***Gelo De Sangue***(3° Conto)

Página 4 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 76

Mensagem  Ana Nery em Sex 16 Jul - 19:17:40

Só voltamos a ver Carlos dez dias apóis esse acontecimento e conhecimento de sua irmã a sua docilidade.Tinhamos voltado da caçada e lá corriamos em méio a multidão para encon-
tralo em seu escritório que e claro o própio David tinha descoberto o endereço.Me mantinha firme quanto a Letícia;porque sabia que ela ainda se encontrava com o irmão,mal sabiamos
o que nos esperava ao chegar lá.Dando a volta nessa rápida caminhada em plena noite eu e ele fimos o imenso prédio:Lá estava escrito ***CENTRO DE ARQUIOLÓGIA BRASILEIRA***.

O segundo golpe de David apóis aquela noite macabra para com Carlos começaria,mais eu sentia algo no ar,entramos pela entrada principal,a imensa porta de vidro brilhava devido ao
fato da iluminação se muitissimo aplicada no estabelicimento de dezoito andares.Um homem nos recebeu quase a ponta pés,perguntava o que estavamoos fazendo a altas horas naquele
Centro tão restringido de informações e pessoas importantes para o pais.David falou logo de imediato que estava procurando Carlos,mandou o homem nos deixar passar,o que foi uma e
dolora espera.

Esse homem de longos cabelos escuros,vestido todo de preto e oculos impassivos já começava a nos encaminhar a sala que Carlos estava.Descaradamente conforme ficamos saben-
do ele mantinha seu imenso escritório no último andar,fiquei revoltado em ter que subir tudo a pé nas imensas escadas belissimas ao seu marmore negro claro "Sr.Carlos e o liader da-
qui".Tive que parar para houvir melhor o que o homem falava "Esta bricando,não e?".Ele riu docimente diante de minha espressão de espanto "Não Sr.Lioncourt,ele e que fundou todo o
Centro oficial dos Arquiólogos do Brasil".

Voltei a subir atônito com a notícia,David nada respondeu mais ficou claro que ele não acreditava no que houvira.Com vinte minutos de subita me foi o soficiênte para perder a respira-
ção e o homem bateu a imensa porta de pura madeira negra,como ela erá brilhante devido ao seu polimento,sentia o chéiro de pura floresta emanando dela,todo corredor a frente mui-
to arrumado,fiquei passado com todo cuidado moderno que eles tinham no Centro,senti no toque e visão que todo sistema era informatizado "E para espantar mesmo".

-Lestat acalmese,não tem nada demais.E claro que era de se esperar a importância dele seu moleque.

-Calma você David Talbo ! Não sou eu que o estou perseguindo e sim vossa pessoa em seu geito descarado.

Já tinha entrado mentalmente dentro de Carlos;o vi pelas imanges naquela conversa entre eu e David que nos atenderia.Me sentei no imenso banco do corredor tão delicioso,joguei o
braço para tráz e posicionando a visão as suas unhas aparecendo na porta foram nitidas. O David me confera naqueles dias de retiro que tinha dado esse tempo de perseguição porque
ele sentia que Carlos podéria responder melhor.A sua figura já pairava a frente da porta ao chamado de meu David,a voa forte e vigorosa que Carlos tem e para meter medo,senti que
aos seus comandos séria impossivel não obdecer;meus risos foram cordiais ao fitalo por inteiro.

"Realmente não desisite Sr.Talbot".E não iria mesmo;o homem desaparecera ao voltar aos seus alvaseres apois nos levar até áli,Carlos me pediu para entrar mais não o fária,fiquei e
quieto a deixar ele e David a sós;iria ver tudo por sua mente sem ele sequer saber ou ter a desconfiança.Mordia meus lábios,meus olhos humanos ardiam um pouco,sentia o desgaste
deles eminente.Por mente vi que Carlos estava deliciosamente trajado,toda visão da cidade de São Paulo por detráz da cortida de vidro ao velo abrilas,os prédios iluminados diante de
uma linda visão dos Deuses "Mais que belo querido".Um meigo sussuro que não pude conter ao meu impase.

Carlos vestia uma justa camisa de puro cetim negro,as mangas dobradas até os cotovelos,o que deixava David delirante porque o modo como aquela pele e alva e tão marcante não e
para qualquer um não,calça clássica negra junto ao toque dos sapatos perfeitos,não pude a deixar de perceber os longos cabelos castanhos presos para tráz,as unhas polidas.Carlos ia
anotando alguns textos nos seus leptop a mesa de vidro enquanto esperava David falar,os olhos verdissimos sempre iluminados pela luz do aparelho moderno a qual escrevia.

-Não vai me mencionar nada David?Não vai me dizer o por quê está áqui diante de mim?

-Pensei que estária mais acalmo apóis esses dias Carlos.

-É estou conforme ver;apenas quero respostas claras.Não vou fazer nada antes de me dalas ao meus houvidos Sr.Talbot.

-Vejo que se recuperou com vigor,me sinto feliz.

-Feliz? Acha que me sentiria feliz apóis tudo áquilo que me fez? Repense em seu argumento e depóis venha falar comigo.

Foi ai que Carlos parou de escrever,gruzou os braços e foi adiante daquela bela visão dos imensos prédios,estava pensativo,por sua mente houvia tudo áli sentado,esperava com todo
meu vigor David sair;ele se levantou parando por detráz de Carlos,ele não respondeu logo de imediato,a decoração branca e prata que o seu escritório de arquiógia tinha era de tirar
o folego,até David não respirava diante disso,suas mãos paradas sobre os ombros de Carlos a esperar uma ação dele.

"Um pedido de desculpas?O que posso fazer para me redimir?".Nada álem da verdade e lógico,era isso que Carlos anciava,ele sentia que David não pertência ao mundo humano,seu
olhar disse tudo quando se virou de frente ao David,quando sentiu o rosto dele roçar sobre o seu teve que se conter;não suportava todo o calor que sentia.Não adiantava,foi só os de-
dos de David deslizarem sobre seu rosto que deixou o beijo guente acontecer,todo braço foi em direção aos ombros de Sr.Talbot,ficaram nesse momento até se sentirem cansados e se
largarem pelo calor.

"Não adiante esse pedido de paz,continuar a manter sua indolê David".Estava certo,ele voltou a sentir mais beijos de David sobre seu rosto e desviando sobre a boca dedora capaz de
matar qualquer bebedor de sanguê que o desejase,se deixou esvair contra a parede naquele abraço ao seu acolhido por David que desprendia seus cabelos castanhos caindo aos seus
ombros delicados,estava quente diante disso,porém teve que se segurar pedindo para David parar,o que ele fez de imediato.

-Quando aceitara minha proposta de paz? Me sinto atormentado dia e noite !

-Nunca lhe darei paz Carlos,não até conseguir o que quero.

Carlos se sentia preso por David enquanto a sua boca roçava seu pescoço;téria que manter a paciência conforme vinha tendo,suava de forma leve com todo desejo provocado diante a
cena macabra,me perguntava em que lugar Letícia podéria estar.A procurava mentalmente até que senti ela bem perto,gráças que não estava sabendo da vinda de David,senti ele vir
sair a porta apois o massagre na alma de Carlos,Léticia saiu da sala postérior já que estava tentando organizar seu importante matérial fantasmagórico e se deparou comigo,seu riso na
sua docilidade sempre me encanta.

"Sr.Lioncourt ! O que fazes áqui?".Como me sentia envergonhado,muito educada ao seu lindo modo de menina.Vi as mãozinhas se estenderem a mim quando abrasei,David viu a sena
ao lado de Carlos passado.Muita coragem minha em seder aos encantos dela que não queria me largar;me perguntava muitas coisas e sai respondendo das pequenas aventuras que tive
em vida;os dedinhos deslizando sobre meu rosto e quando ela sentiu a presença de David a sua reação foi inesperada.

Muitissimo claro que apesar de jovem menina os maduros atraiam ela,nunca tinha sentido um prazer carnal mais tinha a plena e alta noção do desejo.Os imensos cabelos cacheados
caiam as costas como um manto,sempre ama vestir roupas clarinhas de tecido fino que lhe façam sentir-se fresca e bem no corpo:O vestido branco com faixa vermelha foi o golpe ao
meu corãção junto a sandália curta prateada escura,usava um delicado pá de luvas tambem da cor branca e o chale de seda para lhe aquecer já que São Paulo e uma cidade de certo e
grandioso modo fria.

A face rubra de vermelho muito peceptive,foi ai que meu coração parou com o medo que eu mantinha por ela;David não captou o que tinha visto e não iria mencionalo obviamente,se o
fizesse cometéria um grande erro para com Letícia que foi a comprimentar David naquele aperto de rosa.O pergume de carmim dela emanava por todo corredor,Carlos asentiu diante
de sua ordem de afastarse "Cuidado pequena ! Isso não são modos".Estava certo,uma linda e pequena dama como ela não deveria de rebaixar a tal niavel,mais para mim tudo estava
explicito.

-Preciso ir querida Leticia;acho que esta muito ocupada.

-Sim Sr.Talbot,está correto sim ! Essa semana provavelmente estarei em Paris.

-Olha só ! Que surpresa para com minha pessoa menina.

-Estou tetando negociar com Sr.Carlos se posso ficar áqui ! Mais vejo que não.

É ela deu de costas ao irmão,estava chateada.Queria ficar mais Carlos jamais aceitaria que ela deixase de absorver todo tipo de conhecimento que o mundo lhe possa oferecer,ele foi a
parar por detráz dela,tentou explicar a situação mais Letícia estava inrrepreencivel para com sua vontade de ficar no Brasil.Queria rir com a sena entre os dois mais não pude deixar de
me conter.Fiquei a observar,Letícia pode ter uma carinha de anjo com aqueles olhos azuis,a sua mente em si e macabra.

Tive medo dela com tudo que desejava enquanto fitava Carlos daquele modo insano,queria mais e pular em cima dele e meter os golpes para ele se render a sua vontade.Sobre meu
David?Não comento como ela se sentia atraida por ele;mais preferia manter tudo em segredo por sua educação e virtude de alma.Quando decemos saimos rápido nas Ruas.A coisa de
que falo que tanto me supreendeu e que Letícia e capaz de tudo para realizar seus desejos e sua alma de guerreira fala alto em meu ponto de vista.

"Segundo passo ! Satisfeito?".Sim,aos poucos David ia absorvendo isso conforme o tempo o levava para as trevas.Todo meu sobretudo andulava e sentia algo nos seguir;me inrritei pa-
ra com esse caso,uma vez ou outra me virava parando de caminhar e tentava ver quem ia nos seguir ou téria tal aldásia.Arqueava a sobranselha loira diante da sensação de que nos
estavamos sendo vigiados.

-Ao que saiba e para se ter preucupação David?

-O que? Lestat o que sente?

-Tenho a sensação de que estavamos sendo seguidos querido.

Ele estranhou minhas palavras,pos as mãos nos bolsos das calças e saimos novamente em nosso vigor.Estava fervente de soudades de casa mais enquanto não resolvesemos essa e
loucra situação com Carlos permaceriamos áli,sabia que com Sofia e Tompei meus amores estariam seguros,afinal Thalwa e forte:Tem sua força,e apesar de ser minha esposa não iria
deixar que a controlase.

A noite estava belissima para mim e David,ele se sentia mais tranquilo ao saber que Carlos ia se acostumando com o desejo dele.David dissera que em sussuros Carlos o convidara a
sua casa na noite seguinte,o que o deixou envergonhado.Paciência,mais nada que isso.Ainda a sombra vinha nos seguindo,sabia que alguêm nos seguia e como tive vontade de matar o
intruso,já tinhamos avistado o nosso prédio,demos a volta nas escadas chegando a Suitt,ao meu ver a pessoa tinha desaparecido "Quem tem tal ousádia?".Silencio de Sr.Talbot,destra-
vei a massaneta da porta á ascender a luz,cai para tráz quando vi a doce Letícia pairando a proltona central,meu coração batia como um moto de quinhantos cavalos " E..Letícia? O que
faz áqui menina?".Risos imediatos com minha reação.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 77

Mensagem  Ana Nery em Sab 17 Jul - 17:16:21

Ela se lenvantou a sua delicadeza tipica,uma dama forjada na sua virtude.Apenas considerei muita coragem para sua atitude de nos seguir,soltava risos maliciosos,agia como eu no
caso de dúvidas,suas mãos pequeninas pairando sobre meu rosto gelido,ela me encarava com sua própia vida "Sr.Lioncourt quero algumas respostas".David cai sobre o sofá com a
presença dela,perguntava porque ela tomara tal coragem;Letícia dirigiu a palavra e ele em sua sinceridade predadora.

"David desde quando perseguê meu irmão? Não sou tipo de garata que se deixa enganar facil".Ela me pediu para tirar o chale,estava fresca com a roupa de tecido fino,continou a
fuzilar David com a cara e a coragem de uma Deusa ainda em desenvolvimento,porque era isso que estava acontecendo com ela nessa época:Descobrindo todo o mundo em que vive-
mos e desejamos desbravar.Apesar do desejo lhe corroendo séria primeiro essas informações iria tirar de David nem que fosse no tapa.

-Lestat pode me ajudar áqui?

-Eu? Pede ajuda a mim querido David? Vire-se !!

Dei as costas e fingi que iria sair,fiquei por detraz da porta com os houvidos encostados na entrada mental em Letícia,eu ria muito com essa situação.Queria tanto que Letícia usasse o
encanto ainda eminênte e forjase David de paixão,assim tirando ele do foco de Carlos.Toda vitude me pedia que ela fizesse isso para ele deixar Carlos em paz.David ao continuar com
Léticia mais se descontrolava "Quero ver como se saira dessa Sr.Talbot,vai lá Letícia,manda ver minha linda menina".

Torsia por ela,para que a pequena mulher ainda nascente despertase nela por completo na sua visão diante dele;que o deixase tão rebaixado perante as verdades que lhe citei,que ele
morrese de raiva de mim ! Apreciava minha Letícia esperando uma resposta aplicada para a sua justificativa "Querida isso não e coisa com que se deva mencionar a uma pessoa tão doce
como ti".Ela arqueou as sobranselhas na resposta vázia,se levantou e parou exatamente de frente a ele,a mão pousada em seu rosto forte e vigoroso,David tremia muito com a sua
presença.

"Por quê mente querido?Não ver como e evidênte sua mentira perante mim?".Pego de geito por ela;me deliciava com a enrrascada que ele hávia se metido,quase me esvai de rir para-
do detráz daquela porta fechada.Não conseguia entender como as chamas do prazer podem serem ascesas tão rápido;realmente admirava a menina porque não esperou para agir.Com
sua calma compreendia tudo que David lhe citava,tudo que sentia por seu irmão;toda a sua maturidade me supreendeu !

Letícia não só era uma menina linda e doce e sim uma maghata em suas decições,perguntava-se o porque David ficou tão envergonhado,coisa inutil para ela,afinal tudo que lhe impor-
tava era como seu irmão estava reagindo,e ao que ela sabia nada bem em seu ponto de analize "Sr.Talbot não adianta,meu Carlos e impenetravel na dalma,no corpo sim mais sobre
seu espirito já não garanto isso".

"O que pretênte de mim então? Por quê me seguê".Manteve parada diante dele,muito esperta para meu gosto,o que me deixava feliz na alma e coração por sua atitude tão verdadeira
e clara "Fique comigo essa noite Sr.Talbot e descida por si mesmo o que vai fazer com ele".Passado em todos os sentidos com a minha Letícia,cantava vitória diante do caso mais que
perfeito.

-Isso ! Não tenha pena não querida ! Pise por mim em cima dele pela traição !

Vitória mais que linda,delirava continuando a ver mentalmente eles se desvencilhando;Meu David fugia dela andando pela Suit descontrolado,Letícia não estava dispota a desistir com
seu vigor.Queria expirimentar uma nova fase;desejava mais que tudo continuar seu grande amadurecimento feminino e seu instindo falava muito alto.Tombou com David sobre a cama
imensa do quarto,ele sentia cada pedacinho daquele corpo de cristal que ela tem.

"Isso e um ultrage Letícia !".Não adiantou,as luzes entravam forte iluminando aos dois,toda a boca dela deslizava por seu rosto,David tenta empurrala mais não resistiu ao que ela iria
tirar dele:Todo vigor de imortal para com seu primeiro prazer carnal,me sentia vangloriado por tal requinte de princera e ainda cantava vitória por ela ter agido tão depresa.David tira-
va cada pedaço de sua roupa as jogando de lado,ela o queimava por inteiro em seu grande desejo apesar de tão jovem.

"Isso e desesperador menina malvada".Ela se desbruçou pelos lençois enquanto ele tirava cada pedaço de sua inocência,a boca de David abria deslizando por aqueles costas meigas
e doces de se beijar,ele queimava por dentro,as penas de Letícia finas,alvas com todo seu toque de bailarina real entreabrindo na altura da cintura de Sr.Talbot para mim foi seu a-
lento de espera.David perguntava o porque ela agia de tal forma,delirava ao sentir todo o toque do pescocinho delicioso dela,queria mordela por inteira.

-Isso e algo meu David,não espero quando me deparo com algo e sim o pego para mim por inteiro,e o que estou fazendo agora.

-Querida,minha doce rosa inesperada.

"Isso Letícia aja por si mesma menina linda".Meu único sussuro desfeirido em homenagem a ela antes dela delirar com a força de David ao stravessala por inteiro,todo desejo quemou
dentro de Letícia ao sentirse penetrada por ele,os critos vieram acidos como esperado,toda sua força aranhando aquelas costas,David não esperava por isso,ele estava paralidado com
o que ela fizera o seguindo daquele modo;o que o torturava por dentro,e mesmo assim eu ria da desgraça dele,que ele mesmo provocara a si diante de sua loucura.

"Estou pleno querida ! Me deixa feliz ! Aprendes como eu Letícia".Crito mental vindo de mim ao continuar espionando o ato mentalmente,assim o imenso movimento forte de David para
manter aquele ritmo apasiquador em penetração em Letícia foi desfeirido,mesmo com toda a dor dela,mantinhase firme,se sentou sobre o colo dele agarrada por seus braços,muito e
da delicada,tive medo dele fazela em pedaços por sua força,graças que não foi assim,ele ia ajudando-a a desferir movimentos para cima em ritmo frenetico e acabou quando cairam na
cama entralaçados.

-Maldita;es uma maldita menina.

-Quieto Sr.Talbot ! Não precisa disso ! Agir dessa forma.

Ela teve que ser ajudada por ele que a segurou nos braços nervosissimo porque sabia que ela sangrava nas aberturas das pernas,perdera sua pureza por completo,glória aos deuses
que a colocaram em meu caminho quando fizeram o desejo dela arder mais alto que qualquer outra coisa.Toda água da imensa banheira do banheiro fora aberta para ela,David ia
se descontrolando tetanto ajudala mais ela saberia se cuidar só.

"Olhe para você querida,machucada !".Ela pedia calma,odiava velo descontrolado uma e tão depravel situação feminina,deu um tapa no rosto dele e o mandou entrar,queria mais
dele,muito mais porque tinha gosto muito do que vira em Sr.Talbot.Como queria que Louis estivesse comigo para presenciar a situação Letícia e Sr.Talbot.Realmente fariamos de tudo
para desferir várias risadas dele depós.Como ele estava despido justamente como ela foi ao seu encontro,a vi puxar com aquele bracinhos de princesa ele sobre seu corpo desejoso.

Foi esse o termino da noite:Ficaram transando até ela se cansar,se sentir satisfeita como o seu nacimento como mulher;não me preucupei e sai as Ruas para caçar,diante disso tido a
sede falou mais alto.Não parava de rir diante de Letícia;muito parecida comigo na alma e no corpo delicado porém vigoroso "Adore essa garota;bem feito para ele que foi pego de geito"

Quando na caçada me fiz por completo em meu aquecimento;casei muito bem até sentir toda sede ir embora,me deliciei com quatro vitmas comemorando a felizidade em ter Letícia
ao meu lado.Ela altomáticamente sentiu a situaçãp e agil de imediato.Quando nos asfaltos não parava de gargalhar vendo devid tão perdido diante dela.15 anos que me pareiam e
20 de vida.

-Deuses ! Adorei ela ! Comemoro isso para sempre !

Eu dava até voltinhas enquanto andava de volta para o prédio,quando entrei na Suit estava dormindo com ela em seus braços,sempre em seu delirio queria sentir seu perfume,inteira-
mente dele,só a David Talbot a Letícia pertencia,com muito cuidado peguei as roupas dela e as cobrei as colocando na cadeira ao lado,parei ao lado da cama visionando toda a beleza a
lhe possuir naquele sono "Durma com os tenebrosos demônios querida,adoro você".

Resolvi ir para o quarto postérior e deixalos sozinhos,enquanto lia um livro de Paulo Coelho senti ela se acordar silenciosa como gato e sair para casa,foi meu passar de tempo com tal
felizidade para com ela.David se levantou ao se recompor e véio ao meu encontro,queria se justificar mesmo sem graça como estava "Lestat desculpe qualquer coisa ! Ela e tão ...".

"Tão como exatamente querido David?".Parei a leitura por um momento,ele caiu sobre toda a proltona branca ao lado,queria chorar pelo ato de redenção,deslizei meus dedos aos seus
cabelos escuros e andulados caindo aos ombros,se mantinha preocupadissimo" Não fique assim ! Ela e sua e peguena sem piedade David !".

Compreendeu meu geito de agir com ele,se deixou cair em prantos diante do pecado que a noite lhe trouxe,fiquei lendo todo livro,amei cada detalhe com que Paulo Coelho faz com que
a alma seja tão bem explicada por seus textos perfeitos.Uma vez ou outra ao lembrar dessa situação eu soltava gargalhadas,até que não aguentou e voltou a cama para dormir o resto
da noite e depóis para sair para o retiro em fuga do sol.

Me escondi por debaixo da cama e fiquei por áli mesmo,sonhei com ela,a Letícia realmente a suprema diante dessa situação.Meu corpo recuperava as forças para continuar a batalha
na noite seguinte.Fiquei em delirios tenebrosos com ela,a doce Letícia que para mim tornouse uma Deusa em seu primeiro arder de chamas.



Última edição por Ana Nery em Sab 17 Jul - 17:45:11, editado 1 vez(es)
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 78

Mensagem  Ana Nery em Sab 17 Jul - 17:28:30

Foi David que me acordou na noite seguinte me arastando debaixo da cama,sabia que seu Carlos podéria vir a se encontrar com ele,afinal na noite antério ele o convirada para ir ao
seu encontro diante do imprevisto da ida de David.Não que estivesse com ciumes,o que ia me deixando mais asasperado era minha impotência diante da situação,ele pedia ajuda na
situação para com a irmã do garoto.

"Quero que me ajude a afastala de mim".Fiquei furioso o fitando de modo queimante para a sua atitude,soltei um tapa em sua face mais que perfeita,me pediu para ir me sentar logo
na sala principal,me esvai na proltona vermelha com o toque clássico renacentista.o que para mim era um encanto.David estava belissimo vestindo um sobretudo da cor topásio,a sua
calça clássica me tirava o folego,o chale sobre o pescoço para dar o toque final calçando os sapatos negros.

Andava de um lado ao outro diante do nervossismo,gruzei os braços esperando ele se acalmar,vitou-se para mim novamente naquele pedido de ajuda "David não farei isso ! Ela ama
você,tanto que se entregou pura daquele modo !".Levava os dedos franzinos a sobranselha perfeite,os cabelos longos bem escovados no meu gosto predileto.

-Não vai me ajudar,não e?

-Não ! Não quiz de meter nessa confusão? Saia dela sozinho então porque não tenho nada a me meter nisso.

-Es um traira mesmo.

-Quem e o que áqui Sr.Talbot? Me trai diante de minha face é eu sou o traidor ! Como eu gostária de queimalo por isso !

Ele gostava da minha furia,me abraçou forte naqueles vigorosos agarros de um imortal,Os beijos frios vieram para me levar a loucura.Virei a face de lado em tentativa de negar isso
a ele,derrepende a campanhia tocou me chamando e olhando pelo olho mágico da porta vi que Carlos tinha nos encontrado,me mordia de raiva diante desse acontecimento,viera para
levar David e bem que podéria voar em cima dele por tal ousádia.

"Eu atendo Sr.Carlos".Ao destravar a porta daquele odio ao amor insano que ele sempre me provoca:Muito belo ao seu modo clássico e desmensurado,seu riso doce me tirou a raiva,
esperava paciênte,tinha convicção de que eu era muito envolvido com David que vinha lhe investindo varios sentimentos.A blusa branca de tecido de linho realmente um pecado,conclúi
o detalhe da calça jeans negra que ele vestia e o toque das botas curtas foi o exculacho da minha vida.

Não conseguia me vestia tão bem como ele,o que me provocou inveja imensa o mandando entrar,os cabelos castalhos tendo uma leve claridade sobre as luzes da imensa sala,David a
sua tipica paciência o fuzilou por inteiro,o risinho maroto dizia tudo,se pudese ter pulado em cima dele o téria feito,mais voltando meu rosto ao Carlos não ! Ele para mim merecia tudo a
sua vida mortal que fez dela tão linda.

-Bu Nuit Miseur Lioncourt.

-Que belo amigo;falas como um martim.

-Nada demais,apenas não sou tão enighmático como pensa.

-Letícia ! Ela está bem?

-Muito chateada comigo por insistir em mandala a França,mas aos poucos vai se conformando.

-Sim e claro;compreendo querido.

David teve que me segurar quando Carlos tirou o esqueiro prateado e levou um cigarro a boca,todo seu olha e queimante,o toque do verde de seus olhos e raro sim,por isso sempre
relevo esse detalhe,ele visionando a Suit chegou ao bar e não esperou para se servir com a sua apaixonada taça de vinho branco " Posso me servir,não e Lestat?Me sinto muito feliz".E
estava sim,ao manter o cigarro na mão e a taça juntos curvou em gesto solene,dava passos em volta de David para absorver sua configuração.

"Muito belo Sr.Talbot".Vangloriava ao Carlos,não compreendia porque não chegava a odiar ele por completo.Ele parou diante do momento e deixou os braços se curvarem sobre David
que mal se aguentava perante aquele perfume delicioso,a boca roçava em seu ombro para com o abraço ponderado,se afastaram,balançava a cabeça no impulso de expuldar aos dois
e mandalos a Rua.

Não foi preciso,Carlos terminou de solver a taça de vinho e a deixou em cima da base forte do bar,mesmo assim continuava a segurar o cigarro naqueles dedos de pianista,perguntei a
quanto tempo ele tocava "Desde meus seis anos Lestat;foi quando toquei meus primeiros acordes".Ao deixar o resto do cigarro no cinseiro saiu com David,realmente a noite ia ser ao
extremo com eles.

-Maldito,me deixa áqui sozinho.

Ao trancar a porta fui me esticar na cama,braços por detráz da cabeça,os pensamentos me comendo por inteiro,queria chorar mais me seguraria para não cometer um erro perante tal
ser magistrál que Carlos passou a ser para mim.Pensava em Letícia,no que a pequenina estava fazendo nessa noite sozinha naquele casarão.Me seu vontade de ir até ela,queria poder
chorar naqueles braços delicados que ela tem.

"Vou ao seu encontro,preciso disso se não decairei".Passei as mãos pelo meu sobretudo de veludo negro e sai as Ruas,o vento frio era forte,nem um sinal de Carlos ou David,se eles a
essa hora fossem fazer loucuras,conserteza séria em um lugar muito sinistro,me dei contra disso ao menter o ritmo dos passos nas calçadas.

"Vão realmente se entregar por completo,me sinto pisado por iss e David não ver".Avistei o casarão,Letícia véio me atender quando toquei a campanhia a entranda,muito meiga diante
do que tudo vinha contra ela,mal sabia do que eu realmente sou nesse época massacrante a minha pessoa.Seus olhos azuis brilhosos a me fitar áli parada a porta,o vestido de algodão
negro para me matar sufocado.

-Entre Lestat,o que espera querido.

-Espero poder chora má belle.

-Oui,pode entra ! Sinta-se a vontade.

Letícia tinha me conquistado,como desejava que ela tivesse sido a filha que nunca pude ter na imortalidade,sentou-se amparada pelo seu cachecou delicioso ao meu toque,pensava no
irmão,no que iria fazer nas andanças da cidade,muito nervosa para com o que fizera com o David "Não tenha medo ! Tem algo de mim querida".Seus olhos brilharam diante de minhas
palavras,sentia algo diferênte no ar entre eu e ela.

"Lestat como sabe?".Sentou-se ao meu lado pensativa,queria chorar mais a contive diante dos meus modos descontrolados.Foi nesse momento que a deixei ver meu sofrimento com
David,só áli que pude desabafar profundamente com ela que me fitava surpreza para com minha pessoa,seus bracinhos pálidos se esticaram ao me deixar deitar em seu colo,as suas
mãos passeavam em meus cabelos claros.

"Não está feliz querido,e muito evidênte para mim".A mandei ficar quieta queria chorar com todo vigor,meu lenço sempre vindo aos olhos para não deixala ver minhas lácriamas com o
tom vermelho.alguns soluços fortes vinham de mim,como desejava com toda força que ela tivesse vindo de mim,me recompuz levando as mãos ao seu rosto queimante de beleza.

-Podéria ser minha filha querida Letícia;como me sentiria feliz.

-Você? Meu pai? Consigo imaginar as meninas correndo atráz de você por que es muito belo Lestat.

-Acha mesmo?

-Com toda certeza querido ! Olhe só essa pele alva como neve,o toque dos olhos azuis quase morto e para finalizar teu corpo delicado porém vigoroso como marmore de Odin,sim !
Me lembra o Deus Odin que travou guerras na mitológia Escandinava.

Me lembra tambem um caçador de Lobos! Teus cabelos me parecem o brilho de sol que a manhã tras.

-Há querida,me faz feliz,muito feliz !

Á agarrei nos braços,não a larguei por muito tempo a beijar seus cabelos,o toque castanho foi a perdição.Nos deitamos juntos naquele sofá,ela se acolhia em meu leito naquele abraço
gostoso de se ter,estava sonolenta mais se manteve firme.O rosto roçava junto ao meu no sentir do meu perfume.

As unhas fortes de menina querendo aranhar a pele da face ao tocarme,minhas mãos bem pesadas cairam as suas costas.Ela estava numa fase tão critica de crecimento que fique no
indagar dos meus pensamentos:Temia um desastre,foi isso que vi em minhas vições alheias ao sentir que o sanguê de cristo que bebera nos céu já não existia.

"Thalwa obrigada por tiralo de meu corpo".Isso foi direcionado a ela quando pensava em toda guerra precedênte,o sanguê de Thalwa era purificador,tirava os Dons que um ser não o
quer;quando bebera de cristo tinha começado a exorxizar fantasma,agora?Graças que não o tinha mais.

Desejava saber o que Carlos e David estavam fazendo na cidade,continuava agarrado ao meu leito com Letícia,ela muito pervetida desferia alguns doces beijos em mim,muito doce
enquanto não queria se desagarrar de meu corpo,dormil pesada e quase morta quando sai do casarão,a peguei nos braços a levando ao seu quarto no terceiro andar,sua as escadas
leves,ela me parecia uma pluma.

-Durma com demônios Letícia.

Meu sussuro ao abrir a porta e colocala na cama imensa só para ela,a janala grande aberta para a Lua entrar por inteiro,abri os lençois a acolhendo por inteira,parei ao lado dela para
me despedi,nada como um beijo de morango doce naquele rostinho que faz qualquer ser de trevas derreter "Gostéria que tivesse sido forjada de mim ! Que realmente em um ato que e
o prazer da carne tivesse lhe dado a vida,que fosse minha filha querida".

Voltei a conter as lácrimas,pela preimeira vez ao sair dáli e pesando sentia como a dor deu nunca poder ter filhos dia bastante.Fechei meus olhos parando nas Ruas escuras,foi para no
meu tormento o fizesse desaparecer,meus cabelos loiros andulava,as nuvens clarinhas altas sobre o luar eterno.



avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 79

Mensagem  Ana Nery em Sab 17 Jul - 17:35:51

Tive que caçar,com todo meu vigor em atividade de sempre consegui encontrar um maldito traficante de animais silvestres,escolhia agora essa vitma devido aos seus olhos azuis,sai ao
seu encalço como um felino,ele entrava em passos ferezes Rua Paulista adentro,subiu para o seu retiro,pensava em Thalwa como nunca antes,como minha esposa estária agindo dian-
te de Tompei?Sai desse desvaneio e continuie na ativa no encalço da vitma que iria matar a minha cede.Gostava como aqueles olhos azuis se sobresaim ao seu rosto "Serão meus".

Ele entrou no seu apartamento pequeno,não trancou a porta,o que facilitou muito a minha chegada para tomalo em meus braços quebrando-lhe a espinha dorsal,as presas entraram
carne adentro do pescoço bebendo tudo que tinha a me oderecer,a fome ia embora quando o sanguê entrou no corpo.Largando a caça de lado fiquei tremendo devido a falha nos meus
olhos,já estava na hora de trocalos e aproveite o momento.

"Terei que fazer sem você minha Thalwa ! O que me deixa mais temeroso ainda".Curvei ao lado do corpo já sem vida,minha boca manchada de sanguê,o que fázia minha linguá vir a
passear por ela,deslizei as minhas cortantes unhas nas orbitas dos olhos do homem morto e aranquei um a um para possuilos.

-Como desejaria morrer por isso !

Foi meu último pranto ao tomar coragem em arancar os olhos que falhavam de mim,a dor e forte,sempre e forte até os dias atuais queridos;a unha entrava orbita adentro tirando os
dois olhos que jasiam em meu rosto para apóis isso colocar os novos,pisquei fechando bem forte novamente para sentir o total encaixe,parei em frente ao espelho vendo como tudo ia
acontecendo "Louis,o que eu não consigo fazer por ti?Como naquela epoca nostalgica pude me esquecer de ti?".Referência ao maldito Cantigo De Sanguê que escreve,e rezo eu agora
ao citar isso que nunca mais passe por algo daquele modo.

"Uma época que me anoja ao lembrar".Dei a volta saindo pelos corredores do pequeno prédio,sai as Ruas passando pela recepção e nisso minha mente procurava Davir,encontrei-os
na visão mental de Carlos,não desejava saber mais nada além disso,só quando fosse parar no Hotel em que eles estavam me sentia tránquilo.Passos fortes que me faziam deliar sobre
o gesto totalmente humano,a muito tempo que nunca andei do modo que andava,essa cidade me maravilhava por isso:São Paulo e grande ! Linda por seus prédios e tinha que andar
a absorver cada detalhe dela !

"Encontrei você David".Exatamente como desejava,claro que apesar de fingir que fazia um descaso perânte Carlos nunca deixei de espionar,vi a imensa faixada negrá do lugar em que
passariam a noite;tinha carandas com linhas douradas,pensei que eram feitas de ouro por a perfeição ser real demais para mim,pendi a cabeça para tráz sentindo ao me manter com a
mente focada em carlos em que andar eles estavam.

"Agora sim,posso chorar mas tenho que sentir meu rancor".Deixei os pés sairem do solo ao entrar no beco ao lado,pulei na varanda e o vidro que dava asceso ao apartamento estava e
muito aberto para todo vento entrar,meus houvidos sinistros em seu vigor houviam muitos o gruido desejo de Carlos "David;realmente não desiste seu filho da mãe".

Uma citação vindo da alma que me parou a boca ao me manter escondido nas sombras,não queria entrar e sim espionar tudo que acontecia entre eles.Ao desviar a minha cabeça todo
o vento fez com que as cortinas vermelhas viessem para tráz e minha visão foi completa ao meu desejo de observar: Uma entrega de corpo e alma,era isso no que resumia ao ver todo
o corpo de Carlos se curvando em David Talbot que lhe aplicava beijos sedosos.

-Está conseguindo,não sei o que realmente e,porém quero viver e irei viver conforme meu corpo pede.

-Sim ! Será como desejar Sr.Carlos.

Meus dedos foram a boca ao me corroer de medo pelos dois,Carlos se aos poucos com sua delicadeza admiravel fázia amor com David de um modo lento,delicioso de se ter,os braços
curvados sobre os ombros ao beijalo por inteiro,como David se sentia pleno por isso,como a sua coragem estava dando certo:Eu nunca fizera isso com ele ! David procurava alguêm pa-
ra suprir tudo que desejava ter.

O lençol vermelho se sobresaindo naquele escuro do quarto apenas iluminado por uma luz suave quase imperceptive,dava para houvir que Carlos ia gozando aos poucos ao menter a
sua caricia divina e admiravel para qualquer um,sempre naqueles gestos supremos quando se estar nos braços de uma pessoa que ama,invejavel como a pele branquissima se mostra-
va naquele vermelho puro do tecido do lençol a envolvelos.

"Eu sei que não devo ter medo Sr.Talbot,continue a me fazer feliz".Agora David o tomava a sua maneira completa.Não suportando mais está áli desci num pulo para as Ruas,agora eu
sentia que os novos olhos estava cicatrizados "Meu David;será que volta para casa comigo?" Isso que me vinha a mente agora,temia que ele não quisesse vir,afinal estava tendo com o
Carlos áquilo que não posso lhe dar: Amor completo e redenção de alma.

-Querida Letícia ao menos tenho a tua companhia minha pequenina.

Meigo riso de consolo ao lembrar dela,única coisa que vinha me trazendo paz na alma para com David.Respirei fundo ao limpar uma gota de sanguê ao sair dos olhos e sai a caminhas
as Ruas,queria me perder na noites para sair desses pensamentos macabros,chamada minha Thalwa;como queria estar nos seus braços transando como louco tendo todos os meus
orgasmos que só ela me propurciona.

"Estou com soudades querida,muitas soudades de ti".Me sentei em um bando da praça central da cidade nesse desvaneio,estendi os braços me apoiando firme,ergui meu rosto contra
o céu estrelado e pude ver seu rosto iluminado "Me fez supremo querida Thalwa,espero que ousa a mim".Estendi a~mão esqueda sobre o rosto e áli fiquei pensando neles,nos meus a-
mores imortais e desferi um crito forte já que a cidade em si estava vázia "Não posso deixar esse algo espécial se perder ! Eu não aceito isso !".

O coração bombeava forte dentro de mim,atormentado por tudo que vira naquele longo e torturoso prazer entre David e Carlos,meus risos maléficos sempre me contaminando ao o
meu ombro balançar diante das risadas sinistras "Thalwa pode me queimar adorada esposa mais vou matalo !".As trevas consomem alguêm facilmente,era isso que estava acontecendo
comigo.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 80

Mensagem  Ana Nery em Sab 17 Jul - 17:42:07

Pude me levantar esticando meus musculos fortes e sair de volta a minha Suit temporária já a meu contra-gosto,consegui entrar silêncioso nessa madrugada macabra,me sentia muito mes-
mo assustado.Todo coração machucado com o medo de perder David diante dessa ocacião em que a imortalidade vem a nos matar ao passar do tempo,cai em cima da cama de rosco contra
o travesseiro,tirei meu sobretudo ficando despido da cintura para cima,como estava desgostoso para coma minha vitálidade indo embora conforme meu tormendo me contaminada,olhava
como meu abdômen e reto com todo gravejamento do musculo,deixei a linguá voltar a passear sobre a boca,o sono me fatigava constatemente nas lebranças torturosas da vida.

"Minha vida está definhando e não tenho armas a qual lutar".Marius vinha a mente para que o consolo chegase,continuei deitado,as luzes dos abajures ascesas para me transmitir mais tran-
quilidade naquele tempo toturante,senti que conforme me mantinha áli não sentia meu corpo,o barulho dos carros abaixo do prédio eram minha música e assim fechei os olhos,David poderia
vir a qualquer momento,meus sonhos asombrados sempre a mente.

Tomei coragem para levantarme e ficar a paissana no Bar,meus olhos sempre admirando as garrafas olocaustas de bebidas sinistras "Espero sua chegada querido e saiba que me faz so-
frer".Esta continua admiração me enfeitiçava até que meus houvidos detectaram um barulho a vir sobre o corredor de ascesso a Suite,sai e constatei que se tratava de Carlos e David,tinham
chegado conforme ele prometera a mim.Uma noite longa que os deixara muito cansados para a privacidade:Evidênte pelos toque do brilho sobre os cabelos castanhos que Carlos tinha mesmo
aproveitado a change,ao sentir minha presença sobre a porta aberta direicionou seu olhar para mim.

-Bom começo de dia Lestat ou melhor Madrugada !

-O mesmo Carlos.

-Estas tristes perânte algo amigo;o que há com vossa pessoa? Velo assim me deixas muito tristes Lestat.

-Nada Carlos ! Esqueças disso para comigo,ok? Fique tránquilo que não tem nada demais acontecendo.

-Tens certeza? Realmente estás bem?

"Absoluta".Não se conteve e levou as mãos ao meu rosto tentando descobrir algo de mim,mas de nada adiantou,o perfume do cigarro fume bastante forte com o toque de cabela,ele adorava
esse prazer alheio,as unhas transparentes longas e brilhantes,a mesma roupa só que agora no amasso que as mãos de David provocara,quiz me esquivar ao sentir o doce perfume do meu e
tão adorado David presente nele mais me contive por completo e mantinve a coragem de ir me mantendo áli.

"Lestat espero que melhores,não e de teu feitio ficar assim.Vejo que sempre tens bom humor."Muito observador,estava correto sim em afirmar isso na minha face,senti ele soltar um beijo a
minha testa,deixou as mãos deslizarem aos meus cabelos clarissimos a luz quase brancos com o toque sobrenatural,encarou meus olhos arancados e por um momento vi em sua mente que a
sua pessoa conseguia decernir algumas coisas diferentes em mim.David me queimava diante a cena e continuava esperando aos poucos Carlos se retirar.

"Bem ! Preciso ir Lestat porque amanhã terei um dia arduo no meu escritório".Ele virouse para se despedir de David,me queimei por dentro ao ver aquele beijo de entre multua entre eles,não
pude deixar de sentir os ciumes me corroerem por dentro,a blusa branca estava aberta,Carlos esquecera de fechala o que facilitou muito para que David continuase em seu deleite ao manter
as mãos deslizando por dentro "Vou ao encontro de Letícia antes que ela enloqueça sozinha em casa".

Lá ia Carlos embora em passos delicados e poderosos,os longos cabelos castanhos quase lisos a andular sobre o vento que o corredor transmitia,todo cheiro do seu doce cigarro de cabela ao
seu estilo fume instalou no ar,queria chorar e fui segurado por David ao vir ao meu encontro,a minha pervecidade fálava mais alto como nunca antes "Estas disposto a tudo,não e?".Ele foi sin-
cero comigo em não mentir.

-Um dia Lestat desejo poder compartilhar o sanguê com ele,mas na hora certa quando o tiver preparado para tudo.

-Há,não sabes de nada David.Ele o matária por tal ousádia.

-Será mesmo? Não foi o que vi em seus olhos quando estive com ele essa noite.

-É o que viu,então?

-Hum....Amor,paixão e uma vontade de viver desmensurava.

"Não vou discutir com você,me cansas com isso".Ficou quieto por que sentiu meu medo para com á ameaça que Carlos representava para mim.Queria matalo,o desejo de matar ele vinha
queimante como fogo de Odin.David queria comentar isso mais não o fez,entou ao crucar os braços fortes sem ao menos trocar uma palavra comigo.Sentou-se sobre uma cadeira na mesa
central da anti-sala da Sui,seus olhos castanhos passeava e disse que estivera com Léticia essa noite,o que o deixou furioso de irá no sanguê.

"Que descarado de sua parte Lestat ! O que pensas que farei com ele?".Rebati a sua critica em manter descaso para com os sentimentos da menina,ele não queria ela em seu encalço mais o
que iria fazer caso conseguise realizar seus planos? Uma critica que o silenciou por completo,os arrepios nos pelos dos braços foram fortes,estava choroso e não me contive em cair sobre seus
braços em lamento,sempre afagara meus cabelos de modo como ninguêm faz,só Thalwa e claro que mantem a força comigo,isso ele admitia.

"Tens a ela Lestat,o que deseja mais da vida? Eu quero fazer a minha ao meu modo e esperava teu apóio,não o me dar".O choro foi completo,mordia seus lábios em lamento feroz,disse a ele o
quanto estivera sozinho ao longo da noite,o que o deixou muito triste para comigo,não esperava tal acontecimento diante dele,beijava meu rosto até me sentir recuperado.

-Pensas que o deixarei ! Es maluco ! Ele vira conosco,esteja preparado.

Corpo esticado sobre a cama apóis sair do seu lado,ele quis ficar sozinho pensanto em tudo que vinha acontecendo,David sempre forá assim: Uma pessoa decidida e que apóis anos de retiro viu
que seu sanguê estava preparado para entregar a força a uma pessoa.Inevitavel,mas não esperava que o destino trouxese mais uma surpresa para comigo e a ele.

Descobrimoa ao acordar na noite seguinte que infelizmente a Ordem estava seguindo todos nossos passos,o que me deixou irado,quebrara quase todas as taças perânte a ousária " Eles não
disseram que nos deixariam em paz? Como se atrevem?".David tentava me acalmar mais envão,sai as Ruas a procura dos agêntes,ele me seguia em passos fortes tentando me arrastar de volta
o que me fez critar com ele " Cala-se ! Me deixas inrritado !".

O que me preucupou e que se a Ordem estava no pais e que a Polícia Federal estava bucando todas as pistas,mais isso não era uma preucupação tão relevante e sim como Carlos e Letícia
podériam ser prejudicados,voltei furioso para a Suit,andava de um lado ao outro enquanto David sempre mantinha seu modo cortes,toda sua frieza o controla bem,quanto a mim? Contaminado
pela loucura que todo o destino me trázia;o sanguê corria quente nas véias o que deixava Sr.Talbot mais descontrolado ainda ao me visionar.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 81

Mensagem  Ana Nery em Dom 18 Jul - 18:36:19

Tivemos que sair ao casarão de Carlos,chegando lá nessa noite toturosa avistamos muitos os carros da Ordem a frente,esperavam algo aparecer,concerteza eram a nos que desejavam ver
conforme aparecemos eles vieram querer conversar,me sentei sobre o grámado para analizar cada detalhe do que eles estavam fazendo áqui,o Liader Da Ordem viera para ter com David a
conversa que desejava;meu olhar realmente emanava toda furia que sempre tive em corpo e calma.Meu riso maléfico o assustava conforme ia falando com David.

'Precisamos de alguns artigos David,queria que os tirasse das mãos do Centro dáqui,não vejo que Sr.Carlos esteja feliz diante de nosso pedido'.

Só podia ser brincadeira, a Talamasca queria levar algumas reliquias do pais e sem falar nos artigos antigos que Carlos conquistara a mãos de ferro em sua força ao longo de toda sua vida
inteira,David ficara furioso,esfregava na face do atual Liader da Ordem o guão eram desmere- cedores de sua alséncia " Eu fiquei a frente dessa Ordem por anor ! E agora vem atráz dele ao
seus interesses?Vão ao inferno !".Chamava Letícia,ela sim me deixava preucupado,queria saber a onde ela estava para mantela longê de tudo,David ficou a conversa com os agentes que ainda
se mantinha a frente da imensa Casa de Carlos.

" Letícia? A onde estas querida?".A encontrei dentro do quarto do irmão,estava asusstada com a quantidade de carros paradoa a frente,tive que abrala muito forte quando estendi meus bralos ao
seu encontro doce,abacabava de chegar do Colégial essa noite e não se conformava perânte esse caso macabro que seu irmão estava enfrentando "Lestat não compreendo ! Porque querem tirar o
que ele lutou tanto para conquistar?".

Muito triste para mim vela passar por isso sozinha,ela disse que tinha passado as informações ao seu Carlos que nesse momento estava vindo para casa,saira do escritório em corréria temendo a
vida da irmã,porém estava lá,houvia David critar alto com todos,os mandava embora pra nos deixar em pax,o Liader da Ordem mantinha-se inrrepreensivel e tive que descer para realmente fa-
zer um escandalo maior que eles esperava " Bando de arpias sugadoras de conhecimento ! Porque não vão comer dos teus própios pecados?".

-Recomponha-se Lestat porque podemos e vamos fazer um genosidio áqui !

-Atrevan-se ! E prometo que todos morrem !

Tirava meus oculos roxos quando vi o porshe de Carlos estacionar a frente do Casarão imenso em sua beleza e aporseu.Todo vestido de negro diante de sua divina casualidade,amei ver sua
presença se imediato.Sentia-se precionado por algo,porém teve a maturirade para esperar saber o que esses ordinários faziam em sua casa " Obrigada Lestat,espero poder resolver esse impas-
se para com todos os cavaleiros presentes".David observava sentado sobre a pequenina muralha,sabia que Carlos não ia ter a paciência de esperar e não a teve quando houviu o que os agen-
tes queriam.

'Tens a posse de vários bens milênares e livros antigos em que podemos e desejamos estudar,queria que os mantesse conosco".

-Nossa,vejo uma vorazidade muito grande perânte mim,maIs vos digo que nada saira dáqui ! Nada que pertence a minha Ordem Aquiologica devera sair de seu verdadeiro canto.
Por quê esse interesse?

'Sr.Carlos tudo que tem em relação a artigos e desconhecido,desejavaMos decifrar e aplicar todos os novos conhecimentos no novo conjunto de estudos.

-Bom interesse ! Gosto disso,muito mesmo ! Estão convidados a se retirar !.

'Prometo que vai ter volta,não iremos descansar até não termos o que desejamos,palavra da Ordem.'

Um leve balançar de cabeça de Carlos a observar os carros se rerirarem,ficara puto da vida com a ameaça e quando entrou viu Letícia se atirando em seus braços,ao saber que ela estava
bem pode se acalmar,disse ao David que desse um geito nisso,Letícia mais estava em pânico desde que fora supreendida pela Talamasca,o olhar de Carlos dicionou a mim,queria resposta
para com tudo que ia se desencadeando,seu passo silencioso fez com que parasse a frente de David,uma respiração bem lenta em seus pensamentos.

"Pode me dar justificaticas David?Desejo saber o que se passa em minha casa".Forá cético e muito direto,acolhia Letícia em seu leito,contive minha paciência,fiquei exasperado devido ao
que eles iam estar dispostor a fazer "Uma ameaça exasperada para meu gosto,podem tirar tudo assim em um estalar de dedos".Não que a irmã dele estivesse se recuperando mas sim cor-
reu ao meu encontro ao abraçá-la forte,beijava seus longos cabelos,a deixei quieta para seu sussto passar.

"Tenha calma Carlos,não e nescessário ficar desesperado".Ele sabia que não,captava as palavras de David a ele,isso o fazia esvair na cadeira pesada em que tentava relaxar.Todo sobre-
tudo de veludo negro muito encantador,o toque obscuro para mim era o estilo de Carlos,mesmo o odiando de modo supremo admitia que ele e muito belo fisicamente,todo requinte de um
anjo sem asas.

-Prometa-me se eles voltarem a aparecer me chamara.

-Veremos,só sei que se eles vierem não pensarei antes de cometer um asassinato ! Eu mato aquele filho da mãe ! Está avisado.

A raiva falava alto,Letícia queria vir conosco,isso séria muito grátificante para mim,Carlos ao menos concordava porque não séria seguro ela permanecer lá;apenas vestia uma sáia preta,
bota pesade de veludo negro e blusa curta resaltava os pequenos séios em desenvolvimento.Conforme eu fosse indo investigar saberia de tudo,mas realmente fiquei supreso para com
o tamanho interesse da Ordem nos artigos que Carlos mantinha sigilosos.

"Será que ele esconde algo David?".A respota foi NÃO;o que me deixou seguro de mim,afinal apenas os novos conhecimentos que a Ordem de Carlos tinha eram curiosos porque foram
recém decobertos em sua forma pitoresca e imaculada,o que fázia muitos se interessarem.Foram anos de balhas quando finalmente a Ordem Arquiólogica tinha sido fundada e podéria
perder tudo.

"Séria injusto demais;a sede da Talamasca e tanta que vai até os confins do mundo para conseguir o que deseja".Enquanto andava nas Ruas com Letícia David concordava comigo,um
riso maléfico saiu ao lábio inferior,estava disposto a tudo para não permitir tal ultrage;meus nervos se encontravam a flor da pele.Chegaramos ao nosso retiro,Letícia ainda tremia para
com tudo que caiu diante de sua cabeça e David tentava levar paz a sua meiga mente.

-Letícia peço calma menina.Nada com que se preucupar a não ser em contruir sua vida para que tenha um futuro imenso.

"Vamos ver;quero morrer !".Caira nos braços de Sr.Talbot,ela sim me preucupava nessa hora porque conforme vinha dizendo " A vitma mais vulneravel".David mesmo tentando fazer des-
cado diante dela não conteve aqueles beijos frescos e desmensurados em sua boca,um leve deleite que ele fária com que não caisse naquela armadinha novamente,os braços dela o envol-
viam forte,mesmo tão fragil sua peculiaridade falava mais alto em manter o beijo silêncioso.

Peguêi um bom copo de água para ela que bebia voraz,ainda enjugava suas lácrimas e eu me dei a pentear seus cabelos desgrenhados,o brilho castanho saltou mágicamente para minha
supresa com a sua beleza se formando a cada dia "Sr.Lestat o que pretênde fazer? Conhece eles?".Afirme com meu
SIM eterno,um leve riso de moleque para ela se tranquilizar.

" O colocaremos a Rua minha linda".O gêlo da água a refrescava,realmente pega de supresa e aos poucos voltou a encarar David,como o amava por completo,pena que ele não absorve-se
áquilo,ao meu toque se sobresaltou daquele desvaneio em um estalar de riso.Ficária conosco,se recuperaria conforme sua força volta-se,deitouse sobre a cama para dormir,necessitava dis-
so para deixar suas preucupações irem embora.Chamei David a Sala central.

-Tome vergonha ! Aviso que se acontecer algo com ela o mato ! Já teve provas fortes querido.

Bati a porta para me trancar no quarto postérior,David começava a traçar seu plano,senti que iria manter seu vigor para assim arancar a Ordem da cidade,andava de um canto a outro desci-
dindo o próximo passo,sempre na vontade voltava para ver se Letícia estava bem,mesmo não querendo se aproximar muito dela à amava mas não queria admitir isso,o que o matava por den-
tro.

Ela pela minha visão mental dormia como anjo,um sono pesado que a tirava desse pequeno sofrimento,me mantive quieto,silencioso a noite toda,David batera a porta par sair em sua investi-
gação segreta.Fiquei mais puto ainda porque ele sem querer podéria fazer merda,mantive minha curta e sagrada paciência,Leícia acordou e véio para junto de mim,se deitou ao meu lado na-
quele pequeno beijo de menina doce,á acolhi durante a noite toda,se sentia mais segura comigo do que com outra pessoa,continuou seu sono áli mesmo,os braços delicados curvados em minha cintura,me sentia ao alto nivel de felizidade.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 82

Mensagem  Ana Nery em Dom 18 Jul - 18:42:41

Letícia já estava comigo e David a exatamente quinze dias e confeço(Ela já fizera amor ao meu David várias vezes conforme ela deseja),tivemos que sair conforme as coisas vinham
se desenrrolando ao longo do encalço da Talamasca para com irmão da linda que andava ao nosso lado naquelas Ruas e avenidas largas que a cidade paulistana tem,usava vestido
de puro linho com renda vermelha,o toque do tecido restante era branco com as fitas para lhe deixar ainda mais desejavel,sempre que se acordava e claro ia aos seus compromissos
de estudos constantes e dolorosos que ela hária de passar.

"Lestat queria saber mais sobre a Talamasca,apenas descobri pelo que vi ela adquire bens antigos,textos,livros ainda não conhecidos pela humanidade(Sociedade segreta)".Ela estava
certa sim,o que me fez feliz,segurava sua mão naquele deleite doce,David andanda servin-do de um risorte de amor para ela( Não comento as noites de amor que ambos vinha tendo)
que o deixara inrritado,mais nunca téria a coragem de negar os desejos de uma menina tão doce como ela e.

Apóis anguns minutos alhei-os nos chegamos ao Centro em que Carlos trabalhava,eu sempre gostei dos seus gostos muitissimos delicados e aprimorados,tomamos caminhos pelo e-
levador Central,não queria dessa vez subir aqueles dezoito andares a pé como fiz da última vez.Carlos quando batemos a porta de seu imenso escritório estava em uma importantissi-
ma reunião com os demais Arquiólogos do Brasil(Digamos que uma sociedade segreda em planejamento de acabar com a Talamasca).

Muitos pelo que eu conseguia houvir estavam revoltados com as ameaças constantes que o seu Carlos estava recebendo,me mantinha sentado com David e Letícia esperando,houvia o
detalhe da conversa pelo Don Da Mente obiamente meus amores.O pior e que pelo que sentia realmente a Ordem Aquiólogica de Carlos podéria por a Talamasca abaixo dos seus pés
conforme ele mencionava aos demais,muitos serios analizando cada passo minusioso,o pior tambem e que a Polícia Federal Do Brasil estava a par de tudo(No ancalço da Talamasca).

"David isso e realmente um desastre ! Estou muito preucupado".David pouco se lixava,ele queria mais e que Carlos coloca-se sua antiga ordem em decadência mesmo;ele para mim
estava pensativo porque deveras nas noites antériores tinha fortificado o vinculo com Letícia conforme as noites passava.Pelo pensamento vi que a renião terminara e os quardas abaixo
de nos lá no mega-estacionamento esperava todos os arquiólogos para levalos para casa,só limosines e carros luxuosos conforme as mengens mentais chegavam e não pude deixar de
abraçar ao Carlos quando o vi a porta a nos fitar em seu modo queimante.

-Bem vindo Lestat,pode entrar.

-Como desejar Carlos.

Letícia apenas pulou nos braços de seu irmão,estava com muitas soudades e lá todos me olhavam risonhos,tinham ido com minha face,pensei que tériam medo,as mulheres que com
o tempo tornara-se arquiólogas importantes para o pais muitissimo bem vestidas conforme desejavam,muito requintadas em seus traços delicados e altos conhecimentos que eu não ia
deixar de apreciar esse Don que elas tinham: O Don Do Conhecimento.

'Prazer Sr.Lioncourt,pena que não possamos ficar mais e precisamos nos retirar,quem sabe na proxima não possamos sair para um jantar magistral'.

Roxo de vergonha pelas palavras delas,David me fitava querendo rir da situação,o que me fez entrar junto ao Carlos e trancamos as portas,ele sentou-se em sua imensa mesa para
querer conversar conosco,Letícia andava tão tristinha por estár alsénte que Carlos não pode de deixar de perguntar a ela "Andas comendo bem?O que acontece irmã?".

Tive que manter a calma,o que ele captou imediatamente" Lestat presciso que faça algo ao que me e muito importante,pode me ajudar?".Fiquei espantado,ele me pedia uma ajuda nas
suas aventuras e pequeno problema com a Talamasca.Asenti com meus risos cortes,se eu consegui-se ajudária sim na pequenina missão.

"Fale Carlos que verei o que posso fazer".Ele estava muito belo essa noite,tão meigo com a veste clássica:Calça escura clássica,sapatos bem trajados negros e para confirma a blusa a
cor branca com a grávata tipica de um dono de Ordem,cabelos jogados para tráz,vi que as longas mangas da blusa estavam dobradas sobre os cotovelos delicados,um home que gos-
ta de delizade e luxo a todo tempo.

-Letícia leva vocês lá.Meus investigadores dizem que a Talamasca pode querer vir a roubar os anterfatos a qualquer momento já que não estou dispoto a negociar,compreende? Então
peço que vá com ela ao meu imenso múse e recalcário de reliqueas e simplesmente entre a todas elas em segurança ao lugar seguro que reservei.

Planejo preparar uma supresa para eles: Quando a Ordem atacar não terão nada a não ser a Polícia Federal lá a esperalos.

- Nossa ! Plajena um escandalo mundial ! Imagine as revistas e jornais emanando várias entrevistas sobre o ocorrido: Talamasca envolvida em roubo de anterfatos,agentes presos
pela Policia Federal Brasileira.

-Pouco me importa Lestat,faça-o por mim e a todos áqui.

Nos levantamos,pude apreciar por um último instante como os prédios apareciam como uma imagem maghifica sobre aquela pura parede de vidro dando paissagem a eles,realmente eu
ia ajuda-lo,Letícia se despediu do irmão,ela queria voltar porém a respota foi muito direta a ela "Não!Iras com eles e não quero discussão".Quando nas Ruas ela nos quiava para todo o
lugar a onde as Reliqueas estavam quardadas.

Acabou que naquela frente do Centro uma lidamos com uma imensa limosine a nos esperar e não tivemos mais que nos preucupar em andar.Letícia entrou com David ao seu lado,lhe
pegou o chale negro para por sobre ela.Visionava toda arquitétura enquanto a Limosine dava partida na principal avenida.

Quando chegamos lá foi para quase cair,o musei era imenso e senti que talvez séria muito complicado cordenar a tirada de todos os quatros,joias,objetos e até predrás preciosas que
ao que Letícia citava tinham pertencido a familia real de Portugal.

David não reagia,apenas estava descontrolado tentando quiar todos a equipe,mais eu mesmo me puz a frente do cargo o deixando tranquilo com Letícia.Claro que tive que por mãos
ao trabalho enquanto pegava as caixas para ir quardando cada cristal,quadros,uma equipe que realmente estava prepadissima para qualquer evento parecido,muitos homens andavam
pelo imenso múseu arquiólogico retirando tudo que lhes vinha pela frente.

-Mantenha essa calma e tudo dará certo.Já sabem o lugar a qual devem levar o que tiram dáqui.

-Sim Sr.Talbot.

"Tudo isso foi da Coroa de Portugal?E para me fazer assustado querido",David ria com isso aos poucos,senti que mais carros parravam a frente do lado de fora,quando sai vi que era
toda Polícia Federal que estava a par do cado de suposto roubo e não sei como descrever o modo como cai para tráz vendo aqueles policiais andando a averiguar se tudo estava a
ser devidamente quardado e despachado para o lugar que não ouso mencionar:Tudo nessa operação Federal foi secredo e não me asussto em querer manter segredo.

'David Talbot,não e?Podemos falar com vossa pessoa?'

O que foi esse chamado?Tinham espionado tudo a repeito da Ordem Talamasca e simplesmente David teve que manter ai indolê quando fomos para uma sala aconchegante,todo o
pessoa continuava ajudando e áli viamos o Polícial Cristian que esperava ao por sua arma em cima da mesa a gente falar.

Usava um sobretudo negro com camisa carmim por baixo,cabelos escuros como noite junto ao toque dos olhos acizentados,um jovem iniciante na área que não estava para brincadeira
para nos tirar mais informações "Sr.David Talbot peço que me diga quanto tempo ficou sobre a frente da Talamasca,já sei de muita coisa e gostária de seu complemento:Porque essa
anda pelos arredores da cidade?O que faz no pais?".

"E dificil dizer Cristian já que faz anos que não tenho mais ligação com eles,mais que vejo o motivo como perseguição:Afinal a mais de dois séculos as Joias e anterfatos de Portugal,que
jasem aqui não são visto pelo mundo".Ele asenou com um Sim vigoroso,já tinha pego toda a informação que desejava e levantou-se a nos levar a sáida.

-Obrigada por tudo e saiba que se cometermos um genusidio áqui não nos responzabilizaremos pelo desastre.

-Não tem com que se preucupar Cristian...Me retiro.

Agora conforme comprira essa pequena misão via os imensos carros sairem com tudo que tinha tirado,o museu vázio para trazer o toque de medo.Saimos a pé já que a própia Letícia
tinha despachado a Limosine para seu lugar,ela desejava algo espécial,o que nos levou na continua perseguição pelas Ruas.

"Letícia pare por ai !".Não adiantava manter o ritmo ! Ela se mantinha irrepreencivel indo a parar em frente a uma livrária na rua postérior,gelei diante disso e não mantinha meu auto
pensamento a vendo parada com as mãos sobre a vidráçaria a olhar os livros "Faz muito e tempo que não léio algo:Vou comprar alguns livros antes de voltarmos".

"Não querida!Vamos para casa".Tentei puxala pelos braços mais já destrava a porta imensa para entrar;a via por aquela vidráçaria cristalina andar pelo estabelecimento;meu coração a
bater forte "David isso e um mau preságio".Era mesmo,senti isso no ar conforme continuava aquela observação do lado de fora mais lá nada tinha do que ela gostava de ler e saiu.

Tive que agarrala nos braços bem forte,tremia tanto diante dessa sena que ela via o medo no meu olhar "O que foi Lestat?Estas tremendo e gelido como neve".Beijava seus cabelos a
tentar me tranquilizar"Não faça mais isso Letícia,me prometa que nunca mais irá a uma dessas livrárias".Ela não respondeu,voltava conosco para a Suit.Muito silênciosa para com seus
pensamentos.

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 83

Mensagem  Ana Nery em Seg 19 Jul - 11:50:03

Mesmo com tudo ao chegarmos na nossa Suit ela me indagava com os olhos queimantes ao seu modo pitoresco,sentou-se sobre a cama genuinamente como uma Deusa em formação a
seu modo de desden.Queria conversa particulamente comigo e teve que mandar David para a sala posteior,tranquei a porta para ficar silêncioso,ela cruzou os braços em pensamento a
suas perguntas primorosas que aos poucos viriam a me queimar.

"Lestat sinceramente desde a primeira vez que o vi,hogê foi a primeira vez que o vi com a preocupação em seus olhos".Não quiz responder,a indagava em meu silêncio porque não ia
dar respostar nem tão cedo sobre o meu comportamento para com a atitude na livrária,sim! Eu tive medo dela ver qualquer um dos nossos escritos lá a esperando para revelar todas as
verdades que ela podéria descobrir.

"Não pense mau de mim Letícia!Estou tão nervoso por esses dias que não sei por onde agir conforme as coisas acontecem".Ela deu a andar de um lado a outro da Suit pensando como
ia agir com o irmão,não negava que Carlos iria aprontar e de forma asusstadora para com a Ordem segreta,ela nunca tinha pena de ver as pessoas que ousavam se intromer no ca-
minho do irmão sempre serem apagadas do mapa.

-Lestat vejo algo grandioso acontecendo,sabe?Me sinto plena com ele,ancéio muito para ver a onde isso tudo vai dar.

-Sei que sim querida,não fiques preucupada por que tudo vai dar certo.

Letícia sempre com seus pensamentos maléficos para com David,essa noite ira masagralo a seu modo genuino,soltei meus risos com esses pensamentos perânte suas indagações men-
tais.Uma noite brilhosa que desejava que ficase na história,me sentia muito feliz por ter conseguido tirar todos os pertênces de Carlos de modo seguro conforme ele desejava.Me pus a
ação quando chamei David.

O vi aparecer a porta para se encontrar com Letícia,o lugar para qual ia séria a praça central da cidade,lá tornara-se meu lugar predileto para pensar.Quando lá sozinho e sem uma
companhia novamente me dei a espionar David e Letícia,o vento corria fresco no ar me deixando aconchegado,pensava friamente em como ela adorava estar com ele nesses tempos
vagos e libertos de seus compromissos,as mensagens mentais eram clarissimas para mim:Se entregavam mutualmente naquele banho no imenso banheiro de marmore.

Avericlava como David ia se acostumando com isso de modo a não querer largala mais ao alento.Para com ela sim desejava que manteve aquele vinculo doce como as frutas tem em
seu toque doce.Há como a vida pode ser desprecivel desde que conforme nos entremos nos possamos encontrar a felizidade.

-Toda uma conformidade há de se formar entre vocês,e isso que vejo.

Tudo perfeitamente encaixado em minha apreciação aos dois,levantei meus olhos ao céu.A escuridão o tomava por completo,realmente divino!Fiz isso mantenho a ligação mental mes-
mo distante deles,á água caia sobre o corpo de Letícia que mais explodia com seu prazer ao junta-se com David,ele ao seu modo relevante fázia os dedos deslizarem entre as pernas a
trazer toda exploção de volta novamente,os critos ferozes de Letícia ecoavam alto naquele ato supremo.

"Poderia matar vocês dois,quem sabe não o faça".Um riso malvado saindo de mim diante a pronúncia maléfica,me desliguei deles por completo para voltar a observar como tudo viria
a se desencadear,deixei meus pensamentos se abrirem para encontrar os agentes Talamasca.

Senti que estava na quadra seguinte,escondidos diante de uma perseguição da Polícia e lá escondido entre as arvores vi Cristian realmente fazendo um bom trabalho para com uma
entrega de Ordem De Judiciamento aos agentes da Ordem segreta.Todos ficaram putos da vida diante do risco de perda,me mantinha escondido para não dar bandeira perânte todo esse o-
locausto.

-Continuem presentes no pais e não digo a dimensão que será o escandalo Senhores.

Ele pusera as mãos nos bolsos do sobretudo aconchegante,quardava o distintivo para não ir mostrar autoridade,saira as ruas,um cigarro maroto na boca para lhe dar calma para com o
proximo passo "Esse homem e bom no que faz,admito".Me deitei sobre os galhos grandes a descansar com as mãos para tráz sobre a nuca.Olhava toda noite correndo em seu leito de
vitória por mais um reinado.

"Es suprema mãe".Reverência a mágia que a Lua sempre nos traz,todos os acontecimentos na Guerra Santa vieram a mente,fiquei a chorar ao me lembrar de Thalwa sofrendo daquele
modo,quase fora a loucura por ela.Deixei meu rosto cair de lado nesse desvaneio,as mãos a pender sobre os galhos da imensa arvore a me acolher,queria morrer porque realmente to-
da Talamasca dessa vez podéria estar seriamente perdida.

-Mais que me importa?Eles merecem!

Era verdade:Durante anos foramos seguidos por eles,agora aos poucos conforme eu avericlava a situação poderiam se perder.Pensava diante desse momento como David e Letícia
podériam estar fazendo amor e novamente os encontrei pela mente da linda:Lá eles iam a seu modo caindo sobre a cama entre beijos exasperados,ao cairem na cama a união foi rá-
pida ao vela sentir ele dentro dela.

Letícia em sua jovialidade gozava bastante diante dos critos,realmente divino conforme ele ia deixando o equipamento manter-se dentro dela o que a deixava mais fervente,ela pedia
mais dele,que não tirase de dentro dela,como a mente vampirica vai longê conforme nos a deixamos voar em suas asas,ria diante disso.

Girando a mente e as imagens a seguindo,a vi parar diante do espelho da cama,David não se controlou diante do desejo e realmente voltou a descer com mais beijos no corpo dela a
deitando com a cabeça sobre os travesseiros,Letícia tem uma barriguinha seca e esbelta,ela e tão magrinha que e como rosa,leite de rosa para nos bebermos.

-Que depravado Sr.Talbot.

Minhas gargalhadas foram altas lá em cima dessa arvore enquanto mantinha a espionagem a eles:A boca de Letícia abril em prazer ao simplesmente Sr.Talbot deixar sua linguá desli-
zar entre suas pernas,as mãos delicadas se esticando para apertar a cabeça dele contra a abertura.Um ato de prazer descomunal.

"Apóis e querido:Não foi boa idéia trazela para nos".Fiquei tão exaltado que cai da arvore a sair pelo chão rolando,me levantei ageitando todo lindo sobretudo negro ao meu modo de cava-
leiro,sai as ruas para caçar,queria matar a fome diante disso.Não parava de rir,feliz por ter conseguido mandar as reliqueas de Carlos em segurança ao seu novo esconderio e ainda a
felizidade queimava mais porque Letícia fazia David sofrer nas mãos dela.

"Ela aperta eles como um brinquedinho nas mãos delicadas de menina,muito inteligênte".A suprécia e conquistada sempre que chegamos a esse patamar,ficária de olho na Talamasca
que agora estava sendo massagrada pela Polícia Federal Brasileira.

-Plenitude!Sempre!

Curvei o beco central e sai a ver os prédios escolhendo a nova vitma,passei horas da noite nesse deleite,casei como nunca antes durante a noite toda,fiquei tão quente de sanguê que
ao chegar na Suit David sentiu meu calor.Me abraçou em sua plenitude e seus polegares a limpar as gotas de sanguê.

"A onde ela estár?".Letícia estava dormindo e acabei por acordala ainda enrolada naqueles lençois macios,David ascendeu as Luzes para dar melhor visão,beijava seu rostinho meigo
en deleite.Todo riso dela e encantador,ela e tão perfeita que susspiro em lembrar áqui esse momento mágico.

"Lestat em casa e apasiquado".Toda minha pele daquele pálido ao rosado extremo que uma boa caçada faz acontecer,os seus olhos azuis passeando por mim e me acolheu em seu leito
de pensamento.Foi áli que ela sentiu pela primeira vez o cheiro de sanguê vindo de mim ao beijar seu rosto novamente.

O seu sussto foi passageiro mais ela captara a primeira mensagem de que algo muito imenso corria em mim,senti seus braços roçarem meu corpo por inteiro e me despedi indo para
o quarto do lado oposto da Suit,me deitei na cama me esvaindo,de cansado pela caçada tão maghifica na cidade.Fiquei rindo maléficamente o resto da noite me lebrando como sempre
ao entrar nos apartamentos as pessoas silenciavam em meus nraços.

"Dez pessoas jaseram meus braços hogê!Para me matar de tanto calor e paixão queridos".Adormeci áli,David entrou rapidamente a deixar o lençol a me acolher,dera um beijo sobre
minha boca,o que respondi de imediato"Estas cansado Lestat,bebeu tanto que mau se conseguê manter de pé".Sim!E me sentia feliz por isso ao voltar ao meigo sono,ele se retirou
e foi para junto de Letícia,com ela se sentia pleno.

-A noite vai embora que assim eu morra!

Um pequenio crito rouco antes de me retirar debaixo da cama,lá sim os sonhos vieram para me corroer,sonhei que Carlos morria em seu últímo alento.Medo,muito medo perânte todo o
destino que cruzava meu caminho.Não me preucupava com David,já tinha sumido ao deixar ela em seu sono.

Uma vez ou outra me esvaia de rir diante dessa caçada magistral,sonhos,bestas sendo bem esmagadas por minhas mãos,fora com isso que sonhei a noite toda.Contaminado pelo novo
sanguê mortal que me enchia de vida nesses sonhos...Nunca voltária a caçar como fizera a essa noite inesquecivel,me dei conta disso quando acordei e fiquei a esperar meu David vol-
tar.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 84

Mensagem  Ana Nery em Seg 19 Jul - 12:08:52

Ele chegou realmente divino em seu estilo clássico:Nada como uma blusa branca junto ao chale negro,calça jeans escuras ao toque final da bota.Mesmo assim vi que ele estava bem
assustado com tudo que soube nesse inicio de noite,me fitava queimante diante toda louca preucupação.Analizava tudo em questionamente.Foi assim que ao tomar coragem prá lhe
perguntar do que acontecia houvi junto a sua resposta dolorosa toda a verdade.

"Carlos sofreu uma tentativa se asassinato Lestat,a Ordem tentou matalo ontem ao chegar em sua casa".Houvi aquilo passado em todos os sentidos:Ao que senti Carlos péria ser odia-
do por mim devido a sua paixão para com David,porém sentia odio em ver sua vida sendo quase ultrajada.Chamara letícia para dizer que téria que ficar sozinha essa noite.Ela ficou
muito chateada mais realmente teve que aceitar meu pedido se recolhendo em nosso grande quarto.

"Vamos sair David!Isso foi demais para mim".Passamos correndo as ruas nessa procura ao extremo,chegando no Centro atravessamos aquela imensa porta de entrada batidos para ir
a procura de informações ao Recepcionista "Lestat ele está lá em cima,muitos querem uma vigança pelo atentado.Mesmo tão massagrado viera aos seus compromissos".Não precisei
de mais nada e mandei logo o moço ir chamalo.Vi ele descer ao nosso chamado,muitos dos seus amigos estavam presentes.

-Lestat pode me levar para casa?Preciso de descando;mesmo estando áqui não me sinto ao momento correto.

-Compreendo,irei chamar a Limosine para nos levar para sua casa.

-Faça-o.

A noite ia ser longa,me sentia muito perdido diante de todo esse caso,apóis algum tempo a esperar com David e Carlos a Limosine parou a frente do Centro e entramos imediatamente
para irmos embora,o véiculo se movia muito rápido já que todo transito estava aberto para todos retem uma boa viagem na cidade grande.David estava sentado ao lado dele,muito e
puto da vida.Perguntei ao Carlos como tudo tinha acontecido.

Mesmo receoso me falou "Ao chegar em casa um filho da mãe me esperava e tentou vir a aplicar várias facadas em mim,mais revidei caindo no chão com ele,muitos golpes me acer-
taram Lestat".O vento corria forte porque as janelas de toda limosine estavam abertas.Tive que ne conter para não fazer um genusidio a Talamasca diante da ousádia.

-Agiremos no momento certo,só sei que eles mal esperam pelo que acontecera diante desse caso.

-Sei que sim,vou continuar lhe ajudando Carlos.

Forá gravejado por beijos de David,a mão sobre a nuca sempre para manter toda verozidade daquele ato incrime.Com um tempo a Limosine parou a frente daquele imenso casarão
e pudemos sair batendo a porta muito forte,lá dentro Carlos viu que tinham deixado vários recados na sua caixa-posta,lá sentado naquele sofá branco houvia tudo conosco.Muitos dos
seus amigos queria vigança para com a Talamasca.

'Estamos áqui Carlos,não admitiremos tal ameaça para com nosso Liader.Me procure para conversarmos. Emanuel'

Apenas um dos recadinhos básicos que iamos houvindo ao longo daquele inicio de noite,eu não me preucupada com Letícia já que se mantinha muito bem na Suit.Joguei minha cabeça
para tráz pensando em tudo,estava furioso diante do acontecimento,não me contendo pude me levantar e simplesmente encher a boca de David de beijos,sabia que séria uma grande
imprudência fazelo diante de Carlos,mais nescessitava disso para me acalmar.

Se pude-se téria feito amor com ele áli mesmo,Carlos estava tão perdido que levantou-se não se importando,queria tomar um banho para descansar a noite toda,subimos para seu
quarto,lá eu me dei a procurar roupas para ele enquanto o via de despir para ir.David estava encostado sobre o espelho da cama esperando se acalmar.

Ao terminar de escolher joguêi a roupa em cima dele para entregar ao Carlos,estava muito perdido mentalmente diante do medo.Houvia o barulho da água do banheiro cair enquanto o
Carlos continuava seu banho,apóis isso ele saiu enrolado em uma toalha negra se secando e finalmente se deu ao luxo e vestir a túnica azul-escuro que escolhi para ele.

"Obrigada Lestat,quero ficar sozinho a noite toda,mais saibam que a casa essa noite e pertence a vocês".Asenti descendo e fechando a porta do quarto,descemos para a imensa sala
e me deixei cair no sofá com David.Ele queria chorar mais o detive naquele ato o acolhendo em meu leito.

-Ok,durma e apenas deixe eu agir conforme o momento chegar.

-Sei que sim.

Infelizmente a chuva começou a cair,deu para ver pelas imensas janeças abertas,asendi a luz para me perder em seu brilho,David dormia pesado porque queria não se lembrar disso
e quando senti o momento o deixei sozinho.Fui me recolher em um quarto do lado postérior ao apagar a luz novamente.Os raíos rachavam o céu junto ao barulho dos trovões pesados
e poderosos.

Abri a porta e me deliciei com toda decoração celta,cai em cima da cama de casal que essa noite séria só minha,absolutamente minha,abri as janelas e acabei por apagar,sonhei com a
Thalwa e Louis muitos felizes ao serem acolhidos por Tompei e Sofia naquela imensa casa.Mais algo aconteceu nessa noite macabra:Posso lhes contar meus queridos amores?

Irei contar mais respirem fundo,respiraram? Tomaram folego?Isso!Façam isso meus lindos anjos das Trevas.Desviaram o olhar desse livro aberto perânte vocês?Pronto,agora estão e
prontos para que eu possa continuar firme nessas citações:Enquanto me desvencilhava na cama sentia um poder maior chegar,toda chuva e ráios ilimunavam o quarto escuro,isso me
fazia sonhar demais.

De forma imprecionante senti que as cinco almas vinham ao meu encontro,as janelas abertas balançavam junto as persianas.Todo poder delas era sentido por mim,queria falar algo
mais não o fizera,apenas agiram conforme seu desejo perânte ao meu encontro.Não pude dercernir mais afundo mais estiquei os braços pelo ato cometido por elas.

"Não hei de resistir a vossa vontade,façam de mim o que bem desejam".Mesmo assustado elas mantiveram a presença firme e forte,respirava muito fundo quando senti todo imenso
poder me contaminar por dentro,meu rosto se desvenvilhava na cama perânte aqueles e tão aconchegantes travesseiros,as mãos os apertavam firme enquanto sentia a dor sobre
o corpo.

-O que pretêndem com isso?Me provocam dor!Isso e um ultraje.

Não me respondiam,mesmo aprecionadas foram capazes de sobrepor sua presença e poder a mim mesmo estando tão longê.Abria a boca em delirio constante,queimava como toda a
chama do fogo,toda continua suprémacia era emanada a mim,aos poucos em um devagar de sentimento,sofrimento pude sentir algo.

Nunca saberei o porque elas fizeram aquilo mais enquanto permitia aquele ato o medo foi inexplicavel perânte a veracidade com que o sanguê corria nas véias,nunca me senti tão ul-
trajado em minha existência.Conforme elas continuavam apenas senti os botões de minha blusa abrirem de modo a lhes permitir total entrada no corpo.

"Isso doi!".E como doeu ao o lapiso de dor vir com força total,queriam me dar algo conforme a força caia sobre mim,todo vento corria pelo quarto adentro.Não consigo explicar áqui
a forma com que tremia,todo toque que a força delas aplicava em meu corpo era poderoso conforme corriam meu sanguê.Cai no chão ao tentar me levantar e mesmo assim tive que
respirar fundo nesse continuo ato.

-Me matem !

Esperei paciênte para ver até onde isso iria dar e pude sentir algo sendo prozido dentro de mim,algo que meu corpo passara a produzir de forma constante quando elas terminaram.Eu
tremia de medo quando pude ter forças para me levantar"O que elas prentendem com isso? Estou morrendo,não e verdade?".

Cai na cama,fiquei a houvir aquele vento correndo forte,apreciava e me perdia no barulho dos trovões correndo os céus,respirava fundo,toda minha camisa molhada de suor e meu
corpo agia diante daquela possuição que as Libêlulas fizeram comigo.Senti ai que elas não iriam me deixar em paz "Elas querem algo de mim,porque meu corpo arde?Porque sinto a
vida correndo dentro de mim novamente?".

"Thalwa eu preciso de você".Meu último pranto antes de apagar,naquela respiração forte e caido naquela cama apaguê.Foi assim que meu corpo passou a agir de forma vivida,como
se a vida tivesse voltado a mim novamente.Isso até dado momento só aplicaria nesse tão conseituado acontexto ainda esmurecido naquele sono pesado e ráios,chuva,trovçoes a cair
nos céus,vozes sempre vinhama minha mente nessa noite macabra.

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 85

Mensagem  Ana Nery em Seg 19 Jul - 21:00:05

Meu corpo conforme continuava nessa sono foi esfriando devido a possuição plena,pude me sentir mais tránquilo mesmo ainda pensando na imensa tentativa de asassinato para com o
Carlos que lá dormia muito bem acolhido.David queria ficar sozinho e quiz me lenvar apois esse descando para me esvair no banho.Passei pela sala indo ao imenso banheiro do andar
de baixo do casarão tão virtuoso,não me esquecia do que as malditas Libêlulas tinham feito comigo.

"O que elas querem comigo?Como vieram a mim tão distantes?".Não sabem o imenso muro que dei na parede de tanto ódio,todos os botões de minha camisa arancados diante de toda
força delas emanada a mim,minhas mãos apoiadas sobre a imensa pia feita de marmore de cor negra,a tonalidade erá brilhante e deixei ver meu rosto sobre o espelho.

"Vida!Por quê essa palavra não me sai da cabeça?".Fitava a mim mesmo naquele espelho diante de mim,as sobraselhas tão clarinhas,delicadas como pena e os cabelos loiros caindo
aos ombros brilhantes como cetim,não suportanto como sentia a força deixei o golpe fatal ser desferido no espelho que se quebrou em mil padaços.Ninguêm houviu e me deixei cair
encostado na parede do banheiro em sofrimento constante.

-Preciso de ajuda;meu corpo age diante de algo que ele quer desferir em alguêm.O que isso sighifica?

Respirava forte e tive que tirar toda roupa e entrar no box naquele chuveiro tão quente que me traria paz,minhas mãos delizavam pelo meu rosto,desceram pelo abdômen para poder
me limpar por completo,vento um pequeno frasco de shanppo pude tambem limpar meus cabelos que precisavam serem limpos.David sentiu que estava acordado e bateu a porta
é e claro que não respondi.

"Lestat estas bem?".Mandei ao inferno,queria morrer diante de tudo que meu corpo sentia,erá como por um momento ele estivesse vivo,totalmente pleno de vida permitindo que ele
funcionase normalmente como qualquer corpo humano "Isso e asusstador!Ele realmente e contaminado de pura vida,mesmo assim precisa ser alimentado,sinto sede!".

Fiquei áli por muito tempo entre água queimante,me deliciava com a sensação termica que ao meu ver era meu calmante,desejava Thalwa,como desejava estár com ela!Nunca senti
o desejo falar tão alto!Confeço que se estivesse de frente a ela iria contaminala de tanto possuila em nossas transas loucas conforme sempre sentia aqueles orgamos que podiam
me matar.

-Querida prepare-se,sei que quando voltar realmente vai sofrer em meus braços de tanto fazermos amor de forma descomunal.

Silêncio!Isso véio imediatamente ao terminar de lavar meus cabelos,quando sai do banho chamei David para vir falar comigo passando pela sala,ele véio imediatamente e nos tran-
camos no quarto,voltei a vestir minhas roupas e dei a pentear meus cabelos que agora estavam humidos.

"Estou preocupado Lestat,o que houve".Parei,olhei prá ele dizendo tudo que acontecera no meu pequenino sono,explicara como apóis as Libêlulas terem me possuido,o modo como o
meu corpo agia queimante de vida,ele me observou impassiveil.Estava com medo de algo mai ficou quieto.O indaguei pensando que soubese de algo mais não,apenas quando fora
falar calou-se diante do medo de me falar.

-Falas David!Achas que sabes o que elas querem de mim?

-Lestat tome cuidado,vejo em teus olhos a vida correndo.A forma como teu corpo queima por vida,e como se sua calma quisesse vida!

-Vai para o inferno!

Desferi a escova diante dele;ele me abraçou sentindo minha vontade de sede e senti todo o gosto do seu sanguê escorrer por meus lábios quando caimor sobre a cama,ele tive toda a
bondade de me alimentar,senti que como nunca meu corpo precisava manter-se muito bem suprido para continuar agindo conforme meus instintos falavam.

Toda chuva já parava,aos poucos o tempo naquela noite se abria e não parava de pensar em Thalwa,mesmo estando com David naquele ato despresivel ela sempre me vinha para
meu encontro mental.Bebia degavar da garganta de Sr.Talbot;sempre muito silêncioso a esperar eu terminar e quando terminei me deixei devagar naquela cama ao seu lado.

"Estou com medo,e como se as Libêlulas me desse o último susspiro em manter todo meu corpo queimante desse Don supremo".Não queria falar,senti que ele desconfiava de algo ao
manter seu olhar sobre mim que me sentia mais cansado.Limpou as últimas gotas que me restavam na boca.Tod calido beijo correu ao meu pescoço,sentia mais que nunca toda dor
ir embora.

-O que farei querido?

-Sabe o que?Quando vela novamente a possua até dizer chega!Estou acabado e veras todo o resultado do que as Libêlulas querem de você.

Desferi um tapa em seu rosto e me escondi nas cobertas tão fofas na cor azul.Que ráios e trivões caissem sobre mim mais realmente queria morrer de tanto medo!Senti seus braços
se entrelasarem meu meu corpo,me senti arrepiado por isso,soltei risos meigos enquanto ele mordia minhas orelhas em tentativa de me ter por completo.

"Não agora querido,estamos em lugar alheio".Nos mantendo áli grudados pude sentir muito silênciosamente como todo meu corpo procurava adquerir o que as Libêlulas desejavam.O
meu amargor e que a queima tinha sido por completa.Chamava Thalwa silencioso como a cobra nasha,sou um filho da mãe mesmo!

Não sentia mais morte tão perto de mim,mais pena que descobri que seria apenas por um tempo limitado,me deixei chorar nos braços de meu David ao sentir como todo meu corpo
procurava ser vigoroso diante daquela procura.Foi como se as Libêlulas aplicasem uma e tensa mensagem a ele e simplesmente meu corpo atende-se ao seu pedido.

"O que vocês querem?O que planejam para mim?".Nem uma resposta naquela procura em mente aberta,apenas sentia todas as células agindo sobre mim,em cada pedacinho que eu
tenho elas corriam focalizando o que deveria ser adquerido,ri com isso,realmente nunca eu suponha passar por algo que não sabia.

O beijos doces de David correndo em meus cabelos ainda humidos,não queria largalo,iria ser acolhido por ele o resto da noite.Me esvai mais ainda em caláfrios naquele silencio de
tão mortal.Ele naquele gesto tentava me tirar medo,angustia e não parava de pensar em Thalwa,como queria estar com ela.Paciência!Ela téria que esperar.



avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 86

Mensagem  Ana Nery em Seg 19 Jul - 21:06:37

Já estavamos na casa de Carlos a sete dias,uma semana que para mim estava sendo muito maravilhosa já que forá a imensa oportunidade para conhece-lo melhor:Não sabia eu que ele
erá um fan acido por decoração Séc.XV.Erá uma noite de domingo quando eu e David saimos para caçar,digo que meu corpo em si não parava de agir desde aquela possuição das almas de
Thalwa;as ruas se mantinha muito molhadas porque as chuvas estavam sendo intensas.Toda a investigação sobre a Talamasca corria em segredo,faltava pouco para simplesmente todos nos
darmos o último bote contrá a Ordem que em dado momento pensava que tinha tudo controlado em suas mãos.

Apreciava deixando meus olhos passearem sobre os postes que iluminavam as poças de água com uma coloração alaranjada,todo brilho era tento,o que me deixava risinho,como sentia se-
de,não era normal eu me sentir assim já que David reclamava que toda noite eu tinha que sair e me alimentar "Lestat realmente está estranho!Falas que seu corpo a toda noite manda essa e
longa mensagem de **Caçar** de forma constante".Estava preucupado,desde esse passar de semana aproximadamente trinta pessoas tinham se esvaido em minhas mãos.

"Compreendo David mais não sei explicar!E como se meu corpo estivesse sendo preparado para algo supremo querido".Ele asenou com um sim meigo e doce,parou para tentar me manter muito
tránquilo,beijei seu rosto querendo chorar,ele estava feliz e quanto a Letícia?Amando estar bem a vontade na Sui que alugara:Confição própia dela meus queridos anjos negros.Digo tambem que o
avatar de roupas que adquerimos desde nossa chegada a São Paulo realmente eu e David tivemos a cara de pau de comprar a Cartão De Crédito:Pouco me importa!Tenho poder para isso,não e?

-Consegué supor o por quê das cinco almas quererem algo de mim?

-Provavelmente sim Lestat,realmente e explicito que fizeram com que a vida corresse em ti por um tempo,suponho o que seja.

-Falas para mim então David;não saber disso me faz morrer.

-Na hora certa agora vamos procurar algo muito feitio para ti querido moleque.

Demos várias voltar no beco oposto,como a garganta ardia!Não sabem como estava seca e olha que só fazia quinze horas que tinha caçado,justamente um pouco antes de me recolher na hoite antérior a
qual tinha atacado cinco mal-feitores.Cruzamos as avenidas e saimos para uma casa simples.Lá senti o cosmo em que todos os os anarquistas tem e David me avisara que as luzes estavam ascesas.Não
esperei muito tempo e me dei a atacar pulando ao teto quando paramos a frente da faixada da casa.

"Tenha calma Lestat;não se precipire".Minha camisa de seda branca andulava ao vento,não quis abotoar os botões de camefels negros porque o calor no corpo era constante desde o ataque das almas.
Sentia o tecido da calça couraçada perfeitamente sobre a pele junto ao toque da bota méio longa aos meus passos ecoarem no teto"Seras meu e não temerei o que as Libêlulas querem de mim".

Avistei Sr.Talbot entrar desvencilhando conforme abril a porta com o Don Da mente.Uma ótima engrucilhada para manter a produção do que as Libêlulas queriam alta.Era percepitivel que sempre ao
caçar e absorver o sanguê vivido,o calor almentava no corpo e assim todo necta era destruido para manter a continua procura cêlular para o corpo adquerir o que deseja.

-Agora!Es a hora de meu banquete!

Ponto final quando dei um pulo e Sr.Talbot já estava segurando o maltrapilho em seus braços que ia critando alto,ele tapoulhe a boca quando pude caminhar pela imensa sala mobiliada de quadros,joias
de cristais e tudo o mais que um monarca do Séc.XXI pode ter,soltei muitos risos apreciando toda a cena e como as mãos desceram forte em seus ombros quando o apertei contra mim.O própio David
já simplesmente cortara sua garganta o que facilitou mais a sáida de sanguê para me alimentar.Meu estomago antes disso estava roncando muito e agora não,mantinha meus risinhos maliciosos perân-
te a sena"Meu estomago não vai roncar mais não,preciso continuar produzindo o que as almas que- rem!Me desculpe".

Com isso já não sentia mais nada vindo dele,o deixei largado sobre o sofá para tentar controlar os espamos de poder me enchendo o corpo "Sempre e assim David;olhe isso querido".Ele me fitava a
parar a minha frente já que eu estava sentado no sofá escuro,seus olhos analizavam como suava a ponto de querer morrer,seus polegares deslizando para limpar minha boca,queria enloquecer e o vi
sentir quando delizou as mãos por meu abdômen "E muito sinistro!Dá para sentir como a energida do sanguê que bebe desce pelo seu corpo;pare Lesta porque não sabemos em que isso vai dar".

-Não posso querido!E instintivo demais,compreende?

-Sim! Realmente teu corpo está sendo preparado para algo mais que pena que não sabemos o que sejá.Isso me deixa muito triste!Por não poder lhe dar uma resposta plena.

-Vamos para casa antes que a chuva volte.

Demos a volta pela mesa de centro feita de madeira e saindo as Ruas senti a presença de alguêm que não me erá desconhecido.Me asusstei quando vi Letícia andando com uma bolsa nas mãos ao
encontro do irmão!Quase cai desmaiado áli e ela pode ver finalmente como estava possuido pela a queima de calor eminênte.Não ter olhos humanos e uma vantagem já que eles não ficam muito
brilhosos ao modo tipico de quando caçamos.

David pegou as bolsas de suas mãos e eu fui ao seu abraço,um riso queimante como sempre ao me receber em sua presença suprema.Usava um vestido azul-cobalto junto a uma fita caindo ao
longo dos cabelos castanhos,para finalizar o toque da sapatinha preta fina e delicada que eu fiz a sorrir ao descobrir esse detalhe "Lestat realmente o que faz por áqui?".Disse que nada!Uma mera
resposta ao segurala nos braços quando me pus de pé,já que tinha que sempre me ajoelhar para falar com ela.

"Muito delicada má belle!Mui dio,es muito pequenina em meus braços".Ela se sentia plena com o meu gesto e a puz no chão para voltarmos para casa.Seus passos silênciosos quando chegamos
ao imenso casarão de Carlos que lá nos esperava ao seu modo delicado.Ao que podia saber meu Louis e Thalwa estariam ao desespero nessa minha longa temporada na cidade.

"Imagino como Thalwa esteja se sentindo David".Ele achava gráça nisso,nunca pensara que eu um dia podéria estar casado.Letícia houviu isso em felizidade quando entramos a trancar a por-
ta.A vi sentar-se na proltona e lá Carlos levava as bolsas chéias se doces,pães e meigos refrigerantes que ela queria comer.Ele trouxe uma lata desse gélido necta que lá entrava pela sua
boca.

-Então e casado querido Lestat;nunca suponha isso.

-Pelos Deuses!Em que lugar em fui parar.

-Apóis e querido:Uma vez que se casa está arrumado....

Não me contive e sai com Carlos a imensa cozinha a qual ele solvia o saboroso vinho;um fánatico por essa bebida suprema e conforme eu olhava queria mais e matalo pelo seus sentimentos puros
para com David.Não fária isso,jamais!Afinal ele e uma pessoa maravilhosa com todos os que ama e realmente nunca falha para com suas decições.Me dei a sentar de frente a ele para poder saber
como andavam as investigações,mãos estendidas sobre toda base de madeira polida.

"Alguma notícia Carlos?".Ele averiguava carinhosamente meu modo estranho sempre que voltava daquelas segretas caçadas,sabia algo de mim,isso dava para ser explicitamente em seu olhar tão
verde junto ao brilho:Falo que ele tinha acabado de chegar do escritório,disse a mim nesse passar de tempo que tinha novamente se reunido com seus comparsas arquiólogos.

"Tudo indo tránquilamente e gostária de saber porque sempre volta com essa aparência mais vida Lestat ao sair".Gelei diante da pergunta,fiquei quieto esperando e ele parado diante de mim para eu
lhe dar uma resposta suprema e rápida.Senti que tériamos que ser rápidos agora quanto aos casos entre a Talamasca e a Ordem Arquiólogica.Me pus de pé antes de ir para o quarto que ele mesmo
me ofereceu:O mesmo em que forá atacado pelas malditas almas.

"Não pense coisas de mim querido Carlos;sou o que ver perânte teus olhos".Riso maroto saindo ao seu lábio,me dei de costar e sai cruzando a sala.Abri a porta do quarto tão doce de se estar e tive a
me deleitar naquela cama descomunal,respirava profundamente ao apoiar a cabeça nos travesseiros e David véio perguntar se estava bem,saiu rápido com Carlos para a noite,me esvaia sempre quando
os espasmos voltaram naquela continua produção dentro de mim"O que isso sighifica?Deuses quero e socorro".

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 87

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 14:46:52

Enquanto me mantinha nesse descanso que sempre para mim tornara-se nescessário por toda mente vi que Letícia estava na sala lendo alguns livros.Me deitava de bruços apertando todos o
travesseiro abaixo de meu rosto,queimava como fogo sempre que caçava:E como falei "Era ao modo como a vida corria dentro de mim".Deixava meu rosto descenvilhando muito suado para
eu manter minha razão e sempre a continua e ardua procura pelo corpo entre as cêlulas agir.

Foi ai que simplesmente quando quiz me levantar quase meu corpo pode expelir algo mais ele mesmo por sua força o segurou,senti uma dor tão grande que segurei o crito entre os dentes
ao fechar os lábios,minha mão apertava forte meu rosto e quando Letícia véio me chamar viu meu estado "Não está bem Lestat!Por quê não toma um banho?".Recusei a mandando me le-
var para o sofá,mas ela preferiu subir comigo ao seu doce esconderijo:Uma sala sobre todo o tercéiro andar:Tratava-se de um imenso salão que Carlos fez com que fosse só dela,subiamos
até finalmente me sentir caido nas almofadas sobre o tapete.

"Deseja algo para beber Lestat?Um corpo dágua?".Disse que não mais mesmo assim ela forá a pegar um manto para me aquecer,o frio entrava pela imensa varanda a frente,muitos jarros a
decorala por completo:Alténticos jarros negros vindo da Itália ardonando flores de jasmim e foi ai que o perfume delas me entrou por completo penas narinas.Houvi todo o barulho da linda vir
ao meu encontro,sori com áqui mesmo com a dor,ela deslizou as mãos por meus ombros já despidos e pode sentir o toque da pele sobrenatural.

-Querido Lesta beba algo fresco!Isso lhe fará bem.

"Não e disso que preciso Letícia;ancéio por algo que não suspeita do que seja".Ela forá muit esperta quando caminhou as cortinas abrindo-as por completo dando passagem a entrada de toda
iluminação da Lua.Nunca a palavra**Vida**saiu de meus pensamentos apóis o acontecido,quiz me lenvantar mais ela me mandou ficar parado,ficou muito asusstada do modo como aquela i-
luminação da Lua caia sobre mim,meus cabelos loiros muito claros ao brilho da luz branca que a Lua provoca,sem falar na pele alva sobrenatural jasendo ao meu corpo.

Queimava enquanto meu corpo mantinha a força para nada ser do que estava sendo produzido ser jogado fora;como queria morrer,os passos dela em minha direção era perceptivel como toda
agulha em um palheiro aos houvidos vampiridos,ofegava como um enorme tambor,senti o toque de suas mãos ao meu rosto e simplesmente ela caiu para tráz quase critando.

"Não es humano!E algo que vem de outro lugar!Isso e constrangedor Lestat!".Como fiquei puto ao houvir isso,queimando de calor,a chuca caindo forte lá fora nesse momento e lá Letícia vem
a descobrir com tanta facilidade.Tomei forças e me deixei por sentado ao tapete a olhar ela ao meu complento de vida.

-Essa não e a hora má belle;precido de ajuda para que consiga manter meu corpo forte.

-Por quê não vai embora?Saia de perto de mim!

Tapei sua boca com as mãos pesadas "Nunca séria louco de fazer algo com você!Esqueça essa hipotese!".Ela se sentiu neutralizada perânte meus modos claros a sua visão;pensei que ela ia
me queimar mais não.Se deitou ao meu lado e bebeu todo corpo de água para se tránquilizar e de modo supreedênde citou que se quizesse fazer segredo que séria assim.

"Obrigada má chére;sintome feliz mais estou doente esses dias".Meigo beijo em minha testa ao pocisionar o rosto sobre o meu,os braços delicados sobre meu torax que enchia de tanto ofegar
diante do meu corpo quente"Vai passar,vejo vossa pessoa como um pai Lestat".Confeçara que seu pai tinha ido embora muiro jovem;isso me deixou chateado.

Quiz falar algo a respeito disso mais lá ela descia para seu quarto no segundo andar conforme seu desejo queimava,para ser sincero no casarão se tem tantos quartos bonitos que nem sei o
qual e de quem.Tive medo,tive muito medo.Toda uma devagação forá forte ao me manter áli em plena solidão suprema.

"Doce Lua como desejária que me desse uma resposta".Aos poucos o calor forá passando,tive que me por de pé quando recuperei as forças,toda noite eu tinha que passar por isso,agrádecia
a Letícia na alma por não contar nada"Ela e meiga,adoro ela por isso".Ascendi as luzes dando a merá devagância da mente.

-Finalmente acabou,soudades de vocês queridos.

Citei isso enquanto ia quardando a manta e a deixei em cima da proltona antiga ao estilo veneziano.Ai um sinal me foi dado,pareceu que a Mãe Lua atendêra as minhas preses ao meu olhar ver
algumas gotas tão rosas sobre o solado de minha bota,estava sentado e fitava essa mancha tão axasperada,deslizei o polegar esquerdo a tentar analizar melhor aquela gota viscosa de tão gran-
de tonalidade.

"Algo realmente estranho esta acontecendo.Será que alguêm pode me ajudar?".Não,obvio que não tinha ninguêm para me ajudar,limpei o solado da bota esfregando ao tapete e sai as Ruas novamen-
te,dessa vez não iria caçar e sim saber de algo sobre a Talamasca.Passando pela sala peguêi minha camisa branca e pude finalmente abotoala,o toque da seda e realmente maravilhoso.

"Estou indo senhores para solver a alma de cada um de vocês".Bati a porta forte,a essa altura claro que Letícia já estava dormindo.Com algum tempo encontrei a praça,assim dando a volta me dei ao
encontro com o pequenino esconderijo no prédio a qual alguns agêntes da Ordem podériam estar.Meus dedos devagaram ao vidro da Janela quase estourando-a ao meu estilo.Eles estavam lá,meus
olhos passaram essa mensagem.mesmo sendo humanos realmente me trazia grande verazidade ao meu comando.

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 88

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 14:49:48

Descaradamente,já que sou um descarado bati a porta com as mãos pesadas e logo elas me foram abertas.Quando o homem que me atendêu viu que tratava de mim quase caiu sobre o
chão.O empurrei ao longo da escada que descia ao encontro de ambos os agentes presentes a conversar,soltei um riso descarado quando parei a frente de todos,tirei os oculos roxos para
realmente perceberem como estava doloroso;todos me encaravam boquiabertos.

"Apóis não e hogê que posso fazer uma festinha particular".Provavelmente teriam ido a Rua ao encontro dochege,segurei a todos jogando um sobre o outro contra a parede,fui muito claro ao
desejava saber "Por quê tiveram a ousádia de tentar um asassinato contra Sr.Carlos?".Não me contive e me sentei na cadeira a esperar uma resposta a mim,queimava cada um esperando a
fala ser pronúnciada.

"Vamos ser bem claros,áqui ok?Não estou para brincadeira!Me respondam!".Peguêi um sobre o braço esquerdo o mantendo preso contra mim.Comesei uma contagem bem cética em requeri-
mento da resposta que tanto esperava.Muitos começaram a chorar por causa do medo que carregavam diante do caso.

-Não faça isso Sr.Lestat!E uma aldásia!

-Falam em aldásia?Chama áquilo que fizeram ao Carlos de justiça?

-Sim Lestat,afinal e ele que nos ameaça.

-Vão tomar naquele lugar seus bando de palermas...

Desferi as unhas contra a garganta do soudado a minha mão,como não consegui nem uma informação iria queimar aos pequenos agentes áli que não me passaram nada.Andava pela sala ao
procurar alcool e um deles queria ligar prá seus lideres em socorro,imediatamente quebrei seu aparelho em pedaços pequenos ao meu modo. exaltado.

"Está de brincadeira comigo seu indiota?".Lá meu pé de ferro simplesmente desceu ao ombro do filho da mãe a me fitar incrédulo a sena fantasmagorida;fossiverava a todos que se não fossem
embora realmente estariam aruinados "Cuidado com quem mexem senhores!Estão em paco de guerra".

Agora sim largara o homem e os deixei sozinhos a paisana entre seus critos,batera a porta para voltar ao Casarão.Quando lá entrei sorridênde,David e Carlos já tinham voltado e quando viram
meu estado perguntaram o que tinha acontecido"Apenas um recado básico aos agentes".Eles não precisaram de mais nada,compreenderam profundamente tudo o que mencionei em pouquissima
palavra.

-Quero mais que morra....

"Lhe darei apóio Lestat".Pronúncia de Sr.Talbot,forá com ele ao meu quarto meigo.Sozinho eu lhes disse o que tinha acontecido no salão,ficara tranquilo sobre Létcia,ela era inteligênte e saberia lhe
dar conosco.Se asusstara quando ditei a saliência rosada e com algumas gotinhas de sanguê que encontrara no solado de minha bota.

O segurei pelos ombros de tanto sussuto,queria chorar mais o asegurei que iria passar por isso ao meu modo.O abrasei firme em seus tremores,o vento corria continuamente quando a pequena chu-
va dera uma trégua.Essa vai e vem de água me deixava louco e o vi sair pela porta ao leito de seu Carlos;que tivesse com ele essa noite desejosa,queria ficar sozinho.

"No que isso tudo acabara?".Sussuros que entraram vento adentro,as persianas sempre que o sentia balançavam daquele modo supremo,fechei meus olhos em sonolência já apoiado pelos travesseiros
e o retumbar do meu coração veio forte,sabia que a mágia da mãe Lua e poderosa,por isso queia a resposta deça.

-Fale comigo mãr;teu filho precisa de resposta para ser ajudado.

Conforme todo silêncio véio e estava nesse sono doce sento o espamos de poder,respirei fundo por causa de continua procura cêlular em atendêr a mensagem corporal deixada pelas almas.Todo um
sussuro me foi houvido ao lado de minha cabela "Há Lestat!Faras a união de sanguê".Abri os olhos naquele espamos de sussuto supremo tremendo.me deixei encostar no espelho da cama diante da
pequenina pista trazida pelo vento aos meus houvidos.

"União de sanguê!O que isso sighifica?".David houviu meus critos e véio correndo,me acolheu em meu tremor tetanto me trazer a mim,chorava muito diante disso,como as respostas ou pistas vem
a chegar rapido,não parava de pronúnciar isso a ele enquanto tentava me trazer de volta.Nunca ia me esquecer disso"União de sanguê!David me mate diante desse tomento!"."Estou áqui Lestat,não
se perca".Um termino de noite destruidor para mim,Letícia apareceu e vénho ficar conosco,não ia se sentir bem me vendo daquele modo.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 89

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 14:53:43

Respirei fundo e senti o toque de Carlos quando entrou sendo acordado do seu sono,tinha ido ao seu pequenino escritório procurar algo para mim mais revidei dizendo que não séria muito
nescessário e me pus de pé.Léticia muito amargurada quando sentou-se comigo para ver as notícias no imenso televisor de Plasma na sala,me mantinha atendo e quando ela parou sobre
o canal de notícia esvai com o que estavam dizendo.

"David!Eles foram pegor!".O polícial Cristian dava entrevista coletiva quanto ao ocorrido sobre o Museu De Reliqueas da cidade.Lá ele falava sentado a frente de todos os reporteres falando
o que era a Talamasca e como a Polícia Federal tinham simplesmente fechado o cerco com toda ajuda da Polícia Federal Inglesa."Lestat eu não acredito!Quero morrer,olha isso!".Carlos não
agil e ficou quieto,sentara junto a Letícia mencionando como tudo tinha sido calculadamente ao seu plano.

"Citei a vocês dois que não deixo nada barato quanto a ameaçasa mim.Não estava para brincar querido David".Sr.Talbot chorava muito enquanto andava de um lado a outro da sala,queria ir
ao local e forá para forá nos esperar,critava como louco sendo acolhido por Letícia que mau suportava velo desse geito"Nunca suponha isso!Querida estou definhando!Toda uma Orde a qual
um dia dei uma vida foi desfeita".

-Calma querido Davir,tudo dará certo.

Quando parei a frente da Tv continou houvindo a entrevista,Cristian estava ao lado do comadante da Polécia Inglesa dizendo como tinham sido encurralados na tentativa de roubo,agora
deixem eu áqui mencionar por um instante como tudo ele explicava.Nescessito disso porque a vitória foi descomunal para mim.Enquanto Carlos de preparava e Letícia acolhia ao David eu ia
absorvendo tudo citado por Cristian na Tv.

'Senhores estivemos a par de uma Ordem falsista,dominante ao que saiba em pesquisas sobre reliqueas e poderes sobrenaturais:Isso se acreditam neles.A Ordem Talamasca vem a séculos e
milênios ultrajando tudo que podiam pela frente e agora diante do mundo todos nos com imenso trabalho conseguimos derrubar a Ordem.

Foi cansativo!Na verdade uma trama de uma decada até finalmente com todo apóio da Policia Federal Inglesa e Brasileira conseguirmos prender ao cabeça do grupo'.

'-Senhor Cristina Ordem Do Sobrenatural escondida debaixo dos nosso narises.Desfeita com as puras penas da maldade?'

'Sim..Tenho o prazer de aos poucos conforme a notícia se espalha pelo mundo os outros Centros Da Talamasca forem sendo Desfeitos.Boa noite a todos e me retiro por áqui.'

"Nossa!Um golpe numa cachadada só,demais".Carlos já descia para ir conosco e conforme ele ia ligando para o seu morista particular me mantinha com David ainda chorando como louco pelo o
segredo ter vindo a tona.Não sabem como via as pessoas saindo as Ruas diante do golpe que ia recebendo com a imprensa divulgando tudo sobre**Talamasca**Como por todo o mundo todos
os governos e liaderes mundiais passaram a trabalhar como aço em perseguição a Ordem.

"Estão realmente aniquilados,sem comentários".A limosine já vinha pela Rua parando a frente do Casarão.Entramos acolhidos pelos quardas que tinham que sair sobre a multidão que ia se forman-
do as Ruas a procura de mais respostas.Era o começo da decadência da Ordem e simplesmente eu não podia fazer mais nada.Apenas acolhia David que chorava muito diante de tudo e gráças que ele
não estava mais envolvido com isso.

"Aguente firme querido David,apenas o começo".Ele sabia que sim,a Limosine corria forte por toda a estrada que passava para que assim parasse de frente ao museu.Descemos e como hávia muitos os
carros da Polécia Inglesa e Brasileira tivemos que nos juntar a multidão que critada para que dessem o último veredido..Queriam queimar os membros da Ordem pelos feitos a serem divulgados via im-
prensa.

'Malditos!Contaminadores e ladrões do verdadeiro conceito da humanidade!'.

Homens,mulheres sempre critando entonações parecidades e os agentes que agora tinham cercado o museu naquela tentativa de roubo que tinha sido fracassada a Ordem pediam para todos sairem com
as mãos ao alto.Os vi junto a Letícia e David eles descerem aquelas escadária imensas,quando junto a corporação algemados e jogados dentro dos carros que tinham aquelas luzes ascessas a rodas em
seu alto.

"Não consigo acreditar nisso!Pelos Deuses eu nunca imaginei estar vido para que isso viesse a acontecer".Os carros deram partida,todos os poléciais critavam ordem a multidão os mandando para sua
casa.Todos foram dispensardos e lá Carlos nos chamada para sairmos ao centro policial,ele e que ia dar á assinatura contra o judiaciamento da tentativa de roubo:Uma prova que erá nescessária para a
procura da Ordem por todo mundo.

"Ok querido,vamos sair dáqui porque a humanidade já está a par de tudo".Última palavras de David a neutralizar seu choro,vendo o Carlos sentado naquela cadeira da Limosine realmente senti como ele a
seu modo tem bom gosto:Camisa negrá,calça clássica ao toque da bota escurda,o chele branco sobre o pescoço,seus olhos verdes brilhavam pela vitória que chegou como uma bomba no mundo.

-Eu falei a você Sr.Tabot:Ninguêm me ameaça do modo que eles fizeram e fica barato!

-Está correto..

Com alguns minutos passando a principal ponte da cidade paramos de frente ao Centro Polícial,muitos agentes da HOLANDA,INGLATERRA,FRANÇA,BRASIL e demais localidades do mundo estavam presentes
no pais para dar inicio a caminhada da procura dos centros da Talamasca.A porta da Limosine forá bem aberta e saimos em méio as reporteres que não paravam de precionar a todos que entravam.Lá nosso
Cristian nos esperava.

"Sabia que virian,eu sentia isso Sr.Talbot".Todo Centro foi trancando e mesmo assim ao me sentar no corredor com Carlos,David e Letícia dava para houvir todos reporteres critando lá do lado de fora,uma
barulheira imensa que me pertubava demais,me dava vontade de chorar e ainda bem que a sede não critava essa noite,meu corpo agia sempre naquela segreta procura de produzir o que as Almas queriam.
"Isso me pertuba querido David".Ele sempre a ser acalmado pelos agentes,Carlos até por mim que mais ria de tanta alégria.

"Eles mereceram!Pare de chorar por quem te ultrajou por decadas".Atendera ao meu pedido,seus olhos daquele doce choro ao brilho sobrenatural.Letícia riu com isso dando um beijo em seu rosto,Carlos aos
poucos tomava a paciência de ser chamado já que eel própio tinha tramado tudo isso e sinceramente ao ver seus amigos atravessarem aquela porta tive a plena noção que todoa o ajudaram em casa um dos
detalhes do golpe contra a Talmasca.

-Nossa!São eles?

-Sim,não agi sozinho.

Todos procuravam Carlos que já se levantava a comprimentalos,todos homens convictos se suas ações e conhecimentos,vestiam terno e gravata como verdadeiros maghatas do pais.Forám chamados a uma sala
sozinhos,Cristian fechara a porta silênciadora quando todos eles entrara.Forá parar a ver pelo vidro como Carlos e os amigos dele falavam,David foi intimado a falar tudo!Mais tudo o que a Ordem sighificava.

Letícia por ter conseguido alguma informação com a atedênte geral falou a mim em segredo que todo mundo estava sabendo sobre a existência da Ordem"Lestat toda a federação mundial está a procura deles!E de cau-
sar medo".Sorri pela coragem,abrasei ela dando beijos em seu rostinho meigo.Sentamos novamente para ir esperando eles sairam da sala.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 90

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 14:58:02

Mesmo com todo lacre humano sobre aquela sala tentei com toda força simplesmente manter a vigorizidade para adquerir informações do que eles conversaram.Cristian e que estava para
encaminhar toda congregação internaciona e polícial nessa procura mundia.Houvid David dar em sussuros segretos todas os indereços das sedes que a Talamasca tem pelo mundo.Carlos
pedia para que mantessem o nome dele em segredo.a ordem não podéria saber que era ele a dar as informações sigilosas.

"Cristian garantame que ninguêm sabera quem e David Talbot,tudo que ele sabe sobre essa Ordem que agora esta sendo caçada pelo mundo".O polícial respondêu com um sim,ele com
sua indolê e respeito por saber que David era o proporcionador das informações asegurou a seu modo que nada iria sair daquela conversa.Cruzou os braços quandoo agente Inglês quiz
lhe passar alguns papeis com os endereços anotador.Soriu com seu modo meigo diante dos acontecimentos.

"Conseguimos amigo,demorou mais conseguimos!".Vi uma mulher passar por mim para que pudessse entragar uma pasta ao Carlos,lá e que tudo iria ser encaminhado.Ela entrou com a
batida de porta que ele mesmo atendeu."Continue a funcionar bem querida mente".Foi o que aconteceu:Me mantive firme naquele deleite ao lado de Letícia.Os amigos de Carlos apenas a
olhar a pasta com fotos,imagens,enderelos,informações generalizadas quanto a Ordem que a seu modo estavam destruindo viemente.

"Isso e sinistro:Como eles podem ter a coragem de roubar reliquer,conhecimento e ao mesmo tempo pesquisar sobre o sobrenatural?David realmente e muita coragem para ter trabalhado a
essa Ordem".Palavras fortes de Cristian que aos poucos deslizava os papeis pela mesa para o senhoril ler atentamente como todos eles tinham conseguido fazer tudo isso.David deu grandes
parabens pelo trabalho.

"Maghifico Sr.Cristian,bom saber que vários pelo mundo já foram presesos neste exato momento".Sim,estava correto,recebeu um aperto de mãos do polícial e como odiava enquanto tentava ver o
pensamento deles aquela critária da imprensa do lado de fora,meus olhos de desviaram para todo televisor que passava as notícia que corriam pelo mundo.

'Governo Holandes degreta caça imediata a Ordem Talamasca..Os consideram um ultrage pelo o mundo:Exatamente vinte agentes que trabalhavam para a Ordem foram presos".

'Polécia Norte-Americana acaba de desenbarcar em Estocolmo e Inglaterra:Ajuda financeira e Federal contra a Ordem Talamasca'.

'Governo Do Brasil desencadéria a Ordem Juciariaria que correra pelo mundo aos mandatos de fechados do máximo de Sedes possível da Ordem Talamasca.Todo dinheiro que a Ordem com os
anos adqueriu deve ser doado a entedidades carentes conforme as Ordens Policiais'.

"Letícia querida!Fim dos tempos".Passei meus dedos por seus cabelos,não tinha pena,porque ter pena?Mereciam,vocês todos que leram meus escritos sabem o quanto eles mereciam e comesei
a passar mau conforme meu corpo voltava naquela dor forte.Quando David saiu com todos ao seu lado Carlos finalmente junto a seus amigos assinaram todo judiciamento daquela procura que
quase os tinham matado.

"Vamos para casa,tudo terminado".Ordem de David ao vir com Carlos em nosso encontro,tive que dar um beijo nele,estava chateado com isso tudo,agora só dependêria da Polícia mundial continuar
aquela caçada,nos já não podiamos fazer nada quanto a esse ocorrido.Os amigos de carlos foram saindo em seus carros ao descerem as escadária,entravam imediatamente e como odiavam aqueles
reporteres tentando tirar informações.

Passaram varados sem falar com ninguê,quardas,motos corriam para fazer segurança a todos eles que mal respiravam,era penoso mais séria nescessário.Entramos na Limosine de Carlos para assim
sair para casa.Ele estava preucupado comigo,percebera como estava apatico desde meu estado de depressão quanto ao"Faras a união de sanguê".

"Tompei deve estar cantando vitória,a notícia corre por todo mundo David".Ele sabia como sempre iria ser um filho da mãe,Tompei tambem tinha Ódio pela Ordem e provavelmente em sua mega Tv
ao ver tudo correndo mundialmente estária quase soltando fogos em comemoração."Imagine nosso Tompei lá a pular com Sofia e Xinhua!Ele e um descarado".

-Calate Lestat!To sofrendo,ok?

-Compreendo meu querido,fiques calmo que tudo acabou.

Carlos ofereceu um lenço a ele para limpar as lágrimas mais recura,aguentou firme e como tinhamos chegado ao Casarão descemos amparados pelos quardas.Muitos reportes corriam as ruas,pessoas a
seus critos de raiva em conversa pelas ruelas e São Paulo.Um escandalo mundial que corria por todo mundo:Séria a Notícia do ano.Tive plena convicção disso ao entrar com eles naquele calor imenso que
aciava ter.

Quando Carlos se sentou não pode esconder seu medo,tinha medo sim que quizessem vigança contra ele mais o contive dizendo que estariamos em ajuda a ele pró que desse e viesse.Ele e David subiram
ao seu quarto para conversarem;Letícia esperava calma.Sempre meu corpo querendo expelir algo e nisso a Ordem erá de segurar firme.

"Que infernos!Isso doi!".Levei as mãos ao meu abdênte suportando toda energia correndo pelo meu e tão sagrádo corpo,Letícia me segurou firme com medo deu continuar naquele sofrimento.Era sempre
assim:A energia corria as véias e descia atraves das células em Ordem de procurar o que devéria ser produzido.Como tive medo,não entêndo isso até os dias de hogê,via aquele rostinho delicado querendo
chorar o que me fez acolhela em meus bralos.

-Ódeio lhe ver sofrer querido Lestat;es espécial para mim querido,tem ar do pai que nunca tive ou pude conhecer.

-Calma má chere.Posso sofrer mais não tanto assim.

-Compreendo.

Beijava seus cabelos e tive que ir ao banheiro devido a dor,foi áli que ao manter os passos descordenados eu quase cai ao chão,procurava limpar meu rosto,abri a torneira prateada da pia e deixaxa toda água vir
a escorrer sobre minha face.A porta e claro trancada porque não queria ser importunado"Preciso saber o que se passa comigo!Isso e doloroso porque e como algo doloro porém espécial viesse a acontecer para a
minha pessoa".

Pus as mãos na borda ao fechar a torneira,via a água descer pelo pequenino buraco e comesei a ficar muito tonto,respirava fundo,agora sim tinha apagado,apenas houvira meu corpo cair no chão em viemência da dor
forte,tive sonhos fortes,barunhos de almas ferozes e mesmo assim a palavra vida não me saia da mente ao continuar apagado áli sem ajuda.Sonhei com Louis e Thalwa,sentia que estavam preucupados por toda essa
demora,eles sempre naqueles rostinhos belos e doçura me acolhiam em seus braços"Como eu amo vocês meus anjos".Falava isso a eles nesse encontro de sonho,bom tempo sem voltar a mim.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 91

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 19:27:57

Houvia um barulho muito forte de Letícia e David batendo a porta,foi isso que me acordou por completo me trazendo a mim,David com o toque de sua mente destravou a porta para poder
entrar.Abri meus olhos devagar ainda muito sonzo devido ao desmaio inabalavel,Letícia vinha posicionar as mãos abaixo de minha cabeça e dava para ver claramente seu rosto pairando a
cima de mim.Os olhos azuis junto ao manto castanho que e seu cabelo cacheado junto a todo seu brilho de dama jovem.

Falo a vocês que em nem um momento de minha existência passara por isso,já tinha e claro desmaiado várias vezes mais não desse modo de apagar por completo,sentia a energiar vir
ao corpo,na Ordem de "Deve-se continuar a procurar a produção em massa".Tinha ódio disso,por não saber de absolutamente nada.Forá segurado por David que se ajoelhava sobre
o lado de Letícia,os dois seguravam minha cabela sobre seu leito acolhedor,como ela queria chorar mais se manteve firme,esperavam minhas forças voltarem.Senti todo toque das mãos
da dama ao me sentar sobre o piso.

"Estou bem,estou bem".David asentia em negação!Odiava eu mentir para mantelo tranquilo a sua procura de amor infinita,queria se descontrolar mas senti aquele abraço poderoso,todos os
fios de meus cabelos humidos de suor com a falta de força,a sede ainda não viera para que eu pudesse me alimentar,assim sai dáli,vi os dois sairam e quiz pentar meus cabelos,a escova vi-
nha a deslizar nos fios delicados.

-Mais um desmaio,meus deuses imaculados como me fazem triste por isso.

O barulho da escova deslizando aos meus cabelos corria pelo ar desse banheiro tão belo,sempre forá um fanático por isso:O puro e bruto marmore que sempre ostenta beleza infinita para com o
mundo.Ria com isso,com a docilidade com que meus cabelos loiros e cacheados adqueriam todo brilho avasalador.Deixei a escova no apoiador e passei a limpar meu rosto com um paninho bem
humido por um perfume delicioso"Preciso disso,e gostoso ter a sensação de limpesa".

As unhas sobrenaturais brilhavam a Luz,limpava toda face com a toalha de algodão,passava pelos bochexas bem sedosas e finalmente terminara e não sabem o tombo que levei ao pisar em cima
de algo.Caia contra o vidro do box mais agradesci que não o quebrara com o meu peso corporal.Me segurei firme e passeava meus olhos sobre o lugar tentando idêntificar como tinha caido des-
se modo cruel.

-Infernos,só faltava essa.

Novamente aquelas gotinhas rosas e com pingos de sanguê me foram vistar sobre o chão,tremia ao me abaixar e deslizar o dedo indicador,três gotas crueis que quase me levaram aos critos de
tanto ódio por não saber a onde vinham.Soquei a parede com raiva e bati a porta do banheiro a ir ao encontro de David e Letícia.Eles estavam sentados asissinto como toda decadência da Ordem
era encaminhada.Tudo realmente corrrendo como esperava.

"Parem com isso,vamos a Suit,preciso fechar minha estádia lá".David correspondeu saindo com ela a frente da Casa,Letícia forá pegar um chale por causa do frio e quando véio segurei suas mãos a
protegêla.Caminhamos firme para não sermos idêntificados.Tudo estava muito silêncioso agora,as pessoas curiosas se despensaram em suas casas.

"Graças que preferem ver tudo pela Tv".Sr.Talbot achava isso uma graça,o perfume da brisa me trazia tranquilidade,trasavamos as avenidas apreciando as estrelas sobre o céu e avistando toda
a recepção do prédio chegara lá.O recepcionista me reconheceu a mim quanto parei e simplesmente dara Ordem de fechamento"Feche minha estádia áqui".

Foi um processo muito rápido ao velo aplicar todo conhecimento e me entragar o bilhete,lhe deu as chaves de volta que ele mesmo quardou no recipiênte,compromisso fechando e de volta as Ruas
da cidade.Respirava fundo e finalmente de volta vi Carlos sobre aquele piano tocando forte como sempre gosta.Ele nos recebeu com aquela queima de calor forte.Bebia vinho tinto com alguns pe-
quenis pedaços de queijo "Finalmente de volta senhos,me sinto feliz".

-Sei que sim moleque.

Minha resposta a ele que continuava naquele deleite forte,sua face corada por ter derramado duas e fortes garrafas daquele vinho,Letícia adorava aquilo:O modo como seu irmão sempre fora sel-
vagem e vingativo.Sempre jogava algumas piedas para ele que a mandava ficar quieta,queria poder aplicar os conhecimentos na música em comemoração a vitória.

Sabia que ele iria fazer mil loucuras com David essa noite,sentia que a hora ia chegando e Letícia a perceber isso:De como eu e David estavamos decidos a trazelo para nos,seu risinho maroto foi
toda resposta que queriamos.Desviara o olhar incrédula a tudo,queria ir ao salão tão belamente iluminado pela Lua.Lá ela subia naqueles passos meigos e doces,deixara David a sós com Carlos,
agora séria a sua vontade que falária alto.

Me deitei naquela cama deliciosa bruços ao tirar minha camisa e deixala no apoiador,sentia o vento a correr sobre as costas despidas que sempre brilhavam sobre a noite,a Lua entrava firme
em todos os cantos do meu quarto que Carlos preparou só para mim.Meu rosto encostado sobre o travesseiro com os braços o agarrando firme.Pés descalso porque tinha tambem tirado a bota a deixando ao pé da cama.

"Como isso e delicioso,poder me esticar os musculos".Sentia todo toque do meu abdômen a encostar no lençol delicado e fino de cor branca.Novamente as palavras"União De Sanguê" não me saia da mente,o que atormentava,passei o resto da noite assim:Pensando sobre as gotas que sempre encontrava quando o desmaio vinha"Como isso e possível?Tomento".Não sobre a testa ao olhar para o teto.Sentia tremores quando meu corpo queria soltar algo e sempre prendia.Me esvaia em sonolência e foi assim que com os meus estindos sai abaixo da cama para me esconder no sol que nascia,meu descando chegara por completo.

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 92

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 19:32:49

Acordei na noite seguinte sendo acordado por David,ele me puxou forte para que eu viesse em alerta total.Lá ele me jogou contra a parede numa tentativa desesperada de me trazer
a mim por completo e como fiquei revoltado por tal ousádia para comigo.Meu sono ainda a não se recuperar por completo,compreenden?E como fechei meus olhos em sonolência por
não está em mim ainda.

"Lestat precisamos ir imediatamente a Sede Arquiólogica,há algo muito errado por lá e só o Carlos irá falar quanto a gente chegar".Realmente seus olhos estavam enubracidos devido a
seu nervosissmo,realmente conforme pensei ele me disse que sua noite com Carlos,aquele termino inesquecivel tinha sido marvilho,mas se sentia muito triste.Quanto a Talamasca?As
notícias eram enebriantes porque simplesmente a Ordem estava sendo caçada por todos os cantos do munto.

"Controle-se,apenas acho que realmente nada passara barato".Ele sabia que não e lá nos a correr as Ruas,e claro que tinha colocado minha blusa branca altamente sedosa.Foi com um
tempo gasto que chegamos lá e avistamos alguns carros parados.Fomos recebidos por todos os atedêntes.

-David isso e um ultrage!

-Sei que sim querido.

Ele vestia vermelho,realmente divino,avistamos Carlos parado junto a alguns agentes quase a beira da loucura.Realmente fiquei passado com seu choro louco que eu mal conseguia ver
ou desernir.Queria chorar porque velo assim me erá doloroso.

"O que há de errado querido?Carlos pode me dizer tudo o que aconteceu para deixalo assim?".Ele me agarrou em prantos,uma sena dolorosa quando o vi esvair comigo ao chão.Todos
muito tristes com o acontecido,ele estava tomando coragem para me dizer.Seu calor sobre o corpo erá forte,respirei fundo e perguntei novamente.

"O que há de errado querido,tome folego e digame o que acontece?".Ele forá levado para o seu escritório,David o seguil comigo até entrarmos no elevador,ele mal se controlava para a
notícia que acabava de receber.Compreendia esse sentimento louco,meus cabelos estavam presos para trás para que assim não me incomodase.

"Olha indepedênte do que seja iremos ajudar Carlos;não fiquei assim".Ele ia se controlando aos poucos quando David o acolheu nos braços.Algo realmente errado acontecia com ele e
ficava mais confuso ainda por não querer me falar logo de imediato.

-Carlos eu sei que doi mais conseguira passar por isso.

-Não sei David!Isso me mata!Como eles ousaram me aplicar essa última cartada?

-Eu sei que sim,vou ajudalo.

A porta do elevador se abril nos dando passagem para o corredor,ele abril a porta de toda a sala de seu escritório imenso,se sentou sobre a imensa mesa pensando,lá a paissagem pela
qual amava dos prédios da cidade saindo a frente como numa pintura.Tomei a frente deles e me sentei nu e cru para saber de tudo.

"Vamos querido,falame e posso tentar lhe ajudar".Seus olhos ardian devido ao choro que ia e vinha sem parar,soltava alguns soluções fortes,deixou as mãos passearem pelos cabelos
castanhos e quase lisos caindo aos ombros,estavam se camisa,apenas de botas e calças a seu desespero porque tinha andado a tarde toda até o inicio daquela noite a procura de algo
espécial.

E como me doeu a notícia suprema que me foi desferida como um golpe infernal me fazendo gritar ao quebrar um corpo a frente"Letícia Lestat não véio para casa hogê apóis todo o
seu colégial".David me indagava sobre algo inrreal,de que simplesmente podéria provocar um genusidio maior a Talamasca enquanto não a encontrasemos.

-Isso foi demais,vai ter vigança!

-Lestat pare por ai!Não vá fazer uma besteira!

-Foda-se!Eles não querem guerra?Agora saberam na pele o que e Guerra!

-Agora sim estamos encrencados!Pelos Deuses como agê impulsivamente.

-Pouco me importa!Quero ela de volta!

Carlos se levantou ao ver meu desespero,me segurava com seu vigor tentando me trazer a mim,estava louco,enloquecido quanto ao desaparecimento de Letícia ao ir para seus estudos
que sempre amava fazer.Temia por ela,temia realmente por sua vida.

Saimos aos corredores sendo seguidos por alguns quardas,Carlos e David mais queriam me manter preso ao me deixar livre para não cometer uma loucura.David parou a minha frente
tentando me bloquear,mandei ele ao inferno.Não sabem como meu descontrole vinha a ser impassico.A Orden podéria estar decaindo mais era obvio que tinha uma última cartada a vir
a dar em Carlos.

"David para!Eles não tem mais o poder de antes mais sabe muito bem que mesmo decaindo vão e podem simplesmente levar junto o que Carlos tem de mais precioso".Agora sim ele ia
compreedendo meus pensamentos e me largou,descemos as pesadas escadas já que não ia ter paciência de elevador.

Queimava por dentro,muito mesmo,pensava nela,somente nela.No que Letícia podéria estar a passar nas mãos daqueles filhos da mãe.Quiz critar mais me contive ao sair pela recepção
e Carlos pedia ao David para me acalmar"Ele não pode sair assim nas ruas!Ele precisar se controlar,já basta meu estado áqui".Correto!Estava certo.

-Desculpe querido,não me contenho em coisas ferrenhas.

Minha vitalidade voltava,sentia sempre a mesma sensação célular correndo meu corpo para a mensagem ser atendida.Deixei isso de lado por dado momento,a essa altura só o que ia
contar era a vida de Letícia.Carlos resolvera sair para a sua casa,de lá iria começar a tentar encontrala.

"Vou para casa queridos,irei colocar meus neuronios a funcionar,ok?".Asenti com um sim e me dei a caminhar pelas Ruas batendo as pesadas portas.Durante o dia realmente tudo vem
a acontecer,o que deixava muito inrritado.

"David eu não quero sofrer mais!Isso e doloroso!".Me lembrava dela me chamando de pai e como chorei diante disso.O modo como ela sempre me abraça e me chamava puramente de
pai.Pelos Deuses meus nervos explodian e comesei a deixar meus pensamentos correr por toda cidade.

"E muita gente Lestat mais podemos encontrala".Sempre com sua tenrra razão,as estrelas a brilhar forte.Meus pensamentos correndo entre as vições das pessoas tentando ver se algu-
ma delas a tinha visto,corria como foguete desvairado sem controle,o que causava uma pequena dor no meu senho.Passos pesados e descidi alsar vôo com David.

Subimos naquela ardua procura,avistamos toda imensidão das luzes,prédios da cidade para continuar via pensamento a procura,pairavamos nas densas nuvens brancas e a Lua sempre
a brilhar na cor leitosa que sempre teve"Apareça querida".Um sussuro poderoso ecoando a multidão,saia voando lentamente de prédio em prédio a procura.Ia demorar mais podéria e
conseguiria encontrala.Chorava um pouco com a dor mais me contive,tinha que ser frio para tirala a salvo daquela situação.

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 93

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 19:41:06

Descemos sobre o teto de um desses prédios exasperados,deixei minha visão passar por o alcanse inimaginavel junto a mente avida a sua procura.Muitas imagens me vinha para com
algumas informações e analizava todo senário venho chegando a informação da onde ela ia estar"Sei que pode me ajudar querida,emane sei pensamento de medo para que possa ter a
sua presença".

Aconteseu!Como fiquei mais controlado ao sentir o espamo de sua presença,porém todo seu medo me era visivel,vi entre imagens lucidas ela chorando com alguêm agarrandoa para ter
que mantela presa,contei isso ao David que aos poucos tambem vinha sentir todo horro que ela carrregada,por incrivel que pareça ainda estava com seu uniforme do Colégial,ao que vi
mal ela saiu e simplesmente eles agiram rápido a levando para eles.

"Será uma caçada David que mal posso esperar".Me deixei cair vento abaixo daquele predio ponderado e senti o toque do solo abaixo de mim.Arqueava a sobranselha e tive que manter
a mente ligada para com Letícia até saber em que lugar exato ela estava.

-Vamos querida,es forte e podes me dizer a onde estas.

Foi assim,ela sem perceber continuou junto a mim enquanto corria com David entre aquela densa multidão da cidade,nos desbruçavamos ao nosso modo,foi uma corrida cansativa já
que mesmo sendo imortal,a falta de ar nos mata conforme viemos a conduzir nossa morte.Foi com algum ilegado de desespero que paramos em frente a um prédio abandonado.

"Deve ser áqui,sinto isso".Aos chutes simplesmente coloquei a porta já desgastada abaixo e não me contive ao andar pelos corredores escuros e sai critando pelo nome dela"Letícia!Não
deixei de falar comigo!".Um silêncio descomunal e do nada houve um barulho de arma sendo desferida aos tiros.Agora sim critava a plenos pulmões temendo pela vida dela.

"Letícia!Fale comigo!".David agora estava em prantos ao continuar correndo e desapareceu ao modo sobrenatural ao vácuo indo corredor a frente,lá ele derrubafa a porta abaixo para
ter ascesso ao imenso salão,algumas gotas de água caiam no chão,meus passos ecoavam no ar.

-Querida,por favor!Fale comigo!

Palavras em prantos esperando ela esponder mais envão,David agora daquela calma para o desespero ao vela caida no chão,eu parei a sua frente tentando observala melhor,mal con-
seguia respirar diante do golpe desferido contra ela.Ínsuportavel a sena,me doeu na alma o como ela se agarrafa a vida.

"Querida,mantenha a calma,mantenha sua calma querida".David apoiara melhor sua cabeça ao seu colo caloroso,deslizava as mãos por seus cabelos,queria chorar muito porém teria-
mos que agir."Sr.Talbot isso doi muito,não sei como vim parar áqui".Claro que não,toda a Ordem téria que dopala até levala para esse prédio aqueroso e simplesmente fazer isso pa-
ra a vigança.

-Sim querida,eu sei que doi,compreendo e respire fundo.

Aranquei sua camisa delicada jogando os botões de lado e visionei o pequeno buraco que o tiro lhe causara.Deslizava as mãos sobre ele até sentir a onde o pedaço restante da bala ia
estar e simplesmente a unha entrou carne adentro cortante a tirar de dentro dela.Ela não ia manter a resistência por muito tempo,muito choroso eu estava.

"David o que vamos fazer querido?O que vamos fazer?".Ele soltou um risinho entre todo seu lábio sabendo da resposte"O Truque Negro querido".Gelei com isso,as mãos pesada dele ia
descendo sobre o rosto dela,tirei minha camisa a dobrando sobre os joelhos e dessa vez ele me repudiou "Não você Lestat,dessa vez não".

-Leticia vai doer menina mais sei que será forte e olha!Quando termina vá direto ao nosso e tão glorioso Tompei!Sei que conseguira encontralo com os novos poderes.

-Novos poderes?Do que falam?

-Sentira quando tudo terminar.

Ela falava mais mesmo assim entre dentes por não respirar."Perderas tua festilidade porém ganharas a vida querida".David agora estendia sua mão esquerda para mim,realmente iria
nascer forte para as trevas,eu rasguei seus pulsos lhe deixando todo sanguê cair e observei os deus dentes entrarem na carne dela,justamente na garganta delicada.

"Deixei tudo acontecer,ia acontecendo má belle".Realmente a Talamasca forá aniquilada ao modo de Carlos,infelizmente o preço tinha saido caro,mais estavamos áli para ajudar.Nessa
noite eu sentia que mais uma vida viera para nos.David ao seu modo delicado ia deixando o sanguê cair em cima dos ferimentos dela para deixala perfeita,agora ao terminar se tirar as
vitalidades o sanguê enchia a boca de Letícia por completo.

"Minha,somente minha querida Letícia,teu sofrimento acabara".Ela se agarou a ele quando a pontada dos caninos vieram,me asusstei com a sua força que ia lhe tomando o corpo para a
vida lhe ser tirada,mãos vigorosas apertanto os tensos cabelos de David enquanto bebia ao ser voraz.

-Vá com calma Letícia,peço calma para não ficar asusstado.

Meus olhos esbugalhados vendo a sena,ficaram entrelaçados por um longo tempo,esperava a morte humana dela terminar,gráças que minha camisa erá muito longa,pena que não ia
poder ficar com ela muito tempo,ela se levantou vindo ao meu encontro,á abrasei firme lhe entregando a longa camisa de seda"Vista isso e suma dáqui!Deixe teus pensamentos virem
a lhe guiar até o Tompei,ele lhe encontrar a onde que que esteja".

"Sim,atenderei ao seu pedido Sr.Lestat,realmente vejo o que es".David lhe estava ajudando a vestir a camisa que lhe caira tão bem ao corpo delicado e com desenvolvimento totalmen-
te interrompido.Saimos pelo corredor e como tinha um infeliz parado ela mesma teve todo o estindo de se alimentar,lá comia plenamente bebendo todo necta precioso.

"Aprende rápido".David asenou com um sim,ela apóis isso desapareceu num vulto,seguiria a minha remendação,tive que tomar forças ao esperar ela partir e cair em choro por ela nos
braços de David"Mais um,meu querido quando isso ira parar?".Sofrido demais quando deime a conta desse ardui sofrimento.

-Tão jovem e simplesmente arancada das mãos da sociedade.Foram uns cães.

-Sei que sim,Tompei sentira isso,ele e poderoso demais para deixar mais um bebedor que mal nasceu para as trevas passar em branco.Ele a encontrara.

-Liader dos Jovens,imaginavel tal atitude de ir a sua procura.

Agors estavamos as Ruas,ficamor a pairar por um longo tempo,tive que me recuperar para a volta a casa de Carlos.Folego!Caçamos juntos ao longo dessa noite tormentosa,muitas as
horas a se passar para que assim nosso vigor viesse a se recuperar plenamente.David fora obrigado a dar o sanguê mais sedo do que imaginava.não o repudiei por isso.Mantive a en-
golir o sofrimento e meu corpo ardia,saindo dessas caçadas demos a saltar prédios.

"Chegaremos rápido ao encontro de Carlos".Palavras duras vindo dele que mantinha todo o seu amor sequido.Quando de frente ao casarão ele nos esperava com seu descotrole muito
aparênte,o segurei firme avisando que Letícia não tinha sido encontrada ainda.Que mentira deslavada porém nescessária por dado momento"Ela vai voltar,tenha certeza disso".Forá a
seu piano,lá descontária a noite toda sua raiva,me sentei e me dei conta de minha falta de camisa,téria que suportar,ao menos tive a noção de meu vigor ao abrir os braços enquanto
apreciava a música a ser tocada,me pedia nas luzes do teto.



avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 94

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 19:50:46

Forá assim até que David foi ao quarto e lá trouxe uma camisa para mim de pura cor das túlipas vermelhas,adorei o linho puro forjado sobre a cor do sanguê,caia
bem para com as calças escuras e botas tambem negras.Os botões de pura cor do ouro foi para me levar ao delirio,afinal eram feiros do puro e maciço ouro que
tanto me encanta.Carlos deixava com suas virtudes as lácrimas cairem ao rosto,a música que ele tocava parou do nada e não se aguêntou de tanta dor.

David forá acolhelo o segurando pelos ombros,limpava as lácrimas o mandando voltar a si porque mais que nunca a Letícia precisava de sua ajuda.Eu descidi de
modo muito particular que iria atráz do homem que fizera áquilo a menina.Pensava como Tompei reagiria já que a ele cabia trazer aos jovens bebedores de sanguê.
Ele quando encontra-se Letícia iria por si a fazer o julgamento se ela continuaria viva ou não,isso e o que mais preucupava.

Enquanto lá David e Carlos ficavam juntos me dei a sair a procura do soudado encarregado de tirar a vida de Letícia,queria vigança,ele naquela atitude suja simple-
smente fugira para a sua salvação"Não vai escapar infeliz".Me encontrava a andar pela imensa ponte da cidade a pronúnciar isso,cheguêi muito rápido lá para deixar
a procura mental falar mais alto quanto a seu esconderijo.Soudades de Louis,Thalwa,Xinhua e Tompei que agora já devéria estar a cargo de procurar quem erá o novo
bebedor nascido para as trevas.

-Vou matalo,vou beber de você,vou caçalo até o fim do mundo.

Disse essas palavras apoiando as mãos sobre o para-peito da ponte,o vento corria sobre os meus cabelos nessa exaltação de mente que em segundos passeava pelos
pensamentos dos humanos,soltei um riso tenebroso quando simplesmente encontrei o malfeitor,peguei elas tico e amarrei meus longos cabelos loiros e cacheados numa
preparação,meixas caiam para a frente do meu rosto e lá pulei a ponte.

O vôo foi sinistro e silêncioso,passeava sobre as nuvens maçiças averiguando até onde ele ia andar.Pela mente vira que erá alto,cabelos ruivos junto aos olhos violetas
azulados,o que me facinou para que o banquete fosse feito,chamamava-se de Emarion.Nome mais que me pareceu estranho devido ao sotaque celtico.

"Não do pais,realmente pelas caracteristicas que descubro do mente não e do Brasil,ele vai ser meu baquete".Ele agora entrava pela porta enoblesida da sua casa pequ
na,logo a um corredor ele destravou a porta que dava para a sala,como apreciava minha mente que me levou a esse infeliz que iria morrer em minhas mãos.

-Há querido.Como nosso mundo e supremo para que assim a vida seja arancada de nos e com nosso ardor a morte cheguê silênciosa.

Desci sobre a varanda do seu pequeno quato ao passar pelo teto e sentando a sua cama já esperava ele chegar,vir até mim.Fária uma chasina áli em prol de meu desejo de
pura vigança.Como me sentia feliz por ter encontrado o comparsa que a Talamasca contratou para destruir a vida de Letícia"Eles deram o tiro e nos e que lhe devolvemos a
vida".Sim,estava e certo quanto a esse comentário que eu citei silênciosamente.

Todo comodo estava escuro para que o bote fosse dado de forma avasaladora,passeava to- da linguá sobre o céu de minha boca,a sede ardia forte para tirar a vida daque-
le malfeitor a paissana de chegar as minhas mãos.Ele agora colocara as chaves da casa em seu apoiador e fora beber um copo de água.Como tinha feito o seguestro essa noi-
te acabava de chegar em casa.

"Vamos,venha querido!Meus braços o esperam".Ri novamente em deleite a isso,ele colocou o copo sobre a mesa e vira algumas notícias sobre a Talamasca que ao que soube ao
continuar dentro de sua mente já tinham usurpado mais da metade das requezas e reliqueas da Orden que estava sendo destruida pelo mundo.Agora sim ele levantou conforme
seu corpo pedia e sentou ai sofá vendo algumas notícias,passava os canais por controleremoto.

-Estas demorando meu querido..Mais terei paciência.

E tive,ele ficara lá muito tempo,passou mais de três horas assistindo enquanto eu deixava a raiva e ódio almentarem dentro de mim,ele se levantou e subia as escadas e me man-
tive a cama,sentado como um anjinho esperando.Ele destravou a porta,eu vi mesmo sobre todo o escuro a masaneta prateada rodar sobre a madeira bem polida,pernas cruzadas,
a sede bem forte.

Agora ele abrira a porta por completo,a luz ascesa e teve meu vislumbre quando sua visão me levou ao seus olhos,como meus cabelos claros cintilavam a luz,isso o asusstou tanto a
ponto de fazelo cair no chão sobre o tapete brando"Boa noite Sr.Emarion!Acho que vamos ter uma meiga conversa sobre o que fez hogê".Ele queria critar mais o segurei firme aos
braços já pálidos.

"O que quer comigo?Quem es tu?".Agora sim meu riso se alargara mostrando as pequenas presas,a linguá deslizando sobre meus dentes brancos por causa da vontade de matalo ao
meu modo."Deseja saber mesmo?Como es delicioso para mim,seras minhas refeição junto a minha vigança".O joguê sobre a cama,ele continuava a querer critar mais eu mantinha to-
da boca fechada com o peso de minhas mãos.

-Tirou a vida de uma pessoa!Sabes muito bem quem seu filho da mãe!A Orden de quem fez isso?

-Não quero dizer.

-Vai sim!E como vai!

O arastei pelos cabelos,me lembrava de Maharet ao fazer isso.Seu corpo corria pelo chão a tomba sobre a sala depóis que eu o larguêi novamente.Ele mal respirava diante da minha e
sagráda força e aspecto sobrenatural,deixei meu pé descer sobre seu torax lhe causando a dor suprema"Sente isso?É o que estou sentindo por ter tirado a vida dela!Uma vida que tive
que devolver filho da mãe!".Me descontrole quando o joguê sobre a parede.

O arastei novamente e forá a cozinha procurar uma faca,enquanto mexia nos talheres sobre a gaveta ele tentou vir para cima de mim ao se por de pé,meu chute apenas o fez voar bem
longê estatelendo no chão sem respirar"Não brinque comigo Emarion,sou Lestat e ninguêm ousa me ultrajar do modo que fez ao tirar a vida de Letícia a mando daqueles palermas que
a qual rio diante de sua decadência".Agora dava passos para que o fizesse cair novamente ao tentar se lenvar.

-Não faça nada comigo!Eles me obrigaram!

-Obrigaram!Boa justificativa!Sem redenção!

Por incrivel que pareça o coração dele séria meu!Há como me vangloriei ao enfiar toda a faca na cavidade,ele fora neutralizado por mim diante da dor.A lâmina descia e subia para to-
do corte sair perfeito e abri "Há que vislumbre maravilhoso querido!Realmente divino".Ele se mantinha vido apesar de estar aberto naquele corte sublime feito por mim.

Olhava firme o coração batendo forte e ele tentando respira "A vida e tão vangloriada quanto a morte Emarion,contemple a morte chegando lentamente".Parei olhando o orgão sempre
a bater,deixava a sede arder,arder até que passei a lâmina envolta as artérias o tirando lá de dentro,o segurava firme e adorava ver que Emarion ainda se mantinha vido.

"E forte,realmente forá tão frio e calculista".Ele sabia por que fázia isso,não falava apenas ia definhando,olhei minhas mãos sujas de sanguê e deixei as presas entraren naquele orgão a
qual segurava,solvia o sanguê devagar,colocara o coração já vázio sobre o colo dele.O puzei a mim em gesto de despedida "Quando chegar no inferno diga ao Buda que o destrua,o
Pai Das Almas e o novo purificador!".

-Infeliz.

-Adeus..Durma com os Demônios.

Agora sim me deliava com o banquete,me vangloriava pensando no**Infeliz** que ele disse mesmo quase sem forças,bebia e bebia friamente e todas as imagens do sofrimento que ele
provocou em Letícia me eram vistas.Chorava por isso,por causa de tudo que ela sofreu em suas mãos.Aos poucos ele pedia a vida por completo,num último ato de respiração e força a
suas mãos vieram minha nuca tentanto se soltar.

Quebrara sua cabeça por completo deixando o celebro exposto em raiva por isso "Olha seus modos!Me obriga a fazer isso?Morra como um Lord".Acabou,o larguêi no chão é enfiei todo o
coração de volta na cavidade.Lá me levantei passando as mãos no rosto e limpei todas suas gotas de sanguê.Colocara seu corpo sobre o sofá "Preciso de alcooll".

Sai vislubrando a onde téria alcool,téria que queimar a casa e encontrei um frasco sobre a estante da sala,derramava tudo sobre os comodos enormes "Queime no inferno!Não restara
nada do que teves em vida!".Ascendia as chamas com o Don Do Fogo ao esticas as mãos e tudo começava a arder.Sai dáli em correria até dar de frente a Rua.

-Há!Como e maravilhoso!

Dava para ver pelos vidros das janelas as chamas subirem forte.A casa ia sendo consumida e assim seu corpo por completo"Cheguê ao inferno e diga que eu não tenho mais salvação
querido Emarion!".Um crito supremo diante da minha loucura,como meus risos ecoaram tão maléficos.Dava voltas em dança sobre as calçadas por ter tido tal vislumbre.

Apóis isso senti a presença de David vindo por detráz de mim.Olhei ele friamente,ele sentia como agira.Via em meus olhos humanos que tinha acabado com a vida dele!Do responsavel
por ter tirado a vida de Letícia "Pena que não o pegamos a tempo querido".Ele beijava meu rosto,sentia meus soluços se choro quando grudei nele.

Suas mãos afagavam meus cabelos "Como sofro por isso,não sabes como me doeu ver isso acontecer".Respirava fundo entre lácrimas vermelhas,ele mantinha os carinhas firmes sobre
meus cabelos e os desprendeu "Eu sei que sim Lestat,entendo".Chegando a um beco muito iluminado fiquei alguns minutos chorando,ele esperava poder me acalmar.Não me acusou a
ter agido daquele modo.Vigança deslavada e impertulante na opiniçao dele.Disse que Carlos entrária em depressão,temia como ele se sentia pela falta da irmã.

"Nunca acaba,nunca irá ter fim".Uma pura verdade nua e crua enquanto me mantinha sobre seus braços áli,sentados a merce do nada sobre o beco.Chorei pela morte de Letícia naque-
le restante de tempo,chorava muito por ele ter ido para as trevas tão jovem,inocênte como rosa.Esperava algum sinal de Tompei,como ele a encontrária.Pensava muito nele e com isso
nos levantamos e saimos ao encontro de Carlos,nunca me sentia tão pessimo do dadas coisas.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 95

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 19:54:28

Averiquava como continuariamos nos pés da Talamasca,apesar do meu sofrimento quanto a situação de Carlos e Letícia tinhamos que manter todo vigor,esperava sim uma resposta de
Tompei.Apóis um vôo pequeno avistamos o Casarão de Carlos,saltamos no lado oposto do estabelecimento.Ele tinha dado a chave ao David já que simplesmente tinha saido para toda
a procura a irmã,sentando no imenso sofá mencionara que era muito infeliz de nossa parte a continuar mentindo para ele sobre ela.

"Não e justo velo sofrendo a toa!David fale a ele que ela estar vida!Mas em um lugar seguro para que não seja pega pela Orden".Não o fária,seu olhar foi tudo e assim esperamos nossa
noite terminar,vi que as mãos ainda estavam sujas de sanguê e forá lavalas,agora com todo tempo sentia meu corpo de adptar naquela procura cêlular.Não sentia a vontade de demaio
no poder das Libêlulas agindo sobre mim.

"Foi no inicio,agora não mais.Meu corpo produz o que elas pedem,mais por quê isso?".Sim,uma dúvida,porém téria que deixala de lado porque tinha coisas mais sérias a resolver ao
sentir como Tompei reagiria se mais um bebedor aparecesse a sua frente.Ele antériomente tinha matado vários quando foram a sua casa,e agora?Saberia ao se deparar com a Letícia
da onde ela tinha vinddo?"Ele e poderoso demais,se ele a odiasse jamais a meiga téria uma changê contra ele".Mãos desferidas em punho nessa raiva constante.

Lavava as mãos com o sabonete liquido,o perfume delicioso me vinha ao rosto me trazendo delirios.Enjuguêi as mãos na toalha ao lado e sai para me retirar ao meu sono.Quando acor-
dei na noite sequinte vi Carlos chegando do escritório,sentou ao lado de David na mesa para tentar analizar as questões,estava pálido,mal comeu durante o dia em que eu mesmo ti-
nha dormido tão bem devido ao masacre.

"Nem um sinal dela,sabem?Procurei o resto da madrugada toda Lestat e nem um mero sinal de Letícia".Estava com fome e mesmo assim não queria comer nada por que ia tomar banho
e sair a mais uma procura dela.David iria com ele,tive tanta pena de Carlos que podéria me atirar ao Sol por raiva de manter tudo escondido,mas séria nescessário.Ele subiu para o seu
quarto,lá iria se arrumar.

-David sentiu algum sinal de Tompei?

-Não Lestat,durante meu sono nem um espasmo sequer de vida dele para saber de Letícia o encontrou.Mas acho que ela conseguê sim,e inteligênte,sabes disso querido.

-Veremos,temo por toda ação dele ao vela.

Quando Carlos desceu David o balaçou pelos ombros tentando trazelo a si,ele estava tão e fraquinho que nem agia a nada,muito desvaneado sobre tudo,a falta da presença dela lhe ia
tirando toda energia.Tinha que manter a frieza por completa para só na hora certa dizer to- da verdade.Ele e David desapareceram na noite e me dei ao luxo de esticar as pernas sobre
a cama do quarto a qual adorava desde que estava lá..

Foi áli,naquele desvaneio que a mente altômaticamente se abril por que Tompei tinha vindo ao meu encontro,fechei os olhos fortemente com toda alma ao sentilo dentro de minha men-
te,ele tinha saido de imediato de sua mansão ao sentir o nascimento dela,sempre e assim:O Tompei sente um novo bebedor nascer e lá sai ao encontro para descidir se e justo ou não a
vida e pernacência do ser nas trevas.

'De quem ela cria Lestat?Muito jovem para estar conosco!'

"Há querido!Não sabes o que acontece áqui!Um inferno desde que a Talamasca forá pega ao mundo".Ele andava com ela pelas montanhas brasileiras,a tinha encontrado em méio a den-
sa mata tipica do pais,vi Letícia claramente ao pegar as mãos dele,tinha feito pouquissimos minutos do encontro dos dois nessa noite."Não a mate por favor,ficara sobre nossa custoda
Tompei".Ele estava puto da vida,queria me queimar por tal ousádia.

'Não lhe dou uma palavra diante disso!Toda Talamasca definhando e agora mais um filho a andar pela noite?'

"Mantenha sua indolê Tompei!Não deixe ninguêm tocala!Nem um fio de cabelos sequer!".Ele captou firme esses critos mentais,continuava a ver claramente os dois caminhando e ele foi
aos céus com ela nos braços,os vi subirem as nuvens,Tompei a segurava firme para voltar a mansão junto de Thalwa e demais a esperar por ele".Desapaceu em minha mente.

Por ele estar irado comigo e que iria querer me encher de pancada ao voltar,rezava que os presentes intercedesem por mim.Ao menos esperava como Thalwa reagiria.Me virei sobre o
travesseiro,tinha pego a mania de me perder em descaneios quando me deitava de bruços a apertar os travesseiros firmes.Meu coração ainda estava doendo diante de tudo.

"Tudo dara certo querida,tenha certesa disso".Pensava em Letícia,ao menos a segurança de Tompei era suprema,mesmo ele estando a ponto de me queimar,sentia novamente as celu-
las correm meu corpo e descerem toda sua extensão por completo,a pequena queima sobre a produção do que as almas desejavam era ineutralizavel.Do nada a sena do aborto de nos-
sa Sofia e o sangrámento de Letícia ao ter pego David daquele modo me tomaram.Todo um susto foi completo.

-Isso e pertubador!Deuses!!!

Quase critei áli sozinho,o vento trázia a mensagem firme,delirava sobre tudo que lenbrava sobre as suas.Tentava me manter firme para não me perder,o vento corria conforme todo
o poder tomava conta do meu corpo,as cindo almas queriam falar comigo,tão distates para fazelo,realmente seu poder e supremo,admitia isso ao me manter encostado contra todo o
espelho da cama apertando os travesseiros com toda força e a voz sendo houvida pelo todo vento quente.

'Um ser sangrára pela última vez e assim algo surgira,o último toque de vida vira desse ser'

"Parem!Me enloquecem com suas atitudes!O que querem de mim?".Rasquei o travesseiros em mil pedalos,as penas voaram no ar diante disso,elas tinha sumido me deixando sem a
resposta denitiva.Respirava forte e já sem forças nesse inicio de noite.Olhando o vermelho do sanguê que me vinha a mente algo me asusstou.

Como temia o que estava por vir,nunca temera tanto o poder das cinco almas como nesse momento aterrador.Agora realmente tinham meu respeito"Elas fizeram a Guerra Divina e
me ultrajam desse modo.O que querem de mim?".Sussurava isso ao me deitar depóis de desferir minha irça,as penas iam caindo ao chão delicadamente,todo branco mais que uma
perfeição,mente avida para que a Talamasca continuase a ser caçada pelo mundo."Um ser sangrára pela última vez;o que isso sighifica?Me deem uma resposta".Apaguê e só fui acor-
dado por David ao voltar.

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 96

Mensagem  Ana Nery em Ter 20 Jul - 20:00:16

O olhava incredulo quanto ao que tinha acontecido,ele me perguntava o porque tantas essas penas sobre o quarto,o queimava de cima a baixo sobre seu silêncio.David sabia que eu não
estava bem à algum tempo,por tais motivos jamais pensária em deixalo só;queria que ele a me olhar desse modo compreende-se tudo o que se passava comigo,tinha medo e citei tudo
o que as Libêlulas tinham me dito ao vento.

"Elas me disseram querido que alguêm sangrára e não sei o que isso sighifique".Seus abraços eram forte,citaram tambem que Tompei tinha pego nossa Letícia e que ao menos com a
sua presença ela estária segura "Sabes que ninguêm ousa por os dedos sobre ele".Todo seu beijo fatal forá desferido em mim,absorvia tudo que lhe citara áli sentado a cama pensativo
a querer mencionar tudo.Apertava firme sua nuca diante do sentimento envolvemente.

"Eu sei que sim Lestat;quero ir junto a ela,ótimo que ele a tenha encontrado".Deixei muito e claro que ele estava resolvatado para com nossa atitude,David deu de ombros achando que
Tompei nunca agiria dessa forma,mais sim.Ele captou minha mensagem quanto ao caso em que os vira pela mente.Só o tempo iria dizer o que acoteceria.

-Vamos com o tempo David,mas e Carlos?Cadê ele?

-Inconformado e sériamente ele acaba de receber uma carta da Talamasca.A última antes deles confirmarem a decadência.Ele está lá na sala com o envelope nas mãos esperando
você abrila querido.

-Compreendo,ele não tem a coragem,não e?Tão machucado que nem conseguê agir com
seus pensamentos.

Deixei meus olhos se encontrarem com a Lua que emanava da paissagem sobre as persianas da janela,Leticia me vinha a mente para que eu soubese que ela ainda vivia.Morta mas
vivia para o mundo.David me esperava me levantar,tomar forças e coragem para isso.Seu Carlos me esperava e assim iria ao seu encontro.Peguêi a escova e pentei meus cabelos a
desenlinhar cada fio presente,adorava a forma que o brilho aparecia por completo como a mágica de Odin.

"David o que se passa em sua cabeça ao ter mencionado o que as Libêlulas me falaram?".O gesto foi rápido,cruzou os braços em pensamento profundo para que ninguêm os lesse,nem
eu que sou seu mestre consigo tal requinte,todos sabem o porque:A ligação de sanguê bem intensa faz com que perdemos todo direito de ler os pensamentos de nossas crias.

"Lestat apenas peço para que tenha cuidado:Não deixo de ver a vida correr em teu corpo,os acontecimentos foram demais.".Sabia que sim,não tirava sua razão de geito nem um.Nossa
dor forá destruidora assim como os cosmos galacticos que correm no Univerno em que nos vivemos ao longos de milênios.Dava para houvir a música que Carlos tocada sobre o piano
que eu tanto amava.Ele e bom no que faz,admiti isso ao terminar de pentear meus cabelos e ir ao encontro dele.

O vi sentado sobre aquele banco e assim ele se levantou a me abraçar,tinha trocado de roupa para se sentir mais a vontade em casa:Usava uma camiseta negrá com calça carmim,os
cabelos amarrados para tráz junto ao sapato brilhante,sempre os olhos verdes chamativos a seu modo e encantos que nem ele sabia ter;deslizava as mãos em seu rosto,estava muito e
desgastato e apático perânte a situação de sua irmã que eu não ousava por dado momento mencionar a ele.

-Podes ler a Carta que eles mandaram para mim?Olha querido e que fomos ao meu escritório e simplesmente lá esse envelope em nome deles estava presente.Não tenho coragem de
ler,por isso peço que o faça por mim.

-Sei que sim,sente sobre o sofá com David que eu lerei para ti.

Arratei uma pequenina cadeira de madeira me sentando de frente aos dois que me olhava quietos e passivos,David não deixava Carlos sozinho em nem um momento,ele mesmo an-
ciava por disser tudo ao seu querido e quem sabe futuro púpilo:Garanto que me sentiria ao alto nivel de felizidade por isso,alias Carlos desde que o conhecia vinha demosntrando toda
a sua capazidade.

Deslizando a unha brilhante destacada o selo da Orden tirando a carta de dentro,queria poder matalos por isso,pela falta de coragem e sequer sentimentos.Me sentia feliz por eles ao
modo de nosso Carlos terem sido descartados do mundo da forma que aconteceu,porém as últimas palavras eles desejavam falar ao própio áli parado a minha frente.

Meus olhos passeavam pelas letraz celticas e devidamente escritas em portuguêm,tinham se dado ao luxo de simplesmente entrar em contato com Carlos de forma direta,o que me da-
da nauseas pela ousádia,meu sanguê fervia de tanto ódio e aos poucos as palavras foram a serem ditas a Carlos que conforme houvia se neutralizava por completo.Que David segura-
se firme suas mãos porque séria nescessário.


""Podemos ter sido aniquilados querido Carlos,porém realmente levamos junto algo que lhe forá tão espécia.Não bem matérial,não uma quantia finaceira para nos manter sobre
o mundo mesmo diante de nossa decadência.Admitimos a derrota plenamente porque se não o fizessemos estáriamos sendo arrogantes mesmo por detráz dessas grades negras
a qual nos jogou sem piedade.

Continue procurando por ela e nunca a encontrara,sabes que quem falamos,não preciso esconder como simplesmente tiramos a vida de Letícia sem piedade ou sequer sentimento
ao própio que cá nos ultrajou por completo.

Não a procure mais por que a essa altura já não deve restar nem um sinal de vida dela para contar a história de tudo o que sua pequena pessoa passou.Não,ela não sofreu,não
séria merecedora disso por causa de sua delicadeza.Descarte a hipotese de que ela estar vida,afinal a muito tempo aos nossos últimos comandos tudo lhe forá tirado.

Nos despedimos áqui querido Carlos,sinta-se vanglóriado por ter nos dado a honra de ter tirado toda vitálidade de vossa irmã.Deixamos abraços eternos a todos os momentos em
que vivera em sua vida sem a presença dela. Derrotados porém felizes por tal requinte de vida.

Assinado: Talamasca( Antiga Orden de Parapisicológia) ""

O golpe desferido de forma cruel,Carlos silênciou como gêlo,David tentava trazelo a si,mas não conseguil,ele apenas se levantou naquele silêncio supremo ainda neutralizado,tentamos
paralo diante de sua loucura que a cada momento ia almentando.O segurei firme sobre toda minha força.Ele queria chorar mais suportou toda dor que ardia em seu coração.Ao menos a
Orden tinha nos dado a change de esconder tudo por dado momento.

"Calma querido,sei que doi muito,mais muito mesmo Carlos,estamos áqui querido.Não iremos deixalo sozinho".Ele respirava fundo tentando tomar ar,David correu a cozinha para o
corpo de água de trázido,ele ainda não consiga tomar folego,estava quase desmaiando ao não respirar da forma que devéria fazer.Tremia tanto que estava sufocando em meus bra-
ços fortes.Começava a suar frio como toda neve sedora,afagava seus cavelos conforme os meus beijos ian caindo em seu rosto delicado como seda.

"Tome folego,precisa disso.Não se deixe cair querido Carlos".Assim David esperava Carlos pegar o copo de água,ele bebeu porém nem chegou a metade conforme a dor ardia.Muitos
foram os beijos de Sr.Talbot a ele que tentava se agarrar áquilo comos e fosse o último e sagrádo susspiro de vida.O Porshe dele estava a frente do casarão,isso sim me causou um
medo avasalador.

-Quero minhas chaves querido David,deixame sozinho para que eu possa voltar a mim.Preciso juntar os últimos pedaços de cacos que me restan na alma.

"Não faça nem uma loucura meu anjo,isso me magoaria muito.

-Me amas realmente da forma que diz a mim?E isso que preciso pensar neste momento.

-Sabes que sim,não irei citar mais nada Carlos,pense por si só.Deixo ao teu pensamento ao que vais decidir.

"Peguê minhas chaves e me deixa só".Foi conforme ele desejou,saiu pela porta e entrando no carro simplesmente deu partida para sumir na noite,compreendia seu sofrimento,toda a
sua perda de forças e o deixamos sozinho conforme desejava.Não veria apartir daquele e doce momento Carlos por uma semana.

Demorou muito a ele voltar então ao acordarmos e saindo de nosso esconderijo do casarão saimos nessa nova noite a procura dele "David espero que não tenha feito nada de errado".
Pensamentos tinindo ao andar nas Ruas longas,vestia nessa noite tudo negro,desde que os acontecimentos vieram a toda realmente tinha caido em trevas e juro pelo que demais belo
nesse mundo que temia por Carlos.A uma semana que ele não aparecia e realmente Davia a estar em pânico.

"Cometemos um erro em deixalo partir Lestat".Sim e Não,es a resposta para seus duros e pesados argumentos,foi com méia hora de caminhada longa e rápida ao modo sobrenatural
que avistamos o prédio da Ordem Arquiólogica.Quase não tinha ninguêm lá,já que todos iam entrando de folga.Subimos direto ao escritório de Carlos,soubemos por méios dos recepcio-
nistas que ele vinha trabalhando todo dia lá.

-Esperava por isso mais sei que ele não está em si.

David acatou esses meus pensamentos fortes,chegando ao andar olhamos a porta e lá dentro senti que podéria não ter ninguê.David antes de abrir a porta não o encontrava por seus
pensamentos antes de entrar.Isso o deixou em alerta para qualquer susspeita que podéria a ter conforme a loucura de Carlos falasse mais alto.

"Lestat abrá a porta por mim querido,não tenho coragem".As mãos destravaram toda masaneta para que assim tivessemos o vislumbre de Carlos caido ao chão.Não pude me conter
e parei ao seu lado.Vi seus pulsos cortados com vidro de taça quebrada "Suicidio,ele tentou contra sua própia vida David!".

Visionava a Taça quebrada em cima da sua mesa,passando os dedos por seu pescoço pude sentir que ele respirava firme,porém fraco,David o pegou nos braços para que o levasse de
volta para casa "Calma!Olha o estado dele David!Quase sem nem uma gota de sanguê".Os quardas que já tinham sido chamados por mim entravam correndo junto aos arrumadores
para limpar o escritório,muito sanguê derramado pelo chão.

"Para o casarão ou hospital querido Lestat?".Não pensei duas vezes! e saimos com ele para os carros que nos esperavam em prol de levalo para os cuidados "Não e a hora David,ainda
não o preparamos tão bem".Ele sentia essa verdade e lá entravamos na imensa limosine a correr pelas ruas paulistas ao primeito pronto-socorro que encontrassemos para ele tomar
todos os cuidados possíveis.

David o segurava firme em seu leito,Carlos respirava devagar,uma tentativa suicida que se não tivessemos chegado a tempo téria dado certo,toda noite estava fria devido ao clima de
neblima pela cidade,via pela janela a Lua opaca pelas nuvens,um brilho fraquinho como os pedaços de algodão.

-Lestat ele estar morrendo,quase não sinto seu coração.

"Sei que sim mas sobrevivera".Carlos era jovem,forte para morrer de forma tão axasperada nesse caso.A Limosine parou em frete ao imenso hispital,alguns médicos corriam tirando
ele de dentro da limosine,queriam estacar o sangrámento de imediato,não quiz jogar meu avido sanguê sobre os cortes de Carlos,afinal só na hora certa o fariamos.

Por tais motivos decidi levalo áli,ele era levado e simplesmente eu e David foramos neutralizados e indagados a não ir com ele.Sentamos em um corredor esperando,uma loucura ao
que me fez ter desejo de voltar para casa,todo tormento e doloroso queridos e sinceramente se soubese que tudo téria dado nisso eu téria ficado junto a todos na mansão de Tompei.

Foram horas pesadas até ver um dos médicos sairem pela porta branca,o chale claro para adornar seu corpo,ele nos fitava frio por que ao que lia em seus pensamentos Carlos vinha
descendo "David chame os quardas".Em pouco tempo eles apareceram,Carlos ficou puto da vida por o termos ajudado,nada mencionou quando entramos na limosine e pude ver seus
pulsos atados com atadura branquissima "Poderian ter me deixado morrer".


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 97

Mensagem  Ana Nery em Qua 21 Jul - 11:30:11

Chegava o momento,sentia isso no ar,em poucos dias provavelmente Carlos séria ultrajado para com o desejo de David,olhava as ataduras em seus pulsos tentando segurar todo meu
desejo,porém não queria que ele tivesse nem uma marca.As janelas da Limosine estavam bem trancadas para que o ar ficase bem frio como ele sempre gostada.Muito pálido para a
perda de sanguê.Podéria se não voltase a se alimentar direito desenvolver Pineumodia.

"Carlos vamos passar em um restaurante querito,precisa comer algo,já perdeu tanto de sua vitálidade que pode ficar anemico".Sim,porém ele virou o rosto olhando os prédios correrem
a paisana conforme a Limosine corria nas Ruas da cidade.Gráças que ele não tinha ido mais a fundo nos cortes,quase cortou uma artéria,menções dos médios conforme ele citava a nos
dois.

"Eu queria ter morrido,compreenden?Sabem de uma coisa?Nada do que tenho sighifica para mim sem a presença dela,tenho soudades de Letícia,morria sim para estar ao lado dela meu
David".Pronto,gelei como pedrá fria de marmore diante de suas palavras,quando chegamos em sua casa eu respirei aliado pela missão comprida.Planejava algo macabro para que ele
não tivesse nem uma marca nos pulsos.

Foi durante o méio da madrugada que entrei com David no quarto dele,Carlos tinha ido para seu dono desde que chegaramos.David conforme minha ordem tinha pego uma bandeja ao
colocar uma pinsa sobre ela,o vi entrar pela porta e a ponto sobre a escrivaninha esperando minha ação,deslizava as mãos sobre o rosto de Carlos que dormia como anjo negro,fiquei a
pura tránquilidade por que antes desse sono eu o forsei a comer algo.

-Calma Sr.Carlos,isso será um ultraje porém jamais deixária tal corpo ficar marcado por um momento de tormento.

"Lestat aja logo antes que ele acorde".Sussuros de David me impulsionando quando puxei o lençol que acolhia Carlos em seu sono delicado,ainda bem que ele sempre dorme de forma
pesada.Eu ao ver sua camisa desaboei ela por completo,o perfume dele me foi delicioso ao deslizar as mãos por seu abômen bem limpido e jovem.

"Agora sim realmente poderei tirar essa marca".Toda iluminação da Lua entrava firme,afinal conforme a noite corria o céu ia ficando limpido mostrando as estrelas cintilando sobre ele.O
meu tormento iria passar queridos,David me entregou a pinsa e a tesoura realmente limpas para jamais nosso querido Carlos pegar qualquer infecção generalizada,esse era o risco ao
ir cortando á atadura que encobria os cortes dos pulsos.

"Silêncio David,espere quieto e tudo dara certo".Vi perfeitamente apos remover essas ata- duras atormentadoras os pontos sobre seus pulsos,foi o soficiênte para com a pinsa ir tirar
todos eles,os pontos em que os médios tinham feito sobre os cortes,queria desmaiar ao ver eles se abrirem novamente e a deixar a sair algumas gotinhas de sanguê.

-David isso e doloroso,como doi velo assim..

-Eu sei que sim Lestat,faça-o rápido antes que ele acorder.

"Que sejá".Mero riso quando passei a cortante lámina em meus pulsos os fazendo abrir por completo,deixei o sanguê escorrer sobre os cortes dos pulsos de Carlos,o milagre acontecia
de forma mágica ao ver eles irem fechando por completo "Isso querido,continue dormindo e tudo dara certo".

Como tinha sido um descarado,um ingráto até dado momento.Só vendo toda essa loucura de Carlos e que comesei a respeitalo por completo,David quase estava a ponto de desmair
por que temia que Carlos acorda-se,se isso viesse a acontecer estáriamos a merce de todo seu calor queimante,é e claro fáriamos a festa antes da hora "Seu despresivel David,não o
acorde".Ele queria rir mais ainda enquanto deixava as gotas de sanguê cairem sobre todos os cortes.

"Termine logo isso querido e vamos a caça".Não em dado momento,confeço a vocês que ao citar pequeninos desejos os caláfrios me corriam imensamento pelo corpo,terminando reco-
lhi todo máterial e uma manta me foi entreguê por David para limpar meus pulsos sujos de vermelho,vi que a cicatrização tinha sido perfeita,o que me causou orgulho pela força de to-
do meu necta.

Humideci a manta com água e limpei todos os cantinhos dos pulsos de Carlos,sabia que fora uma inultilizade o ter levado aos médicos,porém forá nescerrário para ele jamais suspeitar
de nossa condição.Nesse momento sim tinha agido e de forma correta para não nos entregarmos.Terminando por completo o processo fechamos a porta,descemos para a cozinha a
quardar tudo apóis lavar.

-Serviço terminado querido.

-Lestat obrigada;me ajudas muito até tudo terminar.

-Eu sei que sim David,não précisa me falar mais nada,ok?

A sua impulsão foi forte ao me agarrar,me segurária em meu desejo,sentia que não podéria seder as tentações de David,todo meu corpo se aquecia enquando o beijava desejoso,mas o
afastei,ele sentiu que negária isso,meus gestos forám a resposta correta o fazendo ir para a sala me esperar,sequei as mãos humidas de água,os lençois de Carlos não tériam nem um
vestigio do meu sanguê,afinal apenas o sanguei o soficiênte para desferir sobre seus cortres nos pulsos.

Apenas estranharia e considerária milagré o acontecimento,por sua educação jamais viria a comentar conosco,evidênte que por isso passara a apreciar o menino gênio.Quando na sala
vira que David estava inconformado por eu negar seu feitige,me sentei na proltona tendo a total visão dele deitado sobre o sofá se deixando se perder nas luzes.

"Lestat me deixas tristes,queria poder ter a ti essa noite e me negas como um cachorro".As gargalhadas foram supremas,ele queimava de calor por dentro,mais meu corpo me dava as
respostas de que téria que me segurar,só no momento certo agiria,para ser claro mesmo ao ver David daquele modo nem tinha vontade de nada,isso o fez jogar as almofadas conta eu
que mais ria com a situação.

-Há!David essa noite ficará na seca..

-Filho da mãe...

-Sim querido e com muita honra.

Golpe desferido e queria passar a noite sozinho em meu quarto só meu,quanto tentei fechar a porta ele me segurou,apertava minhas mãos tremulo em seus pensamentos quanto toda
nossa condição,o deixei me acompanhar,séria um termino de noite só nosso,pessoalmente não deixaria ele descontar seus desejos em mim,apenas iria me esvair em deleite até fazer
ele enloquecer.

Juaviada dele ao houvir aqueles sussuros loucos me pedindo para ceder por completo,todos os beijos sobre aquela cama eram descomunais e trevorosos "Para de judiar Lestat,tenha o
vislumbre essa noite".Mas não!Ele sofria só se conformando com meus beijos,caricias que a meu modo o faziam extremecer.

"Há!David está carênte,pena que não possa fazer mais nada".O tapa foi feroz o fazendo ir a pleno culmino de raiva e sentimentalismo,sempre que tinha esses ataques nesse resto vinha
me queimar pedindo mais beijos queimantes.Tão carênte que me dava pena de não poder satisfazelo por completo,o deixei beber do meu avido necta primordial.

-Matas tua fome querido e simplesmente tenha para comigo esta noite.

Segurava seu rosto firme nessas menções,seus dedos desabotoavam minha camisa até que pode ter o vislumbre dos meus ombros,toda a mão deslizou até segurar firme a nuca,meus
fios de cabelos sentiam uma leve dor provocados pela força dele,as presas entraram sobre a garganta de forma dolorosa,forá esse o termino de noite que tivemos.

"Irei alimentalo,irei lhe dar um pouco de minha vitálidade,mates tua fome para que toda seu tormento morra em mim".David respirava fundo ao continua bebendo,sentia delirios quando
o sanguê lhe entrava na boca de forma queimante como fogo "Bebas até não lhe restar nem uma gota de sede,todo tormento passara".

Beijava o ombro,ele se mantinha firme enquanto se deliciava ao absorver os goles entrando em seu corpo,queimava como todas as chamas do inferno que agora Buda tomava conta,as
imagens de Louis e Thalwa novamente a mente,sorian para mim naquele momento em que a vida entrava no corpo de David "Sente como isto e forte,não e?Me desculpe querido por o
ter lhe trázido a força para meu lado,me desculpe por jamais ter visto o modo como o fiz".

Era delicioso sentia seus lábios estremecendo quando sentoa o gosto do sanguê,todo corpo realmente era tomado pelo desejo que téria que ser contido,meu,únicamente meu desde o
Ladrão.Pena que realmente téria que dividilo com mais alguêm,afagava seus cabelos quase negros enquanto ele se deliciava.

-Me deixa ficar áqui o resto da noite,preciso disso.

"Teras pleno direito".Passava os dedos em seus lábios levemente sujos do meu sanguê que aos poucos lhe matava a sede,ele novamente quando viu meus olhos humanos me pediu a
gentileza de arancar outros de um bebedor de sanguê "Isso me doi Lestat,mate um e tenha para você!Por quê fogês disso?Não sabes como me fazes triste com isso".

"Há!Mui dio meu David!Me pedes algo que me séria muito doloroso".Isso o fez queimar com sua tristeza,ele me confeçara que tinha soudades de sempre ter o velho vislumbre de todo
azul puro que um dia viu em meu olhar frio e tormentoso "Sabe?Era a única forma deu me lembrár do céu,não tenho mais isso".Beijava seus cabelos perfumados,sempre adorava a
fazer isso,ele adormeceu chorando em meus braços diante do tormento confeçado,nada ia fazer,queria ficar assim:Gruzado o resto da madrugada com meu David que conforme todos
essas noites passavam se corroia para não ultrajar ao seu desejado Carlos.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 98

Mensagem  Ana Nery em Qua 21 Jul - 11:35:33

Apóis isso se passou uma semana durissima entre eu e David,afinal realmente Carlos estava muito depremido com os acontecimentos.Eu e Sr.Talbot estavamos em uma bela caçada
quando senti que tinha que trocar meus olhos novamente(Ao menos dessa vez eles tinham durado muitos dias até dado momento) e me vanglóriei áli dentro da imensa mansão para
esperar que David me ajudase:A caça tinha sido perfeita e fitava pasmen o corpo da caça a jaser no chão.

Tratavase de um homem inglês que viera ao pais traficar bens não conhecidos pela nossa humanidade.David andava em volta do corpo tomando coragem para arancar seus olhos
e colocalos em mim.Estava sentado no chão porque realmente repudiava esse momento em que téria que fazelo,queria chorar mais fui contido pelos soluços.Me lembrava de todos
junto ao Tompei;vi David enfiar ao seu geito as unhas entre as orbitas,queria ir embota ao seus prantos por fazer isso.

"Sei que ódeia fazelo querido mais precido de vossa ajuda para suportar tudo isso que caiu sobre mim".Ele pediu silêncio quando se ajoelhou a minha frente a segurar os dois olhos nas
mãos.Estava queimando por dentro diante desse momento macabro.Vi que a cor dos novos olhos eram azuis,o que me satisfazia muito(Queria manter e mantenho até os dias atuais os
vislumbres da cor original dos que tive).

"Pronto Lestat,tome forças para fazelo".O segurei fime pelos braços quando ele deixou todos os seu dedos se moverem pelo meu rosto a chegar aos meus olhos desgastados;a unhas ia
entrando fundo como sempre acontecia e agora ele conseguia tirar por completo.Sempre as dores me corroiam por dentro,ele queria chorar,dava para ouvir os soluços dele querendo a
lhe correr a alma "David não chora!Assim fico sem ação!".Ouvia minhas palavras firmes ao som de aço que elas sempre tem.

Toda escuridão visional me envolvia por completo,sentia os seus dedos colocando com toda delizadeza possível os novos olhos que a carne sobrenatural ia ardonando com o sanguê no
mais profundo vinculo vampirico.Sem poucos segundos senti a visão voltar,passeava todos os vislumbres pela mansão da vitma e pude me levantar apoiado por David que jamais iria
se sentir pleno por minha descisão.

"Lestat eu ainda sofro por isso porém fico calado a respeitar tua vontade".Sori de um modo anormal emanando todo calor possível a ele,como estava belo com o sobretudo marrom e
o toque da calça couraçada negra,a blusa branca era vista por denaixo daquele sobretudo mais que magistral que eu lhe dera por esses dias passados,o toque dos cabelos amarrados
muito pleno com a luz emanando sobre os fios escuros.

-Te amo,sabia?Pena que não posso telo tão sedo querido David.

-Vamos embora Lestat;temos que ir ao encontro de Carlos é eu sei que ele anda aprotando algo contra os agentes da Talamasca que estão presos.Mesmo ele estando silêncioso nao ira
se conforma apenas em ter lido aquela carta por tuas palavras.

"Obrigada pela resposta já que não respondeu ao te amo que te disso".Os seus lábios viera a se alargar em prol se esconder seu sentimento por mim,ele sabia que me amava muito a
ponto de estar áli comigo e seu riso forá a sua resposta.Peguêi minha camisa de carmim da cor violeta escura,quase pró tom negro,a luz e que clareava a verdadeira cor,os botões em
cor branca realmente me fázia amar ainda mais aquele tecido.

"Agradeço por que jamais desejária sujar esse lindo tecido e cor com sanguê na caça".Mais uma ardonância em veêmencia a minha imortalidade.Vesti a camisa e saimos para nos en-
contrar com Carlos que nos esperava essa noite no escritório.Ele tinha nos pedido na noite antérios que assim que essa noite de inicioase fossemos a ele.

Assim séria,subimos aos céus para descer sobre o teto do seu prédio do Centro.Pegamos o andaime ao lado da descida pela escada e pudemos sair em passos rápidos ao andar para o
podermos velo.Parei a porta frio,pensativo quanto ao que ele iria fazer essa noite em nome de sua irmã "Ele vai se vingar de forma obsena David".Meu querido que estava ao meu lado
deixava seus pensamentos ecoarem firme pelos ventos.

O corredor estava iluminado de forma sinistra já que parte dele estava no escuro,Carlos nos atendeu nos mandando entrar.Ele voltou a escrever em seu Leptop a mesa anotando alguns
textos de suas novas descobertas arquiólogicas,seus pulsos não tinham nem um vestifio dos cortes ou sequer uma cicatriz(Gráças ao meu sanguê e claro que ele nem suspeita de que a
ação tinha sido minha).

Seus olhos verdes brilhavam pela noite tão doce nas estrelas infinitas,ele apóis terminar se levantou fechando o Leptop e forá a frente da imensa parade de vidro apreciar todos pré-
dios que davam para serem visto pela paisagem tão bela,usava blusa de cetim negra com botas escuras curtas e para finalizar a calça carmim realmente divina.Todo negro sempre
lhe cai bem(Isso eu admito).

Esperava sentado sobre a mesa ele falar,David sentia como ele séria tão frio o soficiênte a realmente para querer acabar com a vida do responzável que deu fim a vida de sua irmã.
Ria com isso,tudo na cabeça dele estava tramado como o fio de navalha,os braços cruzados enquanto pensanda silencioso como cobra "Eles me tiraram algo de mim que jamais podera
ter volta,compreenden?Quero acabar com a vida de cada um deles,em espécial a do liader que está preso na prisão espécial da cidade".

-Realmente se sente preparado para agir de tal forma Carlos?

Ele virouse a me fitar,caminhou até mim me abraçando forte,senti todo seu calor queimando para ter que me afastar,isso sempre me causa desejos,é e claro que nem sempre podemos
contrololados queridos ajos negros.A cor verde dos olhos mais que nunca se destacava em seu rosto delicado,ele apertava minhas mãos como num último pedido de ajuda.Me rendo a
sua vontade,realmente Carlos sempre sabe como domar uma pessoa ou qualquer ser que o interesse.

"Sim,tenho um último presentinho para eles Lestat e agirei essa noite mesmo enquanto esta sedo".Concordei e descemos ao bater a porta,quando no estaciomento do prédio entramos
na limosine que o esperava,o motorista particular fechou a porta e com isso deu partica para sair as Ruas de São Paulo.A cidade para mim forá maravilhosa de estar mesmo com todo
problema que passei com David.

As luzes da noite correndo pela estrada molhada pela chuva passageira recênte,Carlos com isso se mantinha quieto como uma arpia tenebrosa,forá áli entre seu sofrimento que ele nos
mostrou o presentinha básico "Há queridos me fazem felizes e quero que vejam isso".Véio a nos mostrar um pequenissimo frasco de vidro transparênte,a tampa erá preta e lá escrito as
palavras que me asustaram "Veneno de Escorpopião e Opio".Davir realmente se contaminou com a ousádia de Carlos.

"Como vai agir com isso?".Ele riu muito maléfico!Disse que Cristina já tinha armado tudo ao saber da morte de Letícia,a Limosine estava viajando para a prisão principal a qual o liader
e os agentes da Ex-Talamasca estavam presos no pais.Escondi o frasco entre o bolso para que ninguêm soubese disso.

-Muito maléfico Carlos,meus parabens.

-Me ajudas e estarei com vocês querido até o fim dos tempos.

Me asusstei com isso,pensei que ele tinha alguma susspeita do que realmente somos.Foi em silêncio que ficamos durante toda viagem.A Limosine parou em frente so Presisio tão imenso
a quem devéria acolher,ao motorista abrir a porta Cristian nos recebeu em abraços,sabia o que Carlos fária essa noite e saimos por um corredor segredo para não sermos vistos.

"Estaram seguros desde que se mantenham comigo".Estava correto,chegamos na cozinha a onde a comida dos presos era preparada,Carlos andava em volta da imensa mesa vendo os
pratos com comida feita "Quero saber em que lugar a comida deles esta".

Cristian asenou em direção a uma estante puxando Carlos com ele "Sr.Carlos mandei todos os cozinheiros separarem os pratos deles para facilidar ao senhor".Ri com isso mais tive que
me aquietar para que os dois agisem de forma rápida.Um preso carissimo que todos iriam a pagar pelo feito a Letícia,palavras de Carlos enquanto me pedia o fraquinho quardado comi-
go.


-Deixas comigo por que não quero que sujes tuas mãos com isso querido.

Meigo riso ao lado de David,fiz com que o frasco deslizade pelas minhas mãos o deslacrando,foram dez pratos forjados ao veneno que eu derramava em gotas imperceptiveis aos o-
lhos.Finalmente terminado vi as cozinheiras virem a levar o presentinho aos agentes da antiga Orden.Carlos realmente se virou em macia nos braços de Sr.Talbot,o beijo entre eles
foi queimante como uma droga injetavel.Cristian que forá im grande amigo de Carlos via isso como uma conquista dele,realmente ao ver em seus pensamentos dava para sentir a
sua felizidade ao amigo.

"Vamos!Não podemos mais ficar áqui".Forá em segundos que chegamos a Limosine sendo escoltados pelo Policial,Carlos entrou ao lado de David de mãos dadas,chocante para todos
que viessem a sena,uma sena que ia me deixando gráto por tudo.Foi ai que Cristian antes de fechar a porta mencionou algo que me deixou pasmen "Sr.Carlos?Felizidades para com
o destino que anda de mãos dadas a ti:Créio que seja um destino que não ves com teus e imaculados olhos".O nosso motorista deu partida saindo pelo portão,tomamos as Ruas de
volta a casa e isso não me saia da mente.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 99

Mensagem  Ana Nery em Qua 21 Jul - 11:42:18

Queria chorar diante daquelas palavras fortes de Cristian que sem querer hávia adivinhado que a hora de Carlos tinha chegado.Enquanto a Limosine corria rápida entre as estradas o
meu pensamento ao Carlos ecoava firme,David realmente soube como me passar toda a mensagem só pelo seu olhar brilhoso,ri com isso ao passar meu olhar para Carlos que es-
tava distraido com a visão dos prédios a andar pelas janelas do veiculo enquanto ele corria forte e silencioso pela cidade.,assim deixei meus dedos deslizarem ao botão para fechar a
escotilha que separava a cabine do motorista da nossa,a barra negra subiu lacrando nosso pequenino comodo que a limosine nos dava.

"Obrigada Lestat".Palavras de David Talbot me queimando por dentro,cruzei as pernas para por as mãos sobre meu rosto,meus braços estavam curvador sobre a base da jenela,Carlos
não entêndeu por que tinhamos desejo por privacidade.Minha voz saiu doce como pena,ele se questionava o por que háviamos feito isso "Não ves o teu destino?O que ele preparou ao
teu encontro querido anjinho?".Seus gestos foram delicados para com minhas palavras,seu rosto se enubreseu de tanto medo diante de minha obscuridade,David estava sentado junto
a ele na base oposta.

"Quando tudo terminar poderas entender ou provavelmente se queimar meu Carlos".Fiz um gesto para que David tirase seu sobretudo,senti que por tudo estar lacrádo ninguêm nos iria
houvir,quando o sobretudo estava nas minhas mãos abotoei seus botões querendo chorar,o fechava delicadamente e dobrava a peça com tanto carinho que me doia na alma.Carlos aos
poucos fez com que um crito quizesse sair dele,mas foi contigo pelas mãos de David.

Meus dedos enquanto observada deslizavam sobre o meigo tecido do sobretudo devidamente posto aos meus braços,iria apreciar tudo,a forma como meu David tinha esperado tanto tempo
por isso.Uma vez ou outra meus dedinhos delicados iam aos olhos esperando.Todo o seu desejo podéria acontecer"Terminou Carlos,pode realizar tudo o que eu esperava ao longo desses anos".

Menções infinitas diante do momento,Carlos não agia e nem podia falar algo,apenas todo o seu olhar emanava furia por estar sendo preso daquela forma pelos braços de David,sim!O
golpe foi fatal,ele tentava se desgrudar das garras de David,foi assim até se sentir cansado e gráças que não sabia de nada.Seu corpo fora encostado contra todo o banco da Limosine
que viajava a nos levar ao Casarão de Carlos.

Cansado e fatigado naquela pequena briga com Sr.Talbot acabou!David deixou com que as presas entrasem na carne tenta da garganta de Carlos,ele bebia delirante como as chamas
do sagrádo fogo,tudo nele queimava por dentro e mesmo assim,diante daquela absorção de vida Carlos deixava as mãos fechadas em punhos baterem em Sr.Talbot.Ele suava com a
perda de sanguê,estava queimando mesmo diante da raiva dentro de si de pura paixão pelo ato.

Algo silencioso vindo de dentro dele,David deixou com que os dedos possem a desabotoar a sua camisa negra,abril ela por completo ao terminar de destravar os pequenos botões,teve
total asceso ao corpo dele,Carlos estava muito fraco,as gotas da mordida caiam sobre seus ombros desnudos por David ter tirado sua camisa,agora forá tomado por completo entre os
seus sonhos já que ele tinha desmaiado com a plena perda do sagrádo necta.

"Como esperei por isso meu anjo supremo".David deixou essas palavras virem ao deslizar as mãos pela nunca de Carlos,ele apertava firme os fios dos cabelos do seu querido,queria
morrer por ele ter desmaiado diante do pequeno drinck "Não suportarei estar sem voces,eu não suportarei ir embora sem você meu Carlos".

-Tome ele para ti David Talbot,um presente que eu permito que o tenhas.

Ele não me respondeu mais captou a mensagem;novamente apertando forte os cabelos de Carlos que estava soltos a cair em suas mãos deixou as presas entrarem novamente sobre
a garganta dele,voltava a beber e como sentiu a vontade de chorar falar mais alto,beijava o rosto dele,todos os cantinhos em que queria desferir seus doces beijos ele fazia.

Isso fez com que o menino acorda-se,mesmo cambaleante e quase sem vida sori quando os seus olhos puramente verdes se abriram a olhar meu David tremendo de medo,tanto medo
ao fazer áquilo que não conseguil falar nada ao seu Carlos que nem conseguia mexer todo o corpo que jasia nos braços de Sr.Talbot,tomando um último folego naquela redenção pode a
seu sutil modo falar,nem que morresse por isso o fária.

-Está me matando,tomando toda minha vida e não sei quem você realmente e.

-Há querido,saberas mas ao chegar em casa,mais tenho quase a certeza de que já tem uma suspeita,agora durma,sonhe com teus últimos suspiros de vida em meus braços porque ao
chegar em casa terminarei o processo.

-Há sim Sr.Talbot!Continue me queimando com esse sentimento que posso me render com toda alma!Continue e simplesmente fára de mim em mil pedaços.

"Estes são os meus planos desde que lhe vi Sr.Carlos".Chamava a ele novamente de senhor e foi o último golpe ao sentir o abraço de Carlos o envolver,a última finalização quando suas
presas entraram novamente na garganta de seu querido Carlos,como o menino se queimava de paixão,amor,tudo o que um ser podéria ter,me vangloriava com os sutis beijos que ia
dando nos ombros de David enquanto ele bebia tudo o que lhe entrava na boca.

Eu realmente neste momento vi que um imortal pode amar,e algo que nos torna plenos,toda a malicia daquele ato me queimava desse sentimento por que passei a amar os dois em su-
ma ingladade.Na fraqueza,na morte e no seu último susspiro de vida nos braços de David o Carlos teve a força para averiquar bem o seu olhar,os dedos passeavam tremulos pela face
de Sr.Talbot absorvendo tudo o que presenciara,deixou aquele beijo sair forte,tão forte que foi como voltase a estar vivo,porém agora a vida lhe fora por completo ao fechar os olhos e
se esvair nos braços de David.

"Queimaras nas trevas comigo,pode beber querido anjo sem asas,beber até nada restas de mim".David ia ser atrapalhado diante do ato,não estava ciênte de como devéria fazer,porém
Carlos séria dele!Somente dele e meu e de mais ninguêm nesse mundo!Fodanse quem queira odiar por ele ter vindo para nossos braços!Pouco me importa por que nos dois o amamos
até esse dia e continuamos a amalo!

Tive que pegar meu pequenino estilete de lâmina afiada e cortar os pulsos de David por que ele tremia tanto de fazer o Truque Negro de forma errada que nem conseguia morder todos
os pulsos,isso sim forá supremo ao ver o sanguê sair e cair junto a boca de Carlos que nem sentia ele entrar,fora tão sugado por meu David que realmente se deparava entre a linha da
vida e da morte.

A pequenina presão foi o gesto para que a queimação do sanguê lhe tomando fizesse ele vir a tona com todo vigor,isso com três minutos de total atenção,se David desse um passo er-
rado Carlos não podéria suportar,esse fora o erro dele:David tinha bebido demais,mais eu tinha a certeza de que tudo ia dar certo.Olhava os dois grudados naquela troca de sanguê
multua,ficaram durante todo resto da volta para casa bebendo um do outro,mesmo sem os caninos terem se transformado Carlos conseguia beber a vontade por David ter feito todo o
ascesso ao necta precisioso.

-Beba sem piedade querido;nem uma gentileza perânte sua vontade.

Carlos totalmente envolvido pelos braços dele,ria com isso,bebia cada comento como se eu estivesse absorvendo sanguê.As forças de Carlos iam voltando aos poucos,gradualmente a
sua malicia,sempre as mãos de David a afagar seus cabelos enquanto sempre Carlos vinha a beber,quando o menino sentiu a fisgada das presas a mordida forá forte fazendo com que
o Sr.Talbot fosse aos céus ao delirio"Sera que realmente me ama para ficar ao meu lado?"

Carlos que estava silenciado até dado momento parou de beber,focalizou seus olhos sobre o seu criador,mesmo exasperado forá conclusivo ao responder em seu modo cortes "Sabes a
resposta querido David,na verdade não consigo sentir raiva de ti como demonstro as vezes" Tão meigo,delicado,um sublime banquete de supremacia a qual meu David tinha enloqueci-
do de paixão.

"Há!Sim;sintome feliz por tuas palavras".Em sua indolê Carlos voltou a se esvair para beber mais,precisava abosorver as forças e essas palavras de David o deixaram convicto do que
o esperava.A morte humana começava,isso foi o que me intristeceu "Não deixas de sentir a força,não te esqueças de que jamais podera voltar atráz Carlos".

"Eu sei que sim Lestat;não te preucupas com isso".Meras palavras sussuradas enquanto ia bebendo mais e mais,pena que não podéria trocas pensamentos com seu criador,tive que
me conformar com isso.Ele se deixou dormir até a Limosine parar,dormil nos braços dele para sentir o último toque humano.

-David tireo dái!Iremos limpalo devido a sua morte...

O pequeno tapa no rosto que lhe dera sobre o rosto tinha sido o soficênte para fazelo ter a força para lenvatar-se e sair conosco.Destravei a porta da limosine dando passagem para
que ele e David saissem,despachei o motorista que corria para voltar ao prédio.Entrando na casa podemos lhe dar banho,limpalo em todos os cantos do corpo que morria a deixar toda
sua vida desaparecer.

Lhe entregamos uma toalha com ele ainda dentro do banheiro,tomei coragem ao velo sentar na proltona da sala de ascender a luz,pude ver de forma mais clara a total transformação a
lhe contaminar,de modo descarado passava para ele todas as informações vitais que todo o filho da noite tem que ter.

Estava enrolado naquela toalha pelpuda,sedosa que lhe mantinha intacto,me sentei sobre o sofá a apreciar cada detalhe:Falo áqui diante de todos que fiquei puto da vida por ele,sobre
uma forma supreendente ter nascido mais forte que David para as trevas.Era esse o questionamento que me passava pela cabeça.

"Está ai algo que Marius me fala querido Carlos: O Ardil age de forma diferênte em cada um de nos".David vinha descendo com roupas limpas,ele tinha queimado as outras que tinham
ardonado o Senhor a nossa frente.Carlos ia se vestindo ao modo sobrenatural,como ele ia aprendendo rapido,isso e o que me dava muito orgulho.

-Bom sinal,vejo que não te asombras com o sanguê.

"Não,por quê me sentiria asombrado?".Bela camiseta branca,calça jeans escuras e a mesma bota curta negra,ele andava a pentear os cabelos castanhos que secavam,todo o brilho que
o sanguê negro dá saia nos fios para estrasalhar a qualquer um que lhe viesse a cair acima de suas garras.

Começara a sentir uma presença no ar,realmente alguêm nos viera nos pegar,ri com toda a desgraça;me puz de pé vendo Carlos jogar a escova de lado,fuzilava David enquanto pedia
algo inesperado,conforme ia lhe fornecendo as informações de sua nova condição sua mente agia forte "Querido não vais me deixar sozinho,não e?".A resposta de Sr.Talbot forá um
ultraje naquele beijo inesperado.

"Passame alcool,esse liquido precioso".Fiquei passado!Carlos me avisara por pensamento como iria queimar seu casarão tão belo!Critei com ele em mil ventos!Como minha voz saia
alta para todos ouvire.Ele passou seu olhar para mim de forma direta não escodendo toda a verdade "Não posso ficar áqui!Iriam vir atraz de mim e vou fazelo".

David a sua moda já andava pela casa a derramar vários frascos de alcool,por todos comodos ele passava em prol de queimar tudo!Carlos me empurrava com toda força para fora e
continuava a sentir a forte presença.Vi David sair para se juntar a nos dois,as chamas iam tomando toda casa que eu tanto tinha amado estar áli "Pena querido!Pena que faças isso".

"Lestat isso nada sighifica para mim,quero ver minha irmã,sei que por sua alma ela deve estar viva".Tiro certeiro!Ouvia as exploções dos vidros estourando com as chamas toman-
do a casa,tivemos que nos atirar ao chão com todo calor e foi ai que vi dois imortais virem a aparecer ao nosso encontro.

-Thalwa!Tompei!

Senti o toque da minha rainha sobre meu rosto antes deu apagar,ela sentira tudo o que eu aprontei na cidade,me segurava nos braços,como o toque era sedoso,seu rostinho pairando
ao meu olhar,um riso belo como pena de querubrin.Deu para ver naquela última visão que ela vestia um belissimo vestido vermelho de pura lãn e seda,me abraçava tão firme para
ter a certeza de que estava lá.

"Meu querido Lestat;iras para casa meu anjo supremo.Tua dor acabou".Esse foi meu último susspiro antes de jaser em seus braços.Apenas senti que ela me entregou ao Tompei que
alsava vôo comigo nos braços,os sonhos que tive nessa volta foram tenebrosos.Não senti o passar do tempo nessa viagem sobre os céus até finalmente acordar no quarto de nosso
Tompei.Abri os olhos ainda sem forças,senti que todos estavam na imensa sala,tentava ao meu modo sentir de Carlos tinha vindo conosco e sim:A sua presença erá muito forte e na
sua supremasia Xinhua abril a porta sentindo que estava acordado.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gelo De Sangue-Cap 100

Mensagem  Ana Nery em Qua 21 Jul - 11:47:09

Logo no corredor ela teve que me segurar forte,ainda me sentia balado por tudo que tinha enfrantado na cidade,a casa de Carlos feitas em mil pedaços de cinzas perânte nosso tão
louco genusidio.Quando na sala vi que Thalwa me esperava para disser que era louco,um depravado,tudo isso ela esfregava em minha face por causa dos acontecimentos em que
a vida de duas pessoas tinham sido tiradas.Não me contive diante de toda sua queima de vida e a beijava como nunca.Soudades se sentir todo gosto de seus lábios.

"Como tive soudades querida,como sofri longê de ti".Disse que podéria me mandar para o inferno,mais e dai?Enquanto beijava Thalwa minhas forças voltavam,fazia carinho aos
longos fios dos densos cabelos negros e lisos caindo as costas.Não queria deixala soltar de mim,chocara como um desgrenhado ao estar com ela novamente.Tanta dor que eu
jamais esperava sentir.Sua voz me pedia calma,muita calma.

"Lestat se continuares assim terei que lhe aplicar algum corretivo".Que fosse!Que ela me fizesse em mil pedaços mais morreia feliz.Louis sentiu meu acordar e o vi passar pelo o
imenso corredor ao meu encontro,os cabelos longos e negros junto ao toque andulado a me queimar por dentro,ele sim e o que esperava ter em meus braços:O doce perfume a
tocar sua pele me foi queimante,toda roupa negra mais que o toque que eu esperada ao aplicar-lhe beijos na boca tenra.

-Foram me pegar!Que tivessem deixado queimar lá.

-Cala-te Lestat,já quase colocou a cidade de São Paulo abaixo e quer mais?Cala-te!

Palavras de Tompei ao parar no pé da escada a me fitar com aqueles olhos cor de mel,ele a seu modo sim queria me queimar,me dar uma surra mais fui feliz.O abrasei forte pela totai
e plena ousádia de ter ido me pegar "Dado como morto,facilmente Carlos sera dado como o morto pelo inséncio,ele agora esta com sua irmã".

Sabia que sim,fiquei pleno pela notícia e me voltei a Sofia que mal se conformava diante do pedido de desculpas,virou as costas e saiu com Xinhua as montanhas.Agora que me sentia
mais revigorado o Tompei me deu uma serissima notícia "Tenho um presente para você e espero que goste:Para ti e Thalwa".

"Prepararam algo para nos?".Thalwa soril por que sabia do que se tratava,Tompei me puxou pelas mãos poderosas e saimos ao lado postérios da mansão "Querido Lestat eu de forma e
segredo mandei ardonarem esse quarto para você e Thalwa,qualquer um que venha para a sua companhia ao estares áqui.Espero que goste".Meus olhos esbugalharam ao ele abrir to-
da porta de madeira negra,destravou a masaneta prata e lá a visão dos Eliseos para mim.

Um lugar só meu!Plenamente meu!Andava pelo imenso quarto tentando ver se isso era uma realidade:A imensa cama com lençois brancos e detalhes em vermelho me foram feitiço da
alma;a imensa mesa a frente forjada na madeira lusitana para me fazer cair para traz sobre os braços de Thalwa;sem falar que a varanda imensa se sobresia a frente da mansão com a
visão das colinas e cidade abaixo.Os lutres pequeninos ao teto iluminando tudo!

"Que presente!Tompei se quiz me matar conseguil!".Ele mesmo providênciou um Leptop para mim que lá na mesa estava a minha espera.Os mandei sair por que precisava tomar um
ótimo banho me deliciando áli.Quase morto!Porém vivo!Tirava as peças de roupas para meu calor ir embora,focalizava em todos os detalhes e me sentia revigorado apóis tudo.

"Apóis e:Acabamos com a Talamasca e mais dois filhos da noite vieram para nos".Menções a serem ditas sozinho,risinho de lado para me esvair ao deitar sobre a cama com os braços
para tráz,pensei silenciado por alguns minutos antes do meu banho.Fechei meus olhos para ficar namorando meu quarto.

-Todo tempo passa e assim corremos com a força dos edens.

Ouvi uma batida na porta;Louis queria entrar e me pus de pé para atender a sua presença que queimava como vento.Ele queria conversa sozinho comigo,não iria mencionar nada do
que tinhamos aprontado na cidade,tudo o que vira na Tv forá o soficênte.Seus dedos para me tocar ao modo frio que sempre teve.

A porta fora fechada por ele e pelo seu olhar queria me pedir desculpas pessoalmente para a ousádia que tivessera em minha alséncia:Muito vermelho como maça,esperei com meus
braços cruzados,sabia que o anjinho tinha aprontado mil loucuras com Thalwa,sei geitinho cortes me dizia isso e vinha me pedir desculpas,isso foi para rir por demais..

-Sai dáqui vai,me enche com tua imensa paciência.

-Poxa!Lestat eu..Eu....

-Eu o que Sr.Du Lac?

"Tive medo,compreende?De que não saisse vivo de lá".Que meigo!Mesmo envergonhado ele confeçava que temia por mim,isso foi o golpe maravilhoso que esperava,silenciei o deixando
ir para ao encontro dos outros,não queria saber de mais ninguê,queria ficar sozinho e fora a meu banho.Quando dentro do banheiro tirei as roupas,entrei naquela água aquecida para o
perfume de rosas me tomar por completo.

"Acabou;finalmente acabou esse sofrimento".Ria com isso enquanto anciava por aquela densa água correr pelo meu corpo,as cêlulas a procura de prozir o que o corpo mandava agiam
forte.Pena que tinha medo,as almas realmente tinham me ultrajado de forma suprema.Não ousei mencionar isso a Thalwa ao acordar.Na verdade tinha fechado toda minha mente para
que ninguêm a lesse.

"Há querida!Meus queridos estou em casa;me sinto pleno como nunca".Limpava todo rosto a realmenteme sentir limpo por completo,de algum modo quando sai do banho não pude ver a
presença de todos,passei a tolhava em volta de meu corpo e sai a procura da escova.Todos os destinos quando são traçados jamais se desgrudan.

Olhando pela varanda vi como o céu estava maghifico essa noite,parei sobe o corrimão ao sentir o vento,fechei os olhos absorvendo tudo isso,me enchendo com todo ar.Respirava a
nova virtude "Amar de forma completa,nunca tinha aprendido isso meus queridos".Pensava em todos eles:Thalwa,Louis e meu David,agora e claro nossa Letícia que finalmente tinha se
unido ao irmão.Pena que ainda não a tinha visto.

Quando me virei senti o própio poder vindo de todos os cantos,Thalwa de forma fastamagorica tinha entrado no quarto a me esperar,seu risinho malicioso forá a gota dágua para eu
não agir "O que fazes áqui?Por quê me procuras?".Há como ela me e querida,como minha Thalwa e suprema como larva de fulção e até mesmo o necta da vida.

-Não sabes como esperei sua volta Lestat;me matas perânte a tua loucura moleque.

-Falas a verdade má chére?Realmente me amas do modo que falas?

"Sabes que sim;es meu querido e imaculado que trouxe para mim".Quiz chorar quando ela deslizou seus dedos sobre meu rosto,uma voz poderosa como a mulher que e.Todos foram
a caça,realmente ao modo Tompei essa noite acontecia um genusidio na cidade,todos eles saberiam se cuidar.Como me perdia nos beijos dela,de forma completa e absoluta pude me
render em seus braços apóis dias de reclusão.

"Te amo muito Thalwa,muito mesmo minha rainha.Imaculada pessoa que me deu um forte motivo de viver,algo que não sentia a séculos".Ela sabia que sim,todo seu olhar cinza foi a
resposta completa,brilhoso como a vida jasendo nela,seus dedos parados sobre meu rosto em averiguação de estava bem,sentiu que sim.

-Tem medo do poder Lestat e quero que o deixe de lado!Por isso estou áqui!Me mantenho a tua frente para tirar todos os teus medos demônio.Meu perfeito demônio.

Pronto!Me matatou por completo ao meu render em seus braços,ela e forte,me acolhia por completo naqueles beijos maciços que acoteciam entre nos "Saiba que nunca amarei outra
como você,es única para mim!Minha e imaculada Thalwa:Es absolutamente única".Não iria ser frio com ela neste momento,tirava toda seu vestido de forma sedoda,amora,realmente
com total amor.

Seguro,me sentia seguro em seus braços enquanto nos rendiamos aquela paixão destruidora que nos semore sentimos,em pouquissimos minutos jasiamos naquela cama como dois
loucos a fazer amor de forma suprema,ela fora muito vigorosa,jamais parava de beijar os lábios sedoros,deixava a boca deslizar por seus seios delicados.

"Minha virtude,tornou-se uma das minhas únicas virtudes de estar nessa Terra".Viemência a deixar minha redenção vir por completo,ela apertava meus ombros e costas sempre com a
força,deixava a cabeça pender para tráz naquele extaser infeliz.Todos os espamos de todo o nosso orgasmo vinham para nos levar a auto-destruição.

Forá nessa canelização de redenção que ela sobrepos seu corpo contra mim,se curvara para manter os movimentos leves,gostosos para jamais se machucar,seu rosto se encostara con-
tra o meu,estava ofegante enquanto deixava todos os tenros beijos aconteceram.A envolvia passando as mãos pela sua fina cintura,sentia todo vigor do seu corpo queimante.

Os braços se estivaram a frente dos meus ombros,os beijava para que todo seu perfume se impreghase em mim,seus delicados dedos postos sobre minha boca a pedir muitos beijos ao
seu corpo,algo que fária depóis,o unisitado por acontecer,arruinado na alma,no corpo e para passar aquele tempo com ela me séria tudo.

"Nunca sáia mais de perto de mim se não ai posso matalo".Menção mencionada ao passar a mão por meu abdômen,continuavamos naquela união plena,pude me esticar por sima dela a
encostar sua cabeça sobre os travesseiros sedosos,os cabelos realmente humidos quanto ao suor que lhe sair sobre o corpo de tantos orgasmos.

-Tenha comigo essa noite meu demônio.Sempre seras meu.

"Tenha a certeza que sim".Diante disso sua face virou de lado em constante delirio,fora ai a um modo inesperado que neutralizei por completo.Tinha chegado a tal ponto de prazer que
quase quiz cair sobre aquela colina em que a mansão de Tompei e feita.Para ser claro algo forá expulso de meu corpo para estar dentro dela.Meu coração parou,apagara em seu leito
jasendo de casaço.

As últimas vições que tive foram para nunca mais voltar a mim,só senti suas mãos aranharem minhas costas nessa entrada de sono "Acorda!Mantenha-se em si Lestat!O que há com
você?Lestat acorda!!!".Seus critos foram destruidores querendo me trazer de volta,queria chorar por sentir que apagária por completo.

"Querido não faças isso comigo,fiquei ao meu lado!Não perca tuas forças".Envão!Jamais eu voltária a acordar durante o resto daquela noite tenebrosa que passara com ela.Me perdia
em sonhos obscuros,sonhos em que realmente me tomavam por completo.Me sentia um infeliz perdido naqueles sonos por nossa noite ter terminado assim.

Forá envolto no som das trevas em que passara recolhido sobre meu quarto.Todo silêncio naqueles sonhos para me trazer de volta.Algo me mantinha assim:De modo netralizado e
supremo.Conseguia ao menos por imangens mentais ver Thalwa tomando banho enquanto tinha me deixado a paisana naquela cama domindo,adoro minha mente por isso.Vi como a
dor lhe consumia no corpo delicado sobre aquele momento.Ela tremia em todos os fios das suas cêlulas.

'Não vou perecêr,jamais pereço por que eu sou Thalwa:Aquela que o própio universo forjou com sua força'.

Foram as últimas palavras que ouvi naquele infinito de sonhos e mente,a última imagen a ver dela foi a de que sua presença desaparecera por completo.Só com o inicio da outra e
louca noite e que forá acordado por David e Carlos que estavam desesperados.Ainda envolto no lençol tive que caminhar a imensa sala,ouvia Tompei e Sofia descorteados para
não compreenderem o que tinha acontecido ao voltarem.

Procurava sentir a presença de Thalwa e Louis mais não véio.Estava a ponto de chegar a loucura,Leticia tinha entrado pelo portão naquelas preses desnorteadas em prantos pela
a alséia dos dois "Eles desapareceram!Lestat não os encontro".Tentava captar as tudo o que ela me dizia,vestia negro para ultrajar a sua pele.Estava aflita por não conseguia o
contado com os dois.

-Calma má chere!Calma.

Tompei que estava desvencilhando o quarto encontrou algo inrreal para me trazer,mesmo o seu poder não encontrava Thalwa de geito nem um é eu áli jasendo despido envolto a um e
sedoso lençol brando olhando o que jasia em suas mãos "O que e isso?Tompei o que e isso?Pode me exclarecer".Palavras ditas entre dentes,ele não entêndia nada,absolutamente nada
lhe passava na cabeça,apenas de sentia chateado por não ter mais a presença de Louis ou Thalwa.


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ***Gelo De Sangue***(3° Conto)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum