União De Sangue-Parte II

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ir em baixo

3° PASTA: A traição

Mensagem  Ana Nery em Sex 10 Set - 19:37:32

3° Anotação: Eu,Sara tenho que ser rápida a respeito de toda continuidade,de certo modo a minha pessoa se surpreendeu em após uma semana ter voltado a se
reencontar com Lilith Chariére.Dessa vez enquanto eu pesquisava em uma biblioteca de minha Cidade.Eu lia,ela entrou e de imediato começamos o processo con-
tinuo.O que ela tinha para me falar dessa vez?

A dama vestida com vestido longo de lã branca jazia a minha frente,seus cabelos dessa vez longos até a cintura,usava brincos de pérolas negras,noite fria,muito
fria,sua voz ecoava pelo silencioso lugar.És o que tenho a contar enquanto escrevia o que ela ditava.

HISTÓRIA:Bem! Tudo que sabia e que o doce Aziel encontraria uma resposta,tinha que obter uma resposta para si,o que ele faria a respeito do que acontecia com ele.
Isso deixou Lucy mais angustiada ainda,ela levantou-se não aguentando mais o que presenciava,minha impulsão foi a de abraçá-la com toda vontade,seu choro que
não emanava nem um som,isso me espantou,mas me contive.

-Aziel por favor,precisamos de uma resposta querido-Ele compreendia,mesmo assim reavia toda uma forma de continuidade,ele abriu os olhos,fitou o teto,isso
o fez querer se sentar,sentou-se apesar de sentir muita dor,sinuodamente sua fitou a mim e a Lucy alternadamente,seus marejados olhos se fecharam voltando
a abrir-se-Dei-me um motivo-Eu ofeguei.

O rosto de Lucy pousado sobre meu ombro,eu afagando seus cabelos,olhava multuamente para Aziel sentado a beira da cama-Por mim Azie,por Lucy,nossa fi-
lha,acho que nada poderia ser diferente meu querido-Ele arqueou sua sobrancelha,pensava-Ah,essa é uma change entanto para morrer,me sentir em paz,nunca
terei paz,nunca conheci a paz,Lilih-Complicado.

-Cala sua boca! Não deve brincar com sentimentos unicos Aziel-Ele riu amargamente,olhou delicadamente para a mesinha,ele sabia o que o esperava,tudo que
eu não esperava era a forma bela com que a túnica dele oscilou devido a seu movimento,ele pegou a bolsa,tirou a maleta de lá,ele riu,só o lugar iluminava todo
quarto.

Sentando-se sobre a cama,pensou,tossiu por alguns momentos,Lucy ainda continuava envolta em seus sentimentos-Calma-Pedi,ela se voltou a ele,andou para
poder sentar-se a beira da cama o olhando-Aziel o que está pensando?-Ele voltou seu olhar a ela,seus olhos verdes a encarando-Nada Lucy,só pensando que es-
sa será minha vida,constrangedor-Ela riu amargamente,ele se apressou em tirar um sedoso lenço debaixo de um dos travesseiros.

-Pare de chorar meu amor,para,estou aqui,só que tudo isso me constrange imensamente-Ela sabia que sim,riu docemente envolta no choro-Ah,esqueça,a dor se-
rá sempre passajeira-Ele esticou as mãos a seu rosto docemente-Sim e claro,entendo-Ela riu,pode abraçar ele com tanta força! Tive medo do coitado do Aziel se
machucar mais do que estava devido a força.

Ele me olhou,pensou-E você,Lilith,não sente raiva de mim?-O fitei ao sentar na cadeira,pensei por alguns momentos no que fazer,no que lhe responder.Ainda ia
existir alguém que conseguisse me tirar do controle como ele.Delicadamente sentei-me ao lado de Lucy,ela que nunca se estiverá pensativa como nesse momen-
to.Aziel gemeu devido a tor,ao tossir-Deixe comigo,eu aplico a primeira injeção querido-Era tudo gradualmente.

Ele sabia disso,sofria com essa realidade,apesar de tudo, mantinha seu controle docemente-Tudo bem,tudo bem-Bramiu ele,Lucy estava tão nervosa que tudo o
que conseguiu foi se levantar,esperar,presenciar.Segurava o lenço em uma das mãos-Querido estou aqui,Aziel não faça a loucura que papai fez-Aziel a fitou,eu a
mexer na maleta.

-Lucy tenha ciência de que estou disposto a dar o amor que seu não pode lhe dar-Ela se silenciou,não conseguiu responder,enjugava o rosto-Aziel sente-se encos-
tado ao espelho da cama-Ele compreendeu minhas palavras,se moveu devagar,eu tirei o frasco com o liguido,ele brilhou em meio ao luar que iluminava o quarto.
Aziel muito nervoso,fitava o frasco cheio de raiva.

Tirei uma das injeções,coloquei a agulha no devido encaixe-Ah,céus,que loucura-Todo matérial era descartável,usar e jogar fora-Psiu-Pedi ao Aziel,com isso ele es-
perava nervoso,a dor era destruídora,eu engiei a agulha na tampinha,naquele minusculo furo-Calma?-Disse ele em tom de questionamento-Sim,Aziel,calma-Lucy a
queimá-lo com suas palavras.

Delicadamente suguei uma minima quantidade para dentro do compartimento da injeção tão compacta-Prontinho amorsinho-Ele me queimou de olhar cerrado,eu
não o respondi,ele só não gostava do tom,ele que alias adorava me chamar de AMORSINHO.Então o que ele tinha contra eu nesse momento?Nada e claro,eu
me curvei a frente sobre a cama,ele pensando.

Choroso,tanta angustia fez Lucy se sentar ao lado dele,ele deixou sua cabeça pousar sobre seu ombro delicadamente,gradualmente eu esperei,Aziel gemia de dor,
tristeza,tudo isso.Jamais pensei vê-lo em tal estado.Tudo seria rápido e prático,mesmo nesse momento Lucy se atreveu a beijá-lo,ele que moveu seu rosto de la-
do a correspondendo.Um beijo longo,doloroso para ele.

Fui silenciosa,imediata na aplicação,eu segurei seu braço livre,o estiquei em minha direção,a agulha entrou silenciosa,delicadamente por baixo da pele sobre a veia
de Aziel,eu senti! Isso fez ele parar,gemer de dor,doia de verdade-Ah,céus!-Quase gritou,um berro contido,em pensar que todo dia ele passaria por essa situação,a
verdade o traumatizava.

Ele me olhava chorando,Lucy lhe afagando os cabelos-Calma amorsinho,está terminando-Um último gemido foi houvido eu apertei,precionei a reta que fazia o ligui-
do entrar,não demorou,todo conteúdo esvaiu entrando devido a pressão.Quando terminado Aziel se sentia desesperado,tudo que ele desejava era dormir,descançar.
Eu me levantei,Lucy se deitou de lado,o ajudava,beijava seu rosto.

-Terminou Aziel,só amanhã querido-Ele riu amargamente em meio ao choro,escondia seu rosto entre os cabelos dela-Seu perfume e minha salvação Lucy-Ela riu,eu
me apressei em ir ao banheiro jogar a injeção vazia fora,a primeira tinha ido,Aziel descançaria.Joguei a injeção na lixeira,apagando ás luzes sai do banheiro,Lucy deita-
va ao lado de Aziel,ele que choramingava como criança.

Tamanha degradação era insuportável,eu estava sendo forte,mas e Lucy?Céus,lamentei de verdade.Esperei de pé ao lado do vão da porta do quarto Aziel ardome-
cer,ela veio em minha direção,eu fui até ele,me curvei sobre a cama esticando todo lençol sobre Aziel-Vai amanhecer melhor Aziel,eu sei-Ele dormia,todo seu rosto
molhado de lágrimas,mas iria secar.

Beijando seu rosto e afagando seus cabelos me direcinei a Lucy.Saímos para salinha fechando a porta-O que acha Lilith?-Eu ri amargamente,me sentia triste,mas eu
sobreviveria-Ele vai sobreviver querida,eu sei-Ela riu com isso,mesmo chorosa teve forças para irmos para o salão,eu segurava a meleta de Aziel com as injeções,a
necessidade de colocar no friazer da geladeira era imediata.

Descemos ás escadas,entramos no salão e descemos a outra indo para sala,fomos em direção a cozinha,quando Lucy sentou á mesa abri a porta da geladeira,eu vi o
suporte no friazer,deixei a maleta lá.Fechando a porta finalmente podia lhe dar atenção-Está sofrendo,tenho que admitir-Ela pensou,friamente pensava nesse instante.
-Eu sei que,sim,Lilith-Bramiu,suas mãos esticadas sobre a base da linda mesa.

-Teme que sofra como sofreu pelo seu pai.Lucy eu sei que não passaremos por isso-Ela me olhou,eu me mantive de pé,só que encostada na parede ao lado do vão
da porta da cozinha-Só que agora e diferente Lilith,eu o amo,acho que compreende muito pouco,afinal,tudo que quis do pobre Aziel foi um filho-Como senti raiva,eu
tive a sabedória para me conter,me manter sobre controle.

-Não,só encontrei nele a força necessária para continuar,a força para recomeçar Lucy-Ela levantou-se,agora,sim,tinha recebido uma resposta convicente,uma reposta
que lhe importava muito-Jura?-Eu ri,a abracei quando ela se apróximou-Sim,agora vamos descançar-Ela me fitou-Não,preciso ir ao quarto,que venha comigo-Saímos
em direção a sala,passamos para varanda,entramos no jardim.

Quando no seu quarto entramos,ás luzes foram acesas,a cama jazia limpida,por incríavel que pareça a minha rosa que não morre no vaso delicado sobre a comoda.
-Preciso te mostrar uma coisa-Me sentei a beira da cama,lindo conjunto de cor branca e violeta para ás cobertas-Sim,o que querida?-Ela riu docemente,foi em direção
a uma das gavetas da comoda.

Ela procurou,procurou,até que achou-Aqui,eu estive fazendo antes de vir,mas sabe que sempre que posso,continuaria-Eu ri,mas eu estava curiosa para saber o que
era-São sapatinhos e luvinhas de tricor-Ah? O que acontecia?-E para Samantha,comecei a fazer antes de vi,terminei nesses dias de folga-Eu me espantei,dava para
ver mesmo de dentro da bolsa transparente.

Sinuosamente minha pessoa olhava as peças que ela me mostradas,camisetas,luvinhas,toquinhas,sapatinhos,macacões feitos de tricor,todos eram de várias cores:
Amarelo,verde,branco,cinza,negro-Nossa,obrigada,isso e sublime-Ela riu-Gostou mesmo?-A olhei delicadamente,deslizava as mãos pelas peças-Mas como eu não
gostaria querida?-Ela riu novamente.

-Adorável em todos os sentidos-Bramiu,peças maravilhosas,volteii a olhar para cada uma delas,sinuosamente dobrei cada uma,coloquei dentro da bolsa-Eu levarei
para o quarto,deixarei nas gavetas junto as outras roupinhas dela-Ela se espantou-Sério? Tens mais? Já há muitas no quartinho dela aonde moras,querida acho que
Samantha virá com um extenso enjoval de roupinhas-Eu sei que,sim,ela dormirá conosco aqui,lá em seu quarto-Lucy riu novamente.

-Eu entendo-Ah,foi glorioso olhar profundamente em seus olhos,a pervercidade falou alto,eu sei,mesmo assim,não pude conter a pequena voracidade dela quando a
selvageria falou alto.Lucy que não deixou de me desferir seus delicados beijos sobre meus lábios,voltei a abrir os olhos-Vai se arrepender-Ela riu-Mas eu vou sobrevi-
ver,nós vamos sobreviver-Eu ri.

-Ah,sim,mas eu preciso ir,precisa descançar,afinal,Aziel precisa de quem fique de olho nele-Ela me olhou ainda sentada sobre a cama,eu segurava a bolsa com as rou-
pinhas-Boa noite Lilith,sabe que eu amo vocês-Eu a respondi do vão da porta antes de sair-Eu também te amo querida,obrigada-Eu sai pelos fundos do jardim,passei
pelo cháfaris.Iria para o quarto,cuidaria de Aziel durante a noite,ele dormia,descansaçava.Era o preceito que seguíria.Continuidade!
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Sab 11 Set - 12:14:50

Tudo ocorreu sinuosamente,foi como se esferas de retorno se tornassem tocáveis e reais aos nossos houvidos.Sinuosamente a noite seguiu,durante toda a noite eu não
desgrudei a atenção de Aziel,ele sofreu grande parte do tempo,foi como movimentos de esperitualidade tivessem se estabelecido entre eu e ele,sinuosamente minhas
indagações a respeito do que acontecia se complementaram.

'E como se a morte pairasse sobre ele'.Brami em determinados momentos.Céus,dormi bastante depois disso,quando deitei a seu lado foi como se trovões ecoassem,bar-
ras de ferro fossem jogadas sobre eu.Apaguei,admito que sequer me enrolei,nada disso,sabia que a qualquer momento Aziel poderia passar mau,o que me fez me preca-
ver.Sonhos,mas a esperança se mantinha de pé.

Aos poucos o calor do sol veio,o doce calor da manhã,tão cansada ainda estava,mas será que tudo o que fizemos daria certo? Eu não sabia,mas tenuamente minha pesso-
a sobreviveria diante da provação de Aziel.Solidão,tive essa sensação ao decorrer da vinda do novo dia.Gradualmente eu senti os poderosos lapsos da presença de Aziel.
O que isso significava?Ah,que ele apesar de casado poderia estar de pé.

'Acorda mulher,papai a espera'.O que falava comigo!?Vi Samantha jazendo dentro de mim,o sersinho que boiava no liguido,mexedo as mãos em formação sobre a boqui-
nha tão delicada,do nada meus olhos de abriram.Foi como música aos meus houvidos,como se terríveis músicas fossem orquestradas-Aziel!?-Brami olhando para a cama,a
minha pessoa lutava,quase se desesperava querendo saber aonde ele estava.

Passei as mãos pela cama,nada! Mas nesse momento me veio sons aos ouvidos,ele estava no banheiro,pelo visto o querido Aziel lavava o rosto ou será que ele estava vo-
mitando novamente? Não,o cheiro era de sabonete,greme perfumado-Querido!?-Houvi risos roucos-Estou aqui-Bramiu ele,assenti ao levantar-me,minha túnica se movia aos
meus passos-Querido posso entrar agora?-Sons-Sim,estou aqui-Abri a porta do banheiro ao seguir.

O vi de pé de frente a pia,o denso espelho brilhoso,a luz do dia entrando pelo banheiro-Ah,está melhor,isso me deixa feliz-Ele riu amargamente-Mais ou menos querida,eu
tento superar-Compreendi,tamanha provação! Parei a seu lado,ele esfregava ás delicadas mãos,depois as ergueu ao rosto docemente,o lavava,Aziel estava acabado,uma
expressão de desgaste que me surpreendeu,apesar de pálido,sua pele estava melhor corada.

-Querido quer que eu providêncie algo para comer?-Ele riu,me olhava pelo espelho-Não amorsinho,estou pensando,preciso continuar,obrigada por tudo,mas agora eu preciso
continuar sozinho-Eu o fitei,ele pegou a toalha sedosa ao lado no apoiador,pelpuda,nunca pensei que meu Aziel passaria por uma situação dessas,cansativo,mas apesar de tu-
do,necessário,viu? Esperei ele terminar de secar o rosto.

-Quando ele voltou a colocar a toalha no apoiador brilhoso,me fitou-Lilith obrigada por tudo,admito que fui um infeliz em tentar renagar ao tratamento,entenda que eu não es-
tou adaptado a remédios,tudo isso Lilith,não cresci com essas artimanhas da vida,sempre fui dotado de saúde,tudo isso,e me deparar numa situação dessas me fez ter medo,a
minha pessoa chama de não aceitação-Assenti erguendo os olhos a ele,minhas mãos sobre seu rosto.

-Aziel não disse que o abandonaria,jamais! Querido foi uma promessa que fizemos um ao outro,cuidaria de você,assim como você cuidaria de mim.Aziel o que acontece
não e castigo,jamais,e sua natureza,como lutar com ela se e impossível? Seguíremos meu amor,eu te amo,e estarei com você.

Ele riu docemente-Preciso tomar banho,por favor escolha roupas frescas para mim,vou precisar-O beijei rapidamente-Sim,e claro,pode deixar,Lucy deve estar acordada,a
Lucy deve estar preparando o café da manha-Ele riu-Tudo bem-Sai depois dessa troca de palavras,delicadamente minha pessoa fechou a porta encostada,fui até o quarda-
roupas,procurei algumas peças frescas,de preferência de algodão.

-Aonde está?-Ah,lá estava uma sedosa camiseta azul clarinha,o tecido de algodão macio,que maravilha! Uma calça de algodão negra para Aziel,a faixa azul para ajustar.
Peguei as roupas,as deixei sobre a cama,mas antes disso tive que arrumar toda cama,deixá-la arrumada,com lençóis forrados,fronhas nos travesseiros,tudo isso,tive a co-
ragem de esperar Aziel na varanda,nossa,como o dia estava belo.

O sol brilhava nesse início de dia,o som da água da ducha do banheiro houvido apesar de longe-Nossa,e como se o dia sorisse depois de tudo-Brami pensando,ageitei a
borda da túnica de cor clarinha,foi quando senti cheiro de comida no ar! Houvi passos da escada-Tem gente acordada?-Lucy disse,eu ri de suas doces palavras,ela entrou
empurrando a porta com a ponta de seus delicados pés.Nossa,estava linda nesse dia.

Tinha vestido uma saía de algodão de cor vermelha em tom vinho,a camisa de mangas curtas justa de linho,a cor branca lhe caia perfeita,a sandália delicada de cor cla-
rinha,um sublíme enfeite,seus cabelos estavam amarrados para trás em um belíssimo rabo de cavalo-Aonde ele está?-Eu sorri para ela que segurava a linda bandeja-O
Aziel está tomando banho querida,mas pode ficar,arrumei o quarto,ele deve estar saíndo daqui a pouco-Ela pousou a bandeja sobre a mesa da varanda antes de sentar.

-Graças,ele está melhor?-A fitei docemente,ela se sentia tão aflita que era como se a vitalidade lhe tivesse sido tirada durante a noite,em seu sono,a preocupação de al-
go acontecer-Está melhorando,mas não totalmente recuperado,só com a continuídade e a manutenção dos cuidados e que ele manterá sua saúde-Ela entendeu,apesar de
sua quietude,eu compreendi seu silêncio,o que ele queria dizer.

Não demorou para Aziel sair,ele que tinha a toalha enrolava sobre a cintura,procurava ás roupas-Posso ajudar Aziel?-Ele sorriu quando Lucy levantou-se,os brincos lon-
gos de jade de Lucy oscilando(Joias raras que ela não se desgruda,caixinha de joias trazida de casa antes de viajar),gesticulando sobre as roupas em cima da cama ele a
olhou-Sim,preciso terminar rápido-Olhei a bandeja com comida,enquanto isso ela ajudava Aziel a arrumar-se

Lucy tinha preparado bolinhos doces,no bulé chá de ervas doces,xícaras,açucar no pote de porcelana,mel para os bolinhos doces,eu estava faminta,nem quis esperar ela
e Aziel terminarem,Aziel se arrumava com a ajuda dela,enquanto isso,eu,a Lilith comia,me esvaia com vontade.Adocei o chá de ervas na xícara,coloquei uma boa por-
ção de bolinhos no pratinho delicado de vidro,voltei a pousar a tigela de bolinhos na linda bandeja.

Derramei mel por cima,voltei a atenção a Lucy e Aziel ao beber alguns goles do delícioso chá-Lucy eu tenho que admitir,seus quitutes,sua habilitade,tudo isso e rato,ain-
da estou para encontrar alguém que seja atenta ao café da manhá como você-Ela riu,acabava de ageitar os cabelos do querido Aziel-Eu sei que,sim,e a primeira refeição
do dia,como poderia não dar atenção?-Tive que rir com isso.

Comi alguns dos bolinhos,a combinação da massa com o mel perfeita,Aziel riu com isso-Ah,imagino,preciso entender-Lucy o olhava,ele sentado a beira da cama,ela a lhe
escovar os cabelos,o brilho vermelho se descatando sobre os cabelos de Aziel-Não queira entender,só coma,e depois logo a noite sabe que mais uma injeção o espera,se-
rá assim-Ele bramiu algumas palavras-Imagino,não me lembre por favor-Lucy escovava os cabelos de Aziel,eu comia com vontade.

Quando terminou os cabelos de Aziel estavam brilhosos,nunca presenciará ruivo mais belo que ele,Sara,tenha certeza,o detalhe das sobrancelhas finas,perfeitas em seu
tom vermelho,os fios lisos imensamente ruivos.Como explicar? Não sei,mas imaginei a genética propíciada pelo seu pai,imaginei seu pai nesse momento,Lucy o ajudou a
sentar-se,ela se apressou em se servi,preparar o pratinho com bolinhos para Aziel,a fumegante xícará de chá.

-Ele e loiro,não e ruivo-Bramiu Aziel,pensei em sua resposta nesse momento,sorri,polsei a xícara de chá sobre a mesa,pensei,refleti nesse momento-E a quem puxou para
ser ruivo?-Ele riu amargamente-Ah,como posso lhe responder amorsinho?-Lucy mantihha a atenção ao que fazia-Á filha de um ancestral muito distante-Lucy riu nesse instan-
te-Nossa,Aziel e suas histórias,quando romperá o mistério de sua família querido?-Ele a olhou.

-Não sei,para sempre,talvez?-Ela riu,perceptível a doçura dela a respeito de seus sentimentos por ele-Entendo-Silêncio-Vamos Aziel,coma,coma com vontade,teremos que
continuar,meu querido? Algo maior nós espera-Foi o que ele fez ao tomar os primeiros goles de chá,já morno a essa altura da manhã,o que foi bom,já que devido ao fomito
de sangue provocado pelo maldito ataque célular,lhe fazia sofrer menos e se adaptaria com rapidez,recuperação!

Apartir desse momento tudo de tornou maravilhoso,foi como se o dia sorisse para ele,Lucy o ajudava,o que me deixava tranquila,a presença dela foi vital para Aziel,não
sentia ou sinto ciúmes,entende? Em análise era e sempre será óbvio o quando Lucy amava ou ainda ama Aziel,apesar de seu fim ter sido drástico.Algo que quero contar
no momento própicio.Lucy e o que posso chamar de "Perfume de rosa encarnada".

Tenuamente minha pessoa observava,acredite! Eu me sentia maravilhada em saber que a doce Lucy sabia cuidar tão bem de alguém,os gestos dela ao preparar mais dos
bolinhos delíciosos,de colocar mais chá para Aziel,para ela mesma,até para mim! O tempo transcorria docemente,era como um delicado circulo que era inquebrável.Aziel a
se maravilha com a comida,a matança de fome.

Foi nesse devagar,passar de tempo,que percebi claramente que Lucy sabia e sempre soube lhe dar com Aziel melhor do que eu,pensei vagamente a respeito disso enquan-
to comia.Sem dúvida era o que eu hávia pensado.'Lucy e mais digna que eu'.Ah,era ela,era ela que deveria estar em meu lugar naquele maldito sinal de trânsito! Mesmo a
envolver-me nesses sentimentos me contive,eu sobrevivia.

-Cuidado querido,vá com calma,ainda está fraco,mas se recuperá rápido-Aziel olhava para ele,foi nesse momento que bebi fartos goles de chá,senti medo,medo de que al-
go saísse de errado-O que foi Lilith?-Olhei para ele,acho que meu estado era pior do que o de Lucy,o respondi-Nada Aziel,esqueça,são coisas de minha cabeça-Ele riu,mas o
maldito não esquecia-Odeio saber que se sinte aflíta Lilith-Eu sorri em resposta.

Lucy segurava um bolinho na mão me olhando,uma das mãos sobre o ombro de Aziel,me fitava-Isso me aflinge-Disse ela,sabia que,sim,olhando para Aziel tive certeza
que ele se sentia bem nas roupas escolhidas por mim,conjunto perfeito! Voltei a comer bolinhos,a tomar chá.Tudo que esperaríamos seria a passagem do tempo,seria exa-
tamente como esperavámos.Acalanto de memória,passagem instransponível para conosco.Os risos de Lucy e Aziel ecoavam pelo quarto,atravessava a barreira de doçu-
ra,era algo maior que isso.Trevoroso,mas tão desejável!


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Sab 11 Set - 13:46:19

Foram alguns dias e noites para que ao longo da recuperação de Aziel presenciassemos os efeitos de todo contexto de sua recuperação vital.Era complicado lhe
darmos com ele a respeito das injeções de anfetáminas e proteínas.Apesar de tido a continuidade era plena,seguiu-se com a persuavidade de Lucy,ela que ao
brigar,gritar com ele,o fazia retroceder.

'Cala sua boca! Age como moleque! Não és o homem que conheci'.Isso o constrangia ao brigar com ela,eu a esperar que ele cedesse para lhe aplicar a inejeção
matinal.Ele choramingava,era como um terrível sofrimento a qual ele se sentia fadado,mas essa era a realidade,só faltava ao Aziel aceitar tudo isso,apesar de tu-
do eu entendia.

Ele chorava de verdade sempre que eu acabava,sempre que a doce Lucy esperava eu lhe aplicar a injeção.Uma doce mancha de formava sobre sua pele,vi e ti-
ve a certeza que precisaria mudar de lugar para aplicação.Céus,tudo seguiu-se em sofrimento,mas necessidade para Aziel reaver sua força e vitalidade para sua vi-
da continuar.

Não lamentei,mas compreendi.'Não diga para minha mãe,sabe que ela estará aqui quando Samantha vier'.Eu sabia que,sim,lhe prometi isso em um desses dias
em meio a tenebrosa noite,ele deitado de lado a me encarar,eu lhe queimando.'Tudo bem Aziel'.Foi como doce sofrimento se tornando real,seriamente todo meu
coração ardia,eu simplesmente puxei as cobertas por cima de nós para dormirmos.

Ah,ao total? Duas semanas para Aziel se recuperar completamente,eram 20:00 quando eu e ele estavamos no salão,ele tinha acabado de mandar densos escritos
de pesquisa para a faculdade,ele não parava,mas o olhar quando viu aquele relógio bater! Lágrimas lhe vieram aos olhos marejados-Está na hora-O relógio tiqueta-
teava na parede,marcava o momento.

-Tudo bem,deixe comigo,vou descer-Lucy tinha saído essa noite,ela passaria a noite fora,tudo que ela mais precisava era descanço depois desses dias de sofrimen-
to por causa de Aziel.Quando na cozinha abri a geladeira,a fumaça do gelo veio,ofeguei,tenebroso! Peguei a delicada maleta de Aziel,meu vestido longo oscilava
com meu andar,nossa,minhas curvas arredontadas me encatavam,garantovós.

Entrando no salão me deparei com Aziel,ele tinha desligado o laptop,delicadamente ele me fitou,estava bonito essa noite: Vestia regata de cor cinza,a calça jeans
justa de cor azul bem clarinha,a bota negra curta,ele pensava-Acho que meu braço está recuperado,já se passou tempo o bastante para a pele se recuperar devido
as aplocações continuas-Sorri em resposta.

-Eu entendo querido,mas eu estou fico feliz,está bem,muito melhor-Ele me queimou com seus ferozes olhos verdes-Ah,malvada,sabe que te amo,mesmo odiando o
ato,sabe que viveria por vocês-O fitava,a maletinha pousada sobre a mesa da varanda-Há mais algo para fazer hogê?-Ele sorriu docemente,linda a forma como os
seus cabelos estavam amarrados para trás-Há,sim,mas e algo que só lhe mostrarei no sotão-Ofeguei sorrindo.

-Tudo bem,mas vamos terminar logo isso-Foi o que fiz ao abrir a meletinha,fisguei o frasquinho delicadamente,atenuei meus olhos sobre uma das injegões vazias.
Aziel temeroso,mas ingnorei tal respaldo de sensação.Delicadamente minha pessoa desferiu os dedos,quando pronta enfiei a agulha dentro do delicado furinho da
tampa do frasquinho-Calma!-Ele bramiu.

O olhei friamente-Calado você-Ele se manteve quieto,engoliu em seco minhas palavras,,quando pronto tirei a agulha,expremi para sair a pressão,algumas gotas do
conteúdo expeliram para o ar-Vamos Aziel,coragem-Brami ao me direcionar a ele,quando me apróximei percebi o quanto isso oa flingia,mas tudo foi continuo,quando
ele fechou os olhos era sinal de coragem,que ele suportaria.

Masagiei bem a pele sobre o braço,senti que o musculo estava rexado,quando pronto eu deixei a agulha deslizar por baixo da pele-Ah! Doeu,infernos-Ele disse sentin-
do a dor da visgada,algumas lágrimas escorreram pelo seu rosto,ele odiava isso de verdade,quando terminado tirei a agulha do braço,a injeção estava vazia,isso o
deixava desnorteado,ele abriu os olhos ao erguer o rosto.

Encarava o teto-Fique parado por alguns segundos querido-Ele compreendeu,eu teria que descer até a cozinha novamente-Ah,me espere no sotão,vou descer daqui
a pouco-O olhava,tinha acabado de fechar a meleta,iria jogar a injeção usava fora-Tudo bem-Sei que tudo aconteceu rápido Sara,algo pairava no ar querida,minha
pessoa se sentia agustiada.Devido ao sofrimento de Aziel,admito que só deixei as lágrimas sairem quando desci ás escadas.

-Injusto viu? Redenção aonde está querido? Como queria sua presença nesse momento-Delicadamente minha pessoa a cozinha,eu quardei a maletinha de Aziel no
friazer da geladeira,tudo que fiz foi choramingar por alguns momentos.Esperei Aziel no chafáriz do jardim,mas nada,bem! Eu fui até o sotão,ele deveria estar esperan-
do a dor passar sobre o braço,mas ele sobreviveria,estava recuperado,o processo tinha que ser continuo,simplesmente isso.

Fui até o sotão,abri a porta pegando a chavem em seu apoiador,céus,fazia tempinho que não entrava nesse lugar.O que ele queria com isso?Tudo que fiz foi seguir
atendendo a seu pedido delícioso.Me sentei ao centro do circulo,encarava o lindo altar-Lucy jamais pode entrar aqui,tenho que arrumar algum modo de manter ás cha-
ves escondidas-Compreendi,delicadamente minha pessoa esperou.Eu tinha cochilado por alguns minutos.

Houvi passos,eu rapidamente despertei,vi os pés de Aziel se movendo sobre o piso-Lilith?-O olhei ao sentar-me me apoiando de lado sobre as mãos-Sim,querido,eu
estava esperando-Ele sorriu ao esticar as mãos para eu levantar-me-O que queria?-Ele riu nesse momento,tinha as mãos pousadas sobre meus ombros-Diga-me,eu
queria saber se deseja conhecer a fundo o que lhe disse naquele momento,falo de nossa unção,de nossos conceitos e destinos-Que curioso!

-Ah? Ah,acredita mesmo naquela loucura,tenho que admitir,e com ánvico! Vidas passadas? És louco querido-Ele caminhou rapidamente fechando a porta do sotão na
chave,a deixou sobre o altar-Ninguém saberá,só você saberá,meu amor eu quero que veja com teus próprios olhos o que quis dizer naquele momento-Ah! Maldito!Eu
não compreendi,dei para trás-Vou lhe provar que tu já fois-tes minha um dia.Não me reconhece não e?-O encarava.

-Para com isso! Me prende aqui,eu estou com medo!-Ele sorriu fechando os olhos,um sorriso tão doce! Lindo em todos os sentidos,foi quando algo me tomou,fazia meu
coração bater forte,muito forte-Eu,eu não entendo-Minha voz ecoava pelo silencioso sotão-Sou o que sou,somos o que somos.Lilith? Morte após morte,vida após vida,
eu te prometo maldita,eu vou atrás de você,sempre estarei atrás de vocês-Meu coração batia cada vez mais forte.

Ele estava próximo de mim,eu bati nele quando ele pousou suas mãos sobre meus ombros-Me larga! Me solta!-Ele me sacudiu docemente-Não meu amor,escuridão e
que precisa agora-Olhei para o teto,a coisa vinha daquela estrela com asas e o circulo envolta,o desenho,estava tonta,meu corpo pesado-Psiu asas brancas,psiu-Essa
frase,ela reverbava em meus houvidos como algo eterno.Senti meu corpo apagar de vez,eu simplesmente apaguei! A visão do doce rosto de Aziel sumindo.Ele que a-
judava-me a deitar-me sobre o chão-Esteja lá,eu estarei esperando sua volta-Houvi ele bramir,e com isso algo me levou,algo me mostrou.

"Acho que deve tomar cuidado! Deveria sumir daqui! Sabe que eles estão chegando,aqueles guerreiros malditos! Leva Samantha daqui,leva ela! Por que insiste em fi-
car comigo? Tudo acabou,está terminado,Asas Brancas!-Céus,era como se eu olhasse cara a cara,aquele homem alto,seus cabelos rispidos,outro olhar,outra face,ele ti-
nha olhos amendoados,o perfeito tom de avelãs,suas vestes antigas,túnica azul,a faixa negra atada a sua cintura.

-Infeliz és,não posso fazer isso,séria loucura!-O quê!? Era eu mesma? Eu? Era impossível de acreditar,mas eu reconheci o nome,reconheci quando houvi extrondos vin-
dos do lado de fora-Vamos Aziel,saia dai,seu miserável! Traídor! Vendes-tes tudo que era nosso,estamos sem comida,sem nada!-Ás portas foram arrebentadas quando
homens entraram,homens trajados para guerra-Sabíamos que estaria aqui,precisamos continuar-Eu me virei,eu,a dama morena com olhos azuis,Aziel moveu a cabeça.

-Ah,não e necessário! Não a machuquem! Ela não tem nada com isso,com o que fiz! Por favor! Privem a pequena Samantha,a ela!-Todos os homens houviam,quando
um dos negociantes,comerciantes passou entre os homens eu vi o desespero nos olhos de Aziel.Tudo isso desesperador,eu sei! Mas como podia ser !? Eu me deparava
com essa cena de separação,que rancor tomou meu coração!

Eramos nós,só que em outro momento vital de nossa existência.Que rancoroso pensei ao continuar a me envolver nessas visões e mensagens:Eu fui pega peor um dis
homens,eu me debatia,minhas vestes rasgadas-Feiticeira,disso nós sabemos,pagã maldita,envenas-tes esse homem-Houvi os gritos de Aziel,ele que gritava com vários
dos homens-Querido! Mande eles me soltar!-Eu berrava,Aziel foi contido por vários dos homens,mas ele se desvencilhou,pode correr entre os comodos de nossa moradia
para que Samantha fosse salva.

-Malditos! Isso vai ter volta!-Gritou ele,barulhos,extrondos! Muito ventania entrando pelos comodos simples de nossa casa,afinal,eu tinha remontado a milhares de anos.
Jamais pensei que chegasse a um momento desses! Houvi Aziel correr,ele passou entre os homens,algo terrível emanava dele,ele segurava nossa criança,Samantha a
chorar,a doce criança-Mamãe!-Eu chorava,gritava.

Era contida pelos homens-Filha? Mamãe está aqui!-Gritei,eu fui puxada para fora pelos homens,Aziel tinha sumido entre os homens,vários deles,eu estava sendo machu-
cada,sentia dor! O choro de minha filha ecoava pelo ar.A voz de Aziel aos gritos com vários dele foi sumindo,a escuridão veio,veio,tudo sumiu,começou a tomar outra for-
ma forma.Eu fui levada para outro momento,logo a frente.

Dessa vez era noite,eu e Aziel estavamos presos!? Ah,malditos! O céu estava estrelado,eu e Aziel amarrados em uma imensa tora de madeira,a fogueira feita abaixo de
nossos pés,eu olhei para baixo,chorei quando vi nossa filhinha os braços de uma pessoa em espécial,olhei para ela,minha irmã!? Aqueles olhos era a de Lucy,pelo visto a
doce Lucy tinha feito parte de nossa existência,só que no passado de de modo mais íntimo a mim,ela jazia me fitando entre os homens e mulheres.

-Ah,céus,o que fizemos de errado?-Disse chorando,eu chorava muito,a chuva começava a cair,Aziel me olhou de lado-O que fizemos de errado!? Ah,Asas brancas!Ser o
que somos,eu não ter sabido conter meu,o nosso segredo,somos malditos!-Olhei para os céus da noite,voltei a olhar para minha filhinha,ela chorava nos braços de minha
irmã,a jovem de dendos e cacheados cabelos castanhos,seus olhos cinzentos.

Era a hora,iam nos queimar,tinham pego Aziel,um erro material dele levará a descoberta de nosso segredo,nossa linhagem,aos segredos de nosso sangue vital-Malditos!-
Berrei,ás chamas vieram,simplesmente consumidos! Tudo sumiu,senti a dor das chamas na hora! A queima sobre minha pele foi como extrondos vindo ao meus houvidos.
O despertar vital veio,quando senti o ar me tomando,eu senti a dor,eu houvi o meu grito terrível e fino emanando pelo sotão".

Tudo tinha acabado,eu me deparava chorando,tinha voltado,eu me sentia tonta,imensamente tonta.Quando houvi a voz de Aziel o fitei-Ah,então foi um erro entanto!
Material e esperitual! Como poderia matá-lo!-Como sentia raiva,ódio dele! Eu avancei a frente,mas tombei para trás sendo contida por algo,olhei,era Redenção,ele esta-
va triste por algo.Ele tinha voltado,muito triste.

-Ah,pobre Lilith,pobre Lilith,tentei cuidar de Samantha,a sua filha,no passado,fui irresponsável,aquela perseguição foi um descontrole dela,ela tinha crescido,aprendido as
artes,a sua irmã,agora Lucy,cuidou dela,morreu em seguida,Samantha se encontrou sozinha,por causa do erro de Aziel.Discutimos em uma noite,Lunnes,o filho de Saman-
tha tinha saído para guerrear.Eu sem querer a matei,ela tinha brigado comigo,eu forá um irresponsável,e por isso que vim,queria concertar esse erro.Lilith eu deixei ela
descontrolada,ela caiu em minha perseguição,eu queria trazê-la de volta para casa-A dor me tomou.

Aziel andou a frente,mesmo sentada eu deslizava as mãos pela barreira,eu chorava-Ah,querida,me desculpe! Fui tudo isso que vi,entende agora? Eu tinha que falar-O
encaranva,eu chorava-Ah,me faz sofrer,sofrer-Meu choro ecoava pelo sotão,Redenção triste-Minha filha morreu,e por sua causa! Ah,céus,era você que a perseguia na-
quela noite,que a fez cair no penhasco-Eu chorava,eu tinha que continuar,mas algo muito sério tinha que acontecer antes de resolvermos esse impasse.Redenção tinha
voltado,eu envolta nessa situação,Aziel me encarava,minha mente desnorteada.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Dom 12 Set - 16:02:47

Tudo se tornou continuo,acho que a minha mente não poderia ficar mais clara do que em toda minha existência-Vida,morri,estou aqui,eu não acredito,assim como você-Eu
começava a juntar as peças de algumas coisas,tudo se tornou sinuoso,eu sei,de certo modo minha pessoa pensava,Aziel me encarava,desferia seus olhares sobre mim.Eu
não me movia,a quietude rompendo todo sotão.

-Pode falar comigo?-Ele perguntou,mas foi Redenção que tomou a palavra,ele que repensava em vários momentos de sua existência,ele quis entrar,toda barreira percorria
a perfeita forma circular do circulo jazendo ao chão do sotão.Olhei friamente para ele,não queria saber de Aziel,ele imensamente nervoso,minha pessoa assentia tentando o
milagre de se reaver em vários conceitos alheios.

-Eu preciso falar com ela,Aziel foi minha culpa,Samantha morreu por minha causa,preciso lhe justificar algumas coisas,acho que e uma das poucas coisas eu eu posso fazer
meu querido-Aziel o olhava,repensava em vários conceitos,friamente eu encarava Redenção.Friamente minha pessoa chorava,eu olhava para o chão nesse momento,eu a
devagar no que deveria ser feito.

-Ah,sim,eu entendo,eu entendo,por favor,eu lhe permito esse momento,Redenção e seu momento de se redimir com Lilith,com Samantha,acho que não poderia encontrar o
momento crucial como esse-Redenção argumentou com ele por alguns segundos,eu chorando friamente,pensando e me perdendo no que eu acabará de descobrir devido a á-
vida vontade de Aziel-Tudo se torna crucial-Disse ao Aziel chorando.

Ele se sentou,jazia do lado de fora,a barreira poderosa é espectral envolvendo o circulo,não permitindo que eu saísse-Meu amor,minha Asa Branca,por favor,me perdoa,eu
sei como e sua narureza,eu sabia que desejaria me matar,foi um erro meu Lilith,mas Redenção tem coisas mais profundas para contar,explicar,se isso aconteceu,e que eu ti-
ve a sabedória para compreender,esperar o momendo dele-Nunca senti tamanha fúria pelo Aziel.

-Ah,céus,o que tens a me dizer agora? Que eu devo morrer?-Redenção sumiu podendo reaparecer dentro do circulo,ele sentou-se a minha frente,sinuosamente sua pessoa a
retroceder nos conceitos alheios-Lilith foi terrível,eu lhe disse,Lunnes,o filho de Samantha tinha crescido,Samantha se tornará uma mulher influênte na aldéia que fazia parte,a
Terra que ela mesma quis desbravar,sempre fui um acompanhante entanto-Continuei houvindo.

-Continua maldito-Ele respirou com profundidade-Ele tinha saído com o marido de Samantha,sei pai para guerrear,tudo foi ténue,eu tinha me desentendido com ela,desobe-
decido suas ordens de ficar longe de seu primójenito,um desententimento terrível,ela ficou nervosa,saiu andando em meio a mata,a floresta,a segui,mas eu não esperava o
maldito penhasco no caminho-Ofeguei,pensei.

-O penhacos,a queda-Brami pensativa,não conseguia olhar em seus olhos,muito menos ele nos meus olhos-Tinha a pretenção de me redimir com Samantha,eu simplesmente
fui impulsivo naquele momento,ela parou antes de cair,se desequilibrou,eu não consegui pegá-la,a segurar,no final de tudo,a imagem dela caíndo,gritando,não esperava,lá es-
tava Samantha morta abaixo do penhasco,a pequena ribanceira,morta-Ofeguei novamente,minha pessoa repensando no que argumentar com ele.

Aziel esperava,ele que silenciosamente esperava para poder explicar seus conceitos,meu corpo ardia,admito,ardia de verdade.Redenção se manteve sentado a minha frente.
-Quando eu pedi,quando eu lhe implorei para me trazer de volta,quando eu lhe implorei de corpo e alma que me tirasse daquele patámar maior,eu sabia Lilith,eu sabia que a
vinda de Samantha seria eminente,afinal,és e sempre será a mãe dela,no passado,presente,no futuro caso morra e volte a renascer-Ele me fitava,levantou-se lindamente,ele
que desejava chorar.

-Não pedi para vir a toa,era minha missão,esperar a vinda dela.Ah,céus,tudo pode ser concertado,Samantha pode viver,viver uma vida plenamente humana como ela quis
viver a tantos milênios atrás,entende como isso me faz feliz?-Ofeguei,levantei-me o indagando-Mentiroso,mentiroso,mentiroso! Poderia ter evitado,evitado,não seria aptor de
sua parte reaver tudo isso,Redenção! Ah,céus negros,como o odéio,odéio de verdade! Minha filha,morta,por sua irrespônsabilidade!-Disse aos berros,cheia de agonia,ergui as
mãos ao meu rosto.

Chorava com minha alma,meu coração,ficava imaginando como tudo tinha sido,Nunca desejei tanto em minha existência poder sair de um lugar,poder fugir,não existir.Eu
não tinha percebido,céus,tudo perante meus olhos e não enchergava,Redenção sequer se movia,esperava,ele não teria coragem para erguer um dedo contra mim apesar
de minha irá contra ele,minha frustração.

A minha quietude em prol de meu choro presente,eu que me sentei sobre o chão chorosa,minhas pernas curvadas contra mim,os braços erguidos a frente.Ainda pensava,a
minha pessoa não hávia previsto isso,muito menos um presságio que pudesse me preparar para tudo isso-Vamos Lilith,por favor,e a change de Redenção,não seja precisa a-
gir desse modo,acredite,não foi fácil para isso acontecer-Assenti voltando meu olhar para Aziel.

Ele que levantou-se esperando minha resposta,sabendo que eu não tinha cabeça para responder de imediato,ele teve a coragem de pedir para que Redenção se retirasse.
-Querido pode sair,garanto que Lilith dará sua resposta do que ela de tudo isso,está feito,apesar das circunstâncias,não se lastime,haverá um momento certo-Redenção ao
meu ver não se conformava,simplesmente rependou nos pequeninos conceitos.

Sumirá,houvi os gemidos,os soluços de seu choro,tentei me levantar,sei que brami algumas palavras antes de me sentir tonta,esgotava por tudo que eu hávia passado.A
sensação foi de lástima-Redenção...-Disse rompendo as palavras,Aziel se apressou em me segurar,ele tinha feito a barreira sumir de imediato,ele me segurou com força,eu
senti toda sua vitalidade de encontro a mim.

-Tenha calma meu amor,tenha calma,eu estou aqui,eu não fiz pelo seu mau,jamais! Só queria que soubesse,não teria a audácia de esconder as coisas de você,foi para sua
preparação que lhe fiz tudo isso-Eu o olhava,me agarrei a ele,apertei-lhe os braços com vontade,chorava,ele me fez sentar junto a ele,seus afagos em meus cabelos-Psiu,a
minha pessoa e que deve falar agora-Ele não tinha ressentimento,não tinha medo de meu choro,meu rosto encostado sobre seu ombro.

-O meu erro foi terrível,entenda isso,não sabia de nada,eu te garanto! Lilith foi quando a peguei no sinal de trânsito aqui na cidade,a situação se atenuou ainda mais quando
a minha pessoa a viu entrar logo apôs,em sua vinda,foi tudo isso que vi,Lilith,naquele transe,antes de ires embora,se estava curiosa,queria saber,agora sabe-Fazia tempos
que Aziel não me acolhia desse modo,ele que não largava de mim.

-Ah,se pudesse ver além do que eu vi,tudo que vivemos naquela época,eu fiquei com medo quando tu foi embora,pegou o táxi,tudo isso,foram vários motivos para que eu
tomasse a coragem,arrumasse minhas malas e me direcionasse a sua casa-O fitava,ele continuava me acolhendo,continuava agarrado a mim,esperava que eu retomasse o
meu controle,será que acima de tudo,ele se arrependia?

-Levante-se,deixe eu continuar-Foi o que fiz,ele segurava firme minhas mãos,minhas lágrimas molhando o rosto,meus olhos a essa altura sem dúvida que deveriam estar a-
vermelhados,sua voz ecoava pelo sotão,reverbava de encontro ás paredes vindo de encontro a meus houvidos-Tudo foi minha culpa,eu sei,se soubesse que todos os nossos
segredos víriam a tona devido ao meu erro matérial e esperitual,jamais teria feito Lilith,jamais-Atenuei meu olhar com maior profundidade sobre ele.

O terrível silêncio pairou sobre eu e ele,ele não conseguia mais falar-Ah,deve me odiar,eu sie,me odiar,mas eu não sabia que mesmo que era Samantha que viria,ela que
novamente se tornária a alma para o que tu desejava-Não respirava,não respondi,eu não conseguia me mover,não conseguia controlar,manter em equilíbrio todo meu cor-
po e pensamento.

Eu háveria de retroceder,reconquistar,foi quando coisas começaram a vir em minha mente,Aziel quieto,meu olhar entrou a fundo em sua mente,seus olhos verdes,eu sem
querer vi o cemblante daquele antigo homem celta,o antigo homem que eu hávia vivido,por alguns momentos vi seus cabelos escuros,seus olhos,pensei,me perdia,ainda a
contra-gosto sentia meu coração bater forte.

Só quando ele ousou sair,se direcionar a porta fechada,e que eu soube,senti meu coração bater forte,ele andava,o encarava,o jovem de costas andando-Aziel!-Me deparei
gritando,corri em sua direção,o abracei por trás-Ah,querido! Valeu a pena,eu te amo,te amo de verdade,eu amo! Fui ingrata,maldita,impura,mal agradescida! Temos uma e
importante change,não vou voltar atrás-Ele estava gelado,não tinha se atrevido a me responder.

Ele se virou devagar,ele me abraçou novamente,suas mãos me acarianco os cabelos-Ah,isso me faz feliz,imensamente feliz,com Hyarian não era para ser,mas contigo?Eu
admito,eu te amo.Espero que entenda Lilith,sou seu,plenamente seu,odéio saber que pensa o contrário,eu morreria,entende? Morri uma vez,voltária a morrer novamente-A
sua respiração era houvida.

O doce ofegar que tomava forma-Sim,eu sei,eu sei,-Disse fechando meus olhos,eu respirei fundo-Não tenha medo,tenho meus problemas,e claro,mas jamais a ponto deu à
machucar-Eu chorava,mas de felizidade,deixamos com que o silêncio pairasse entre eu e ele.Era tudo que precisávamos.Notável como tudo veio,como tudo foi mostrado,ele
ao entender minhas quietude deslizou os dedos delicamente por baixo de meu queixo-Adorável Asa Branca,estás comigo,em minha mão,me preenche-O beijo foi longo,muita
coisa a ser resolvida,mas veríamos aonde tudo acabaria.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Dom 12 Set - 17:05:11

Ah,mas tinhamos esquecido algo.Tudo foi demorado,imensamente demorado quando eu e Aziel nós envolvemos nesse momento.Eu e ele precisavamos disso.Tudo
o que precisavamos era disso.Loucura,eu sei,mas tenuamente holocausto.Doce escuridão a nós envolver,sons,barulhos! Gritos! Eu estava houvindo bem?Tina me per-
dido naqueles beijos por tanto tempo que me deparei vázia,fora de si.

'Alguém ai!?'.A pessoa gritava,berrava desperada do lado de fora.Eu abri os olhos,me deparei encarando Aziel,ele que saia do devaneio desse beijo tão longo,algo co-
mo UNIÃO-Lilith e Lucy-Eu o encarava,ele se sentia frustrado por algo,sem querer tinha atraído Lucy para nosso covil esperitual-Psiu,deixe comigo querido,por favor,o
momento e agora-Ele compreendeu-Nossa,eu não acredito,e você só que diferente-Ele ofegou,riu docemente com meus gestos.

Eu que lhe apertava ombros,braços,dedos,mãos,deslizei as mãos por seu lindo rosto-Só que com um corpo diferente,um corpo célular feito unicamente para mim,acredite
meu amor,a reencarnação e apenas a primeira lei da vida,vitalidade-Sorri em resposta,me sentia aflíta,mas cheia de pressentimento holocausto.A berradeira continuava.
Eu pensei rapidamente no que devia fazer.

-Estou aqui! Um momento Lucy!-Gritei,voltei a olhar para Aziel,minha pessoa tinha encontrado a resposta perfeita para saber como lhe dar com Lucy,coitada,eu temi a
sua atitude de simplesmente se envolver no ataque.Aziel houvia o barulho denso,contubardor,foi quando ele caminhou,não esquecendo a chave ele abriu a porta,ela a
encará-lo-E você,mas o que fazem aqui?-Gradualmente sua pessoa assentiu andando em passos-Nada querida,só estavamos aqui,tome cuidado-Ela me fitava.

-Me desesperei,eu não sabia que esse lugar existia-Entendi,mas ela não deixou de estranhar o lugar,de assenti como se tudo fosse um cemblante de discordia.Para mim
tudo se equiparava a mais um metodo para que minha pessoa controlasse meus sentimentos.Eu fitei Aziel,ele que esperava no vão da porta-Querido tudo bem,eu cuido
de tudo-Ele saiu,deixou a porta aberta,gradualmente Lucy manteve sua atenção sobre mim.

-Ah,sim,e claro-Delicadamente ela se moveu olhando todos os detalhes do sotão-Mas que lugar é esse?-Sensação de doce desconforto,rapidamente minha pessoa apres-
sou-se em lhe responder,deixar tudo claro a respeito do que acontecia,eu e ela saímos do sotão,graças que Aziel não se encontrava no jardim.Não deixei de fechar toda
a porta na chave,a pendurei no apoiador-Venha comigo,vamos para seu quarto,preciso conversar com você-Ela não respondeu,estava preocupada por demais a respeito
do que acontecia.

Pelo que tinha passado ao chegar-Não entendo o que acontece,preciso de respostas-Eu sorri-E as vai ter-Andamos em direção a seu quarto,ela abriu a porta dando pas-
sagem,encostando a porta ela acendeu as luzes,a noite estava plena,admito,exatamente como eu esperava-Sente-se-Pedi ao sentar-me a beira da cama,Lucy estava lin-
da essa noite vestindo seu longo casaco negro,um vestido imaculamente lindo e luxuoso de cor cinza por baixo,o decote requintado,o colar estava lá.

Ela movia seus pés pousados ao chão,esperava uma resposta,seus olhinhos brilhosos,delicadamente sua pessoa ageitou a borda de seu casaco.Pensava,eu tive toda a
delicadeza em lhe responder-Nada demais Lucy;mas saiba que para que eu e Aziel possamos entender algumas coisas,unicamente nossas,só eu e ele nós mantendo a
sós por alguns instantes-Ela me olhava com seriedade,era como se tudo isso fosse uma barreira.

-Lilith,por favor,não temos segredos correto?-Sim,era o que ela hávia dito para mim,delicadamente minha pessoa pensou,eu sorri,sorri por quê só em pensar que eu e ela
tinhamos sido irmãs naquele tempo me fazia feliz,preenchida-Só quero te dizer que eu te adoro,vamos jantar,comer algo Lucy,qualquer coisa! Acho que descobri coisas de-
mais por esse dia e noite-Ela assentiu se levantando.

-Ah,tudo bem! Não vamos brigar,correto? Não vamos brigar,mas se prefere deixar esses detalhes unicamente seus e de Aziel,quem sou eu para reclamar?-Eu a encarei
ao levantar-me,movi minhas mãos pelo seu lindo rosto-Minha irmã pequena mulher,jovem menina,boneca como Aziel custuma chamar,só por isso-Ela não rejeito todos
os doces beijos que lhe desferi no rosto,cabelos,afagos.

-Você anda estranha,está diferente,e como se eu tivesse saído e enquanto isso,você tive ido embora,voltado uma outra pessoa-Presságio,eu sei-Lucy,querida e se eu a
contra-gosto lhe dissesse que algo mais há? Existe? Acreditaria nisso?Demorou para ela compreender,mas quando a abracei,ela captou o sentido de minhas palavras,eu
a fitei envolta em sua doce quietude.

-Humanidade,isso não existe em você,Lilith-Me mantive quieta,não existia mesmo,mas essa descoberta deixei para ela mesma,me mantive silênciosa,mas houvir isso de
Lucy,me foi gratificante.Bem,tudo que sei e que tinhamos que jantar,quem sabe Aziel já tinha pedido algo por telefone ou começado a preparar algo para nós.Ah,eu sen-
tia fome-Vamos,não podemos esperar-Foi o que disse ao saírmos docemente.Ah,que loucura,loucura.

Encontramos Aziel na cozinha,apartir desse momento todo um processo de conversa,preparo de jantar,tudo isso se tornou real.Não tinha coragem de falar com Redenção
nesse momento,futuramente,mas naquele momento não,não conseguia!Transcorreu-se o tempo,o cemblante de reconquista entre Lucy e Aziel.Tinhamos que continuar e
eu não deixaria nada escapar.Escuridão me deu ao deitar naquele maldito sofá ao terminarmos de jantar e arrumarmos a cozinha.

Escuridão! Unicamente a escuridão! Pensei que Aziel e Lucy tinham ficado na sala,terminado de beber toda garrafa de vinho branco.Mas não,vi as taças ainda cheias na
mesa de centro,pensei-Nossa,o que eles estão fazendo!?-Brami,Tive medo,medo! Pensei que eles tinham saído,quem sabe acontecido algo! Rapidamente eu fui em dire-
ção aos escadas,as subi-Aziel! Lucy!?-Disse gritando.

Mas contive meu grito ao entrar no salão pensando que eles estava lá,não estavam-Calma,muita calma-Disse para mim mesma.Delicadamente fitei o laptop sobre a mesa
de escrever.Desligado,devidamente fechado.Livros,pote de tinta,pena,canetas esferográficas em seu lugar,pensei-Malditos-Brami,tinham sumido e começava a suspeitar o
que acontecia-Aziel e maldito,coitada da Lucy!-Quase gritei.

Medi o tom da palavra,entende? Me direcionei as escadas,tive medo por quê Aziel estava comento a doce loucura de esperar mais um pouco para se reerguer por comple-
to,entrei na salinha antes do quarto no andar de cima.A poltrona vazia,intacta,a lareirinha também,tapete ao chão,tudo isso,ofeguei-E,ele não esperou-Brami pensando,eu
que pressentia todo um modo alheio de sensações holocaustas.

Parei na porta do quarto,aberta,mas encostada,sons tensos,lamentável,pensei ofegando.'Você e maldito,coitada da Lucy,coitada! Poderia se ferir,mas não,leva ao alge a
tua resistencia'.Será que ele houvia meus pensamentos? Não,mas eu vi,não deixei de ver,Sara,e nunca deixaria de ver.Delicadamente minha pessoa deixou ressoar todo
um modo de conquista.

Lá estava: O quarto jazia na escuridão,plena escuridão,as cortinas que se moviam devido a brisa,a varanda aberta,as cobertas e lenções da cama remexidos,era como um
vendával passando no quarto.Os sons ficaram mais agudos.Tadinha da Lucy,lamentei profundamente,ela sofria nos braços dele,era como se ela não estivesse pronta para
suportar toda potencialidade jovial de Aziel.

Ele a mantinha sentada,encostada sobre a base da mesinha encostada na parede do quarto,ela que movia seu rosto sobre seus ombros,ele a enlaçava com seus braços,a
face corada dela se moveu para cima-Me faz passar mau,muito mau-Ele nada respondia,falava,se deixava levar,deixava tudo fluir,um titãn que agia ao tomar uma pérola
de alta fragilidade em seus braços.

Ele teve que se precaver movendo as pernas sobre a altura da cintura de Aziel,suados,despidos,melhor apoior com os braços curvados para trás sobre os ombros de Aziel.
Gritos letais,mas contidos,os ceios macios e perfeitos de Lucy amassados devido a força do encontro com Aziel.Ela mordeu forte seus lábios,o puxou mais para si,ele soube
lhe corresponder com o silêncio nesse momento.

A entrada rispida do pau duro de Aziel dentro dela-Maldito,queria estar dormindo,dormindo-Jamais,pensei friamente-Não mesmo,teria ido atrás de qualquer forma-Aziel a
respondeu entre os gemidos tensos-Me afastei,ofeguei-Acho que eu estou encrencada-Brami,me direcionei a escada.Iria descer e depois de tudo isso,tentar saber o que eu
deveria preparar para nossa continuidade.Trevoroso novamente para minha existência.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Seg 13 Set - 13:27:11

Apartir daquele instante tudo se tornou tão claro! Minha pessoa forá pega de surpresa pelo Aziel,feita refém por alguns momentos e do nada tudo aquilo revelado perante
a minha pessoa.Acredite,ás vezes a gente precisa passar por uma experiência dessas para ser mais unido,quebrar dogmas perante uma sociedade marchista:Eu ter inveja
de Lucy? Por que,se ela estava nós propíciando momentos tão felizes!

-Acho que o melhor a fazer e retornar,continuar-Brami ao chegar na sala.Lá eu não podia dormir,jamais,não no quarto! Por que entrar pedindo socorro?Seria ingratidão pa-
ra minha pessoa,resumidamente isso,apesar de tudo eu me mantinha firme no que deveria reaver.Tudo que fiz foi deitar-me sonolenta.Pena que Redenção não se atrevia
a me reencontrar-Acho que nunca mais ele terá coragem de olhar em minha face-Brami abrindo os olhos por alguns momentos.

Mas admito que não percebi quando peguei no sono,quando minha pessoa se envolveu em toda uma forma de descanço.Será que a pretenção de Redenção era desferir a
verdade aos meus olhos? Por qual motivo? Pensei friamente envolta nessses delírios delíciosos.Tenuamente minha pessoa não pressentiu tudo o que háveria de acontecer.
Fogo,mar,trevas,céus escuros,tudo isso se passando em minha mente.

Imagens turvas.Sequer hávia percebido quando o tempo se tornou alvo de meu renascimento.Houvi vozes logo apôs esses acontecimentos mentais.'Está na hora,acho,eu
tenho certeza de que papai está agindo mau'.Ah! Complicado,eu sei,apesar de tudo minha pessoa se deixou envolver por tais sensações.Acho que não houvi completamen-
te essa frase,mas garanto que eu lembro perfeitamente nesse momento,Sara.

Delicadamente abri os olhos,lá estava:O sol entrando pelas densas janelas é persianas da casa! O que me espantou,afinal,não tinha tido a honra de acordar em um momen-
to como esse na sala.Sentei a beira do sofá.Apartir daquele momento tudo que eu poderia fazer era ir rapidamente ao quarto.Quando lá abri a porta,me deparei com Aziel
pensando sozinho,ele sentado a beira da cama,nú,acendia um dos cigarros,tinha acabado de acordar.

-Cadê Lucy?-Brami,ele puxou a borda da linda coberta a sua frente-Ah,Lilith! Dormindo em seu quarto,o quarto de hospedes,ela não aguentou ficar-Ofeguei sentando ao seu
lado,ele me olhou em resposta-Maldito,por quê a trata como brinquedo,Aziel?-Ele me fitou,deixou o esqueiro prateado sobre a cama-Não a trato como brinquedo,jamais,eu a
contra-gosto,ao saber que ela e seca para mim,disponho sempre que quiser-Como o odiei por isso!

-Aziel não pensei que pensasse por esse lado-Ele nunca me parecerá tão cruel,digamos assim,delicadamente ele levantou,manteve o cigarro na boca-Vou sair,não suporto fi-
car o dia todo aqui,não estou disposto a ficar houvindo suas reclamações-Como? Ah,céus,ofeguei em lamento,não era isso que queria dizer,apesar de tudo lá estava Aziel a
procura de roupas ao abrir ás portas do quarda-roupas-Maldito és,preciso descer,preciso falar com a doce Lucy,imagino o que ela deva estar sentindo apôs a ter mandado em-
bora-Ele moveu o rosto em negativo,delicadamente jogou ás roupas sobre a cama.

-Olha,tenho que concluir aquela última parte da pesquisa,tudo bem? Sobre Lucy! Você não entende Lilith,e diferente,diferente por quê me sinto angustiado em saber que ela
e tão frágil,não têm a mesma força que você,apesar de tudo,apesar de tudo eu a amo de verdade-Lamentável! Mesmo assim andei a frente,o encarei,tão lindo depois desse
acordar trevoroso-Ah,infernos,dormi sem você,ontêm,eu não a dispensei,sabia que tu não subiria,que precisaria de seu calor,supri isso com ela,mas ela não aguentou,desceu,
está revoltada-Miserável,pensei olhando profundamente em seus olhos.

-Aziel vai embora,se arruma,some da minha frente,por favor! Ah,céus,coitada da Lucy!-Gritei nervosa,ele compreendeu,eu não suportária mesmo ficar com ele o dia todo,eu
a me irritar com suas LAMENTAÇÕES-Acolha a Lucy,por favor,Lilith eu tenho planos para ela,não agora,mas ao decorrer do tempo,verá-Ele se arrumou em quinze munutos,
o maldito hávia escolhido uma bela calça jeans justa de cor negra,ageitou a bota curta negra,a camiseta vermelha em tom escuro macia ao ser de algodão.

Eu o ajudei a ageitar o lenço no pescoço,ele me fitou-Some daqui Aziem ou eu o mato-Ele me olhou de olhar cerrado,delicadamente sua pessoa se direcionou a porta,seus
cabelos aos ombros soltos,o brilho dos fios ruivos se destacando ao sol.Ageitou os óculos escuros,os colocou-Tchau,preciso ir,me expulsa de casa.Ah,amorsinho,como pode?-
O encarava-Vai embora-Brami,graças que ele sumirá.

Me sentei a beira da cama por alguns momentos,vi o cigarro de Aziel no cinceiro,o apaguei rapidamente-Ela deve estar dormindo-Disse sosinha,delicadamente deixei os
meus dedos passearem pelos meus cabelos,ofeguei.Com o passar de alguns minutos tomei a iniciativa de ir até o quarto dela.Quando entrei nos fundos do jardim,eu en-
carei a porta por alguns momentos.Ela dormia,a janela aberta.

Abri a porta delicadamente,lá estava ela sentada na poltrona,pensava,ela fazia algo em espécial-O que está fazendo?-Ela me olhou,deixou o riso transparecer-Mantas pa-
ra Samantha,ela precisa,as mantas que têm são finas demais-Eu sorri em resposta,ela tinha arrumado a cama:Forrada com lençóis azuis,ás fronhas dos travesseiros eram
brancas,sentei ao puxar a cadeira da mesinha,ela fazia tricor,movia a linha com os dois frossos alfinetes de metal brilhoso-Nossa,me faz feliz-Ela mantinha a concentração.

-Não pude suportar,tive que descer,o deixei sozinho no quarto-Bramiu-Não coloque isso em sua cabeça,por favor-Pedi docemente-O que mais me irrita e te garanto,ainda
não estava preparada,entende? Lilith eu não queria amá-lo,muitos menos...-Ela parou,fez mais alguns pontos na linda manta que tomava forma ao ela fazer tricor,a cor ne-
gra da linha perfeita,linda em todos os sentidos.

-Continue querida,por favor,eu sei que ele ele fou marsoquista,além do mais,a dispensou-Ela riu-Não,ele não me dispensou,eu quis descer-Compreendei-Sobre o que viu
ao estar no sotão,espero que não tenha se assustado-Ela ofegou,parou de fazer o tricor por alguns instantes-Não,eu já disse minha querida Lilith,o que você e Aziel querem
quardar para si,eu respeito,por demais,se não deseja falar,se não deseja sequer comentar,que seja-Eu sorri em resposta.

-Obrigada,tenho certeza que Samantha vai gostar da manta,será a primeira manta que ela usadá-Lucy emanou seu calor vital em seu sorrido,tinha escolhido uma linda ca-
misola ao acordar,a cor azul clarinha perfeita sobre a seda da camisola,toda renda na borda e decote sobre os ceios fartos-Acredite Lilith,sei o quanto esperou essa criança,o
quando queria tudo isso,eu entendo,entendo por quê estive ao seu lado pressenciando tudo isso-Ofegou lamentosa.

-E sempre estará,sobre aquele maldito,o adultero,por que e isso que ele é,quero que fique claro de uma vez por todas:Era para ser você,nem uma outra maldita mulher ao
existir por ai-Ela riu,apesar de lamentosa-Confia demais em mim para isso Lilith-Assenti olhando para o teto ao me direcionar á cama,tombei para trás deitando para cima,a
Lucy voltou a fazer o tricor.

-Ah,céus.que demais,demais querida,apesar de uma doce loucura-Ela sorriu-Não,que isso-Se passou mais algum tempo,enquanto isso Lucy continuou ao fazer o tricor,eu me
atrevi a tirar um bom cochilo para descançar.Delicadamente tudo foi continuo,o silêncio do dia me agradava.O que me despertou foi a voz de Lucy falando algo,senti quando
ela sentou-se a beira da cama,depois deitou-se ao meu lado.

Já era início de tarde,meu corpo sentia isso,vieram os afagos sobre meus cabelos de Lucy,mas os chutes! Garanto que se Samantha estivesse crecidinha teria dado alguns ta-
pas nela,mas não,rebelde,muito rebelde.Ela chutava,era como se seus chutes fossem a mensagem: Está apertado! Muito apertado! Quero sair,sair!.Mas não,eu ri com isso,eu
houvi Lucy continuar falando-Está acordada?Dormiu muito Lilith,já e início de tarde-Delicadamente me sentei encostada no espelho da cama.

-Entendo-Brami a olhando,ela riu com isso-Acho que Samantha a irrita em alguns momentos-Arqueei minha sobrancelha-Por demais,por demais,acredite,será pior que eu-O
olhar cético de Lucy foi iméato-Não procuro maternidade,procuro viver-Disse sorrindo,foi nesse momento que o que Aziel disse antes de sair me veio a mente.'Tenho planos
para Lucy'.Tirei isso de imediato da mente,mas apesar de tudo minha pessoa revogou a sensação.

Brami algumas palavras devido ao que eu sentia,delicadamente minha pessoa ofegou,Samantha tinha voltado a chutar,foi quando ficou óbvio que sua presença ficaria
marcante ao decorrer do tempo.Lucy levantou-se indo pegar algo,céus,ela tinha mesmo terminado a manta,ela a entregou a mim ao voltar a sentar-se a beira da cama.
Nossa,o detalhe do traçado perfeito,tão macia,pelpuda,deliciosa de se tocar.

Era como se Samantha soubesse disso,o modo como ela se acalmou,parou de chutar me foi a resposta-Nossa,foi rápida,admito-Disse rindo,céus,acho que a vontade de
não chocar foi envão,apertei a manta entre meus dedos,sentindo cada detalhe-Sei que ela vai gostar Lucy-Ela riu em resposta,esperava ao tomar atitude para almoçar-
mos juntas-Aziel só tende a voltar tarde,vamos comer algo-A olhei.

Ah,eu chorei por vários minutos depois disso,acho que o modo como o fiz foi inevitável,adorável! Ela não entendeu,mas ao enjugar meus olhos com lenço macio,soube
o motivo-Não teria irmã é amiga melhor que você,obrigada por tudo-Isso a deixou sem graça,sem o que responder-Tenha calma querida,tenha calma,vamos preparar o
almoço,um almoço delícioso,tomaremos sorvete de sobremessa com frutas geladas,cristalizadas-Sorri,pensei,tive a certeza que presença melhor não teria nunca em mi-
nha existência-Obrigada por tudo,tudo bem,vamos almoçar,acho que depois vou andar pelos jardins da Cidade,virá comigo?-Ela me olhou-Claro que iria-Bramiu,foi como
se o tempo parasse,plena continuidade!
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Seg 13 Set - 14:30:50

Ah! Nem sempre reconquistamos uma forma de entendermos as coisas.Bem! Eu tinha saído com Lucy,sim,ao decorrer da tarde logo apôs o almoço.Delicadamente eu
tive a certeza de que devíamos voltar.Eram 19:20 da noite quando entramos pelo portão,a terrível presença de Aziel pairava pelo lugar,por todo jardim e casa.Meus
instintos foram de arrepios.

Eu ajeitei a borda de minha longa manta jazendo atrás de mim,meu longo vestido de lã se atenuava bem as minhas curvas docemente arredondadas,Lucy pensava.A
sua pessoa encarou a entrada da casa-Nossa,demoramos-Brami,ás luzes pairavam sobre eu e ela,a cor cinza de meu vestido me era adorável,sem falar da cor branca
da minha manta pelpuda ponga me acolhendo do frio da noite.

Meus cabelos traçados(Lucy me ajudou a fazer esse processo antes de saírmos).O seu vestido verde perfeito,o verde de esmeralda se destacando sobre ela,sua sandá-
lia delicada e baixa aos pés-Está bem?-Disse me olhando de lado por alguns momentos-Mas e claro que,sim,eu estava precisando de uma densa caminhada querida,eu
admito que era tudo que eu poderia desejar-Ela sorriu perante isso-Entendo-Respondeu.

Aziel apareceu na varanda,nós fitou-Não vão entrar?-Disse arqueando a sobrancelha,cerrei meu olhar e tirando uma das sandálias dos pés joguei contra ele-Maldito,cala
sua boca-Brami raivosa,ele que tinha se desviado voltou sua atenção a mim-Ah,depois dessa preciso ter um tempinho a sóis com você-Delicadamente ele desceu,quan-
do sua pessoa pegou em minhas mãos disse a Lucy-Querida me permite roubar Lilith por algum tempo? Passou o dia todo com ela,eu mereço-Ela riu.

-Ah,tudo bem! Admito que eu preciso fazer algumas coisinhas em meu quarto-Ele riu,a olhei de lado corada-Siga-me-Disse ele,o fiz,Lucy tomou o caminho do quarto nes-
se impasse.Ao entrarmos ele fechou a porta docemente-Venha comigo querida-Fomos para o salão,pelo visto ele tinha preparado coisas para eu e ele pessoalmente,isso
me deixou curiosa,cheia de pressentimento,viu?

Olhei a mesa de centro do salão delicadamente,ele tinha desfeiro seu tabuleiro é cartas de tarot,oganizado tudo isso,incensário com incenso queimando.Como será que o
maldito tinha conseguido uma proesa dessas? Eu sentei-me ao chão a frente da mesa mesa de centro tão baixa.Encarei Aziel que não desgrudou o olhar de mim-Quer sa-
ber o que e as cartas de tarot-Ofeguei.

-Querido acho que nem eu ou Samantha estamos com paciência nesse momento,queria muito estar com você essa noite,algo unicamente meu,mas está complicado lhe
convencer do contrário-Ele riu com a maior doçura possível-Esqueça Lilith,jamais tocaria em você se tratando se seu estado-Ofeguei,ele deslizou os dedos pelo meu rosto.
-Vamos,tire algumas cartas-O olhei arqueando a sobrancelha.

-Tudo bem,já que insiste-Ele uniu todo baralho,delicadamente sua pessoa o colocou para baixo,o separou em três partes sobre o tabuleiro,com isso pediu para tirar três
cartas-Tira-Pediu,deslizei os dedos sobre um dos blocos,lá estava-A torre-Bramiu ele,seus pensamentos atenuados,como se tudo isso se tornasse um doce holocausto,a
continuidade de tudo se tornou sublime,acredite,esperado como malva de tempos!

Todo esse jogo transcorreu como ele planejava,unisono,e céus! Mas tão adorável! Não sabia que ele tinha treinado tanto ao decorre daquele momento.Apesar de tudo
a minha pessoa lutava para compreender.Tudo acontecia,não consigo descrever como ele tirava carta apôs carta,como ele fazia transmutar toda uma forma para que a
sua dualidade fosse tocável.

Desse modo tudo aconteceu,se transmutou! Ao final de tudo várias cartas estavam espalhadas sobre a mesa,tinha sido bom! Ótimo houvir algumas palavras dele a res-
peito das cartas.Admito que alguns aspectros saíram negativos,outros posivos,mas não quis quardar rancor.Eu levantei indo em direção a escada,olhei para trás,fui ousa-
da e pensei rápido o bastante para deixar a manta cair para trás.

Quis judiar um pouco dele,o olhava para trás parada no vão da escada,ele sentado sobre o tapete do salão-Não seja cruel comigo-Brami piscando o olho esquerdo,isso
o deixou raivoso,mas temeroso,delicadamente comecei a subir,delicadamente sua pessoa me seguiu.Seus passos ecoando pela escada.Como convencer a um maldito
como ele a ficar comigo,nem que fosse por alguns momentos!?

Eu me sentia desesperada! Admito que tive medo de perder parte dele,do que ele sentia por mim! Entramos no quarto logo apôs passarmos pela salinha.Aziel fechou a
porta logo apôs entrarmos,o olhei,ele segurava meu manto,sentei a beira da cama o pegando quando ele me entregou,acho que ele sentiu minha impulsividade,todo o
meu medo,posteriomente minha pessoa preferiu manter-se silenciada a respeito de tudo isso.

Gradualmente minha pessoa preferiu se manter silenciada,encarava o manto,só quando ele esticou a mão em minha direção me atrevi a levantar-me.Gesticulei deixando
as mãos lhe tocarem os ombros-Está dificil-Brami,meu rosto se encostou sobre o dele,seu abraço foi imediato-Só mais um pouco,mais um pouco,e tudo que tem que fazer.
Lilith eu te adoro,me doi saber que tem medo-Eu ri maldosamente-Que bom que sabe-Ele beijou minha testa,os dedos pousados sobre meus ombros.

-Mas garanto que não vou sair daqui-Ofeguei,foi inesperado quando ele deslizou as mãos por mim,me pegou nos braços e me deixou deitar na cama-Toma cuidado,juro
que aquelas cartas são malditas-O olhei docemente-Não querido,jamais-Ele me olhava,deixou-se deitar ao meu lado,eu me esquivei sobre ele,um de meus braços curva-
dos de lado sobre ele,minha mão tocou seu rosto-Obrigada-Lhe disse.

-Não há de que-Ele respondeu sorrindo.Eu precisava disso,imensamente! Aos poucos me senti cheia de paz,tranquilidade pela presença dele,tanto que ao decorrer do tem-
po a irritação com Samantha não estava mais presente.Apaguei junto a ele,céus,como eu precisava disso,tanto disso! Seus afagos,carinhos sobre meus cabelos que ele há-
via destrançado.

'Não poderia ser mais feliz do que já estou'.Esse pensamento foi imediato enquanto eu cochilava,pensamento dele.Mas o algo,o algo.Meu coração começou a bater forte.
O motivo eu ainda não sabia,estava para descobrir.Aos poucos a consciência dele estava junto a minha-Lilith,Lilith-Ele chamava meu nome,a escuridão pairava pelo quar-
to,Aziel em meu doce cochilo tinha apagado e voltado junto de mim.

-Redenção?-Era ele,eu tinha certeza,plena certeza de que ele tinha voltado desesperado.Me mantive sentada de lado sobre a cama,meus densos cabelos lisos é loiros e-
marranhados devido aos carinhos de Aziel,pensei,pensei-Aonde está querido?-Não demorou para eu ver sua sobra,delicadamente levantei-me,segui a sombra até a varan-
da,o vi presente e pleno de pé-Desculpe-Disse bramindo.

-Ah,céus,está presente,novamente presente-Ele ofegou,suas asas fechadas,o ser alto,pleno,só que tão triste! Não entendi,não entendi! Mas ele recuperou seu controle e
antes de mais nada ele disse-Sobre o que mandou pedir,sobre aqueles dois malditos,tinha me esquecido,mas és o que falo: Querida eles trama,sabe disso,tenha cuidado,
peço que tome cuidado.Lilith depois de tudo,de tudo! Meu amor eu juro,juto pela minha existência que vou cuidar de você-Me mantive silenciosa.

Fui me sentar á mesa-Eles não me esquecem,queria tanto que me esquecessem-Brami,vi a cadeira se arrastar delicadamente,com isso delicadamente minha pessoa dei-
xou os olhos passearem por ele-Eu sei que,sim.Lilith tenho medo de cometer todos aqueles erros-O encarava-Não vai,tenha certeza que não-Acho que esse cemblante de
discordia se rompeu entre eu e ele.

-Ah,Redenção,és maldito exatamente como esperava.Admito,não teria pessoa melhor do que você para ser o que é-Ele ofegou,com isso começou toda uma série de jus-
tificativas a respeito de tudo o que tinha acontecia.Ele explicou os detalhes do que acontecia entre os seres bestiais.'Eles tramam,o pior,eu tenho medo que consigam o
que querem.Lilith! Eles querem matar,destruir a qualquer imortal,o que eles chamam de a outra raça-Compreendi.

-Tem haver com a família de Aziel?-Ele ofegou triste-Sim,mas com todos,todos Lilith,céus,e uma guerra,uma guerra,já não comentam mais de Aziel,já não o procuram,
falo do pai,a mãe dele,de todos próximos a eles,mas a caça continua-Ofeguei.A conversa voltou a transcorrer.Com o tempo Aziel apareceu em meio a escuridão rompi-
da pelo luar.Sentou-se ao meu lado.Aziel trocou algumas palavras com Redenção.

Tudo isso em meio ao silêncio,quietude da noite.Lucy dormia e esses segredos só unicamente nossos.Compreendemos,Redenção explicava tudo,tudo.Aziel surpreendido
com o esquecido dele,mas pelo visto os seres bestiais queriam sim a alguém espécial-Seu pai,ele,destruí-lo,matá-lo,você conseguiu provar naquela noite que consegue
ameaçar,descontam tudo isso em seu pai-Aziel pasmo,eu? PASSADA! Continuamos,informações necessárias,sem mais justificativas.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Ter 14 Set - 12:31:16

Sinuosamente tudo se tornou imediato,os sussurros emanando pelo quarto,a quietude da noite me era esperava.Apesar de tudo Aziel teve a capazidade de manter todo
seu controle-Pensei que papai seria mais sensato,mas que loucura ele quis aprontar dessa vez?-Bramiu deslizando os dedos da mão pelos seus cabelos,rapidamente isso o
levou a gesticular na direção de Redenção.

O frescor da noite nós ajudava a pensar melhor.Delicadamente minha pessoa manteve toda ordem de pensamento,com issso Redenção pode responder delicadamente
ao que Aziel queria houvir-Não por isso Aziel,digo-vós que e como se ao saberem de suas capazidades,todos se voltarem contra ele,mas eu lhe garanto que seu pai es-
tar sabendo de defender muito bem,mais forte,digo dessa forma-Isso fez Aziel se silenciar.

-Ele e louco,imensamente louco.Sempre foi,não deixaria de ser nesse momento Redenção,o que mais tens a me dizer? Acho que foi um erro,um erro,não pretenciar fazer
com a situação piorasse,não para mamãe-Isso fez Redenção pensar nas palavras que iria dizer,eu atenta a cada detalhe das palavras,detalhes da conversa,a vinda dele a
meu ver tinha sido necessária,sem dúvida.

Era como se ao saber disso Aziel se mantivesse atento as palavras-Minha ida foi pavorosa,temi que me encontrassem,foi trabalhoso,mas esses detalhes fez com que os
esforços valessem a pena-Redenção suspirou,foi nesse momento que eu tomei o tom da palavra-Mais alguma coisa querido?-Redenção me olhou de volta,foi como se os
seus pensamentos ganhassem vida perante meus olhos que passeavam por ele.

-Não Lilith,mas devem aproveitar essa change para que entendam que apartir de agora toda a situação é mais delicada,esteja preparada para maiores ofenças e tenta-
tivas ácidas de Fera,mais do que nunca ela vai continuar tentando-Compreendi,Aziel esticou as mãos a frente da base da mesa,ficou pensativo,Redenção aproveitou o
momento para se retirar,respirar,retomar suas energias.

Quando sozinhos soube do que se passava no coração de Aziel-Temo por minha mãe,papai não pode estar sendo tão irresponsável,assim,Lilith-Bramiu,nunca vi tristeza
em seus olhos,mas nesse momento me doeu á alma devido a situação-Fique calmo meu querido,fique calmo,olha,se quiser ir ao encontro dela,não vou impedir,e direito
seu querido,afinal,e sua mãe,quem sabe a situação para ela melhore ao passar alguns dias com você-Ele assentiu mantendo a ordem de seus pensamentos.

-Não agora,não agora Lilith,não seria oportuno,prefiro fazê-lo quando tiver a plena certeza de que papai não estará na Cidade de Athena,quando ele tiver que passar
uma temporada fora,acredite,seria prisioneiro dele-Arqueei minha sobrancelha delicadamente,isso o fez rir secamente devido a situação-Ah,imagine,joguei fora toda a
change de evitar tudo isso,Hyarian foi um descarado,admito,ele sabia que seria o melhor para todos,para mim-Ofeguei,levantei-me em passos lentos.

-Mas preferiu manter sua humanidade,acha que se tivesse aceitado o que chama de sangue,ainda seria você? O que você seria Aziel? Sente culpa?-Ele riu secamente.
Eu o abraçava por trás,ele estendeu uma das mãos sobre meu braço-Seria um suicida,acredite,teria me matado Lilith,deixado de conhecer tudo isso,não existiria-Enten-
di,foi quando ele levantou-se me encarando de frente.

-Aziel teve seus motivos,propôsitos,não se culpe,por favor.A verá no momento certo,acredite,ela estará aqui quando Samantha nascer,acho que tudo terá um fim,eu
sei que será da melhor forma possível-Ele riu secamente,deixou suas macias é delicadas mãos deslizarem pelo meu rosto-Meu amor espero que seja como você ver,a-
cha que deva ser.Não teria suportado ou passado pela provação de atravessar tempos e eras,entende?-O beijei delicadamente.

-E sua natureza,tudo que precisamos e descançar-Tomamos a decisão de irmos para o salão,passaríamos o resto da noite lá.Ah,céus,eu não descrevo a sensação que
me tomou.Admito,ele estava disposto,ao entrarmos no fim da noite envoltos nessa situação eu soube que sem dúvida provações imensas viríam.Contudo ele estava
disposto,tinha decidido tudo antes de ir para minha casa naquela época,loucura,eu sei,mas nós encontravámos nessa situação.

Mas deixá-me pausar,refletir Sara! Algo de importante foi descoberto na noite seguinte.Acredite,algo que me deixou tomada de respaldo e medo por algumas coisas.A
afinidade das coisas é imensa,eu sei,apesar de tudo,a gente sobrevive,correto?Garanto que tudo isso teria uma forma de continuidade.Eram 21:15 da noite,Aziel tinha
ficado no salão,mas lhe digo antes de tudo que apesar dele sofrer,odiar,perante minha imposição e Lucy,e claro que ele continuava com o tratamento,recuperado,mas
a demonstração do cansaço veio nessa noite,logo a seguir.

Ah,tinha sido maravilhoso eu ter preparado chá para mim,eu acabará de desligar ás luzes da cozinha.Passei pelo corredor,minhas longas vestes de movendo ao meu
andar.A túnica rosa em tom escuro me foi agradável,o tecido de linho delicado ao corpo,calçava pantufas macias,sentei na poltrona,tinha chovido nessa noite,conse-
guentemente o frio fierá com força depois de tantos dias frescos como primavera.

Bebei alguns goles do chá,a sala estava iluminada pelas delicadas lamparinas,era como doçura,a linda Lucy em seu quarto descansando depois de um dia inteiro de an-
dança pela Cidade de Paris.Silêncio,as chamas da lareira queimando,brilhosas conforme minha apreciação.Tenhamos apreciação de detalhes,nem sempre podemos pre-
ver o que nós espera,e eu não estava preparada para o momento.

Quando eu terminei de beber mais alguns goles do chá,pousei a xícara na mesa de centro da sala.Deixei meu olhar se mover encarando o teto,docemente minha pesso-
a pensou-Não vai demorar,eu sei que não vai-Brami pensativa,docemente minha pessoa se envolveu nós doces pensamentos,Samantha estava bem,mais calma ao con-
trário de outros dias.Quieta,e isso me agradava.

Só quando houvi sons de passos vindo da escada,me deparei com Aziel parado-Querido já terminou o que tinha que fazer?-Ele não respondeu,percebi quando ele pis-
cou com força,teve que se segurar no corrimão se apoiando,me apressei indo em sua direção-Ainda não esta totalmente recuperado,mas os efeitos do tratamento se
atenua-Ele riu amargamente.Estiquei as mãos o ajudando a vir para o centor da sala.

-Não se preocupe,só vim beber alguns goles de água-Eu ri docemente,suas bochechas estavam coradas,um pouco febriu,deixei os dedos deslizarem pela sua garganta.
-Vai passar,eu sei-Aziel desde a outra noite andava pertubado,já bastava o que Redenção lhe tinha dito,e agora isso? A recaída?Era como se todo seu tormento fosse
ao alge perante sua doce loucura.

Apesar de tudo eu tentei estar preparada-Sente-se,e o melhor que tens para fazer Aziel-Ele aceitou,sentou no sofá ageitando a borda da túnica que usava,a cor branca
perfeitamente escolhida,puro algodão,os botões de camafeus como marca.O encarei ao sentar-me na poltrona-Tudo bem! Eu terminei o que tinha que fazer,garanto que
todos os meus textos facultativos foram arquivados e mandados para a faculdade em Athena,imagino o que devem estar pensando-Eu ri docemente.

-Oh,que és um corajoso de apesar de longe manter suas notas e médias,de que não esqueceu nada nó que diz respeito a seus compromissos-Ele riu secamente,sentia
a febre queimar,corado,cansado,o desgaste não deixava de ser percebido-Pensou sobre sua mãe meu querido?-Ele ofegou,se encostou na base do sofá,não desgruda-
va o olhar dele-Não Lilith,ainda não decidi o que farei-Bramiu em sussurros.

Temia acordar até Lucy que descansaçava no seu quarto aos fundos do lindo jardim-Tenha calma,quando souber,estarei apta a houvir-Ele riu,mesmo ofegante soube
como retribuir as lindas palavras.Não esperava que ele se sentisse tão desgastado,cansado,sem energias,era como se grande parte de sua força que eu hávia conheci-
do tivess diso sugada.

-Acho que um chá lhe fará bem Aziel,por favor,espere aqui,eu vou colocar uma xícara-Ele não falou nada,levantei-me indo em direção a cozinha,acendi ás luzes ao en-
trar,todo silêncio que pairava pela sala era assustador.Eu sentia caláfrios,e garanto,de certo modo a casa era e ainda é sinistra.Peguei o bulé em cima do balcão,quando
peguei a xícara a pousei sobre a mesa.

Tudo tão silêncioso que não captei a intenção dele,o que ele faria a saguir.Sequer cheguei a houvir seus passos.Eu estava prestes a encher a xícara com chá,cheguei a
deixar a xícará entornar com o chá devido ao medo de seu sussurros atrás de mim-Não e isso que preciso no momento,por quê nunca entende Lilith? Ah,querida,pensei
que seria sábia o bastante para compreender-Ele segurou meu pulso.

-O que e isso!? Está louco!?-Me irritei,odiava saber que ele reconsiderava minha intenção de ajudar.Ele me abraçou por trás,empurrei o bulé cheio de chá a frente da
mesa-Venha comigo amorsinho,e de seu alimento que preciso essa noite-Que ódio! Eu me virei batendo bele,ele me segurava,minhas mãos batendo envão,ele teve
a audácia de me segurar pelos braços,me ergueu me segurando.

-Me solta Aziel!-Brami raivosa,ele ria enquanto saia da cozinha comigo em seus braços.Quando na sala me deixou pousar de pé-Amorsinho;não existirá coisa melhor a
ser vista por mim em minha vida-O fitava,ele segurava minhas mãos,se ajoelhou a minha frente-Pode me alimentar,eu sei que sim-Que loucura! Loucura! Ofeguei ao
sentir as lágrimas virem ao meu rosto,ele implorava não só com o olhar,mas com os soluços-Loucura-O respondi,o holocausto se formava entre eu e ele,delicadamente
sabia que uma terrível atitude ele tomaria para comigo.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Ter 14 Set - 13:42:55

Sinuosamente tudo se tornou importante.Gradualmente minha pessoa se deixou pensar.Ele me fitava.Quando ele me forçou a sentar-se no chão,sobre o tapete sedodo
da sala,me encarou com maior profundidade-Não me peça isso,por favor,e terrível,terrível-Brami assustada,as chamas da lareira estalavam,o som me deixou mais ner-
vosa do que o nomal-Por favor-Sussurrou choroso.

Se suma tinha que admitir que tudo isso para mim era relevante,adorável,gradualmente minha pessoa se deixou tomar pelo silêncio,ele se curvou a frente chorando,eu
sem querer o envolvi com meus braços-Aziel és louco! Para com isso-Brami raivosa,sinuosamente ele se manteve de encontro a mim,ele conseguia me apricionar,tinha
medo do que aconteceria comigo,sentirá na pele o que ele fez comigo anteriomente,e agora isso?

Não sabia,não compreendia,não aceitava,porém,quando seu rosto sedoso deslizou pelos meus ceios,ofeguei-Maldito-Disse repetidamente enquanto o acolhia,ele sentia
tanto medo que tremia nesse momento,ele,sim,entendia da vital importância que esse ato tinha para ele,mas e eu?Não sabia e nem desejava entender,deitados ao chão
da sala sobre o tapete,Aziel me impulsinava a ajudá-lo,mesmo contra minha vontade.

Ofeguei,mas me rendi quando ele começou a deslizar seus delicados dedos a frente dos meus ceios,ele tentava desatar o laço branco para poder desabotoar todos os bo-
tões enquanto me beijava-Nunca lhe faria mau meu amor,nunca,deixa-Pedia implorando,céus,era como se sua existência e fim de recuperação dependesse disso-Ainda se-
quer tens noção do guão vital o leite-Maldito,o empurrei com força,mas com mais força ele se grudava a mim.

-Me solta-Ofeguei em palavras,nada,nada,ele impunha sua força contra mim,apesar de tudo,garanto que foi uma briga alheia entre eu e ele ao chão da sala,mas quando
não pude mais resistir,ele soube que era o momento do ataque,simplesmente me manteve deitava ao chão,me segurou com força pelos ombros,ofeguei devido as sensa-
ções provocadas.

Tudo que senti foi a pequena tontura me tomar.Nada mais podia falar,ele sequer argumentar.A presença de Redenção pairava pelo lugar,o que me deixou irritada,Aziel a
contra gosto deslizava seu rosto entre meus ceios,beijava meus ombros,meu rosto,me acariciava os cabelos.'Toma cuidado,mas admito,esse garoto e corajoso em enfretá-
la assim'.Ofeguei,olhava de lado,para o nada.

Foi quando Aziel me virou de lado se grudando mais a mim,o ofegar de cansaço foi imediato,fechei meus olhos de imediato,cheguei a houvir meus gemidos,por ele ter a-
brido toda minha túnica ele podia me abraçar com força,vontade ao ter seus braços envoltos na altura de minha cintura.Ele deixou a boca de grudar a um de meus ceios,o
caláfrio foi expontâneo,seco,doloroso.

-Maldito-Brami deixando minha boca se abrir delicadamente devido as sensações,ele mamava,não tinha piedade,mamava,mamada sugando devagar cada gota de leite
vindo de mim.Maldito,maldito,maldito;essas eram as palavras que eu tinha para descrever sua atitude-Samantha não terá alimento,és maldito-Ele não houvia,tinha seus
cálidos olhos fechados,senti uma de suas mãos deslizarem,me afagar os cabelos.

'Delícioso'.Foi sua resposta por pensamento,ele não conseguia falar,mas podia muito bem me responder com essas malditas intenções,ele ficou assim por algum tempo,eu
quase consegui fugir,mas ele impunha sua pequena coragem,conseguiu ir para o outro ceio deslizando o rosto rapidamente,voltando a fechar os olhos,era drástico,tinha me-
do de minha filhinha.'Sem alimento,alimento!'.Gritei por pensamento.

'Não vai amorsinho'.A mamada era drástica para mim,mas para ele importante.'Entenda,mais viscoso,forte,proteico,energetico,vital,e isso que uma feiticeira ou bruxa
tem a dar,tiraria de você'.Trevoroso! Só posso descrever dessa maneira,Sara! Aziel entrava em tamanho transe que aos poucos ele cochilou junto a mim,fiquei devagan-
do ao olhar para as chamas da lareira.

Aziel sonolento continuando a mamar.'Céus,estou dolorida,me sinto destruída'.Eu compreendia,começava a compreender,aos poucos ao decorrer de mais alguns minutos
pude sentir que a febre dele abaixou,o calor corporal voltava a temperatura normal-Céus,você é maldito-Sussurrei,tive a audácia de lhe acariciar o rosto,ele não deixou-se
desgrudar de mim,sua boca atenuada ao meu ceio.

O calor que me contaminava era inquebrável,sem dúvida.Ele não estava mais consciênte,mas eu sabia que tinha bebido o bastante para reaver o que chamava de força.
Mas que tipo de conhecimento de pode obter diante de um momento desses? Saiba que é o conhecimento de que toda uma redenção pode ser possível,não considerei isso
um ultraje,de início,sim,mas ao me deparar nesse momento,soube que não seria assim.

-Não sabia,mas agora entendo-Brami lhe beijando o rosto,ele continuava sonolento,grudado a mim,bebendo devagar,dor não senti,mas preenchida de pequena felizidade.
Os caláfrios começaram a cessas,sinal,de que o calor vindo de mim cessava.Delicamente o tempo passava,voltei a me perder no crespitar das chamas da lareira,o frio da
noite causado pela chuva não era mais sentido a essa altura.

Eu me deparei envolta em sono,mas me mantive desperta para que nada de errado acontecesse,nada de errado acontecer.Temi com toda alma e coração que Aziel
perdesse sua vitalidade,nada mais pior do que isso,poderia ser drástico para ele.Doce tempo,apreciação de momentos.Tudo que sei e que fui fisgada por sono,redenção
ao deixar Aziel continuar a mamar,a beber cada gota.

Não considere isso um ato insano,mas vital,acho que adorável.Não e coisa para qualquer um,não e qualquer um que faça isso Sara,que tenha a change e o conhecimento
necessário para se render e compreender uma situação dessas.Eu me deparei rindo por alguns momentos,doces apreciações.O perfume dele se grudava a mim,realmente
a compreenção vinha,era vital,inevitável querida Lucy.

O cemblante de uma doce redenção pode ser vista quando menos esperamos.Algumas gotas chegaram a escorrer de seus sedosos lábios.Passou-se alguns minutos,dessa
vez eu dormir,ardomeci grudada ao Aziel,todo silêncio da noite pairando pela sala,somente o crespitar das chamas era houvido de encontro a meus houvidos.Sons vieram
aos meus houvidos,sai do transe.

Abri os olhos,cheguei a houvir a voz dela-Lilith,Aziel! Acho que estou precisando de um...-A voz parou derrepende,me deparei encarando a sombra dos pés de Lucy,ela
tinha parado na varanda atrás da porta,pude vê-la pela brecha da porta semi-aberta.Os caláfrios me tomaram em trovões terríveis,sem dúvida que minha pessoa não es-
tava preparada para isso.

Ela encarava a mim e ao Aziel,ele ainda dormindo envolto em sua desejava mamada,foi como se o tempo parasse na troca de olhares entre eu e Lucy,Aziel tinha uma
de suas mãos pousadas sobre o ceio que mamava,seus dedos finos,delicados apertando delicadamente,apalpando,tudo instintivo conforme ele continuava.Lucy saiu em
pressa em direção a seu quarto-Coitada,lamento querida-Brami ao levantar-me.

Olhei para o Aziel,pude me afastar devagar,ele docemente dormia,seu rosto se moveu de lado-Querido acorda,temos um pequenino probleminha-O sacudia,temia que ele
ficasse chateado pelo impasse-Aziel acorda-Não demorou para ele abrir os olhos ainda delirante pelo sono,o cochilar.Seu cansaço e febre tinham melhorado,e muito! Isso me
assustou-O que foi?-Ele fechou e abriu os olhos por alguns momentos com força tentanto reaver a ordem de pensamento.

-Lucy,ela acaba de sair daqui-Ele se assustou,correu em direção a porta a fechando na chave,veio em minha direção,eu me mantive sentada,começava abotoar minha
túnica,colocava botão apôs botão em seus furos delicados,ele se sentia aflito-Me desculpe! Eu precisava,eu precisava-Não esperava por isso,ri secamente-Eu sei,eu sei,
e fico feliz por isso,mas admito que você acabou comigo-Ele ofegou.

De pé trocamos olhares-Ela viu,estava a procura de algo-Ele arqueou sua delicada sobrancelha,a lareira ainda estava acesa,ele segurou minhas mãos delicadamente,eu
voltei a trocar olhares com ele.Eu e que estava em uma situação complicada,ele não-Faça uso de sua liberdade,suma daqui,vai falar com ela,eu não tenho condição-Isso
ele lamentou,e muito.

Aziel abriu a porta,saiu chamando por Lucy-Lucy! Sei que está ai-Ela não respondeu.Tudo que fiz foi fechar a porta encostada sem ser na chave,me direcionei as escadas.
Me sentia destruída,era como se tudo que Aziel tirou de mim fosse sentido.Quando no quarto me sentei sobre a cama-Estou sem forças-Brami pensativa,Redenção foi vis-
to encostado na parede.

-Ah,sim,mas admito,ele está bem,bem-Arqueei minha sobrancelha-Calado-Tudo que tinha a fazer era esperar pelo Aziel,ele que precisava falar com Lucy,estava dificil
lhe darmos ela,falo no sentido de mante tudo coberto para não machucar o coração da doce Lucy-Ah,querida,você e frágil demais-Brami,deitei,de lado,os macios traves-
seiros me acolhiam.

Movi meus dedos delicamente sobre a frente de meus ceios,ofeguei tomando ar.Esperaria Aziel subir,até lá recuperaria minhas forças-Te prometo maldito: Tudo que tirou
de mim terá que ser devolvido-Eu ri perante minhas palavras,ousadia.A terrível quietude da noite era destruidora,sem dúvida! Apesar de tudo eu suportava,teria que ser
assim,e mais do que nunca,me encontrava anciosa para a vinda de Samantha,nunca o tempo me pareceu tão longo,doloroso.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Qua 15 Set - 11:28:20

Acho que nada mais poderia esperar depois de toda essa situação.Alias! Admito que além de tudo isso,eu começava a me adaptar a esse novo modo de vida.Sonhei toda
noite com essa situação: Perpetuação de sangue,consagração,conhecimentos! Compreende esse novo modo de adquirirmos novos conceitos? Após e isso mesmo que estou
dizendo Sara.Não podia ser de outro modo.

Se tivesse sido diferente,sem dúvida que minha pessoa não ser a LILITH,entende? Seria outra pessoa! Sem dúvida não se trataria de mim.Redenção,Isabel,Aziel,até mes-
mo a minha amada Lucy entenderia por esse lado! Afinal de contas entendi,passei a entender,sabia que eu acordiria com essa nova consciência.Nem sempre o entendimento
e completo ao decorrer de tudo isso.

Continuemos: O calor que batia em meu rosto era maravilhoso,estou tendo a honra de especificar esses dias em espécial por que foi quando coisas novas começaram a ser
formar. O frescor da manhã era maravilhoso,esperado como malva de entendimento,sublíme vitória,viu? A presença de Redenção pairava por todo lugar,eu sentia,isso me
deixou feliz,por quê quando ele está presente,e como proteção.

-Ah,malditos,aonde será que eles estão?-Aziel tinha dormido com Lucy,sem dúvida,acho que tantas explicações lhe custou tempo.Eu ainda estava para descobrir o que ele ti-
nha dito para ela,para saber o que Aziel explicará para ela.Não demorei para tomar banho ao decorrer de meu despertar,quando me arrumei foi como se estivesse voando de-
vido ao frescor esperado.

Hávia escolhido vestido de algodão,a cor violeta perfeita para o momento,escovei meus cabelos e logo,logo,sabia que estaria preparada para descer e matar a fome devido
as horas de sono.Só sai quando terminei de arrumar a cama,quando deixei tudo organizado.Quando na sala me deparei com Lucy sentada na poltrona silenciosa,perdida com
seus pensamentos.Não entendi de imediato o que se passava em sua mente.

Ela não me respondeu de imediato,ainda estava vestida com camisola de seda de cor cinza,o roupão da mesma cor e tecido lhe atenuando as curvas,ela pensava,friamente
a sua pessoa pensava.Fiquei curiosa para saber do que acontecia,mas não obtive resposta de imediato,o que me deixou preocupada,temia friamente que algo houvesse de er-
rado com Lucy,ela se sentia triste,tão triste!

Vi que usava o colar de pérolas dado por Aziel,a luz do sol lhe iluminava o rosto,eu sentada a lhe encarar,esperar alguma palavra de sua parte.Ela ofegou,olhou-me como se
algo de errado houvesse-Não entendo os motivos de ter escondido alguns segredos para mim,sou humana,mas não tola ou incapaz de compreender coisas que considera além
do patamar humano,como se nós,meros humanos,também não acreditássemos em outras coisas além de nossa existência-Parei,me senti gelada,entende? Imensamente gelada.

Eu soube naquele instante que Aziel falará tudo para ela,algumas coisas,grande parte,o que a levou a compreender muitas coisas,me silenciei por alguns momentos,tentava
a mercé do nada me manter quieta,mas ela voltou a falar-Vamos Lilith,preciso houvir o que tens a me dizer-Bramiu,foi quando o antigo brilho de seu olhar voltou,percebi que
apesar de triste,ela tinha acatado ao que Aziel lhe explicou ao ter ido ao seu encontro.

-Lucy há coisas que prefiro deixar para eu mesma.Não tinha e nunca tive a pretenção de machucar pessoas a qual amo,entende? Como seu pai,você. Céus querida,acho
que tudo foi envão,o que me deixa triste,sem dúvida que tudo foi envão,o que deve estar pensando de mim? Que devo ser louca,indiota,que nada disso tem nexo,mas
acredite,há um imenso nevo querida.

Espero que jamais fique triste com isso,tudo que fiz foi para evitar algumas tragédias,até mesmo proteger minha vida,existência. Há coisas que até mesmo eu ainda não
compreendo,que passei a compreender só apartir de meus nove,dez anos de idade,Lucy! Toda a descoberta que o paganismo permite alcanças e desconhecida,muitas ve-
zes não entendida de imediato,mas futuramente e entendida.

Ela assentiu tentando argumentar comigo,mas antes de explicar como tinha sido sua conversa com Aziel justificou as minhas palavras-Lilith todos esses conceitos,existem,
nunca fiz parte,mas sempre acredite,por que sempre esteve na história,e possível se ver quando a história e muito bem estudada-Ofeguei,antes de começar a explicar eu
pude lhe responder-Muitos segredos de minha vida,minha família,tudo isso,meus laços de sangue,eu só vim a descobrí-los a pouco tempo atrás-Ela compreendeu,com isso
ela começou suas explicações quando a conversa com Aziel:

"Lilith eu descuti com ele,discuti de verdade,acredite,joguei jarros em sua direção,consegue entender isso? Ah,céus,como queria que entendesse-Para,isso e indiotisse,viu o
que não devia ver e soube do que não devia saber-Ela ofegou-Foi dessa forma que ele me respondeu,e ainda por cima acha que tudo isso e pretenção-Bramiu,toda sua des-
crição era imediata.

-Demou para Aziel se controlar,para que ele entendesse meu lamento-Ofegou antes de continuar-Sinuosamente minha pessoa definhou,Isabel para mim sempre foi miste-
riosa,mas ela ter lhe ensinado grande parte dos segredos? Isso e demais-Disse se encostando espantada na poltrona,respirando fundo para que ela não pirasse,não saísse
de si-Isso me deixa triste,Lilith,triste por um único motivo-Qual motivo lhe respondi-O de que me achou incapaz de responder-Sussurrou olhando para o nada.

-Não desconfie de mim,Lilith,não sou insensata de sair por ai bramindo a céus e terras o que jaz a nossa volta-Pensava,era um momento unicamente dela,isso a fez entrar
em choro-Entende e faria por onde minha pessoa aceitar?-Arqueou sua sobrancelha-Me responda,me responda Lilith-Iria demorar para eu responder,peguei em suas mãos,a
continuidade de suas palavras suportei.

-Cuidar do que e do papai não e fácil,nunca foi,ás vezes tenho vontade de jogar tudo para o ar,mas eu gosto do que faço,entende?-Ressentimento,mas ela resistia,sabia o
que fazer,como continuar-Então Lilith não faça por onde tudo ser envão,falo de nossos sentimentos uma para com a outra,não faça com que tudo isso seja destruído,ainda
está para acontecer algo maior comigo,eu sei,eu sinto-Silêncio,ela voltou a se acolher melhor na poltrona".

E foi dessa forma que Lucy fez com que tudo o que achava de Aziel fosse exposto,dito,mostrado a mim da forma nua e crua.Deslizei as mãos pelos meus cabelos delicada-
mente pensando no que fazer.Nem sempre estou preparada para essas coisas,fiquei encarando Lucy silenciosa,ela chorava olhando para a lareira,uma das mãos curvadas a-
baixo de seu rosto.

Quis falar algo,mas não consegui,mesmo envolta na dor Lucy suportava,gemia,soluçava devido ao choro,o transbordar de seus sentimentos em lágrimas-És indiota,assim
como Aziel,eu te amo,amo ao Aziel,são tão indiotas!-Concluiu,o que pensar!? Como fazer transparecer meus sentimentos e conceitos perante uma situação dessas?Quando
eu quis falar,tudo que ela fez foi erguer a mão se recusando a houvir minhas palavras-Me recuso Lilith,eu entendo,eu sempre entenderei e estarei aqui sempre que desejar-
Sussurrou ainda chorosa.

-Mas eu...-Rompei a palavra devido a seu gesto repetido,agora era eu que me sentia angustiada,cheia de medo,ressentimento por ter causado essa tristeza nela,mas passa-
ria,eu sabia que ela era forte para entender.Sai em direção a cozinha chorosa,iria tomar café,rapidamente preparei uma tegela com frutas cortadas,derramei leite doce por ci-
ma.Me sentei a mesa,pensava.

Comecei a comer,o tempo passaria,eu sabia.Fiquei sozinha na cozinha por quinze minutos,delicadamente Lucy entrou,melhor nesse momento-Por favor sente-se,coma comi-
go-Pedi quase implorando,ela riu secamente,aos poucos melhoraria-Ah,obrigada por ter entendido,me sinto melhor-Disse rindo entre o choro que passava-Não deve sentir,eu
e que sinto muito,fui culpada-A quietude voltou a pairar pela cozinha.Delicadamente ela preparou sua tigela com frutas,só que acrescentou greme de leite fresco,derrameu os
cereais integrais e mel por cima.

-Sabe que te amo Lucy,espero que se adapte ao decorrer do tempo,eu e Aziel amamos você de verdade-Ela riu secamente.Apartir dai tudo que eu e Lucy podíamos fazer e-
ra esperar o dia passar,vir a tarde,depois a noite-Ah! Aziel voltará só no fim da tarde,pelo início da noite,vou sair com ele-Compreendi.Foi inesperado o que acontecia,tudo o
que se tornava real,e algo mais surpreendente ainda estava para acontecer.

Eram 19:15 da noite quando estava sozinha no salão,Lucy estava no meu quarto se arrumando para sair com Aziel,ele chegaria a qualquer momento para pegá-la,tinha meu
laptop a frente sobre a mesa de escrever,não tinha desejado ficar na varanda,mas sozinha.Barulho,som do telefone tocando vindo da sala,ageitei a borda de meu vestido,eu
deixei meu óculos de leitura sobre a mesa.

-Será que Isabel está ligando?-Ah,faltavam algumas semanas para Samantha nascer,achei que ela queria saber como iam as coisas,como eu estava me preparando.Levantei
indo em direção a escada.O telefone chamava sem parar,o som ecoava por toda sala.Tirei o telefone sem fio do pequeno apoio sobre a mesa de centro,eu gelei quando houvi
a voz do outro lado da linha.O que acontecia!?

"Aziel preciso falar com você,não seja insensato,estou com soudades,preciso saber de notícias suas".Me deparei silenciada,impactada,cruzei as pernas ao estar no sofá,pensei
por alguns segundos."Aziel não vai me responder querido? Estou com soudades,quero muito saber como está".Tomei folego,a mãe dele tinha ligado,tomado coragem para sa-
ber como andavam as coisas com ele.

-Está falando com Lilith,senhora,Aziel tende a voltar daqui a pouco,mas posso ajudar no que precisa-Respondi levantando e indo em direção a varanda da casa-Ah,céus,obriga-
da.Me sinto melhor,por favor me ajuda,me ajuda,ele está bem conforme falas,não e?-Olhava para o chafáriz,pensei por alguns momentos,tinha que dar a resposta mais clara a
se passar em minha mente.

-Tenha certeza que,sim,mas eu e que lhe pergunto senhora: Vai vir mesmo?-Houvi algums risisnhos do outro lado da linha-Tenha certeza que,sim,o pai dele não sabe,estou a
inventar desculpas,estou pensando,apesar dos problemas,eu vou,nem que seja para passar apenas uma semana-Maravilhoso saber disso,foi nesse momento que houvi estalos
vindo do portão,era Aziel.

-Tenha calma,ele chegou-Ela ofegou do outro lado da linha-Obrigada-Andei em direção ao Aziel,ele parou em frente ao chafáriz-Toma,e sua mãe-Ele gelou-Infernos-O mandei
calar a boca-Fala com ela indiota,para!-Pedi,ele ofegou,saiu em direção a varanda conversando com a mãe.Lucy se preparava para sair,Aziel mal chegava e se deparava com
uma situação dessas."A menininha,diga como ela está.Não seja insensato,Aziel e sua filha,preciso saber como ela está".Ele riu,Lucy descia as escadas-Bem,ela nascerá bem,sa-
berá quando chegar-Respondeu a mãe.Preparação para sair,era isso que se passava em sua mente.Ele esticou a mão em direção a Lucy,ela sentou-se em seu colo.Continuidade
de troca de palavras com a mãe dele,era isso que ele faria até sair.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Qua 15 Set - 12:29:13

Não demorou para que Aziel e Lucy saíssem.Eu me deparei sozinha e admito que a troca de palavras com sua mãe hávia sido ferrenha,ardua,mas no fim de
tudo a certeza de que ela viria.Nunca me senti tão anciosa por algo! Sentei na poltrona da sala pensando nisso tudo-Nossa,como ela deve ser? Como!?-Redenção veio ao meu
encontro será que ele depois de tudo iria rebate as minhas palavras? Não sabia,mas me foi gratificante olhar para ele de pé a minha frente enquanto eu me mantinha sentada
na poltrona.

-Ela e a única sensata Lilith,sei que gostará dela-Ofeguei pensativa enquanto trocava olhares com ele-Eu entendo,mas me fale mais do pai dele,queria tanto saber-Isso o
fez arquear a sobrancelha delicadamente,sentou-se no chão de frente para mim,tão belo encará-lo nesse momento,lindo ser com as ténues asas fechadas para trás,todo o
olhar vital para mim,eu sentada na poltrona com os pés devidamente pousados no tapete.

-Ah,ele nunca fará parte de sua existência,eu sei,eu vejo longe Lilith,o principe moleque,como e é chamado,e simplesmente o puro holocausto,o único dentre os imortais a
ter força para prover linhagem-Me espantei,deixei com que ele continuasse-Hyarian é filho de uma imortal,pelo que descobri está dentre a elite,isso e fato! Ela consegue a
contra gosto manter sua indentidade devidamente escondida com perfeição-Fiquei mais anciosa ainda!

-Aonde Aziel se encaixa nessa situação!?-Brami quase entrando em loucura-Aziel e humano,filha de uma humana,falou com a mãe dele,teve a prova que precisava,ela e
o que chamo de provedora,bruxa de verdade,tanto como sua mãe ao que espionei em seu coração-Ele respirou fundo antes de continuar-A mãe de Aziel teve forças para
romper a teia espectral que envolve o Principe Moleque fazendo e dando vida ao Aziel-Supreendente,espantada fiquei.

-E como se o pai de Aziel servisse como teia,ligação com ele-Brami pensando,erguendo uma das mãos docemente ao queixo-É e,sempre que o Clãn Lioncourt precisar de
um reconstrutor de força,o pai de Aziel sempre será a chave,acontece algo surpreendente,vi isso na alma dela;as bruxas do Clã Lioncourt não perdem a força nem os dons
espectrais quando transformadas,foram três até agora,um homem,duas mulheres-Assenti arqueando o olhar deixando Redenção continuar.

-Eles mantém os dois,mas só quando se trata de mulheres,e como se quando a teia envolvesse uma mulher do clãn preservasse sua natureza,mas quando envolve um ho-
mem o matasse,destruísse sua natureza o consideranto inútil para a linhagem-Curioso pensei,que Redenção continuasse a explicação-Entende?-Me espantava,foi quando eu
rompei minha quietude.

-Considera os homens uniteis quando transformados em imortais? Quando a teia expectral do sangue imortal os toma? Hum...Curioso por quê pelo que fisse,querido,o pai de-
le e um homem,certo? A natureza não agiria de tal forma-Ele riu,continuou-Acredite,e é assim Lilith,mas a mãe dele foi capaz de tonar o pai de Aziel humano por algumas ho-
ras,lhe tirando forças e vida o bastante para prover Aziel-Se estivesse de pé juro que desmaiaria só em pensar na posíbilidade.

-Lilith novamente lhe peso,quando ela estiver aqui mantenha distância dela,as bruxas do Clãn Lioncourt não e coisa com que se mexa,coisa com que se deva confiar,muito
menos entender-Ofeguei-Para aquela raça de imortais,são como tesouros,matariam a deus e o mundo para ter ao menos uma delas,acredite,e verdade o que eu vóis falo
Lilith.Matariam a deus e o mundo a quem tocar nelas-Me silenciei,houvirá e entenderá o bastante.

Fiquei encarando Redenção,ele tinha me explicado com a maior profundidade possível a situação,com melhor clareza,esmero de entendimento.Apartir desse instante tive a
pretenção de esperar Aziel e Lucy.Jantei,comi bastante,cheguei até a fazer alguma leitura rápida no salão.Ainda pensava na situação,e garanto que fiquei com medo pelo
simples motivo de saber que o sangue do clã a qual Redenção considerava tão raro é maldito corria nas veias de minha filha.

'Mas não e motivo para se preocupar,tens sangue humano o bastante para romper grande parte da teia genética do Clãn Lioncourt'.E,entendi,ri diante das palavras de meu
Redenção.'O Clã Lioncourt pode evoluir apartir do momento que as bruxas foram encontradas,quando a teia genética foi aprimorada,não e o caso da família Chariére,isso pa-
ra vocês,ainda está começando'-Medo! Mas ri delicadamente-Entendo querido,mas lhe prometo,farei o máximo para usar isso com a melhor sabedória possível-Ele ofegou,o
maldito não apareceu nesse novo momento de encontro,mas teve a coragem de me acalmar o coração.

'E só isso que peço que me prometa Lilith! Que não se machuque,que saiba usar para bons momentos tudo isso,tu não sabias,mas o Clãn Lioncourt teceu a teia para o Clãn
Chariére,aproveite,saiba como usar isso'.Ofeguei.Desejava esperar Lucy e Aziel no jardim.Mas antes disso tive o desejo de preparar chá para mim.Quando pronto sai da co-
zinha rapidamente,processo tão rápido,que fiquei delíciada.

Me sentei na borda do lindo chafáriz,tomei alguns goles do chá de perfume delicado,adocicado,tudo que tinha acontecido nesse novo dia me deixou feliz,tão feliz! Ainda não
acreditava que tiverá a change de falar com a mãe dele,nem que tivesse sido rápido.Olhei para ás estrelas por alguns instantes,céu limpo nessa noite.Fiquei devaganto,ten-
to a ousadia de me silenciar,pensar,refletir enquanto tomava o chá.

Com o tempo houvi o som de um táxi parar em frente a casa,sabia que era Aziel e Lucy,os dois que voltavam do Cinema.Ofeguei em risos ao houvir os risos deles quando
entraram,bebia mais alguns goles do chá,quando os dois sussuraram algo,compreendi-Viu aquilo? A seção foi ótima,adorável,seção melhor não podia ter existido-Lucy dizia
enquanto endava com Aziel a seu lado.

Eles pararam ao perceber que eu estava no chafáriz-Ficou ai todo esse tempo?-Aziel perguntou,ele segurava sua camiseta branca para trás com uma das mãos,me fitava,eu
ergui o olhar para ele,estava só de calça jeans e botas pesadas negras-Não querido,cheguei agora,precisava tomar ar-Ele riu,sentou-se ao meu lado,Lucy ainda pensando no
que háviam visto,houvi seu estômago roncar,tinha chegado faminta.

-Querida há assado de frango no refratário na geladeira,arroz,lentinhas,salada,nas tigelas devidamente lacradas,se quiser comer,disponha-Ela ofegou,o estômago voltou a ron-
car novamente,ela ageitou a borda da saia de algodão que usada de cor azul,a camiseta na mesma cor devidina,a sandália delicada como toque de veludo aos pés,ela não po-
dia esperar,saiu em disparada para á varanda-Diga-me:Quando ela sente fome,e sempre assim?-Aziel bramiu ao vê-la entrar pela porta.

-Ah,sim,acredite-Ele riu,se mantinha sentado ao meu lado-É Samantha está bem? Sabe,admito que estou pensativo,tu nunca mais disse o que acontecia com ela,admito que
isso me deixa triste em certos momentos,e como se ela fosse somente sua-Arquei a sobrancelha-Não diga isso Aziel,por favor,eu lamento querido,mas eu garanto que ela es-
tá bem-Ele ofegou por alguns instantes,tinha a camiseta em uma das mãos.

-Acho que meus compromissos andam tirando-me a ordem de tempo,peço desculpas-Coitado,pensei,essas pequenas andanças a procura de pesquisa,fatos de conhecimento ti-
nham lhe tirado a ordem de pensamento é tempo,mas não o bastante para eu amá-lo.Tive a impulsividade de beijá-lo,deixar minhas mãos pousarem sobre seu ombro,isso me
deixou tomada de sentimento.

-Toma cuidado menina,tenho até medo que fuja com nossa menina-Eu ri por alguns instantes-Se me irrita,sim,se fugir ao controle,quem sabe?-Ele riu,sabia que se tratava de
minhas brincadeiras,voltei a beijá-lo novamente,as águas do chafáriz de derramavam atrás da gente,sentados nós mantivemos nessa troca de beijos delicados,algo me fez a-
brir os olhos,o que me surpreendeu foi ver o que não desejava ver.

Fera atrás de uma das arvores do jardim,ofeguei,tive caláfrios,a olhava,ela se atreveu a sentar-se,ás patas curvadas a frente."Não pense que eu desisti,estou de olho ou vo-
cê"-Nervosismo,tive que voltar a fechar meus olhos,Aziel não tinha percebido nada,tão distraído diante dos beijos que sua armação espectral nula.Nós levantamos,lembro dele
ter me puxado quando quis entrar-Não vai não-Disse rindo.

Voltou a me beijar,dessa vez deixei minhas mãos pousarem sobre seus ombros largos,desnudos por ele não estar de camiseta,ele me apertava contra si,mas o que ele não es-
perava era meu pequeno lamento quando deixei meu rosto pousar sobre seu ombro-Ah,querido,preferiria sumir para não sentir tudo isso-Ele riu,deixou seus dedos deslizarem pe-
los meus olhos-Me parece assustada-Bramiu,e estava-Ah,tudo isso,falo de Samantha,as descobertas,os feitos ainda são sentidos-Ele respondeu-me-Eu sei que sim,vamos entrar,
acho que vou acompanhar Lucy detonando toda comida gostosa-Eu ri.

-Disponha-Até ele estava com fome,ao nós direcionar á varanda,olhei para trás rapidamente,ela ainda estava lá,vista somente por mim,levantou-se me encarando."Não sinto
ódio de você,eu a adoro,te vigio".Maldita pensei,Aziel deslizou um de seus braços por trás de meus ombros,entramos na sala.Terminaríamos a noite com uma ótima refeição.
Passaríamos o tempo de modo saudoso,e garanto que a sensação de vê-la novamente me deixou arrepiada: Um lembrete de que tudo poderia acontecer a qualquer momento.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Dom 19 Set - 16:17:42

Sinuosamente o que eu podia esperar era a continuidade.Tudo aconteceu apôs dois dias.Esse momento hávia passado,o momento de alerta,o momento de guerra veio com
o ocorrer do tempo.Háviam se passado dois dias.O que eu pensava? Não sabia,eu não sabia.Sabe quando tudo se torna uma vigia de memórias? Era isso que hávia aconte-
cido perante toda situação.

Eram 16:50 da tarde,céus,lembro perfeitamente de estar eu e Lucy em casa,tudo como lembrete e aviso de que eu deveria me preparar.Mas eu houvi meu coração?Não,eu
admito que não cheguei a houvir meu coração perante toda essa situação.Era como se tudo estivesse parado no tempo.Eu hávia desejado ir a cozinha,preparar algo para eu
beber,hávia passado a tarde toda com Lucy no salão da casa.

Aziel infelizmente tinha saído para visitar os museus da Cidade de Paris.Eu pude impedir?Não e claro! Apesar deu desejar aduamente a presença dele em casa,tive certeza de
que ele deveria ir,depois de toda a pequena temporada pesquisando envolto na Faculdade,ele merecia aquele momento unicamente para ele.Tinha ido a cozinha,chegado lá,e
com isso a ácida vontade para beber algo.

Abri a geladeira,vi como ás longas mangas de minha túnica se moveram devido aos movimentos de meus braços.Sinuosamente minha pessoa pensou,sorriu encarando o que
existia na geladeira.Suco de frutas frescas preparado por Lucy no almoço.Arqueei a sobrancelha pensando delicadamente-Nossa,prefiro ir para o jardim-Foi o que fiz ao encher
o copo de suco,colocar alguns biscoitos nos pequeno refratário.

Sentei a beira do chafáriz,deixei o refratário ao lado,bebei alguns goles de suco,olhei para os céus,a linda faixa violeta crespuscular dominava a paisagem,as estrelas começava
à aparecer nos céus.Será que mesmo assim,a minha pessoa compreendia esse momento? Não,eu soube que não,o tecido da longa túnica delícioso ao toque do corpo,a cor lilás
me enchendo de alegria.

Vestes devidamente escolhidas pela Lucy depois de meu banho antes do começo da tarde-Ela está cuidando de mim,me sinto feliz,muito feliz-Brami em sussurros ao afastar o
copo de meus lábios,falava com Samantha,queria saber se ela me correspondia ao que eu sentia.Como meu coração batia forte,admito que para mim,ela a casa passar de ho-
ras e de dia me parecia forte,cheia de vida.

Era como ela aumentasse de peso,tudo isso.Comi alguns biscoitos doces,amenteigados,mais alguns goles de suco e fui enchia com o saciar da fome,mas,mas eu não entendia
o que se passava,tudo que sei e que houvi o doce barulho do vento,me foi sinistro,trevoroso como escuridão da morte.Meu coração bateu rápido,eu não desviei meu olhar,eu
a contra-gosto vi o que não esperava ver.

Fera jazia sentada a minha frente,me encarando cheia de vitalidade,soube friamente que ela ao passar do tempo ficava forte,mais e mais sua força voltava,era reconquistada.
O que eu devia pensar? Delicadamente minha pessoa pensou.Quando pousei o copo ao lado do refratário de biscoito a indaguei-O que quer?-Isso a deixou feliz,levantou-se me
encarando friamente-Conversar,quero que ouça minhas palavras-Arqueei a sobrancelha.

-Nada tenho a lhe falar Fera,me deixa em paz! Será que a tua ganância não e menor do que minha vontade?-Isso a irritou,ela deu passos para trás quando levantei-me,ainda
não tinha terminado,isso me fez repensar em alguns questões-Por que será que eles são covardes os bastante para que o façam?-Isso a deixou inquista,sinuosamente desviei,
lhe dei as costas e fui em direção aos fundos da casa,ia par ao porão.

-Me houve! Me dê uma change Lilith,e tudo do que eu preciso-Bramia enquanto andava atrás de mim,coitada da Lucy,estava no salão ocupada e provavelmente poderia se de-
parar com uma situação drástica.Nem sepre e como desejados,essa e a verdade ácida e cruel de nossa realidade.Senti a presença de Redenção,quando me virei assustada o vi
avançar contra ela do nada!

-Cala sua boca!-Gritava ela,era como se o próprio redenção tomasse uma decição por mim,uma ação em prol de algo-Fera andava para trás enquanto ele andava a frente,não
entendi de imediato o porquê,mas soube quando a maldita pulou contra mim,eu cai para trás,só em pensar que quase bati a cabeça no chão de terra coberto por grama macia,
o meu coração bate forte,poderia ter morrido,Sara.

-Está entendendo? Me inghora,mas não por muito tempo!-Berrava a maldita,Redenção a puxava por trás,ele que puxava com força suas patas trasseiras-Me larga! Isso não e
de sua conta!-Ela tentava me morder,tinha meus braçoos curvados a frente,meus cabelos grudados aos ombros,quase chorava,era como se tudo isso tivesse se tonado guerra.
A guerra que eu não queria participar.

-Maldita,és maldita Lilith,posso lhe dar a maior força que se possa imaginar,a imortalidade com tua fertilidade protegida! Me inghora,não admitir isso por mais tempo!-Olhei para
Redenção atrás dela-Por favor,tira ela de cima de mim!-Gritei raivosa,quando ele a puxou com maior força,senti,senti ás unhas de suas patas dianteiras(Logo a frente) tentando
me arranhar.

Consegui me sentar a empurrando para trás-Me deixa,me deixa! Não terá o que quer de mim,procure outras pessoas,há inumeros maldita!-Berrei,lágrimas me vieram aos olhos.
Era como se a morte estivesse me tocado por alguns instantes,me senti tonta,Redenção a segurava,ela se secudia,tentava avançar a minha frente-Me larga! Sabe que eu estou
certa,só estão tentando adiar o inevitável!-Fera agia,estava sendo impassível.

Temia que Aziel chegasse nesse momento,séria provável que ele provocasse uma loucura.Quando de pé,apesar de tonta,a encarei profundamente,sentia falta de ar,muita fal-
ta de ar-Olha aqui! Vá atrás deles,avisa o que te mandei avisar! Não vai tirar de mim o que deseja ter!-Me espantei,me virei tentando correr em direção ao sotão quando ela o-
lhou-me cheia de fúria.

Hávia conseguido se soltar de Redenção,houvi o correr dele atrás dela,tudo que lembro e de Fera pular sobre mim,ela que quase me mordeu nas costas,Redenção havia me sal-
vado,isso e fato,hávia tombado sobre o chão,Fera rugia alto,poderosamente,houvi gritos vindo de frente a casa,passos se direcionando aos fundos da casa,para onde eu estava.
Fiquei olhando para os céus,Redenção sofria para conter a maldita.

-Sai,vai embora! Aceita a condição de Lilith,não tens o direito de condena-la por algo que não e de responsabilidade dela-Gritava Redenção.Vi quando Lucy apareceu,quando a
doce Lucy hávia dado a volta aparecendo aonde eu estava.Ainda estava caída no chão,Redenção soube impor sua força fazendo com que Fera sumisse,mas suas palavras sen-
do houvidas no ar-Maldito! Garanto que isso terá volta! Não aceito ser inghorada!-Lucy corria em minha direção.

-Ah,céus,o que houve!? Não acredito no que vi,aquele animal que tenebroso!-Gritava ela,me ajudou quando me deu apoio,não sei como,mas ela pode olhar para Redenção ao
vê-lo sentado ao meu lado,os seus olhares se encontraram,isso o deixou assustado-Sai daqui maldito! O que fez com ela!?-Ela tinha visto muito bem a ida de Fera,houvido seus
gritos tenebrosos.

Sentia falta de ar-Lucy não e hora para discutirmos,me ajude a ir para o salão querida-Ela estava tão amedrontada que olhou fixamente para Redenção,ele entendeu a mensa-
bem-Ah,tudo bem,que loucura!-Falou ele em auto tom.Ele me segudou nos braços,Lucy ageitou a borda de sua saia de cetim de cor cinza,a camisa branca delicada justa a seu
corpo,a sandália roçando quando ela andava sobre a grama do jardim.

-Ah,céus,que animal era aquele?-Vi quando Redenção deixou suas lindas asas se abrirem,a imensidão assustou Lucy,ele estava tão materializado que ela o via com clareza,eu
sabia que qualquer humano que pasasse em frente a casa,veria Redenção.Tive medo,ele esperou comigo nos braços,Lucy abrir a porta.O vento gelado percorrendo todo jardim.
Não demorou para ele passar comigo pela saia,subir ás escadas indo em direção ao salão.Lucy subia atrás dele.

Percebi enquanto jazia nos braços de Redenção,algo diferente nela,eu ri secamente-Tome cuidado querida,não está bem-Sabia que sim,Redenção me deitou no sofá,sentia os
golpes da maldita-Doce Lucy,agora sabe do que tenho passado-Ela sentou-se na poltrona a frente,só a mesa de centro nós separava.Redenção até ajudou-me a pousar a cabe
ça em uma das macias almofadas do sofá.

Estava devidamente acolhida,tudo que lembro de de deixar meu rosto pender de lado,meus olhos se fecharem-Lilith,Lilith!-Houvi ela se levantar,os gestos de Redenção tentan-
do mantê-la afastada-Calada,fique aonde está,tudo que Lilith precisa e descançar até Aziel chegar-Isso a irritou,ele a jogou de encontro a poltrona sentada,houvi nitidamente,eu
reavia o ar que me era escaço nesse momento.

-Maldito! És o que é,e mesmo assim,me afronta!-A escuridão me tomou nesse momento,me deparei envolta no mais completo silêncio.Sabia que Redenção cuidaria de Lucy,a
insana o tinha visto,apesar de chocada,eu entrei em processo de aceitação devido a situação.Minhas forças nunca me foram escaças como nesse momento,temia que entrasse
em mais um processo como o que eu hávia passado ao quase abordar Samantha.

Crueldade,eu sei! Sussurros,sussurros ecoando pelo salão.Quem era? A sensação era de cansaço,mas a respiração voltará a seu controle,algo tocando minhas mãos.Admito,eu
comparando aos ataques anteriores,esse hávia sido o pior.Ao abrir os olhos vi que Redenção segurava minhas mãos,angustiando para que eu acordasse,logo a frente Aziel a-
braçado a Lucy,ele que hávia entrado em prantos ao chegar.

O rosto de Lucy se mantinha encostado em seu torax.Sinuosamente ele moveu os olhos sobre mim,afagava os cabelos de Lucy,angustiado,temeroso.Um jovem vestido com
calça de carmim de cor negra,a camisa longa no mesmo tom,os capatos luxuosos escuros,brilhosos sobre a escuridão-Ah,céus negros,fico feliz e alíviado que esteja bem-Eu o
encarei,me virei para cima encarando o teto.

-Ela o viu,o que devo fazer?-Ele riu ao se apoiar sobre os joelhos a frente do sofá-Lilith,a deixou impaciênte,correto?-O olhei,gradualmente Lucy se direcionou para a escada,ia
para o quarto,ela chorava,tinha um lenço a frente do rosto-Não que a tenha tirado a paciência,mas controle-Ele arqueou sua sobrancelha em resposta,se levantou irritado,eu o
encarava-Dá no mesmo-Sussurrou,deixou as mãos fecharem em punho.

-Sempre irresponsável,isso e cruel!-Berrou,Redenção avançou a frente o mandando se contralar-Calma jovem,ela não fez por onde,Fera fez-Aziel o olhava,hávia gritado comi-
go,e apesar de tudo,não admitia sua falha-Não posso sair,não posso deixar Lilith nesse estado sozinha-Temia que a maldita atacasse? Que me lascasse,mas ela não iria tirar de
mim,o que cobiçava:Usurpar meu sangue!

Voltei a olhar para o teto,não aguentaria me sentar,ainda não tinha recuperado as forças.Pensei por alguns instantes,houvia Aziel impassivo sussurrando coisas sujas para meu
Redenção,os dois que quase discutiam,mas detinham o controle da voz,não queriam preocupar mais Lucy.Se passou vários instantes,mas quando Aziel se aproximou de mim,eu
soube que já estava apta a me sentar.

Ele me ajudou-Me desculpe,poderia ter ajudado,fui um irresponsável em ter saído,não estar aqui nesse momento drástico-Eu sorri deslizando as mãos sobre seu rosto,isso fez
Aziel se conter,sorrir em resposta-Não se lástime querido,ela vai atacar,não medirá o tempo nem o momento oportuno-Ele entendeu,sentou-se ao meu lado,nesse momento a
contenção era o melhor remédio.

-Lucy viu Redenção,a Fera,e isso que me preocupa-Ele riu amargamente-Não se preocupe,Redenção e Fera estavam materializados por demais naquele momento,imensa vi-
bração capaz de fazer com que até um reles humano o veja-Compreendi,o olhei de lado-Não tem que pedir desculpa,ela sempre atacará nos momentos própicios,inesperados-
Ele afagou-me o rosto,o beijei rapidamente.

-Obrigada por sobreviver-Eu sorri por alguns momentos-E você grande varão? O que pretende para esses dias?-Ele arqueou a sobrancelha delicadamente-Nada demais Lilith,
tudo que temos a fazer e esperar a vinda de mamãe,de meu amigo e protetos-Eu sorri,deixei sua mão pousar firme ao lado de meu rosto-Estou preparada,nunca estive tão pre-
parada para algo com nesse momento-Ele sorriu.O silêncio pairou entre nós dois,ás luzes do jardim e rua vinham pela imensa varanda iluminando o salão.Depois Lucy teria a
nossa compainha,esperaríamos ela se acalmar.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Dom 19 Set - 17:24:14

Ah! Mas será eu eu ou até mesmo Aziel estava preparado para o que viria a seguir? Continuemos e entenderá Sara.Anote lealmente o que eu continuarei ditanto a seguir,a
respeito do que aconteceria a seguir:Tudo que desejava era me recuperar,foi o que aconteceu.Ah,céus,tinha sido maravilhoso eu poder jantar,descançar depois disso,de toda
essa confusão.Hávia jantado com Aziel e Lucy.

Comido boa comida,estava envolta em bom e merecido descanso.Redenção me sacudiu do nada.Não entendi de imediato o que ele queria comigo,mas quando sentei-me a
beira da cama,quando o encarei de pé e de braços cruzados a minha frente,eu soube-Não Redenção,não faça isso comigo!-Gritei quando ele me puxou com força,ele me virou
para frente da varanda,por trás de mim segudou minha cabeça-Olha o que te mostrarei,Lucy vai se machucar,eu estou dizendo,estou te avisando-Bramiu ele raivo cheio de
revolta.

Eu estava assustava.ele jazia atrás de mim segurando firme minha cabeça para que eu visse o que ele tinha a mostrar,fechei e voltei a abrir os olhous rapidamente,aos pou-
cos comecei a enchergar as imagens a minha frente,eu ofegava,era início de madrugada e eu me deparava com uma situação dessas,terrívelmente amedrontadora.Ofeguei,e
mesmo contra minha vontade vi o que ele me mostrava,o que fazia passar em imagens reais a minha frente.

As imagens era nitidas,quase tocáveis-Olha maldita,verá! Lucy vai se machucar,não deixei de avisar-Bramiu ele,as imagens vinham,veja os detalhes Sara,entenda que eu es-
tava cheia de medo,e mais isso? Era para machucar,Redenção segurava e com força! Imensa força!Imensa força a minha cabeça,senti quando as suas asas me tocaram os om-
bros por trás ao se abrirem: Vi Aziel e Lucy na sala,os dois.

Lamentei pela continuidade do que viria a seguir:Aziel estava sentado na poltrona,tinha Lucy junto a ele sentada de frente a ele,ela deixava seu limpido rosto se encostar so-
bre os ombros de Aziel,os dois sabiam como entrar em plena nostálgia,fazer amor como uma união esperava,merecida,desejava.Ah,céus! Os dois não estavam fazendo amor
apenas por fazer,mas por paixão,sentimento! No que isso podia acabar!?

Era nitido quando ela moveu o rosto o olhando,sentada junto dele,de frente para ele,ele que lhe afagava os cabelos,lhe beijava a boca,tudo isso passado pelo maldito Reden-
ção.Deu para houvir seus gemidos,o modo como ela deixou seu rosto pender para trás.Aziel lhe dava pleno apoio corporal,com as mãos enlaçadas na altura da cintura dela.Ela
voltou a beijá-lo,isso lhe deu maior impulção.

Aziel não fervia,ele queimava completamente.'Para! Não preciso ver isso!'.Gritei em pensamento,mas Redenção segurava firme minha cabeça,eu tinha que continuar houvin-
do.'Veja! Vai ver,até o fim!'.O ofegar de Aziel foi nitido,alto pairando pela sala,a lareira acesa,pelo visto hávia chuvido enquanto eu dormirá.Lucy curdou as mãos sobre o en-
costo da poltrona,o olhava,ele que deixava o rosto de perder entre seus ceios,ela continuava,segurava firme a base de encosto da poltrola,movimentos rispidos,desejados,eu
não acreditava que o sentimento brotava naquele momento,era amedrontador,tive medo!

'Você me ama mesmo? Diga que ama Aziel,diga que ama'.Ela rompeu as palavras devido a ardência das sensações,ele moveu o rosto a encarando.'Muito Lucy,imensamente,
tanto quanto a qualquer um a qual eu ama'.Ela riu,o beijou novamente,seus delicados dedos se encontrando com o rosto de Aziel,as lágrimas foram nitidas! Ah,nunca senti o
meu coração chorar como nesse momento.Os dois continuaram.

Ela que tinha seu rosto sobre seu ombro nesse instante,Lucy gemeu por último,foi quando Aziel se moveu a segurando nos braços.'Esperado,era esperado,solverei toda sua von-
tade Aziel'.Tinha os braços pairando sobre os ombros dele,quando ele a deitou sobre o sofá,ela o acolheu contra si.'Eu sei doce Lucy,eu sei'.Ela riu,voltou a beijá-lo,docemente
ele lhe beijou os ombros,os dois voltaram a fazer amor na sala,agora deitados no sodá,ela que deixou a cabeça pender para trás sobre a almofada por baixo,vi como seus olhos
estavam fechados.'Maldito,traidor,me deixa Redenção!'.Gritei em pensamento,foi quando eme me largou.

Eu tombei sentada no chão chorando baixo-Maldito,não tinha que me mostrar,viu!?-Quase gritei-Lhe mostro não para que tenha raiva,não,ele não a traiu,mas aceite isso,fez e
entregas-tes Lucy para ele,entenda,esteja preparada,coisas estão a espreitar-E com isso ele sumiu,fiquei chorando sozinha.O que ele tinha a dizer com isso? Qual o significado
de suas palavras?Lembro dos dias passarem apartir dai,dessa noite maldita.Lembro do vago entre essa noite e o que aconteceria em conseguência aos atos de Lucy e Aziel ao
decorrer dessa noite.

Ah,sim,ele a amava,a amava de verdade,e conseguentemente!? Colherá em um momento futuro o seu sofrimento,és o momento futuro Sara:Três semanas se passaram,eu
quase nos seis meses de minha gestação,deve supor isso Sara ao decorrer do tempo.Eu tinha saído,deixado Lucy sozinha em casa,Aziel lamentavelmente se ocupava em suas
andanças pela Cidade em prol de suas pesquisas facultativas,lhe digo que ele tinha recebido resultados,e dos bons! Eu,todos nós ficarámos felizes,tinhamos até saído para come-
morar.

Mesmo sofrendo eu entenderá,tive que entender.Eu acabará de dar a volta na Rua em direção a casa,quando cheguei ao portão entrei ao abrir com as cháves.Entrei pelo jar-
dim sinuosamente.Senti vibrações fortes no ar,parei deixando meu olhar passear por todo lugar,vi Redenção logo a frente desesperado.'Ah,céus! Pobre Lucy,o que há com ela?
Sabia que coisa ruim ia acontecer,mas o foi isso!?'.Muito angustiado,me apressei nervosa em sua direção.

-O que há com ela?-Berrei o encarando-Não sei querida Lilith,sabia que coisa ruim ia acontecer,mas o que vi não entendi-Ofeguei raivosa,houvia gritos do quarto dela,quando
eu entrei me deparei com uma cena lástimavel.A doce Lucy jazia ao chão,sentia dor,hávia chorado,e muito ao decorrer de minha saída,pálida,sem qualquer cor sobre sua pele
alva e rosada sobre as maças do rosto-Ah,céus,que loucura-Brami me sentindo mais angustiada ainda.

-Deixe comigo Lucy,tenha calma,preciso ajudar-Mais gemidos,sangue espalhado sobre o chão,nem queria imaginar o que Aziel pensaria ao chegar.Lucy perderá seu bebê,um
bebê que nem ela ainda sabia de sua existência,muito menos eu! A natureza conspirará contra ela,em pensar que sua estadia estava sendo tão maravilhosa até o momento!
A segurei na altura dos ombros,ela chorava,tinha suas mãos sujas de sangue-Eu,eu não sabia Lilith,me desculpa-Disse gemendo de dor.

-Não e hora para isso,deixa eu ajudar!-Berrei raivosa,eu a levei para trás das arvores quando do lado de fora,ela sentou-se encostada no tronco de uma das macieiras.Arran-
cava suas roupas sujas de sangue.A saia,a camiseta,a sandália,a deixei nua-Espera aqui,vou lá em cima,preciso de água,um médico-Ela me olhava.Não demoraria,e fiz o ti-
ve que fazer:Peguei o telefone ao entrar na sala ainda angustiada,chamei o primeiro médico disponível.

Com isso panos limpos,água em uma bacia de ferro pólido.Parei ao lado de Lucy,ela sequer tinha cor sobre sua pele,não sabia como pensar,tonta-Tenha calma querida,calma,
e só isso que peso,estou aqui,não tenha medo-Ela bramia em choro,esperava,eu me apressava em encharcar um dos panos limpos e lhe limpar-lhe o corpo,era continuo,com is-
so ela ficava limpa,a limpei por completo,ela não necessitava de banho,só de uma limpeza rápida.

Redenção acompampanhava todo processo-Querido queime aquela matéria de sangue sobre o chão,vou entrar-Ele bramiu algumas palavras e sumiu,voltei a atenção a Lucy.
Com isso me apressei em lhe ajudar,não consegui,com alguns instantes Redenção foi visto ao lado dela,a pegou de imediato,peguei a bacia com os panos sujos dentro,nós di-
recionamos ao quarto.O médico chegaria em alguns momentos.

Devia estar atenta a isso.Nada de sangue restava no quarto,bela queima de materia pensei.As luzes acesas,quando Lucy foi deitada sobre a cama me deparava na procura
de peças intimas,uma túnica,qualquer coisa.Terminado a procura lhe ajudei a se arrumar-Ah,céus,drástico-Brami a encarando-Tudo que ela precisava depois de tudo era dor-
mir,esperar,o médico viria,o que seria presságio.

-Redenção leve a bacia com os panos,arrume isso para mim-Ele me fitava,Lucy deitada a minha frente sobre a cama,eu curvada logo a frente-Pobre jovem-Bramiu ele ao ter
a bacia em sua pode,saiu pela porta-Tudo bem querida,o pior passou-Ela me olhou,do nada segurou forte minhas mãos-Desculpe,eu não sabia,estava louca,entende?Ah,céus,a
noite,a noite em que aquele animal a atacou,eu e Aziel fomos malditos quando tu foi dormir,Lilith-Ela chorava,ainda gemia de dor devido ao aborto mas conseguia falar depois
de ter se arrumado e deitado com a ajuda de mim e Redenção.

-Tu não tens que pedir desculpa,já lhe falei Lucy,deixei claro que preferiria a você do que qualquer outra maldita-Ela riu amargamente,me ergui indo apagar as luzes,o fiz.Eu
esperaria o médico logo a seguir.Foi o que acontece ao afastar a poltrona do quarto para frente da cama,só o luar e luzes do jardim iluminavam o quarto,ageitei a borda de
minhas vestes em tom clarinho.Lucy dormia,eu esperava sentada na poltrona.

Lembro do médico ter me chamado a minha procura,o vi ao levantar-me indo em direção a porta.Aziel estava com ele!? Os dois tinha chegado quase ao mesmo tempo pelo
que vi,os dois entraram-O que há?-Perguntou Aziel,estava trajado com calça jeans justa em tom azul escuro,botas negras pesadas para o frio da noite,a camisa de mangas
longas em cor negra,o médico já olhava nitidamente para Lucy ainda sonolenta a dormir sobre a cama.

-Nada querido,nada-Disse andando devagante a sua volta,ele não engoliu essa desculpa-Para de mentir Lilith,não seja pretenciosa comigo-Arqueei a sobrancelha,pensava,e
foi quando lhe disse em auto e nitido tom-Lucy acaba de perder um bebê,Aziel,simplesmente isso,hávia voltado e a encontrei no quarto-Ele gelou,andou a frente para sentar
a beira da cama,o médico agia examinando Lucy.

Vendo seus sinais vitais enquanto ela dormia-Maldito sou,e como sou maldito-Sussurrou Aziel em choro,vago choro.Me mantive de pé com os braços cruzados,o médido não
esperava-Senhorita Lilith,ela está bem,e jovem,mas admito que perdeu sangue,a gestação não era de tantas semanas,poucos extragos,só precisa de descanço,mas vou recei-
tar algumas vitaminas de reposição para ela-Eu sorri em resposta.

-Muito obrigada viu?-Ele ergue-se me respondendo-Tudo bem,não de que,entendo sua preocupação,ela e sua irmã?-Eu ri quando ele pode sentar-se a mesinha escrevendo no
caderno-Quase uma irmã-Brami,Aziel pensava,se mantinha silencioso sentado a beira da cama.Lucy dormia,tinha os macios lençois sobre si.Não demorou e o médico me entre-
gou a receita-Valerá a pena,ela se recuperará rápido-Nós despedimos quando fomos a porta.

Rapidamente me voltei ao Aziel e Lucy,doce claridade rompendo a escuridão do quarto,fechei a porta-Aziel?-Hávia lhe chamado,mas me contive quando ele se moveu sem
silêncio,ele se curvou a frente da cama,encarava Lucy em sono,me sentei na poltrona,hávia deixado a receita das vitaminas sobre a escrivaninha-O que fiz com você? Sou
um miserável-Sussurrou ele se enchendo de raiva,muita revolta consigo mesmo.

--És louco-Brami,cruzei as pernas,foi holocausto quando Lucy abriu os olhos cheia de sono,sentia a força com que ele lhe segurava as mãos-Ah,está acordada,me faz feliz,eu
admito-Ele riu enquanto deslizava os dedos de uma das mãos para enjugar as lágrimas.Lucy não respondeu,manteve sua quietude em prol da recuperação de suas forças,eu
vislumbrava o modo como Aziel acariciava o rosto de Lucy.

Ela estava ofegante,imensamente desgastada-Preciso descansar,mais uma dessas e juro que morro-Ele riu amargamente,mas compreendeu a pequena e cruel piada que ela
fez consigo mesma.Os olhos de Lucy se fecharam,ele continuava lhe segurando as mãos com uma de suas mãos,com a outra lhe acariciava o rosto-Eu entendo-Bramiu lhe res-
pondendo.Será que eu hávia houvido bem?

Sim,eu sei que,sim.Ele levantou-se,o encarei lhe respondendo,antes dele ir para a sala,troquei algumas palavras com ele-Aziel não sinta culpa,tudo que eu espero e que pos-
sa reaver seu controle-Ele se virou esmurrando a porta,dei passos para trás,houvi as palavras que ele emitira para si-Esse e o problema Lilith,você e ela,as duas,vocês são
boas demais para mim-Ele se virou saindo em direção ao jardim,ia entrar.

Me voltei a doce Lucy que voltou a dormir,ofegava de dor.Apesar de desgastada,eu sabia que ela ia sobreviver,se recuparar.Beijei seu rosto enquanto ela dormia,sentei-me
na poltrona-Um filho que Aziel esperava.Que inônia.Samantha e meu preço pela ajuda que lhe dei em seu desespero,mas esse bebê,Lucy? Seria o que ele tanto desejava-O
meu pensamento voava,me recolhia na poltrona,passaria o resto da noite com ela,Lucy não podia ficar sozinha,não a deixaria.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Seg 20 Set - 11:58:27

Apôs e,imagine tudo transcorrendo dessa forma,nem eu mesma respirava devido a essa perda terrível para Aziel,pelo visto Lucy não sentiria tanto,mas Aziel? Para mim
foi claro o guão desgastado ele ficou.Com o tempo tive a coragem de deixar a doce Lucy em paz,ela que sinuosamente deixou-se definhar em seu sono.Quando entrei no
meu quarto e de Aziel o vi deitado na cama chorando como criança,chorando como um menino recolhido e destruído por algo.

Ele tinha tomado banho,se preparado antes de deitar para descansar.Me deitei ao seu lado,o acolhi junto a mim,senti quando ele moveu seu rosto sobre meus ombros.Eu
pensava no que aconteceria a seguir.E foi nesse momento que dormimos,que estivermos preparados para dormir.Lembro perfeitamente de nada mais sentir a respeito de
presenças,medo,caláfrios,tudo isso,ao decorrer de meu sono.

Siniosamente tudo transcorreu como era preciso.Jamais em minha vida pensei em me deparar com uma situação dessas,mas hávia acontecido e não podia escapar ou dei-
xar para trás.O terrível despertar veio,o sol queimante de encontro ao meu rosto.Eu estava assustada,imensamente cheia de medos.Aziel não estava na cama,tive certeza
de que ele estava cuidando de Lucy.

-Não entendo,aquela frieza dele,sumiu,foi embora,a frieza com que conheci Aziel,e como se não existisse mais-Andando pelo quarto me ajeitei,coloquei um dos meus vesti-
dos de linho,a cor vinho em tom claro me enchia de doce acalanto de privacidade e observação.Fui até a sala,um dos laptops jazia sobre o sofá,me sentei olhando a tela,a
minha mente transcorrendo toda escrita de Aziel-Esteve concluíndo o trabalho textual da faculdade.Deuses,ele descontou toda sua raiva nisso,ele desceu durante a madruga-
da,não conseguiu dormir-Compreendi.

E garanto que isso me encheu de medo,Aziel não era merecedor disso,fechando o programa e abrindo seu diário de anotações eu li as seguindas pelavras "Acho que prefi-
ro morrer.Lucy não foi merecedora daquilo.Era meu filho,está entendendo doce pensamento e mente diabólica? Mas apesar de tudo,definho em me recuperar.Amo Lucy e
Lilith,muitos acham que não possível amar a duas pessoas,mas sim,e possível.Aguardo a chegada de Samantha.Acho que minha filha e meu único suporte no momento.A
minha pessoa deve chorar?Sim,eu chorei e vou continuar chorando.Fui provocador da dor de Lucy,sou o maldito que sou".

Ofeguei rearquivando e fechando o diário de anotações de Aziel,pensei.Fui até a cozinha,pelo visto ele estava no quarto com ela,hávia algumas coisas remexidas,isso me
deu certeza de que devia continuar.Voltando a sala vi um dos talões de chegues,envelopes para correio-Ele estava terminando de preencher o pagamento da agencia me-
dica pelo atendimento,que loucura-Brami,terminando de anotar os dados para ele em um dos chegues,coloquei dentro de um dos envelopes

Dados de endereços e ceps anotados e pronto para ir ao correio.Tudo lacrado e sai em direção a caixa de correio no jardim.Nunca pensei que ele estivesse tão triste,cheio
de traumas,horrendo em todos os sentidos.Fechei a caixa de correio,o pagamento seria descontado de imediato,era óbvio.Me direcionei ao quarto de Lucy,quando lá abri
a porta,sabia que os dois estavam lá,só pela presença era óbvio para mim.

-Está melhor Lucy?-Ela me fitou sinuosamente,hávia acordado quando a ida de Aziel,a bandeja do café da manhã estava ao lado dela,ele sentado na poltrona logo a fren-
te,ela pode sorriu apesar de ainda estar cansada-Melhor,mas não recuperada Lilith-Sorri em resposta,Aziel tinha preparado frutas com cereais e haveia na tigela,muito mel
por cima,sinuodamente o olhei,ele retribuiu o olhar.

-Querido vi que esteve acordado durante toda madrudada,loucura-Isso o deixou inquieto,Lucy voltou a atenção a ele-E verdade Aziel?-Isso fez ele corar de vergonha,pelo vis-
to ele ainda não estava preparado para retribuir de imediato.Ofegou tomando ar-Coma Lucy,isso e coisa minha tudo bem?-Isso fez com que Lucy se irritasse,apesar de tudo a
minha pessoa compreendeu o gesto dela.

-Ah,céus,sua mente,como deve ter estado cheio de dúvidas-A contive quando ela tentou se levantar,vi devido a detalhes no decote de seus ceios que leite hávia sido
produzido,mas secaria logo,logo.Eu ri tentando acalmar seus animos-Lucy ainda não e o momento de lenvatar,com,e unicamente disso que precisa nesse momento-Ela
me olhou-Não posso,preciso conversar com ele,unicamente isso,Lilith-Mesmo me lastimento pela decisão dela,a ajudei a levantar-se.

Aziel estava tão temeroso que agiu sobressaíndo da poltrona,a segurando pelos braços-Loucura Lucy,por todos os céus alheios,ouça o que Lilith fala-Ela arqueou soa so-
brancelha delicadamente,o bastante para ele se aquietar e a ouvir-Olha aqui,não fico feliz com tudo isso,está entendendo? Sei que não foi própicio,mas quem és para a
culpa pairar sobre você?-Nem imagine minha situação tentando mandá-la ficar quieta,envão,ela continuou.

-Sou tão culpada quanto você,Aziel,afinal,eu que aceitei o que Lilith pediu-Deuses! Corei de vergonha de imediato,mas nesse momento Aziel continuou segurando ela,e
com isso a manteve cotra si-Toma cuidado com suas palavras querida,nem sempre somos aptos para que possamos entender-E ele estava certo.Mas eu sabia que tudo
o que ela desejava era ir para sala,terminar seu café da manhã lá.

Foi o que ela pediu,o que eu e Aziel tivemos que aceitar,mas porém,com muito carinho,e claro.Eu peguei a linda bandeja dela,Aziel saiu na frente com ela,quando na
sala ela sentou-se no sofá,pousei a linda bandeja sobre a mesa de centro,Aziel sentou-se na poltrona,a encarava,céus,ceios fartos,cheios de leite,não tão nutritivo co-
mo o que uma bruxa ou feiticeira possa oferecer,mas leite de verdade.

-Não quero e não admito discordia Aziel,és tão infeliz por algumas coisas,as vezes me parece feliz,mas em certos momentos tão infeliz querido! Queria entender,queria
muito entender-Ele arqueou a sobrancelha sinuosamente,delicadamente sentei ao lado de Lucy,ela olhava para ele-Lucy há coisas que só eu entendo,está houvindo?Eu
não digo que fiquei feliz,porquê não,eu não fiquei feliz-Bramiu ele choroso,as lágrimas nos olhos.

Nem eu não estava preparada para o momento,Lucy necessitada desse momento,dessa densa troca de palavras a respeito do que pensava.Friamente ela deixou suas
palavras transbornarem-És jovem,mas parece que viveu milênios de vida-Bramiu ela secamente,isso fez Aziel lhe responder-E se tivesse sido?O que pensaria? Ainda
me amaria?-Compreendi,ele queria ter a certeza de que ela o amava.

-Sinceramente,sim,não seria diferente Aziel,não seria diferente-O silêncio pairou entre os dois por alguns momentos,apesar de tudo,não tive a ousadia de romper toda a
quietude formada pelos dois.Cruzei as pernas desviando o olhar para outros focos da sala,me distraia com cada detalhe,foi quando Lucy me chamou atenção querendo sa-
ber de algumas coisas,perguntas.

-Lilith,acha que toda tristeza de Aziel e sincera? Eu temo que não seja-Me mantive silenciada,tristeza senti devido as duas dúvidas e palavras,sinuosamente deviei o
olhar para Aziel,ele se sentia tão angustiado que tomei a ação de pegar o laptop ao nosso lado sobre o sofá.Aziel ficou inquieto,ele estava tão lindo iluminado pelo sol
da manhã,apenas vestido de calça de linho branco,a linda faixa negra atada a cintura reta,sem camiseta,sinuosamente lindo.

-Lilith não faça isso,por favor-Pediu ele corando de vergonha-Não,ela tem que saber-O indaguei,toda essa conversa tinha que ter um fim,e eu iria dar esse fim,não
admitiria deixar dúvidas,jamais.Em segundos Lucy se encontrava lendo as palavras no diário de anotações de Aziel.Isso a assustou,fez com que sua angustia ficasse
atenuada,mais sentida em seu coração,ela respirava com força,tomando ar devido ao impacto do que lia.

-Por todos os Deuses,eram 03:40 da madrugada,era para estar dormindo Aziel-Disse Lucy voltando o olhar para ele,sinuosamente entendi,isso o fez se conter,tentou
envão seguras o choro,mas quando as lágrimas vieram,foi para todos os sentimentos de Aziel brotarem como nunca antes,acho que ele deixou tudo,todos os seus me-
dos virem em lágrias:Os problemas com sua família,a perseguição dos seres bestiais,a doença descoberta,até mesmo a perda de um bebê que desejava tanto ter!

Nem eu esperava por sua reação.Lucy deixou seus olhos pairarem sobre Aziel,ele que soluçava,eu tive pena,pena de verdade.Não sabia que aquele jovem estava
sofrendo tanto.Era como se toda muralha tivesse sido derrubada.Passou-se alguns segundos,mas ele conseguiu falar,movia as mãos a frente-Lucy,perante tudo isso
és inocênte demais,minha amada,muito inocênte,acredite! Metade dessa inocência eu queria ter-Ofegou.

-Calma ai Aziel!-Pediu ela tentando acalmá-lo-Ouça! Acho que perante tudo isso,és minha unica joia intacta,a joia que ainda não estar arranhada. Nem mesmo Lilith
consegue a proeza que tu consegue realizar-Parou,e em contra partida ela quis saber-O que!?-Disse levantando-se,espantada,com medo do estado dele-A proeza de
me encher com inocência. Ah,céus,teria sido um filho entando,imagine!-Não suportanto mais ele se levantou indo em direção a escada.

Seus soluços ecoavam pela sala-Aziel!-Gritou ela,tentei contê-la,ela se sentia tão aflíta e culpada de provocar essa reação em Aziel,que correu o segurando por trás,o
seu rosto se encostou atrás das costas dele-Meu amor,começo a entender,obrigada por tudo.Fui egoísta,admito,imensamente egoísta,até mesmo nesse momento-Eu
fiquei parada,silenciada,o olhar de espanto pairando sobre os dois.

-Não se preocupe,será a primeira e última vez que passará por uma situação dessas,tenha certeza que merece um homem melhor do que eu,imagine! Não estaria dis-
posto em fazer você passar por uma situação dessas-Ele virou-se a olhando,Lucy deslizava as mãos sobre seu rosto,jogou algumas mechas dos cabelos de Aziel para
trás-Não querido,não,acho que não.Não conseguiria ninguém melhor do que você,impossível-Lamentável ele não a ter correspondido de imediato!

Ah,como quis bater nele! Passou-se alguns instantes."Maldito! Não seja indiota! Não faça isso com ela".Que pensamento! Foi imediato o abraço forte entre os dois,eu
caminhei até o sofá desabando sentada,ofeguei respirando fundo,missão cumprida."Ah,céus,que loucura!".E hávia sido mesmo,mesmo assim,missão cumprida,tive o
prazer de houvir os sussurros de Aziel para com Lucy.Sussurros de rendenção,e só isso que posso comentar.Continuemos Sara.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Seg 20 Set - 13:07:40

Ah,mas apesar de tudo isso,tive a certeza de que o maldito iria querer conversar a sós comigo.Foi o que aconteceu quando os dois se afastaram.Percebi pelo seu olhar.O
modo como ele gesticulou pedindo para que eu me levantasse.Sinuosamente soube que houviria,e muito,a respeito de minhas iniciativas-Querida Lucy? Peço para que a
sua pessoa possa descansar,precisa fazê-lo-Ela arqueou o cenho da sobrancelha.

-São insanos,não podem fazer isso comigo-Fiquei tão irritada que me deparei gritando com ela-Por favor!-Ela engoliu em seco,quando mre respondeu,foi para clarear tudo
o que ela pensava-Tudo bem,imagino o que devem estar pensando:Que sou uma menina mimada e devem me proteger-Não era isso,mas com a troca de olhares ela sou-
be o que por quê da situação.

-Ah,sim,imagino-Disse seguindo chorosa em direção ás escadas-Não se preocupe,subo daqui a pouco-E como lamentei secamente em ter que me comportar desse modo.A
certeza de que uma discussão poderia começar era certa,mas me surpreendi com o comportamente de Aziel,ele me segurou pelos braços,me sacudiu bramindo as palavras
contrárias que esperava houvir.

-Olha aqui,não estou disposto a passar por tudo isso novamente,está entendendo? Não entende o perigo!? Já a machuquei uma vez,não foi machucar novamente!-Eu desa-
bei no sofá sentada,o indaguei friamente-Não exatamente! Aziel,não necessita ter que aceitar as condições dela,da Lucy-Ele não entendeu o sentido de minhas palavras,eu
continuei sinuosamente,ele andava de um lado a outro a minha frente.

-Como assim!? Só pode ser brincadeira!-Ele estava sendo cauteloso,claro como malva de rispida glória-Querido proteção e o que Lucy não quer,eu começo a entender perfei-
tamente o por que-Ele arqueou a sobrancelha direita,o risco vermelho delicado clareou ao sol da manhã pairando pela sala-Explique maldita-Ergueu-se a frente,as mãos unidas
em pensamento constante.

-E simples,com outro ela não faria isso,jamais,mas com você,acredite,apesar de doce,ela seria louca para fazê-lo-Sentando na poltrona ele pensou ao me encarar,deixou a
mão pousar abaixo de seu queixo-Loucura,Lucy provendo o filhote que tanto quero? Ah,não mesmo,Samantha será menina,isso e fato,você me exigiu isso,eu preciso de al-
go,mas que não tenha preço-Bramiu secamente.

-Então aproveite! Por quê não? Isso que aconteceu,apesar de humana,e bom sinal,Aziel-Ele houvia silencioso-Não sei,não sei! Me enche com coisas futeis,Lilith,temo pelo
que Samantha possa fazer com esse suposto irmão alheio,e ainda por cima não sendo da mesma mãe e puro por natureza!? Ah,céus,acredite,com doze anos ela o mata e
ainda por cima lhe tira a futura progenese,eu conheço a filha que terei-Eu ri,sinceramente achei graça de suas palavras.

-Então meu amor,pense direito,futuramente saberá o que fazer.Acho que e a change,sinceramente o sangue do Clãn Lioncourt foi purificado demais,aperfeiçoado demais,e
o momento de amenizar essa situação,sabe o po quê?-Ele ficou curioso para saber o que eu ia lhe dizer,levantei-me indo em direçã a escada-Por quê então amorsinho?-Ele
se arqueava curioso a frente da poltrona.

-Se não futuramente o Clãn Lioncourt e Chariére não continuará,não terão a porta aberta,o sangue estará tão ávido em Samantha que será dificil ela ter alguém para esco-
ar toda sua força,eu tenho certeza disso.A natureza pede mistura perante uma situação dessas querido Aziel,apesar da dor,precisamor continuar-Maldita fui,eu sei! Corri pela
escada,ele ficará tão furioso ao saber da verdade que tive que disparar-Lilith!-Eu ri com isso,tive que aproveitar da situação drástica para desferir contra ele tudo que eu sen-
tia e precisava ser dito.

Quando no quarto me deparei com minha doce Lucy deitada,cochilando sobre a cama,aconchegada nos travesseiros-Ah,Deuses,que maravilha,está descançando,merece de-
pos de tudo-Brami sentando ao seu lado,deslizei a mão sobre seu rosto-Ah,está aqui-Sussurrou,descansaria o resto do dia,e apartir desse momento todo processo de recupera-
ção foi continuo.Mais uma semana,mais uma semana a frente para o INFERNO voltar a pairar sobre eu e Aziel.

Só que dessa vez,Lucy não estava presente,esse foi o consolo,és a situação: Início de noite,eu jazia na salinha antes do quarto,Aziel transtornado devido a algumas brigas
com Redenção.Lucy tinha saído para jantar fora,ter seus momentos a sós,admito que durante esses dias eu falará com Isabel por telefone,derá notícias.Até Lucy pode ter a
change de falar com ela e dar notícias a empresa.

Eu lia alguns escritos antigos,falo de um dos livros.Pensava friamente em como absorver a situação.Aziel no quarto,tentando recuperar seu controle devido a uma das bri-
gas com Redenção.O motivo? LUCY.De primeiro momento só houvi sumbidos aos meus houvidos,isso me fez erguer as mãos aos meus houvidos,gritei de dor,a terrível
sensação era desesperadora.

Mas quando movi o olhar a frente,logo a vi-O que faz aqui!?-Gritei saíndo em disparada as escadas.Não esperava por isso,não tão cedo! Quase cai nas escadas devido a
pressa,passando pela sala,senti a impulção de imediata ação.'Tenhamos calma,ainda não terminamos a nossa conversa.Não vou desistir'.Houvi ela dizer,ela não se confi-
gurava,não deixava sua materialidade aparecer,ser tocável.

-Me solta!-Berrei,eu tinha meu corpo preço por algo nesse momento,a força tão grande e pesada que quase me foi impossível me livrar-Ah,céus! Me solta!-Tombei a frente,
quando me apoiei de ajoelhos sobre o gramado do jardim,mais golpes,só que dessa vez foi como peso de espasmos de ar,tinha as mãos arqueadas a frente,eu gritava de
dor,pensava apesar de cheia de dor no que devia fazer.

'Como queria que entendesse Lilith! Mal vejo a hora de se ver livre dessa gestação,estar livre para mim'.Que voz! Uma das poucas vezes até então que houvi sua voz
clara,auditível.Pude me virar para frente-Nunca!-Berrei,eu começava a chutar algo,senti uma boca morder meu pé.Acredite! Minhas roupas estavam sendo rasgadas como
o nada! O vento se transpunha contra mim como navalhas de corte,ela me mordia,me puxava.

Foi nesse momento que houvi Aziel falar,gritar,ele hávia aparecido na imensa varanda,em uma das imensas varandas-Ah,por essa não esperava-Não sabia que ele podi-
a manter seu controle,até mesmo nessa situaçao.Quando ele apareceu na varanda desceu o vão da escadinha em passos rápidos-Redenção me ajuda,sei que brigamos,a
situação e drástica-Ah,que maravilha! Eu em uma situação dessas e tinha que esperar Redenção se reconciliar com Aziel devido aos ciúmes e proteção para com Lucy,era
para rir e não chorar de tristeza,viu!?

-Se abaixa Lilith!-Gritou Aziel,só não esperava pelos berros e uivos de Fera,Aziel me surpreendia,e voltou a me surpreender nesse momento.Eu me mantive de bruços,o
meu rosto encostado sobre o gramado,mãos atrás da cabeça,Fera uivava com força,era como uma queima de materialidade estivesse acontecendo,como se ela sofresse
com isso-Ah,não vai não-Bramiu Aziel.

Vi quando Redenção apareceu na minha perante,o ser alto de pé com as imensas asas abertas,ao erguer o rosto-Redenção?-Brami assustada,ele tinha correspondido aos
pedidos de Aziel,ele me segurou nos braços-Ela não desiste,admito,ela tem vontade-Sussurrou,movi meu olhar para Fera e Aziel,tinha meus braços curvados docemente
sobre seus ombros-Deuses do céu-Brami espantada.

Era uma guerra,Fera dava passos para trás,uivada,tentava ameaçar,Aziel andava a frente,tinha uma das mãos erguidas a frente,em direção a Fera-Não falei que ia ser
fácil para você-Lamentável vê-lo tão desgastado,a força espectral brotava dele,brotava com anvico em direção a Fera.Aziel teve que ser ajudado quando Fera desistiu.
Os gemidos de dor foram impassíveis.

-Precisa melhorar Aziel-Disse Redenção ao me deixar sobre o gramado e se direcionar ao Aziel-Melhorar? Está dificil querido,imensamente dificil-Sabia que,sim,desde que
a doença forá descoberta que era perceptível a degradação celular de Aziel,apesar de BEM,ele não detinha todo o impulso inicial presenciado por mim,mas agradecia,só
ele sabia fazer isso como ninguém!

Ele se levantou rapidamente,andou em minha direção,estendeu a mão em minha direção-E você? Está bem?-Eu sorri em resposta,estendi uma das mãos para ele,mesmo
arranhada,eu me sentia plena,intacta-Sim,querido,obrigada!-Isso o assustou,o impulso que tive em abraçá-lo com imensa vontade,-Ah,entendo-Bramiu aos meus houvidos.
Me olhando tive que falar-Não pode parar com o tratamento,não terá,fim,mas tem que continuar-Ele riu secamente-Ah,imagino-Hostilidade,resumidamente isso.

Depos disso nós direcionamos a entrada da casa.Fechamos a porta e tivemos que esperar a chegada de Lilith,fomos trocar de roupas,essas tivemos que jogar fora,uso
já não era possível.Noite seguinte!? Ah,que descaso para com a surpreza que tivemos! Acredite,eu e Aziel tivemos a coragem e preocupação de saírmos,tinhamos ido
passear no bosque,e como me sentia alíviada em poder respirar.

Caminhar! Lucy quis ir comer Pizza em um dos reataurantes ao saírmos do bosque.Não demorou para chegarmos em casa depois de passarmos pela Rua.Entramos pe-
lo portão,passamos pelo jardim,quando na varanda ageitei meu manto de lã para frio,tinha escolhido vestido de lã fina para melhor frescor,a cor verde escura me foi a
perfeita escolha,o manto era branco,Aziel tirou a chave do bolso de sua calça jeans negra,a bota curta com esmero de detalhe.

A camisa de seda em cor Azul marinho cintilhou quando ele pôs a chave na fechadura,os botões prateados brilhando-Vamos querido,Lucy logo chégará e quero comer
antes de subir-Ele riu,quando destravou a fechadura deixando a porta se abrir,deu passos para trás,hávia uma pessoa lá.Acendi as luzes,andei a frente,ele veio atrás.
Ficou encarando a pessoa-Ah,mas que pretenção!-Falei alto,a pessoa levantou me encarando,era ruiva,alta,pele clara,vestia saia de algodão delicado pregueada indo
até a altura dos joelhos,a cor violeta era retoque sobre sua pele tão alva.

A camisa branca justa a seu corpo,a bota negra me foi espanto-Fazia tempos,admito,está muito diferente da última vez-Quis avançar a frente,mas Aziel me segurou.
-Não lhe interessa Raquel,mais ameaças? Para que!? Eu morrer!-Disse chorosa,me apressei em me deixar abraçar pelo Aziel,só em encarar aquela maldita era como o
pior dor golpes-Hum...Não posso negar,és um dos seres bestiais,correto?-Disse ele se afastando e andando a frente-Ah,Aziel? Me espanta,acho que o destino não po-
deria ser tão gentiu-Um dos piores momentos que poderia acontecer!
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Ter 21 Set - 12:43:44

Ah,mas será que apesar de tudo a gente está preparado para tudo que nós possa acontecer?Sim,eu acredito piamente que,sim,principalmente se tratando de tantos
detalhes sordidos como nesse momento.Aziel trocava olhares com Raquel,os olhos verdes dela encarando ele detalhe por detalhe,eu apesar de desgastada perante
a situação,tive a ousádia de sentar-me.Delicadamente pensei,respirei fundo,senti falta de ar devido a minha situação,meus medos antigos que pairavam só em vê
a maldita a minha frente.

Sinuosamente Aziel andou à volta de Raquel,ela deixou seus cabelos ruivos soltos,sentou-se na poltrona pensando no que falaria comigo.Tudo era sinuoso,trevoroso
como acalanto de negritude.Aziel trocou rispidas palavras ao falar com ela,ele demorou para processar o que hávia entre a vinda daquele ser bestial e minha presen-
ça.Gradualmente Aziel pensou,graças que Lucy ainda se mantinha fora,não chegaria tão cedo.

-Ah,admito que és mais belo do que pensavamos ser Aziel,houvimos falar,e muito de você. Sabíamos que era jovem,mas não tão jovem como demonstra ser.eu te-
nho a coragem de não negar o que penso.

Aziel cruzou as pernas delicadamente,pensou silencioso por alguns segundos.Sinuosamente ele se deixou envolver por situações rispidas,limpidas como malva de con-
cluções mentais.Não imaginava que mesmo sabendo que aquele ser era tão forte quanto ele,ele manteria sua frieza-Hum...Diga-me,o que conhece de mim,mulher?A
pretenção me espanta,tenho que admitir-A voz dele ecoou pela linda sala.

De primeiro momento Raquel deixou seus olhos verdes passearem por ele,sinuosamente pensei,me deixei silenciar por completo,soube que nem Raquel ou Aziel queri-
am alguma opinião minha-O que conheço de você? Não muito,mas o bastante para saber da importância que sua família tem para nós,os Seres Bestiais-Isso deixou os
pensamentos de Aziel transcorrerem toda uma forma de nostálgia.

Claramente que ele tinha coisas mais importantes a pensar a respeito de seus elos,suas convicções-Minha família,e claro! Era de se pensar.Concordo em termis,mas
não concordo quando uma guerra maldita,por que é essa a verdade,põe em perigo vidas-Raquel riu por alguns segundos,deixando pairar seus olhos sobre mim,percep-
tível sua alegria-Ah,fico feliz,nem precisamos pedir,implorar para que Aziel agisse como pretendíamos-Isso fez meu sangue queimar,silenciosamente fechei as mãos a
obter punhos fechados.'Psiu menina,não e momento para isso'.Ele me olhou de lado me transmitindo pensamento.

-Aziel não vim aqui para ser pretenciosa demais,vim aqui por iniciativa própria,está entendendo?Aziel,sei e dou por entender,como uma das entendedoras do assunto
que seu sonho de consumo e se livrar de tudo isso. Como? Ah,por favor! És precioso demais para nós,gradualmente entendemos apesar de estarmos agindo de modo
inesperado,digamos que destruídor-Agora,sim,isso fez Aziel perder a paciência,de verdade.

-Uma oferta? Acha o que? Que sou indiota a ponto de não saber da quase morte de minha mãe? Não seja egoísta! E como demorei para perceber,céus! E como se os
presságios tivessem sido inscritos na noite que mandaram aqueles malditos na minha casa-Isso deixou Raquel pensativa,ela pensava,tinha que coordernar bem o modo
como iria escolher suas palavras.

Apesar de tudo sua pessoa repensou nos conceitos inesperados-Bravo querido,grande descoberta,mas sabe que não e a definitiva,a maior de todas as descobertas-Eu
rompi a conversa entre eles tentando lhe tirar alguma informação,seja qual fosse! O pequeno desespero e controle começava a pairar sobre mim-Drarytha cometeu er-
ros irreparáveis,deu a entender desde aquela noite em que estive com vocês,com Graciel também,a respeito dos conceitos colocados em jogo.Apesar de tudo,relevam
a ação dele? Raquel ! Eu não sabia,nunca soube até aquele momento-Isso a deixou queimando de raiva.

-Como assim!? Isabel lhe ensinou várias das artes,deixou claro desde que te reaveu para sua família quem eras,de quem vinha,e quem a proveinho,e mesmo assim re-
nega a tua paternidade de sangue? A tua raíz?-Ela se levantou,a encarei-Calada,não pedimos nem muito menos estamos a pá de junção de conhecimentos a respeito de
suas palavras-Aziel bramiu ao encará-la.

-Calado você moleque insano. Tu é tua família nada são,são meros aprimoradores de sangue,sangue que sempre almejamos desde os tempos de Drarytha,porquê só
ele soube como transmitir e infudir sua força silenciomente. Força humana,mas sua força-Que filha da mãe,pensei! Reverbei palavras que não esperava reverbar,isso
para mim foi ultraje de verdade,tão ultrajante que minha pessoa começou a repensar na continuidade de como devería me comportar.

-Mana foi a responsável,nada ele teve com isso! Nada! Sei e sinto através das palavras de Isabel o guão ela foi importante,sei meus segredos,se essa união que diz ter
acontecido realmente existiu,só aconteceu muito depois disso! Quando e Aziel estívemos aqui,nessa Terra maldita-Isso a assustou,dei passos a frente,Aziel me puxou pa-
ra trás,pensava,Raquel não entendendo minhas palavras.

-Ela mente Aziel,mente tanto,tanto que preferiria morrer! Não existir!-Brami chorosa,desmoronei no sofá,tinha desferido a pura verdade,as palavras frias,mas cheias de
veneno,o maior veneno que podia produzir contra ela-O que ela diz? Que ousádia,afronta aos nossos conceitos-Aziel riu secamente,cruxou os braços por alguns momen-
tos,silenciosamente ele pensou,atenuou suas palavras-Ah,céus negros,céus é momentos momentos negros-Sussurrou ele olhando para o teto pensando.

Voltando o olhar para ela disse-lhe-Raquel não foi ele,o Drarytha,o rei,o magnânimo líder bestial que desferiu toda semente,está olhando para ele,nesse momento,eu fui
e sempre serei a patente de tudo isso. Volte a três mil anos querida,antes de Thalwa ir para aquelas Terras até então desconhecidas para o mundo,exatamente quando a
minha filha,Samantha apareceu-Raquel ficou desnorteada-Continua maldito-Sussurrou ela raivosa fechando as mãos em punho.

Me controlava,se ela tivesse que houvir algo,levar alguma mensagem,que fosse naquele momento,deixei tudo para Aziel,ele merecia esse prazer depois de tudo,todo o
seu sofrimento-Não conhecia Lilith,sei e tive certeza que como humano,como aprimorador da arte desconhecida é mistériosa,encontrária alguém,foi comigo,acredite,com
a minha pretenção que amei,vivi,tive minha filha e fundei minha família.Não acredita em reencarnados,não e? Está olhando para um,para um Raquel. Mana pode ter ti-
do a ousádia de levar sua patente a frente,muito antes da minha patente,mas eu? Ah,céus,tive a minha patente naquele momento ao obter e tomar para mim toda pa-
tente de Mana-Raquel se assustou,andou para trás.

-Sai de perto de mim maldito-Bramiu ela com maior raiva,medo devido ao modo como ele andava,como ele segurou com força sua mão fechada em punho-Lilith foi um
dos cemblantes continuos de Mana,eu fui o primeiro cemblante da família Lioncourt,então,se têm que agradescer a uma pessoa por ter infudido algo no fraco sangue de
Mana,porquê,Drarytha não teve nem uma condição como humano,é a mim!-Gritou Aziel a empurrando para trás-Loucura!-Gritou Raquel em resposta.

Temi que uma pancadaria generalizada entre ele e ela começasse,eu me mantive atenta,chorosa,mas houvindo-Reencarnado? O que e isso? Nunca tive a prova dessa
forma de dar continuidade,loucura,mentira,tudo mentira,se me chama de pretenciosa,és um-Isso o deixou furioso de verdade,temendo que mais uma loucura erronea se
tornasse real,me apressei em levantar-me.

-Raquel por favor,por favor! Não queira saber de coisas que nem você ou qualquer ser bestial entenda.Ah,céus,pode cometer um erro entanto,todos vocês,acho que as
respostas estão claras,óbvias,não queira entender-Aziel me olhou de lado,repensou em alguns conceitos com a maior rapidez possível-Quis ser sua amiga,sua aliada,isso
e traição,e das grandes Lilith-Aziel arqueou sua sobrancelha.

-Aliada? Que aliada? Não vejo nem uma aliada aqui maldita,maldita por si! Vai embora,leva consigo a mensagem que eu e Lilith desejamos passar.Como tudo isso foi e
se tornou possível? E nosso segredo-Raquel agiu rapidamente,ela que ebofetou a face de Aziel,se afastou com raiva-Então prova,vamos,prova,se és ou foi melhor,se tu
esteve presente no passado,então prova,se és realmente melhor do que Mana e Drarytha,prova-Ele voltou seu olhar a ela,tinha algumas gotas de sangue ao lado da bo-
ca.

Me apressei em limpar o sangue com a palma da mão,voltei meu olhar a ela-Para,chega,chega! Tudo que fez com vossas pretenções,com as pretenções de Graciel foi a
me infudir dor,imensa dor-Ela riu secamente de minhas palavras,sinuosamente andou para trás,foi quando Aziel avançou contra ela-Ah,é!? Quer mesmo que prove? Vai
rogar para não ter nascido!-Extrondo pela sala,foi como se pessos de barras de ferroz paírassem sobre Raquel.

Ela sentiu tanta dor que se ajoelhou perante ele,nunca vi tamanha negritude tomar contra de Aziel,era como se ele estivesse sido tomado por algo-Lhe garanto que tu vai
roga para nunca ter nacido-Sussurrou cheio de ódio,ódio! Algo nunca visto-Aziel esquece,para,para,para!-Gritei loucamente,não adiantou,ele a jogou para frente em direção
a porta,a fez ir para varanda,ela que hávia saído desesperada.

Um ataque,um ataque que nem eu pretendia fazer-Minha família,nem um dos membros e vosso templo,templo de nem de vocês!-Que berros,gritos! Aziel saiu,correu pa-
ra fora,a seguia,sai atráz dele desesperada-Aziel!-Ele não me houvia,temia isso,temia por que só meu coração conhecia e ainda conhece muito bem o que e vê Aziel com
fúria,cheio de ódio que queima no sangue.

-Houviu claramente minhas palavras? Vai embora,leva consigo minhas palavras,deveria estar grata por eu lhe deixar viver.Quer uma prova? És a prova!-Não reagia,eu
paralisada pela cena,ele que desferiu vários tapas no rosto dela,ela tombou sobre o gramado do jardim,seu rosto ficou marcado-Ah,isso vai ter volta,va,sim-Sussurrou,os
olhares dele se encontraram,Aziel arqueou a sonbrancelha.

O ódio lhe queimava tanto no sangue que ele respirava rápido,falou apontando o dedo para ela-Olha aqui,houve! Todos vocês ultrajaram minha mãe,quase me usurpa-
ram do leito dela,do ceio dela;Garanto que o que que fizeram naquela noite vai ter volta,nem que eu tenha que morrer para isso.Não sabe quem eu sou,nunca vão saber.
Não conhecerem mesmo o significado do que acabado de lhe dizer.Da mesma forma que chamas-tes minha família de fracos,farei por onde todos vocês sere-Que loucura.

Tive que agir,sofri,mas meu corpo agiu quando me deixei parar na frente de Aziel,deixei as mãos pousarem sobre seus ombros-Querido chega,chega-Odiava vê tanta fú-
ria em seu olhar,fúria de verdade.Odiava mesmo.Raquel se recompunha,a quietude pairou trevorosa sobre nós,eu que tentava fazer o controle de Aziel voltar,apesar de
quase impossível,tentei,eu tentava-Chega,não tem que provar nada a eles,nada-Disse chorosa,implorando!
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Ter 21 Set - 14:13:10

Ah,se eu soubesse do que aconteceria a seguir! Juro que teria feito com que Aziel entrasse,feito com que aquela malidita fosse queimada.Vi quando Redenção se materializou
de pé debaixo de uma das arvores-Tenho que admitir,esse jovem me surpreende,sempre me supreeende-Olhei sinuosamente para Raquel,mas apesar de tudo,deu ter pedido
que Aziel parasse,ele continuou,bramiu as poucas palavras que tinha a dizer para Raquel.

-Houviu bem,sei que houviu.Não preciso repetir novamente tudo que lhe disse. Não és bem vinda aqui,mas é muita irônia teres a coragem de aparecer,mesmo sabendo das
conseguências.Não seja mentirosa a ponto de dizer que não,não sabia das conseguências-Silêncio,Raquel se recompunha,retomava seu controle-Pagará caro,tenha certeza,eu
juto que vai pagar pelo que fez-Ele se manteve silenciado,ofegou tomando ar.

-Ah,sim,disponha-Não demorou para ela se direcionar aos portões,mas antes de sair senti arrepios devido ao seu olhar,ao modo como ela se virou bramindo suas últimas pala-
vras-Pode até ser Aziel,mas garanto,eu e todos nós garantimos que nada disso passará em branco. Fera falará e agirá por si,ela saberá como talhar o caminho para nós.Se a
Ferá está de volta,e que deve haver vários motivos-Depois ela saiu.

O portão fechou-se,eu desabei ofegante nos braços de Redenção quando ele foi visto atrás de mim-Ah,que loucura-Sussurrei tomando ar,nervosa,Aziel voltou sua atenção pa-
ra mim-Querida?-Ele me chamava,silenciosos a gente entrou,quando na sala fechamos a porta,Aziel friamente não responderá as palavras de Raquel,mas eu garanto que pela
visita,pela briga,ameaças entre ela e Aziel,eu não esperava.

Sentada no sofá ele foi pegar um copo de água para mim,bebi alguns goles quando ele voltou,sentou-se na poltrona,tinha um delicado pano limpido para secar sua boca que
hávia sido machucada devido aos tapas de Raquel-Aziel aquele não era você,era outra pessoa,outra pessoa-Disse ofegante-Ele arqueou a sobrancelha delicadamente,foi pa-
ra retomar a odem de seus pensamentos.

-Lilith me ama de verdade? O que você quer? Ceder as tentações do poder que Fera pode lhe proporcionar ou estar comigo?-O olhava,segurava o copo na mão,pensava.Nao
deixei de sentir na pele a inquietação a qual eu hávia sido submetida-Eu te amo Aziel,não desistiria de nada para ceder a tudo isso-Ele respirou fundo,foi como se algo o tomas-
se,o enchesse de presságios,loucura de todos os aspectos.

-Entendo,eu admito,foi corajosa,imensamente corajosa-Ofeguei em resposta,apartir desse momento só eu e ele tivemos a compaixão de repensarmos no que havíamos feito
devido a presença de Raquel-Sabe que ela levou consigo suas palavras.O que eles vão pensar? Aziel eles agora vão saber,não pensei que ela deixará de contar para todos,a
minha pessoa tem certeza que não-Ele ofegou.

Tomou folego-Lilith não sou fraco,odeio ser chamadod e fraco,sabe porquê?-Disse arquando a sobrancelha esquerda-Sim,fale-Pedi pousando o copo sobre a mesa de centro,A
sua voz rispida-Por quê entre eles,todos eles,perante cada um dos membros de minha família,eu fui tido como fraco,então não vou morrer como fraco,não vou me dá ao luxo
de passar essa imagem para eles-O respondi em seguida.

-Mesmo correndo risco de morrer? Aziel eles clamam por você desde que nasceu. Ah,céus,e agora eles sabem da profundidade de tudo isso.Loucura meu amor,puramente lou-
cura-Ele levantou-se me encarando-Sim,admito,posso até morrer,mas não vou ceder,e isso que desejo saber de você: Vai ceder? Por que sabe? Se for,se acha que não tem a
minima change de lutar,deixa Samantha nascer,a levarei comigo Lilith,não sentirei medo,remorso,nada disso-Me apressei em levantar-me,em lhe acariciar o rosto.

-Não,jamais,entendo sua convicção,já tive provas o bastante para saber,para não ceder.Provas tão reais que não poderia ser ingrata-Ele riu docemente,finalmente podia vê
a centelha de paixão ardendo em seu olhar,ele deixou seu rosto se encostar ao meu,minhas mãos se moveram sobre seus ombros.Enquanto o beijava pensei profundamente
se tudo isso valeria a pena,e soube que,sim,ao me afastar devagante,silenciosa.

-Lilith nada do que somos,nada disso existiria se não lutassemos,está entendendo?-Ofeguei segurando firme suas mãos-Estou entendendo Aziel-Só quando a quietude voltou
a pairar sobre a casa,quando tudo se acalmou e que Lucy chegou.Sinuosamente eu e Aziel tinhamos ido para cozinha,terminado de retomarmos nosso controle lá,foi como a
vitória do brilho da luz.

Tinhamos feito alguns sanduiches,desejamos matar a fome da forma mais rápida possível.Ela entrou,houvimos enquanto comiamos o entrar de Lucy.Siniosamente ela andou
pelo corredor,hávia visto ás luzes acesas-Alguém ai?-Perguntou ela ao entrar na sala-Oi,pode comer muita Pizza?-Ela riu com minhas minhas palavras,caminhou docemente a
procura de lugar na mesa-Ah,sim,pode ter certeza-Aziel riu,ele que deixou o grande copo de vidro cheio de chá gelado pousar a mesa.

-Que bom,ficamos felizes,admito,está revigorada,se recupera bem,fico feliz,viu?-Ela o olhou,seus olhos claros em tom castanho passeando por ele,os cabelos soltos,as ondas
negras lhe caíndo pelas costas-Não seja atrevido Aziel-Ele riu,ela preparava seu pequenino prato cheio dos delicados é pequenos sanduíches-Foi como malva,só em termos a
presença dela,era como emanação de tranquilidade pela casa.

Eu e Aziel tinhamos dado sorte em ela estar fora naquele momento,nem queria imaginar o que poderia ter acontecido.Se passou alguns momentos até terminarmos,quando a
minha pessoa sentiu-se saciada,levantou-Aziel por favor,preciso subir,estou sonolenta,nem sei o que farei-Ele me fitou por alguns segundos-Lilith-Nem deu tempo dele terminar
o que começou a falar.

Me direcionou para sala,até Lucy veio em minha direção-Lilith precisa mesmo disso? Se precisa eu passo a noite com você-Disse Aziel-Ah,admito que e como se você estives-
se a pontod e explodir-Bramiu Lucy,ela que me fitava de pé,eu parava no vão da escada da sala-Não querida,não e isso-Ah,se ela soubesse! Ela entenria melhor o motivo de
minha pessoa precisar de tal momento.

-Aziel vai mesmo ficar aqui para dar continuídade aos procedimentos facultativos?-Ele não respondeu de imediato,mas soube pensar para eu compreender com a máxima per-
feição-Sim,eu vou-Subi,foi nesse momento que houvi quando Lucy direcionará algumas palavras ao Aziel-O que há com ela?-Quis saber-Nada Lucy,esqueça,tudo que Lilith es-
tá disposta a fazer,e dormir-E como,pensei!

Segui sinuosamente,quando no quarto desabei na cama,nem quis acender ás luzes,docemente minha pessoa se deixou pegar no sono.Tudo foi rápido,foi como se meu corpo
depois de tanto medo,caláfrios,sensações trevorosas,tudo isso causado pela visita inoportuna de Raquel,descontasse sua recuperação no sono,foi como se meu corpo entrasse
em provesso de recuperação de energias.

Sonhei envolta em minhas aflíções: Me vi no meu quarto,na mansão aonde eu morava.Escuridão rompida pelo luar da noite vindo pela varanda,me encontrava sozinha,com
isso me deparei com sensação de presença.Um bebê chorava,chorava,o choro vinha do corredor,me direcionei ao quarto.'Filhinha?'.Bramia ao andar,abri a porta do quarto de
Samantha,me deparei com um homem não muito alto,louiro,cabelos cheados indo até a altura dos ombros,os furiosos olhos cinzentos mas absorvendo bem a cor azul me fita-
ram.

Ele segurava Samantha nos braços,estava sentado na cadeira,logo ao lado da mesinha.'Ela é linda,imensamente linda'.Sua voz tinha tom forte,mas aveludada como toque
de ventos do mar,ele trajava calça jeans da mais pura cor negra,as botas pesadas na mesma tonalidade,o olhava,passeava o olhar atentamente absorvendo os últimos deta-
lhes da cor de sua camisa de sesa em cor imaculamente branca,os botões de camafeus brilhando,ele ageitou o manto que envolvia Samantha.

Não entendi o motivo.'Sabe? Tudo isso,tudo isso e a mais pura verdade,agora eu sei,eu fiz bem'.Quem era ele!? Já tinha visto esse maldito em outros sonhos,outras inspira-
ções como deve entender.Ele levantou-se,seus lábios se moveram.'Eu a odeio'.Bramiu voltando seu olhar para mim,o choro de Samantha ecoando no ar! Ele a segurava,es-
tava disposto a não entregá-la para mim.

Seu longo cacaso de cor negra belo,andulava com seu andar pelo quarto,ele apreciava a criança.'Fiz bem'.Bramiu,Deixando Samantha pairar sobre seus ombros,voltou a me
encarar.'Não pense que vai ficar com ela,ela e minha'.Ah,sentia medo,tanto medo! Não era humano! Senti meu coração doer,ele andou saíndo pelo corredor,Samantha chora-
va muito,corri,meu vestido de lã em cor oliva oscilava com meu ar.

Gritava com vontade.'Samantha!'.Meu grito ecoou pelo correedor,vi o rostinho dela por baixo do manto,seu rostinho pousado sobre os ombros dele.Ele andava,seus passos e-
coando pelo corredor.'Minha última vitória,meu último ato'.Me deparei sem forças,ele sumiu na escuridão do corredor,junto dele o choro de Samantha.Jazia sobre o chão,eu a
soluçar,o choro de Samantha sumiu aos poucos.

Final de sonho.A voz de Aziel reverbando em meus houvidos-Lilith estou aqui-Abri meus olhos,sentia caláfrios-Nossa,com o que andou sonhando?-Assenti medrosa,sentei-me
encostada no espelho da cama,ás luzes acesas,ele tinha tomado banho quando subiu,eram altas oras da madrugada-Nada meu amor,nada-Ele sentiu-se ofendido com meu o-
lhar,mas mesmo assim,lindo com a calça de algodão cinza,a faiza branca atada a cintura.

-Calado! Preciso de silêncio-Brami frazendo sinal de silêncio-Ele me olhava-Você muda,mais do que nunca me deparo com a próximidade do nascimento de Samantha-Mais ir-
ritação,não pela presença dele,mas por lembrar do sonho,da vinda de Raquel.Olhei cheia de raiva para a entrada da varanda-Que ódio-Sussurrei,ele assentiu me acariciando
o rosto-Tenha piedade-Bramiu.Eu pensava friamente.

Que seja-Sussurrei o olhando,mas eu sabia que no fundo no fundo tudo passaria.Que essa raiva passaria.Que ao menos um momento de tranquilidade viria.Aziel deitou-se
ao meu lado,ele olhava para o teto,pensava.Não disse nada.Mas era certeza:A irritação pairava entre eu e ele,o motivo nunca entendi,mas a raiva pairava,tudo isso,preferi
ficar silenciosa,deixar todas as anflíções se esvaírem como pó.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Sab 25 Set - 12:11:20

Ah,mas será que tudo isso serviu para alguma coisa? Eu acho que sim,eu senti gradualmente apesar de me envolver nessa raiva,transtorno que tudo era gradual.Mesmo
a minha pessoa não querendo. Ah,mas afinal de conta passaria,e passou ao decorrer de todo momento e ardomecer,é claro.Tudo que sei e que no dia seguinte desejaria
dar uma ótima organização nas roupinhas de Samantha,o pequenino enjoval que jazia quardado nas gavetas do quarda-roupas.

Mesmo não querendo mexer até o nascimento dela,sabia que isso teria que ser feito. E foi o que aconteceu no dia seguinte,era tarde,o sol iluminava toda casa apesar do
tempo está frio,envolto em cálido toque corporal.Lucy estava linda nesse início de tarde,ela vestia saia de seda de linho de cor negra,a sandália amarela delicada aos seus
pés,o salto baixo lhe dava melhor conforto.

A camiseta amarela pata combinar com à sandália justa a seu corpo,o decote dos ceios fartos em um perfeito V.Quanto a mim atenuava todo um geito de ageitas as rou-
pas de Samantha,minha túnica branca oscilava com meu andar pelo quarto,Lucy sentada a beira da cama mexendo em alguns detalhes dos laços de fita de Samantha.Eu
pensava-Lucy será que devemos lavar isso? Falo de mandar para lavanderia,de deixar tudo perfeito-Ela riu delicadamente-Acho que seria a melhor forma de preservar ás
roupas de Samantha até ela nascer-Compreendi.

-Que bom que concorda comigo querida,sinceramente não queria fazê-lo mas não vejo outra forma-Ela riu novamente,se deixou pensar por alguns segundos,foi como se a
sua pessoa se envolvesse em um pensamento em espécial-Será que um dia eu passarei por essa experiência?-Eu a olhei em resposta,foi como se sua pessoa se tornasse
notável por alguns momentos-Tenha certeza que,sim,espero que seja com uma pessoa que lhe agrade muito-Ela compreendeu minhas palavras.

Aziel estava na sala lutando para concluir partes específicas de seus trabalhos facultativos,não pretendia atrapalhar,acho que foi até por isso que minha pessoa deixou o
maldito a vontade,ele seria capaz de chorar se o tivesse feito.Lucy foi até às gavetas do quarda-roupas,se abaixou se apoiando sobre os joelhos,apartir daquele instante
começamos a separar às roupas de Samantha para mandar para a lavanderia.

Macacões,touquinhas de lã,luvinhas,sapatinhos,tudo isso.Admito que só faltei chorar devido as visões,íamos dobrando peça por pela,colocando em uma bolsa espécial,eu
a pensar no que faríamos a seguir.Foi tênue o momento.Tantas peças específicas que me deparei pertida por alguns momentos,foi quaro que ao decorrer desses dias apôis
o aborto de Lucy que leite já não mais existia,a neutralidade a tomará por completo.

-Tire esses sapatinhos,mantenha-os separados,não vai ser necessário mandar para lavar ou limpar-Ela compreendeu,deixou seus dedos se moverem sobre algumas mechas
de seus escuros cabelos os jogando para trás,o sol batia sobre seus olhos castanhos mantendo a densa claridade do tom,olhos castanhos mas claros como malva da cor de
avelãs.Ah,demorou para voltar a descrever a cor dos olhos de Lucy,mas tenho que fazê-lo novamente,é uma cor tão espécial é rara que me e difícil descrever devido a emo-
ção que eu sinto,Sara.

-Toma Lilith,querida quer que eu vá até á lavanderia? Não vou demorar,tudo bem? Eu mesma organizo tudo,acho que às peças já estão separadas,tudo organizado.Eu
vou por você.

-Tudo bem,nada melhor poderia acontecer-Ela sorriu,tão magra,delicada,nem parecia que têm quase a mesma idade que minha pessoa,ela sau rapidamente,levou à bolsa.
Ela iria passar a tarde na lavanderia até tudo estar pronto,fiquei feliz de sua pessoa fazer esse favor para mim.Deitei olhando para o teto,pensei por alguns momentos nas
indagações que minha estádia fazia acontecer em minha vida.

Fechei meus olhos,me sentia um pouco cansada,nossa,nem acreditava que às gavetas estavam fechadas,tudo separado,só faltava Lilith voltar,mas me conformei em saber
que não a vería até o início da noite.'Lilith me houve?'.Era Redenção,senti as batidas de meu coração aumentarem nesse momento,ofeguei voltando a abrir os olhos,o vi ao
lado da cama sentado,pensando-O que foi meu querido?-Quis saber.

'Aziel,ele não fala,mas está com um pequeno problema'-Compreendi,ele só vierá me alertar de que as injeções de Aziel provavelmente estavam no fim,de que uma nova
maleta devería ser comprada-Ah,entendo,não fique preocupado,resolverei isso logo,logo-Foi quando ele tomou a coragem de levantar-se,de cruzar os braços me encarando
profundamente.'Lilith ele saiu a poucos instantes,ele saiu a produra'.Eu gelei nesse momento,Sara,gelei de verdade.

Me movi sentando ao lado de Redenção,deixei meus pés pousarem ao chão sobre o tapete-Esse problema de Aziel,ele se desespera por coisas tão simples-Rendeção teve a
coragem de me afrontar nesse momento.'Não tem o direito de pensar desse modo,Lilith,ele sofre entende? Não e fácil viver sabendo que a qualquer momento pode morrer
se não tiver condição de manter a quantidade é o nível de remédios'.Ofeguei docemente,era como se monstruosidade se tornasse tocável nesse momento.

Tudo tão gradual,coberto de metáforas,atenuei meus pensamentos,a coragem foi de descer.Em questões de segundos estava na sala,Redenção hávia me seguido,ele que
não se desgrudou de mim-Qual e a dele? Ele pensa que e sair sem avisar?-Houvi a voz de Redenção,ele que andava procurando algo pela sala,delicadamente passeava o
olhar por todos os detalhes.'Não e isso,Lilith,ele tem medo,medo de fazê-la enlouquecer como já fez em vários momentos'.Compreendi,mas mesmo assim,admito que me
sentia ultrajada.

'Não pense assim querida,tenha sabedória para lhe dar com a situação'.Ele disse apotando para o sofá,me sentei,lá estava o laptop de Aziel,ao lado um bilhete,pensei ao
captar cada detalhe dessa cena notável-Ele saiu assim que Lucy saiu,acho que só esperou o momento certo para ir a procura-Ofeguei cruzando ás pernas e me jogando pa-
ta trás do sofá,tomei o laptop no colo,pelo visto ele tinha concluido seus textos e mandando via arquivo anexado em seu e-mail particular.

-Nossa,ele leva isso na seriedade,e assustador-Redenção riu por alguns momentos,ele que andava pela sala.'Não e assustador,mas diria que encatador,não vai demorar e
logo,logo conhecerá a mãe dele,dará a luz a Samantha'.Eu ri,ri de verdade porquê saber disso,me enchia de pura alegria-Eu sei,eu entendo meu querido-Já olhava todo o
texto de Aziel,mexia em tudo,em todos os arquivos.

Tudo sinuoso,depois disso tive a coragem de abrir o bilhete que jazia em uma das minhas mãos,céus,ainda me era assustador me deparar com uma inscrita tão antiga,uma
escrita grega que remontava a milênios atrás,e ele tinha feito isso de favor para me dificultar a leitura que já me era escaça a respeito do grego atual é antigo.Passeava os
olhos pelas palavras sobre o pepel branco:

"Meu amor eu tive que sair,não me verás até o início da noite. Não me sinto bem,me desculpe em não lhe falar,mas e que os efeitos da falta das injeções de anfetáminas
apesar de ser por pouco tempo,já me e sentida. Eu te amo,juro que não demorar,mas preciso sair para procurar.

Sobre Lucy,desculpe,mas e que ainda estou me conformando a respeito da perda de meu filho,algo que teria sido exclusivamente meu. Se cuida,até mais tarde,juro que à
gente se verá o mais breve possível".

-E como pensei,ele me odeia por tudo.E amarguramente saber que ele desejava tanto algo unicamente dele,sem preço,assim como eu cobrei-Ofeguei expremendo o bilhe-
te entre os dedos da mão,desliguei o laptop delicadamente,o colocando na mesa de centro me deitei para cima sobre o sofá,reli o bilhete várias vezes,várias e várias vezes.
-Entendo-Brami sussurrando,pensando no sentido de tudo.

'Lilith não fique triste,não vale a pena'.Bramiu Redenção ao sentar-se sobre o chão,o olhei movendo o rosto chorosa-Ah,Redenção,imagine! Fui pretenciosa,egoísta,ele que
bateu em minha porta,ele que correu para meus braços quando soube que era a change deu o ajudar.O que ele deve ter pensando quando desferi em sua face o preço de
minha ajuda? Um filho,nada mais,nada menos que isso,queria um filho-Voltei a olhar para o teto.

'Não,tu sentiu quando ele cedeu,tu sabe o porquê ele cedeu'.Entendi,pensava profundamente na situação-Ah,sim,naquele maldito bosque ele entendeu,mesmo contra a sua
vontade,e como fui maldita-Brami perdida olhando para o teto. Será que anjos podíam intervir por nóis nessa situações? Sinceramente tive a certeza de que não,Redenção a
se aquietar,ele que preferiu se envolver em sua quietude por alguns momentos.

-É o que tens a me dizer Redenção a respeito de tudo isso?-Houvi sua voz romper a quietude a qual se envolveu-Sinceramente tens que se preparar para educar e alimen-
tar sua filha,e isso que tens a fazer-Ofeguei,o choro se ia embora,já não mais existia,era como esmero de holocausto se desfazendo por alguns instantes,foi como se toda a
quietude de meu coração fosse controlada.

-Obrigada meu querido,queria muito que esse tempo passasse rápido,mal vejo o momento de ter Samantha em meus braços-Ele riu diante de minhas palavras,isso fez meu
coração se confortar-Tome cuidado-Sua voz já não era cálida,mas poderosa,forte como esperado.Mais tardar iría para o quarto de Lucy,desejava passar alguns momentos a
pensar a respeito disso tudo,devagando para deixar o controle me tomar o coração,fiquei deitada no sofá da sala,me perdendo ao olhar para o teto.


Última edição por Ana Nery em Sab 25 Set - 13:31:46, editado 1 vez(es)
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Sab 25 Set - 13:22:46

Depois desse cálido momento fui na cozinha,abrindo o frieazer da geladeira vi que a meleta não estava mais lá,preocupante por quê se tratando da perigozidade da situção
e que Aziel tentava se prevenir a respeito de sua doença celular incuravél-Ah,Redenção,isso me deixa triste,imensamente triste-Brami pensativa,sinuosamente fechei o fria-
zer,me direcionei ás preteleiras cheias dos potes de ervas-Sérá que em um desses potes existe alguma erva que o ajude?-Brami.

-Sinceramente nesse mundo não existe erva que possa curar Aziel definitivamente,Lilith.Ele terá que conviver com essa doença até o fim de seus dias,terá que aceitar ten-
tando não se fazer mau ao se rebelar contra as injeções,tudo sinuoso,eu sei,mesmo assim,não deixava de sentir meu coração doer por dentro,de sentir a malva do pavor pi-
sicológico a qual Aziel tinha sido subimetido.

Dei passos em direção ao corredor,me direcionei ao jardim ao sair da sala e passar pela varanda,sinuosamente vislumbrei o lindo chafáriz derramando suas águas,o sol fazia
um lindo arcoíris batendo sobre as águas-Nossa,esse é o puro presságio que eu tanto desejo-Brami sorrindo,tão lindo! Tão lindo que decidi me sentar sobre o gramado por al-
guns instantes,sinuosamente a quietude me tomou por completo.

Ao encarar silenciosamente o arcoíris que o sol fazia sobre as águas do chafáriz,foi como se Samantha enchergasse atravéz de mim,como se a minha pequenina criança sen-
tisse toda situação-Nossa,acho que até você gostou pequenina-Brami,é ela chutava,devagante,mas sentia a pequena insana se mexendo,se confortando ao se aquietar,era
como se ela exercita-se seus pequeninos musculos.

-Ah,admito,estou gostando-Disse rindo por alguns instantes.Quando me levantei senti a malva do vento vir com força,admito que me assombrei nesse momento,isso devi-
do ao fato de que sabia que não se tratava de Fera tentando vir novamente,nem de Redenção,ele que fazia apenas sua presença pairar,mas de um outro alguém-Não en-
tendo,mas quem será?-Me deparei sussurrando encarando a entrada do lindo jardim(O portão).

O cheiro das rosas pairando no ar.Quando me direcionei aos fundos da casa indo em direção ao quarto de Lucy olhei para trás,nada,mas os sussurros me foram nítidos aos
ouvidos."Estou apenas irritada,ofegante,espero para poder sair desse casulo para poder respirar,vê o mundo de forma humana novamente,preciso exercitar meus dons".O
meu espanto foi imediato.Quem era eu não sabia,mas espantoso em tudo que se possa imaginar.

Fui para o quarto,entrando fechei a porta a deixando apenas encostada,delicadamente abri às janelas,às cortinas delicadas,o sol fraco da tarde entrava,me deitei na cama a
deixar-me ardomecer,sonharia com muitas coisas,o que me deixava anciosa,cheia de indagações a respeito do que tinha sido aquele momento inoportuno.A anflição da falta
das injeções de Aziel não me deixou quieta.

Era complicado dormir e saber que o perigo pairava,que rondava a saúde dele novamente."Sim,ele está desesperado,mas vai sobreviver,papai tem que sobreviver".Ainda
estava para nascer alguém superior a ele,mas que séria? Pensei em pleno sono."Eu serei à superior,imaculada como devía ter sido quando humana".Maldição! Quem era!?A
canção de sinos ecoava junto a essa voz.

Que harrogância e pretenção ao ouvi uma pessoa pensar desse modo! Sinceramente de imediato me deparei falando com essa pessoa."É e assim que pretende existir? Tu
achas que eu permitirei isso? Ah,criança pretenciosa,não sabia que uma pessoa com tais opiniões viría falar desse modo comigo".Risinhos,o que me pegou desprevenida,eu
me mantive silenciosa,tentei captar o que a pesso falaria."Sempre fui assim,pensava que sería o que? Uma santa? Ah,não,jamais,não fui quando em minha outra visa,mui-
to menos serei nessa".

Miserável pensei! Como desejei saber quem era à maldita pessoa! Como! Implorei por pensamento para saber quem era à pessoa,e o que houvi como resposta? Veja por si
Sara."Vai ao inferno,me abandonas-tes naqueles tempos,foís-tes queimada,está entendendo agora? Agora começa a captar quem eu sou? Não sabe quem eu fui,poucos sa-
bem,poucos que cuja dei meu sangue e vitalidade sabem! Te odeio,e simplesmente isso,te odeio!".Os gritos reverbando em minha mente.

"Então quer dizer que me considera uma mera casca Samantha? Um mero auxílio para vir novamente ao mundo?".Ah,senti imensa irritação em saber que eu descobrirá sua
identidade que até então me era tão secreta,aquelas primeiras formas dela tentar contato comigo me vieram a mente."Ah,sim,um mero auxílio,colocou muito bem cada uma
das palavras,mamãe.És tão maldita como eu,é,admito,tenho a quem puxar".Que rancor,pensei!

Me houvi ofegar,me vi encarando um rostinho delicado,me vi encarando o pleno escuro,uma criança saíndo das sombras,uma menininha vestida com um vestido branco de
uma delicadeza surpreendente,aquela criança loira com cachos aos ombros,o laço atrás,tão lindo! A renda do vestido apavorante,não compreendi,mas os olhos cinzentos me
eram como maldade,plena maldade,era como se a inocênte que toda criança devesse ter fosse rompida.

"Cuidará de mim? Acha que pode evitar com que aquele insano me leve?".Não entendi,mas pensando,entendi,me deparei sentada a sua frente."Acho que posso,nada nesse
mundo me faria desistir,eu te amo pequenina".Houvi ela rir,mas um riso tão maldoso que me provocou caláfrios."Hum...Acho que não,não quando se trata do Principe mole-
que,o principe que fiz nascer e vir ao mundo séculos apôs minha morte prococada por Redenção,avise a aquele anjo-demônio maldito que terei a tutela dele quando viva,não
deixarei passar em branco!".Reverbou a criança,tão cruel!

"Samantha! Por quê tens tanta maldade no coração!? Queria entender!".Gritei,ela apontou para mim,o que me fez andar para trás,a criança malvada que andava me apontan-
do o dedo."Por que quando na outra vida fui cerva de forças negras,apesar de forças brancas! Está entendendo!? Sou má,mas também consigo ser boa,não pense que preten-
do viver com aquele indiota do Principe Moleque! Não quero!".Parou.

"Sente medo,imenso medo,não entendo".Ela desviou o olhar."Ah,céus,só em pensar que de nada lembrarei quando nascer,me sinto angustiada,me proteja até eu poder me
lembrar,por favor! Me mantenha longe dos braços daquele maldito".Compreendi,da mesma forma que eu sentia uma ameaça futura pairando sobre ela,ela também sentia,eu
a encarava,o riso malvado se atenuando em sua pequenina boca de criança.

-Sabe qual foi o problema dele? E que ele fui o erro de nossa família,fraco quando humano,também fraco quando imortal,apesar de tudo ele soube fazer,e como soube.Quem
derá poderes ter visto como ele trouxe papai de volta,acho que a única pessoa que me ama de verdade.

Ela sumiu,do nada ela hávia sumido no vácuo do ar sendo tomada pela escuridão."Samantha! Samantha!". Gritei,foi quando do nada acordei,me deparei olhando para às jane-
las do quarto,era início de noite,assombroso,estava chorosa devido ao momento,ao obter esse primeiro contato tão profundo com ela-Ela me odeia por quê sabia que se eu esti-
vesse viva,a teria protejido de tudo isso.Que loucura-Sentei-me a beira da cama.

Mas algo me veio.'Aziel está na cozinha,corre! Lucy!'.Ah,maldição! Corri apressada,mas ficará grata pelo alerta de Redenção,passei pelos fundos,fui ao jardim,depois para a va-
randa,quando na cozinha me assombrei ao vê Lucy de pé,ela que hávia chegado logo após Aziel-Não entendo-Disse ela me fitando assustada,eu entendia-Ah,querido-Andei ao
seu encontro,ele que jazia de pé de frente para a geladeira aberta segurando uma das seringas.

-Eu não sei como aplicar,não sei-Sussurrou ele rouco,sem forças,suava,tinha febre,tinha andado por toda Cidade a procura das novas seringas para quardar na maleta.O segu-
rei,Lucy se apressou em me ajudar-Faça com que ele sente encostado em uma das paredes Lucy-Ela compreendeu,o ajudou a sentar-se no chão,olhei uma das novas seringas
que ele tinha deixado cair ao sentar-se junto a Lucy.

-Aziel,lamento,mas dará certo-Ele ofegava,procurei na mesa na cozinha o novo frasco do liguido anfetáminico-Aqui está-Brami o pegando,dentro da bolsa estava a seleção com-
pleta das seringas,mantendo a pressão enchi a seringa delicadamente(Quantidade exata!).Lucy me olhava-Você consegue?-Bramiu ela sentada ao chão dando apoio ao Aziel-E
claro que consigo-Brami,me apressei.

-Aziel! Dormir agora não pode,não pode-Pedi o encarando,mantendo as mãos pousadas ao lado de seu rosto,eu desabotoei sua camisa de linho de cor azul marinho,ele usava
calça justa jeans negra,as botas curtas lustrosas-Não durma-Pedi novamente,ele ofegava,febriu devido ao início de um novo ataque-Calado-Pedi antes de mover minhas mãos
sobre seus braços,atenta aonde eu iria aplicar.

Um pequeno roxo no braço-direite devido as aplicações anteriores,mas no outro não,estava livre para a nova cepa de continui tratamento-Quieto-Pedi,Lucy se apoiava senta-
da atrás dele,uma de suas mãos deslizando pelos seus cabelos ruivos-Ah,quando isso vai acabar?-Bramiu Aziel,o olhei por alguns instantes-Aceite,nunca-Ele riu amargamente,
sinuosamente soube pelo toque da veia aonde devía aplicar.

Sorri delicadamente,segurei com suave pressão seu branço,mantendo a seringa tão pequenina é delicada,fiz suave pressão expirando algumas gotas.Devagante apliquei,ele a
deixar seus olhos se fecharem devido a dor,ele odiava isso,odiava,a dor era ardente devido ao liguido não tão fino-Pronto querido,precisa subir,tirar a noite para descançar,sa-
be que amanhã apesar desse mau estar,estará revigorado-Desferi alguns beijos em seu rosto.

Respirando fundo,mesmo tonto,ele se levantou com a ajuda de Lucy-Eu o ajudo Aziel,e bom por que quardarei as roupas limpas de Samantha,ela pode pegar a bolsa sobre a
mesa,saiu com Aziel em direção ao quarto pelo corredor-Ah,aonde parei?-Ainda me sentia perdida devido ao contato com Samantha,o susto com Aziel,vi às seringas novas na
bolsa,as coloquei dentro da maleta pequenina é delicada de Aziel,quardei uma por uma nos seus devidos lugares,coloquei o delicado frasco,a fechei.

-Ele está aceitando,começa a conhecer com maior profundidade sua situação-Brami abrindo o friazer da geladeira,coloquei a meleta lá dentro,fechando a geladeira novamente
me deparei olhando para o nada.Fui para o quarto,quando entrei Lucy quardava às roupas de Samantha nas gavetas,Aziel deitado na cama olhando o teto,ele tinha tirato as
botas ficando descalço-Melhor?-Ele me olhou risonho.

-Começando a ficar melhor,obrigada-Eu ri em resposta,me sentei a beira da cama,ele descansaria,ofegou tomando ar,fechou os olhos por alguns momentos,fiquei triste devido
a falta de vê nitidamente a cor de seus olhos tão verdes! Lucy agia,quardava com cuidado peça por peça-Tudo lavado,perfumado,demorou,mas valeu a pena-Ela disse,eu ri,eu
que pensei no favor que ela tinha me feito-Ah,entendo,eu e que fico grata-Ela compreendeu,manteve a atenção no que fazia,encarei Aziel sonolento,ele dormiria,o que deixa-
va-me plena,era necessário,depois disso eu iría jantar com Lucy e deixar Aziel descansar.Era o que precisava ser feito por ele.





avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Dom 26 Set - 15:09:17

Mas eu sei que para a manhã seguinte seria necessário uma conversa séria com Aziel,me passou na cabeça novos exames de sangue,de certo modo fiquei curiosa para
saber se tudo se normalizária com o tempo,falo do funcionamento de seu corpo.Notável a ponte de minha pessoa ofegar.Imagine o tempo transcorrendo,eu fiquei a sóis
no quarto com ele,dormimos juntos nessa noite.

O que me deixou feliz,pensativa.Foi Redenção que me acordou na manhã seguinte,foi dessa forma que despertei,que minha pessoa se deixou atenuar todo um modo de
agir,de tomar decições importantes.Sentei a beira da cama,passe-ei os olhos pelo quarto,Aziel não estava presente,mas era certo de que ele estaria comendo algo apôs o
seu despertar.Fui até a salinha,depois em direção a escada de descida.

Passei pelo salão vendo algumas coisas remexidas,ele tinha acessado a Internet ao descer rapidamente,feito alguma leitura,percebi pelos livros abertos sobre a mesa na
varanda,a presença de Lucy era forte,atenuada como toque de rosas,seda,tudo de sedoso que se possa imaginar.Minha túnica que vestirá antes de dormir oscilava com o
meu andar (Mal via a hora de dar a luz para poder me recuperar,ter minhas roupas normais de volta).

Me deparei rindo devido as palavras,delicadamente desci,passei pela sala e me direcionando a cozinha,houvi vozes,era Lucy falando com Aziel,pelo visto ela preparou to-
do café da manhã,ele a ajudará.Os olhei entrando na sala,eles me fitaram rapidamente-Ah,finalmente acordou-Bramiu ele de pé com os braços cruzados encostado ao la-
do da pia da cozinha,Lucy ainda vestida de camisola rendava,a cor violeta vislumbre de colírio aos olhos.

-Ah,sim,mas tenho idéias,preciso falar com você.Aziel-Ele ficou curioso,o que me deixou feliz,sentando-nos à mesa ele passeou o olhar sobre mim,sinuosamente isso fez a
minha pessoa reagir,Lucy esticou as mãos a frente,ele nós servia,tinha preparado paranquecas doces de bananas-O que se passa em sua mente?-Quis ele saber,sorri,isso
o deixou pensativo,mas pude responder.

-Aziel,queria muito marcar com você para irmos ao médico,pode ser hogê mesmo,não há problemas,e só marcas-Isso o deixou constrangido,pensativo,até Lucy ficará es-
pantada devido a minha ação-Com qual intuito?-Bramiu ele rancoroso-Querido com o intuito de sabermos se tudo está bem,se o tratamento mantém você bem,sabe que
uma vez ou outra seria maravilhoso fazê-lo-Ele moveu o cenho da sobrancelha.

-Entendo-Respondeu,o que me surpreendeu,o que me deixou pensativa já que esperava rebelião de sua parte-Mas porquê concorda comigo?-Brami,Lucy preferiu houvir,a
sua pessoa silenciada apreciando cada detalhe-Acho que preciso parar para houvir sua pessoa-Disse,espanto! Será que eu tinha houvido bem? Sinceramente minha pessoa
refletiu por alguns momentos a respeito disso.

Será que em alguns momentos se passava algo na mente daquele jovem? Complicado distinguir,mas com o tempo,soube que conseguiria-Tudo bem,depois de tomarmos
café,suba para tomar banho,saíremos mais tardar-Ele assentiu olhando para o teto,os braços curvados para trás tendo as mãos sobre a nuca-Tudo bem,não vou resistir,eu
admito que ando lhe dando muito trabalho-Lucy riu rompendo sua quietude.

-Ah,mas que trevoroso Aziel-Ele riu,ficou de perdendo por alguns momentos,gradualmente começamos a comer,tivemos a honra de matarmos a fome ao decorrer de todo
o café da manhã: Bastante suco de maçã bem gelado para beber acompanhado das panquecas doces,foram quarenta minutos na cozinha,Lucy ficou arrumando a louça,eu
me sentei no sofá tomando posse do telefone-Vai subir?-Perguntei ao Aziel.

-Sim,vai marcar para a tarde,correto?-Ele estava nervoso,novamente a raiva de sua pessoa em saber que cederia matérial-Aziel sei o que significa esse olhar,para! E para
seu bem,para saber como está,se mais algo deve ser feito-Ele assentiu andando em direção a escada,delicadamente vislumbrei sua calçã de linho de cor azul-marinho,ele a-
pesar de cansado devido a noite anterior,tinha feito bem em se preparar antes de dormir.

Quando só,disquei o número da clinica,a chamada me foi torrencial,mas suportei-Queria marcar exames de sangue para mais tardar,e possível?-Silêncio do outro lado,sabia
que a atedente estava averiguando horário-Sim,senhorita Lilith,e possível,em nome de quem?-Eu ri,ficará feliz-Aziel De Lioncourt-Quando terminado soube que todo o pro-
cesso seria rápido.Fui ao quarto.

Ele tomava banho,tinha separado algumas roupas:Calça jeans de cor azul-claro,bota negra pesada devido ao frio,camiseta de algodão de cor vermelha larga,longo casado
negro-Perfeito-Disse deslizando as mãos por cima das peças sobre a cama.O barulho da água caíndo no banheiro pairava por todo quarto.Me despi,indo ao quarda-roupas a
procura foi imediata:Túnica longa,larga,decote em V,fita de ajuste atrás,a cor prata bem clarinha me fez pensar em pérolas.

Eu sorri,me vesti rapidamente,peguei a escova começando a escovar meus cabelos.Terminado Aziel abriu a porta do banheiro-Nossa,arrumada? Foi rápida-Eu ri,isso deixou-
me feliz-Agora você,precisa ser rápido meu querido,saíremos daqui a pouco-Me apressei em lhe ajudar a se secar,rapidamente ele vestiu-se,eu pente-ei seus cabelos,para a
minha pessoa tudo estava perfeito nele,ele ajeitou a longa manga do casaco negro,para em seguida saírmos.

-Só tu para me fazer agir dessa forma-Eu ri,íamos em direção a escada,quando na sala fomos ao jardim,eu deixará as chaves em posse de Aziel-Finalmente-Disse Lucy de
pé na frente do chafáriz,ela tinha escolhido vestido tomará que caia,simples,mas ajustado ao corpo,o tecido de algodão macio,o pá de botas negras em prol do frio que sen-
tia,a cor cinza do vestido uma delicadeza de pérola.

Não demoraria,saímos pelas Ruas da Cidade,só íamos pegar o Táxi três quarteirões a frente.Foi o que fizemos,Aziel foi o que deu sinal,em quinze minutos estaríamos na
clínica-Queria aproveitar esse momento para falar de Samantha-Disse Aziel sentado ao meu lado no banco de trás,Lucy ao seu lado-Aziel está ancioso por demais,quero
deixar claro que vai demorar mais um pouco-Ele riu.

Deixou-se pensar,Lucy tirou de sua delicada bolsa um pá de luvas de couro macio para Aziel-Obrigada-Disse ele pegando de imediato,as colocava-Lilith preciso ter certeza
de que ela nascerá com saúde-O táxi descia a imensa Rua-Por que me quer garantias?-Quis saber falando seriamente-Será minha filha,nossa filha,nada poderíamos querer
se não saúde para ela-Compreendi,mas mesmo assim,me senti irritada por essa exigência.

-Estará ao meu lado,só isso que desejo Aziel-Ele desviou o olhar para a janela,o carro seguia em alta-velocidade-E se eu não estiver?-Disse rompendo sua quietude,isso
deixou Lucy preocupada-Falas como se já se considera-se um morto-Ele riu bruscamente-Eu vou morrer,eu sei disso-Eu ri de suas palavras-E a única certeza de que temos
em nossa existência,Aziel-Cheharíamos rapidamente,o trânsito ajudou bastante em nossa pequena viagem.

Descemos quando o Táxi parou em frente a Clínica,entramos rapidamente,uma das atedentes percebeu de imediato que Aziel estava presente-Por aqui-Disse ela,tivemos
que subir dois andares acima até a sala do laboratório,poucas pessoas esperando,Aziel aflíto,ele que sentou-se em um dos bancos,Lucy ao seu lado tentando lhe confortar.
Foi quando pude captar profundos pensamentos dele."Vivo em um inferno,resumidamente e isso.Quando estarei livre?".Ele se auto-questionava a respeito da situação,eu
pensava.

Tudo brusco,imediato,imediato como anteporal.Foi como se o tempo parasse por alguns segundos.Aziel sentado ao lado de Lucy,ela que lhe segurava uma das mãos,isso
a deixar- me mais ciente da realidade."Não vai demorar,cedo ou tarde,ela vai dar o que Aziel quer,pena que ele ainda não tenha percebido".Eu ri bruscamente,o que o fez
olhar para mim.

-O que há?-Cruzei os braços o respondendo de pé-Nada querido-Mais aflição,nunca vi tamanho medo em sua pessoa,mas quando ele soube que era sua vez,sequer conse-
guiu mover-se,andei a frente o ajudando-Vamos,coragem,estarei com você-Eu,ele e Lucy entramos na pequena sala do laboratório de coleta,ele sentou-se na cadeira clini-
ca,pensava,aflíto.

O nervossísmo tomava conta de sua pessoa-Não vai demorar Aziel-Disse a enfermeira,ela que usava jaleco branco,tinha os cabelos negros amarrados para trás,sua pele
negra limpida,bela a camiseta negra por baixo do longo jaleco de erfermagem,a calça jeans justa,ela calçava ténis-Que seja-Disse ele pensativo a encarando por alguns
segundos.

Delicadamente eu e Lucy nós sentamos nas cadeiras encostadas na parede,o sol entrando pelas lindas janelas-Não vá cometer um escandá-lo aqui,sabe que e para todo o
bem que se possa ter-Ele me fitava,silenciado devido ao nervossísmo e meto,a enfermeira preparada a seringa de coleta nesse momento."Ah,como me e desonroso ceder
matérial tão puro".Tão aflito que sequer se preocupava em fechar seus pensamentos para mim nesse momento.

A enfermeira se virou focando toda atenção para ele,ele se moveu tirando o longo casado,Lucy se apressou em pegar,a camiseta deixava seus braços nús,ele ofegou esti-
cando o anti-braço a frente sobre a base-Feche a mão-Pediu a enfermeira-Ah,seja rápida-Pediu ele quase rogando,ela riu por alguns momentos,deixou o elástico envolto no
seu braço,começou o processo de procuração da veia.

-Pronto!-Disse ela,ele fechou os olhos quando ela enfiou a agulha da seringa de coleta na veia,o sangue entrou pelo suporte,a careta de mágoa de Aziel,o que eu esperava.
Ele sofria,sofria de verdade,mas quando terminado só foi ela tira o frasco delicado do suporte delicado,o lacrar-Pronto Aziel-Tirou a agulha da veia de Aziel com delicadeza,o
olhar dele foi de pavor,ele abriu a mão de imediato.

-Obrigada,poderia desmaiar-Ela o olhava-Vai sobreviver-Ele pegou o longo casado das mãos de Lucy,saímos em seguida,o encaminhamento séria com ela-Vai passar-Disse
o olhando enquanto andavamos pelo corredor do andar-Loucura-Disse ele choroso,ageitava a lampêla da manga do casaco,Íamos embora,esperáriamos os resultos do exame
chegaren por correio.Aziel tinha sofrido,mas cobreviveria.Eu ri por alguns momentos enquanto andavamos,mas compreendi.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Dom 26 Set - 16:09:57

Sinceramente a loucura tomou conta de Aziel ao chegarmos em casa.Só foi tempo da doce Lucy ir para seu quarto descansar um pouco que ele danou-se a chorar ao
sentar-se no sofá,ele que não se conformava com sua condição,Ah,céus negros,Lilith preciso tomar uma decisão!-Disse ele deslizando as mãos pelo rosto,eu sentada a
fitá-lo na poltrona-Qual decisão Aziel?-Toda calma emanava de minha voz.

Ele olhou-me frustrado,não queria admitir que eu estava com razão a respeito do que tiámos conversado-Quando disse-me que poderia viver,mesmo sendo tomado
pela negritude do sangue negro,pensei que era covardia,mas vejo que tavéz seja a única solução-Ofeguei pensativa,lindo como o sol da tarde ficará fraco,suave,pelo
visto a noite chegaria logo,logo-Azil só preciso saber de conseguíria viver se essa for a sua decisão-Ele pensava,

Fitava-me silencioso,tomado de lágrimas-Não sei,não sei! Só sabendo para ter minha resposta.Naquela maldita noite fuji como um cão covarde,imagino o que teria
sido de mim caso o tivesse aceitado vindo de Hyarian-Algo se passou em minha mente-Disse que nada do que desejava teria se tornado realidade,mas tavéz quando
Hyarian veio aqui,devesse te aceitado,o que teme?-Quis saber.

Ele levantou-se,deslizou as mãos pelos cabelos por alguns instantes,me fitou docemente choroso-Ah,meu amor,não sei,mas acho que se o tivesse feito,corrido atrás de-
le quando o expulsei daqui,teria ido,fujido com ele-Compreendi,levantei-me o olhando por inteiro,pousei as mãos sobre seus ombros-Gosto de tua sinceridade,a verdade
que brota a todo momento por tua boca é olhos-Ele pensava,choroso ainda estava-Eu entendo-O beijei,assim ficamos silenciados,o passar do tempo viria,só os exames
nós interessava nesse momento.

E com o passar de quatro dias tívemos a resposta tão desejada.Eram 18:15 da tarde quando Aziel viu uma movimentação estranha vindo do portão,ele saiu com Lucy
pelo jardim,eu continuei lendo um dos livros de Aziel.Não demorou para ele aparecer com um envelope nas mãos-Nossa,chegou!-Brami deixando o livro sobre o sofá e
indo em sua direção.

-O que acha?-Disse ele,Lucy sentou-se na poltrona-São os resultatos-Brami,ele sentou-se no sofá me fitando trémulo-Tenha calma querido,já foi tempo de perceberes a
verdade de tudo:De que pode viver mantendo a medicação diária-E como ele estava melhor! Corado,restaurado.

Ele pensava,abri o envelope,passei os olhos pelas linhas,os números comparativos em formato de porcentagem,tudo isso-Aziel veja por si,venha cá-Pedi,apesar de teme-
roso ele o fez,analisava comigo cada detalhe-Espantoso-Falou esbugalhando os olhos por alguns momentos-Agora vê?-Ele riu corando,sentia vergonha-Eu não entendo,ti-
ve de tudo em minha vida,mas sempre tive medo de me cuidar,essas coisas,mamãe respeitou esse meu medo desde criança-Compreendi.

Houvimos risos de Lucy,ela que ajeitou a borda de seu vestido rosa de lã que ia até a altura de seus joelhos,a sandália delicada negra aos pés-Melhor Aziel?-Ele riu a o-
lhando-Começando a ficar melhor,aceitação completa nunca existirá-Ela compreendeu.Esse foi o começo de todo um respaldo de compreenção,e ele e ela sabíam perfei-
tamente dessa realidade.Fomos jantar depois de lermos a fundo os exames,depois disso fiquei grande parte do tempo conversando com Lucy no quarto.

Aziel ficou sozinho,acredite,da forma mais triste antes de subirmos recebemos ligação que provinha do escritório de Lucy,ela tinha que volta em pouco tempo.Trocavamos
idéias perante essa situação.E o tempo se foi,o tempo transpareceu;acabou que minha pessoa ficou sonolenta,eu dormi junto dela sobre a cama,tiámos até desligago ás lu-
zes,quando fizemos isso eram 23:10 da noite! Todo esse tempo conversando,que loucura!

Delirei durante o sono,Lucy dormia ao meu lado,eu houvia sua respiração devagante,mas desapareceu quando senti a presença de alguém subir pelas escadas durante o so-
no,foi como se alguém a tivesse raptado por alguns momentos."Por favor venha comigo,deixe-mos a Lilith descansando,sem ser importunada,esteja comigo".Abri meus o-
lhos do nada ao houvir essas palavras reverbando em minha mente.

Espantoso,terrível! Ofeguei,estando com um de meus vestidos largos é longos de linho,fui até o quarda-roupas pegar um roupão de seda,o conjunto negro me era confortá-
vel.Aonde Lucy estaria!? Juro que senti meu coração bater forte,tive medo de que algo acontecesse a ela.Mas não,não,não foi o que presenciei quando cheguei perto de seu
quarto nos fundos da casa.

A troca de roupas fez bem a mim antes desse cochilo-Ah,maldito viu!?-Disse rasronando raivosa,ele tinha ido para o ataque,frustrado,mas tinha ido! Como tive vontade de
entrar no quarto e tirá-lo dos braços dela,isso para defender a doce Lucy,inocênte demais,demais! Redenção foi visto de pé ao meu lado,olhava tudo pela porta semi-aberta.
-Ele não tem jeito-Eu ri de suas palavras,mas observava a cena holocausta.

-Tenha calma,céus,não seja pretencioso-Ele ofegou-Vai ter volta,vai,sim-Disse baixinho não querendo incomodar,as luzes estavam acesas,tudo visto pela visão que a brecha
propíciava:Lucy era esmagada pelo jeito com que ele a abraçava,com que a fazia encostar-se sobre a comôda do quarto,ela ofegou-Não poderia ter escolhido outro momento?
Me ofende-Ele riu,desferiu alguns beijos em seu rosto-Não quando está prestes a ir embora,não a verei até o nascimento de Samantha-Isso a deixava constranjida.

-Entendo-Bramiu lhe retribuindo os beijos,quando se está diante desse momento,garanto que era para fazer Aziel ferver,agir rápido,ele desabotou o vestido dela atrás das
costas,Lucy sofria para se agarrar a ele,o abraço desajeitado por alguns instantes,mas ela suportou bem quando voltou a beijá-lo com vontade,a redenção foi completa.
O maldito que a apertava contra si a mentendo sentada sobre a comôda do quarto.

Lucy gemeu algo deixando o grito ecoar pelo quarto quando se sentiu penetrada por ele,ele a tinha arrancado a calcinha por completo antes disso-Pode me matar,vou fe-
liz-Ah! Como ela poderia desejar isso? E tudo seguiu-se ultrajante,mas ela suportava,se agarrava ao Aziel conforme continuavam.O que esperar? Nada! Brami coisas su-
jas ao sair,me sentei na borda do chafáriz-Esse maldito,ele não tem jeito-Redenção me fitou-Não há jeito para ele.Ah,coitada da minha Samantha em ter um pai desse
jeito-Olhou para as estrelas.A noite passaria,tudo que podíamos esperar era a partica de Lucy.

E foi como esperado ao passar de três dias.Eu e Aziel a acompanhamos,Lucy entrou conosco pelas portas de vidro do salão do aeroporto.Ela tinha escolhido um conjunto
de saia e blusa de cetim,a cor verde sublime sobre o tom de sua pele,os cabelos soltos,braços desnudos pelas mangas da blusa serem curtas é finas sobre os ombros,seus
sapatos negros delicados,ela observava as pessoas.

-Ah,não vai demorar,não-Bramiu,ela se sentia humilhada pelo que a empresa a forçava a fazer antes da hora,tirou os óculos delicados é escuros-Querida diga que pretende
voltar-Eu sorri-E claro que,sim,e só questão de passar algumas semanas depois do nascimento de Samantha,tenho meu trabalho,correto?-Ela riu-Eu sei que sim,a espero,te-
nha certeza disso-Aziel chateado,se ele pudesse atirar nas pessoas pela ida de Lucy o teria feito.

Fiquei imaginando ele com uma arma atirando para tudo quanto e lado."Malditos! A culpa e desse capitalismo fajista que faz minha Lucy ir embora!".Tirei essas imagens da
cabeça,foi quando Aziel a abraçou com força,depois disso ela deslizou as mãos sobre a camiseta negra de Aziel-Precisa vir junto de Lilith quando voltarem-Pediu ela-Claro,a
minha pessoa garante que,sim-Ela se afastou-Preciso ir,e meu momento-Sabíamos,e mesmo assim,eu e Aziel choravámos por dentro.

Ela seguiu entre as pessoas levando consigo as poucas malas.Aziel ficou parado,a encarava indo embora-Querido tenha calma,a verá logo,logo-Ele riu secamente-Eu
sei que sim-Disse virando-se,as lentes de seus óculos escuros brilhosas devido ao sol do dia.Sua calça jeans limpida em sua cor negra,a bota curta dando todo conforto
possível:O conjunto para matar.

-Não vai chorar,não e?-Quis saber-Não,claro que não-Bramiu colocando-se ao meu lado,ajeitei a borda de meu vestido de lã fina,a cor vermelha escura devidamente
escolhida antes de sair-Aziel?-Disse o olhando novamente,ele se sentia constranjido,tomado por algo,vi quando duas lágrimas escorreram pelo seu rosto ao saírem de-
trás da lente dos óculos.

"Lucy não pode ir,e injusto,só mais um pouco meu amor".O que ele estava pensando!? Tudo que vi foi ele disparar entre às pessoas-Aziel!-Gritei,sai apressada em sua
direção,pedia licença as pessoas,houvia Aziel gritar desesperado-Lucy! Não vai embora,por favor! Fica comigo só mais tempo! Lucy eu te amo! Eu te amo,e como ela,a
você duas!-Céus,que loucura!

Ele não podia estar fazendo isso! Mas o que mais me surpreendeu foi Aziel de devencilhando dos seguranças ao entrar pela pista dos aviões imensos,parei,ele seguiu pe-
la escada,Lucy estava prestes a subir em um dos aviões-Por favor!-Gritava ele subindo-Ah,céus,você não fez isso-Lamentei pela Lucy ao passar por essa situação,ele a
encarou por alguns momentos.

-Não seja pretencioso,o verei em breve-Palavras rispidas ecoando pelo ar-Ah,me garanta que,sim-Ela riu,tirou os óculos escuros de Aziel,os fechou delicadamente,ela ti-
nha feito o mesmo com os seus,pouco antes-Fica calmo Aziel-Pedia sufocada,o vento reverbando nos cabelos dos dois.Ele estava desesperado,mas são o bastante para
à envolver pela delicada cintura a beijando,um beijo tão longo que me fez desviar o olhar."Que vergonha! Esse garoto é louco!".

Gritei por pensamento,não demorou para ele descer,os seguranças o afastando-Tenha compostura,jovem,precisa descer,o avião vai subir-Aziel olhou para trás rapida-
mente-Me espere,vou voltar!-Lucy entrou,quando ao meu lado o olhei-Louco!-Brami,seguímos para o salão.Pensativa fiquei,loucura! Íamos para casa,mas isso tinha me
tirado a razão-És louco-Brami ao saírmos pelas portas,írmos para as Ruas-Por vocês três,minhas pérolas-Colocou os óculos,voltaríamos,seguímos pelas Ruas até pegarmos
um Táxi para voltar.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Seg 27 Set - 13:10:21

Tudo era tão doce! Apartir desse momento soube que o pobre Aziel desejava,é muito se aprofundar no relacionamento para com Lucy.Gradualmente minha pessoa deixou
o pensamento transceder o notável momento.Tudo que aconteceu foi voltarmos,chegarmos em casa e jantarmos.Aziel não falou nada durante o jantar,ele estava pertuba-
do demais para pensar,traumatizado pela partida de Lucy.

"Não entendo os compromissos dela,e como se a empresa de seu pai fosse tudo para ela".Me deparei rindo a respeito de suas palavras,o que o deixou pensativo enquanto
comia."Não Aziel,e que Lucy dá importância a detalhes sordidos,detalhes que a gente prefere manter em segredo".Silêncio,o início da noite estava maravilhoso,em pensar
que eu e ele tínhamos tido tempo de passarmos rápido na sorveteria para trazermos sorvete para sobremessa.

"Acho que o assassinato de seu pai a traumatizou,correto?".Bramiu erguendo o gargo com macarrão a boca."Sim,e há outros motivos,Lucy até o momento não foi feliz no a-
mor,ela têm seus momentos,falo de estar envolta em um relacionando de tempos".Nunca pensei que teria coragem de falar algo dessa natureza,mas ele compreendeu,essa
passagem de um momento sublíme marcada em minha mente,ele respondeu antes de continuarmos o jantar.

-Acho que compreendo. Ela me esquecerá,correto? Acho que fui apenas um momento para ela. Imagine ela largar um bom homem como deve ser seu amante para ficar u-
nica com um marginal como eu.

Céus,não pensei que ele responderia desse modo,mas acateu as suas palavras.Fiquei em silencio antes de lhe dar uma última resposta e encerrar de uma vez por todas es-
se momento traumático para ele."Aziel não se lástime,tudo que tens a fazer e esquecer,deixar Lucy ser feliz,a verá logo,logo,sei que durante esse tempo,ela esquecerá,não
posso lhe dar esperanças sabendo do guão ela é fria a respeito de seus sentimentos".Pronto,o golpe que faltava para ele se envolver em permanente silêncio.

Se passaríam uma semana para termos um dos nossos piores momentos é uma das maiores de nossas brigas até então.Tudo isso pelo motivo de seu rancor,as soudades de
Lucy aumentarem ao passar dos dias.Tormentoso! Era manhã fria quando aconteceu.Eu tinha acordado e ido a cozinha,nada de Aziel,em pensar que ele na madrugada quan-
do terminou de mandar mais trabalhos facultativos vierá ao meu encontro para dormirmos juntos.

Um ao lado do outro.Nem um sinal de Aziel,o que me causou medo e que nesses últimos dias ele chorará muito,sentirá-se deprimido a respeito da falta que sentia de Lucy.
-Ele está no quarto de Lucy-Compreendi,hávia chovido muito,trovejado durante toda madrugada.Ele sairá durante meu sono e seguirá para o quarto de Lucy(Hospedes).A
visão que tive ao me direcionar aos fundos do jardim,foi amedrontadora.

Aziel jazia deitado de bruços sobre a cama,dormia,o sol morno,frio,iluminando todo lugar-Ah,céus,ele não consegue se livrar das lembranças dela-Brami pensativa,sentei-me
na poltrona vislubrando Aziel:Um jovem vestido apenas de calça de algodão de cor branca,a faixa negra ajustada a sua cintura reta,perfeitamente moldada por sua silhueta
mascuna-Ah,Redenção o que faço?-Sussurrei.

-Tome cuidado com os sentimentos dele,Lilith ele à ama de verdade,tenho pena por que Lucy não e liberta,Aziel jaz em ilusões pensando que ela possa voltar para ele-Eu o-
bservava Redenção de pé ao lado da cama atentamente,foi quando pedi licença,compreendi suas palavras.Voltando minha atenção ao Aziel tive a audácia de compreender
é esperar para averiguar sua situação.

Vi gotas de lágrimas descerem pelo seu rosto,ele dormia é chorava por dentro! Angustiante presenciar tal sufoco.Palavras rispidas foram ouvidas,delicadas envoltas em toda
angustia que poderia emitir-Não me larga,não larga de mim,não me deixa,não sabe o guão e importante para mim-Ele gemeu mais alto,foi se fosse um frito rouco,contido de-
vido a sua dor,me levantei nesse momento tomada de aflição.

-Aziel estou aqui-Ele acordará,se moverá sobre os lenções,ele tinha dormido no quarto para ao menos tentar sentir um pouquinho da presença de Lucy,acho que até o perfu-
me delicado dela,o cheirinho de malva de rosas típico de Lucy.Ele conteve seu grito,sentou-se encostado no espelho da cama,pensava,aflito mais pensava.O olhava de pé à
frente da cama.

Foi quando ele moveu seu olhar-Não suporto pensar que ela está longe,que ela me descartou com tanta facilidade,sou um maldito mesmo-Bramiu as palavras rouco,choro co-
mo um menino tão inocênte.Sentando a beira da cama me silenciei-Precisa falar mais alguma coisa? Se desejar desabafar estou aqui-Lhe disse,ele pegou um lenço ao lado da
mesinha da cama tão delicada,enjugou o rosto.

-Não Lilith,quero Lucy,só isso me confortária o coração,quero Lucy comigo,não me conformo saber que posso perder uma de minhas pérolas.Pode até achar que e mentira,eu
lhe confeço que vocês três são minhas preciosidades,não aceito ficar sem uma delas-Ofegou olhando para a janela do quarto,as cortinas oscilaram delicadamente devido ao
frio vento.

-Por que deseja tanto isso Aziel?-Admito que isso começava a me irritar,saber que ele a desejava tanto me provocou a primeira pontada de ciúmes referente ao Aziel,eu ain-
da estava para descobrir,e logo a seguir;ele continuou suas explicações-Pensei que para mim seria apenas uma brincadeira,mas não,é amor de verdade,Lilith,a amo,amo como
amo a você. Já te falei que e como você,como para Samantha-Maldito em expelir essas palavras!

-Não envolva nossa filha nisso! Os sentimentos para com ela é diferente dos que sentei para com Lucy,ou será que amará até a nossa filha como mulher!? Não diga que seria
louco a chegar a esse ponto Aziel!-Isso o assustou profundamente,de pé o encarava,hávia ficado nervosa a respeito do que ele falou,do modo como desferiu suas palavras,eu
me enchi de ódio.

-Jamais! Só não quero mentir a respeito do que sinto por Lucy! Está entendendo? Ela e minha esperança,meu último elo,não quero morrer e deixar Samantha sozinha,não que-
ro,Lilith,não quero ir embora e deixar minha família a mercé do mau que paira sobre minha família,não seria louco-Espantoso,ele analisava as coisas com tantos detalhes que a
pretenção chegava ao auge.

-Aziel pense melhor,se Lucy quiser machucá-lo ela,vai,e lhe digo mais,ela não vai ter piedade-Ele se curvou a frente,me fitou mesmo de cima da cama,dei passos para trás.
-Eu sei que,sim,mas ela será minhã última malva para esse mundo,falo antes de tudo estar concretizado,estabilizado para finalmente a tranquilidade pairar sobre nós-Isso fazia
sentido,mas estava longe de entender.

-Nossa família,não sua família-Brami entre-dentes sentido a raiva queimar dentro de mim,de modo impulsivo ergui as mãos ao rosto,me sentia mágoada ao perceber que o
maldito era tão egoísta,egoísta a ponto de declarar que a família era dele,não nossa.Insano viu? Ele se sentiu chateado,levantou-se tentanto me acalmar,foi quando dei pa-
ra trás,o olhei cheia de raiva-Fique aonde está,seu maldito,egoísta. Não pensava que eras tão maldito,se chama de maldito,mas agora vejo que essa é a pura verdade,por
mais que eu tente negar-Ele esticou a mão a frente,rebati dando um forte tapa na mão.

-Não seja pretencioso,me conhece muito pouco Aziel! Também entreguei o elo tão sagrado de sangue para essa família que considera tão trevorosa,não tem o direito de a-
gir a esse respeito,você pode ter formado,talhado tudo isso,mas eu gerei o que chama de sua família,egoísta-Dei de costas,cruzei os braços chorosa,ele tocou-me sobre os
ombros por trás-Desculpe,não pensei que minhas palavras a magoaria tanto-Me mantive silenciada.

Maldito,a quietude que pairou sobre o quarto me deixou muito furiosa,deixou-me com às energias pesadas,isso me impulsionou a me desvencilhar,a simplesmente ir em dire-
ção a comôda do quarto,o pequenino jarro estava lá,o olhei friamente-É isso? E sua família? Então vou embora,se pensa que e isso,vou embora! Não precisa se incomodar!
Não precisa lamentar por tudo,Aziel,se sente que sou tão culpada quanto você,não precisa mais se incomodar!-Ele se moveu,se desvencilhou.

-Para!-Pedia,eu joguei o jarro contra ele,o jarro quebrou ao estala na parede,os cacos caíndo ao chão brilhosos,ele voltou a se mover quando peguei mais outro-Lilith não en-
tendeu! Não queria dizer isso!-Gritou desesperado,mais estalhos,mais barulho-Ao inferno Aziel! Te odeio! Me confeça,vai! Quando falas que não deixar Samantha sozinha,diz
que quer mesmo ter um filho com Lucy!?-Pedia sinceridade em meio a fúria,mais um dos pequinos jarros jogados contra ele.

-Ah,céus,me expressei mau,deixei a anciã furiosa-Reverbou.Ele pulou ao chão quando mais jarros estalaram contra ele-Para!-Implorava,ele se virou ainda sentado ao chão.
O seu olhar se lástima arrebatador,parei,tinha a mão erguida segurando mais um dos jarros que estava prestes a jogar contra ele-Vamos! Confeça,e isso mesmo!? Fala logo,
pretende mesmo!? Não quer deixar Samantha sozinha por que teme a fúria dela? Quer um irmão humano o bastante para lhe prover? E isso!?-Nunca esperei um dia houvir
minha voz cheia de tanta fúria.

Até eu tive medo de mim mesma-Primeiro se acalme-Pediu ele se levantando,erguendo as mãos a frente-Psiu,eu te amo,amo a minha filha,se posso deixar alguém para a
proteção de ambas,eu vou,não medirei conseguências-O tempo parou,as lágrimas brotaram de meus olhos,foi quando ele tirou-me o jarro da mão o colocando sobre a mesi-
nha ao lado da cama.

Flores ao chão,flores que estavam nos jarros quebrados por mim-Lilith sinto pena de mim,pena por que odeio que eu sou,não entende quando falo,que desde pequeno sinto
a imensa vontade de morrer,de ser o nada-Silêncio,eu não estava ouvindo isso-Para,falas asneiras,ainda tem muito o que cuidar,Aziel,e a change de concertar o erro que eu
e você cometemos no passado-Fiquei aflita,senti ele andar,me abraçar por trás.

-O erro de termos sido queimado,do meu erro matérial e esperitual,mas não o erro do que nossa família se tornou,falo de meu pai,de minha mãe,de meu avô distante,até
mesmo minha avô dos novos tempos,e minha tia-Compreendi,fui impulsionada a me virar,ainda me sentia irritada-Então resolva sozinho,não estou disposta a suporta toda
culpa que ainda sente-Ele se afastou.

Indo em direção a porta disse-Me deixa,não me procure,preciso ficar sózinha-Ah,que maldito momento.Ele sentou-se a beira da cama me fitando preocupado-Tome cuida-
do,não quero que nossa filha nasça antes da hora,ainda não é o momento-O revidei-Ah,finalmente pensa em algo correta,falou certo! Nossa filha!-Bati a porta,ele que arru-
masse a bagunça.

Já tinha houvido o bastante a respeito do que planejava.Passando pela sala fui para o quarto-Maldito,um filho com Lucy,só o que me faltava!-Sussurrei raivosa,o tempo a
passar.Me deitei na cama,esperaria me acalmar.Pensava,pensava com profundidade.Em pensar que eu mesma tinha tido a idéia,mas agora? Não esperava o ataque de ciú-
mes correndo em meu sangue.Olhava para o teto,pensava sozinha,devía ficar solitária até saber o momento certo para voltar a falar com ele.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Seg 27 Set - 14:21:33

Não pensava que depois disso teria forças ou entendimento o bastante para reaver meu controle,mas consegui.Aziel se manteve no quarto,quando tive coragem de ir
ao salão vi que ele tinha pego um dos Laptops-Ele está chateado-Brami cheia de certeza.O que me espantou foi o silêncio dele em prol do que hávia dito,voltei para o
quarto,desejei ficar sozinha novamente,nunca senti tanto peso pairando no ar a respeito do que tinha acontecido.

O tic-tac do relógio ecoava pelo quarto,o que me deixava nervosa,fui a varanda,me sentei à mesa,pensei ao vislumbrar a paisagem,as nuvens pesadas pairavam nos
céus da Cidade de Paris,pensei profundamente a respeito do que acontecerá,se tudo isso valia a pena.Silêncio.Será que a quietude me faria compreender? A chuva vol-
tou a cair,pesada,trevorosa como pensei.

Os trovões ecoando pelos céus,a tarde cinzenta é trevorosa continuou,apesar de tudo tive audácia para me manter sozinha,averiguando toda situação.A presença dela,
de meu único conforto até o momento,forte-Samantha espero de todo coração que o que me disse não seja verdade,que não sejas tão negra como demonstrou-O som
da voz ecoando no ar,silenciosamente pensei depois disso.

O som da chuva era forte,o vento frio vindo de encontro ao meu rosto,levantei-me indo até a linda faixada da varanda,me encostei na borda,deixei um dos meus braços
se mover encostando a mão abaixo de meu rosto-Ele ainda não subiu,está lá embaixo,no quarto de Lucy,não entendo-A essa altura pensei que ele subiria,que viria conver-
sar comigo.Gradualmente minha pessoa decidiu manter o sigilo da solidão temporária.

-Ele que venha falar comigo,ele têm consciência do que aconteceu-Brami rompendo o terrível silêncio do quarto,me movi olhando para a entrada do quarto,curvei meus
braços para trás me encostando na balcada da varanda-Ah,maldito,pensa que ficará assim?-Não ia,eu sabia com todo coração-Doce sera minha vigança-A tarde começa-
va a ir embora,a chuva continuou caíndo,pensava envolta em minha frustração.

Fui em direção a cama,andei pelo quarto por alguns momentos,nada.Ardomeci,juro que antes de ardomecer pensei que alguém tinha vindo,mexido na masanata da por-
ta do quarto-Aziel?-Disse abrindo os olhos por alguns momentos,nada,não era ninguém,imaginação e delírio de minha parte.Voltei a cochilar,nunca pensei que dormiria tan-
to! Nunca descansei em tamanha paz em minha vida!

Não esperava por essa doce realidade.Não esperava.A presença de Aziel me foi como conforto ao pairar na cálida canção de sensações de alívio.O anteporal veio,pairou
sobre mi durante esse tempo.Senti alguém me tocando o rosto-Pode me houvir?-Bramia alguém,me movi,mas quando percebi que era Aziel me assustei,senti medo,ele e-
manava cheiro de banho,tinha subido silenciosamente e apagado ás luzes do quarto.

Seus cabelos escovados tinham os fios brilhosos,humidos,tinha escolhido calça de linho de cor clarinha é faixa cinza para combinar,seu perfume era arrebatados-Desculpe,a
verazidade de tudo me deixa artomentado-Bramiu,não compreendia,me sentei encostada no espelho da cama,ele se manteve sentado ao meu lado a beira da imensa ca-
ma,o olhava silenciosa.

-Desculpe se fui o hipocrita que disse,eu ser,Lilith desculpe por tudo.Não vá embora,não precisa ir,fui indiota em não ter subido,lhe explicado,teria entendido-Seus olhos ain-
da marejados,tinha chorado durante todo dia enquanto pensava,estudava o que tinha que estudar-Eu não consigo pensar na idéia,Aziel,não sei se ela suportará isso,não a
doce Lucy-Ele ofegou,deixou as mãos pousarem no meu rosto-Tudo que peço e que não me negue o que almejo alcançar-Ofeguei.

-Ah,maldito,brinca com meus sentimentos,acha mesmo que ela conseguíra?-Brami o olhando artomentada-Eu sei que,sim,mesmo sofrendo um pouco,não quero deixar Sa-
mantha sozinha,Lilith não vamos estar aqui para sempre,não vamos! Não vou permitir que Samantha jovem fique a mercé de carneiros-Lutava para não aceitar a verdade,
mas mesmo contra a vontade,compreendi,compreendi mesmo sofrendo por dentro.

-Vou sofrer,mas compreendo,compreendo-Ele deixou os gemidos ecoarem-Obrigada!-Disse em auto-tom,um tom suave,mas rude devido a sua profunda intenção,ele se mo-
veu sobre a cama,me acolheu junto a si-Não se preocupe,os cacos dos jarros foram jogados fora-Eu ri-Maldito,imagino qual nome dará a criança que pretende ter com ela-O
seu falar foi devagante-Ellenos Cyrus,quero um menino,um homem humano o bastante que possa protejer Samantha quando não estivermos mais aqui-Verdadeiramente a
malva de citação que não esperava houvir.

Ofeguei,foi quando apaguei em seus braços,senti ele me afagar os cabeços,dormiria.Desde essa discussão se passaram semanas,céus,nunca me deparei amedrontada,falo
de minhas formas que ficaram acentuadas,arredontadas,o ventre crescerá bastante,eu chegará aos meus oito meses de gestação,Samantha nunca me parecerá tão forte
como nesse momento,ela que tinha virado segundo minha última consulta médica."Ela está pronta,apenas esperando,virada para baixo,consegue imaginar?"-Disse em minha
volta para casa nesse dia.

Aziel ficará enloquecido andando pela sala,cheguei a houvir seu coração bater forte,o brilho forte emanando suas emoções."Entendo! Preciso comemorar,muito Wisk preci-
so tomar"-Foi o que ele fez ao ir a cozinha pegar uma garrafa,ele saiu,só voltando a noite bebado,catarolando musicas em prol de Samantha,loucura,penso ao lembrar des-
se momento.Mas passou-se o tempo como disse,meus oito meses hávian chegado.

Junto desse momento um acontecimento em espécial: Nessa noite que cito depois da bebedeira de Aziel,algo espécial aconteceu,ele estava jantando comigo,levantei-me ao
houvir barulhos do jardim-Vou indo-Brami,minhas vestes azuis em tom escuro oscilavam com meu andar,fui até o portão e na caixa de correio uma postagem importante-E
sem remetente-Brami pensativa-Quando na cozinha lhe entreguei.

Ele pousou garfo e faca sobre a mesa,leu a carta-Leia por si-Disse risonho,pegando a carta entre os dedos dei-me a lê,as palavras em francê nitidas,linguajar antigo,mas re-
conhecidas por mim.Olhei para Aziel rapidamente,seus olhos brilhosos,ele devorava o prato de arroz,lentilhas e frango assado-Continue-Pediu delicadamente,com a continui-
dade da rápida leitura compreendi sua felizidade.

"Oi,Aziel,mando essa postagem rapidamente,é tempo de sua filha nascer,admito que contei em mente o passar das semanas e meses,querido deixo claro antes de partir ao
seu encontro que tenho alguns problemas a resolver devido a algumas perseguições por aqui.Sua mãe está anciosa,bem! Mas prefiro deixar as outras coisas para contrar em
minha chegada,tudo bem?

Desde já admito que estou ancioso para conhecer sua esposa,não precisa responder a essa carta,digo-vos que chegarei um pouco antes do nascimento de Samantha,será me-
lho,desejo vê-la nascer,presenciar esse rápido é precioso momento,nem que seja passajeiro.Soudades meu menino,abraços de um velho amigo.

Assinado: Louis De Pointe Du Lac".

Dobrei a carta,refleti-Isso e espantoso-Aziel sorriu-Maravilhoso,mamãe vai vir,estava preocupado mas entendo,melhor assim,mas juro que quando ela estiver aqui,vou que-
rer saber de tudo-Compreendi,foi quando ele levantou-se,assombroso ver o brilho da seda de sua camisa em tom violeta,a calça escura justa,a bota pesada devido ao frio
passajeito-Vamos,será maravilhoso-Ele começou a rodopiar comigo pela cozinha-Ah,está perto-Bramiu ele,me sentia tonta,mas ele estava sendo louco o bastante para se per-
mitir tal momento.Gradual,eu sei,mas tão maravilhoso!
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Ter 28 Set - 13:26:15

Conseguém entender o guão pode ser maravilhoso os simples momentos,mesmo envolto em problemas? Ah,isso e possível,acredite,possível.Algo de importante estava
para acontecer.Sinceramente minha pessoa se sentia aflita,cheia de pensamentos,o algo espécial que estava para acontecer era a chegada dos resultados de Aziel,sincera-
mente a minha pessoa deixou-se pensar em alguns conceitos.

O que será que Aziel receberia? Eu não sei,sinceramente não sei,mas apesar de tudo,a minha pessoa pensava ao decorrer desses dias espéciais.Quatro dias para que isso
se concretizasse.Sinceramente a minha pessoa refletia docemente a respeito do que ele falará,do que ele precisava receber."Lilith está chegando,não entendo,me sinto mui-
to ancioso".Ele disse enquanto jazíamos deitados na cama em uma dessas noites.

Não pensava que ele se sentisse tão ancioso por algo tão,simples."Fique calmo,turo dará certo,acho que o próximo bimestre será tenso,falo do aprimoramento a respeito
das teses facultativas que desenvolveu".Ele riu nesse momento,não se conteve.Eu lembrava é ainda lembro desse momento antes do dia chegar.Eu jazia no sofá do sa-
lão,escrevia no programa do Laptop,Aziel estava na varanda analisando mais conceitos,os últimos detalhes.

Pelo visto ele queria se preparar esperitualmente e pisicológicamente a respeito dos resultos,o tempo passava,eram 17:30 da tarde quando houvimos barulhos,será que a
sua pessoa estava preparado para o momento? Nossa,tinha sido exatamente como eles lhe falaram! Não demorou nem um minuto a mais ou a menos para que a carta,o
gabarito dos resultos chegasse por correio.

-Aziel?-Ele não me houviu,mas voltou a atenção a mim,assim que pode se livrar do seu alfazer por alguns momentos-Não sei se tenho coragem-Bramiu ele pensativo se
direcionando a mim-Pode ir,ficarei aqui,não demorarei para terminar o que tenho à fazer-Ele compreendeu,saiu em direção as escadas em passos lentos,pensava,ainda se
sentia aflito não só pela chegada dos resultados,mas pela ausência de Lucy.

-Lamento por ele-Brami sozinha,voltei ao que fazia no Laptop,continuei,se passaram alguns minutos antes que ele voltasse.Ele apareceu no vão da escada que vinha para
o salão,seus olhos marejados por lágrimas,ele não queria chorar,suportava-Toma,tens que vê por si-Pediu ao entregar-me o envelope aberto,as folhas junto,pensei,mas o
momento era de aflição,eu entendo.

Delicadamente deixei meus olhos passearem pelos números,resultados,tudo isso,pensava silenciosa,ele sentou-se ao meu lado,cruzou os braços,o vislumbrei por alguns ins-
tantes:Tinha os cabelos amarrados para trás,mechas ruivas a frente,camiseta cinza,os braços desnudos,calça jeans em tom cinza-escuro,a bota negra curta como detalhe pa-
ra matar,pensei por alguns momentos nesse apreciar-Aziel o que pensa?-Ele olhou para o teto.

Voltou o olhar para mim por alguns instantes-Depois dos resultos me vejo em uma única escolha Lilith-Sussurrou cheio de vitalidade,ele estava feliz,feliz por sua vitória,a
minha pessoa compreendia perfeitamente-Fale querido,estou preparada para houvir-Ele compreendeu,docemente esticou a mão ao meu rosto,acariou-me os cabelos,isso
me fazia feliz-Lilith? Teria coragem de com o passar do tempo ir morar comigo em Athena?-Céus,que loucura.

-Aziel e isso mesmo que deseja?-Quis saber o encarando,segurava as folhas é os envelopes na mão-É claro que,sim,Lilith,você,Lucy e Samantha,não que precissem ficar
definitivamente lá,podem tirar temporadas para ficarem aqui em Paris,com Isabel-Ofeguei,mas me enchendo de apreciação-És louco,ainda lhe digo que um dia vossa pes-
soa vai se arrepender-Ele riu,se curvou a frente me beijando rapidamente.

-Não! Jamais-Bramiu-Eu ri por alguns momentos-Entendo querido,não conseguirá consolidar sua estádia aqui é a faculdade,tem que continuar,o lugar própicio seria lá,verei
o que poderemos fazer,mas prometo que ao passar do tempo consilíaremos a situação-Ah,isso foi a facada para que ele entendesse,mas apesar de tudo,tive que decidir se
subiria para tomar banho ou se ficaria mais um tempo com ele.

-Ah,tudo bem! Não precisa dizer nada,se quiser ir,pode ir-Tive que rir de suas palavras,levantei-me delicadamente o encarando,acho que sua pequena,mas sofrida vitória
valerá a pena,sinceramente minha pessoa repensava nos conceitos ávidos em sua mente-Valerá pena-Brami o vitando profundamente-Eu sei que,sim-Sabia que a mente
dele ia longe,mas a tal nível? Foi demais para a minha pessoa.

Antes de ir ao quarto o abrecei com força,me direciei ao quarto apóis o ato.Fechei a porta encostada,delicadamente pensava no que devíamos fazer,sinceramente minha á-
vida pessoa voltará no tempo-Redenção?-Chamei por ele andando pelo quarto-Sim-Houvi ele responder,eu tirava à longa túnica branca que vestia,iria tomar banho,era tu-
do o que eu desejava nesse momento.

-Sabe se há algum sinal da presença de Ferá?-Compreendi,o modo como ele respondeu me foi a resposta esperada-Não Lilith,por enquanto nada,vós digo que apesar de
não haver nem um sinal vital dela,tome cuidado,sei que tudo pode acontecer-Assenti deixando a túnica escorregar pelo meu corpo,delicadamente minha pessoa caminhou
em direção ao banheiro,ás luzes acesas me foram encatadoras.

-Entendo,obrigada-Não precisava mais de sua presença,ele estava livre por esses dias e de todo modo precisava sentir-se liberto.Abri a porta de vidro do box,a ducha foi
aberta,a água morna escorreu pelo meu corpo,que sensação maravilhosa.Será que um dia voltaria a sentir-me assim? Esperava que,sim,deixei meus olhos se fecharem,eu
não me irritava mais com a rebeldia de Samantha que se movia,dava para sentir cada detalhe de seus pés se movendo para cima já que ela estava virada para baixo.

-Á insana é pequena,mas é voraz-Comecei a lavar meus cabelos,os movimentos eram delicados,silêncio pairando pelo banheiro,quietude que me espantava já que desde
que Lucy vierá a casa ficou bastante barulhenta,falo no contexto de atividade,mas agora que ela temporáriamente estava ausênte,todo silêncio presente.Passou-se alguns
minutos enquanto eu tomava banho,houvi sons vindo do quarto.

-Ainda no banheiro Lilith?-Aziel vierá para procurar alguma coisa,o que eu não sabia,mas sabia que ele vería depois,não demorou para vê sua sombra se movendo pelo i-
menso banheiro,só o barulho da água caíndo dentro do box-Estou aqui-Houvi seu riso,era o que ele precisava houvir para tirar suas roupas ás colocando no gesto de roupas
e entrar-Nossa,demorou mas tomou coragem-Disse-lhes o encarando.

-Não exatamente-Falou em grego,a pronúncia rigida,mas delicada-Que seja-Eu mesma dei-me a lavar seus cabelos,eu mesma quis tratar dele como se fosse um menino
precisando de cuidados.Apesar de tudo ele se sentia tomado por alguns receios-Não pense desse modo,Aziel! Vai prosseguir,se é sua meta eu posso entender,agora pelo
amor de todos os Deuses aceite sua condião e reafirme o que deve fazer-Ele riu,o puxei para baixo da ducha,a espuma de seus cabelos não muito longos,mas que iam até
a altura dos ombros escorria pelos ombros,corpo.

-Me promete?-Ele abriu os olhos me fitando-Prometo,tudo bem! Se eu não prometer,sei que me mataría por isso-Eu ri,foi quando ele me beijou com vontade,era diferen-
te sentir seus lábios molhados,tinha uma das mãos curvadas sobre seu rosto é a outra pousada sobre seu ombro-Tudo bem,me sinto melhor agora meu querido,agora por
favor,deixa-me cuidar bem de você,está voraz e isso me intimida-Ele se afastou,respirou fundo quando compreendeu a mensagem.

-Para! Não seja intimidadora,não aqui-Eu ri,o empurrei delicadamente contra a parede-Vou continuar sendo-Demoraria,mas ele não saíria do maldito box caso não estives-
se satisfeito.Conheço a natureza dos homens,Sara,conhecia a selvageria e calma de Aziel perfeitamente a ponto de saber do que deveria fazer.Demorou,mas quando todo
o desfazer de suas insatisfações foram desfeitas podemos sair.

Lamentei pelo Aziel se sentir ultrajado ao passar do doce tempo que passamos no banheiro,o fiz sentar-se a beira da cama,enjuguei seus cabelos com outra toalha.Isso
ao meu ver me foi satisfatório-Deixa eu vê,ainda não me permitiu vê-Do que ele estava falando? Demorou para eu entender,mas compreendi quando ele deslizou suas
mãos sobre minha cintura.

Ele fez com que a toalha deslizasse por mim,caísse ao chão-Nossa,Sabia que Samantha estava crescidinha,mas isso é espantoso-O olhava,tinha a toalha sobre sua cabe-
ça,a esfregava,ele tinha outra enrolada sobre sua cintura-Não se lástime Aziel-Ele riu,riu do modo como pronunciará as palavras-Vai cuidar de mim quanto estiver bem ve-
lhinho,não e?-Ele implorava só pelo olhar-E claro que,sim-O respondi,pronto,seus cabelos estavam secos.

Dessa forma nós preparavamos para nós arrumar,depois disso íamos jantar,não posso descrever do modo como o maldito queria por que queria poder ter Samantha jun-
to a si,nunca vi tamanha pretenção em sua pessoa enquanto nós arrumavámos,escolhíamos roupas frescas é limpas.Compreendi."Só mais um pouco meu querido".Disse-
lhe ao saírmos.Anteporal em todos os sentidos.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Ana Nery em Ter 28 Set - 14:39:30

Sabem a sensação de que se deve esperar por algo? Foi exatamente isso que se passou por mim cabeça.Durante dois dias seguídos tive a sensação que mais uma coisa
espécial estava para acontecer.Que lástima! Sinceramente minha pessoa se sentiu impulsionada a esperar,queria deixar meu coração bater forte para saber o que eu de-
veria esperar.

Gradualmente minha pessoa se envolveu nesse momento.Ao passar desse tempo me mantive na espreita."Algo maravilhoso vai acontecer,envolva e deixe com que tu-
do aconteça".Era essas palavras que se passavam em minha mente e coração.Foi o que permiti acontecer.A chuva da estação veio novamente,me encontrava no dia ao
passar desse curto tempo.O cheiro de rosas pairando o ar ao serem molhadas pela chuva.

Tinha essa visão ao estar na varanda,apreciava cada detalhe,doce crépusculo ao tomar conta dos céus nesse fim de tarde.O som dos passos cantando nas arvores do jar-
dim me foi maravilhoso-Que maravilha-Brami,Aziel preparava a lareira na sala,ás luminárias acesas,ele tinha chegado a pouco tempo de sua ida a um museu em espécial
na Cidade.


-Lilith vai entrar?-Ouvi ele falar da sala,ás luzes da varanda e jardim acessas,neblina fria é densa paírando pelo jardim-Já vou querido-Ele jazia abaixado de frente a larei-
ra,atiçava com a barra de metal ás chamas que provinham da madeira perfumada,fechei a porta-Ah,obrigada,fez rápido-Ele tinha acabado,deixou a barra ao lado da larei-
ra,caminhou em direção ao sofá-Tome cuidado,não chegue perto,não queria vê-la queimava-Eu tive que me silenciar,isso quando ele esticou os braços a frente em minha
direção me chamando.

-Entendo-Transposição de tempo é intelecto aconteceu,tudo o que eu desejava nesse mundo,fazia tempos que Aziel tomará coragem de me acolher como fizerá nesse mo-
mento a sós com ele,um dos raros,e claro.Ah,pensando nesse momento como tenho soudades de meu jovem guerreiro ao meu lado,soudades do modo como ele me aco-
lhia como fizerá naquele momento.

Ás luminárias da sala se mantiveram baixas,suaves,os estalos das chamas ecoando pela silenciosa sala,tinhamos ficado todo esse tempo deitados no sofá,ele ao meu lado,a
me acolher com seus braços curvados a minhã frente.Mantinha as mãos pousadas sobre seu delicado é jovial rosto,os cabelos emaranhados devido aos meus longos afagos
ao decorrer desse tempo.

Ele ofegava conforme movia meus lábios entre seus ombros e pescoço,foi complicado porquê nem minhas investidas o fizeram ceder apesar das ousadas carícias,todo seu
perfume impregnado em mim,ele tinha sua camisa clara de linho aberta,movi minhas mãos até a altura de sua cintura,ele me mante-ve junto a mim,os beijos voltaram a
ser longos,imensamente longos,profundos como a relva,brisa,neblina é mares.

Ouvi sussurros provindo dele,delícioso,ofeguei quando ele moveu seu rosto em direção a lareira,se perdeu por alguns momentos nas chamas da lareira-Espero que nunca a
estar nesse estado faça algo dessa natureza-Sua face corou-Teme demais e ao longo desses meses me deixa envolta em martírio,Aziel-Ele sabia que,sim,acatava e aceita-
va,mas antes de me acontecer a surpresa ele pode responder-Verá,meu sofrimento não ficará impune quando Samantha vier-Me silenciei,o eco romperá o silêncio.

-Diabos,o que há?-Ele riu-Alguém deseja falar,ter contato-O telefone tocava,ele esticou a mão em direção a mesa de centro,atendeu ao telefonema-Aziel! Lilith está?Posso
falar com ela? Querido está perto do nascimento de Samantha,quero saber como Lilith está-Ele me olhava,me tinha deitada ao seu lado sobre o sofá,de modo descarado o
beijava,desferia meus beijos sobre seu torax desnudo,jovial,mas masculo como sempre apreciei.

-Ela está,está ao meu lado Isabel,demorou mas deu notícias,Lucy está presente?-Houvi risos,que ousádia Tia Isabel fazê-lo-Não,mas ela chegou bem de viagem,acho que
erradiando felizidade que me espanta,ela está na Empresa,deve vir aqui logo mais-Ele riu-Obrigada,devo passar para Lilith,correto?-Mais risos de Isabel do outro lado da li-
nha,movi meu rosto fitando Aziel-Sim,se possível-Aziel me entregou o delicado telefone sem fio,perfeito.

Sentou-se na poltrona,odiei vê que ele se arrumava,abotoava sua camisa,meu momento se fora-Oi,estou aqui,vai vir mesmo? Precisa me avisar sobre algo?-Isso a fez
rir do nada-Não querida,quero saber notícias,como anda minha pequenina sobrinha,demorou mas a ficha caiu.A família vai crescer-Ofeguei,mas mesmo assim,tive que in-
sisti para saber de ela viria ou não.

-Vai vir?-Quietude-Se insiste tanto,eu vou,temo pertubar-Eu ri de suas palavras,encarava Aziel."Maldito! Vai ter volta,não mandei se arrumar ainda".Nada ele respondeu
de meu pensamento-Obrigada,não vai pertubar,quero que esteja comigo! Têm como chegar antes?-Ela pensava,foi quando respondeu de modo cético,sincero,Aziel levan-
tou-se quando terminou de abotoar a camisa,jogou os cabelos para trás desfazendo o emaranhado.

-Uma semana antes,tudo bem?-Eu ri,ficará feliz,imensamente feliz,chorosa,mas feliz,apesar de morta de soudades-Obrigada! Pensei que não falaria comigo,deve estar me
achando uma fujitiva-Risos-Jamais Lilith,só me dou conta de que minha menina cresceu,há tempos que sabe o que quer-Compreendi,se passou alguns minutos até que eu
pudesse desligar-Fitei Aziel-Volta aqui-Ele riu,quis ir para o quarto,me apressei em segurá-lo-Ah,céus negros,estou perdido-Estava mesmo,inistiria mesmo sabendo que eu
provavelmente saíria derrotada,mas quem sabe teria o que desejava ter.

O fiz sentar na poltrona-Guerra-Bramiu ele,foi quando me sentei em seu colo o beijando,o tempo passaría até um novo respaldo acontecer.Hávia me esquecido de que pe-
rigo espreitava a mim,a minha família que ainda estava sendo construída.Foi quando com dois dias seguintes quis me preparar para arrumar o sotão de Aziel,precisava de
uma boa arrumação.Ele tinha saído de manhã,aproveitei a quietude do lugar para fazê-lo.

Preparei panos limpos,matérial de limpeza,queria deixar tudo arrumado,organizado,vi a vasoura encostada ao lado do altar ritualistico,quis saber do que Aziel tinha apronta-
do em sua chegada nesse lugar,suas comemoráçoes de soustícios-Céus,como deve ter sido?-Brami encarando o altar."Trevoroso".Alguém tinha me respondido,não sabia co-
mo isso hávia acontecido,mas acontecerá.

Me virei olhando para trás,ela estava no centro do circulo ao chão,senti tremores,imensos tremores me percorrendo-O que quer?-Brami com vox trémula,sinceramente minhã
pessoa não compreendia.Ferá me encarava pensativa,foi quando do nada ela pulou em minha direção,tudo que senti foi algo se impregnar em mim,me tomar,me vi caíndo
ao chão,tomada de sinuosas dores.Apagão aconteceu de imediato.

Não compreendi os preceitos dela,mas apesar de tudo,tive a audácia de tentar acordar.Nada,nada acontecerá.Passou-se horas até que algo acontecesse,intervisse por mim.A
chegada de Aziel foi despercebida enquanto eu jazia inconsciênte ao chão.Era noite quando ele chegou,não estava preparada para saber que tanto tempo hávia se passado.O
Aziel foi visto sentado ao meu lado ao conseguir abrir meus olhos.

-Está bem? Não se mova,ela está dentro de você,não se mova até eu mandar,fique imóvel até eu resolver tudo isso Lilith.

Compreendi suas palavras,gemia de dor,tanta dor muscular que era como tudo em mim estivesse se desfazendo."Maldita,não ficará envão".Pensei,Aziel caminhou até o altar,
ele pegou o pequenino caldeirão o trazendo junto a um pote de ervas-Psiu-Pediu ele ao sentar-se ao meu lado,me espantei cheia de temor ao vê a temerosa adagã-Aziel não
seria louco,por favor!-Consegui gritar mesmo sendo tamada de dor.

-Calada,não falei que seria cordial-Ele riu depois,arqueou o cenho da sobrancelha abrindo o pote,derramando uma certa quantidade de ervas dentro do caldeirão-Mamãe teve
a coragem de me ensinar isso,acho que até hogê o modo mais rápido de expulsar algo de uma pessoa-Disse rindo,senti a dor ficar mais acentuada,forte.Foi quando Aziel esti-
cou o pulso a frente acima do caldeirão.

Ah! Vê a lámina percorrer a carne me deixou ressentida-Vamos Lilith,seja rápida-Bramiu ao terminar,limpou-se com um pano o jogando ao lado ao terminar que o sangue para-
se de vir-Vamos,vai conseguir-Ele pegou o caldeirão levantando-se e indo até o altar encheu um copo escolhido-Foi rápido ao chegar-Ele riu de minhas palavras-Eu sei que,
sim-Bramiu vindo em minha direção.

Fui obrigada a beber a mistura de sangue e ervas,mas doeria! Doeria de verdade-Não passará em branco,vai queimar maldita!-Que força! Fui virada para cima,encarava o te-
ro amedrontada! Aziel deixou as mãos deslixarem até meus ombros,me segurou com força-Não sería cordial-Bramiu ele,segurava minha cabeça me dando apoio,mais espasmos,
era como se algo me tirass,eme sugasse por completo! Me tirasse o algo que me contaminava.

Vi quando ele olhou para o teto,exatamente para o desenho simbólico que ele fizerá perfeitamente descrito por mim,Sara-Levem sonsigo,ofereço algo notável a vocês-Dor!
Gritei aos berros quando a dor me tomou-Maldição!-Gritei ofegante-Pronto,está acabando-Sabia que,sim,mas tamanha dor me era aterradora,quando terminado fiquei como
uma menininha deitada sobre seu colo,ele me acolhia,nunca chorei como nesse momento,Aziel me afagava os cabelos-Obrigada,Obrigada-Bramia sem parar,ele se mantinha
quieto-Está melhor?-Houvi ele falar.

-Me recuperando-O respondi,voltei o olhar a frente enquanto me sentia acolhida por ele,vi Redenção,ele sumiu depois disso,continuei chorando muito! Um dos piores momen-
tos e provações que tive em minha existência até então.Gradual,imediato,mas doloroso como não esperava,ser.Apesar de tudo eu hávia resistido,o que significava alguma
coisa,depois saíria,jantaria,sentia fome,densa fome depois de tudo.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: União De Sangue-Parte II

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum