mas não sairia do hospital até ter notícias dela,de como a situa-
ção do Ellenos estava.Ao sairem com Lucy da sala de emergencia,o médico que a atendeu disse."Tenha calma,a situação foi controlada,pior teria sido de ela tivesse demora-
do a pedir ajuda.És irmã dela".Ah! Só podia ser brincadeira.

Entrei com ele no quarto que haviam escolhido para ela.Havia demorado,mas o respondi."Não,não me considere uma irmã dela".Me deparei sozinha com Lucy ainda dormin-
do ao decorrer do tempo,ela tinha a agulha de soro sobre sua mão,eu pensava,transtornada segurei firme sua mão.Ela dormia.A situação havia sido emergencial,mas porém,a
tranquilidade me tomada-Ah,céus,obrigada! Agora sei que Ellenos Cyrus nós espera-Passei toda manhã ao seu lado.

Sentada na cadeira,a noite tinha sido cansativa,estava com sono.Me mantive desperta,quando ela finalmente acordou me desesperei em olhá-a-Está melhor,não se preocupe
querida,tudo vai dar certo,deu certo-Ela ofegou tristemente-Pensei que tudo estava bem,acho que preciso de alguns dias em casa-Eu ri docemente,me curvei sobre ela poden-
do lhe beijar rapidamente-Será mesmo?-Brami,ela ofegou,veio a quietude.Isabel cuidava de Samantha,mas os cruciais cuidados pertenciam a Lucy nesse momento.Que fosse
como deveria ser feito.Nunca me senti tão aliviada."Eu te amo delicada menina,um dos poucos afagos que me resta".Lamentável seu estado,mas ela melhoraria,o pavor tinha
passado,era o que eu esperava.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Seg 1 Nov - 12:09:15

Fiquei imaginando enquanto me mantive com ela naquele momento,o que Aziel teria feito.Acho e tive certeza que ele teria enlouquecido,teria se sentido fracassado.
Demorou até que eu me livrasse desses pensamentos dolorosos.Não foi cansativo em nem um momento ao decorrer do tempo em está com Lucy,cuidando dela.Ela
quis ficar em minha casa,e assim foi.O decorrer dos dias me foram maravilhosos.

Em vários momentos ela quis voltar ao trabalho empresárial,mas tive que lhe forçar a retroceder em sua decisão."Não seja louca,por favor! Nem que seja por mais
um tempo,mas fica".Ela chorava horrores nesses momentos,mas compreendia minhas palavras.Foi como malva de preceitos maravilhosos cuidar dela,da minha doce
e imaculada Lucy.

Não foi drástico em nem um momento,não seria louca de lhe deixar faltar apoio moral e pisicologico nesse momento;mas em uma noite espécial,me deparei com os so-
nhos desejados,inesperados.Isto ao está com ela no quarto,ela jantava na varanda quieta,silenciosa,ela tinha tomado banho antes disso,eu lhe ajudei a escovar os ca-
belos macios,negros e imaculados.O frescor da túnica que ela havia escolhido,pelo visto lhe fazia bem.

A cor oliva como toque requintado de puxo luxo.Ela comida silenciosa,céus,devorada o prato cheio de sopa recém-pronta,sopa de legumes e pedacinhos de carne.Será
que ela estava acostumada com tal requinte? Sim,pelo visto,sim,principalmente ao beber alguns goles de vinho.Samantha dormia em seu quarto,não ia acordar tão ce-
do.Me mantinha sentada a frente da mesa da penteadeira,escovava meus cabelos depois do desejado banho.

Pensava ao ter meus olhos fechados,a camisola longa de seda que havia escolhido se atenuava a minha cintura,o tom violeta em destaque sobre as luzes,o roupão tam-
bém.Mas o que será que acontecia? Ah,céus! Como essa tranquilidade me era agradável,principalmente ao saber que Lucy avancará tanto em sua melhora ao decorrer
dos dias.Pensava,eu respirava tranquilidade nesse momento.

Mantendo os olhos fechados eu entrei em transe,transe de loucura ao lembrar-me de Aziel,o modo como aquele maldito varão me atiçava os instintos femininos.Nem o
Emanuel me provou tanta exasperação de delírio,paixão,amor,como Aziel,apesar deu tê-lo amado tanto.Eu pensava em Aziel,sentia suas mãos pousarem sobre meus om-
bros,seus beijos cálidos sobre meu pescoço,sentia sua respiração profunda ao está por trás de mim.

Ah,céus! Parecia loucura,pura loucura! E como pensei que fosse real,tão real! Que eu o tinha de volta,junto a mim,em nossa casa.Ouvi o bramir de sua voz,ou o que pa-
recia sua voz."Eu te amo,realmente a amo.Sabe que quando a tenho fico louco,enlouquecido.Estou de volta,preciso tomar conta de meus filhotes".Que lástima abrir meus
olhos e pensar que nada daquilo era real.

Ofeguei sentindo tristeza,imensa dor,havia terminado de escovar meus cabelos,pousando a escova sobre a mesa da penteadeira,deixei-me chorar por alguns instantes.
Me sentia odiada,injustiçada.Foi quando Lucy percebeu meu estado,levantou-se da mesa deixando seu jantar de lado para vir ao meu encontro-O que há? E como se
tivesse parado no tempo-Ofeguei,minha mão tremia.

-É eu parei no tempo,pensava em Aziel,ele faz falta,imensa falta,compreende? Ele conseguia organizar tudo,conviver comigo,cuidar do que era nosso,e deparar-me sem
esse apoio me destroi-Não esperava seu lamento.Ela lamentou,e muito! Me deparei conversando com ela ao longo de alguns minutos.Ela se curvou por trás de mim pe-
dindo para que jantasse com ela-Coma algo,sabe que ainda há sopa na tigela,precisa se livrar desses preceitos Lilith-Foi o que fiz.

Na varanda,terminamos a noite,jantamos sozinhas,silenciosas.Mas algo estava estranho,principalmente ao pensar que alguém havia saído do quarto de Samantha,corri
apressada pensando que alguém tinha vindo.Lucy veio atrás de mim-Lilith não acorda a menina,por favor-Me sentia angustiada,eu havia sentido uma presença cálida na
vindo do quarto,sumiu exatamente no momento que eu entrei-Aziel!? Para com isso!-Gritei.

Era loucura,imensa loucura! Devaguei transtornada ao sentar-me na linda poltrona de frente para a caminha de Samantha-Lilith posso fazer algo por você? Me deixa to-
mada de preocupação! Ah,céus!-Ofeguei silenciosa olhando para Samantha que dormia.Não era Aziel,nada disso,era o NADA me provocando dor,tudo isso-Não querida.
Preciso ficar sozinha,pode ir dormir,daqui a pouco me encontro com você-Ela ofegou tristemente,saiu devagante fechando a porta devagar.

Foi quando olhando para a cômoda do quarto de Samantha me deparei com algo surreal.Levantei-me olhando o jarro de flores,eram túlipas e rosas.Atenuei meu olhar
sobre as flores,vi que elas não marchavam a dias,nem um sinal de petálas sequidas.O modo como me deparei com o pano por baixo do jarro,fora do lugar foi estranho.
-Loucura,imagina? Pura loucura,inferno de vento-Brami indo fechar a janela do quarto de Samantha.

Ajeitei o coberto sobre ela,ela se aconchegou melhor sobre seu travesseiro macio,delicado-Preciso ir querida,amanhã venho a seu encontro-Mas antes de fechar a porta
do quarto,algo me veio a mente,o que fez meu coração arder.Lembrei que antes de entrar no quarto,o cobertor de Samantha a cobria,não mais antes de entrar,ele não
a cobria até o momento que a ajeitei.

Ofeguei pensativa."Esqueça isso Lilith! Loucura! Não deixe seus preceitos a enloquecerem!".Fui ao encontro de Lucy,ela dormia sobre a cama,os sonhos me esperavam.A
malva de pressentimentos me foi crucial.Quando o vento pairou pelo quarto,algo veio junto dele,me veio aos ouvidos."Não sabe,muito menos percebe,mas olho por vo-
cè".Que horror,pensei,virei-me deixando-me aconchegar mais de Lucy,seu corpo me aquecia,deixei meu rosto esconder-se entre sua túnica,o cobertor macio nos aqueceria
durante a noite,que pavor de preceito.Ofeguei entrando em transe de sono por defitivo e junto disso,lhe garanto,Sara: Acebei por deixar essa situação de lado.

Na manhã seguinte ao me encontrar com Lucy na cozinha já comendo seu café da manhã,eu vi uma caixa sobre a mesa,ela disse-Chegou para você está manhã-Fiquei
estupefada ao abrir a caixa e me deparar com uma seleta de livros.Lá estava um bilhete."Para Lilith.Espero que possa lê cada um com sua vontade e alma.Para que pos-
sa entender.Dê: Lestat De Lioncourt".Peguei a caixa indo direto ao quarto.

Lucy não me questionou sobre o que era,nem eu sabia! Fechei a porta na chave,fui para varanda deixando a caixa sobre a mesa.Vi a seleta de 19 livros ao todo.Olhei
a listagem na ordem que ele havia mandado,enfiado entre os livros-Céus!-Disse."Saberá a verdade diante desse matérial.Tivemos nossas aventuras,as contamos para
o mundo,eles pensam que são meras fantásias,que não existimos,mas somos reais,tocáveis como a malva do vento".Foi o que estava escrito atrás da listagem de or-
dem dos livros.

Os organizei,Lucy estava em casa,eu também! Só podia ser brincadeira,pelo visto ele adivinhou em cheio o momento certo de mandálos-Nossa,será que ele mandou al-
guém me espionar?-Brami,por último vi outro bilhete jazendo na caixa vazia."Eu a vejo por pensamento,tenho a mente ávida o bastante para me transpor para todo o
mundo,eu o conheço como na palma de minhas mãos.Tome cuidado,eu sei e vejo cada movimento seu,os passei á vigiar desde que Aziel morreu.Passar bem.Boa leitu-
ra".O remetente na caixa era secreto.

-Infernos! Ele e louco!-Disse,foi quanto dei-me a lê cada um.Acho que Aziel havia comentado de escritos parecidos,por alto,mas não com profundidade o bastante para
eu saber do que se tratava,mas lá estava os escritos,copias para ser sincera,Sara: Entrevista com o Vampiro,O vampiro Lestat,A rainha dos condenados,A história do
ladrão de corpos,Memhoch,Pandora,O vampiro Armand,Merrick,Sangue e Ouro,A fazenda Blackwood,Cantigo de Sangue,Rosas e Sangue,Espelho de Fogo,Gelo De
Sangue,O som das trevas,Toque De Pérola,Pecado Negro,Jardim Morto,Uma Luz Na Escuridão.

Toda essa listagem me chamou atenção,pelo visto 20 livros ao total,os devorava com vontade,agora suspeita aonde tudo isto ia dar? Loucura! Ao fim de tudo tinha a
mente enloquecida! Acabará de lê todo matérial as 20:00 da noite,e ao sair do quarto desesperada,Lucy me fitou ao ver-me entrar na sala-O que foi!? Céus,ficas-tes o
dia todo no quarto-Lamentável!

A olhava chorosa,tomada de tristeza,a vida de Louis,Lestat,de Maharet e Mekare,Tompei.Tudo isso se passava na mente,me queimava com ávida dor.Será que eu fi-
nalmente havia enlouquecido!? Olhava para Lucy-Querida preciso passar alguns dias fora de casa,por favor,não queira entender-Foi como destruíção para ela,eu preci-
sava respirar.

Lembro de ter ido ao claro,colocado apenas um roupão por cima de minha camisola,sequer havia me trocado ao longo do dia,envolta nessa leitura,e sai do mesmo jeito
de casa.Quando nas estradas tinha minha cabeça cheia de cenas,tudo isso-Eles contaram para o mundo,mas céus! Teem como assinatura outros nomes de autores,mas
são reais!-Eu chorava com vontade.

Todos os acontecimentos me tinham cido drásticos-Aziel agora entendo! Entendo tamanha raiva de sua família.Sempre a achou incopetente-Que loucura! Ah,céus! Sem
querer aquele maldito,o pai dele tinha me impulsionado a algo drástico,a uma decisão drástica-Preciso por um fim nisso,por um fim nisso tudo,nessa guerra maldita-Ainda
colocava meus pensamentos em ordem.

Não sabia o que fazer,não sabia! Minha cabeça estava turva,tomada de preceitos antigos,tudo que o pai de Aziel me mostrou através dos contos e fatos me foi de apavo-
rar-Foi você Drarytha,e verdade! E o que Fera fala! Tu és o responsável por essa guerra,maldito! Enquanto todos viviam,todos eles transpunham suas barreiras emociona-
is e problemas de vida,tu veio ceifando,implantando essa guerra.Não sei! Mas se puder ou tiver como,vou por fim nisso-Me deparava falando.

Segui pela estrada.Eu estava a beira da loucura quando cheguei ao bosque,estacionei o Porshe debaixo de uma arvore,o Lago jazia iluminado pelo luar-Fera! Sei que an-
da por essas Terras,essas águas! Sai,sai!-Pedi aos berros,tirei meu roupão de seda o deixando no banco do porshe.Andei a frente,berrava por ela,eu clamava chorosa,eu
precisava dela!

O vento reverbou em minha camisola violeta,o frio me tomou por completo."Maldito ele é,ele mandou aqueles escritos? Não á esperava,não para agora".A olhei sair
de trás das avores,ofeguei envolta na lástima-Ah,céus! O que foi aquilo? Tudo que vi!?-Desabei ajoelhada sobre a relva da margem do lago."Psiu,cuidado".Pediu.Tudo
que se passou em minha mente e que ia dar um fim a tudo isso,tudo que vés e lhes foi mostrado,Sara.Pensei ao olhar para ela parada diante de mim.O que faria!? Não
sabia,mas pensava deixando meu coração falar comigo.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Ter 2 Nov - 12:44:38

Foi como transposição de tempo,claramente que minha pessoa se deixou pensar,analisar a questão.Acha mesmo que meu coração estava contente com aquilo? Sara,foi
como se meus conceitos tivessem tido por água abaixo.Nem sempre nossas mentes conseguém enchergar o que realmente acreditamos,a encarava,repensava no que o
Aziel faria nesse momento,se ele permitiria ou não uma questão dessas.

-O que fará,Ferá? Vai mesmo me ajudar?-Ela deixou-se silenciar,sentou-se perante mim,olhou de lado,olhando para o Lago,nada se passava em sua mente,foi como se a
sua pessoa se silenciasse por defitivo,como se pela 1° vez,ela não tivesse nada para argumentar com minha pessoa.Me mantive quieta,ajoelhada ao decorrer de meus pen-
samentos.Será mesmo que alguma coisa aconteceria? Foi quando ela olhou-me delicadamente,o Luar pairou cintilante sobre seus olhos.

"Lilith,há um grupo singelo de Seres Bestiais,fica muito longe dáqui,não poderá ter os mesmos dons dos imortais,há diferenças está entendendo?-Levantei-me a encaran-
do com bela visão-Como assim?-Quis saber,ela não mentiu,foi direta ao assunto."Os bebedores de sangue,eles podem voar,adquirir movimentos rápidos,imperceptíveis
aos olhos humanos-Ela ofegou,vi seu bochejar delicado."Porém quando se trata da morte humana de qualquer Ser Bestial,ai e que acontece a difença: Terás um corpo
mais resisten,tomado de força,apesar de não poder se transpor aos céus".Ofeguei tentando imaginar.

Mas estava difícil,fiquei ouvindo."Terá tamanha resistência que nem sentirá sua viagem,poderá andar longas distâncias,alimentar-se de almas ou sangue,tanto faz,essas
são as duas formas de alimentação dos Seres Bestiais".Ah,parecia que ela finalmente chegou em um ponto especifico-Continue-Pedi."Almas eu necessito sempre,são pa-
ra mim,quanto ao ávido sangue,e comida para ti,nem pense em colocar qualquer alimento para dentro,fará mau,imenso mau".Ah,pelo visto eu começava a compreender.

Por mais escassa que fosse minha compreenção,ela me passava todo conceito esperado,desejado-Ah! Não e a mesma coisa!? Pensei que fosse,pensei que tanto bebedo-
res de sangue ou seres bestiais,tivessem formas parecidas de viver-Ela ofegou,o medo percorreu minha espinha provocando-me caláfrios,sinceramente pressentir o que a
Fera estava prestes a fazer,me provocou medo,imenso medo.

Sem querer andei para trás,segui para a margem das águas do lago,a olhava,me sentia trémula,com medo,ela fitava-me pensativa,silenciosa.Vi quando Redenção apare-
ceu por trás dela,ela virou-se o encarando furiosa."Nem tenta! Mesmo te odiando parece-me que teremos que conviver,não e? Sejamos sensatos!'.Redenção recuou,olhou-
me temeroso."Isso e um erro".Me foi doloroso quando ela avançou contra mim.

A vi pular no ar me fazendo mover os braços a frente,eu gritei! Gritei alto,tão alto que meus gritos ecoaram pelo bosque-Para! Não!-Tinha me visto sozinha,Redenção lamen-
tando ao fitar-me envolta nas águas do lago,eu tentava nada,me manter ciente.Olhava para vários pontos do Lago,nem um sinal dela,foi quando do nada algo me puxou pa-
ra baixo,algo me tomou por completo me puxando para além da largem.

Perdi nexo de direção,gritei,gritei ao sentir mordidas em meus pulsos e tornozelos-Ah,céus!-Gritei novamente,implorava para ela parar,foi quando ouvi pensamentos vindo
de seu ser."Seu sangue,ele me é precioso,tudo isso,a porta para mim".Será que eu havia feito a escolha correta? Não sei,mas lembro de sentir dor,meus olhos começaram
a se fechar,quando comecei a afundar me deparei olhando para algo.

Pensei ter sido o cemblante do rosto dela sobre as águar."Eu,eu...Ah,sua maldita".Risos me vieram a mente,sinceramente minha pessoa se sentia vazia,tomada de dor,eu
sentia algo entrando dentro de mim,lapsos de inconformidade se passando em meu coração."Finalmente!".Ouvi ela dizer á minha mente,jazia imersa nas águas limpidas do
lago,sinceramente ofeguei,era como se uma teia imensa tomasse conta de meu corpo,me pussuísse,ela era a teia.

Primeiro se impregnava em meu sangue sobre as águas,depois entrava-me na carne a fazendo doer,queimar por dentro.Em desespero ao decorrer do tempo,Redenção tirou-
me do Lago,sofri para compreender toda situação,ele segurava-me aflito,emersa na dor olhei fixamente seus olhos,ofeguei tomando ar,estava difícil de minha pessoa respirar.
-Redenção?-Brami,sentia tanta dor que ao olhar para os céus,gritei,gemi com contade.

-Ah,maldita!-Berrou ele,ele que desferia tapas em minha face tentando me manter acordada-Não dorme,por favor!-Pedia,mas estava difícil,movi meu rosto olhando para o la-
do delicadamente,me deparei olhando coisas além de minha percepção,fitava as almas,as almas jazendo neste mundo,coisa que nunca antes me foi possível apesar de meus
dons.Fechei meus olhos,me deparei a enchergando em um cantinho bem secreto dentro de mim.

"Finalmente,deite-se sobre a relva querida,depois começaremos a viagem,o grupo está escondido em um denso bosque muito longe,fronteira da Irlanda".Ofeguei,me foi in-
crível que Redenção tivesse contato com ela,ele deitou-me sobre a relva,olhou-me-O que farei com o carro?-O fitei delicadamente.Ah,céus,meu corpo doia,morria por comple-
to,era como se a morte me envolvesse por completo,senti quando meus restos mortais me sairam do corpo,que nojento,que nojento! - Querido vá ao encontro de Isabel,ela
saberá o que fazer,virá pegar o Porshe,tudo isso,estou cansada,muito cansada-Ela ofegou,curvou-se me desferindo beijos delicados.

-Tudo bem Rainha,tudo bem,sei que são para bons preceitos,há motivos sérios,me retiro,por favor! Mantenha-se a salvo,fora do sol,longe dela!-Senti quando o contato do a-
nimal dentro de mim forá imediato com ele.Nossa! A vi de pé em meio a escuridão,andando delicadamente,falava delicadamente"Some Redenção,precisa ir ao encontro de
Isabel,mande-a vir pegar o carro,mande-a cuidar de Samantha,precisamos ir,preciso proteger Lilith ao decorrer da malva do caminho".Redenção assustado sumiu.

Me encontrava sozinha,ofeguei,olhava para os céus,meu corpo morria,tudo humano era expulso de minha pessoa-Ah,céus,como doi!-Gritei aos ventos,enquanto isso soube a
mercé da solidão e tempo que a dor passava,que tudo terminará,senti ainda deitada,antes de me levantar,o modo como meus caninos se afiavam delicadamente,adquiriam
as pontas salientes,altamente delicadas.

"Finalmente,vamos embora Lilith! Precisa caçar na Cidade ao decorrer de sua andança".Ofeguei me sentando,pude levantar-me,minha camisola violeta ainda humida,mas eu
sabia que iria secar-O que farei!?-Disse-lhe ofegante."Tomar para si o que lhe pertence,o que foi feito para você! Reaver a ordem defitiva,a ordem que tu almeja dá aos dois
mundos em guerra! Não deve ter PIEDADE de quem errar,nem eu aprovaria isso".Ofeguei risinhosa.

Comecei a andar delicadamente entre o bosque-Ah,consegue lê meu desejo,emociono-me que o tenha entendido,o aceitado-Ouvi seu ofegar."Só um tolo não entenderia.Há
o porém nisso tudo querida! Tu tens sentimentos puros,quem o teria?".Ofeguei,e foi dessa forma que continuei a andar.Quando perambulando na Cidade pude caçar.Invadi a
mansão de um maldito magnata de tráfico.

O ataquei durante o sono ao invadir o quarto.Me deparei com sede,tanta sede que ofegava ao beber com vorazidade.Bebia,bebia com vontade,tensa vontade! Sentia meu
corpo se aquecer,daquela morte a vida,era como se o seu sangue se misturasse ao meu.O deixei sobre a cama após usar de meu sangue para lhe fechar a ferida na garganta.
Ofeguei ao sair,andei pelo jardim pegando as ruas."Siga para as colinas,as froteiras da Irlanda a aguarda".

E esse foi o início de minha jornada,destino.Um dos poucos grupos de Seres Bestiais ainda existentes jaziam no palácio em meio as montanhas Irlandesas,sinceramente não
fazia idéia do que aconteceria.Me escondia em grutas ao decorrer do dia,ao anoitecer,a continuidade da viagem.Percebi que conforme me aproximava,adquiria contato com
eles,o sigelo grupo que me era sentido mais próximo

Que loucura,correto!? Mas foi como Fera disse.Quando mais práticava,andava,nada sentia,nada me atacava o corpo,nada disso.Mesmo envolta na angustia minha pessoa sa-
bia que a continuidade era plena.Foi em meio a madrugada que cheguei,que vi o imenso palácio entre as montanhas da Irlanda.Havia chegado a fronteira,levei apenas três
noites,e isso por que quis descansar,caçar,saciar a fome durantea viajem.

Quando subi a escadaria ao entrar no imenso bosque,ofeguei ao parar diante da varanda,a imensa faixada me foi vista: Lindas colunas, gregas,a cor da malva da noite foi o
meu maior encanto.Vi quando a porta se abriu,um dos presentes me atendeu."Lilith,Lilith?".Disse repetidamente meu nome,ofeguei-Sim,sou eu-Seus olhos se atiçaram por trás
da brecha da porta,entrei quando ele esticou a mão.

-Graças! Graças!-Berrou tomado de angustia.Nunca me deparei com tamanha pessoa angustiada,um ser alto,loiro de cabelos curtos,vestia trejes negros,segui com ele silencio-
sa até o salã-Ah,céus!-Gritou temeroso,me fitava como se lhe fosse mentira.Foi como se eu tivesse sido uma aparição para ele.Segui a frente,ele me fez sentar em um banco
de marmore,mais me parecia um trono,Sara.Houve uma densa correria.

Muitos desceram a escada depois de seus chamados,o ouvia gritar."O que? Não pode ser!".Muitos diziam aos borbotões ao entrar.Era mulheres delicadas,luxuosamente vesti-
das,os homens também,os olhava como se me fossem algo espécial.Muitos se ajoelharam,se atreveram a beijar-me as mãos,algumas mulheres choravam,foi como se um ten-
so alívio os tomasse,um peso tivesse sido tirado.

"Somos seus cervos Rainha,seus cervos,filhos natos! Não importa! Somos seus cervos! Graças ao poderoso Drarytha.Louvada seja a semente humana dele,louvada seja Lilith".
Muitos choramingavam emocionados,se esvaiam sem palavras."Isso é,isso é...Loucura".Pensei triste,me pareciam tomados de tristeza.Com o tempo pensei.Levanteime poden-
do trocar algumas palavras-Que alguns possam ir ao encontro dos grupos restantes,estou aqui não para fazer guerra,mas talhar a linha de separação! Não haverá retalhamento
nem da parte dos bebedores de sangue,muito menos dos seres bestiais-Eles se entre-olhavam.

"Que seja!".Alguns disseram quando andei a frente,duas mulheres me ajudaram a subir-Vossos aposentos a esperam Rainha,pelo visto deseja um recomeço,uma linha separa-
tista entre as duas raças-Ofeguei.Subi.E esse foi o termino da ceifação de meu recomeço.Enquanto me arrumava nos aposentos,que por alias era um imenso quarto no último
andar do palácio pensava."O que será de mim!?".Ouvi risos nesse momento.

Muitos liam meus pensamentos-Reconstrução Rainha Lilith.Louvado seja a semente humana de Drarytha-Ofeguei,sozinha dei-me a andar pelo meu imenso quarto.Fui até a i-
mensa varanda,colunas imensas talhadas em mármore branco,céus! Um palácio talhado na pura arquietura grega,e só meu! Eu tinha tomado banho nesse tempo,e claro,tido a
notável escolha de túnica de tecido de linho,mangas longas,usava cinturão de prata encrostado de rubis.

Foi quando tive a miragem de algo acontecendo,céus! Nunca senti os poderes me serem tão imensos,intransponíveis,chorei em lamento por Vitória Regia.Ela que me foi vista
por mente em um porão.Pelo visto era nos fundos de sua casa.Ela olhava para alguém que a abraçava."Lhe darei o presente que lhe prometi a tanto tempo meu amor,estou a-
aqui,de volta,não devo desistir".Era um homem,pelo visto pai de Aziel!

-Ah,céus-Brami ao continuar vislubrando a cena:Ela o olhava,sorriu delicadamente ao beijá-lo,um beijo arduo,ele deslizou uma das mãos sobre a alça de seu vestido de seda.
O que se passava na mente dela!? Ela gemeu delicadamente quando vislumbrei aquele maldito enterrando os dentes na garganta.Ela o abraçava."Ah,sim,e como esperei que-
rido".O ofegar me veio,me tomou.

-Pobre Vitória Regia,seu destino não poderia ser pior-Bramia,pensava.Foi quando um dos homens entrou em meus aposentos,temeroso,mas veio.O vi ajoelhar-se diante de
mim ao voltar minha atenção a ele-Rainha Lilith!? Muitos a esperam,alguns sairam para contas as boas novas aos outros-Ofeguei,pensei.O que seria de mim!? Tremi de medo.
Será que eles me repudiariam ao saber de minhas verdadeiras pretenções!? Ah,céus,o que seria de meu destino?
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Ter 2 Nov - 13:56:30

Bem,tudo havia sido feito,eu pensei ao encarar aquele ser esperando alguma resposta de minha parte-Ah,sim,espero que tenham entendido minhas palavras-Ele
olhou-me por alguns momentos.Passei por ele seguir pelo corredor,lustres sobre o teto iluminando todo caminho-Rainha Lilith disse que pretente recontruir,mas não
está disposta a guerrar-Ofeguei ao continuar andando.

-Ah,sim e claro! Não estou disposta a argumentar sobre os preceitos do pacato Drarytha.Ele foi meu antepassado,correto!? Mas não estou disposta a continuar a bur-
rice que ele começou a tanto tempo-O ser ofegou,suas vestes claras me eram encatadoras-Entendo,mas eu,Natanael temo pelos outros-Compreendi,arqueei minha
sobrancelha delicadamente.

Ao decermos a escadaria de degrais feitos de puro mármore negro,ofeguei,muitos me fitaram,um grupo pacato,porém,bem organizado e ciente de minha presença.A
minha pessoa tremia conforme fitava cada um deles-Rainha Lilith,com quais própositos pediu para alguns serem enviados avisando de seus conceitos?-O jovem me en-
carava como se fosse ofensa.

Natanael se apressou em andar a frente o encarando-Deixe-a falar! Tenham calma!-Pedia,era como transtorno,me sentei no que eu passei a considerar meu trono.O
assento de mármore nunca me foi tão perfeito ao ter bases confortáveis,rigidas-Ah,céus,essa guerra foi nossa desgraça,a desgraça que Drarytha trouxe para todos! E
mesmo assim,me pedem para continuar!?-Todos me olhavam,haviam ficado pensativos.

-Há nexo em suas palavras Rainha Lilith,mas não concordo quando fala que não há motivos-Levantei-me fitando aquele maldito.Ah,céus! Havia arriscado minha exis-
tência para por fim nas desavenças entre bebedores de sangue e seres bestiais,e ouvir esse tipo de ofença,me era aterrador.Senti vontade de bater na face daquele
descontrolado-Vai! Some,então! Se não está contente,some! Vai procurar sua guerra sozinho,a faça dem meu apoio! Por que nem um de vocês a terá!-Todos me olha-
vam pensativos.

Alguns transtornados,outros temerosos.Ouve maior rebuliso nesse passar de tempo,foi quando do nada uma das mulheres falou-Por mim tudo bem,grande parte acei-
taria,mas deixamos claro que se os ataques dos bebedores de sangue continuarem,vamos atacar,não vamos pensar duas vezes-Que resposta! Desabei sentada,chorei
profundamente.A dor me corroia.

Foi quando essa mulher andou a frente-Ainda és muito jovem no sangue bestial para compreender Rainha Lilith,mas faremos com que entenda,e respeitamos sua vonta-
de de cessar a guerra,fazer uma nova ceifa de almas bestiais,que seja entendida vossas palavras-Ofeguei a olhando,foi quando tive tanto ódio daquele maldito que avan-
cei contra ele,céus! Bati em sua face lhe quebrando os ossos.

Muitos sequer se atreveram a intrometer,intervir! Muitos gemiam de dor,olhavam a cena como se fosse trevorosa,ao me deparar enlouquecida,retalhando aquele maldi-
to desobediente,me vi fora de mim,ele gritava,berrava.O vento veio pelas portas do palácio,ouve gritos,lamentos-Ah,céus! Rainha Lilith e cruel! Cruel! Quem somos nóis
para desobedecer? Deixar de enteder seus conceitos!?-Berraram.

Havia deixado aquele filho da mãe em frangalhos,vi a aura de Redenção pairando por todo lugar,muitos gritaram de dor diante da imposição de força dele.Foi tenso o mo-
mento,mas havia ficado tão furiosa que minha pessoa enlouqueceu fazendo o que fiz ao maldito desobediente.Olhei para todos,muitos ainda gritavam,Redenção era mau,a
pura maldade naquele momento.andei em circulo,apontei para cada um deles.

-Façam o contra de minhas palavras,é e isso que teram! Todos vocês! A morte! Por minhas mãos!? Não! Por qualquer ceifa de almas imortais neste maldito mundo! E essa
a mensagem que tento lhes dá! Está e minha decisão! Agora sumam! Sumam! Espalhem a mensagem a todos os niveis sociais dos seres bestiais! Sumam!

Berrei,todos se afujentartam,sairam em prantos,pavor,pelas portas do palácio.Me deparei sozinha,ajoelhada em meio ao lindo,imenso salão do palácio,chorava,lágrimas
vermelhas me vieram ao rosto.Redenção nunca me foi tão aterrador nesse momento,vi sua sombra,ele por completo ao sentar-se ao meu lado-Loucura,e como sois lou-
ca-Ri secamente,soluçava-Não querido,só iniciando o que devo fazer-Ele ofegou.

Pensou-Admito.Nesse coração sempre ouve escuridão,mas luz,és tão maldita-Que fosse! Que se lascassem em prol de uma rebelião,mas eu havia dado demonstração do
meu verdadeiro preceito,é os feito entender com perfeição-Vitória Regia,ela,ela pelo visto recebeu o sangue,o pai de Aziel o entregou,não acredito,pobre Vitória-Isso fez
pensar-Lucy,Isabel e Samantha,como estão?-Ele ofegou.

-Sem entender nada,mas Isabel suspeita,Lucy cuida de Samantha-Compreendi,e foi dessa forma que conclui tudo.A minha chegada,meus preceitos,e início de entendimento
da COISA em si.Ao decorrer de algumas noite pude caçar nas redondesas,me alimentar,céus,ceifei almas,almas preciosas para Fera."Obrigada,precisava,e como me deixou
faminta".Era o que ela dizia ao vê-la pular em meio a escuridão,ceifar a esfera de alma.

A comia,se embedia com ela.Só que em uma noite ao está deitada em meus aposentos,meu coração doeu,eu jazia deitada,pensava.Foi como miragem ao sentir a ardua von-
tade de espionar Lucy,minha filha.Fui até o salão decerto,todos estavam ausêntes,sobre o que recebi como resposta? Soube por boca de Redenção que os Bebedores Imortais
receberam a notícia de linha de separação traçada,como micericordia,principalmente ao saberem que alguém tomou posse do lugar de Drarytha.

Olhava a base que da qual jazia o recipiente com água:Era uma coluna no centro do salão com um lindo recipiente de ferro sobre ela,continuava pensando.Refletia sobre
as notícias dadas por Redenção na noite passada."Lilith!? Eles sabem que há um novo rei ou rainha bestial,mas não suspeitam que e você,acharam micericordioso já que
eles consideram o fato dos seres bestiais terem uma nova matriz,aterrador".Ri de modo descabido ainda apreciando o pequenino chafáriz de água,sentei no assento,minha
visão foi plena.

Entoei algumas palavras magicas,vi as águas cálidas ficarem turvas,as imagens me foram plenas:Lucy estava em meu quarto com Samantha,a tinha nos braços,pelo vis-
to minha filha se aconchegava a ela."Ah,céus! Aonde sua mãe está!? Está viva,porém,incomunicável".E como meu coração doeu,ajeitei a borda de meu vestido de algodão.
A cor negra me foi a malva da escuridão nesse momento.

Arqueei minha sobrancelha delicadamente ao manter-me sentada,mantinha uma das mãos curvadas por baixo do rosto."Precisa dormir querida,tomou muito mingau".Pelo
visto Samantha acabará de se alimentar.Como aquela criaturinha vivia sem meu leite? Leite que nesse momento era sequido? Inexistente.Levantei-me,me deparei decida
a ir á Cidade,fronteira da Irlanda,claro que para mim não era nada.

Longe,mas não o bastante de minha antiga casa.Sai sem avisar em meio a noite.Lembro de descansar durante o dia,logo no início da noite seguinte continuar a viagem e
dar-me por satisfeita ao vislumbrar Lucy em sua mansão.A vi entrar de carro,Samantha estava com ela,a tirou do banco de trás e seguiu fechando as portas da mansão.O
que pensar? No luxuoso quarto do hotel em que decidi me hospedar durante a noite,pensei."Ah,que maldade".Na noite seguinte ao sair de meu pacato esconderijo no cemi-
tário da Cidade a vi.

Novamente a via,só que eu tinha me arriscado a espioná-la detrás da arvore do imenso jardim."Alguém ai!?".Bramiu ao pensar ter visto uma sombra,uma de suas túnicas
de lã,a cor violeta me deixou pensativa,maravilhada,Samantha me vislumbrou por alguns momento detrás das sombras da arvore,temi."Há meu amor,mas preciso ir".Eu
pensei profundamente.Decidida,quis na noite seguinte a ver novamente.

Só que dessa vez pessoalmente."Ellenos Cyrus pode ser tão pleno quanto eu.Ah,céus! Lucy pode me dá algo precioso,para ela,eu! Ah,querida está insuportável não tê-la
comigo".E estava mesmo.Tanto que na noite seguinte como planejato.Entrei sorrateira pela porta de sua mansão,usei de minhas artimanhas pisiquicas para abrir a masane-
ta.A esperei no quarto,esperei com minha alma,coração.Tudo isso.

A pura seda me ardonava naquele momento,escolhi um vestido de cor prata em tom escuro,invadir uma loja em minha vinda me foi gratificante.Silenciosa e sorrateira,mas
era meu.Ofeguei enquanto esperava.Vi quando Lucy entrou no quarto.Ela não tinha percebido minha presença,me movi a frente.Foi nesse momento que ela acendeu ás lu-
zes delicadamente.Tremeu ao me vê.

-Lilith!-Berrou chocada,se apressou em me abraçar-Ah,céus! Ah,querida! Aonde esteve? Aonde esteve!? Isabel pensa está no inferno-Ofeguei,afagava seus cabelos,temia
machucar sua pessoa.A vi afastar-se,foi como se ela tivesse ficado petrificada ao sentir algo anormal me tomando-Samantha está com ela?-Brami.Sinuosamente tive a
sensação de que estava assustada.

Levantou-se,deixou as mãos passearem pelo meu rosto,ombros-E como se não fosse você.Ah,céus! O que fez esses dias!?-Tão nervosa estava que meus instintos me toma-
ram,mesmo a vendo chorosa,a beijei com ácida vontade,deixei com que algumas gotinhas de sangue lhe fossem sentidas nesse beijo,me afastei delicadamente,a encarei,sua
pessoa estava perplexa.

-E mesmo assim,acha que sou eu? Acha isso humano Lucy? Isabel está mesmo cuidando de Samantha?-Ela ofegou,deixou-se sentar a beira da cama cheia de lamento.Ela
limpava as lágrimas com o lenço-Está Lilith.O que aconteceu com você!? Não e a Lilith que conheço,está irriconhecivél!-Ajoelhei-me a sua frente,ri de modo descabido ao es-
tá com ela,segurar firme suas mãos.Beijei firme suas mãos.Ah,céus! Era minha Lucy,a Lucy que havia pertencido ao meu amado Aziel,e que outrora,nesse momento,tinha
um filho dele dentro de si.

-Lucy,entenda,sou o que sou,quis o que queria ter.Estou aqui por que não suporto,não aguento que não faça parte disso,preciso de você,que seja meu afago durante todo
momento-Ela me fitava,foi como destruíção para ela-Como assim!? Não entendo,falas como se não fosse humana.Ah,céus! Não e,vejo que não!-Disse levantando-se assus-
tada,eu ofeguei,risos sequidos vindod e mim.

-O que diz? Lucy não estaria aqui se eu não a amasse,por que realmente te amo! Ah,céus! Ah,se eu puesse sequestrá-la!-Ela virou-se,ainda estava chorosa,mas jazia pensa-
tiva-Loucura.Ah,céus-A olhei,andei a frente a agarrando pelos braços,desferi beijos em sua testa,me afastei delicadamente indo em direção a mesinha do quarto,anotei em seu
bloco de anotações meu Endereço,o endereço do palácio-Aqui está-Disse apontando para o bloco.

-Meu amor,preciso ir,eu te amo,preciso de você.Não seja insensata,podemos fazer coisas grandes! Eu,você,e futuramente Ellenos Cyrus,posso fazê-lo rei! Estou cuidando
dos seres bestiais,pondo fim a uma guerra,entende? Tive meus motivos,por favor! Leia o endereço,pense.Lucy! Entenda! Meu amor estou disposta a fazê-la tão plena quan-
to eu sou-Ela recuou delicadamente,segui em direção a saída-Ah,céus,loucura-Voltei-me a ela-Não e.Eu te amo,ainda existe luz nesse coração,e estou tentando usá-la para
por fima uma guerra,quero você comigo,fazer você e seu filho plenos,fazê-lo rei-Ela silenciou-se.

Não citou nada,fechou a porta chorosa,temerosa,chorava muito.Sai.Segui meu caminho quando nas ruas.Voltei para meu palácio na fronteira Irlandesa.Ofeguei naquele i-
nício de noite.Alguns queriam saber os motivos de meu sumiço-Não tem que ficar questionando vossa rainha,sei o que e melhor para vocês!-Eles me olhavam,subi em dire-
ção aos meus aposentos.Deitando na cama chorei,chorei de verdade.

"Pelo visto a Rainha Lilith passa por problemas emocionais.Deve ser família,tudo isso".Disse um que entrou,saiu em seguida fechando a porta.Ofeguei,pensava em Lucy,na
minha amada Lucy.Nunca senti tanta falta de algo.Meu Aziel,minha Lucy! O que fazer!? Chorei horrores,quando alguns vieram preocupados me chamar,gritei."Saiam! Saiam
daqui! Tenho meus problemas! Me deixem!".Havia jogado um jarro contra parede.Emoções,sofrido.Soudades de minha Lucy.Me deparei destruída.O que ela responderia?Eu
não sabia,só podia seguir meu caminho.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Qua 3 Nov - 10:40:59

Decidi ao passar de algumas noites ir ao encontro de minha filha.Eu necessitava passar em meu antigo lar para saber o que acontecia.A amável Isabel não estava preparada
para minha presença.Foi o passar de duas noites que eu fui,a esperei em meu antigo-quarto.Ela tinha saído com Samantha.Jazia na varanda pensativa,havia cortado meus ca-
belos curtos,estilo channel.Havia escolhido uma calça justa,camiseta branca de algodão,botas femininas pesadas para o frio,um longo casaco negro para completar.

A porta se abriu e quando fitei Isabel foi como se sua pessoa tivesse se sentido fraca de alma e corpo.Sinceramente a olhar me deixou tomada,ela ofegou segurando minha
menina,foi como se seus instindos a tomassem lhe passando uma cruel mensagem esperitual.Segurava Samantha para si,ofeguei pensativa,tomada de preceitos.A olhava si-
lenciosa,sua túnica de cor vinho me era maravilhosa,os detalhes prateados também.

-O que faz aqui? Ah,céus! Vejo nesses olhos crueis a maldade em seu coração-Ofeguei pensativa,sentei-me a beira da cama,ela andou com Samantha junto de si por alguns
momentos delicados.Eu esperava ela se acalmar-Fique calma,só vim visitar minha filha,não seria louca depois do que fiz,em não saber como ela anda,o que se passa nesse co-
ração-Ela ofegou quando parou de andar por alguns momentos.

-Ah,céus! Não nego,a bestialidade jaz em sua pessoa Lilith! Ah,querida,como pode deixar-se tomar?-Ofeguei quando ela entregou-me Samantha.O manto rosa a aquecia,sorri
ao vislumbrar o conjunto branquinho de sua calça e camisetinha-Ah,céus,que soudades!-Brami sorridente-Lilith,me explica!-Ofeguei olhando para ela,foi como se a resposta pro-
vocasse razão de imediato-Tive meus motivos,precisava intervir,entende? Falo da guerra,tu mesma suspeitou com o tempo.Fera foi minha salvação,sabe do que estava sen-
tindo,sofrendo a respeito da morte de Aziel-Acariciava o rostinho de minha menina.

Ela ainda dormia,cochilava.Era como se minha presença nada significasse para ela-Lilith foi por isso? Odeio predestinação,principalmente ao saber que você vou vitma disso,des-
sa forma cruel que a vida nos impõe-Assenti deixando minha filha sonolenta sobre a cama,abracei Isabel com imensa vontade,afaguei-lhe os macios cabelos avermelhados-Enten-
do,mas se foi para evitar um cataclísma,eu me conformo,me sinto maravilhada-Ela afastou-se delicadamente.

-O que será de Samantha? De Lucy?-Ofeguei pensativa,foi quando a respondi-Samantha e sua,terá o direito de criá-la,por favor,preciso saber a respeito da situação desta
casa-O olhar dela foi cético,envolvente como vento-Seu trabalho.Ah,sim,Redenção disse-me que era para mandar com que eles a esquecessem,tentei passar a mansagem.
Sobre a casa,bem! E de Samantha,correto? Assim como a casa em Paris,Aziel registrou naquela época,tudo passa a ser de Samantha apartir do momento que ela foi regis-
trada como filha de vocês,mas...-Interrompeu a fala.

-O que houve?-Ela ofegou,olhou-me transtornada-O pai de Aziel,ele,ele anda pela Cidade,está entendendo? Recebi uma carta ameaçadora dele,em seguida,ao decorrer da
próxima noite,que por alias,foi ontém,ele aparece-Ofeguei pensativa.Mas por quais motivos ele faria algo dessa natureza.Foi o que ela respondeu-Lestat sabe,muitos agora
sabem que você possa ser a Rainha Bestial,neta distante de Drarytha e de Mana.Que tomou para si o que lhe era de direito.Lestat quer a quarda da menina-Ofeguei,senti
o sangue ferver em minhas veias.

-Hum...Será mesmo? Foi esse tipo de ameaças que recebeu?-Ela ficou chorosa,apertou firme minhas mãos-Lilith! O pior e que ele pode,céus! Tive medo em vê-lo face a fa-
ce.Um monstro imortal.Belo! Mas porém um monstro-Ofeguei pensativa,senti-me tomada de raiva,tive que me controlar ao chegar perto do belo jarro ao entrarmos na varan-
da-Entendo,Lestat quer Samantha,ele sabe da existência de Lucy? De Ellenos Cyrus?-Ela ofegou.

-Não,não sabe,Lucy e distante ou silenciosa demais para eles saberem-Ofeguei,a pouca tranquilidade que me restava-Perguntei por Vitória Regia.Disse ele que minha ama-
da amiga jaz em sofrimento nos braços de sua irmã após receber o sangue,vive com ela,está passando algum tempo com quem chama de Wiksa de Lioncourt-Céus! Aonde
isso tudo foi parar!?

-Maldito! Não sei como,mas as notícias correm demais por esse mundo negro-Ofeguei,ela me olhava silenciosa,pensativa-Não Lilith,aproveito para avisar-lhe que nem eu pos-
so fazer algo.Aconselho a levar Samantha,por favor! Mesmo eu estando disposta a cuidar de nossa menina,ele pode e vai levá-la. Temo por mim-Pensei por alguns instantes.
Voltando ao quarto me curvei diante da cama encarando Samantha.

-Entendo,tenha calma,mas saiba que eu não posso levar Samantha,seria cruel demais criá-la em um mundo aonde a existência e tão pacata-Ela me fitou temerosa,quie saber
de imediato o que faria-Lestat e maldito,admito,belo,mas maldito,de uma beleza estupenda,mas maldito.Não sei o que farei com ele caso apareça-A olhei-Faça com ele minha
filha passe toda semana fora,falo de um instituto,qualquer coisa,pode visitá-la,entende? Só traga-a aos domingos-Ela pensou.

-Seria própicio?-Sorri sabendo que seria maravilhoso-Sim,tenho certeza-Vê Samantha acordar me foi estupendo,seus olhos cinzentos brilhoso me fitando,a peguei de imediato.
A acolhi junto a mim-Ah,céus,que soudades-Brami,a beijava no rosto com delicadeza,seus bracinhos se curaram a frente,foi como sofrimento para ela mover seu rosto em dire-
ção a meus ceios e saber que não havia leite.

-Ah,querida,lamento,só o que me resta de humano são os sentimentos-Isabel não suportou,saiu pelo corredor chorosa-Que maidito momento-A ouvi brami,fiquei algum tempo
com Samantha.Me deitei de lado sobre a cama a olhando,ela me encarava quieta,como desejei que ela falasse,que fosse grande o bastante para falar comigo.Nunca seus ca-
belos macios e encaracolados estiveram tão loiros.

Céus,os fios macios cintilavam-Será uma boneca entanto,posso imaginar-Brami,foi quando devaguei,ela riu por alguns instantes para minha pessoa.A puxei para junto de mim
a deixando encostar em meus ceios-Me reconhece,e como isso me gratifica-Aos poucos senti seus dedos tocarem minhas orelhas,orelhas que havian ficado delicadamente pontu-
das,a curva saliente que parece uma folha perfeita de tamanha delicadeza.

-Oh! És selvagem,admito-Com isso levantei-me.Apaguei as luzes do quarto sabendo que ela dormiria,descansaria para o dia seguinte.Quando estava prestes a me despedir de
Isabel,ela disse-Tudo isso e loucura querida,apesar do motivo ser justo-A beijei no rosto-Eu sei que e loucura,mas está feito,correto? Não há mais volta,e gratifico-me saber que
aqueles insanos temem-Ela deixou-se silenciar.

Sai pelo portão,segui pelas Ruas da Cidade.Nunca me senti tão livre,solta para o mundo.Apreciar a paisagem me foi maravilhoso,enquanto andava falei com Fera,me senti
surpreendida com suas palavras."Lilith! Lamento,mas entendo sua preocuapação com Samantha.Tome cuidado querida,mas ao menos ela está muito bem estruturada na socie-
dade".Ah,que tenso lamento nesse momento.

-Não queira julgar meus sentimentos Fera,tenho coisas a resolver-Vi uma murada,a pulei indo em direção a casa.Céus,estava faminta,iria caçar,quem sabe encontrar alguma
alma para ela.Foi o que fiz antes de voltar,seguir viagem de volta a fronteira Irlandesa.Sai saciada do lugar em meio a relva da noite.Quando voltei,me deparei pensativa.A
maioria de minha frota de Seres Bestiais nunca se sentiu tão livre.

Todos haviam saído para saciar vossa sede nas redondezas.Me deparei virando-me sobre a cama,olhei fixamente a imensa varanda.O luar tomada conta dos céus.Início de
noite,havia chegado e com isso minha dor,soudades de Lucy."Aonde você está? Preciso de uma resposta meu amor".Solidão,novamente batendo a porta de meu coração.A
resposta veio com o passar do tempo.Eu jazia lendo alguns escritos dados por Natanael.

-Obrigada querido-Havia dito em sua presença.Jazia sentada no imenso bando de mármore no lindo salão,a relva do lindo e delicado cháfariz jazendo a frente,delicado e pe-
quenino,mas de uma decoração requintada.Os lustres acesos.Natanael atento enquanto lia.Ele esperava com tamanha paciência que agradecia.Se tratava de uma informa-
ção a respeito de uma certa pessoa."Vi Thalwa na fronteira de Athena.A chamam de guerreira,remonta a três mil anos,pouco mais que isso.Precisamos saber se continuamos
com a tregua.A área por aqui está livre,quieta demais ao meu vé".

Ofeguei depois de lê este último trecho-Natanael?-Ele olhou-me surpreendido-Sabem quem é Thalwa?-Ele olhou-me nervoso,temia que me deixasse triste com a resposta.
Sua longa túnica marrom de linho me foi maravilhosa,o cinturião de prata também-Rainha Lilith,sabemos que Thalwa e onipotente,não pertence a linhagem dos imortais co-
mum,e uma ceifa rara de linhagem-Parou,nunca o vi tão nervoso-Continue querido-Ele tomou ar,folego.

-Hum...É esposa de Lestat,muitos o chama de o principe moleta-Ah,não me surpreendeu,mas eu havia chegado em um ponto crucial-Avó de minha filha Samantha,deve
saber,fui casada com o filho dele-Ele ofegou tomando ar-Ah,sim,e claro,mas a existência de Thalwa lhes e ameaçadora,isso caso ela queira atacar mesmo sabendo que es-
tamos em trégua,admito.Vosso nome jaz na boca de muitos imortais,mas tu ainda não fois-tes reconhecida-Ofeguei pensativa,dobrei o delicado pecaminho.

-Ah,maldição-Brami olhando para frente.Foi quando aconteceu,neste momento Natanael virou-se olhando a porta se abrir.Me deparei com Lucy entrando desesperada,ela
jazia vestida com um delicado vestido de lã,a cor verde-oliva encantadora,levantei-me não acreditando no que via-Ah,céus!-Gritei nervosa,temerosa,desci o vão da esca-
da a seguindo,me abaixei diante dela.

Ela chorava,não sabia como,mas minha amada havia conseguido,vierá conforme o endereço-Ah,céus,céus alados! Veio mesmo,não acredito-Ela olhavá-me pensativa,foi
quando deslizei os dedos abaixo de seus olhos-Lilith? Pode mesmo? Meu amor pode mesmo fazer aquilo que prometeu? Estou chateada,soube que estou chateada,e minha
vida humana que me mata,sua ausência me é aterradora-Ofeguei.

Natanael mal-acreditando no que olhava-Rainha Lilith posso ajudar em algo?-Ofeguei,me ergui abraçada com Lucy-Ah,sim,meu querido,prepare meus aposentos,preciso le-
var está jovem ao meus aposentos-Ele ofegou-Mas ela,mas ela está...-Ele soube-Não importa,e coisa minha tenho meus segredos-Ele ofegou delicadamente,soube do que
se tratava de imediato.Por isso sempre gostei dele.Sempre atendo,detalhista!

O vi apagar ás luzes,fechar as pesadas portas do palácio,virei o vendo se curvar por alguns instantes-Me gratifica-me em saber que que possa fazer o futuro rei.Não sabia
que Aziel forá tão pretencioso-Arqueei minha sobrancelha-Quieto! Psiu,meu segredo,pretendo mandar todos embora,para seus lares secretos futuramente-Ele riu delicada-
mente,segui caminho.

Entrei com Lucy nos meus aposentos,ela chorava horrores,céus,nunca a vi tão nervosa,a abracei com tanta força que temi machucá-la-Eu temo,mas te amo.Não consigo i-
maginar minha existência fora disso tudo,sem Aziel,sem você-Ofeguei,beijei docemente suas mãos-Fique calma-Ela olhaváma tomada de angustia,aliviada por ter consegui-
do chegar-Tudo bem Lilith,não existe mais nada que me prenda aos humanos.Realmente fará?-Ofeguei lhe acariciando o rosto-Sim,e claro querida,mas se acalme,tenha cal-
ma,estamos aqui-Ela ofegou.

A abracei com vontade,tão delicada perante mim! Mas será que continuaria sendo tão delicada? Beijei-lhe os lábios docemente por alguns momentos.Me mantive abraçada
a ela a acalmando.Ela precisava.Eu lia aquele coração machucado,tomado de angustia.Havia valido a pena,meu coração enchia-se de vontade,emoções e sentimentos quei-
mantes.Pensava olhando para a paisagem da varanda enquanto lhe acariciava os cabelos.O que seria de mim sem ela!? Nunca saberi a resposta.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Qua 3 Nov - 11:52:04

Foi de um pavor tamanho. Passou-me um tempo precioso enquanto eu a olhava,ela pensava."Não me deixe a mercé do nada,não estou aqui para visitá-la,sabe que foi
além disso,deste momento".Ofeguei tomando ar.Me deixei tomar por aflição,sentimentos ávidos.Vi que a doce Lucy começava a adquirir formas arredondadas,delicadas
conforme Ellenos Cyrus crescia dentro dela.Dentro do útero quente,aconchegante.

"Tudo bem! Será uma pérola entanto para mim".A respondi.Seus delicados olhos castanhos-claros me surpreenderam conforme passeavam por mim,me analisavam.Isso
deixou-me tomada de apreenção,mas segui em frente,ao me direcionar a cama.Seus cabelos estava soltos,soltos em ondas negras por suas costas delicadas.Não ia demo-
rar,mas compreendi,ela escondia seu rosto entre minhas mãos,pensava.

-Não mentiu,me deixa feliz Lilith-Ofeguei risonha,joguei algumas mechas de seus cabelos para trás.Com o tempo me deparei a tomando para mim,deixei meus dentes se en-
terrarem em sua garganta.Não tinha mais volta,não havia mais volta.Sua decisão havia sido tomada,e mesmo que ela desistisse naquele momento,eu seguiria até o fim,eu
não deixaria escapar meu prémio.Pude vê o pacato Ellenos Cyus dentro dela,um bebê ainda em formação boiando no precioso liquido do útero de sua graciosa mãe.

Será que ele compreendia? Não sei,nunca saberei,mas fiz o que tive que fazer.Aos poucos a graciosa Lucy amoleceu em meus braços,perdia suas forças.A segurei com a
maior delicadeza possível,temia machucá-la,machuá-la de verdade.Com isso continuei solvendo,bebendo cada gota de seu sangue ainda humano-Psiu,fique calma,não vai
demorar-Brami a olhando por alguns momentos.

Ela não sentia nada,mais nada."Lilith vá com calma! Esse bebê e muito precioso para morrer".Ofeguei diante das palavras de Fera.Segurei Lucy nos braços e deixei-me sen-
tar no chão com ela,a acolhi novamente,voltei a deixar meus dentes se enterrarem em sua carne,ouvi seus demidos de dor.Densa dor que me aflingiu por completo.Com isso
ao saber que estava na hora desferi uma ardua dentada em meu pulso-Não pense! Sabe que está a beira da morte,não seja tola-Foi como trovões em sua mente.

Ela moveu-se tomando suas últimas forças-Loucura-Ofeguei,a segurei junto de mim,desferi o pulso sanguinolento em sua boca,ela solveu de imediato,percebei que ela solvia,
bebia com vontade-Vamos! Continue querida,não tema-Bramia delicadamente,foi nesse momento que alguem tentar abrir a porta do imenso quarto-Rainha Lilith! Alguma coi-
sa neste momento?-Berrei em resposta-Não! Deixa-me!-Lucy do nada solveu com força,senti dor-Ah,céus-Brami.

Nunca pensei que fosse tão difícil-Fera me ajuda!-Pedi."A segure,ela apagar".Foi como ela disse,Lucy apagou do nada,estava feito,a segurei nos braços com delicadeza,sai
com ela pelo corredor,eu havia conseguido abrir a porta com a mente-Pegue um coberto,céus,ela está morrendo-Natanael me obedeceu.Com o tempo ele chegou me entre-
gando o coberto,Lucy sofria,mas pelo visto absorvia com perfeição o sangue.

-Que loucura querida-Brami,eu lhe tirei as vestes,entreguei todas as peças ao natanael.Estendi o cobertor sobre ela,ao vê-lo subir sentei no assento,fiquei imaginando toda a
situação.A morte dela acontecia,só que,saber que Ellenos lutava contra aquilo me era aterrador."Menino malvado,maldito,não se rebele contra meu presente,aceite".Ofeguei.
Precisava dele,daquele ser ávido de células novas em formação.

Seria fertil,um futuro rei caso parasse com sua rebelião no útero da mãe.Ofeguei novamente.Com o tempo natanael veio-Saia a procura de uma caça,eu lhe garanto.Está
futura mãe acordará faminta-Ele saiu,deixou-se andar silencioso-Tudo bem Lilith-Sorri novamente,pensava-Hum...Está difícil-Brami,Lucy do nada abriu os olhos,gritou de dor.
-Querida!?-Ela me olhava,gritava com vontade,a segurei,tive que usar de minha força contra ela.

-Lilith! Preciso tomar banho.Ah,céus,por favor!-Pedia,ela deixou seus braços se curvarem,segurou com força o tecido de meu vestido-Só está morrendo,mas...-Ela me olhou
de lado,chorosa-O que foi?-Meus lábios tremeram-Ellenos Cyrus,ele se rebela,não sente?-Ela ofegou,gemeu com tamanha dor que eu gritei com sua força-Maldita,viu? Coi-
tado de Ellenos Cyrus,vai apanhar,e muito!-E com isso seguimos para o quarto.

Lá ela tomaria banho,terminaria sua morte.Foi quando finalmente pude enchergar,vê com meu coração o meu sangue finalmente entrar no pacato corpinho de Ellenos Cyrus.
Vi quando a teia de veias bombeou o sangue o inflamendo por completo-Finalmente pequenino-Brami.No banheiro ela entrou na banheira ainda se enchendo.Era imenso,puro
mármore.Sai.A esperaria no salão.

Natanael estava a procura de uma caça entando para mim.Será que ele viria? Estava sonolenta quando o ouvi entrar,jogar o jovem homem a frente-Obrigada querido-Ele
fitou-me pensativo-Aonde está Lucy?-Levantei-me-Já vai descer,pode se retirar caso deseje-Ele disse-me antes de se retirar-Pelo visto,depois disso tudo,nóis teremos que to-
mar caminho-Ofeguei em risos-Ah,sim,mas isso podem ver depois,sabem que são livres-Sozinha olhei a presa.

Estorquista,pelo visto isso,ele bramiu algumas palavras em alguns momentos,mas o chutei,pensei-Aonde está? Quando vai descer Lucy?-Voltei a esperar.Me voi a maior lás-
tima de todas.Ela desceu quando estava ciente de sua morte,do,fim de sua provação,foi como preságio vê-la descendo a escadaria.Havia escolhido vestes frescas de cores
claras,delicadas.Tratava-se de uma túnica,a faixa negra delicada ardonava-a na altura da cintura.

-Céus,finalmente-Disse-lhe a vendo passar por mim,ainda jazia de pés descalço,os cabelos havian sido escovados-Vamos! Não precisa esperar-Ele tremeu por alguns instantes.
Vi a delicada ponta em suas orelhas,o delicado curvar tipico em qualquer um de nóis.Quando a vi se abaixar,me apressei em ajudá-la,retalhei a garganta daquele miserável que
serviria de alimento para ela.

Ouvi seus gemidos,ela tinha vindo,mas voraz.Ela bebia devagar,temia cometer qualquer erro nesse momento-Isso querida,solva tudo,até a última gota-Por alguns instantes
enquanto bebia,segurou minha mão-livre,ofeguei pensativa.Ellenos Cyrus vivia,e pude vislumbrar suas células se multiplicando."Será que fiz bem?".Me perguntava,a olhava.
Ela bebia tão silenciosa que me imprecionava.

Continuou.Quando finalmente senti a morte da caça,disse-Psiu,pode parar-Ela fitou-me temerosa,manteve-se sentada a minha frente-Não se preocupe,Ellenos vive,me
deixa feliz,nunca me senti tão livre como agora,me sinto melhor-Ofeguei,movi meus dedos sobre seu rosto,mesmo transtornada,um pouco cansada,ela segurou firme de-
xando suas mãos se curvarem sobre meus pulsos.

Lamentei,chorei,mas de felizidade.Com o tempo Natanael veio-Leve esse corpo,livre-se dele-Brami,ele riu por alguns instantes-Sim,Lilith-Eu e Lucy nos retirarmos em nos-
sos aposentos,são meus,como dela.Não lamentei ao decorrer do tempo ela está tão voraz que implorou,rogou para continuar se saciando.A olhava delicadamente ao es-
tarmos recolhidas sobre a cama,o vento pairando pelo imenso quarto,ao entrar pela varanda.Ela bebia,tinha seus delicados dentes afiados,enterrados em minha garganta.
Temia derramar uma gota sequer.

Me senti tomada quando ela moveu seus lábios pela extensão de meus braços com delicadeza,segurando firme minha não,deixou-se moder meu pulso,mais,mais vorazi-
dade.Com isso ofeguei,a deixei se acolher junto a mim,ela deixou seu rosto pousar sobre meus ceios,curvei um de meus braços em sua cintura.Encarava o teto tomada
de pensamentos,olhava como a pele do pulso se fechava tão rápido.

Antes dela dormir,disse-lhes."Não tão forte quanto eu,mas lhe garanto! Plena,mas seu filho? Ela será rei,dono de tudo que tenho".Ela ofegou de modo doloroso-Entendo.
Obrigada,agora,sim,digo-lhes: Eu me sinto saciada-Deixe-me acariciar seus cabelos,aos poucos senti sua necessidade de descanso.Fiquei com ela ao longo da madrugada.
Nos recolhemos juntas.Mas será que minha felizidade duraria pouco?

Não,Sara.A dor maior veio ao decorrer de uma semana.Isso quando ao está relefindo,dei-me a pensar.Céus,durante essas noites só ficará Natanael,ele,sim,quis para mim.
Um entendor entando,cuidador entanto da organização de nosso lar.Todos os seguiram seus caminhos,indepedentes,tomados de novos preceitos.Lá estava eu,silenciosa,pen-
sativa.Lucy havia saído para caçar.

Me deparei assustada.Vi quando o bruxelear das águas do pequenino chafáriz,veio-Visões?-Disse assustada ao levantar-me.Quando de frete ao chafáriz,vi,era Ferá que
usava das águas para mostrar-me.Eu vi,vi o que acontecia na casa de minha Samantha: Havia uma linda limosine parada de frente a casa,o homem havia saído,loiro,os
seus cabelos cacheado aos ombros,usava de roupas requintadas como calça de corte clássico,negra,a camiseta branca,o lenço violeta ao pescoço e o longo casaco por cima
da camiseta,ele pensava.

"Senhorita Isabel?".Disse,ela o deixou entrar,havia choraro,temerosa,havia chorado.Ele andou pela sala,deixou-se apreciar o lugar."Me impreciona o quão ousada Lilith
foi".Isabel ofegou."Maldito,és insano".Ele a olhou."Aonde está Samantha? Acha mesmo que deixaria minha neta a mercé do nada,sabendo que ela poderá ser cuidada?
Temos fortuna,sabe disso".Isabel o seguiu quando ele se direcionou as escadas.

No quarto,ele entrou,não a viu,foi ao quarto de Samantha,lá estava."É,e ela?".Bramiu ele,ele que ajeitou a borda do longo casaco de belo corte.Ele a pegou,ela ainda
dormia."Ah,querida,finalmente nos conhecemos.És linda".Isabel ofegou."Deixa ela! Ela tem um lar aqui,não teme dela não ter o direito de ser criada da forma mais hu-
mana possível?".Ele a queimou em resposta."Ah,e? Será mesmo? Não pense o contrário,fiz por onde com Aziel,não deixaria de fazer com ela".

Ele saiu pelo corredor,segurava Samantha,minha filha o olhava,sonolenta,mas o olhava."Pessoas importantes a esperam querida,poderá se alimentar de leite ávido.
Wiksa sabe como".Isabel berrou ao vê-lo sair com Samantha pelo jardim,ela seguiu-o."Maldito! Por que isso!?".Disse Isabel chorosa,ele ajeitou o manto de Samantha.
Céus! E o pior,ela gostava da presença dele,vi como ela escondeu seu rostinho ainda sonolenta entre o casaco dele.Ela vestia um macação de algodão de cor oliva,o
manto era negro.

"Preciso ir querida,não posso demorar,muitos me esperam".E com isso ele fechou a porta da limosine.Estava feito! Isabel berrou chorosa,temerosa.A vi solitária,para-
da na Rua enfrente a casa.O vento fez seus cabelos se moverem.Nada,nada além disso,da crueldade para com ela.Ele tinha levado minha filha,a arrancado de mim.
Em pensar que eu,eu tinha esperanças de tê-la comigo um dia.

Me afastei do recipiente de água limpida,ofeguei.Gritei do nada-Maldito! Miseráve!-Chorei,me ajoelhei sentindo dor no coração.Foi quando vi Lucy entrar,vislumbrar mi-
nha situação,o seu vestido de algodão se movia aos seus passos-O que foi!?-A olhei,ofeguei-Eles a levaram,falo de Samantha! A arrancaram de mim,de seu lar,dos bra-
ços de Isabel-Ela me ajudou,pode me abraçar-a macies de seu vestido era maravilhosa.

Me deparei deitada sobre o piso,a cabeça pousada sobre seu colo-Loucura-Bramia,soluçava.Não conseguia acreditar.Ele tinha ameaçado e realmente feito.Como tive
ódio,raiva.Wiksa,isso me foi aterrador.Pelo visto Aziel a chamava de Deusa Viva.A transmutação havia acontecido.Necessidade.Pairava em trevas ao ser acolhida
por Lucy,plena escuridão devido aos fatos.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Qui 4 Nov - 11:14:33

Sinceramente tudo isso me foi aterrador.Nunca me senti tão ofendida,ultrajada.Fiquei pensativa,tomada de novos preceitos.Nunca pensaria que o pai de Aziel tivesse
coragem.Enquanto jazia acolhida por Lucy,ouvi a voz de Fera em meu coração,eu ainda chorava,me sentia humilhada."Lestat e maldoso,Lilith,conhece muito pouco de-
le,ainda está prestes a experimentar do que ele e capaz".O que ela queria dizer com isso?

"Lestat foi culpado de muitas controversas no mundo imortal: Conseguiu perpetuar seu sangue,recontruiu todo Clã Lioncourt,fez com que tudo isso se firmasse no mundo
humano,é claro que sabendo que Samantha é a próxima perpetuação,não deixaria passar em branco. Lestat têm essa responsabilidade,está entendendo? Não a largaria
ou a deixaria de cumprir por nada nesse mundo".Ofeguei,sentia as mãos de Lucy me acariciando os cabelos.

Olhava para o nada,o luar entrava pelo lindo salão através das imensas persianas.Com o tempo eu e Lucy seguímos para o imenso salão do palácio,meus aposentos,fa-
lo do quarto,fica no terceiro-andar,o salão no segundo andar.Entramos,vi a imensa mesa de madeira polida,o imenso jarro cheio de flores do campo.A lareira acesa,o ta-
pete persa transcorrendo toco piso de mármore negro,as lápides e colunas brancas sempre me foram encanto.

Quadros nas paredes de Monet.O cortinado oscilando na entrada da varanda.Foi dessa forma drástica que eu vi,vi a ida de minha filha."Arrancada de mim,seguestrada".
Foi o que brami a Lucy ao estarmos na varanda.Como paisagem vi a linda floresta,o imenso Lago a frente iluminado pelo luar,o gélido vento me veio aos olhos,jamais pen-
saria que minha pessoa se envolveria nessa questão.Mas havia acontecido.Chorei,e como chorei nesse momento.

Porém,mais notícias viriam,seriam vistas por mim.Na noite seguinte ao está deitada sobre a nossa cama,eu cochilava.Natanael havia arrumado todo palácio,acendido até
algumas velas perfumadas nos castiçais.Eu havia caçado,chegado e me enfronhado nos braços de Lucy que me esperava.A tinha deitada ao meu lado,ela que mantinha os
dedos de sua mão-direita deslizando pelos meus cabelos.

Os sonhos me tomavam.Graças que nosso querido Natanael havia saído,conseguido seu tempo,ele havia ficado para cuidar do palácio,da gente,a medida que todos os ou-
tros havian seguido seus caminhos.Eu senti dor,imensa dor.Ouvi a respiração de alguém,lá estava.Vislumbrei Lestat andando em direção aos campos,era noite,torrida noite.
Ele havia saltado nos campos da Ilha,a ilha que Hyarian havia me levado.

Seguiu ao lado de um homem alto,delicado,mas de uma masculidade terrível.Lestat havia escolhido calça justa,bota pesada,uma camiseta de algodão branca,tinha um colar
de pingente em rosas de prata.O vi ofegar.O homem que havia ao seu lado usava túnica de cor marrom,o cinturão de outo encrostado de esmeraldas delidadas."Tompei,a
Wiksa está mesmo no quarto?".Ele ofegou.

"Sim,está,está em seus aposentos".Eles subiram pela escada,passos silenciosos.Lestat tinha seus cabelos amarrados para trás com uma linda fita branca,unhas cintilantes.
Tompei ao meu vé era chines,densos cabelos negros até a cintura,expressão oriental,olhos de cor de mel.Os dois entraram em um quarto ao passarem por um corredor.O
Lestat abriu a porta,vi seu sorrido ao se maravilhar com algo.

"Wiksa?".Ouvi ele dizer,palavras nitidas em meio aos meus delírios Sara.Ela o olhou,jazia sentada em uma linda poltrona de cor violeta,o luar iluminando o quarto conforme
entrava pela varanda.Wiksa,irmã gêmea de Vitória Regia,só que com ferozes olhos verdes.Ela tinha uma criança nos braços,a criança mamava,lhe sugava o leite ávido.Isso
me fez gemer,senti quando meu corpo foi atiçado.Tompei se colocou atrás dela,puxou seus longos cabelos cacheados para trás,Wiksa estava vestida com cálidas vestes de cor
de greme.

Uma túnica de cor amarela,o longo casaco no mesmo tom por cima."Está melhor? Não que tenha feito tamanho esforço,maso que fez com Armand foi cruel,mas sei que foi
o bastante para ter ávido leite para Samantha.Ela ofegou,olhou a criança."Eu sei Tompei,eu sei".Bramiu ela.Ah,céus! Minha filha jazia sendo alimentada por ela,que dor! Vi
o cemblante de seu rostinho quando Wiksa voltou a acariciar seus cabelos.

Samantha estava despida,só que aquecida por um manto."Obrigada,não sei o que faria caso não tivesse conseguido".Disse o pai de Aziel,de Hyarian.Wiksa o olhou como se
isso lhe fosse aterrador."Hyarian jaz por perto,o que descobriu,veja por si".Disse ela.Antes de sair Lestat a olhou,desferiu risos."Samantha! Será que Lunnes sabe? Será? Queri-
a tanto saber se ele sabe que ela foi a mãe dele".Wiksa riu.

"Não,ele não sabe,mas suspeita".Lestat ofegou,voltou-se para poder beijar o rosto de Samantha,ela que cochilava,mas mamava."Não vai demorar muito,Samantha aos
poucos está se preparando para desmamar".Isso deixou Lestat aflito.Saiu com Tompei."Não cometa uma loucura Lestat".Disse Tompei.Lestat tinha decido por algo.Vi co-
mo ele olhou para o chicote jazendo na parede ao entrarem no salão.

"Não importa. Verei por mim".Tompei tentou segurá-lo,Lestat o revidou furioso."Me larga! Aquele infeliz terá que me dizer".Tompei sentou-se aflito no sofá.Vi Lestat andar
pelos campos.Hyarian havia chegado,pelo visto atendido ao pedido de Lestat.Principalmente ao saber que Wiksa cuidava de Samantha.Lestat o olhou por trás,segurava o
chicote atrás dele.Hyarian voltou-se a ele ao sentir sua presença.

"O que foi? Estou aqui".Lestat arqueou sua sobrancelha,o delicado brilho assustou Hyarian."Diga-me seu piralho insensato,maldito. Diga na minha face! E isso em prol da dor
que Vitória Regia passa,falo do sofrimento que Aziel passou! Estou certo quando falo que Aziel pediu para tu tirar Lilith sozinho? Que tu mesmo teve contato com Lilith depois
da morte dela!? Me diz!".Hyarian andou para trás,estava temeroso.

Seu casaco negro oscilou com o vento,a camiseta de cor greme por baixo justa a seu corpo,a calça negra também,mas ele pensava,pensava.Sentiu-se ameaçado ao vê
O jeito com que Lestat segurava o chicote."E se fosse verdade? O que faria?".Bramiu Hyarian,foi quando irado Lestat lhe bateu na face,Hyarian caiu sentado sobre a rel-
va do campo."Miserável! Maldito! Traidor! Todo esse tempo bajulando ao Aziel,mantendo contato com ele,e mesmo assim,falas isso como se nada significasse!".Berrou o
seu pai.

"Desculpe! Aziel estava preparado,ele queria,ele sabia da missão de Lilith para com Samantha! Não entende!?".Disse Hyarian gemendo de dor devido ao tapa.Pelo visto
Lestat se fortalecerá,e como! Ele andou a frente,deixou com que o chicote se abrisse."Traidor! Desde pequeno nunca ergui a mão contra voce! E quando teve a change de
me mostrar que considerava isso me trai! Trai a todos! Podia ter salvado seu irmão,ele poderia está vivo aqui!".Hyarian se mantinha silenciado,choroso.

"Ele queria,ele fez por onde".Bramiu,Lestat o chutou para trás,vi Hyarian gritar."Que não o tivesse ouvido! Lilith não me importa,nunca me importou! Ah,miserável!".O pal-
co estava armado,foi como transtorno.Lestat desferiu várias chicotadas em Hyarian,ele que gritou de dor,berros.Lestat fez de suas vestes frangalhos ao desferir socos,tapas
na face de Hyarian.

Vi Tompei sair apressado,tentar segurar Lestat por trás."Para! Isso não vai trazer Aziel de volta,não vai! Tens Samantha,Wiksa cuida dela,para com isso!".Pedia Tompei.
Lestat ofegava,vi as lágrimas vermelhas brotarem de seu rosto,aos poucos ele soltou o chicote,o deixou cair ao chão,Tompei o segurava,Hyarian voltou-se a ele,foi como
se a dor consumisse Lestat."Miserável,meu Aziel era para está aqui,miserável!".Tompei não esperava essa dor.Lestat se deixava apertar por ele,chorava,havia se abaixa-
do sobre a relva se apoiando sobre os joelhos.

Com o tempo Wiksa veio,o ajudou a se recompor."Lestat tenha calma! Sua fúria,nada disso trará Aziel de volta".Lástima,imensa lástima.Hyarian se mantinha de pé dian-
te deles,tinha os braços cruzados,também estava choroso."Nada disso importa,nada mais".Bramiu.Encarava Lestat,Tompei e Wiksa o acolhiam,tentavam controlá-lo.Foi
dessa forma que me deparei de volta,meu corpo foi sentido.Gritei ao sentar-me sobre a cama,me senti tomada de fúria.

-Lilith!-Disse Lucy,ela que sentou-se ao meu lado-Ah,céus! Ah,céus! Um pesadelo!-Bramia,ela me abraçava-Querida tenha calma,tenha calma,precisa descançar,pesadelos
não são bons presságios-Ofeguei,estava suada devido as visões,deitei-me de volta,fiquei chorosa-Preciso de minha filha,minha filha-Ela acariciava-me os cabelos-Não,te-
nha calma,não deve se envolver por sua colera,a terá,mas no momento certo em que puder atacar-Ofeguei,choro e lástima de dor!

Voltei a me reencontrar com Hyarian ao passar de duas noites.Eu havia chegado de um longo passeio nos bosques.Me deparei com ele sentado sobre o pido conversando
com Lucy.Não acreditava que era ele,ele que encontrou meu esconderijo.Havia trocado algumas palavras com ela antes de voltar sua atenção a mim.Um elegante ser ao
está vestido com uma de suas luxuosas túnicas de linho,a cor branca me foi visão,o cinturão de prata também.

-Ah,depois de tudo aparece. Principalmente depois de levarem minha filha-Ele ofegou,Lucy levantou-se delicadamente,seu longo vestido de lã cinza,oscilou quando ela se co-
locou ao meu lado-Querida,só estive falando de Ellenos Cyrus para ele-O fitava,me mantive silenciada por alguns momentos,Hyarian se manteve quieto,pensava-Também
pretendem levar Ellenos Cyrus?-Brami,ele me encarava como se não acreditando no que olhava.

-Lilith! Papai não tem conhecimento da existência dele,céus,em pensar que Aziel o criaria da forma mais humana possível-Ofeguei,Lucy tentou fazer com que eu não agisse
por impulsão,mas eu havia feito.Havia batido em sua face-Hyarian,vai embora! Leve consigo as seguintes palavras: Ellenos Cyrus não vai ser tirado daqui! Não vai! Saiba
que o preparei para ser algo maior,imutável!-Ele encheu-se de lamento.

-Sobre sua filha,Samantha! Eu,eu não faria aquilo que Lestat fez,não faria! Alias,ele o fez sozinho,ele a queria,ele fez por onde! Lilith tudo que posso lhe prometer,tudo que a
minha pessoa lhe promete depois da covardia de meu pai,e cuidar dela,sei que tem como meta manter a paz,e se não a quiser mais,por favor! Eu,eu ao menos entendo-Isso
me foi uma lisonja,mas pretenção.

-Vai embora! Não prometo guerra,mas está com Samantha quando eu puder vê-la! Verá! Não pense em morte para contigo,a mãe de Aziel,mas para com Lestat! Ele,sim,ele
eu quero ver morto!-Isso o assustou,andou para trás receoso,foi quando a adorável Lucy segurou firme suas mãos-Não ligue querido,fique calmo,Lilith está furiosa demais para
se controlar,ela não sabe o que fala-Ele ofegou de modo triste.

-Tudo bem Lilith,novamente lhe prometo: Meu pai foi covarde,mas lhe prometo que Samantha viverá bem,será bem cuidada-Ofeguei,senti lapsos de dor me correndo no san-
gue-Some daqui!-Disse,em fúria peguei um dos jarros e o joguei contra ele-Desculpe! Pensei que podia lhe explicar algumas coisas,mas vejo que não-Impossível,e claro! Ele sa-
iu pela porta,a fechou com força.

-Que ousádia,que ousádia-Bramia repetidamente.Lucy me abraçou,me sentia angustiada-Vou matá-lo,quero Lestat morto,morto! Feito em pedaços,queimado-Disse,Lucy pedia
calma-Calma querida! Tenha calma! Não deixe a loucura lhe tomar-Ofeguei,sentia falta de ar,berrei sentindo a dor e o ódio me consumindo.Lucy me apertava com força,nova-
mente definhei.Só que desta vez ela deixou-me pensar.Fiquei deixava sobre o degrau da escadaria,ela sentada me acolhendo-Fique calma,a fúria não valerá a pena neste mo-
mento-Ofeguei,apaguei ao dormir.Dor,imensa dor.Será que Ellenos Cyrus seria meu consolo? Veria por mim.Estava próximo,bem próximo de saber a resposta.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Qui 4 Nov - 12:26:09

E ele veio.Veio ao decorrer das semanas,meses.Sabe que demorei muito a vir me reecontrar com você,Sara,tive meus motivos que agora deve está entendo.
Sabe da forma como minhas visitas aconteceram.Cá está a descrição da vinda do adorável Ellenos Cyrus:Ah,céus,nunca me senti tão graficava ao ter passado
no palácio depois de minha ausência.

Eu havia passado uma boa temporada na Cidade.Natanael cuidou de Lucy com perfeição.A vi nos nossos aposentos ao subir,a olhar sentada penteando seus ca-
belos.Havia adquirido formas arredondas,delicadas.Ao ver-me virou-se-Finalmente!-Disse,foi quando a convidei para vir comigo aos bosques.Ela tinha acabado de
tomar banho,escolhido vestes frescas.Falo de uma de suas túnicas de tecido fino,a cor verde-folha me era encatadora.

A joia de pérolas em seu pescoço me chamou atenção-Aonde as comprou querida?-Ela riu-São eternamente minhas Lilith,as encomendei por Natanael.Com isso a
gente saiu,seguímos em direção aos imensos campos na fronteira irlandesa.Foi como presságio,como se o destino tivesse escolhido o momento certeiro para que a
vinda de Ellenos Cyrus fosse perfeita.

Eu e Lucy chegamos aos campos (Os bosques).Andavámos pelas margens do limpido Lago.Eu pensava nas andanças que tiverá na Cidade,o vento veio gélido.
A luz cheia atenuava todo cenário.Tudo tão soltádio,delicado e silencioso! O perfume de flores selvagens vinha das montanhas.Lucy se assustou com a revoada
dos passaros.Virou-se focando seu olhar.

-Tome cuidado,uma queda,e mesmo se recuperando de forma sobre-humana,vai doer-Ela riu com delicadeza,o vento vez meu vestido se mover,vestido de seda.
Seda no perfeito tom turquesa,a sandália delicada de cor negra me era confortável.O tempo passou-se,enquanto isso consegui passar muitas informações para ela.
Lucy assentia absorvendo todas as informações.O tom negro de seus cabelos sempre me foi raro.

Lhe confessei algo,algo importante quando nos sentamos sobre uma pedra-Não sei,mas a falta de Aziel me começa a passar,e como se a ausência dele começasse
a ser aceitável-Ela ofegou-Sério? Será mesmo Lilith?-Pude rir delicadamente ao voltar minha atenção a ela-Sinceramente,sim,odeio minha frieza,ela destroi todas as
lembranças dele,e como se a falta de minha humanidade me fizesse isso-Ela riu por alguns momentos.

Foi como se ela sentisse pontadas de dores delicadas-O que foi?-Tadinha! Como lamentei sua educação e singela quietude,até mesmo naquele momento-E que o
Ellenos Cyrus quer sair,acho que ele não vai esperar muito não-Ofeguei temerosa,maldição,viu? Apressada a segurei nos braços,percebi como ela se sentia tão
preocupada-Desculpe querida,não e o momento própicio-Ofeguei me direcinando com ela em direção a uma linda arvore.

Uma cereija para ser clara,flora nessa época do ano-Entendo,não pense querida,e só querer colocá-lo para fora-Ela ofegava,a ajudei a sentar-se encostada no tron-
co da linda arvore,o perfume das flores de cerejeira me tomou-Desculpe Lilith! Queria está no palácio querida-Olhei para o céu nesse momento,vi que o céu come-
çava a fechar,ia chover-Seja rápida Lucy,rápida-Ela ofegou.

Na pressa eu lhe tirei as vestes,temi que ficassem sujas.As dobrei,pude vislumbrar suas formas delicadas,de uma menina tomada de quietude,silencio-Vamos Lucy!
Não queira está aqui durante a chuva-Ela ofegou,havia sentido terríveis pontadas de dor.O grito foi terrível,tanto que a fez mover as pernas a frente,foi como se a
sua pessoa da paz de espirito,fosse ao inferno.

-Ah,maldito!=Gritou,segurei suas mãos com força-Vamos querida,sei que não vai demorar-Mais gemidos de dor,Lucy era passiva demais para um momento como es-
ses,e nem imaginando a situação estava preparada para as dores.Céus,tive pena de minha amada Lucy com mais gritos,tanta dor que ela deixou o choro lhe tomar.Vi
as gotas vermelhas em seus olhos.

-Ah,me ajuda!-Pediu,me coloquei atrás dela,a segurei com força,lhe dei todo apoio corporál possível,mantinha minhas mãos sobre seus ombros com delicadeza.Vi o
seu rosto mover-se para trás,mais dor,mais gemidos de dor-Ah,maldito! Poderia ter ecolhido uma hora melhor,ser mais delicado!-Pedia ela aos prantos,ofeguei,foi co-
mo se Ellenos Cyrus tivesse ouvido os prantos de sua mãe que ofegava,sofria.

Quando ouvi o choro dele me apressei em colocar-me a frente de Lucy,céus,o peguei,o puxei pela delicada cabecinha-Nossa! Que rebelde-Brami espantada.Vi quando
Lucy ofegou,olhou para os céus sentindo o passar da dor-Ah,maldito-Disse,se apoiava com as mãos voltadas para trás.Eu rompi o cordão,me deparei com um menino
insano,pequenino,mas rebelde.

-Ah?-Brami o olhando,ele ainda chorava.Lucy ainda jazia em seu leito de dor,foi quando fui até a margem do lago,o banheiro,o limpei de todo sangue.Quando voltei
o entreguei a Lucy,ela o olhou como se não acreditasse no que segurava-Ah,céus,mas ele e tão,tão pequeno!-Bramiu,me abaixei o encarando,ele tinha seus olhos aber-
tos,espertinho,tive que admitir.

Vi o brilho de seus cálidos olhos verdes,tão verdes que me arrepiei,os cabelos negros me foram a maravilha,apesar de serem encaracolados-Nossa,olhe para isso-Dis-
se movendo meus dedos por seus ombrinhos,Lucy o encarava como se fosse surreal,diferente-Esses olhos,eles me dão medo,Aziel me dava medo com seus olhos ver-
des,principalmente quando...-Ofeguei a olhando,ela tremeu de medo.

-Ah,céus! Um estupro,essa foi a verdade,violentada sem ter change de me defender-Ofeguei,ela tremia de dor,o segurava-Minha querida,não pense nisso-Eu respirei
fundo,mas ela estava certa,a forma como Aziel a violentou em meio a madrugada doi doloroso até para mim que vi,apesar dela ter adorado,sentido prazer com aquilo.
E depois a tristeza por saber,sentir na pele a dor de ter sido VIOLENTADA.

-Precisamos ir embora querida-Ela ofegou,tinha Ellenos junto de si,o segurei,não demorou para ela poder levantar-se se banhar nas margens do lago,limpar-se,sentir-se
despoluida de tudo-Olhe querido,que maravilha! Até depois de dar-lhe a luz,sua mãe e voraz-O vi ofegar,espirar,moveu seu rostinho junto de meus ceios.Mamar,ele de-
sejava isso-Tenha calma,poderá se alimentar ao chegar em casa-Novamente ofegar.

Ele tinha sua mãozinha de encontro a sua boca-Fertil,fertil como esperado-Brami,despido como veio ao mundo! Que doçura,viu? Lhe afagava os cabelos macios e finos.
Negros e andulados como os dá mãe,mas os olhos.Ah,céus! Tremi ao erguê-lo a minha frente.Crueis,frios,verdes como os de Aziel,a crueldade e frieza de seu pai.Isso
deixou-me pensativa.Lucy foi arrumar-se.

-O que será que pensa querido?-Ele encarava-me como se disesse."Tiras-tes minha humanidade.Vou matá-la,e como adorárei fazê-lo".Eu ri,ri por saber que algo se pas-
sava em sua pacata mente.Com o tempo Lucy aproximou-se,acabará de se vestir-Me dê ele-Ofeguei,o entreguei,foi como se aquele serzinho soubesse."Vou para casa".
Seguímos caminho.

Deixei um dos meus braços estender-se por trás dos ombros de Lucy enquanto andavá-mos-Ah,querida,que maravilha,finalmente ele veio,não se esqueça! Ao chegar
ele terá que mamar,mamar com vontade-Ela riu por alguns momentos,a relva nunca me foi tão cálida.O caminhar entre as trilhas do bosque,a quietude de Ellenos ao
está acolhido nos braços de seu pai.

Um varão,essa a pura verdade.Por alguns momentos parei,sem querer vislumbrei algo terrível.Aquela sombram,aquela maldita sombra! Ofeguei,ela me encarava do
outro lado da margem.Lucy voltou-se-O que foi Lilith?-Tinha Ellenos Cyrus juntos de si,me encarava temerosa-Nada querida,e que pensei ter visto algo-Ela pensou e
respondeu-me-Não há nada do outro lado da margem-Ofeguei,voltei a seguir caminho.

"Havia algo ali".Pensei,seguia caminho.Ao chegarmos no palácio,entramos pelo lindo e belo jardim,entramos pelo lindo portão,a muralha de pedra lisa envolta em todo
palácio.Natanael não acreditou ao nos ve-Graças! Finalmente Ellenos nasceu.Ah,céus! Venha comigo senhorita Lucy-Eu ri,atento e educado demais para uma pessoa.Eu
entrei com Lucy pelo lindo salão.Seguímos até os nossos aposentos.

Foi nesse momento que a chuva veio,caiu no vilarejo que fica nas montanhas irlandesas.Trovões ecoaram.Natanael tão preocupado com Lucy que ao andar pelo quarto
apressou-se em acender velas perfumadas,incensos.Saiu sem seguida-Cuidadei dela querido,pode descançar-Ele saiu tão afoito pela vinda de Ellenos Cyrus que seu olhar
foi pacato.Fechei a porta.Esperei Lucy sai do lindo banheiro depois de um banho defitivo.Escovou os cabelos com o tempo.

Sua camisola de seda me foi chocante.Azul-marinho a ardonando como haveria de ser.OLhou para o menino que agora jazia envolto em uma manta escolhida por mim.
Ela assentiu pensativa-Nossa,olhe essas orelhas-Eram delicadas,pontudas em sua ponta.Um pleno ser bestial,mas que cresceria,na plenitude parararia de crescer,envelhe-
cer,seria jovem,só que? Fertil,um rei entanto,pensei.

Ela deitou-se,e como ele deixou-se regorgijar ao poder mamar.Lucy desferia suas mãos carinhosamente sobre sua cabecinha,ela pensava,sentia-se cansada,mas iria se
recuperar-Acho que minha missão termina por aqui-Bramiu ela.Levantei-me-Não querida,apenas está começando-Ela riu,eu puxei o cobertor sobre ela,e como ela deixou-
se atiçar os musculos sobre a cama,fechar seus olhos.

-Ah,estou cansada,admito,esse piralho me deu trabalho-Ofeguei,trovões ecoaram nesse momento,reverbaram pelos céus devido a chuva-Não querida,sei que ele não
vai ser-Ela riu,o travesseiro nunca lhe foi tão confortante.Vi o modo como Ellenos mamava,como ele se acolhia mais para junto dela,aquele serzinho maldito que lhe ti-
rava as forças alheias.

Sua boquinha rosada atenuada aos ceios da mãe,moveu os bracinhos em sofrimento,mas pode pousar as mãozinhas no ceio dela,ceios fartos de leite,viscoso,cálido,feito
do próprio sangue dela,algo de sua natureza,não esperava por isso.Fiquei devagando na varanda com o tempo,olhando a chuva,dei-me a escrever em pecaminho,as ve-
las acesas no castiçal me foram o conforto.Lucy descansaria,Ellenos que não parava de mamar,ouvia seus gruidinhos de bebê,o vi mexer-se,juro que ele pudesse tirar até
a última gota,tiraria.

Isso me fez rir,o peguei o levando para varanda,ele expirou devido a humidade da chuva.Lamentei por Samantha,perdida para mim-És voraz,deve aprender a controlar-se
-Ele olhavá-me como se soubesse o significado de minhas palavras,ajeitei sua manta,dei-me a acariciar seus macios cabelos negros como a malva da noite,seus olhos ver-
des! Soube que seriam meu conforto,meu único conforto ao longo dos anos.Lucy dormia,com isso tive a honra de cuidar dele,o novato que chamava a atenção para si.Nunca
pensei sentir soudades de Aziel,mas tive,fiquei chorosa por alguns momentos,mais passaria-Precisa vé isso querido,e como precisa-Disse silenciosa olhando Ellenos Cyrus
em meus braços.Quietude,os trovões cortavam os céus,a chuva caia,era como se os espiritos soubessem da vinda desse serzinho espécial,como se eles comemorassem.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Sex 5 Nov - 10:16:51

Foi como pretenção ao decorrer de tudo.Sinceramente minha pessoa pensava a respeito de Ellenos Cyrus.Será que realmente compreendia tudo isso? Essa era minha
real pretenção,mas nem sempre compreedemos ou captamos essa realidade.Vejamos! Ele havia vindo,conseguido sobreviver a provação de sua mãe e minha,a prova-
ção que lhes foi imposta desde que jazerá dentro do útero da mãe.

Devaguei durante esse tempo com ele,eu que andava pelo quarto,o apreciava,a chuva torrencial caíndo do lado de fora.Lucy descansava.Não iria importuná-la,se ela de-
sejava tanto descançar,que fosse,sinceramente minha pessoa desejava muito está com o pequeno Ellenos.Foi como desejado.Ao transcorrer das próximas noites,Sara,eu
devaguei pela Cidade,tu sabe agora que foi nessas andanças desde que me tornei á Rainha Bestial que vim ao seu encontro,lhe contei tudo que estou contanto agora.

E como me foi gratificante.Uma temporada de quatro noites.Ao voltar ao palácio me deparei com novas notícias.Não soube de imediato do que se tratava até Natanael
me entregar os escritos."Cá está Rainha Lilith".Disse-me antes deu subir para meus aposentos.No corredor do andar aonde ficava meu quarto,fui até o quarto de Ellenos.
Ele dormia docemente em sua caminha.Havíamos escolhido o quarto,Lucy e Natanael o arrumaram em minha ausência.

Ah,céus! As cores violetas nas paredes me encataram,na cômoda velas avesas,Ellenos odiava luz,luz ávida,preferia o brulexear,percebi antes deu me ausentar ao longo
dos dias.Ele dormia,jazia enrolado em uma manta delicada de puro linho,a cor negra nunca lhe foi tão perfeita.A varanda com uma mesa redonda de madeira polica,cadei-
ras em seus lugares,jarros de plantas como decoração.

Vi que a visão dava para as montanhas,o imenso Lago.Ofeguei,cai temendo incomodar o menino,a brisa veio cálida fazendo a linda cortina branca oscilar.Quando entrei
Lucy jazia sentada de frente a penteadeira,o espelho oval cintilava,ela jazia trajada com uma camisola de cor marrom,os detalhes da renda negra na borda me tirou o fo-
lego,ela tinha seus olhos fechados,fazia tranças em seus cabelos macios.

-Chegou? Demorou,temi que não viesse Lilith-Ofeguei temerosa,mas ela compreendeu,fui até a mesa de escrever em nosso imenso quarto,desferi os escritos sobre a me-
sa,antes de sentar para lê-los disse-Desculpe,sabe que tenho necessidade de aproveitar meus conceitos,nunca estive tão melhor-Ela ofegou,temi de todo coração que ela
considerasse isso mal-presságio-Ellenos sentiu sua falta,lamento,mas ele sentiu-Sorri,nunca esteve tão bela.

Em minha ausência ela se recuperou,e como! Suas curvas delicadas,magras voltavam,seus ceios jaziam fartos de leite-Imagino o quanto Ellenos deva tê-la incomodado ao
longo dos dias-Ela ofegou em risos-Não,ele e calmo,calmo até mais-Compreendi,ao vê-la sentar-se a beira da cama dei-me a prestar atenção nos escritos,precisava saber o
que tudo isso significava-Natanael me deu esses escritos,não entendo-Ofeguei os abrindo,rompendo o lacré dos envelopes.

-Não sei,mas posso imaginar o que seja-Bramiu ela receosa,pensativa.Vi que se tratavam de notícias,de notícias a respeito dos seres bestiais,dos bebedores de sangue.
O meu pensamento se esvaiu ao decorrer de tudo isso-Céus-Disse-Lucy levantou-se pegando um dos escritos.Leu devagar,atenta as palavras-Parece que alguns seres
bestiais continuam a morrer,serem atacados,apesar de sua ordem-Ofeguei pensativa.

-Não entendo-E dei-me a lê um escrito em espécial,se tratava de um dos liades,minha pessoa pensou enquanto lia,me assustei com suas palavras.Minha visão passeava
pelo escrito como se não acreditasse no que ele me passava,todas as informações eram valiosas,e admito! O sangue ferveu conforme as palavras vinham de encontro a
minha mente, e como senti raiva.

"Honorável Rainha Lilith,tememos que não possamos atacar ao decorrer das próximas noites,obedecemos vossas ordens,mas estou aqui para avisar que estamos enfrentan-
do um momento terrível. Nas últimas noites recebemos ataques de outros bebedores de sangue,sabendo que jazemos em uma linha frágil,não deixaram de se aproveitar.A
sua pessoa sabe da crucial importância de tudo que acontece.

Precisamos de ordens,conceitos para sabermos o que fazer. Tememos por nossas vidas,nosso sangue. E justo no momento em que começamos a destribuir o sangue bestial.
Justo no momento que nos preparavámos para equilibrarmos a balança ao nosso favor. Antes de me despedir digo-lhes que ficamos felizes ao sabermos que o Rei nasceu,ao
sabermos que o Rei e fertil,futuramente,caso seja a vontade dele,poderá continuar a linhagem,a continuidade de tudo.

Parabens ao pequeno Rei Ellenos Cyrus,novamente louvado seja o sangue alheio,sangue que usamos para nossa continuidade.Louvado seja o sangue de Aziel".

O que pensar? Triste as palavras,lamentei,com isso dei-me a responder,sabendo que Lucy se tornará uma aliada tão importante para mim,dei-lhe direito de palavras para
responder alguns escritos.Foi continuo,céus! Em resposta disse que caso fosse necessário podiam se defender,não os deixaria a mercé da morte,morte que agora era injusta
já que eu claramente lhes pedi para recuarem,mas uma coisa sempre será fato!

Mesmo minha pessoa sendo contra a guerra,todos esses conceitos,se for necessário como nesse momento,claro que atacaria,não acharia e nunca achei justo que meus novos
filhos ficassem a mercé da morte.Havia sido dada a ordem,desse modo eu e Lucy descemos com os escritos.Entregamos ao natanael.Eu e Lucy haviamos nos arrumado para
a caçada:Ela vestia uma saia negra pregueada,a faixa branca atada a cintura tão delicada agora,me foi o encanto,a camisa branca de linho,também,principalmente ao ser jus-
ta ao seu corpo.

O pá de botas pesadas para o frio me foi chamativo-Entregue esses escritos,mande-os aos devidos destinatários,eu não queria,mas se eles procuram,não vou perdoar,está
entendendo Natanael?-Ele olhavá-me aflito,nunc ao vi tão belo ao trahar túnica antiga,a cor cinza,a faixa branca atada a sua cintura-Pode confiar Rainha Lilith,como desejar.
Entendo a importância das informações-Com isso eu e Lucy saímos para a caçada.

Nunca me senti tão bem como nesse momento.O vento fazia meu longo vestido de algodão oscilar.Ele ia até a altura de meus joelhos,era de cor azul-marinho,o pá de bo-
tas negras e pesadas me eram confortáveis.Ofeguei em nosso andar-Acha que eles vão saber se defender?-A olhei de lado,eu ergui os dedos até o meu colar,o pingente de
camafeu de prata,a imagem de Ellenos Cyrus me encantou-Sim,não sou indiota,muitos pensam que sou indiota,se os bebedores de sangue pensam que sou infeliz quanto a
experiência,engana-se-Lucy me olhava.

-Entendo,tu deseja a paz,mas caso for preciso,caso considere a ameaça injusta,não perdoará-Sorri,deixei um de meus braços se moverem por trás de seus ombros-Exatamen-
te doce Lucy-Seguímos caminho.Conforme andavámos demos a procurar uma vitima entanto.Lucy ainda se recuperava do parto,mas em comparação ao momento,estava me-
lhor,bastante recuperada.

Admito que me espantei com a forma que ela atacou ao encontrarmos a vitima perfeita,a casa perfeita nas redondezas do palácio,do vilarejo nas montanhas irlandesas.
Para minha pessoa a necessidade de sangue nunca me foi tão importante.No embebecer do sangue vislumbrei novos conceitos em relação a caçada,ajudava Lucy a po-
der se saciar,temia que por ser mais fraca que minha pessoa,ela nãos e saciasse por completo.

-Tome cuidado-Pedia,eu que a observava grudada a vitima,seus dentes ateanuados a garganta.Queria a alma,isso era unicamente meu.Eu jazia sentada a beira da cama.
Ao levantar-me peguei o maldito,atenuei meus lábios junto dos dele,senti o lapso da alma ser sugada para dentro de mim.Lucy se assustou,deu passos para trás-Issa e a
pior parte-Ofeguei deixando o maldito cair ao chão.

-Eu sei Lucy-A respondi.Ao sairmos depois de deixarmos a vitima preparada para ser encontrada,fomos para o jardim da casa,foi nesse momento que me deparei com o
Redenção,céus,tempos que não o via."Sabe dos preceitos de Thalwa,ela não deixará envão".Ofeguei,Lucy o olhava com perfeição,admito que ela se adaptava com maes-
tria aos dons bestiais-Não sei,o que está querendo dizer?-Brami.

"Lilith! Thalwa quer matar a todos,a todos! Tu não entende. Está mexendo com coisa séria,Thalwa não e coisa com que se deva mexer,eu temo,e muito por você,se ela
souber que foi você que deu as ordens de contra-ataque,tu sabe,tu sabeque ela vem atrás".O mandei ao inferno,Lucy me conteve segurando-me por trás-Será!? Pouco
me importa,eu e que não sou tola de deixar filhos meus morrerem-Ele ofegou andando a frente.

Deixou as mãos pousarem ao lado de meu rosto."A questão é: Será que tu és tão plena quanto ela? Thalwa tem a guerra no sangue,mas e você? Thalwa sabe o que e
experimentar a guerra,como se fosse simplesmente sangue. Agora entende por que temo por você?". O olhei,foi como se fosse o bastante para me silenciar-Eu não sei
e nunca saberei. Tudo que sei e que não tenho medo,simplesmente isso-O lamento ficou evidente.

Ele havia ido embora diante de minhas palavras,fez com a quietude me tomasse.Eu e Lucy tinhamos que ir embora.Pegamos caminho em direção ao palávio.Enquanto
andavamos percebi que a aflição dela era completa,mas não minha.Não trocamos palavras enquanto isso,nos deixamos aquietar,mas sabia que e sempre soube no fundo
do meu ego que não sou tão fraca como muitos pensam,isso jamais.

-O que pensam que sou? Apenas uma apreciante? Quem Thalwa e? Ah,céus! Eu sou eu mesma,que se dane-Brami ao chegarmos,vi a linda faixada,as colunas onipoten-
tes se erguendo aos céus.O que me espantou foi o modo como vimos Natanel descer,correr ao sair do palácio,ele estava machucado,vi algumas marcas em seu rosto,pa-
recia que havia sido atacado.

-Rainha Lilith eu não entendo! Fui trocar as velas do pequeno Ellenos,está uma bagunça,uma bagunça-O desespero pairava em sua face,eu e Lucy nos apressamos em en-
trarmos,ele ficou do lado de fora,eu sentia a presença,uma presença poderosa,terrível.Ouvimos choro,o choro de Ellenos ao entrarmos no corredor-Ellenos!?-Bramiu Lucy,a
sua angustia a tomava.

Pretenção! Ao tentarmos abrir a porta,vimos que algo a prendia-O que há!?-Berrei,coisas sendo jogadas ao chão,ouvia o barulho do lado de dentro.O menino chorava,ouvia
seu choro.Só quando algo aconteceu e que entramos,junto disso a voz,as coisas caíndo ao chão."O odeio como filho Ellenos,o odeio! Espero sua morte".Senti falta de ar,eu
não havia conseguido decernir o som da voz,mas as palavras,sim.

Não liguei,vi Lucy se agarrar ao menino.Ellenos berrava,chorava como se tivesse sido sua maior provação até então-Ah,querido,lamento!-Disse Lucy chorosa,sentei-me a bei-
ra da cama,pensei-O que foi aquilo?-O ar ainda estava pesado,tomado pela presença que sumia aos poucos.Natanael subiu,vimos ele entrar-Senhorita Lucy! Lamento-Disse,a
Lucy o olhava-Não querido,foi forte,não fazemos idéia do que seja-Natanel deu-se a arrumar as coisas.

Eu pensava cruelmente."A voz,as palavras.O que foi aquilo?".Repetia.Levantei-me pensativa,olhava o rostinho de Ellenos,Lucy ajeitava sua manta,na maior parte do tempo
o pequeno ficava despido,odiava roupas de bebê,mas ás vezes as usava,e claro-Vamos Lucy,preciso pensar,pensar-Ela olhou-me angustiada.Desferiu algumas beijos no rosto
de Ellenos.Saímos.Natanael arrumaria as coisas cuidadosamente,atento.Essa sempre será sua maior qualidade,por isso sempre será meu aprediz,falo de meu martim para man-
ter tudo em ordem.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Sex 5 Nov - 11:26:37

No quarto Lucy pode sentir a fome de Ellenos,ela deixou-se tomar pela vontade de amamenta-lo.Sentou-se na poltrona,conforme mamava Ellenos se acalmava.
Tinha sido demais para ele,demais. O olhava ainda aflito,atenuava meus olhos por Lucy,pensava-O que acontece? Eu senti,também pude sentir com imensa for-
ça-Bramiu ela ainda angustiada.

-Eu não sei meu amor,não sei-Á respondi andando a sua frente,ela acariciou os cabelos de Ellenos,o olhava aflita-Lamento querido,não estava aqui-Bramiu,apesar
de tudo ela sobreviveria,ele também.Vi quando Ellenos moveu suas pernas com delicadeza,deixou seus olhinhos se fecharem.Ele mamava,era tomado pela sacia-
ção.Foi quando algo me passou na cabeça.

"Fera,sabe se pode me ajudar?".Não esperava resposta dela,mas veio,a mente se uniu a dela,a vi enquanto apreciava Lucy amamentar Ellenos."Posso tentar.Eu
e que estou curiosa quanto a situação".Ofeguei,me senti alíada,a vi sentar-se em meio a escuridão,pousar seu rosto sobre as patas curvadas a frente.Senti estranhe-
za da parte dela,não entendi,mas deixei de lado.

Com o tempo sai em direção ao salão de recepção do palácio,passei pelo andar do salão de estádia,entrando no imenso salão de recepção vislumbrei o meu sagra-
do recipiente.Natanel ainda arrumava o quarto de Ellenos,mas eu não deixaria barato.Foi como se a minha pessoa se envolvesse em um processo de loucura.Vi a
minha adaga presente ao lado da borda do recipiente de limpida água.

Ofeguei,colocando-me a frente pensei."Fera preciso de ajuda".Foi como se ela considerasse isso loucura,mas fiz.Estiquei o pulso a frente,o cortei ao desferir a lámi-
na da adaga.O sangue saiu,viscoso,mas brotou.As gotas cairam dentro da limpida água,vi as gotas se misturarem,minha visão ficou turva,queria chegar a algum lu-
gar,mas estava difícil.Só vislumbrava escuridão.

Me senti tonta,desabei sensatada sobre o piso do salão-E difícil práticar magia nessa forma não-humana-Ouvi risos vindo a minha mente,Fera agia por mim,vi como
ela percorria o mundo,vi imagens nitidas de mares,oceanos,cidades."Tenha calma querida. A prática e real,mas e tu que se cansa".Ofeguei,deixei-me rir delicadamen-
te,considerei isso o melhor presságio com que podia sentir.

-Isana brami-Voltei a fechar os olhos,delicadamente tudo continuou.Conforme as imagens paravam,conforme Fera parava a procura,me deparei sozinha,a solidão me
tomou nesse momento.Abri os olhos,me sentia melhor,erguendo o pulso cortado a frente,vi que a pele fechava,ele se curava."Lilith? Não consigo,quer dizer! Quase
posso vislumbrar a face do ser,mas ele usa de suas artimanhas para não ser detectado,uma barreira,ele jaz em um patámar além do que eu possa enchergar".Para a
minha pessoa me foi a destruíção.

-Maldito! Mas pode me dizer se é mulher,homem?-Brami levantando-me."Sim,querida,um homem,disso tenho certeza,posso lhe afirmar".Ofeguei,senti dor no coração.
Mas o que acontecia? Sentei-me pensativa no lindo assento,pensei,vislumbrei tudo isso como se fosse holocausto.Me deparei tomada de medo.Imenso medo.Senti as
batidas de meu coração aumentarem-Eu não entendo,estou com medo,imenso medo.

Mas durante a madrugada,na ausência de Natanael,quando Ellenos finalmente pode está em seu quarto,eu soube como me livrar tudo isso.A escuridão tomada conta
do quarto,somente a luz de velas iluminava o quarto,o bruxelar me era encantador.Eu ofegava,depois de tanta frustração,lamento,tinha Lucy em meus braços,precisa-
va de todo requinte possível para me esvair por completo.

Podia me esvair na macies de sua pele,seus cabelos,a negritude que sempre os tomou.Eu sentia prazer com seus cálidos beijos,o modo como ela devagante desferiu
mais beijos ao decorrer de meu corpo,meus ceios.Ofeguei,a muito tempo não apreciava algo dessa natureza,e nem sabia se voltaria a sentir o mesmo.Eu olhava ton-
ta para o teto,implorei para ela continuar.

-Por favor não para querida,não para-Foi como exploções ácidas dentro de mim,principalmente ao está envolta na macies dos lençóis.Nada comparado a isso,aos pou-
cos a vislumbrei olhar para mim,devagante me movi sentando-me de encontro ao espelho da imensa cama,ofeguei quando voltei a beijá-la,quando pude lhe beijar os
ombros,tinha as mãos pousadas em sua delicada cintura.

Silêncio,quietude plena.Lhe afaguei os cabelos deslizando uma das mãos atrás de sua cintura-Diga que pode Lilith,diga que pode-Pude rir com delicadeza,voltando a bei-
já-la me esvai deitada por cima dela,deixei meu rosto se esconder entre seus ceios fartos,quentes pelo prazer e leite para o pequenino Ellenos-Eu posso-Brami,deixei meus
dentes se enterrarem em sua pele,senti o sangue vir de encontro a minha boca,ela tremia,tremia devido o prazer.

Com isso pude ouvir seus gemidos,senti o modo com que ela moveu uma das pernas a curvando sutilmente,ofeguei com o som de novos gemidos.Fui ousada o bastan-
te para lhe provocar prazer,e não acreditava até então que nessa maldita forma bestial,eu ou ela,qualquer um,podia sentí-lo.Meus dedos agiam entre suas pernas,moven-
do-se entre seu sexo humido,a constatação me foi dolorosa quando ela gritou.

Pode gritar com vontade.Dessa forma continuamos,continuamos quando ela ofegou,moveu-se sobre mim,a acolhi junto de mim voltando a beijá-la,a acariciar seus cabe-
los macios que se espalhavam em ondas perfeitas por trás das costas,eu agora e que sofria com isso,seu calor,a macies de seu corpo.Continuidade,plena continuidade nes-
sa noite ávida,tomada de pretenção,amor,paixão,tudo isso.

Solitária fiquei por algum tempo depois de tudo,eu que encarava as velas,o bruxelear das chamas.Velas posicionadas estrátegicamente em castiçais pelo quarto.Ela tinha
seu rosto pousado sobre meu ombro,jazia sonolenta,descansada depois de tudo.Segurei sua mão quando esticou o braço a frente.O aquecer dos lençóis foi a melhor esco-
lha,e foi quando vi,vi ao vislumbrar a paisagem pela imensa varanda,o vento,a lufada de vento morno me trouxe a visão."Se sente melhor querida?".Ofeguei risonha.

Era Fera-Muito melhor,me sinto satisfeita-Mais risos,risos,algo havia acontecido com ela nesse tempo,não compreendi,mas havia acontecido."Sei que á ama,que deseja co-
locar o mundo aos pés dela".Compreendi o sentido de suas palavras,foi como se minha pessoa não estivesse preparada para o que viria a aseguir-O que quer dizer com is-
so Fera?-Desejei saber devido a curiosidade.

"E que eu também estou feliz".Ofeguei,foi nesse momento que vi,vislumbrei Fera sentada,ela encarava algo,estava dentro de meu coração,a escuridão que jaz em meu cora-
ção e a moradia dela,a luz sua vida,sua existência,e através disso ela o fez! Ofeguei com doçura,por que pude compreender a importância de tudo para ela.Vi seus dois filhotes.
Ela os lambia,deslizava sua linguá pela cabecinha deles,dois filhotes bestiais encantadores.

Recém feitos pela vitalidade dela."Me destes almas para poder fazê-los.Não lamento,são meus filhos".Ofeguei chorosa,ainda encarava as velas-Entendo-Um deles era negro,
tinha olhinhos verdes,orelhinhas delicadas e pontudas como as dá mãe,o outro de pelagem vermelha como o fogo ardente,ferozes olhos violetas-Os ama? Será mesmo que os
ama?-Foi quando ela disse em pensamento,continuava os lambendo,cuidando deles.Sentada,os dois acolhidos a seu ser.

"Ah,sim,o bastante para encontrar nova moradia para eles".Tive medo,terrível medo! Ofeguei,tomei ar-O que quer dizer com isso querida?-Quis saber com a maior gentileza
possível."Que posso e vou fazer por onde Ellenos ser completo,Lucy também,completos como você,e completa".Ofeguei chorosa,senti minhas lágrimas,elas vieram devido a
dor,a emoção-São para eles? Deu a luz a esses filhotes para fazê-los completos?-Ela riu,ouvi seu riso.

Tão lindos os filhotes que me tirava o ar,ela os lambia sem parar,eles que gruiam delicadamente,adoravam o lamber,as salientes mordinhas que ela lhes dava nas orelhinhas.
"Sim,entregue-os a eles no momento certo,saberá como fazer querida,como lhes entregar.Eles cresceram naturalmente,como qualquer lobo ou fera nesse mundo".Eu ri-Enten-
do-E foi nesse momento que ela se despediu.

O contato com ela foi rompido.Ainda não era o momento de os entregar a Lucy e a Ellenos Cyrus.Fera disse claramente que eu saberia o momento,e não era,não havia che-
gado.Não chegaria.A escolha seria feita por mim quando o sentisse.Na noite seguinte eu me deparei em delírios e depressão.Havia chegado de mais uma caçada,havia sido
tomada de loucura.

A falta de ar me era terrível.Me deparava deitada olhando para o teto,nervosa,as lágrimas escorrendo ao lado de meu rosto.Era como se Aziel tivesse sido maldito o bastan-
te para me provocar mais dor.Ofegava,minha túnica era confortável,a cor violeta como calmante.Sem querer durante a caçada a falta dele voltou,falo dele não ter tido a chan-
ge de conhecer seu filho.

Tudo me fazia falta.Via imagens dele sofrendo,preso em algum lugar,pura escuridão,dele gritando,dele berrando por algo."Para! Quero voltar,eu preciso voltar.Está não e
meu mundo!".Ofeguei.Foi nesse momento que Lucy entrou,pelo visto estava no quarto de Ellenos,cuidando dele-Chegou! Graças-Eu sorri ao sentar-me sobre a cama,o fa-
to das mangas da túnica serem finas,apenas alças largas,me provocava fresco,deixava meus braços e ombros desnudos.

-Sim,Lucy,esteve cuidando de Ellenos?-Ela arqueou a sobrancelha,nunca a vi tão bela! Totalmente recuperada,magra como esperado,as curvas delicadas atenuas,em desta-
que devido ao longo vestido de lã fina,a cor greme perfeitamente escolhida.Sua sandália em fitas negras subindo até o tornozelo,era baixa,total conforto-Sim,estive cuidando
dele,muito espertinho,fica esperto a cada dia.Não deixo de sentir sua dor-Ofeguei,havia compreendido.

-Nada querida.Temerosa,ainda não sei do que aconteceu naquela noite,ainda sei que sofro com a falta de Aziel-Ela silenciou-se,foi como recado para ela.Tão delicada,nunca
me senti tão feliz,feliz por sua recuperação,o fim dela, volta de Lucy a sua antiga forma,só que agora? Imortal,princesa bestial por si ao meu lado.Devaguei,deixei-me deitar
de lado sobre a cama,a cabeça pousar em seu colo.Silêncio.Era o que precisava para tirar a dor de meu coração.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Sab 6 Nov - 20:41:31

Entende quando tudo isso nos presenteia com a malva da redenção maior? Foi o que aconteceu ao decorrer de todo modo com que nos envolvemos. Foi como
se minha pessoa pressentisse o futuro. Minhas decisões havian tido conseguências no mundo bestial e imortal. Minha pessoa pensava ao decorrer de todo pensa-
mento. Será que algo seria dito? Revelado? Eu não sabia,nunca soube até o momento em que me vieram as primeiras celetas e notícias a respeito do que acon-
tecia.

Foi após duas noites ao decorrer desse momento com Lucy. Lucy jazia nos aposentos de Ellenos Cyrus,ela ficaria lá a maior parte da noite.Eu escrevia em meu
diário seccreto,a pena percorria toda dimensão da folha,claro que minha pessoa não desejava intervir a respeito dos conceitos de Lucy e Ellenos Cyrus.Continua-
va.Foi quando do nada parei de escrever,a pena negra jazia pousada sobre o papel transcrito do diário.

-Rainha Lilith,tenho notícias-Disse Natanael ao entrar,deixou os envelopres recém-chegados sobre a cama,me deparei silenciada vendo minhas palavras recentes
escritas na folha.Meus olhos passeavam delicadamente pelas palavras,ofeguei não acreditando no que escrevi,foi como se eu desejasse voltar ao passado e não
escrever tais palavras,tomei ar ao relê.

"Eu,á Rainha Bestial,desejo morrer,quem sabe ao longo do tempo não pressenti nada do que possa acontecer. Será mesmo que eu viverei ou suportarei esse ter-
rível fardo? Privilégiada,mas triste pela falta de Aziel. Ah,como o sangue bestial me é doloroso,terrível de suportar. Que Deus possa dar a saberia para que eu pos-
sa fazer proveito do legado".

Soube da verdade: Não era feliz,mas poderia reconstruir a felizidade.Levantei-me indo em direção a cama,peguei os envelopes os abrindo ao romper os lacres.
Vi os papiros escritos a moda antiga,eram notícias importantes,uma delas me chamou atenção,falava do aspecto geral do que acontecia pelo mundo bestial e i-
mortal.Ofeguei ao sentar-me na mesa de escrever deixando os papeis e envelopes sobre ela. És as palavras que tanto me chamaram atenção:

"Eterna seja á Rainha Bestial,porém,deixo notícias a respeito das conseguências da resistência que pediu-nos para fazer: Tudo ocorreu bem,nem nos acreditamos
que no momento jazemos em paz.

Dê certo moddo nossas pessoas precisam continuar.Agradecemos Lilith,novamente saudosa seja vossa vida e vosso sangue.Não como antigamente,mas envol-
tos em nosos preceitos".

Fechei a carta pensativa,olhei o restante-São notícias relacionadas a resistência.Pelo visto tudo ocorreu bem,fico feliz-Brami,nesse momento algo me tomou,foi a
contra-gosto que senti os lapsos percorrem a espinha de meu corpo.Ofeguei temendo que a loucura relacionada a dor pela falta de Aziel voltasse,levantei-me ten-
do as mãos sobre a mesa de escrever,linda mesa com velas em seus castiçais de prata.

A moda antiga envolta no modernismo.Mantinha meus olhos fechados com delizadeza.O vento fez meus cabelos se moverem,a túnica que usava moveu-se tam-
bém em resposta.Era Fera."Va ao encontro de Lucy e Ellenos,e o momento".Meu coração bateu forte,foi como malva de dor,sofrimento ávido e ácido ao decorrer
de todo pensamento-Os filhotes,tudo bem,como desejar-Sai em direção a porta,levei comigo uma linda vela em seu castiçal.

O segurava com a maior delicadeza possível,a cor negra de minha túnica se destacava mesmo em meio a escuridão da noite,macabro vislumbrar as imagens dos
quadros ans paredes dos corredores aparecerem com o bruxelear da vela.A sandália branca que eu calçava era baixa,fitas a formavam(Estilo greco-romano).Pude
vislumbrar a porta do quarto de Ellenos,de lá de dentro sentia a poderosa presença de Lucy.O que comentar?

Céus,meu coração doia,pensava profundamente no que fazer.Ofeguei abrindo a porta,vi o luminar das lamparinas no quarto de Ellenos.Ele dormia junto da mãe.
Ele jazia em sua caminha,Lucy abaixada a beira da cama sonolenta,seus lindos cabelos negros escorrendo em ondas pelas costas.O vestido de tom prata-escuro a
destar-se.O tecido de lá se atenuava as suas curvas.

-Como farei?-Bramo andando delicadamente pelo quarto,foi como se minha pessoa não acreditasse no que acontecia,sinceramente minha pessoa estava longe de o-
bter total compreenção.Deixando o pesado castiçam com vela sobre a mesinha,me esquivei vislumbrando os dois,que malva de visão encantamento pleno.Ofeguei
tentando compreender o que acontecia.

-Dai-me a sabedoria-Brami,primeiro vi Ellenos,o pequenino envolto em sua manta,nesta fria noite forá ardonado como um Rei: Lucy havia escolhido uma delicada
túnica para bebês (Menininhos de preferência),com isso o vestido,colocado sapatinhos no mesmo tom da túnica de cor marrom,os detalhes dourados encantadores.
O que me chamou atenção foi o gorrinho branco de pura lã.

"Faça-o Lilith,o primeiro".Ofeguei envolta nessas palavras de Fera,foi como se minha pessoa tivesse sido impulsionada a fazer: Senti minha boca abrirte diante de
sua minuscula boquinha,senti os lapsos de centelhas cálidas saírem de mim,senti e pude ver ao fechar os olhos o filhote preto de Fera se desfazer,saia de mim,ir pa-
ra o encontro de Ellenos Cyrus.

Senti caláfrios,era como se uma parte importante de mim tivesse se desfeito,se transmutado para o pequeno corpinho de Ellenos.Ouvi ele ofegar,respirar fundo,eu
fiquei chorosa nesse momento,foi como se minha pessoa pressentisse que ele havia tomado o filhote bestial de Fera para si,ao afastar-me vi seu rostinho mover-se.
Sua pessoinha sonhava,ofegou emanando um lindo bochejo.

Ajeitei sua manta,o cobertosinho que o protejia do frio.Voltei meu olhar a Lucy,a mamãe cruel que ardomecerá antes de minha chegada-Bem,meu amor,para ti só
ficou o filhote vermelho-Sim,eram palavras sólidas,devidamente contruídas a respeito do que preparava para ela.Sentei ao seu lado,a olhei com delicadeza,deixei os
dedos deslizarem em um belo curvar sobre seu rosto.

Ela ofegou devido aos caláfrios-Ellenos,esse é seu pai,Aziel esse é o Ellenos-Ela bramiu.Ofeguei sentindo tristeza-Ah,meu amor,saber que sonhas com um momen-
to tão importante como esse,me deixa tomada de magoa,mas tenho algo espécial a lhe dar-Foi nesse instante que ao ajeitar a borda de minha veste me curvei a
sua frente,deixei meus lábios se abrirem.

Senti o ar me faltar,senti dor,mas consegui. As centelhas cálidas me foram vistas saíndo de minha boca,fechei os olhos,vi o filhote ir para ela,foi como se sua pessoa
considerasse isso presságio,eminência por si.Gradualmente minha pessoa se envolveu em todo processo necessário para continuar,mas jamais me deixaria tomar pela
falta de forças. Vi seus olhos se abrirem delicadamente.

-Lilith?-Disse ela,ofeguei afastando-me com delicadeza,mas senti sua mão se mover por trás de minha nuca,ela apertou com força os fios dos cabelos ao beijar-me.A
minha pessoa a olhou,a beijava,sentia o sabor de seus lábios sedosos.Ofegue temerosa,cheia de rancor,magoa,mas amor perante meus sentimentos-Me ama?-Disse
ao afastar-me com sutileza.

-Daria minha vida por você,sabe disso-Ofeguei pousando as mãos em seu rosto,a olhei com sutileza-Diga-me: O que vés em mim desde que juntou-se a mim?-Isso
a fez sorrir-Á mesma Lilith,só que mais obscura,cheia de seus mistérios,a mesma luz-Sorri em resposta,nunca esperei faze-lhe carinho como nesse momento,para minha
pessoa se tratava de preceitos,redenção.

-Mesmo quando morro de ciúmes? Sabe que não admitiria um homem á tocar a não ser Aziel-Ela levantou-se com delicadeza-Ah,céus,será os ciúmes são necessari-
os?-Disse-me,mantinha-me sentada ao chão,a fitava-Ah,sim,se tratando de uma princesa bestial como você,sim-Ela ofegou arqueando a sobrancelha,foi quando tive
vontade de levantar-me,a fazer recuar até a parede.

Por impulsão a beijei novamente,seti o momento em que ela curvou seus braços sobre meus ombros,sua perna-direita ao lado de minha cintura,ela ofegou,ofegou a
ter falta de ar-Maldita.Ah,como queria Aziel para não ter que passar por isso,não sei se vou aguentar ficar sem o lado masculino,o ago que todo homem têm entre as
pernas-Ofeguei espantada.

Caminhando em direção a porta disse-Maldita és tu honorável Princesa Bestial,cuida de teu Rei,nosso Rei.Esqueça o algo que todo homem têm entre as pernas-Ela
curvou-se delicadamete para pegar Ellenos,viu-me rapidamente-Maldita-Bramiu.Sai em direção ao corredor.Nos aposentos vi Natanael a minha procura-Oi,espero a
senhorita entregar-me as cartas-Ofeguei pensativa.

Dei os envelopes a ele-Queime-os,já sei o bastante e dessa vez não haverá resposta,tudo será multiplo-Ele sorriu,deixou-se segurar os papeis e envelopes-Tudo ao
seu desejo,queimarei o matérial na lareira-Ofeguei sentando-me a beira da cama.Pressenti a forma com que ele levaria tudo isso,se deixaria tomar de verdade pela
sua responsabilidade.

-Vá em paz,obrigada por tudo-Sozinha desabei na cama com os braços abertos,olhei o teto,me deparei pensativa a respeito dos filhotes-E agora? Será que Lucy e
seu filho vão sentir?-Risos vindo de mim,foi como se meu coração fosse tomado de verdades e sentimentos alheios,de modo notável minha pessoa entendia,deixa-
va-se pensar complexamente no que faria.

"Veja por si".Pediu Fera.Fechei meus olhos,me deparei com Lucy e Ellenos no quarto,Lucy amamentava Ellenos,o doce Rei que regorgijava do bom e do melhor
que sua mãe lhe poderia dar.Com isso visionei dentro de cada um deles,os filhotes,eles agiam,trabalhavam,se desenvolviam. Iriam ficar adultos,poderosos como a
mãe,mas levaria tempo.A lei natural do crescimento e evolução,também seria válida para eles.

Deitei-me de lado,me deparei pensativa.Desejava saber o que acontecia no mundo.No mundo de seres negros como eu,os bebedores de sangue.Pensei em minha
filha,a presença que ela seria para mim,o quão importante ela era para minha pessoa.Fechei os olhos.Em meio a noite ouvi a porta abrir-se,Lucy aproximar-se de mi-
nha pessoa ao mover-se pela cama.A beijei,desaboei suas vestes,deixei meus dentes entrarem em sua carne,assim como ela comigo em meio as carícias.Unidas pe-
lo laço de sangue.Sofrimento pelo legado,mas em meio a isso,alegria por ela ser unicamente minha
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Sab 6 Nov - 21:41:05

Foi como se tudo isso ouvesse se quebrado,mas não desanimei em relação a esse detalhe sordido da vida.Ao decorrer das próximas noites ficou claro o quanto Lucy se
fortalecerá.Foi na minha volta Sara,se não me falha a memória apóis um de minhas caçadas,que ela percebeu.A vi no salão do palácio ao entrar.Me deparei a encaran-
do com sutileza,temerosa.

Natanael a olhava,ele estava trocando as flores dos jarros nesta nova noite-Como foi possível? Me colocas-tes um maldito filhote bestia.Eu não entendo-Ofeguei poden-
do a olhar por completo,foi como se minha pessoa se envolvesse em complexidade de personalidade-Não tema,e sua besta,resumidamente isso-Ela assentiu,deixou-se a-
cariciar a cabecinha de Ellenos que mamava.

Ela temia deixá-lo com fome,sempre o alimentando,cedendo a ele tudo que precisava,olhou-me depois de pensar-És maldita Lilith,não queria.Ao meu filho também o fez.
Não sei o que ele pensará de tudo isso-Novamente não queira saber,só alimente a Fera dentro de si,será tão plena quanto eu,alias,já o é-Ela ofegou,deixou-se silenciar.A
contra-gosto não seguiu-me quando subi.

Me deparei cheia de pequenas loucuras,pressentimentos alheios,De modo imprecionante vi o que jazia sobre a mesa de escrever.Eu havia me esquecido que nas últimas
noites trouxe da minha ex-casa o album de Aziel,suas fotos com Samantha.O horiginal da cópia que eu havia mandando para Vitória Regia.Deixei-me vê as imagens,vi o
semblante de Aziel com nossa filha.

O modo como ele a segurava naquele momento,como a beijava no rosto,suas vestes brancas marcantes nesse lindo momento.O que pensar? Não sabia,não sentia.Eu
ofeguei nas lembranças,as sentia,as vislumbrava vindo á mente.Continuei virando as páginas,me envolvendo e mais.Foi como se tudo se transformasse em miragem.A
mercé do tempo fiquei,até que Lucy entrou no quarto.

-Andas se esvaindo em lágrimas?-Não,não estava e claro,sinceramente minha pessoa ofegou,senti suas mãos se curvarem sobre meus ombros-Não querida,só olhando
as imagens de Aziel,o álbum que trouxe de meu ex-lar-Ela riu,manteve-se por trás de mim-Psiu,vou tomar banho,o cruel Ellenos dorme,se quiser descansar,relaxar depois
da chegada,venha-Sorri,na banheira ao nos mantemos sentadas conversando,desferi a unha cortante em meu pulso,deixei o sangue viscoso encher os dois castiçais que
ali estava.

Espuma,petálas de rosas nas águas na imensa banheira de mármore claro-Tome querida,esvaía-se-Ela riu.Brindemos a luz que rompe a escuridão,por que está é a ver-
dade do mundo.Esse foi nosso final de noite,transpondo todos os preceitos desejados.Soube ao decorrer da noite seguinte ao vir de nosso esconderijo no sotão nas pro-
fundezas do palácio,que novamente a resistência valerá a pena.

Natanael me derá notícias importantes.Ao me preparar sai para calar com Lucy,escolhi um longo casaco negro para por por cima de meu justo vestido branco de cetim.
O pá de botas pesadas confortável.Lucy pensava,me parecia uma boneca negra ao estilo celta ao trajar trajes longos,tipicos de celtas,delicados,modernos,mas remont-
do ao estilo antigo.A cor verde-folha perfeita a destar-se em sua pele.

Foi uma noite árdua,tomada de nostálgia,perseguissão para com nossas vitimas.Início da madrugada ao chegarmos,entrarmos pelos portões do lindo jardim a frente de
nosso palácio.Luminárias nas paredes da muralha acesas,tochas queimando.Ouvi gritos,terríveis gritos.Ofeguei-Ellenos!-Berrou Lucy andando,mal haviamos chegado e a
desgraça me parecia eminente.

Seguindo pela escadária entramos pela varanda.Nos deparamos com dez bebedores de sangue,jarro havian sido quebrados-O que isso significa!?-Brami cheia de raiva.
O pensamento brotava,era como se eu não aceitasse tal ofensa-Como ousam invadir a fortaleza,a realeza bestial!?-Andei a frente,vi Natanael arqueado a frente,ele se-
gurava uma das espadas a frente.

Havia sido ferido-Rainha Lilith! Não ligue,não se atreva a sujar suas mãos com o sangue deles-Berrou,arquei o segurando.Lhe tirei a espada,muitos queriam atacar,e o
fizeram,me virei segurando um deles pela garganta,havia enfiado as unhas na pele,grui sentindo raiva,achando injusto-Digam! Com que permissão e a mando de quê
pessoa vieram!?-Apontei a espada a frente.

Lucy os olhava,sentia vontade,e como sentia vontade."Viemos a procura de Ellenos Cyrus,há rumores que o Rei Bestial vive,queremos levar inforamções ao Tompei.
Qualquer um de nossa raça a respeito da Realeza Bestial".Responderam,vários,os dez me fitavam-Pós não,és a resposta-Nunca esperei me envolver em um momento
como esse! Céus! Lucy me ajudou,segurava um a um.

Muitos tentaram me atacar,nunca pensei ter tamanha força,não podia me mover rapidamente como eles,mas sinceramente me manter parada e esperálos apenas par-
rar diante de mim,me foi maravilhoso. Esticava as mãos na direção deles,enfiava os dedos em suas gargantas para depois lhes cortar a cabeça com a lámina da espada.
-Malditos são! Mil vezes malditos!-Rugia.

Enquanto a matança acontecia,Natanel se escondia entre as sombras,tremia de medo.Nunca me deparei com tal situação,mas continue.Um a um,eu e Lucy matamos.
Gotas se sangue jaziam,expiravam em nossos cabelos,a pele de nossos rostos.o fim de tudo,assenti ofegante,olhei a frente,só um havia sido poupado-E tu!? O que tu
pretende?-Brami andando a frente.

Se Lucy não tivesse me freado ao segurar-me docemente por trás o teria matado-Meu amo poupe-o,não vale a pena continuar sujando vossas mãos com um inseto
como ele.Poupe-o e faça-o de mensageiro-Ofeguei novamente,ficará pensativa-Que seja-Disse deixando a espada cair no chão-Vai-te embora forasteiro,suma! Leve
consigo a mensagem de que,sim! Há uma nova realeza bestial dominante. Não eu,não somente eu! Mais uma trindade! Suma,suma! Suma antes que o mate! Espa-
lhe minhas palavras aos ventos! Leve consigo toda visão,o calor de tudo que viu! Some!-Berrava,Lucy continuava me segurando.

Céus,eu sofria,sofria tanto! Não havia pedido isso,e mesmo assim,eles vieram,tentaram,ousaram em levar Ellenos!-O vi sair,correr em disparada saíndo pelas portas
imensas e pesadas.Ah,que dor,imensa dor,imensa dor! Com o tempo me direcionei ao meu assento.O trono feito de puro mármore.Sentei-me silenciosa,pensativa.Eu
olhava para o nada.

Foi quando Natanael saiu das sombras temeroso,tremia por inteiro.Lucy havia se colocado ao meu lado,o olhava,segurava minha mão-Pedoe-me Rainha Lilith! Foi a
maior fraqueza minha-Disse Natanael-Calado! Sou vossa rainha,não temo,não temo represália de marginais! Jamais! Quanto a tu!? Descansa,grata por tua proteção ao
Rei-Isso deixou Natanel tomado,o vi subir a escadaria angustiado,tomado de choro.

-Permitá-me Rainha,permitá-me! Vossa força e plena,honrosa! Não podíamos pedir nada maior-Bramia ele ao cuvar-se diante de mim,segurava firme minha mão-direi-
ta.Suas lágrimas me aquietaram,me silenciaram trazendo-me a paz,a limpida luz em meu coração-Descansa cervo,na nova noite tende a proteger o Rei-Isso olhou-me.
A mim e a Lucy,mas olhou-nos-Diponham-Bramiu ao retirar-se para os andares de cima.

Sozinha com Lucy disse-Tens força,e como.Me assusta,está entendendo?-A olhei chorosa,angustiada ainda sentada-Eu á amo,te amo de verdade,jamais deixaria de fa-
zer uso de minha força perante ameaças-Ofeguei,levantei-me silenciosa,movendo as mãos por seu rosto á disse-Obrigada! Fico orgulha,posso morrer,mas sei que tua for-
ça e a de Ellenos brotam,enquanto eles filhotes dados por Fera crescerem essa e a tendência,para finalmente no amadurecimento deles,serem plenos-Ela riu.Pude desfe-
rir beijos em sua testa.

-Depois disso e a melhor forma,precisa descansar-Eu ri voltando-me a sentar-me,ela ao chão perante mim,a olhava delicadamente-Amanhã! O que acha de irmos pa-
ra Athena?-Ela se espantou-A casa de Vitória Regia? A nova reinante entre os bebedores de sangue?-Ofeguei ainda cansada,risonha,mas ofeguei-Sim,quero ao menos
vislumbrar minha filha! Ah,céus! Ao menos vê-la de longe!-Ela silenciou-se.

-Lamento tua dor.Tenho meu filho,pleno,junto a mim! Mas tu!? Temo por esse coração sem tua cria-Assenti a tocando por alguns instantes sobre a cabeça,tinha meus o-
lhos chorosos,rispidas lágrimas vermelhas brotando-Entendo querida,entendo,mas ainda há luz nesse coração,sempre existirá! E enquanto existir,farei,realizarei minha mis-
são-Ela pensou por alguns instantes,e antes de subirmos disse:

-Entendo Lilith,creio que futuramente os bebedores de sangue vão entender,sei que poderá realizar o sonho dos dois mundos viverem em harmônia-Assenti olhando
profundamente em seus olhos-Ah,sim,e como!-Brami ainda nervosa-Subimos,com isso fomos em direção aos aposentos do pequeno Ellenos.Natanael saiu para seus
aposentos ao entrarmos.

Peguei o menino,fui para varanda com ele,ele olhavá-me com delicadeza,Lucy mantinha-se sentada na linda poltrona-Prometo que vai conhecer sua irmã.Imagine o
quão ela é bela,tenha certeza-Nunca vi olhar como o dele.Doce,mas cruel por sua bestialidade ainda tão pacata.Ajeitei sua manta de tom violeta,desenhos de estre-
las sobre a manta.Ofegou ao encostar o rosto junto a mim,meus ceios-Será que entende isso pequeno Ellenos?-Brami junto de seu ouvido.Gruidos delicados.

E desse jeito ficou,silenciado,apenas ouvindo meus cantigos delicados,cantigos que sabia eu,pertencerem a um passado tão distante,esquecido pela sociedade.Cantos
remontanto a eras aladas.Lembrei de Drarytha,de Mana,de como eles viveram,tudo isso descrito nos contos de Lestat.Chorei-E tudo isso querido em prol de uma a-
lada guerra,sanguinidade e poder! Guerra que pretendo acabar,interromper-Soluços,o vi olhar para mim,era como se aquele serzinho me ouvisse,e como fiquei feliz!
Tão feliz! Aladas eras,tempos alados e estrelados! Tudo isso transcorria a mente ao está com Ellenos.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Dom 7 Nov - 19:24:35

Veja isso,Sara,como se nossas almas tivessem se unido,se unido em uma corrente inquebrável. Sara,sinceramente beirei a loucura,a pura loucura nesse momento.
Sinceramente minha pessoa reaveu todo um modo de percorrer a alma,a inocência.Havíamos decido viajar a Athena como deve saber,Sara.Sinceramente ao longo
do tempo dá espera do momento,minha pessoa sentiu-se tomada de pecaminosidade e curiosidade.

Nem sempre nossas pessoas estão cientes do que possa acontecer.E não estava ao decorrer de toda uma forma alheia,sinistra,mas justa.Passou-se o tempo,Sara.E
com isso,eu e Lucy finalmente chegamos em Athena.E como nós foi maravilhoso andar pelos campos europeus,senti o cheiro da malva,o cheiro da relva,brisa do ven-
to.Olhamos a paisagem ao estarmos a beira do lindo penhaco dá Cidade.

-Finalmente querida,estamos aqui-Ofeguei bramindo as palavra,isso a deixou tomada de afinidade para comigo,toda uma forma de sorrir no início da bela noite.Fize-
mos a escolha perfeita ao passarmos o dia na caverna (Esconderijo protetor do sol ávido).Pensava,continuamos andando,nos direcionamos pelos campos,pegamos a
Rua de entrada na Cidade.

Sinceramente minha pessoa deixou-se ofegar,pressentir as aluções da vida.Continuidade para que o ofegar fosse pleno.Minha túnica negra com detalhes dourados se
movia com meu andar,a túnica cinza de Lucy destacando-se perante sua pele clara,ávida-Fico preocupada com meu meu filho,será que Natanael vai cuidar bem dele?-
A minha pessoa sorriu ao continuarmos andando,céus,mal via a hora de chegarmos ao hotel.

Sabia aonde ficaria,claro que jamais esqueceria.E foi como combinado,nunca me senti tão plena! Fazer essa caminhada,a viagem alheia logo perto da aonde eu mora-
va,por que para mim era apenas caminhada em meio a noite,me era gratificante.Com o tempo chegamos,fomos para nossos aposentos ao passarmos pela recepção.A
mala com nossas pouquíssimas roupas haviam chegado,com isso assentimos sentando no belo sofá na sala.

-Fez bem em mandar por correio ao hotel,valeu a pela-Que tática,pensei,diante das palavras de Lucy,a olhava,vossa pessoa sentia-se preocupada com Ellenos,mas a
minha pessoa se apressou em confortá-la-Querida tenha calma,novamente aviso que Natanael saberá cuidar bem de seu filho-Ela ofegou olhando para o nada.O fato
do apartamento ficar no quarto-andar me foi maravilhoso.

Linda paisagem para as Ruas de Athena ao irmos a varanda-Deseja algo querida?-Ofeguei,ela riu de modo descabido-Será que o pai e mãe de Aziel vão saber?-Isso a
minha pessoa não sabia,mas ao irmos para o quarto logo no corredor soube-Pode ser,pode não ser,mas sei que sou poderosa o bastante para emanar presença,mesmo
eu a controlando-Isso a deixou pensativa.

-Entendo-Bramiu pousando as mãos sobre meus ombros,foi nesse momento que ouvi seu pedido-Vamos querida,passemos um tempo aqui,depois vamos visitar a linda
Praia da Cidade-Ofeguei,e foi como desejava.Eu aproveite para pegar a mala com nossas pouquissímas roupas,após isso tomei banho e sinistramente desabei nos bra-
ços de Lucy ao estarmos na cama.

Não chegamos ao ponto da plena redenção corporal e esperitual desejava,mas foi o bastante para passarmos grande parte do tempo juntas,a noite estava frio,admito.
O vento vinha pelas imensas janelas do apartamento,eu pensava ao decorrer de tudo isso,tudo que acontecia-Sabe se isso será o bastante?-Ela queria saber a respeito
de Samantha-Eu não sei querida,mas quero vê-la,nem que seja de longe.

Ouvi seu ofegar ao está deitada pôr trás de mim-Entendo Lilith,e tudo que desejo,sabe que estou aqui-Voz doce,doce com noite é brisa.Olhava para a linda luminária no
estilo mais antigo com que se possa imaginar.Ela moveu-se,me virei a olhando e antes de irmos para o litoral da Cidade na noite,a desejei,a beijei com delicadeza,isso a
mercé do nada,do amor e sentimento.Me escondi com ela entre os cobertores.Gemi com paixão sentindo a queima em meu corpo enquanto a beijava continuamente.

Com o transcorrer do tempo,nos preparamos.Fomos para o litoral do mar Mediterrâneo beirando a Cidade de Athena.Eu e ela jaziamos sentadas cadeiras de uma linda
barrada de vendas da imensa praia.Era o calçadão,vislumbrava as pessoas andando de bicicleta,até andando de patins.O frio da noite maravilhoso de encontro a minha
pele.Por cautela usava óculos escuros,tinha um cachecou branco sobre meu pescolo,camieta e saia negra de algodão,a bota também na mesma tonalidade.

O vestido e sandália branca de Lucy me encatava,pensava silenciada olhando as pessoas-Lilith suspeita por onde começar?-Ofeguei já sabendo do que acontecia-Eu sei,o
pai e mãe de Aziel não estão na Cidade-Brami a respondendo-Eu entendo,será que mesmo assim,Samantha jaz em casa? Quem sabe seja o momento se levá-la conosco
querida-Ofeguei sentindo dor,tristeza.

-Duvido Lucy,Lestat não seria louco de fazer algo dessa natureza,entende? Sei perfeitamente que nem um deles seria tolo de cometer um erro drástico desses.Sincera-
mente minha pessoa sabe e sente que,para Lestat,Samantha e seu tesouro,ele a amou quando á viu,está entendendo? Eu não seria tola de envolver-me em tal situa-
ção,sei que ele colocária o mundo dos bebedores de sangue contra mim.Quero paz,não a guerra-Isso á silenciou.

-Nossa Lilith,teme,teme por si mesma-Ofeguei novamente,sentiá-me tristonha,tomada de rancor-Não sei querida,eu não sei o que fazer,não quando eles estão contra a
gente,mesmo sabendo da trégua,minha real intenção-Isso dez Lucy arquear a sobrancelha-Será mesmo que sabem!? Não sei,viu!? Para mim há algo além,não sei,ainda
desconfio que não e exatamente assim-E dei-me a pensar-Como seria então?-Quis saber.

-Acho que Lestat descontou,jogou toda sua mágoa e falta de Aziel,em Samantha,disparou como uma flecha,todos os sentimento e dores.Na real,acho que ele não queri-
a fazer algo dessa natureza,creio que foi sua angustia que o forçou-Será mesmo?Será que o que se passava em sua menteve estava correto? Eu não sabia,mas conforme
pensava,veio imagens a mente,o vento quente tocou como lufadas meu rosto.

Ofeguei sentindo caláfrios,Lucy se apressou em ajudar-me-Meu amor está bem?-A olhei com sutileza,já não sabia quem eu era,o que eu queria! So desejava vêr minha
filha,só isso.Ouvi a voz de Redenção bramindo em meus ouvidos."Eles chegaram,não sente?".Ofeguei-Tudo bem,tudo bem Redenção!-Disse em auto-tom,com isso eu
e Lucy saímos em direção a casa de Vitória Regia.

Passavámos entre ás pessoas as pressas,era como se eu me envolvesse em notável rancor,dor de transposição surreal.Sinceramente pensava,repensava.Segui,finalmen-
te subimos a Rua Central de Athena,seguímos pela calçada,devagantes,tementes,isso por quê era perceptível a presença de Lestat e Vitória Regia.Céus! Será que eles sa-
biam? Será!/

Não sei,mas vislumbrei a memória me tomando,percorrendo todo meu coração,sinceramente minha pessoa sentia a agonia me tomar.Lucy silenciada seguindo ao meu la-
do,sinceramente minha pessoa ofegou,teve medo."Me ajude Redenção".Pedi,seguí-a.L,embro de termos chegado perto! Céus! Ouvi o bater do portão! O portão da casa
de Lestat e Vitória Regia.

As palavras reverbaram em minha mente,me deparei parada,paralisada,sem poder entrar,nada disso,isso fez minha presença e a dê Lucy passarem despercebidas.Todo
nosso nervossísmo simplesmente nos fez parar no tempo."Meu amor,ela está em casa,Louis está cuidando dela,sei que enquanto estivemos fora,ele cuidou dela,e filha
dele,minha também".Eu ouvi isso? As unicas palavras decernidas por mim vindas dele!

"Lestat,eu o amo,mas fico pensativa quando ao futuro de nossa neta.Como ela crescerá sem sua mãe".Lucy me abraçou com força-Vamos embora querida,vamos embora.
O melhor e deixar para próxima noite-Ofeguei,sai com ela,nos direcionamos ao ponto.Claro! Não os tinha visto,mas ouvi perfeitamente vossas palavras ao entrarem,ao anda-
rem pelo jardim! Ah,céus! Chorei horrores ao está no apartamento.

Entrei desesperada-Maldito,ele regorjija a presença de minha filha! Nossa filha! Minha e de Aziel,á trata como se fosse um prêmio!-Berrei,Lucy ofegante,silenciada com
sua tristeza-Lamento meu amor,lamento-Disse-me,ela ofegou sentando na poltrona na linda sala-E minha filha,necessido dela-Brami,isso á fez passear seus olhos por mim.
-Tenha calma-Nem um sinal da presença de Redenção.

Mas uma coisa era clara! Iria vê-la,eu iria! Iria encarar a cara do maldito Lestat,o matária,céus! Quem sabe na presença de todos? Arrancar seu coração! E como tive
vontade de fazê-lo.Ofeguei tomando folêgo,respirava controladamente.Sinceramente sentia ódio,raiva,mas iria vê-la.Não ia passar em branco,eu sabia! Meu coração
dizia isso,me passava o recado.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Dom 7 Nov - 20:28:48

Ah! Mas eu não previa mesmo o que aconteceria na noite seguinte.Eu e Lucy voltamos de nosso retiro nas montas próximas(Cavernas),com isso ela decidiu sair para
caçar.Aproveite para que eu pudesse descansar,ofegar livre do que havia sentido na noite seguinte.Nunca em minha vida pensei que tudo isso culminaria naquele mo-
mento misterioso.

No quarto vislumbrava a fumaça o incenso,perfumado e delicado,no incesário,era como alucinação.Meus pensamentos quietos,pela primeira vez desde que cheguei na
Cidade,silenciados.Isso me fez entrar em processo de sono,sentia a densa presença de Redenção,minha pessoa pressentia o que me esperava nesse transe,todo minha
malva de sensações alheias.

"Anjo-demônio deixa-me em paz".Pedia por pensamento.Será que ele atendia? Não sabia,mas esse foi o processo de esperitualidade que experimentei ao decorrer de
todo tempo de cochilo,delírio.Era como enchergar flores,densos campos selvagens dá eterna Europa.Acalando de trevoroso respirar.E com isso o som do vento,o som
do vento! Eu ouvia o som do vento!?

Não conseguia acreditar no que acontecia! Ouvia seu som,ele vinha ao encontro de meus ouvidos conforme tudo isso se tornava surreal! Espectral e sobrenatural! Ainda
estava para passar por momento pior como esse.Veio o som,o terrível som.Som de um gruido,gemido de dor,delicado,aveludado.Será que ouvia mesmo? Bem,sim,eu
ouvia.Senti mãos passearem pela cama.

Deslizarem sobre meu ombro,crueldade,dor me foi sentida,terrível dor.Pensei ter sentido lágrimas caíndo sobre meu rosto.Senti o bafo perfumado vindo da boca do que
eu pensava ser algo,porém,meus delírios apagavam a sensação alheia."Eu á odeio,á odeio pelo que permitiu que ele fizesse.Ah,Lilith! Confiei minha vida para que minha
filha fosse privada de toda maldade e lúxuria dele.Maldita,eu á odeio".Ah?

Ofeguei,virei-me do nada sentindo dor,algo em minha garganta.Me deparei encarando os olhos,só vislumbrei os olhos do ser,do espirito em si.Olhos verdes,mãos aper-
tando minha garganta."Olha o que se tornou! Maldita! Vai morrer!".Ah!? Berrei,me deparei empurrando o algo,o algo que mal passava de sombra tendo um pré-formato
de corpo humano,os olhos verdes me fitavam.

-Sai! Vai embora! O que és!? O que veem busca!?-Foi como trovoadas em meus ouvidos senti os tapas em meu rosto.Tombei contra o chão,senti o peso maciço do mal-
dito espectro,respirei fundo,sinceramente minha pessoa sentia-se tonta,tinha meus braços curvados a frente,foi como revidar,só que me pareceu barras de ferro-Vai para
o inferno!-Berrei.

Não entendi,tentei decernir quem seria,mas me foi impossível."O que fez consigo? E isso que queria saber".Bramia o espectro-Eu e que quero saber! Quem e você!?-Não
compreendi,trevas,pura escuridão jazia sobre o espectro.Por preocação estendi a mão a frente,senti a terrível força emanar de mim,brotar de meu sangue,ele berrou,eu
sabia que era algo masculo.

Um ser puramente sobreado só tendo os olhos verdes como destaque em seu rosto."Para! Para! Pode me tirar do inferno em que jazo,para! Lilith!".Disse esticando as mãos
em minha direção.Ofeguei-Vai embora! Como sabe meu nome!?-Nunca pensei que tal voz provisse de mim.Autoritária,cevera,cruel por si.Andei a frente,a força espectral
que emanava de mim o fez sofrer,gritar.

Gritar,me pareciam gritos demôniacos,mas eram de sofrimento,dor causada por minha atitude-Vamos,fala!-O olhar,isso me assustou,era de uma resistência tamanha que
a minha pessoa sentia dor no corpo.Vi quando Redenção apareceu atrás do espectro,me olhou-Para,chega-Pediu.Vi como o espectro andou para trás,ele desferiu suas mãos
a frente de Redenção.

-Vai embora,não tens nada o que fazer aqui.Não és mais humano,sequer pertence a esse mundo-O quê!? Do que ele falava!? Foi quando a fúria me tomou,deixei-me fazet
total uso de minhas forças espectrais.Sinceramente minha pessoa não acreditou quando o ser olhou para mim,os vividos olhos verdes me encarando.Eu reconhecia o brilho,
só que não sabia quem era,nunca soube,Sara.

Tento me lembra,até mesmo agora,mas complicado.Ele sumiu ao decorrer da falta de resistência.Ofeguei sentando a beira da cama,olhei para Redenção que andava a mi-
nhã frente,temi,pensei que ele tivesse alguma resposta-O que era?-Quis saber-Ele emitiu tristeza,dor-Há seres que são humanos querirda,ao morrer,ao invez de evoluirem,
subirem um patámar além,descem,descem um degráu na real evolução-O que?

-Quer dizer que tu um dia foi assim!?-Berrei ao levantar-me aflita-Sim,querida,eu fui,sofri,aprendi,morri várias vezes,fui humano,morri,me tornei o que sou-Que pavor pen-
sar em uma coisa dessas! Ele continuou descrevendo-Morrer para renascer,se renovar,se transformar e melhorar-Céus! O pior termino de noite com que eu poderia imaginar!
Ficou combinado na volta de Lucy que na noite seguinte iríamos.

Finalmente tentaríamos.E foi como planejado.Ao virmo do retiro nas montas próximas nos deparamos de pé,estavamos do outro lado da rua,nossas vestes longas causa-
vam frescor,principalmente devido ao fino linho,a cálida noite.Ofeguei.Ofeguei pensativa.Não contava com a ausência dele,o pai de Aziel não apareceu,mas ás luzes esta-
vam estranhamente ligadas.

Enquanto nada acontecia,eu e Lucy conversavámos-O que me contou ontém,sobre o espectro que diz tê-la atacado,isso não me saiu da mente-Ofeguei,tinha os braços cru-
zados a frente,pensava encarando o portão da casa de Vitória Regia-Nem eu compreendi,mas os olhos,céus,eu os reconheci,era alguém conhecido,só que pertencente a um
degráu a menos,abaixo de nossa escala evolutiva esperitual e matérial-Será que ela havia entendido?

-Sim,issso mesmo Lucy.Conforme morremos,nos transmutamos perante a necessidade do patámar evolutivo.Uma escala a menos ou a mais,mas e a realidade da evolução-
A sua pessoa pensava-Entendo,suspeita de quem seja?-Pensei,foi nesse momento que vislumbrei as lembranças do ser.O vi na mente,Redenção o mandando embora.Ainda
pensava,o modo,a crueldade!

"Ah,céus,será? Ah,que nada! Não séria possível.Meu amor eterno,o Aziel,estava além disso,sem dúvida que se tornária grande ao deixar o corpo".Tirei isso da mente.
Algo aconteceu,ofeguei sentindo meu coração bater forte.Vi uma limosine subir a Rua Central,parar enfrente a casa de Vitória.Não compreendi,mas entendi ao vê um
homem alto sair,loiro de cabelos lisos,usava calça justa,negra,camiseta branca por baixo do lindo casaco de belo corte também negro.

Usava óculos escuros,ao seu lado uma bela dama com vestes verdes(Um vestido).Ele segurava sua mão,não entendia até o momento.Foi quando mais uma pessoa em
espécial saiu.O vermelho a ardonada,se tratava de uma bela túnica,esse ser era masculo,cabelos loiros andulados,crueis olhos azuis"Habel? Sabe se ele virá?".Disse á be-
la dama,ela o olhou."Não sei querido Marius,mas temo".Bramiu.

Aconteceu.Vi quando duas pessoas vieram.Vi,pude vislumbrar Vitória Regia sair primeiro,obscura,silenciada ao entrar na limosine com os demais,só o loiro com cabelos li-
sos ficou de pé esperando alguém."Vamos,vamos embora,és louco em levar a pequenina Samantha,Lestat".Vi quando o maldito riu,trajava calça justa negra,uma regata
em sublime e rato tom vinho."Tudo bem Lunnes,vamos embora".

-Mal...Mal...-Disse rompendo a palavra,senti a pesada mão de Lucy torcar-me o ombro,foi nesse momento que os dois me olhava,o pai de Aziel(Lestat) fitou-me,senti-me
grata por ele não suspeitar,saber de mim,tive certeza invadindo sorrateira sua mente.Miragem,visão.Lunnes acariciou o rostinho de Samantha."Mamãe,e inacreditável que
tu tenhas vindo com tamanha perfeição".Ofeguei.

-Ele,ele sabe-Disse movendo os lábios,para Lucy-Psiu,quieta-Bramiu ela baixinho.As vestes clarinhas de Samantha perfeita,ela havia crescido bastante nos últimos me-
ses.Vislumbrei a emoção com que Lunnes a pegou,a segurou.Gotículas de lágrimas vindo a seus olhos,vi pelo escorrer em sua face limpida.Lunnes entrou na limosine.
Lestat não tirava os olhos de mim.

Ele se espantou,céus,ele soube! Ofeguei."E isso mesmo maldito! Vou matá-lo,desecá-lo,eu juro! Serei a última pessoa que verás em tua morte".Ele ofegou,vi seu espanto.
Ele antes de entrar,emitiu seu único pensamento,céus,a única troca de palavras até o momento,até o tempo atual.Esse foi nosso encontro,nosso primeiro e único contato
Sara.Não sei se terei outra change,mas descrevo a resposta dele enviada via pensamento:

"Tenta vádia,tente,pode tentar,eu juro também: Morrerá comigo,mas não me tira,não nós tira Samantha,nossa monarca".Me silenciei.A porta fechou-se com seu entrar
e com isso o veículo sumiu pela Rua Central.Ofeguei temerosa-Viu? Ele não teme,maldito-Lucy disse-Ele e voraz,céus,poderoso,pleno,muito poderoso,e,sim,vejo o san-
gue dos bebedores de sangue correndo nas veias da mãe de Aziel-Ofeguei.

Fiquei chorosa,com isso pensamos.Procuramos caminho com delicadeza.Sinceramente minha pessoa demorou a acreditar."Lilith não vá atrás,volte para seu lar,Ellenos
precisa de vossas compainhas".Compreendi,havia alcançado minha meta,mas o sabor,a vontade de matar Lestat ainda me corroia,e me corri até mesmo neste momen-
to.Era esperado.Desejável.Que o palácio nos esperasse,nos organizariamos e voltaríamos para casa.As montanhas irlandesas.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Seg 8 Nov - 11:09:59

Eu e Lucy voltamos,foi como se minha pessoa presentisse toda uma forma de reajuste.Eu e ela haviamos chegado ao palácio,sinceramente a nova noite me encheu
de agrados por que sinceramente,estava fresca,tomada de presságios alheios,elegantes.Chegamos com duas noites após o impasse,aquele momento,mas havia vali-
do a pena,sem dúvida de que minha pessoa sentia-se melhor.

Por mais que continuasse a pensar na presença e influência de Lestat no mundo dos bebedores de sangue.Vi Natanael sentado a beira da linda escadária do palácio.A
sua pessoa levantou-se atenuando o olhar delicadamente,foi como se minha visão se atenuasse de modo presuposto,sublime,sorri ao vê-lo descer,foi quando Lucy se
adiantou para saber das boas novas.

-Ellenos Cyrus está dormindo ou acordado em seu quarto?-Ele pensou por alguns momentos,ajeitei a borda de meu longo vestido azul-turquesa,ele passeava os olhos
por Lucy,foi como a malva ouvi-lo responder-Sim,senhorita Lucy,ele está em seu quarto,apesar de andar faminto-Ela pensou-Entendo,algumas noites se alimentar-se,o
deixariam irritado-Bramiu passando por ele.

Pude vislumbrar o modo como a longa túnica negra de Lucy movia-se com seu andar,a faixa delicada é negra na altura de sua cintura,sinceramente ofeguei,foi como eu
pressentisse todo um modo pecaminoso.Minha pessoa ofegou,seguiu com Natanael em direção ao salão de recepção.Silenciado Natanael viu-me seguir pela escadaria.Eu
ofeguei,pensava com franqueza no que faria ao decorrer de tudo.

Nos aposentos de Ellenos Cyrus vislumbrei Lucy o pegando,havia acabado de entrar-O que ele sente? Será mesmo que ele está bem?-Ela ofegou,o olhou sentando-se
na poltrona-Bem,ele está,só que faminto-Compreendi,deixei-me encostar na parede com os braços cruzados a frente,aos poucos me ficou claro que ela demoria um pou-
co,nas noites em que estivemos em Athena,e claro que leite sobrará,cálido,suculento em seu tom rosado.

Feito de seu corpo,seu sangue,ela ofegou risinhosa quando Ellenos se rebelou contra ela,ele que ofegou conforme ela o acariciava deslizando as mãos pelos cabelos.Eu
a mercé de meras visões,assenti deixando-me ficar feliz-Vamos Ellenos,pare com isso,sente fome,está irritado,mas sei que gostaria de se alimentar-Ele a olhava,jazia en-
volto na bela manta branca que Natanael escolherá para ele.

Ele moveu suas perninhas,tentava livrar-se das mãos de sua mãe,eu ri,ri devido o apreciar.A troca de olhares entre os dois me foi maravilhosa.Natanael havia feito
bem em manter Ellenos despido,somente envolto na manta,o fresco era óbvio,isso dedido ao sutil calor da nova noite.Pensei enquanto apreciava a pequenina rebeli-
ão de Ellenos para com sua mãe,a respeito de nossos retiros ao decorrer de nova ida e volta de Athena.

Ellenos mamou,e como mamou com vontade conforme Lucy o segurava,o olhava pensativa,o vento veio em brisa através da varanda,o que causou-me ofegar,tive
a presunção e vontade de recomeçar.Ellenos sentiu-se tomado,aos poucos aquele maldito por si amolecia nos braços de sua mãe-A esperarei no quarto-Disse-lhe que-
rendo ir para descansar,foi como se ela entendesse.

Em meus aposentos acabei por pensar,me deparar em um momento alheio.Foi como se algo tivesse me avisado do que aconteceria.Sonolenta fiquei,e quando dei-me
por mim,minha pessoa se deparou vislubrando algo surreal.Sai do quarto,nesse vislumbre,atiçar de corpo sobre a cama fui em direção ao salão no andar dr baixo,vi co-
mo Lucy conversava com Redenção.

O modo como ela o encarava com sutileza."Redenção será mesmo que compreende? Temo que meu filho não venha a ter sentimentos,afinal,ele não nasceu humano".
Sua inquietação era sublime,encatadora,foi como se minha pessoa começasse a entender,vigiava detalhadamente,as sombras haviam me servido como um proteror en-
tanto.Jamais minha pessoa esperou por algo dessa natureza.

"Não tema,sei que tens alma o bastante para que tudo isso seja real,maravilhoso".Foram suas palavras antes de Lucy responder,e pude perceber que esse tinha sido o
momento certo para que ela e ele se conhecessem,conhecerem cada nuance do que um e outro tinha a oferecer."Obrigada querido,nada melhor poderia ter sido dito".Ao
meu vê presságio.

Foi dessa forma que tudo foi continuo,principalmente ao decorrer da noite seguinte.Percebi que Lucy havia acordado um pouco antes da hora,sinceramente minha pesso-
a sentiu-se impactada com o que viu.Lucy havia acabado de tomar banho na noite nova,atenuou seu olhar para mim,jazia de pé no meio do quarto enrolada em uma toa-
lha macia.

Tinha Redenção a ajudando com delicadeza.Ela pensava-Como acordou nessa noite?-Brami sentando-me a sua frente a beira da cama,a olhava pensativa,Redenção ti-
nha suas asas abertas abertas conforme lhe escovava os cabelos ainda humidos devido ao banho-Cansada querida,acordei um pouco mais cedo,sabe que Ellenos depen-
de mim para alimentar-se,admito,ele tira-me as forças-Sorri.

-Logo,logo ele vai começar a caçar,verá! Será maravilhoso ensinar-lhe das artes-Ofeguei,isso a deixou pensativa,mas vislumbrar os doces risos em seu rosto me foi toda
a malva de presunção que esperava-Entendo querida,eu entendo-Ofeguei levantando-me-Estarei no salão de recepção,querida preciso encontrar respostas que estão me
enchendo a alma de dúvidas-Sai.Com isso pensei.

"Será que depois daquela provação Fera poderá dar-me respostas?".Ah,de imediato ao caminhar pelos corredores e direcionar-me ás escadas,ouvi sua resposta."Posso
tentar querida,podemos tentar".Arqueei minha sobrancelha,isso deixou-me anciosa.No salão percebi que estava sozinha,Natanael sem dúvida que havia saído,havia tro-
vado rapidamente as flores dos jarros alheios.

Ofeguei olhando minha adaga cintilando,as luminárias acesas me causaram conforto.Foi como decreto desferir a lámina na minha carne.Deixei o sangue viscosso cair
sobre ás limpidas águas do recipiente.A cálida luz veio,a luz da alma,a luz que todo ser pode usar no coração brotou de mim.Ofeguei fechando meus olhos,deixei as
mãos se curvarem as céus.

A força brotava,ao sentir a chegada do momento,senti o ar pesar.Sentei-me no assento pensativa,esperava resposta,densas respostas,gemi sentindo lapsos de dores.
Vi algo anormal acontecer-Fumaça? Meu sangue se transformando e vapor?-Levantei as presas,vi as águas vermelhas borbulharem,andei para trás,do nada senti coi-
sas incertas!

-Ah,céus!-Disse berrando,o berro ecoou pelo salão ao erguer as mãos a cabeça apertando firme os fios.Ofeguei,senti-me tonta,coisas,imagens de um patámas terrível
em termos evolutivo vieram."Terrível,loucura,não posso,e muita escuridão para minha luz!".Disse Fera,ofeguei desabando sentada ao chão do salão.Sentia dor,sentia
que ainda jazia ligada a coisa.

-Nunca pensei que aquele espectro pertencesse a um patámar evolutivo esperitual tão decandete-Palavras brotando de mim,precisava me recompor.Mas infelizmente
a resposta ainda não tinha vindo,não sabia quem era o maldito,não sabia-Obrigada Fera-Bramia repetidamente,até ela jazia cansada,tremendo de medo.A vi recuar
para as sombras da escuridão em que ela vive em meu coração.

"Preci...Preciso descansar querida".A via,meu coração tomado por sua presença era presunsoso.E dessa forma drástica fiquei sentada no piso do salão.Será que mesmo
assim encontraria minha resposta? Não sabia,não sabia.Céus,nunca em minha vida pensei passar por um momento como esses,mas era real,havia sido real.E só com o
meu respirar a continuidade e controle foi possível.Loucura espectral em todos os sentidos.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Seg 8 Nov - 12:11:29

Depois disso,na noite seguinte,já recuperada de meu controle mental,decido caminhar pelas montanhas próximas.Lucy mais do que nunca deseja está
com seu filho.Ficou cuidando de Ellenos Cyrus apesar deu á ter convidado a vir comigo.A terrível presença do maldito espectro visto após o parto de
Lucy e no Hotel,na Cidade de Athena,não era mais sentida.

Devaguei em minhas nuances de pensamentos conforme havia sonhado em meu sono no retiro.Havia chegado a conclução,de que,sim,se tratava do
mesmo ser:Á sombra vista por mim do outro lado da margem após o parto de Lucy,o ataque no Hotel.A mesma coisa! Admito que havia acordado to-
mada de susto,susto por curiosidade para saber do que se tratava.

Graças que havia chegado a beira do penhasco da linda montanha,sinceramente não esperava que me deparesse com a linda paisagem que pairava pe-
rante minha pessoa-Nossa-Disse,foi como se tudo isso se tornasse alheiamente encantando.Ás luzes da Cidade bruxeleavam diante de mim,sinceramen-
te respirei fundo ao sentar-me a beira do penhados.

O frescor que meu vestido de algodão atenuado a minhas curvas provocada,me foi maravilhoso,a cor amarelo-claro causavá-me pensamento,a sandália
negra se destacando conforme curvei meus pés a frente.As amarras das fitas negras no meu tornoze-lo ajustadas como malva de perfeito acabamento.O
que pensar?Será que alguém conseguia lê isso em meu coração?

Não sabia,nunca compreendi,mas sinceramente sentia-me atacada esperitualmente.Tinha valido a pena fazer a saudosa caminhada,está sozinha bem
que fosse por alguns instantes,o vento fez meus cabelos serem jogados para trás,graças que a vantagem dos fios crescerem rápido ao cortá-los me são
a mudança de um camaleão,como deve saber,Sara.

Tendo meus olhos fechados eu pensava,o vento reverbava como musica em meus ouvidos.Sinceramente o retumbar em meu coração me foi maravi-
lhoso,acetinado como presunção de conhecimento e entendimento da minha nova vida.Nada com que me preocupar,foi o que pensei ao decorrer de meu
relaxar,apreciar de visão voltando a abrir os olhos.

Veio os lápsos,pavor,pressentimento alheio,e com isso a renovação de mente.Eu vi,vi o futuro longe-Fera me ajuda! O que é isso?-Sinceramente minha
pessoa deixou-se pensar."Não tema,ainda tens seus dons,o sangue ávido,só lhes atenuou seus dons".Ofeguei,movi a mão ao peito a pousando sobre al-
tura de meu coração.Sinceramente minha pesosa sentiu-se ofegante.

Vi um jovem menino,não muito alto,magro,corpo jovial de um adolescente.Ele tinha cabelos negros andulados longos,iam até o meio de suas costas,mas
os ferozes olhos! O reconheci,ouvi seus passos,usava bota negra pesada e calça justa."Esse,esse é o Ellenos Cyrus!?".Brami pensando,ofeguei,tremi,meu
coração batia forte devido as revelações.

Ele andava,seguia solitário,um jovem adolescente entanto,poderoso por si,poder,porte de um furuto Rei.Admito que a emoção causou todo esse descontro-
le,porém,conforme as visões iam passando,deparei-me de volta a meu ser.Gradualmente me deparei solitária.Decidi defitivamente continuar devagado pe-
las montanhas,e não estranhei o fato de Redenção não me importunar.

Sinceramente sentiá-me grata pelo que ele fizera.Mas bem,não continuaria com a mesma opinião ao chegar em nosso lar.De volta após pensar,esvair-me a
mercé do meu próprio-ser,entrei pelo portão.Silencioso estava o palácio,velas acesas no salão de recepção.Subi pelas escadas,e o surreal aconteceu.Isso ao
parar de frente a porta do nosso quarto.

Algo me tomou.Toquei a porta,e as imagens me vieram nitidas,limpidas como recado do que estava acontecendo: Lucy jazia no quarto,encostada coontra a
parede,me foi maldito apreciá-la nos braços de Redenção como estava acontecendo.Transava com ele,não tinha sentimentos,mas o saciar de algo para ela,o
tempo lhe fizerá necessário.

Ela deslizava as mãos por trás de Redenção,gemia conforme mantinha o rosto pousado sobre o ombro dele,o beijou de modo cálido."Obrigada querido,preci-
sava de algo,não suportária ficar sem fazer uso de minha feminilidade".Ouvi seu ofegar,pelo visto Redenção a amava com vontade,não usava de falsidade.
Apesar de ser um ser espectral,ele sentia prazer,tanto prazer com ela.

O trevoroso se tornou real.Aos poucos Lucy o fez direcionar-se a cama,deixando-se ofegar,moveu os braços em sua direção."Sei que pode dar mais,preciso de
mais".Implorava.Trevoroso em todos os aspectos vê-los se amar do modo como apreciava.Tendo as pernas de Lucy curvadas na altura de sua cintura,Reden-
ção se curvava sobre ela,a beijava.

Lhe afagava os cabelos,ela cuidava muito bem dele conforme se esvaia,aos poucos vislumbrei seu rosto mover-se para trás,ela gemeu com vontade,e com is-
so deixou os gritos ecoarem.Gritos femininos,delicados como neblita.O que pensar perante essa situação? Não sabia.Redenção sempre forá conteplado como a
perfeição em pessoa,isso e fato!

Só não sabia que até o momento,apesar deu ter tido minhas experiências com ele,que ele podia amar,amar de verdade,cuidar de qualquer ser sem que causas-
se qualquer mágoa nele.Ofeguei encostando-me na parede,movi os braços e mãos para trás,olhei a frente.Tive raiva,amor,mas raiva,acho que cíumes.Não sei
o que senti,mas senti ciúmes me contaminarem,o que me levou a cometer um dos piores erros para com Redenção na próxima noite.

Sozinhos discutimos.Lucy decidiu sair para caçar com Natanael.O chamei solitária ao está sentada sobre a escadaria do salão,o vi sair das sombras,ele que ainda
continuava sentido-se supreendido por sempre o chamar-Algo para comigo? Alguma missão Lilith?-Ofeguei olhando para o teto,pensava.Minhas mãos pousadas
sobre as pernas se moveram a frente.

-Não entendi os motivos de ter feito o que fez ontém Redenção.Falo de Lucy-Ele arqueou a sobrancelha,ofegou com sutileza,andou a frente delicadamente,tinha
suas asas fechadas-Á amei quando pediu-me,implorou,foi simplesmente isso-Será mesmo que ele dizia a verdade? Não sabia,apenas suspeitava.Nem sempre a
gente sente-se preparado,principalmente a respeito de coisas dessa natureza.

-Quero que fique longe dela.Evite tocá-la,há coisas que tu não entende.Não só pode acabar magoando Lucy,mas a mim-Isso o deixou pensativo,irritado,mas pen-
sativo-Ai e que está! Lilith,ela me pediu,a amei pelo pedido! Não entende! A natureza feminina de Lucy e aflorada,delicada! Há coisas que nem você ou eu pode-
mos suprir-Havia entendido.

Foi quando joguei um dos jarros em dua direção-O que é isso!?-Bramiu irritado-Não a toque! Esqueça-a! Se for isso,que ela aprenda a lhe dar com isso.Some!-A
sua tristeza foi terrível,vi o brilho triste em seus olhos verdes,sumindo disse."Lamento,não era minha pretenção,só queria cuidar de Lucy,não vê-la triste pelo que
ela sentia,foi a melhor forma que encontrei para fazer sua felizidade voltar.Redenção só queria fazê-la feliz".Desabei nervosa.

Me deparei enloquecida a respeito da malva de tudo que possamos ser-Mentiroso-Concluii olhando para o nada.Lucy voltou com o tempo,a vi entrar no quarto.A
caçada lhe tinha feito bem,e me foi percetível ao vê-la sentar a beira da cama que algo lhe fazia falta,a olhava silenciosa,pensava com profundidade no que ela
disse ao perceber-Ah,céus! Não fez isso,fez!? Coitado do Redenção,ele não tem culpa-Ofeguei mantendo-me em silêncio.

-Só não suporto que alguém a toque,só isso.Não suporto-A respondi me direcionando a porta-Lilith!-Bramiu ela tentando explicar.Foi o fim,entrei em processo de
cura depois disso.Havia delirado,mas feito uso de meus conceitos.Foram seis noites para meu coração falar.Lucy estando no quarto amamentando Ellenos,tive a
audácia de espionar.

Desejei vislumbrar os bebedores de sangue.A chuva continuava caíndo torrencial do lado de fora,terríveis trovões ecoando.Até Natanael jazia solitário no salão
do andar de cima.As chamas da lareira queimavam,jazia sentada a sua frente sobre o limpido piso,delicadas velas acesas,adorável,pensei."Venha-me a verda-
de".Pedi,a luz foi feita,lá estava jazendo sobre as chamas as imagens.

Perfeito quarto queimante de movimentos espectrais:Era noite,pelo visto a luz espiritual levou-me em direção a um cemitério.Auvergne.Não entendi-Aziel falou-me
da vivência de sua família nesse lugar-Brami.Vi minha filha sobre um túmulo,ela olhava para aquele ser.O ser alto,loiro de cabelos lisos,olhos verdes,ele que a fita-
va com delicadeza.

"Doce Samantha? Me impulsionas-tes a vir aqui".Ele tinha as mãos no bolso de sua calça negra,a regata imaculamente branca em destaque,ofegou.Vi como minha
filha lhe esticava os braços."Aziel nunca imaginei que fois-tes tão perfeito.A raiz,a contrução,és minha mãe".O mesmo.Era Lunnes."Ah,céus,e ele,realmente e ele,o
filho de Lunnes,meu suposto neto distante".Será que eu havia pensado com perfeição?

Sons,alguém entrou no cemitério."Lunnes precisamos ir,Xambré e Alexien desejam vê Samantha,querem ter a certeza".Lunnes virou-se,olhou o pai de Aziel o fitan-
do.Ele que trajava calça justa,bota curta negra,camisa de seda em tom cinza."Mas e ela,e a mamãe,eu não acredito,eu sei! E a mamãe".Ele virou-se pegando ela,a
segurou com delicadeza.

"Precisamos ir mãe,e apenas uma certeza".O pai de Aziel aproximou-se,a olhou,ela o olhava friamente,era como se o conhecesse,virou o rostinho contra o ombro de
Lunnes."Ah,céus,eu te amo mãe".Doloroso,mas,ele sabia,sabia! Lá eles iam,sumiam em meio a escuridão do cemitério.Foi quando senti a densa presença,Redenção
tocou-me nos ombros.

Falei em alto tom-Deseja perdão?-Ele ofegou,o vi sentar-se a minha frente-Ah,meu querido! Perdoe-me por tudo,fui cruel-Ele silenciou-se,beijou minha mão.o olhava.
Sorri,lhe toquei a cabeça acariciando os cabelos-Tudo bem! Desculpe!-Nada ele falou,só continuou beijando minha mão,e senti-me bem,bem em saber e aceitar meu
erro.A quietude estava presente,reinava por todo palácio.O que esperar!? Malva de visões e futuro!
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Ter 9 Nov - 11:40:19

Eu não esperava ao decorrer do tempo vislumbrar o que mais me deixou feliz até o momento.Foi como se minha pessoa entendesse do pressentimento.Nesse
trocar de informações com Redenção,descobri que ele era imutável,sem dúvida atingirá sua evolução máxima.Sinceramente minha pessoa passou a considerar
isso a malva da troca e respeito.

A multua convivência ao decorrer dos anos com ele,nos levou a esse momento,ao que eu fizerá.Mas bem,na noite seguinte,tive que me ausêntar,ainda a pro-
cura do espectro,eu fui ao local que Ellenos nasceu,sinplesmente minha pessoa não entendia todo um modo de sobreposição,pensamento a respeito do que isso
significava.

Sinceramente saber que tudo isso um dia podia chegar ao fim,deixou-me pensativa,triste em alguns aspectos.Andava a margem do imenso Lago,o luar pairava
por todo lugar.Sinceramente minha pessoa havia colocado os pensamentos em ordem,mas não chegado a plenitude de minhas concluções futuras.Para mim,isso
tudo nada significava,soube nesse instante que meus laços humanos haviam acabado.

Será que isso me fazia mais ou menos má do que algum reles humano? Não sabia e nunca saberei,Sara.Segui pela margem apreciando todo lugar,imutável des-
de o nascimento de Ellenos Cyrus.Minha saia rosa moveu-se com o vento,o tecido de linho delicado,a blusa no mesmo tom justa me dava conforto,tudo isso pa-
ra minha pessoa se tratava de todo um caminhar esperitual.

Acredite! Nunca me senti tão desgrudada da materialidade como nesse momento.Será que o espectro me vigiava? Não sabia,mas foi claro! Havia parado no exa-
to lugar que o vi antes deu e Lucy partimos com Ellenos,já nascido,para o palácio.Do outro lado da margem olhava,visionava a paisagem-Não há dúvida,e isso
mesmo,não há dúvida-Brami baixinho pensativa.

Foi nesse momento que ouvi gruidos,para depois passos.Me virei olhando para trás,assenti andando,passeando meus olhos pela malva da paisagem.Do nada vi o
filhote de gato sair,me abaixei começando a revirar a folhagem de flores.Se tratava de uma ninhada recém-nascida-Poucos dias,uma,uma semana e meia no máxi-
mo-Sorri,tão lindos!

Me esvai conforme os olhava,apreciava cada detalhe do andar deles.Alguns dormima grudadinhos um no outro,alguns apenas sentados relaxando os musculos.
Ofeguei,peguei o que havia saído,o coloquei entre os irmãos.Delicadamente eu vi um que me chamou atenção,não esperava que me apaixonasse por um como
ele.Ele era diferente dos demais.O único com pelagem avermelhada.Os olhos violetas me fitavam.Silencioso ele é,se tornava.

-Ah,querido,venha comigo-Brami o pegando.Tirei meu cachecou negro do pescoço,o enrolei protegendo-o do frio da noite.Quietinho ele estava,um machinho-Eu
cuidarei de você-Atenuei meu olhar.Sinceramente minha pessoa vislumbrou isso como se fosse encantandor.Não demorou e deixei-me pegar o caminho de volta
para meu lar.Será que Lucy estava?

Ah,céus,estava,sim.Senti sua presença ao chegar depois de uma caminhada maravilhosa! O filhotinho jazia em meus braços,quando Natanel me viu,ele que havia
me esperado,assentiu vendo o filhote-Quer que eu dê algo para ele comer?-Sorri-Sim,querido,um poquinho de leite,depois caso puder,vá a uma loja no vilarejo e o
alimente novamente,só que aos pouquinhos-Ele riu devagante.

Entrando com ele no salão vi Lucy sentada na escadaria cuidando de Ellenos.Céus! Aquele filhote não parava,não lhe dava folga,me foi maravilhoso vê-la ama-
mentá-lo.Ao pensar,ela se recompos.Acariciou os cabelos de Ellenos com delicadeza,e levantou-se com ele nos braços-Dê-me ele querida,acho que Ellenos preci-
sa de um banho-Ela sabia que,sim.

Aprovou para terminar de abotoar a frente de sua linda túnica de seda de cor violeta.Ao subirmos,Natanael nos seguiu,ela viu o filhote nos braços dele-Nossa,eu
fico feliz-Ela o pegou delicadamente,quando no quarto o colocou sobre a cama em cima do lindo cachecou-Nossa Lilith,isso e impactante-Eu ri-O encontrei em mi-
nha ausência-Ela pensou.

Olhou para Natanael e disse-Querido que nome daremos?-Ele ofegou,eu segurava Ellenos,acariciava seus cabelos macios,delicados,em poquissímo tempo lhe dariá-
mos banho-Hum...Agnus,o que acha?-Isso fez Lucy rir por alguns momentos,de certo modo ela havia se agradado.Com o tempo Natanael saiu.Eu a olhei,e com o
tempo entramos no banheiro

Eu despi Ellenos enquanto ela abriu a torneira da imensa banheira de mármore-Querido terá que sentir-se limpido,maravilhado-Brami,ele riu,vi o risinho maroto de
Ellenos Cyrus.Ele moveu suas pernas devido a exaltação.Com isso Lucy o pegou estando sentada sobre a borda da banheira.Eu mesma a olhava,vi quando Agnus
entrou sorrateiro.

O filhote que aprendia,caçava seu novo lar-Nossa,sente-se em casa,dá uma coisa dessas?-O peguei,o miado foi imediato.Ele passeava seus olhinhos violetas por
Lucy,ela riu-Oh,olhe só-Ela voltou a atenção ao Ellenos,o banhava,desferia água sobre suas costas,pernas,bracos,depois o rostinho.Isso ele odiava-Ah,querido,não
se rebele agora,não e o momento-Meigo vislumbrar o modo como ela o segurava com apenas uma mão por baixo dele e continuava todo processo.

O geito como ele movia suas mãozinhas a frente devido a irritação-Ellenos!?-Disse ela,Agnus olhava de meus braços,e nesse momento veio o choro,o choro que a
deixou pertubadA.Envolta nessas sensações Lucy se apressou em terminar,desferiu um pouquinho de greme neutro sobre os cabeços de Ellenos,os mageou com a
máxima delicadeza,depois o fil ao mergulhar o menino rebelde nas águas.

-Prontinho querido-Ele sentia-se ameçado por sua mãe,mas fazer o que!? Era necessário,que se dana-se,mas era necessário.O segurando depois de enrolá-lo na toa-
lha,destampou o ralo delicado da banheira.Saímos desligando ás luzes.Com isso fomos em direção aos aposentos de Ellenos.Nossa,ele chorava,odiava isso,odiava a
ter sua pacata alma de filhote bestial aflorando.

Vi Natanael aparecer na entrada da escadaria no corredor,com isso tive que rir ao vislumbrar o recipiente metálico com leite fresco e mel para Agnus.Finalmente eu
e Lucy ficamos a sós depois de Natanael deixar o recipiente ao lado da cama de Ellenos,sobre o chão.Me movi deixando o Agnus comendo.Nossa,ele estava com mui-
ta fome,mas iria saciar-se,ele bebia devagar,tomava com vontade.

Enquanto isso Lucy penteava com uma macia escova os cabelos de Ellenos,terminando de secá-lo o deixou somente sobre a manta dele,a manta negra,talhada com
desenhos em fios de prata-Nossa,que malva-Disse erguendo-me novamente,aos poucos Ellenos dormiria,se sentia fresco por a mãe ter preferido deixá-los em roupas.
-Vamos querida,depois escolho algo para ele-Ofeguei-E sobre Agnus?-Ela riu-Sei que será uma compainha entanto-Ofeguei.

Apagamos ás luzes,o vento veio pela linda varanda,as orvores oscilaram.Lucy tinha a toalha em um dos braços.Passaríamos o resto da noite lá,com isso trocaríamos
crueis infomações.O prazer maior,depois da vinda de Agnus,foi na noite seguinte.Eu havia chegado da caçada,havia me alimentado com vontade nas redondezas do
vilarejo.Com isso ao subir a escadária que vai até o salão.

Ouvi algo.Alguém tocava,era Lucy tocando no piano do salão.A musica de Mozart ecoava por todo lugar,vi Agnus sentado,ouvia atentamente a musica,a pelagem
avermelhada se destacava sobre ás luzes do lustre.Impactante.Lucy vestia um longo vestido de algodão,a cor negra provocante,principalmente as mangas longas do
vestido em malha finissíma em renda.

-Nossa,ainda e impactante,fazia tempos que não lembrava de como e vê-la tocar.E ela continuou,eu sentei-me no lindo cofá do salão enfrente ao piano.Silêncio en-
quanto ele tocava,sinceramente minha pessoa deixou-se envolver.Deitei-me de lado ajeitando a borda do meu vestido de lã fina.A cor azul-escuro me transmitia as
lembranças do céu azul que me eram escaças nesse momento.

Lucy disse antes deu fechar os olhos-Fique quieta querida,e só o que quero fazer no momento-E foi como ela desejou.Nossa! E como eu sentia-me tomada.E foi nes-
se envolver de musica clássica tocada ao piano,por ela,que devaguei.Ainda delirante senti Agnus juntar-se a mim,o filhote peludo,macio por si.Ele deitou-se ao meu
lado,deixou seu rostinho pousar sobre suas patinhas curvadas a frente.

Sonolento ele estava.Sonhos,plenitude,o que mais querer?Sinceramente minha pessoa jazia em delírio.Vi que Lucy escolherá uma linda correntinha de prata para colo-
car a placa com seu nome.Um lindo camafeu com borda em prata e lápide finíssima espelhada de rubi.E lá estava o nome dele gravado em prata.Ela tinha feito,nada
que me espantasse.

A musica ecoava! Lucy se mantinha atenta,ela queria práticar,olhava para lousa de notas sobre o Piano.Agora,tu sabe,Sara! E desse modo que a predestinação torna-
se possível.Ao fim de tudo,logo no início da madrugada,ela e que quis sair para caçar.Fui para os nossos aposentos sozinha.Deixei Agnus se esvair sobre minha cama.
A noite fresca maravilhosa.

Me deitei ao seu lado,o olhava-Pequeno Agnus,será que sente soudades de sua mãe? Ela não estava lá,acho que havia saído-Que loucura,pensei rindo docemente.Ele
me fitava sentadinho,a linda plaquinha que mais é uma joia,cintilava.Ele movia a calda delicadamente,havia comigo,desejado esvair-se antes deu chegar.Sonolenta eu
fiquei,mantive-me deitada.Só que de bruços.

Meu rosto pousado sobre o travesseiro,Agnus dormindo.Relaxamento maior jamais aconteceu até essa plenitude.E foi quando senti,senti em meio ao meu cochilo,o que
chamo de soninho passageiro,o toque.Devaguei movendo a mão de lado-Para Agnus-Pensei que era ele,mas a voz foi irreconhecível."Nossa,convive comigo e não me
reconhece,Tia Lilith?".Ofeguei,movi o rosto ainda cheia de sono.

Só depois e que vi a malva do ser sentado ao meu lado.Não sei como,mas me assustei,me deparei sentando encostada no espelho,ofegando de medo-Quem,quem e
você!?Seu louco! Como entrou no meu palácio!?-Disse-lhe espantada.Era moreno,tinha cabelos negros e andulados,mas os olhos! Ah,céus! Meu coração batia forte,vi o
Agnus vir para meu colo.

-Lilith manda ela parar,odeio entende? Ah,ela e louca! Que mãe fui arranjar-Bramiu ele.Um jovem despido,pelo visto havia vindo para dizer-me algo-Mas,mas quem e
sua mãe!?-Meus olhos arqueados a frente-Hum...Ah,céus! Ainda posso ser um bebê,odeio está naquele corpo,mas e a léi natural da evolução,mas por favor! Manda ela
parar,falo do banho,odeio banho-Pavor-Vai embora insolente-Vi o arquear de sua sobrancelha.

-Hum...Convivemos juntos,e não me reconhece! Sobre aquele pai insolente que tive,mande-o ao inferno,ele está próximo,muito próximo,ele me vigia,me odeia,odeia de
verdade-Eu,eu não entendia-Estou com raiva,imensa raiva-Bramiu,de pé devagou-Ellenos sente-se acuado,triste,apavorado.Não tenho humanidade,simplesmente isso-E
com isso sumiu,devagou andando sumindo aos poucos.

-Ah!?-Me deparei bramindo.Pavor.Era Ellenos!? Indo ao seu quarto,o vi,ele dormia ainda.Sentei-me na poltrona pensativa.O olhava,foi quando o vento veio,vi como ele
moveu sua mãozinha.O rostinho pendeu de lado-Ah,pequeno-Disse.Apavorante pensar que mesmo enclasurado desse modo,ele podia fazer algo daquela natureza.Preten-
ção e justiça.Pensava unicamente nisso em meu apreciar sobre ele.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Ter 9 Nov - 12:42:46

E foi como malva de presunção.Eu e Lucy acabavamos de entrar pelos portões após virmos da loja.Fomos comprar ração para o pequenino Agnus.Sinceramente
o filhote foi insano,o vi aparecer na linda varanda do palácio,correu pela escadaria vindo em minha direção.O peguei ainda segurando a bolsa-Nossa,sente-se como
rei,quer dizer,e um pequenino-Ofeguei com vontade.

O segurando seguímos.Mas temi entrar-O que foi?-Disse Lucy-Alguém,alguém no palácio,e não é humano-Isso apavorou Lucy.Entramos.Deixei Agnus no chão.Eu
sentia a presença pairando poderosa por todo palácio-Natanael!-Gritei,o vi aparecer na escadaria-Senhora Lilith! Não tive culpa,não tive-Mas culpa do que? Subi ao
lado de Lucy.

Ofeguei por alguns instatantes,foi como alado presságio,mas aterrador.Entrei ao lado de Lucy no quarto de Ellenos Cyrus.Sinceramente minha pessoa estava longe
de compreender os motivos dele ter vindo,dele ter sido ousado o bastante para fazê-lo.O vi por trás,estava sentado na poltrona,passeava seus olhos pelo menino.O
maldito havia chorado antes de chegarmos.

Seus cabelos loiros e lisos,amarrados para trás,o vi com perfeição ao ficar de pé a sua frente.Usava calça justa de cor cinza,a camiseta negra sutilmente folgada.Eu
demorei a captar os motivos.Ele cruzou as pernas,o pá de bota pesada devido ao frio da Irlanda,encanto.Mas sabia que aquele maldito,era cruel por si,de pudesse te
rmatado Ellenos,o teria feito.

Olhei para Lucy,ela que quis ficar,mas devaguei a falhar-lhe-Sai! E irmão de Aziel,preciso falar com ele-Ela quis ficar-Irmão? Mas,mas...-Saiu fechando a porta,vi o
seu vestido de tom prata mover-se com seu andar.Andei a frente dele,e como havia ficado furiosa-O que o fez vir aqui Hyarian? Mesmo depois de tudo,repensa em
mover-se contra mim?-Ele ofegou cheio de tristeza.

-Não,sabe que não Lilith-O que seria então? Pensei,peguei Ellenos,ele aconchegou-se á mim-Eu só lamento,só vim confirmar por mim mesmo,sabe do significado de
minhas palavras-Ofeguei,mantive-me atenta-Aziel odiaria isso,lamento que o unico filho homem dele,tenha se enfronhado nessa questão-Assenti andando a frente.A
minha pessoa repensou com profundidade.

-Não importa! Ellenos Cyrus está sendo muito bem cuidado,será pleno,será Rei-Ele ofegou levando-se,pegou o menino de meus braços-Ah,nem sempre-Disse.Ellenos
o olhava com raiva,odiava o aperto das mãos de Hyarian sobre o corpo dele-Para! Deixa ele-Pedi.Hyarian olhou-se delicadamente,choroso,mas pode fazê-lo-Vitória
Regia está melhor,aos poucos ela se tranquiliza,sua irmã transmite paz-Ofeguei.

Vi como Ellenos me encarava,como se implorasse para tirá-lo dos braços de Hyarian-Sabe que a mãe de Aziel,está ciente da existência deste bebê,mas não o meu pai,
todos os outros,além deu e dela-Ofeguei andando a frente-O que quer dizer com isso?-Ele ofegou,desferiu beijos no rosto de Ellenos-Que niguém além deu,que vim,es-
tá a pá do que fez com ele.Me doi! Nasceu como eu,sem humanidade-Não compreendi.

-Lilith,nasci assim,sofri coisas,está ciente de tudo-Ah,sim,e como.Sai pela porta.No salão ele disse-Lucy! Desculpe! Não era própicio,mas eu vim-Ela ofegou,deixou-se
pegar Ellenos para depois se recolher sentada na escadaria do salão-Não sei,és irmão de Aziel-Ele riu,mesmo assim,esperava que ele compreendesse-Lucy preciso ir.
Vim unicamente para olhar para ele,para tentar entender.Se desejar,eu falo,deixo todos a pá da existência dele-Ela ofegou risinhosa.

-Não Hyarian,saberei cuidar de Ellenos com perfeição-Hyarian parado no vão da porta bramiu-Hum...Papai poderia tentar matá-lo,mas eu não deixaria-Olhei para ele.
Antes dele ir quis saber-Minha filha! Cedo ou tarde,eu vou me deparar com ela Hyarian! Não pense que na primeira change que aparecer,deixarei passar-Ele ofegou.O
seu olhar foi cético.

-Lamento.Não garanto que os outros vão deixar-Ofeguei,quis seguí-lo,mas ao vê-lo bater a porta,Lucy levantou-se sobre a escadaria-Para,deixa! Deixa ele,que seja.A
melhor tática e a paciência.Deixe-os,deixe-os e vai saber o momento exato,Lilith-Ofeguei vontando atenção a ela-Ah,céus,que loucura-Era,sim.Mas depois de tempo,a
minha pessoa estava decidida a visitar Isabel.

A perfeição foi feita,tornada real.Me deparei indo ao seu encontro.Lucy no palácio era a plena segurança para Ellenos e Agnus.Chovia na nova noite em que havia a-
proveitado para chegar,seguir viagem-Isabel?-Brami ao vê-la abrir a porta-Lilith!-Disse chorosa,me deparei com ela me abraçando,minhas roupas encharcadas! Isso para
mim foi a malva do prazer.

Com sutileza eu entrei,me deparei na sala.Com o tempo ela trouxe roupas novas para mim.Me troquei rapidamente,joguei as molhadas no fogo da lareira para quei-
mar-O que faz aqui? Não esperava sua visita-Ah,precisava vê-la.Hyarian esteve em meu esconderijo por essas noites,não sei,estou aflita-Ela ofegou,sentei-me na
poltrona a apreciando,as chamas da lareira me aqueciam.A túnica de linho verde,me era confortável.

-Não Lilith,só me deparo com uma pessoa tomada de angustia-Era verdade,eu ri secamente,deslizei as mãos pelos meus cabelos ainda molhados-Entendo,Ellenos e a
minha,nossa maior conquista,Isabel.Sabe que Lucy está comigo-Ela riu,o algo que a deixou risinhosa-Entendo querida,não soube de nem uma notícia de Vitória Regia,
nada a respeito da família de Aziel-Ofeguei-Mas eu sei-Disse.

-Posso imaginar-E me senti tomada,tomada conforme conversava com a ela a respeito de tudo.A tranquilidade pairava em sua casa.Sinceramente muitas coisas ela fa-
zia ao decorrer dos últimos dias,deixou claro que da casa ela cuidava.Foi como presunção de cuidados-Tenho esperanças que ela possa morar lá-Ofeguei-Samantha,eles
pensam que deixarei barato,não vou-Respondi.

A continuidade foi plena.A conversa trans correu a mercé de todo um modo pacato.No fim de tudo a pressionei várias vezes,a pressionei para saber se sua pessoa
teria a audácia de vir comigo,partilhar do que eu e Lucy partilhavamos-Não,e loucura...-Interrompeu as palavras,sinceramente isso deixou-me pensativa.Com o tem-
po chegou a necessidade deu me retirar.

Haviamos conversado tanto que nem vimos a madrugada chegar em sua metade.Combinei com ela antes de nos despedirmos de nos encontrar no cemitério da Ci-
dade,nos faláriamos lá.Bem,ao despertar no início da nova noite fui direto para lá.A vi me esperando no portão.Levantou-se e não comentou quando usei de meus
dons para abrir a fechadura.

Fechando o portão disse-lhe-Pensou em minha proposta?-Ela havia escolhido um de seus longos vestidos de algodão atenuados a suas curvas,a cor cinza me deixou
pensativa,seus cabelos avermelhados escovados-Não sei-Nem quis pensar,seria algo dela,mas bem! Continuei explicando,deixando claro todos os detalhes,disse até o
que tinha acontecido com Lucy.

Ela riu por alguns momentos-Ellenos Cyrus,como ele é?-Eu ri-Ingênuo,não como seu pai,o Aziel,mas ingênuo.Um lindo menino com cabelos negros andulados,olhos
verdes,pele alva como neve-Ela ofegou,haviamos parado enfrente a um dos túmulos-Ah,céus.Olhos verdes,são,são como os do pai-Ofeguei-Ai e que está a irônia
querida Isabel,ele odeia o pai-O vento reverbou em seus cabelos,ela pensou-Como,como sabe?-Ficou curiosa.

-Uma noite dessas,por incrível que pareça uma alma errante me acordou de meu profundo sono passageiro,dizia ser Ellenos,jovem,não muito alto,mas era ele,dizia
ser ele,e dize-me que Aziel o pertuba-Isso espantou Isabel.Continuamos conversando ao andarmos entre os túmulos,a noite da malva,o cheiro das flores maravilho-
so-Que,que loucura-Disse.

E pensei ouvir passos,virei para trás,pensei ter visto uma sombra,olhos me espionando entre as sombras-Lilith?-Ofeguei tremendo de medo-E isso que temo,desde a
minha transformação,que eu recebi o dom bestial,ando sendo seguida por uma alma de baixo patámar evolutivo-Isabel respondeu-Loucura,esqueça isso-Voltei minha
atenção para ela,mas os olhos,pensei vê-los detrás das sombras conforme andava ao lado de Isabel.

Voltei a insistir com ela-Não Lilith,não posso saber de meu futuro,mas saiba que caso eu queira,lhe chamarei,irei a seu encontro-Esse foi nosso momento.A visitará
e juro Sara! Sempre que possível a verei,irei a seu encontro para poder implorar,tentar persuádila a receber o dom bestial.Voltaria para casa,mas enquanto não sen-
tisse paz em conversar com ela,não partiria,uma visita notável.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Qua 10 Nov - 11:02:29

Sinceramente havia saído da Cidade tomada de pressentimento e medo,resalva em não obter nem uma resposta de Isabel,como jaz até os dias atuais.
Sinceramente precisaria pensar,pôr meus pensamentos em ordem.Me deparei com um modo solitário de viver ao decorrer das noites seguintes,sinceramen-
te minha pessoa estava longe de compreender a exaltação primária de tudo,toda uma forma de presunção.

Mas será que mesmo assim,tudo isso seria possível? Não sabia,só sei que continuava seguindo meu caminho,minha viagem em meio as noites sempre ao
meu despertar,e compreendi que me adaptará por completo a essa nova realidade de andar,conhecer o mundo.Nunca me senti melhor,como nesse momen-
to,ao decorrer de tudo,minha pessoa esteve repleta de tentações,e cedi a todas elas em caça,matança de cede.

Finalmente depois dessas andanças particulares em minha volta,cheguei.Vi de longe ás luzes ligadas,foi como se minha pessoa pressentisse um modo alheio
de entender,sentir-se feliz.Soube ao entrar pelo portão,ao falar com Natanael,que Lucy havia saído,chegaria ao decorrer da madrugada.O deixando em paz,a-
final admito que roubei muito de sua paciência querendo informações,fui para meus aposentos.

Quando entrei vislumbrei a cama forrada,tudo em seu lugar.Será que isso me deixaria feliz? Não sabia,mas lembro de pensar,de averiguar a situação.Fui ao
armário escolher alguma veste para mim,sinceramente minha pessoa envolvel-se em pensamento.Me trocando pensei com profundidade no que eu e Isabel
havíamos conversado.

Sinceramente minha pessoa precisava ir além do que pensava ir.Abotoando minha veste arqueei a sobrancelha encarando-me no espelho,sinceramente isso a
meu vê,se tratava de presságio.A túnica de linho em cor verde-claro me parecia ávidas folhas perfumadas.Sentei-me á mesa de escrever,apartir desse instan-
te minha pessoa deu-se a pensar na questão de Isabel.

-Admito,ela e humana demais para entender-Brami.Será que mesmo assim,ela entendia? Ah,isso fez-me rir,com o tempo continuei escrevendo em meu diário.
Minha pessoa deixou-se pensar por alguns instantes,mas nem sempre estava preparada.Vi Agnus aparecer,ele que pode subir até meu colo enquanto,eu escre-
via,depois sentou-se sobre a mesa.

Devaguei ao decorrer de um bom tempo,isso até ouvir barulhos.Tensos sons vieram do corredor,virei-me observadora-O que foi isso?-Brami.Sinceramente eu
me envolvi em toda maneira alheia de entender,pressentir.Levantei-me saíndo pelo corredor,vinha do quarto de Ellenos Cyrus,ouvia os miados de Agnus,ele
caminhava a frente como se observasse algo.

Ouvi um choro,terrível choro-Ellenos-Disse tomada de pressentimento.Com isso minha pessoa entrou no quarto,vi o vento rugir de encontro a meu rosto,vi o
espectro de pé ao lado dele,a terrível sensação de que algo acontecia."Não admito o que fizeram com você! E injusto! Ellenos!".Gritou o maldito-Sai!-Pedi,aos
gestos eu vi,vi quando estava prestes a usar de minha força,o que Ellenos fez.

Ele parou de chorar,com isso algo pairou sobre o quarto,havia sido um peso terrível! Senti o palácio tremer,tremer devido ao que acontecia-Céus alados!-Disse.
Os miados de Agnus foram terríveis,eu havia tombado ao chão devido ao peso da força-Ellenos!?-Disse bramindo de dor,ele se mantinha choroso deitado sobre
a cama,com isso vi,pude sentir novamente a intervenção espectral de Ellenos.

Foi como se o ar tivess envolvido o espectro,ele que me olhou esticando as mãos a frente."Me ajuda".Pediu,e acabando por sumir,se desmaterializar,senti o
silêncio pairar.Ele mantinha-se choroso,o peguei nos braços-Ellenos?-Disse o olhando,ele que olhava a frente,mantinha-se quieto,silenciado olhando para Agnus
que pulou sobre a cama-Ah,maldito-Brami.

Tinha sido ele,não restava dúvida.Sentei-me na linda poltrona do quarto,o segurava sentado sobre meu colo,ofeguei-Ah,aprendiz-Disse segurando sua mão.Eu
pude salientar a mancha atrás de sua nunca,isso ao deslizar as mãos pelos suaves fios negros(Finos como malva).Vi,só agora que vislumbrava os detalhes.Tive
a certeza."Se tivesse sido humano,se eu não tivesse feito o que fiz,um bruxo pleno,não como o pai,mas parecido".

Quietude.Com o tempo ouvi passos de Natanael-Rainha Lilith! O que foi aquilo!?-O olhei triste-Esperitos,seres malditos que me perseguem,perseguem ao meni-
no de Lucy-Ele o pegou,saiu com Ellenos em seus braços.Me deparei sozinha,fiquei devagando entre solidão e certezas-Um ser Bestial,mas céus,capaz de fazer
uso de seus dons humanos-Ofeguei.

Voltando ao quarto me deparei pensando em minha filha-Diferente de Samantha-Brami olhando para o teto ao está deitada sobre a cama.Lembrei da marca alhei-
a atrás da cintura de Samantha,exatamente sobre sua silhueta ainda tão bebê.Aziel disse que ainda muito pequeno,tiverá seu sexto-dedo estirpardo,com isso teve
com marca,somente os cabelos ruivos.

Ah,céus,que loucura.Me virei de lado puxando o travesseiro,envolta nessa loucura e dor no coração,apaguei,devaguei.Novamente aquele maldito tinha vindo.Eu
nunca quis tanto saber quem era um ser,como ele,sinceramente minha pessoa envolveu-se em delírios.O vento frio veio de encontro a meu rosto como caricia.Eu
soube que seria o bastante para jazer nesses sonhos e descanso até a volta de Lucy.

Ela voltou enquanto eu descansava.Me deparei com ela de pé encostada na parede.Ás luzes jaziam apagadas,me deparei silenciada.Velas acesas sobre a mesa a
qual eu escrevia.Ela as tinha acendido em sua chegada-Finalmente querida,acho que a morte nunca esteve tão perto de mim como em sua ausência-Isso me fez á
olhar de modo difente.

Sua camisola branca em tom pérola atenuava-se as suas curvas tão femininas,os ceios fartos volumosos.Sinceramente compreendi.Ela ficará triste,tomada de recei-
os de dor em minha ausência.Quando ela aproximou-se me deparei com a nuance de sua pele corada pela caça,os cabelos negros andulados soltos-Ah,céus,tenho pe-
na de quem matou,teve ter discontado sua frustração-Ofeguei movendo meu rosto de lado.

Tremi quando ela tocou meu rosto,ofeguei sentindo caláfrios,mãos quentes devido a caça-Soube do que aconteceu com Ellenos Cyrus,ele dorme,Natanael me con-
tou da confusão em sua casa,o modo como a força dele fez o palácio tremer-Ofeguei novamente,foi quando ela me beijou,me senti tomada,agraciada por sua precio-
sa presença.Silêncio.

Ofeguei mantendo meus olhos fechados,toquei-lhe nos ombros."Vou,eu vou morrer.Tira-me a vida,não sou merecedora Fera".E não era,mas senti a sua angustia
ao beijar meu rosto-Lamento,demorei,admito,estive vagando pelas Cidades e Vilarejos em minha volta-Me movi de encontro ao espelho da imensa cama.Ofeguei
trémula quando á vi curvar-se por cima de mim.

Ah! Fazia tempos,sim,que não a tia nessa preciosidade,deslizei as mãos por sua cintura,e nunca imaginei que poderia amá-la tanto,tanto,como ainda a amo.Ofeguei
com seus beijos delicados em meus ombros,o modo como ela começou a desabotoar minha túnica,a beijar meus ceios com delicadeza-Por favor,preciso ficar em paz.
Por favor-Ela riu devido as minhas palavras-Eu não tive paz enquanto não chegava,não a darei-Ofeguei gemendo de dor quando ela deixou seus dentes entrarem na
minha carne.

Por impulsão mantive a mão atrás de sua nunca,tive apoio com a outra pousada sobre os lençois macios.Ainda encostada no espelho da cama movi meu rosto pa-
ra trás,em rosos os sentidos rogava para algo me destruir,me fazer o nada.Foi insuportável.Insuportável tê-la ao longo da noite.Esse foi o termino e a consagração
de minha volta,de meu martírio de amor para com Lucy.

Martírio,que sei eu,jamais vai acabar.Me foi graça depois de tudo tê-la deitada por trás de mim,ela que beijava minhas costas,depois a nuca,deixava sua perna cur-
var-se sobre minha silhueta,o seu perfume era adorável,sempre foi,eu que jazia deitada de bruços olhando para a varanda-Amanhã a noite ao acordarmos vamos
encher o jardim de flores.O que acha?-Ouvi seu riso delicado,o modo como ela afastou alguns fios de meus cabelos para trás.

-Tudo bem,como desejar,sem falar que a algum tempo queria fazer isso-Eu ri,e foi desse modo conforme ela desferiu mais beijos sobre meus ombros e costas,que a
minha pisique se preparava.Na noite seguinte eu e ela pegamos várias sementes nos potes da sala nos fundos do palácio.Natanael nos ajudou.Escolhemos pontos es-
tratégicos para plantá-las-São túlipas e rosas vermelhas-Compreendi.

Aos poucos começamos o processo de plantar as sementes.A noite estava fresca,o jardim aos poucos era semeado,Lucy emanava anciedade para vislumbrar todos
os resultos.Usava saia branca,bota negra de salto baixo,a camiseta branca justa a seu corpo.Eu pensava."Cadê as rosas,os botões?".Foi quando Natanael os pegou.
Cada um semparado de acordo com o lugar.

Coloquei alguns a beira da murada do palácio,enquanto isso Lucy continuava.E céus! Parecia que foi presságio enquanto olhavámos na varanda o modo como a chu-
va veio.Parecia que nada melhor poderia acontecer,falo em relação a água,ao modo como a água serviria como alimento,faria com o tempo as sementes brotarem.
E depois disso eu e Natanael passamos algum tempo no salão.

Lucy subiu para fazer algo.Com o tempo fui ao encontro dela,mas vi que ela jazia deitada sobre a cama junto de Ellenos,dei-me a caminhar entre os corredores.Eu
procurava Agnus,foi ao descer um andar que vi o Agnus,ele jazia deitado sobre o piano.O peguei,e quando isso aconteceu,o vento veio cortante,apagando todas as
velas acesas,até ás luzes do lustre apagaram.

Me virei trémula."Ai! O que foi dessa vez!?".Senti algo me tocar no ombro,me virei olhando para ele-Ellenos!-Disse ofegante.Ele por ser mais baixo que eu olhava
de baixo para cima.O ser adolescente pleno,tinha os cabelos amarrados para trás,como ele fazia isso,não sei,mas vê-lo trajando uma bela túnica branca de linho e
detalhes prateados,me foi gratificante.Ele sentou-se no lindo sofá.

"Vejo que vão viajar,e verdade?".Que voz,aveludada,jovial,a voz de um menino pleno-Mas,mas diga-me! Como faz isso!?-Quis saber,olhando-me risonho ele me
explicou."Rainha Lilith,disse-lhe aque aquele e apenas meu corpo,por mais que seja frágil e pequenino,a alma,que sou o meu verdadeiro eu,está além,o corpo e ape-
nas uma casca".Ofeguei,andava com Agnus em meus braços a sua frente.

-Respondendo: Vamos,sim,eu e Lucy vamos a Paris-Ele deixou-se rir por alguns momentos,e vi que apesar da mágoa,ele era tão,tão,tão humano quando visto des-
se patámar! A face corada,o lindo rosado em suas bochechas me encatada,o rosado se destacando sobre a pele clarinha,alva como neve."Leve-me,não vou suportar
ficar sem mamãe,preciso ir querida Lilith".Sofri,estiquei uma das mãos a frente,com isso ás luzes voltaram a se acender."Lembre-se,o que fiz com aquele espectro foi
por vontade,tive que me defender".Ofeguei-Ellenos Cyrus-Me daparei bramindo.Com o tempo Lucy apareceu.

-O que faz ai querida?-Ofeguei a olhando-Nada meu amor,nada,só vim pegar Agnus,amanhã pretendo partir para Paris-Ela ofegou risonha.Saímos pelos corredores
e com isso a malva da noite continuava,se transformava! Pensei ter ouvido passos pelos corredores do Palácio,mas não.Novamente saber que Ellenos Cyrus podia
ser um filho da mãe tão insano,me fez rir,Lucy disse-Que loucura-Não á respondi,deixe-me silenciar.Que tudo acontecesse,era o que eu precisava.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Qua 10 Nov - 12:25:15

Nossa chegada em Paris foi como malva,não esperava que tudo isso viesse se tornar contaminante,mas aconteceu.Principalmente ao vislumbrarmos a Limosine
parar,e como tinha valido a pena vir,está em Paris nem que fosse para atenuar nossa continuidade.Lucy saiu abrindo a porta,tinha Ellenos em seus braços,ele o-
lhava com delicadeza ás pessoas passearem pela calçada.

Me parecia um homensinho vestido com a pequenina túnica negra que a mãe havia escolhido antes de virmos,os sapato de lã no mesmo tom me fez feliz.Para a
Lucy era questão de honra está na Cidade e poder trazer seu filho para conhecer o mundo.Quando no nosso apartamento que tinhamos reservado,ela deixou-se a
mercé de seus pensamentos,pensar,averiguar.

-O que faremos depois Lilith?-Eu ri-Vamos caçar,depois de tudo,preciso-Bramo,eu havia deixado meu longo casaco sobre o apoiador.Ela olhava para Ellenos,ele ao
meu ver,averiguava o olhar dela-Ah,maldito,tira-me as forças-Eu tive que rir,céus,o modo como Ellenos estava tão GRACINHA devido as vestes que sua mãe es-
colherá me tomava.

Com o tempo,já no quarto,eu e Lucy tomamos banho,lembro de organizarmos alguns impasses-Sim,nessa noite ele ficará aqui,sei que está tranquili dormindo,mas
eu preciso caçar,meu corpo necessita-Brami,a olhava encostava na base da imensa banheira,ela tinha uma taça sobre a borda,ofegou solvendo goles preciosos,vi o
tingir de seus lábios macios,aveludados.

-Não me deixaria,sozinha,correto?-Brami,me movi curvando-se a frente-Lucy não diga que vai ficar aqui cuidando de Ellenos-Ela ficou sem graça,a água ia até a al-
tura de seus ceios-Eu,eu não sei-Bramiu em resposta,olhou-me chorosa-Tenho medo Lilith,medo de que ele se machuque estando sozinho aqui-Ofeguei me afastando.
com sutileza,olhei de lado,foi como se ela adivinha-se o que se passava em meus pensamentos.

-Eu,eu sei que não sente amor de mãe,afinal,teve sua filha arrancada de você,mas eu...-A olhei de lado-Cala boca,para-Disse chorosa,isso tinha machucado,foi como
a malva de soudades,desejo de ter minha filha comigo.Bem,mesmo sofrendo consegui persuadi-la a vir comigo.Ao terminarmos de nos arrumar no quarto.Lucy foi até
a varanda fechar a porta de vidro,puxou a cortina negra.Ellenos dormia,ela acabou por ajustar a lampê-la de seu longo casaco.Havia escolhido um vestido branco pela
cor do casaco ser negra.

Quando a minha pessoa a olhava.Havia escolhido apenas um simples vestido de algodão atenuando-se as minhas curvas,meus cabelos soltos e devidamente escova-
dos a essa altura.Saímos,nas Ruas de Paris vislumbramos as pessoas passeando,não deixando a Cidade parar em nem um momento.Com o tempo encontramos uma
beça caçada,foi como se minha pessoa se sentisse tomada de escuridão.

Eu e Lucy acabamos por invadir uma mansão não muito longe da Cidade,e como tinha sido maravilhoso andar,sentir-nos tomada de vontade.Não que a invasão tiives-
se sido sutil,mas necessária.Eu e Lucy entramos pela varanda ao escalarmos a coluna da imensa mansão.A jovem mulher nos viu tomada de pavor,não precisava fazer
mais nada,seus pensamentos me diziam,me transmitiam a crueldade de sua pessoa em traficar crianças internacionalmente.

Será que isso,este tipo de ato,justifica a crueldade? Sim,em meu conceito,sim.Lucy a atacou primeiro,como tinhamos saído no quarto,foi maravilhoso deixá-la saciar-se.
A doçura com que Lucy fazia isso,me foi maravilhosa-Cuidado meu amor,sejemos rápidas-Ela continuava sentada ao chão do quarto,tinha a mulher junto dela,ela tinha
quebrado a clavicula sem querer,a mulher devido ao ferimento agonizava.

-Não deixe muitas marcas-Pedi,com o tempo ela sentiu-se saciada,levantou-se com delicadeza,Lucy sempre foi educada,por demais! E admito que isso em determina-
dos momentos me irrita.Agora entende Sara a respeito de tudo? Como esse passar do tempo me foi tão precioso? Ah,céus,que malva renomada,pensei.Depois disso
tudo que precisava era saciar-me por completo,sentir-me tomada de sabor,sensações maravilhosas.

Quando de volta as Ruas podemos compreender a dimensão do lugar como o todo.Mas sinceramente me supreendeu ao continuarmos andando,o modo como tudo isso
se transmutou,sinceramente minha pessoa se deixou tomar.Claro que diante dessa situação,tudo que podíamos fazer era continuar.Devagamos por toda Cidade,foi como
esmero de presunção,mesmo assim,eu soube que a volta e continuidade seria plena.

De volta ao hotel Lucy se sentiu melhor ao vislumbrar Ellenos ainda dormingo,sinceramente minha pessoa considerou a cena presságio.Aos poucos ela pode fazê-lo
amamentar-se e fiquei devagando no que acontecerá no palácio.No que aquele pequenino aprontará comigo.Silenciada devagava.Olhava Ellenos mamar,envolver-
se por completo no ceio a qual bebia,mamava com vorazidade.

"Ah,principe,sinceramente me surpreendo,estava com fome".Sai em seguida,essas foram as últimas palavras dela.Fiquei na sala,com isso esperei ela vir,conversar
comigo.Ficou combinado que na noite seguinte em nosso despertar,devagariamos pela Cidade novamente.E foi como desejado,só que dessa vez,não esperavámos
o que aconteceria.

Nessas andanças por becos,bosques ao redor da Cidade,senti cheiro,cheiro estranho,não era de nossa raça.A resposta do que era foi quando ao entrarmos em um
beco em espécial bastante largo,nos deparamos com cinco infelizes bebedores de sangue.Lucy não compreendeu de imediato o que eles faziam na Cidade,só que
eu e ela,tinhamos sem querer,entrando em um beco a qual jaziam alguns deles.

-Eu...Para com isso!-Disse ela,ainda bem que minha pessoa pode se defender,eles haviam deixado a vitima caída ao chão,investido contra mim."Não és uma de nóis.
Então o que é?".Ouvi alguns deles dizerem,nesse momento eu pude empurrar alguns para trás,com todo cuidado e vontade desferir tapas e socos no rosto deles."Não
importa,deixei-nos".Pedi,Lucy me ajudou,precisavamos sair novamente do lugar.

E só foi possível quando deixamos todos caídos ao chão desmaiados depois da pancadaria. De pé na saída do beco vimos as ruas.Lucy ajeitou suas luvas de renda
branca,a camiseta negra justa ao corpo,fazia seus ceios se destacarem,a calça justa também.O pá de bota curta bastante feminino-Nossa,que loucos-Bramiu.Com isso
seguímos caminho.

Meu vestido de lã negro intacto,o longo casaco por cima me protegia do frio.E foi quando soube: Os bebedores de sangue jazem em toda parte,principalmente na
Europa,grandes Cidades.Mas,ah,céus! Eu não estava preparada para a noite seguinte.Como foi maravilhoso sairmos,eu e Lucy olhavámos a paisagem da Cidade
de dentro da limosine.

Ela tinha Ellenos sentado em seu colo.Devaguei pensativa,foi quando percebi que a limosine subia a Rua em que ficava a casa de Aziel.Ofeguei,me deparei toma-
da de sentimentos dolorosos-Por favor,pode parar aqui?-Pedi ao motorista.Ele o fez,devaguei silenciada vislumbrando o portão-O que vai fazer Lilith?-Ofeguei,disse
a ela que ia entrar,precisava,não sei! Mas algo me chamava naquele lugar.

Peguei Ellenos nos braços,ajeitei seu gorinho de lã cinza,algo me chamou atenção-Mas como algumas luzes podem está acesas?-Brami.Entrando pelo portão após
fazer um sutiu uso de meus dons pisiquicos,devaguei andando pelo jardim.O vento frio tomava o lugar,folhas sequivas movian-se pelo gramado mal-tratado.Tive
a certeza de que desde que eu e Aziel voltamos para a minha Cidade,o lugar esteve abandonado.

Ofeguei-Por que algumas luzes acesas?-Ellenos gruiu por alguns momentos,sua túnica cinza de linho lhe dava conforto.Um rei,sem dúvida! Ri secamente.Algo jazia
naquele lugar,olhei a masaneta,entrei ao destravar.Fechando a porta vi a total escuridão.Lucy me esperava na limosine,mas céus,como a necessidade me foi neces-
saria! Olhava a sala,poeira por todo lugar.

Fui a cozinha,alguns jarros de ervas na preteleiras também empoeirados,cheios de rachaduras devido ao tempo-Ah,céus,olhe isso-Disse.Enquando andava Ellenos
observava,dava para perceber que o pequenino quardava todos os detalhes.Subi a escada,o corrimão ainda bem preservado,no salão me assustei,as prateleiras de
livros quebradas,jarro quebrado ao chão.

-Ah?-Disse curvando-me ao chão com delicadeza.Muita poeira,os feiches da luz vindo da Rua sobre a noite destacavam a poeira no ar.Fui ao quarto,as portas do ar-
mário arrebentadas.O que pensar?-E como,e como se algo mau-tratasse esse lugar-Brami,vi a cama ainda intacta,porém,senti caláfrios.O que pensar perante uma si-
tuação dessas? Foi quando aconteceu.No salão a nuance de algo me foi terrível.

Voltei-me olhando para trás.e vislumbrei o algo,a sombra saíndo de seu esconderijo-Lamento em não poder fazer nada,não pude fazer nada-Que voz! O ser andava.
Os olhos,andei para trás,foi quando deixei Ellenos sentado na poltrona-Me pertuba,tenho que admitir,me pertuba-Bramia olhando o ser.Risos ecoando por todo salão.
-E um inferno querida,um terrível inferno Lilith-O que aquela coisa queria dizer?

Tudo que sei e que meu coração falou auto,tive a impulsão de tocar no rosto daquela coisa sombreada,grotesca em alguns momentos,ela gemeu de dor,queria reve-
lação.Lá estava! Andei para trás espantada! A perfeição era presente! Ah,céus! E como senti dor em meu coração,tinha emanado o pouco de força e luz dentro de mim.
Encarava algo inacreditável.

-Aziel! Louco,louco por sua existência!-Transtornada,o olhava,finalmente perfeito,podendo,podendo falar-Eu ofego,tu não sabe,mas eu preciso sair daquele túmulo-Pe-
dia-Não dá,não dá querido! Seu corpo,ele está morto,sem vida,sem nem uma funcionalidade-Tristeza em seu olhar,ele nunca me esteve tão belo ao trajar suas ves-
tes joviais: Bota curta,calça justa no mesmo tom,camiseta branca deixando os braços desnudos.

Pouco,pouco do que ele havia sido em vida restava,ele devagou não acreditando no que eu falei-O que fizeram comigo? Apaguei,entende? Lembro de devagar,sentir
ódio por algo-E foi quando ele viu ao sentar-se,pegar um maço empoeirado de cigarros,ele sofria,mas pode acender com o isqueiro-Lilith me ajuda,eu clamo-Pedia,mas
o que eu podia fazer!? Peguei Ellenos nos braços,ele olhou para o menino como se não entendesse.

Vi que lapasos de sua memória haviam se quebrado.Me deparei conversando com ele por longos minutos,sofri,mas ele não lembrava de nada,nem entendia quando eu
comentava de Samantha.Ofeguei no fim de tudo,sai tomada de dor,disse detalhadamente,mas ele não acreditava.Antes deu meu retirar ouvi ele dizer."Obrigada,não
estou condenado,apenas ligado a algo".

Quando finalmente pude sair,me deparei com ele grudado as grades,me fitando,olhando para a limosine a minha espera,ele não reconheceu Lucy,nada.Ela pegou seu
filho ao sair por alguns instantes,não vislumbrou Aziel que fitava aquilo como se nada fosse,ofeguei.Quando a limosine deu partida com a gente dentro,vi a paisagem,a
imagem de Aziel se afastando,ficando longigua.Um jovem ruivo segurando firme as grandes.Pensando.

E dessa forma eu soube:Uma existência pacata,e lembrava,ainda lembro do que pode acontecer naquela casa abandonada.Aziel perambulando,olhando as coisas,ten-
tanto lembrar os motivos de está ali,algo que nem explicando ele soube.Na limosine pensava,sentia dor,Lucy não entendia,que não entendesse,mesmo lhe falando,na-
da ela entenderia.E isso e o fim de tudo Sara.Para mim,para todos nóis.

Não sei o que acontece no mundo dos bebedores de sangue,só sei que cuidado de meus filhos bestiais,dou-lhes apoio.Mas noite após noite,depois de me deparar com
Aziel eu sofro,sofro por saber que jaz por aquelas Ruelas próximas a nossa ex-casa completamente abandonada.Uma alma abandonada,desligada de tudo,tentando lem-
brar do que foi em vida.

Se um dia poder ir lá.saiba,imagine um lindo jovem morte que em vida forá dotado de dons preciosos,um jovem olhando as pessoas ao está mo jardim de pé,seguran-
do as grades.Doloroso,o completo abandono.O que pensar? Ah,querida,preciso me retirar,depois de tudo,continuar.Com dor,e claro,mas continuo.Que seja dava todas
as informações.Que sabe a veja novamente,quem sabe tu faça outras descobertas que nem eu sei Sara.Sonho com Aziel,com aquela alma errante vagando na casa a-
bandonada,mistériosa,macabra por si.O meu,o seu,o nosso desmoronamento.Este e o fim de meus relatos,grande Sara.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

4° PASTA: Consagração Negra. O encontro imortal.

Mensagem  Ana Nery em Qui 11 Nov - 11:31:49

4° Anotação: Foi como a malva de encatamentos,sinceramente minha pessoa se envolveu em um momento terrível.Eu,Sara,prefiro acatar a tudo que pensava
conhecer.Relavo nesse arquivo curto de total plenitude o fim,o meu caminhar em prol de toda uma malva pretenciosa.Sinceramente minha pessoa não compreen-
deu,mas se deparou envolta em um momento holocausto.

Se trata de uma perseguição e encontro,sinceramente minha pessoa jaz nesse momento espécial ao decorrer de tudo.Entende? E algo pessoa meu.Após o último
encontro com Lilith Chariére me deparei nesse problema pessoa. Isso após uma semana.Veja por si,entenda por si,depois de tudo,o fim,forme seus conceitos.Isso
para minha pessoa,e como petálas molhadas de sangue jogadas sobre mim.

HISTÓRIA: Se passaram uma semana depois do meu último encontro com Lilith Chariére. Havia ido para o trabalho,de certo modo passado o dia organizando a
tensa troca de arquivos.Será que eles compreendiam? Eu não acreditava,eu não compreendia.Jazia em minha sala investigativa pensando,escrevendo nas folhas
brancas.

A palta jazia ao meu lado,foi nesse momento que o telefone tocou,se tratava de alguém espécial,sinceramente não esperava que Rafael,meu namorado tivesse a
ousadia de ligar-me,envolver-me em pressentimento."Oi querido,alguma coisa?".Ouvi risos de sua pessoa,vi no relógio na parede que marcava 18:00 HRS em pon-
to."Sim,querida,estou preparando-me para jantarmos,deseja que passe por ai?".Ofeguei,pensei devagante por alguns momentos.

"E claro querido,pode vir pegar-me?".Ele riu docemente."Não há problemas Sara,eu a pegarei,quem sabe podemos comer um delicioso camarão grelhado,vinho".Pa-
ra minha pessoa estava mais que maravilhoso,sinceramente ofeguei em risos antes de desligar.Voltei a focar os olhos nas anotações,minha secretária viria em segui-
da pegar as pastas.

Tratava-se de uma investigação criminal,um assassinato ao decorrer da semana,claro que minha tropa de investigadores nesse exato momento jaziam no local de
investigação.Demorou um pouco,mas consegui concluir.No fim de tudo terminei de anotar,organizei as folhas e as colocando na pasta me preparei pasa sair.Fechei
a gaveta de minha mesa,olhei alguns pertences em minha bolsa de lado negra feita de algodão macio.O meu vestido de algodão atenuando as minhas curvas me
era confortável.

A cor rosa delicada,ofeguei pensativa.Quando sai do meu escritório(Sala) peguei o elevador no fim do corredor.Será que Rafael chegaria a tempo? Me deixaria espe-
rando? Não sei,não sabia.Na recepção da polícia investigativa entreguei as pastas a secretária-Senhorita Sara,pelo visto sairá mais cedo hoje-Ofeguei risonha,minha
pessoa pensou com delicadeza.

-Sim,Rafael deve está me esperando do lado de fora,desejo poder me retirar-Pegando as pastas em entregou-me as chaves de minha casa que sempre deixava com
ela.Sinceramente minha pessoa envolveu-se em presságio.Sai pelas portas do estabecimento.Me deparei com Rafael me esperando de pé do lado de fora do carro.A
Rua nesse início de noite estava bastante movimentada.

Ah,céus,que loucura! Minha sandália provocava-me frio nos pés,principalmente por ser tão,tão delicada.Ofeguei pensativa-És louco Rafael,sinceramente podiamos ir
direto para minha casa-Ele riu,riu com vorazidade-Não,jamais,graças que aceitou-Me deixei abraçá-lo,me sentia tão cansada! Era como se pessoas tivessem sendo jo-
gados sobre mim diante da investigação criminal,mas eu compreendia.

Sabia que apesar de minhas descobertas pessoais,devia continuar atuante.Afaguei seus cabelos negros lisos,cortados curtos,os seus olhos violetas passeavam por mim.
Um jovem rapaz ainda iniciante na área administrativa de sua Empresa recém-criada.Com o tempo entramos,antes de saírmos,pegarmos a Rua,me deparei memorizan-
do os detalhes de suas roupas: A camisa de linho de mangas longas brancas atenuava-se as suas curvas masculinas,a calça de corte clássico negra também,sapatos de
desenho normal,tom escuro.

Será que apesar de tudo,ele compreendia? Não sei,acho que ele sequer imaginava do que eu,Sara,era capaz.Ao chegarmos no restaurante verifiquei que o lugar
era imenso,mas o que Rafael pretendia? Céus,foi se minha pessoa não compreendesse.Saímos andando pelo estacionamento.Algo me dizia que a noite envolvia
algo a mais do que eu imaginava.

Quando finalmente sentamos á mesa,verifiquei que algo se passava em seu olhar,sua mente.Ele ajeitou a lampela das mangas de sua camisa as sobrando até o
cotovelo.Foi como se algo me tomasse,movi as mãos pelos meus longos cabelos ruivos,ele me queimou nesse momento-Obrigada querida,me sinto melhor,pode
me dizer se entende os motivos deu ter implorado para está aqui?-Não sabia.

Ofeguei.O garçom com o tempo serviu vinho gelado para mim na taça a frente,pensei.Bebi alguns goles tentando respirar-Não sei querido,tudo que sei e que tive
a paixão de atender a vossa vontade-Disse pousando a tala sobre a mesa.Ele arqueou a sobrancelha-Ah...Faz tempos que a conheço Sara,sabe se entende?-Estava
longe deu compreender,foi quando ele segurou firme minhas mãos.

Estava gelado,seus lábios se moveram com delizadeza-Admito que posso morrer,mas esses olhos cinzentos,a cor deles,a cor saliente cinza em tom prata,virá comi-
go quando morrer-Fiquei nervosa,admito,foi o bastante para mover minha mão sobre meu colar de prata fino,pingente de esmeralda-Diga Rafael-E ele teve coragem.
-Casaria comigo? Não precisa ser agora,mas casaria comigo?-Pavor.

Tive pavor-Céus!-Brami tomada de pecaminosidade,e nesse instante ele ofegou-Sara,entenda,não posso ficar mais nessa encruzilhada,preciso decidir-Ofeguei sen-
do tomada de decisão.Foi quando finalmente decidi.Olhei profundamente em seus olhos violetas,o modo como ele mordeu os lábios delicadamente deslizando as
mãos por seus cabelos curtos,repicados devido ao corte.

-Ok,querido,tudo bem!-O respondi.Depois disso o transcorrer do jantar me foi esperado,nem sempre minha pessoa consegue agir,pensar.Mas eu havia pensado e
nem acreditei no que ele havia me pedido.Conheço Rafael desde menino,seus dez anos e claro que não perdia uma change dessas.Ao terminarmos voltamos,sen-
ti o rufar do vento entrando pelas janelas do carro.

O modo como ele dirigia era cálido,calmo.Os óculos escuros delíciosos de ver sobre seu rosto.A malva de sua pele clarinha se destacando.Ofeguei em risos.Foi nes-
se instante que ele disse-O que foi querida? Algo a dizer-me?-Ah! Quem derá ele soubesse! Eu ainda estava envolta nos sentimentos perante a última visita de Lilith.
O que ela disse-me depois de tudo.

Me senti tomada de paixão por ele.Agi como pretenciosa ao chegarmos em minha casa,quando ele estacionou na única vaga do estacionamento no jardim.O olhei
de lado-O que foi? Durante toda volta parecia está em outro mundo-Ofeguei chorosa,e como queria tê-lo para mim-Nada querido,só chateada com algo,coisas espe-
rituais-Ele riu,o beijei com cálida vontade.

Ao decorrer do tempo entramos,eu mesma abri a porta afoita.Havia tomado bastante vinho,sinceramente me fez bem.Ele acendeu as luzes da imensa sala.Vi a la-
reira,o sofá,a poltrona e mesa de centro.Nos direcionamos a varanda por alguns momentos.Quando finalmente pude entrar no quarto,minha pessoa envolveu-se na
absoluta ação.Parei conforme o beijava.

-Não vai embora,não e? Disse que dormiria comigo hoje-Seus risos era maravilhosos-Não se você quiser,eu fico-Ofeguei,acariciava seus cabelos,um jovem alto,mas
tomado de doçura,delicadeza,tirei seus delicados óculos escuros,o coloquei sobre a mesa ao lado da cama enquanto nos envolviamos na embriagues que o vinho havi-
a me causado.

-Obrigada querido-Brami.O vento vinha gelado,tomado de pecaminosidade ao entrar pela varanda do imenso quarto,as cortinas se moviam.O tempo passava,me de-
parei deitava sobre a cama com Rafael sobre mim.Coitado,lamentei os modos como ele ofegava,sentia falta de forças.Me mantive silenciava,principalmente quando
me virei de costas,senti seus dedos deslizarem por trás de meu vestido abrindo o ziper.

-Tenha cuidado,pode me machucar-Disse a ele,ele riu,deixou-se beijar atrás de minha nuca afastando meus cabelos.Ofeguei,cálido momento antes de virar-me o bei-
jando novamente.Ele fez meu vestido deslizar pelo meu corpo,o jogou sobre ao chão.Está com uma pessoa tão jovem quanto eu,tem essas vantagens.Ofeguei com
o deslizar se suas mãos sobre minha cintura,ombros.

Tive presa,tensa presa em desabotoar sua calça,abrir o zipe.Implorei,a quietude foi sua resposta.Usei seus beijos para manter-me calada,silenciada.Me ajudava a pren-
der a respiração enquanto faziamos amor na cama.O que pensar? Preferiria morrer,e como! A destruição tinha vindo,principalmente no que diz a respeito de Lilith.Nada
do que havia acontecido,passou em branco.

Rafael sempre foi voraz,sempre soube tratar uma mulher com esmero de delicadeza.Ouvi seu gozar ao lado de meu ouvido,tinha as mãos sobre suas costas,ofeguei to-
mando ar.O que ele pensava? Era isso que mais me preocupava-Ah,céus,desculpe! Fui maldita,sempre fui-Ele ofegou,me olhava ainda tonto,eu mantive as mãos a fren-
te de meus ceios,e foi quando ele voltou a beijar-me.

-Nada querida,quero dormir aqui-Eu ri,com o tempo nos deparamos sozinhos,eu acariciava seus cabelos,macios,que brilho,pensei.Ele que descansava,pensava olhando
para o jarro de flores-Não está chateada,não e?-Disse olhando para mim,por finalmente está despido,me senti maravilhada-Não,por que ficaria?-Brami.No dia seguinte
logo no início da tarde,cheguei no meu trabalho.

Acordará sozinha,me arrumará e lá estava.Entrando na minha sala me deparei com flores sobre a mesa-Nossa,que loucura-Disse sentando-me ao deixar minha bolsa.O
perfume dele jazia lá,entre uma rosa em espécial vi o brilho de ouro-Aliança-Eu ri,a coloquei no dedo-Ele quer,admito,ele quer-E queria mesmo.Apartir desse momento a
minha pessoa deu-se a pensar,passar o tempo tentando obter mais detalhes de minha nova investigação criminal.

E como o tempo passou lento,céus,eu não esperava que nada disso acontecesse.Demorou mais do que imaginava.Tanto que precisei fazer uma reunião urgente antes
deu poder voltar para casa.Um pais como Filándia sempre e lento,delicado,quieto,silenciado culturalmente e profissionalmente.Depois de tudo pude me retirar.Muitos ha-
viam saído quando fui até meu carro.

Devaguei abotoando meu casaco de belo corte,longo atenuando-se a minha cintura,a bota pesada por cima da calça jeans era maravilhosa! A camiseta branca era a ú-
nica pesa que se destacava nesse conjunyo escuro.Quando cheguei devaguei,estacionei o carro na vaga no meu jardim.Algo me chamou atenção,tremi de medo.Tive a
nitida impressão de está sendo vigiada.

-O que será isso?-Disse ofegante tentando encontrar algo suspeito do outro lado da Rua.Nada.Tudo que sei e que entrei,fechei a porta e liguei para Rafae."Querido po-
de vir para cá?".Lhe disse a sensação que tive."Tudo bem,admito que não e de meu agrado saber que mora solitária,estou indo para ai".Eu pude me esvair bebendo á-
gua até ele chegar.Estava com cede.

Ouvi a campainha tocar com o tempo,ele entrou,vi o modo como ele tirou seu sobretudo,o dobrou colocando sobre o sofá,ficando apenas com a camisa de seda de cor
cinza,calça jeans negra e bota curta.Na cozinha podemos conversar,passar grande parte do tempo.Ele não esperava que eu tivesse levado a sério a aliança-Claro que
eu levei a sério,obrigada pelas flores-Ele silenciou-se corado de vergonha-Tudo bem-Concluiu.A presença dele me tirava o medo.Eu tinha sentindo,sim,alguém me espio-
nar,mas nada eu sabia,só o tempo diria,isso é,se aquilo fosse sério.Loucura!
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Ana Nery em Qui 11 Nov - 12:34:59

Entende quando algo está realmente fora do normal? Foi o que aconteceu dois dias depois.Antes deu sair para o trabalho,pela parte da manhã estava sozinha
na varanda,havia acabado de acordar,subido com uma caneta cheia de café com leite fumegante.Olhei a pasta,os arquivos jaziam lá dentro,isso me fez pensar
a respeito do que deveria fazer com os arquivos.Sentando á mesa abri a pasta.

Os arquivos com os relatos de Lilith quardados na devida ordem-Ah,céus,imagino o que acontece com ela.Nunca mais a verei,mas bem! Vamos averiguar-Ainda
estava para passar por momento pior,ajeite a borda de minha camisola branca,as alças finas me davam conforto sobre os ombros,o vento vinha como toque de
seda.Averiguando as folhas me deparei com alguns errinhos de ortográfia,mas os corrigia com delicadeza.

Bebendo golpes e outros goles do café misturado ao leite,continuei.Sabia que as coisas aconteciam no escritório investigativo da polícia secreta.Mesmo assim o
que havia acontecido comigo,não podia passar despercebido,minhas descobertas foram unisonas.Com o tempo peguei os arquivos e os quartei na ordem dentro
da pasta.A colocando dentro da minha bolsa,dei-me a me arrumar para trabalhar.

Ver a conclusão da fase final.Escolhi uma de minhas calças,a cor branca me deixou pensativa,escolhi camiseta e sapatilha negras.Será que essas peças me trans-
mitiriam o conforto necessário? Sim,sinceramente,sim.Foi o que aconteceu ao decorrer de tudo.Coloquei meu casaco,pegabdo a bolsa sai.Peguei caminho para o
escritório investigativo.

Me deparei com pequeno desespero dá parte de alguns analistas.Na reunião durante a tarde,ficou claro que a questão principal era não deixar fazar o assasinado do
secretário.O secretário do MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL,havia sido assassinado,sabia que tudo isso devia ficar na nossa palta,não a mercé do público,o
que poderia levar a uma pequenina ordem social no pau.

Continuidade! Foi isso que aconteceu.O tempo passou-se,passou como o NADA.Nem acreditei que havia conseguido resolver tudo o que precisavamos resolver.A
minha pessoa ainda refletia ao se deparar sozinha na sala de reunião.Olhava para a lousa de anotações.Peguei um elástico,amarrando meus cabelos vi a secretária
entrar-Senhorita Sara? Estamos fechando o estabecimento,algo a pedir?-Levantei-me-Não querida,só vou pegar minha bolsa na minha sala.

Ela riu delicadamente,sai pelo corredor,minha sala ficava no fim do corredor.Era noite quando entrei,verifiquei no relógio na parede: 20:20. Será que daria tempo
da minha pessoa passar em alguma Lanchonete para comer algum sanduiche? Não sabia,só sei que o pior aconteceu.Senti caláfrios terríveis ao decorrer do tempo.
Havia abrido minha bolsa,vi que minha pasta havia sumido.

A pasta com os arquivos referentes a Lilith.Ofeguei,sai apressada."Mas!? O que aconteceu!?".Pensava,estava nervosa,tomada de nervossismo.Lembro de ter entra-
do no meu carro tomada de medo,receio."O que aconteceu?".Me deparava pensantiva.Sem duvida de que algo estava errado.Em casa pensando que havia enlou-
quecido,calculado mau a respeito da pasta na bolsa,a procurei.

Nada,nem um sinal da pasta.Ofeguei no fim de tudo,desabando nervosa,amedrontada pelo sumiço da pasta,sobre a cama.Pensava-Lilith,ela vai me matar,se ela sou-
ber,ela vai me matar.Não a conheço,mas sei que ela descobre as coisas-Dizia repetidamente.Foram três semanas até o culmino,as conseguências finais a respeito do
sumiço da pasta,acontecerem.

Eu havia decidido passar em uma livrária ao sair do trabalho.Parei meu caro logo enfrente a livraria predileta por mim.Entrei devagante,queria alguns livros selecio-
nados a respeito de IDADE MEDIEVAL.Vi algumas pessoas atraídas por algo.Tinha a mão ao lado da alça de minha bolsa de lado negra,meu vestido de algodão a
mover-se com meu andar,a cor cinza se destacava nas luzes,eu andava,o som de minha sandália ecoava pelo pequeno corredor.

O pequeno grupo de pessoas bramia,conversava entre si segurando a selete dos livros que as atraia tanto.Ofeguei ao ver,vislumbrar algo terrível em suas mãos.Me-
ninas,rapazes,senhoras conversando sobre o assunto."Nossa,demais,e como Aziel foi maravilhoso,pena,pena que ele morreu,ele não merecia.Será que essas coisas po-
dem ser reais?".Aziel? O quê?!?

Vi os livros,eram dois livros: Uma seleta de dois livros.Peguei os dois livros entitulados ***UNIÃO DE SANGUE-Parte I & UNIÃO DE SANGUE-Parte II***.Tive
a audácia de ver a sinopse,lá estava a conclução ***Continuidade espécial e relados do destino dos seres imortais*** Meus lábios tremeram,tremi por inteiro.Pensie
rápido,me deparei bramindo as palavras na mente."São apenas a primeira e segunda parte,como,como vai haver continuidade!?".

Foi quando pensei! A última parte,a que devem está lendo agora,incluindo até esse meu relato,estava em casa,só as duas primeiras partes haviam sumido.Céus,eu
devaguei,fiquei tonta-O que...Com qual finalidade fariam algo assim?-Meu célular tocou,foi do nada,tremi.O nome dizia ser Rafae."Se está me ouvindo,suma da on-
de está,venha para sua casa,precisamos resolver algo. Está vendo esses malditos livros? Sim,veja-os,eu os fiz,eu os mandei serem divulgados em ordem de editoria
secreta".Fiquei chorosa.

Sai apressada,eu mesma quis comprar os dois exemplares,eu tremia,quando no carro bramia sem parar-Lilith,o que está acontecendo!?-O vento entrava pelas janelas.
Eu estava desesperada.Dirigia com a minha mente turva,tonta.Isso estava mesmo acontecendo? Sei que era o homem,um homem me chamando.Como ele havia
conseguido ligar do número de meu amado Rafael?

Não sabia,só soube quando cheguei.Estacionei as presas no jardim,entrei em casa desesperada-Rafael!?-Gritei chorosa,nada,nada.Vi que a quietude tomava conta de
minha casa.O cheiro veio,terrível,mas envolvente.Cheiro de morte viva-Aqui,pode seguir para sua biblioteca nos fundos da sala-O fiz conforme a voz me chamava.
Abri a porta no fim do longo corredor,me deparei com aquele maldito segurando Rafael.

Ele segurava com força-Quem e você? O que pretence roubando meus arquivos relacionados a Lilith e os divulgando da maneira que fez!?-Andava a frente,fitava o
ser não muito alto,magro,delicado.Era loiro de cabelos cacheados soltos até os ombros,foi quando temi me aproximar,ele tinha Rafael refém,encostava a lámina do es-
tilete contra a garganta dele.

-Calma jovem,não dê um passo a frente,foram apenas as primeiras partes,está entendendo? Aonde está a outra!?-Berrou ele irado-Não sei! Solta ele!-Pedi,as velas
acesas sobre a mesa bruxelavam,o castiçal servia como belo enfeite.Rafael estava tomado de medo,me olhava,tinha as mãos sobre os braços dele.O olhar,foi nesse
instante que reconheci o maldito-E você,Lestat!?-Oh! Ele cerrou o olhar,estiquei meu braço nervosa,ele me olhava.

Pensou muito antes de responder-me.Vi dor em seu olhar,ressentimento,imensa dor,imensa dor-Solta ele,Rafael não tem nada com isso-Ele riu envolto em cruelda-
de,o jogou a frente o chutando pôr trás das costas-Querido!-Brami curvando-me para ajudá-lo.Rafael quando de pé ajeitou sua camisa de seda negra,ofegou tossin-
do por alguns instantes,me deparei crudada ao Rafael enquanto olhava Lestat mover-se em direção a mesa de leitura.

Lá estava meus arquivos,ele ofegou olhando-me ao pousar a mão sobre a mesa-Sara,e este seu nome?-Ofeguei-Sim,por que?-Ele riu devagante,mesmo assim a dor
em seu olhar era clara.Um ser muito belo,principalmente ao trajar calça jeans negra,bota pesada,camisa branca de linho por baixo do longo casaco negro.Passou-se o
silêncio.Eu tremia junto de Rafael.

-Estou no encalço de Lilith Chariére,ela sabe,sabe como minha neta,Samantha,poderá trazer vida nova ao meu filho Aziel.Está entendendo isso?-Sentou-se,deixou as
mãos curvarem-se unidas a sua frente,olhava para as velas-Sara,preciso saber aonde ela mora,eu não tenho a outra parte dos arquivos-O fitava,foi quando andei a
frente fazendo com que Rafael ficasse atrás de mim.

-Ah,acha mesmo possível? Esqueça! Ele está morto,morto,Lestat!-Tive raiva,imensa raiva.Foi quando ele me viu sentar-me,ofeguei,ele se esvaiu mostrando sua dor.
Quieto,tomado de inspiração.Pedi para Rafael me esperar-Rafael me espere na sala-Ele ofegou-Tem certeza?-Tinha,sim,movi meu rosto positivamente,ele saiu fechan-
do a porta,voltei a atenção ao Lestat.

-Pode me dá a outra parte?-Pediu novamente-Não! Não posso,e isso não lhe diz respeito a você,Lestat-Vi seu ofegar,ele olhou de lado,pensou friamente,foi quando
vi as gotas de lágrimas vindo aos olhos,escorrerem pelo rosto-Desculpe,tenho esperança,e sei que algo se passa na mente de Lilith Chariére. Não entende a dor de
não ter mais meu filho,será que compreende isso?-Ofeguei.

O estalo das velas entre eu e ele veio,o bruxelear foi pleno.Vi seus lábios tremerem por alguns momentos-Sara,sei que teve contato nos últimos meses com Lilith,a
minha pretenção e de apenas saber-Rompi minha quietude-Tem esperança de ter seu filho de volta? Esqueça Lestat,acabou.Sinceramente nada mais pode ser feito,e
pude enchergar isso claramente nos olhos de Lilith-Ele pensou.

Levantou-se indo em direção a varanda de minha biblioteca,o segui,não pensava que ele pudesse ser tão bonito,ele pensava silenciado-De-me uma change,de-me
uma change de explicar,sabe por que fiz? Queria que o mundo soubesse.Quando soube da existência desses arquivos,me esvai em prantos,não entende.Perdi,tive
uma perda.Tinha esperanças de está com meu filho entende-Ofeguei ouvindo ele continuar a falar.

-Um de meus filhos morreu,não importa,tenho esperanças,quero saber se pode me ajudar-Ofeguei querendo saber o que ele me daria em troca-Não queira imaginar.
Não me peça nada,meu coração ainda doi,não entende isso. Vamos conversar,sair,ao fim de tudo,quem sabe,finalizar a última parte relatando esse momento-Olhava
para ele friamente-Hum...Tudo bem,vamos conversar em algum lugar da Cidade,está na Finlándia,não poderia ter lugar mais pacato do que esse-Ele ofegou.

Tive pena,tanta pena dele! Movi instintivamente os dedos abaixo de seus olhos chorosos,beijei seu rosto-Fique calmo,só não tente contra vida de Rafael-Ele deixou-se
silenciar.Beijei seu rosto novamente,gélido como pedra,um morto-vivo em todos os sentidos,e mal podia acreditar que estava diante de mim: Lestat,a lenda entre mui-
tos imortais,Lestat,o que sempre se rebela em prol de seus conceitos.E antes de saírmos,deu decidir o que faria,me deparei abraçada com ele,tentando confortá-lo,senti
sua dor,sua tensa dor,só agora e que presenciava,ao contrário dos simples relatos de Lilith.Ouvia seu coração bater.Que fosse,eu precisava decidir.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte III "Conseguências e Atos"

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum