***Pecado Negro*** (6° Conto)

Página 3 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ir em baixo

Pecado Negro- Cap 50

Mensagem  Ana Nery em Seg 21 Jun - 9:54:49

***Continuando***

Conforme eu movia os dedos,ia fazendo com que,todas as funções do Leptop
fossem ativadas,isso nem o David,ou Carlos,tinha feito muito bem.Enquanto o
meu pensamento vagueava pela mente,começava á me dar conta de que,algo
começava a pairar no ar.O tempo começava a passar,Carlos e David tinham se
deitado na cama.Esperavam que,eu terminasse.

"Vai demorar um pouco,só isso,tenham calma".Surrava essas palavras uma vez,
ou outra diante de seus pequenos chamos,não ia sair dáli enquanto tudo estis-
se nos conformes.Entrava rápidamente em todos os sites possívesl para procu-
rar dowlonds de mais programas espéciais para contrução de textos,aplicação
de nuanse de imagens,várias afinidades.

"Isso tudo me deixa com meus olhos ardendo...Será que,Letícia vai demorar?Eu
não sei por onde continuar".É,não sabia mesmo!Conforme continuava,percebia a
minha falta de coordenação de pensamento.David,deixou as velas nos castiçais
em cima da mesa acesas,apagou as luzes para que,eu pudesse relaxar enquanto
continuava.

"Obrigada,estava precisando disso David".Meus pensamentos enquanto,tudo isso
eram feitos,não se deixavam parar de imaginar como Letícia,tinha ficado bela no
vestido em tom vermelho-escuro,detalhadamente esses detalhes vieram a mente.
O que,estava acontecendo comigo?Será que,eu estava me perdendo?Lamentei o
fato tão real.

Tive que,pausar meus dedos acima do teclado,fechei meus olhos deixando a cabe-
cabeça pender para trás:A silhueta delicada de Letícia,me foi vista,as pernas finas
porém fortes,me vieram em todos os detalhes."O geito como a seda corre todo seu
corpo,é como pecado...Seda vermelha-escura,deixando com que,os seios tão delica-
dos e pequenos,possam ser delineados".Há,isso me doeu na alma.

É,realmente tinha sido a seda,a seda que,tinha vestido o corpo de Letícia,antes dela
sair.Tive que,me envolver nesse delírio,porque pensei que,tivesse me enganado,agora
eu tive a certeza de toda essa realidade.Voltei as atividades,não podia deixar de con-
tinuar o trabalho lento no Lepto.

"Está no fim,é depois disso,eu tenho que,sair atrás de Letícia".Voltei meu olhar para o
David,deitado nos braços de Carlos,os dois que,mantinham toda paciência possível ao
meu trabalho tão delicado."Obrigada por esperarem,isso me deixa muito feliz".Todos os
dois não deixaram de sorrir,conclúindo todos os detalhes,tive que,passar meu olhar ao
relógio.

-Filha da mãe! 03:00 da madrugada,não pensei que,todo esse tempo tinha se passado!

-Calma Lestat,vai sair a procura de Letícia?Vai pegá-la?"

"Mais é claro que,sim.Deixe comigo David,não vou demorar muito".Me levantei fechando
o Leptop ao desligar,David e Carlos estavam super tranquilos deitados naquela cama de-
liciosa.Sai pelo corredor aos deixar os dois sozinhos,iriam descansar,então desejei jamais
atrapalhar qualquer coisa entre eles.

Saindo pelo jardim,sai as ruas perfumadas de Nova Orleans,sabia que,Letícia podia estar
no cemitério Lafayatte,caminhei direto para lá,ao dar a volta na sua central da cidade,á
cidade estava quase vazia,tinha poucas pessoas nas ruas,isso me deixou mais a vontade.
Confeço que,não deixei de cantar conforme deixava minhas mãos se acolherem no bolso
das calças.

"Isso é encantador,sinto que,uma energia poderosa emana pela cidade,mesmo assim,como
eu ainda sinto soudades de Thalwa,como essa mulher me queima á alma!".Tinha dito isso
de modo tão alto,é tão natural que,algumas pessoas não deixaram de parar para poder vê
quem tinha dito isso.

"Desculpem,não era minha intenção".Tive toda essa cordialidade para fazê-lo,assenti com o
último aceno,entrando em um beco,subi aos céus da cidade,começava a passar o pente fino
tentando descobrir aonde Letícia poderia estar."Princesinha,aonde está você?Sinto tua pre-
sença,porém não sei em qual lugar".Tive que,descer no prêdio mais próximo.

Estava na cobertura quando tive lapsos de suas imagens mentais.Isso me deixou arrepiado,á
Letícia não estava nada bem,imagens do cemitério Lafayetre me vinham como avalanche aos
meus pensamentos."Por todos os deuses!O que,isso significa?".Imediatamente já me encontra-
nos céus de Nova Orleans,prêdios,é mais prêdios eram vistos por mim.

Não demorou muito para que,eu encontrasse o cemitério Lafayette,saltei logo de encontro a
um túmulo.Passeava meu olhar sinuosamente pelos cantos obscuros do lugar,o canto vindo
das cigarras me era ouvido."Letícia!Dê qualquer sinal de vida,qualquer um!".Meu grito tinha i-
do aos céus devido a altura.Ouvi densos barulhos dos fundos do cemitério.

Saltei de cima do túmulo andando rápidamente,eram dolorosos gemidos,isso me deixou muito
receoso,tive certeza que,Letícia estava nos fundos,tive total visão dela ao chão,passando,á
esqueda de uma densa arvore."Letícia?Está ai mon petit?Digame algo,qualquer coisa".Jamais
imaginei que,apenas uma simples caçada,viesse á terminar desse modo cruel.

Quando as luzes das ruas,entraram pelos portões do cemitério Lafayette,Letícia foi vista por
completo.Levei as mãos ao peito devido a dor da sena:Letícia,tinha sido ataco por algo,algo
que,até dado momento não podia saber,mais entrando firme em seus pensamentos,tive todas
as imagens possíveis passadas por ela."Me ajude á levantar Lestat,preciso de ajuda,o infeliz
veio atrás de mim,tinha saido da casa aonde tinha atacado,fez isso comigo".

Não respondi nada!A raiva corria em minhas veias de tal forma que,até pensei em sair atrás
dele."Esqueça!Não pode fazer nada,sabe que,não vai adiantar de nada sair atrás dele!Isso é
o que,ele quer,esqueça!".Foram gritos aterradores vindo dela,o vestido estava totalmente re-
talhado,vi que,sobre os ombros delas,existiam marcas de golpes profundos.

"É forte,mais não tão forte como imaginamos".Risinhos maléficos vieram de sua boca,deixei
as mãos se estenderem aos seus ombros machucados,ela mancava ao andar,sofria para po-
der respirar."Deixe que,eu possa levar você para casa".Ouve movimentos vultuosos da parte
dela,isso me fez reaver minha atitude.

Pedi que,ela sentasse em cima de um dos túmulos próximos,eu tinha que,terminar aquele pro-
cesso doloroso,ainda sofria para suportar,em ter que,presenciar uma coisa dessas.Tirava seu
vestido o jogando de lado,estava destruido,simplesmente não tinha mais nem uma utilidade pa-
ra ela.Lamentei ter que,fazê-lo,mais a necessidade tinha falado além do imaginado.

"Fez bem...Não pense que,não fez bem,mais foi útil ter bebido de teu sangue moleque".Pude
vê todo esse agradescimento em seus olhos,seus dedos se moviam em seus lábios sedosos,o
denso golpe no ombro tinha sido cruel,dava graças por ela,ter conseguido se defender bem.
"Terminou todo o processo de arquivos em meu Leptop?".A mandei calar-se,isso tinha deixado
meus ouvidos atenuados.

"Esqueça isso!Precisamos ir embora dáqui,está nesse estado,é ainda por cima se preocupa
com outras coisas!?".Foi nesse indagar de olhar que,senti o quanto Letícia pode ser muito
persuasiva,porém justa.A beijei no rosto,ainda estava tremendo de medo."Vamos embora,á
tua pessoa têm que,sair dáqui".Á abraçava forte,ela segurava o vestido na mão.Quando se
agarrou a mim,foi o momento de alçar voo para casa.

Não demorou nem cinco minutos,é já descíamos no jardim da casa,David é Carlos tinha me
esperado esse tempo todo,quando viram o estado de Letícia,entraram em pânico,não que,
o feito tivesse sido cruel,mais o golpe fatal para desencadear uma guerra."Filho da mãe!Eu
posso ir atrás dele!E só pedir,deixa eu ir atrás dele!'.

"É apenas nuanse de acontecimento Carlos! Não pense que,foi fácil,porque não foi!Como tu
achas que,eu me sentiria se acontecesse algo com você?".Isso foi como golpe para ele,tive
atitude de mandar David entrar a procura de água,enquanto isso,Letícia e Carlos estava no
começo de uma densa discussão.

"Acha isso mesmo!?Repense em tuas palavras,achas justo que,tenham feito isso com você?
Es cabeça dura demais!Sempre á Letícia enloquecida!".Apartei os dois,mandei Letícia ir para
os fundos do jardim,Carlos se sentou sobre o vão da entrada da casa,ainda esperavamos á
chegada de David,por eu ter tirado seu vestido,ela só se encontrava de calcinha,despida pe-
lo infeliz ter rasgado suas vestes.

Conforme,ouve uma espera,ela se calmava,mesmo assim,não trocava uma palavra sequer,o
Carlos tentava argumentar,mais ela só fazia se silenciar.Ao menos compreendia essa atitude.
Vi pelos seus pensamentos que,se ela tivesse falado mais além do que,tinha acontecido,seu
irmão ia cometer uma loucura na cidade,achei justo da parte dela,mais só lamentei pelo seu
irmão envolto naquele momento.

Letícia,tinha sido violentada pelo infeliz covardemente,violentada como uma boneca em suas
mãos,me sentei ao chão ao seu lado,estendi meus braços por detrás de seus ombros,tive os
pensamentos bloqueados,ela não desejava chorar,só estar em casa,sem que,ninguém viesse
á saber disso."Cale sua boca Lestat,se falar algo,juro que,nunca mais vai por seus olhos em
mim...Eu sumo se falar qualquer coisa".

Uma confissão descabida,mais forte o bastante para eu engolir em seco,quando David apare-
ceu ao vão da entrada da casa,trazia uma garrafa de água limpa,se aproximando deixou-se ti-
rar a calcinha de Letícia,os ferimentos eram profundos,vários emanatomas apareciam em seus
braços,pernas,joelhos.

"Mon petit,deixe com que,David possa resolver isso,lhe possa limpar esses ferimentos".O modo
como ela,voltou seu olhar a ele,o fez se afastar imediatamente,ele soube que,se tentasse iria
ser queimado,foi nesse momento que,senti preocupação por tê-la tornado tão forte:Letícia,ao
meu vê,tinha adquirido um temperamento tão explosivo,quanto o meu,se perdesse o controle,o
David podia sofrer as consequencias.

"Mon petit,não faça isso com o tadinho do David,ele quer,apenas ajudar".Despejava água sobre
os ferimentos,ela estava toda despida,me parecia porcelana quebrada ao chão,isso me deixou o
lamento inesperado,indejado.Ouviamos os gemidos do choro de David,Carlos estava revoltado,os
seus olhares eram de pavor,mais medo por tudo.

Conforme despejava a água por seus ferimentos,pude vê como eles começavam a fechar.
Foi como esperado:Boa resistência corporal,eu mesmo fazia isso choroso,ela se envolveu
em uma espécie de silencio,quando terminei de limpar seu corpo por completo,estava per-
feito,a não ser pelos ferimentos que,fechavam rapidamente.

Jogando o vestido feito em pedaços,entramos.Carlos e David,vieram atrás tentando reaver
a situação,mesmo assim,tiveram que,ficar na sala,sentaram ao sofá em berros.Sai pelo cor-
rdor com Letícia,entrando em seu quarto,ela só se fez deitar enrolada nos lençois macios,o
seu corpo só precisava de um retiro de sono,é por fim,estaria intacto.

Vendo a poltrona junto a parede,me sentei tendo toda visão de sua pessoa,as cortinas osci-
lavam pelo vento entrando pelas densas jenelas,só velas iluminavam o quarto,David tinha fei-
to bem em ter colocado esses requintes no quarto,o tic-tac do relógio era ouvido.Passando o
olhar para a paisagem da jenela,pude vê o céu estrelado,a lua estava cheia,cantos de cigar-
ras eram ouvidos.

"Ah,tem força para suportar isso mom petiti,violentada,é mesmo assim,consegue fazer jus aos
teus amados".Levei os dedos da mão-direita ao queixo,fiquei a devagar por sua pessoa dormin-
do na cama,me senti orgulhoso por ter limpado os ferimentos tão bem,perfeitamente bem,mais
o sentimento de vingança estava presente,oculto,mais presente a ponto de ser moral.Apenas
me deixei analizar a questão,cerrei meus punhos em pensamentos."Novamente faz jus a toda á
perseguição,até quando,isso vai durar?".Essa foi uma pergunta feita a mim mesmo,passei a es-
perar o momento,em que poria meus olhos no infeliz,em toda raça dela.Ah,sim,desejo de vinga-
ça,comprimido,mais sendo cultivado dentro de mim".
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 51

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:46:19

***Continuando***

Foi diante desse requinte de momento que,começava toda preparação em prol
do que,podia vir á acontecer,meus pensamentos se mantinham fechados,ainda
tentava captar os motivos do por que,ele tinha feito isso com Letícia,por que o
filho da mãe tinha tornado real,tal atitude.Desejava que,David pudesse vir para
o quarto,tentar organizar tudo,fazer com que,meus pensamentos entrassem na
mais perfeita ordem.Será que,realmente existia um motivo para isso?

"Sei que,enquanto dorme,se sente castigada por algo,como se a sua pessoa es-
tivesse ciente disso tudo".Só o pequeno lamento me foi ouvido,capaz de fazer o
mundi girar como em uma,estatua de marmore.A presença de David,pairava pela
casa toda,infelizmente á minha pessoa ansiava pela sua vinda.

"Sei que,não vai gostar,compreendo que,em todos os sentidos,vossa pessoa não
deseja isso".Exatamente como tinha pensado:Letícia,tinha agido de tal modo para
que,jamais sentissem pena ou qualquer tipo de ardor para com,sua pessoa.Eu,se
tivesse passado pelo mesmo,téria sentido á mesma coisa.Mais por,ela ser uma mu-
lher,era de se esperar que,ainda se sentisse desgastada por isso.

Letícia,continuava deitada na cama,dormia em silêncio tentando se recuperar do
trauma.Toda existência é sofrida,e digo que,essa realidade não escapa de nossa
realidade insana.Me levantei devagar tentando não fazer nem um ruido.Com isso,
eu tentei esticar o lençol sobre ela,de forma completa,já que,em algumas partes
não se podia vê.

Foi o que,eu fiz,mesmo assim,o tom esverdeado me deixava em transe,pensava o
que,deviamos esperar de tudo isso,Letícia diante de tudo,era inocênte,sempre me
pareceria uma menininha inocênte que,tinha acabado de passar pela pior provação
que,possa imaginar.Enquanto,continuava arrumando o lençol sobre seu corpo,meu
modo de analizar as coisas,tinha ficado apurado.

Não,conseguia imaginar uma batida naquele momento,tinha sido David.O vi entrar
passando pelo lado oposto da cama.Estavamos separados pela densa cama aonde
Letícia,continuava descansando.Ele,tinha trazido um recipiente com água limpa,ele
sabia que,quando ela acordasse deveria terminar de limpar os ferimentos que,pelo
visto,estavam terminando de fechar.

"Ele,soube como machucar seu corpo,mais não de forma tão branda para lhe fazer
jase,nesse estado por muito tempo".Ouve um risinho amargo de sua parte,David foi
a janela tentando respirar,imediatamente tive que,ir ao seu encontro,soube na hora
o quanto,David estava se sentindo ultrajado por isso.

O vento batia em seus cabelos soltos,os fios oscilavam delicadamente como toda
uma brisa.Deixou-se olhar para o cordão com pingente que,eu estava usando claro
que,não iria tirar por mada nesse mundo,ele sabia,é sempre soube,desde o momento
que,olhou para á joia,o quanto ela significa para mim.

-Como devo me sentir diante do acontecimento Lestat?O filho da mãe teve total cora-
gem para fazer tal estupro,não pense que,eu não sei,porque eu,sei.Só lamento por ela,
é você,terem feito silêncio quanto,á esse acontecimento insana.

-É,isso o preocupa? O deixa tão ressentido David?

-Claramente que,sim!Como me sentiria se,a raça do infeliz,fosse forte o bastante para
fazer um filho em Letícia?Já imaginou isso!?Somos inferteis Lestat!Mais quanto á isso,á
minha pessoa tem total ciência de que,estamos diante de outra raça de imortais,ainda
não sabemos nada sobre eles!

"Não tiro sua razão David,jamais,mesmo assim,peço para que,se mantenha frio.Não vou
lhe negar que,ela realmente foi estrupada,violentada.Isso logo apois sua chegada ao ce-
mitério Lafayette...Tenhamos paciência,diante disso,tenho que,ter paciência".Mesmo eu
tendo coragem de ter falado desse geito,as palavras de David,tinham me deixado pensa-
tivo.Olhei para a mesa aonde o Leptop estava,só nesse instante me depare com o recipi-
ente de água com o pano limpo ao lado.

"Pode ser que,esteja certo,pode ser que,realmente á raça dele possa estar a procura de
uma fêmea,quem sabe,correto?Ainda preciso sair a procura de informações.Não se se sua
pessoa está,certa ou não,em pensar assim,mais não tiro sua razão por tais motivos".David
delicadamente deixou-se cerrar seus punhos,ainda sentia a pontada de ódio.

Voltando seus olhos á cama,viu que,Letícia durante esse devagar de conversa,tinha
ouvido tudo,mesmo a gente tendo conversado em palavras,ela tinha ouvido.Estava
despida ainda,fiquei desnorteado por ela ter acordado,ido para aquele canto,sem se-
quer fazer um barulho.Quando ele,se apróximou,levei o recipiente é panos limpos,ela
ainda odiava ter que fazer isso.

"Deixe com que,David possa limpar os ferimetos,eles estão terminando de fechar,não
continue agindo desse modo Letícia".Seus olhos azulados vieram ao encontro do meu
olhar,ela deixava com que,as mãos continuassem pousadas sobre seus seios tão pe-
quenos."Não vai demorar,sabe disso".Tive que,me sentar ao chão,estiquei as mãos pa-
ra analizar os ferimentos nos ombros.

Iria fazer toda uma analize.Apartir desse instante,meus olhos passeavam sinuosamente
pelos detalhes dos ferimentos:As unhas do infeliz tinham entrado fime na carne,David á
meu comando,já começava a limpar,fazendo com que,a carne fechasse mais rápidamen-
te.Gemidos foram ouvidos dos lábios de Letícia,a pequena dor muscular a deixava muito
irritada.

David,estendeu um manto sobre o chão,ele mesmo tinha trazido,pena que,só vi esse de-
talhe nesse momento insano.Esticando as mãos a ela,fez com que,Letícia se deitasse pa-
ra ele terminar de limpar seu corpo.Eu,me mantive sentado ao chão,encostado a parede.
Os dedos delicados de David seguravam firme o pano,pelo estado dela,dava para vê que,
o maldito tinha deixado sua semente,várias vezes dentro do delicado corpo de Letícia,eu
ainda me sentia em transe por isso.

Meus olhos se arquearam conforme David,terminava o processo,ao fim,apenas desferiu as
gotas de sangue fresco em cima dos ferimentos.Isso foi o bastante para fecharem,Letícia
se sentou a beira da cama.Eu,diante desse momento,já não precisava saber de mais nada:
O maldito que,da qual,ainda não sabia seu nome,era fertiu.Eu não soube como a raça dele,
conseguia esse feito,mais eles podiam serm ferteis,ao contrário de nós!

Há,certas coisas em que,não se deve pensar muito para saber,essa foi uma dessas coisas.
Carlos,entrou trazendo vestido de lã,isso a deixaria bastante fresca,aliviada.Mesmo com es-
se momento sendo tranquilo,diante disso,desse pensamento aterrador,me enchia de medo.A
Letícia esperava,ela mesma,não deixou de se vestir em gestos rápidos.

"Acho que,não precisa ter medo Lestat,espero que,tire esses pensamentos de tua mente".O
seu olhar tinha sido amedrontador,em todos os sentidos amargurantes.Mais antes dela termi-
nar de se vestir,tive a ousadia de segurar suas mãos,foquei meu olhar em seus seios,tentei
vê se estavam inchados,quaqlquer coisa!

"Não me importa,se esses seios ficarem inchados,me chame,assim terei toda certeza de
que,o maldito pode ter feito vida em você,não me importa".Ela,não deixou de desferir os
tapas em minha cara!David,tentava apartar a briga,Carlos que,durante esse tempo esta-
va apenas observando,teve que segurar Letícia.

"Infeliz!Maldito!Acha mesmo que,um filho da mãe como aquele,mesmo tendo ejaculado
dentro de mi,várias vezes,pode fazer isso!?Pare se ser insensato Lestat!Tuas palavras
me deixam desgastada".Isso tinha me deixado pensativo,meus dedos estavam curvados
em cima de meu rosto,os tapas tinham doido.

"É para tua proteção!Mais nada!Não sabemos ainda o que,eles são!Muito menos como á
raça deles,consegue ser fertil desse modo!Compreende o risco disso?Não me importa!Ele
deixou sua semente várias vezes,dentro de você...Isso me causa preocupação,mesmo á
nossa raça,sendo seca como é,não sabemos do que,a raça deles é capaz".Carlos,ainda
lutava para segurá-la,David entrou em estado de perplexidade.

"Letícia,por sair querida,depois falamos com você,tentaremos conversar".David,agia com
uma paciência imensa,maior do que,esperava.Letícia,tinha ficado tão revoltada que,quan-
do vestiu sua calcinha por debaixo do vestido,terminou de arrumar a faixa atada a cintu-
ra do vestido de lá-violeta,ao sair,não deixoud e bater a porta.

Carlos,voltando seu olhar a gente,não deixou de comentar,seus olhos estava cheios de
medo,um medo imenso."Acha mesmo que,esse seja o propósito deles?O de fazer deseja-
rem mais alguém de sua espécie?".Me sentei observando seu estado,ele tremia,isso fez
até David,segurá-lo pelos ombros,tentando interromper esse ciclo de pavor.

"Querido,deixe esse pensamento de lado,não cultive esse tipo de pensamento".Diante do
momento,deixei minha fala sair,não deixaria de ser claro com ele."Carlos,saiba que,todo o
mundo,aonde vivemos,é imenso,somos imortais tão secos,quanto o tempo,mesmo assim,á
realidade fala de outros seres ainda desconhecidos".Ele,assentiu tentando entender isso!
A sua mente fervia de nervosismo,é sede por apreender.

"Continue Lestat,por favor,continue".Muito pensativo,mais com uma mente fervente que,ia
captando todos os detalhes de minhas palavras."É,outros seres ainda desconhecidos,seres
que,ainda devem ser estudados,seres que,podem ser feteis,ou não...Eu apenas tenho medo
disso,dos modos,gestos,atos que,esses seres podem realizar".Ele,se sentou ao meu lado,iria
captar bem,á mensagem,era aptor a essa realidade.

"Hum...Você os conhece?".Tinha sussurrado essa pergunta,esticando os braços a frente,eu
não deixei de conclúir."Não querido,não os conheço,mais as vezes,eu não deixo de sentir á
presença desses seres desconhecidos...Já citei isso inumeras vezes nos meus contos,sabe
disso".Essa pequena explicação o deixou pensativo,porém tranquilo o bastante para poder
sair.David,o seguiu pelo corredor,os dois tentariam mais uma conversa com Letícia,mais eu
garantia que,isso não resolveria em nada."E,seres ainda para serem descobertos,issom provo-
ca medo".Sussurrei essas palavras,é por fim sai pelo corredor atrás deles.

***Continua****

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 52

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:47:45

***Continuando***

Conforme chegamos a sala,pude perceber novamente a sensação de espionagem.
O que,tinha me deixado puto da vida!Letícia,me foi vista saindo do jardim para os
braços de David,ele á agarrou conforme pode perceber seus prantos,Carlos ainda
tentava captar a situação.Sensação de espionagem!Exatamente como vinha sen-
tindo a tanto tempo!Deixe essa situação com Carlos e David,eles que,subiram ao
quarto de cima com Letícia.

Apenas,vislumbrei seu vestido de lã oscilar,enquanto ela subia,o tom violeta,quase
a ser lilás era encantado.Voltando meu olhar para o lado de fora,senti o espasmo,a
ardua sensação de espionagem altamente presente.Saindo pelo gramado do jardim,
tive a plena visão do infeliz,vi que,ele estava do lado oposto da Rua,por isso todo o
espanto de Letícia.

Fiquei na troca de olhares com ele.Conforme os carros passavam a sua frente,todos
os fios de seus dendos cabelos ruivos rebatiam ao vento,tão lisos é densos que,com
á queda aos ombros,caiam como ondas de água,os olhos amendoados em tom casta-
nho-mel,cintilavam de longe,estava de braços cruzados,usava calça jeans perfeita a
se ajustar aos contornos se suas longas pernas,botas pesadas,blusa branca de teci-
do de linho.

Sai pelo portão,me senti aliviado por David,Carlos é Letícia,estarem no quarto,pensei
que,ele iria atravessar á rua parapoder vir ao meu encontro.Mais não foi o que ele,fez.
Saiu andando pelas densas calçadas devagar,se passava por humano fácilmente,só a
orelha pontura,era o recado de raça diferente,orelhas delicadissimas,mais pontudas á
chegar ao topo.

Conforme,ele ia andando,quis seguir seus passos,atravessei as ruas delicadamente,eu
tentava acompanhar seu ritmo de passadas,ele se voltou á mim,deixou-se analizar to-
do meu olhar."Acha que,vai aparecer do nada,é ficar em branco?Não querido,apenas á
minha pessoa está bastante furiosa por tal ato".Ele,se deixou encostar na parede das
muradas a nossa volta,carros passavam pela rua á frente.

"Lamento Lestat,pena que,ainda não saiba de nada,mais granto que,Thalwa não vai vi-
ver por muito tempo,exatamente como teu filho".Infeliz!Tinha dito algo,insano para mim.
Quando tentei segurá-lo,não consigo descrever como ele,saltou as muradas,realmente
uma força plena,mesmo não podendo correr em vultos,como sombras,como a gente faz,
ele tinha habilidades de força plena!

"É,como se uma fera queimasse dentro dele!Isso é aterrador!".Me deixei saltar a murada
também,o seguia em passos vultuosos,como se sombras estivessem em meu encalço,ele
ainda parava uma vez ou outra,sem que,eu tentava atacar,conseguia me segurar como
se eu,fosse uma pena,um nada!

Rolei várias vezes com ele,sobre a grama,mesmo assim,não conseguia manter o ritmo da
luta insana."Quem pensa que,é Lestat?Um mero filhote da noite,tentado bater em alguém
com poder feroz?Está brincando comigo!?".Ele,me preendia ao chão,o peso de seus pés
começavam a quebrar os ossos de meu torax,eu golpeava várias vezes seus tornozelos.

Quando,me soltei,estava ofegante!Meus pulmões sofriam para arfar,tomar ar!Ele,olhava as
nuanses de meu olhar."Esse é o olhar de Lunnes,de toda sua raça!".Tentei revida novamen-
te,mesmo assim,ele se esquivou facilmente,seus cabelos rebatiam na cintura,fios vermelhos
caiam aos seus ombros tão rigidos.

"Digame teu nome!Tenho esse direito infeliz!Se realmente,tua semente germinar dentro de
Letícia,não responderei por mim!".Ele,me deixava sem controle!Sem ação!Puramente cheio
de ódio!.Segurando minhas mãos,na altura dos pulsos,tinha chegado o momento de ouvir.
Sua fala saiu rápida,ecoava ao vento.

"Hyargra,pode me chamar de Hyargra...Restam poucos seres de minha raça Lestat,eu não
poderia deixar essa change passar,não é?Verá por si,só lamento por termos que,chegar á
esse nível de converva".Iinfelizidade,ele me largou ao chão,como se eu fosse um boneco!
Me senti desvastado por te sido tão fraco.

"Esse é teu nome!?Estão me tirando á paciência,por quais motivos atacam a meus próximos?
Por quais motivos perseguem a minha raça!?".Ele,começava a rir,ria como se nada disso lhe
importasse,analizava delicadamente meu olhar."Vai chegar o momento,preciso ir,é se deseja
saber qualquer informação de nossa parte,pode nos chamar de 'seres bestiais'...Uma forma
bem próxima,ao que,pensava,não é?".

Odiava a forma malévola como ele estava sorrindo,consegui me levantar na base de sofrimen-
to,gemidos ácidos saiam de meus lábios."Dharytha,virá atrás de você,quando o vê,ai sim deve
termer a tua vida".Tinha virado as costas,percebendo que,ele queria ir embora,tive que,atacar
novamente,tentei segurá-lo firme por detrás.

"Não vai não!Depois de fazer isso,não vai mesmo!".Ele,se virou me chutando no ar,me chutou
com tal força que,meu corpo foi jogado ao ar!Batendo contra a murada! "Vá embora,se quer
viver,vá embora". 'Seres Bestiais',essas palavras nunca mais sairam de minha mente,quando o
meu olhar focou a frente,vi que,ele já não estava mais lá.

"Letícia!Letícia!".Sai gritando do local,pulando a murada,atravessando á rua,entrei pelo jardim
chamando por ela,eu continuava chamando enloquecido,quando falo enloquecido,é por que,é
loucura própriamente dita!David,desceu a escada correndo,ele tinha captado tudo mentalmen-
te,quando me viu no vão da sala,não deixou de me questionar.

"Isso é loucura Lestat! Tenho medo,puramente medo pelo que vi!".Ela,tinha captado cada nuan-
se,detalhe por detalhe!Depois disso,só me preocupava com Letícia,só com ela!.Me sentei ao sofá
repensando em tudo,eu tremia dos pés a cabeça,meu corpo por ser tão registente,se recuperava
muitissimo bem,o que,deixava meu ego alívidado.

"Poucos de sua raça,poucos de sua raça...Maldito!".Cheguei a puxar meus cabelos em
desespeto,pensei que,a loucura me contaminaria por completo dessa vez."Imortais,se-
res bestiais!Foi isso que,ele me disse!Acredita nisso!?".David,captava as palavras,pas-
sou seus olhos a escada quando,Letícia desceu,seus cabelos me pareciam cascatas,o
brilho denso se destacava.

"Queria,está bem?Realmente se sente bem?".Ouve uma pausa antes dela falar,David á
segurou por detrás,tentando fazer com que,ela voltasse sua atenção a ele."Estou sim,
só não acho acho uma boa idéia,você ter ido lá,não depois do que,captei".Teve toda
analize cruel de seu olhar,pude sentir como ela,se sentia fatigada,como se algo fosse
tirado dela.

"Mais que,nunca eu quero voltar ao templo,preciso vê é ovir o que,Thalwa vai dizer de
tudo isso".Eu,ainda estava saindo do meu estado de desgaste,isso fazia com que,David
soubesse de todo meu estado espiritual."Prometa que,se acontecer qualquer coisa,vai
me chamar,não vai deixar de me pedir ajuda".Ouve risinos crueis vindo dela,realmente á
sua pessoa conseguia se envolver em pequenos momentos de desvaneio.

"Prometo Lestat,mais acho que,não deve esquentar sua cabeça com isso,é sim com as
palavras dele...Agora posso captar bem,o significado disso 'Seres Bestiais'...Existe uma
forma tão perfeita de ser imortal?Bestas,é só nisso que,consegui pensar quando ouvir is-
so dele".Me levantei lhe beijando a face,sentindo o delicado perfume de seus cabelos.

"Vá para o quarto,deixe com que,David cuide de você,tenha certeza que,depois eu vou
ao seu encontro mon petit".Me deliciava com o toque sedoso de seu vestido de lã,ainda
me sentia desnorteado por isso,infelizmente tive que,me desgrudar dela,novamente tive
a nuanse da cor violeta,um violeta tão deslubrande que,o tom lilás que,tinha,realmente,
me fez apaixonar.

"Tenho que,ir querido...Tenha certeza que,depois eu falo com você".Ela,mesma se deixa-
va beijar meu rosto delicadamente,lamentei por ela ser tão pequenina,é delicada em rela-
ção a mim,David se desbruçou pegando em suas mãos,os dois sairam pelo corredor,senti
toda pontada de rancor me tomando ao voltar a me sentar.

Ageitei o tecido da minha camisa de seda negra,o lenço branco,a borda da calça,isso tive
que,fazer,afianal diante da pequena briga,muitos detalhes tinham saido do lugar.Sabia que,
Carlos estava lá em cima,no quarto,chorando como criança,sabia disso,porque estava len-
do seus pensamentos,devagando pelas imagens mentais,trazidas do quarto.

Me deitando no sofá,passei a pensar."Poucos de sua raça,se denonimam seres bestiais,se
declaram vencedores de uma guerra travada a dez mil anos...O que,esses malditos estão
tentando fazer?".Minha mão pousou sobre minha testa delicadamente,as luzes da sala es-
tavam fraquinhas,muito suaves,David as tinha ajustado anteriomente,tive certeza disso.

"Querem tirar algo de Thalwa,depois de pensar nisso,não me resta a menor dúvida".Será
que,meus pensamentos podiam está tão corretos?Claramente que,á essa altura,várias dú-
vidas me tinha sido tiradas,mantive meu olhar focado no teto,com a mão livre,deixei meus
dedos apertarem o pingente do cordão,não deixei de pensar em meu filho.

"Hyarian...Ao menos pasame algum sinal de que,tudo esteja bem".Pedia isso com um calor
fervente de dentro de mim,casa nuanse de como meu filho é,me foi passada,de algum mo-
do me lembrei de como ele,tinha sido tão pequenininho,delicado como um botão de rosas,á
forma como me lembrei disso,me deixou devagando.

"Pequenino,como um botão de rosas...Cada detalhe tão selvagem,quanto os meus detalhes".
Isso,não me fez chorar como das vezes anteriores,mudei a posição,deitando de lado,fechei
os olhos tentando expandir meus pensandos,desejava ao menos tentar me encontrar mental-
mente com Hyarian,teria algumas respostas de como andariam o estado de Louis.

Á essa altura,sem dúvida nem uma que,Letícia se sentia melhor,tinha passado á admitirar
como ela,deu a demonstração de sua forla,em como tinha a capazidade de se recuperar
bem dos traumas.Me levantei degante,tinha que,sair desse desvaneio.Diante disso,passei
pelo corredor,fui em direção ao quarto,sinuosamente chegando a porta,pude presenciar o
quanto,mesmo no ódio e no amor,David conseguia suprir qualquer,sentimento em Letícia.

A porta estava entre-aberta,tive a plena visão dos dois se beijando,de como se deitavam
na cama,de como David acolhia Letícia em seus braços,suas mãos passeavam por suas per-
nas delicadas,os gemidos ácidos de Letícia,de como seus braços delicados se curvavam ao
encontro dos ombros de David.

David,simplesmente desferia suas mãos entre o tecido do vestido de lá,passeava como se
fosse todo um linho de nobreza.Tinha sido um pedido de desculpas,toda plena redenção á
que,se devia esperar.Letícia,tinha suprido aquele momento,aterrador com a presença dele,
o que,tinha sido valido por mil coisas!

Continuava vendo,ficando espandado com tudo isso!David,conforme tirava as mãos debaixo
do tecido de lá do vestico,deixava com que,a petit Letícia,lhe abrisse o ziper da calça,ela ao
deslizar as mãos por entre á abertuda,o fez gemer,estava quente,aquecido.Só,foi questão do
gesto obseno dela,poder abaixar todo tecido da calça de David.

Deixar com que,ele lhe enfiasse todo pau grosso dentro dela,David apenas lhe levantou toda
borda dor vestido,a continuava beijando enquanto penetrava sua carne tenra,macia.Deixei
meus dedos irem á masaneta da porta,a fechei sem que,eles soubesse."Infernos,Letícia está
sendo voraz,maldosa,impiedosa!Ainda tenho que,apreender muito com essa garota".

Sentia uma pontada de raiva,Carlos me foi visto a frente do corredor."Preciso sair,preciso
caçar,antes de minha cabeça exploda".Iria com ele,estava me lichando,iria com ele,deixei
os passos ecoarem,saimos pelo jardim,indo na direção das ruas."Pode ser forte,mais não
nego que,sempre sente a sende queimar".Ele,sorriu mesmo envolto em nervosismo,agora á
meta era encontrar uma boa caça para ele,nada mais que,isso...Andavamos vorazes pelas
ruas de Nova Orleans,senti que,á presença do infeliz estava sumida,oculta.Andamos como
arpias,mente devagante á procura de um maldito.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 53

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:48:34

***Continuando***

Foi andando esquinas,ruas,quarteirões,avenidas que,conseguimos um contato
mental bastante propício.Á minha pessoa continuava sedento por qualquer vit-
ma que,pudessemos encontrar,Carlos conforme continuava seguindo meus pas-
sos,se sentia melhor protegido,ocultava ao máximo sua mente.Eu,tive que,fazer
o mesmo,afinal qualquer sinal de vida,poderia trazer imortais a nossa procura.

Quando falo nesse termo,é porque podem esperar de tudo.O vento rugia em toda
cidade,fazia com que,nossas vestes oscilasse delicadamente de encontro a todo
corpo.Carlos,sempre tinha que,manter suas mãos dentro dos bolsos da calça,ele
sem dívida nem uma,tinha sido sincero quando comentou de sua demora para se
adaptar ao clima de Nova Orleans.

"Vivo áqui a meses,é ainda não sinto uma adaptação plena".Assenti com aceno de
cabeça,o que,o fez gemer de alegria,continuavamos todo cruzamento das ruas,da
cidade como um todo,á minha pessoa começava a se envolver na ansiedade da ca-
ça.Estamos procurando mentalmente qualquer maldito que,pudesse nos servir como
alimento.

Enquanto andavamos,começamos todo um processo de conversa,o que,me fez ter
todo espasmo de conteção de amor por Carlos."Digame querido,de quanto,em quan-
to tempo,precisa caçar:Seja sincero,preciso saber essa informação".Ele,deixou-se
rir,muitas folhas de arvores estavam espalhadas pelas ruas,mesmo assim,continuava
deliciosa a sensação de ter o cheiro de carvalhos no ar.

"Toda noite Lestat,uma vez por noite,eu tenho que,caçar.Meu corpo,por ser jovem,a
logo prazo,me provoca essa maldita sensação,só queria saber quando isso vai acabar".
Ah,isso tinha me deixado revoltado,não deixei de me lembrar de meu passado,a mesma
com que,eu tinha sofrido,compreendem?O que,pensar de um mero filhote da noite?Não
deixei de me conter,minha voz saiu rispida ao Carlos.

"Com os anos querido,com os anos,tenha certeza disso,ou peça para um dia,poder
ficar forte,esse é o segredo...Sei do que,passa,de como se sente,mesmo assim;eu
só tenho esse conselho a lhe dar".Tinhamos chegado a um prêdio,assim que,o avis-
tamos,tivemos que,entrar,o contado mental com um maldito tinha sido feito,assim
caminhavamos ao encontro da caçada.

"Não fale nada,não olhe nos olhos dos atendentes,temos que,passar pela recepção".
Ele,compreendia isso muito bem,conforme as informações mentais chegavam,tive a
certeza de quem,era a pessoa:Um exportador de cargars internacionais,adorava po-
der saber disso,antes do momento certeiro,o que,me deixava mais entusiasmado.Os
olhos de Carlos,passeavam como águia pelos cantos dos andares conforme subiamos.

"Letícia,ainda me preocupada..Pode me dizer o que,ela é David estavam fazendo no
quarto antes de sairmos?".Me envolvi em contenção,a minha pessoa considerava es-
se tipo de pergunta,todo um modo dele,saber como andavam as coisas."Sabe o que,
eles estavam fazendo no quarto,não preciso entrar a fundo no assunto para você sa-
ber".Carlos,diante disso,deixou-se envolver em seriedade.

"Tenho medo,medo do que,esse estupro possa causar,as consequências".Jamais pen-
sei que,ouviria isso dele,tinhamos chegado a porta do apartamento da caça,paramos
é antes de entrarmos,tive que,deixar bem claro o que,eu achava disso."Sinto que,ela
pode estar entrando em processo de degradação,vejo toque de vida dentro dela,não
tenho como dizer;afinal,compreendo,da mesma forma que,você:Não conhemos a raça,
não temos nem uma informação".Silêncio a nossa volta.

"Lestat? Fértil como águias,não posso esconder que,isso está altamente claro ma raça
deles".Seus olhos não deixavam de emanar receio,medo,pavor,ou pânico.Destravei toda
porta,ele ainda não tinha essa capazidade telecinética.Entrando,tivemo que,nos sentar
no sofá,desde o primeiro momento,ficou claro que,a vitma ainda estava no quarto,antes
de subirmos,teria todo um luxo de falar com ele,tentar argumentar com Carlos.

"Seres Bestiais;as imagens que,vi quando bebi do maldito,digo da briga...Todas elas me
são de um passado altamente antigo,pelos meus calculos,mais de dez mil anos Carlos,á
minha pessoa se sente estagnada com isso...Tão antigos,quanto Maharet e Mekare".Ele
continuava me ouvindo atentamente,sinuosamente se envolveu em todo um estado de
receio.

"O que,mais?Pode deixar mais algumas coisas claras?".Conforme,continuei,tente explicar
alguns argumentos."A linhagem de Thalwa,pelo o que,eu saiba,não é tão antiga quanto
á nossa,pouco mais de três mil anos,exatamente quando ela surgiu...Mais quando tenho
que,falar de Maharet e Mekare,digamos que,não tão fortes quanto a linhagem de Thalwa,
mais,porém,chegamos a um passado altamente remoto,digamos que,pouco mais de seis
mil anos,compreende isso?Seis mil anos".Isso,deixou Carlos cheio de curiosidade,tive que,
dar toda uma continuidade.

"O que,me provocou arrepios quando bebi do maldito ruvinho,é que,vi algo estagnado,todo
um tempo ancestral,quase no início de tudo...Não pensei que,encotraria algo assim,algo á
ser pensado,são dez mil anos meu querido Carlos,dez mil anos!,é isso,não quer,dizer pouca
coisa,o que,continua á prococar arrepios,é que,se eles também ficam fortes com o tempo,é
que,já tiveram tempo o bastante para sobrepor as eras do poder".Carlos,se levantou muito
choroso,tive que,acolhê-lo delicadamente em meus braços.

"Tão antigo assim?Meus conhecimentos arqueológicos não conseguem captar isso,processar
o que,fala Lestat,estou com medo,medo por minha irmã".Pela primeira vez,só el olhar para o
Carlos,ficou claro todo receio,o medo nu e cru que,brotava de seu espirito.O abraçava forte,
tentando fazer com que,sentisse minha proteção,beijei sua face delicadamente,minhas mãos
pousaram em seu rosto,quase que,como um toque de pena."Ah,querido,vamos subir,tente se
aliviar,depois conversamos mais,sobre isso,ok?Não é o momento para tuas amarguras,nem de
sentir esses sentimentos destrutivos,já senti isso,o que,quase me levou a destruição".

Ele,olhou par ao lado,meus dedos deslizavam abaixo de seus olhos delicadamente,começamos
a subir depois disso,o segundo andar estava a nossa espera,entrando no quarto,vimos que,á
vitma,estava acordava:Homem moreno,rosto robusti como pena.Não demorou muito para que,
o Carlos o atacasse,sem fazer a menor cerimônia.

Me sentei no carto da parede,me encostava observando como ele bebia delicadamente todo
o sangue do maldito,meus lábios se alargaram delicadamente,observava como os lábios dele
se moviam como um beijo sobre a mordida fatal,como os goles lhe entravam na boca,como se
todo um contexto de imaginação,lhe fosse arancado.

"Tenha calma queridinho,filhotes como você,devem tirar máximo proveito,não derrame uma
gota,sequer".Captava como a sua pele tão clarinha e pálida,começava á adquirir todo rosa-
do de calor do sangue fresco,Carlos não quis responder as minhas palavras,deixou-se conti-
nuar grudado ao vitma sobre o tapete do chão,me estiquei a frente,me curvei como se fos-
se apenas um convidado.

"Sofre como menininha diante disso,tão pecaminoso quanto,eu já fui um dia,vê pessoas co-
mo você,sempre me fazem,me envolver nessas lembranças".O silencio se abateu entre nóis
dois,minha mão estava pousada sobre seu ombro,conforme Carlos continuava bebendo,senti
todo um pequeno desejo me tomar,digamos que,uma sensação de ternura para com ele,não
tive toda plena paciência de esperar.

Me afastei delicadamente para,esperar,o corpo dele continuava absorvendo delicadamente o
sangue fresco,a vitma estava ficando seca,sem cor,aos poucos o maldito parou de respirar,o
transe de Carlos,foi tamanho que,tive que,intervir!Se eu,não o tivesse sacudido,provavelmen-
te ele,teria bebido sangue morto,algo destrutivo a qualquer imortal."Volte a si,Carlos não ten-
te continuar".Seus olhos se abriram delicadamente.

"Desculpe,não era para eu ter feito,desculpe".As luzes do quarto,banhavam seus olhos verdes,
todo um brilho delicado,como olhar de mulher,exatamente como eu,estava vendo(Olhos de uma
mulher,no rosto de um homem).Vê isso,me deixou queimando,como se uma lampela de fogueira
fosse estivesse atiçada dentro de meu coração,ele ainda estava trémulo,ainda pensava em sua
irmã.

"Tire esse pensamento de tua mente,tire".Ainda sofria para poder ouvir minha voz,ainda sentia
o efeito do transe maldito.Vi uma gota vermelha sair do canto de sua boca tão delicada,como
se um véu vermelho estivesse envolvendo seu espirito.Ah,esse foi um golpe fatal para mim,meu
polegar se esfregou no canto da boca,vislumbrei quando esse mesmo polegar me veio a boca,o
gosto foi imediato,estava sendo um filho da mãe por isso,mais não traidor,jamais.

"Traidor jamais,tenha certeza disso".Ouve um pequeno aparto,de meus polegares em sua boca.
Não pude deixar de beijar seus lábios delicados,Carlos ainda estava aquecido pelo calor que,foi
provido da caça,o corpo jasia ao lado,pouco me importava com isso,gostava do gosto de todo
o sangue restante de sua boca.

Arrepios delicados percorriam meu corpo:Pequeno amante,pequeno segredo,exatamente como
eu supunha de como iria ser.Eu,lhe apertava o corpo naquele abraço forte,nos levantamos pa-
ra podermos nos deparar com o corpo,gotas de sangue caiam de minha boca,tão delicadas co-
mo rosas,tive que,voltar a beijá-lo novamente,por fim nada mais sobrava,isso o deixou desnor-
teado,se sentou a beira da cama,fiz o mesmo,tentando saber os motivos dele ainda sentir todo
espasmo dos acontecimentos.

"Teremos que,ir para o templo de Tompei,diz que,uma pessoa chamada Kalawina,voltou a vida.O
que,pode me dizer sobre isso?".Lamentei,mais tive que,ser altamente rápido em resposta para as
suas dúvidas."E por causa dela que,Louis está no estado que,se encontra,precisamos dela,ainda
não sei por completo as consequencias de sua volta,só quando voltarmos".Terminando todo esse
contexto de explicação,me levantei.

O mandei ir a porta,pegando o corpo nos braços o joguei sobre a cama,mordi meu polegar para as
gotas sairem,desferi essas gotas de sangue para fechar o ferimento,assim em atos,imediatos,tive-
mos que,sair.Não demorou muito para trancarmos a porta,descermos os andares,passarmos por to-
da recepção do hotel,é finalmente sair as ruas de Nova Orleans.

Carros passavam pelas ruas a nossa frente,conforme andavamos pelas ruas,paramos,a pausa foi
por causa do que,iria dizer."O amo Carlos,exatamente como David,Carlos,Thalwa,é meu filho,con-
forme também consigo amar Letícia,mais eu o amo,ao meu modo,mais o amo...Nunca esqueça dis-
so".Lamentei por ter dito isso,mais era verdade nua e crua.

Ouve um pequeno tremor em seu corpo,para depois voltarmos á andar,estavamos voltando para
casa,David e Letícia estavam a nossa espera,é garanto que,eu me senti bem,em ter falado toda
essa pequena verdade ao Carlos,a lua estava forte,muito cheia e brilhante,passamos enfrente ao
Cemitério Lafayette,demos toda uma volta nos quarteirões nas proximidades,conforme seguimos,á
casa foi vista.

"Espero que,se sinta melho,seja você mesmo querido,essa é a melhor lição que,pode tirar proveiro
dos anos que,têm a frente".Cruzamos a rua para finalmente entrarmos pelo portão do jardim,todas
as luzes de iluminação estavam acesas,entramos pela sala,eu sentia a presença de David é Letícia
ainda vindo do quarto."Suba querido,descanse para depois continuar,precisa disso".Ele,ainda tenta-
va entender minha preocupação,mais entenderia.

Subiu conforme tinha mandando,respeitava a pequena autoridade que,tinha me restado na casa.
Passei meu olhar ao corredor,sentia o cheiro delicado de Letícia no ar!Algo altamente perfumado!
A princesinha estava altamente recuperada,sentia isso só por sua presença,não só recuperada no
espirito,mais na alma é corpo! "Isso me deixa gratificado princesinha".Meus passos ecoavam pelo
corredor conforme andava,parei em frente a porta,destravei a masaneta entrando no quarto.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 54

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:49:27

***Continuando***

David,me foi visto sentado na mesa ao lado da cama,pude vê que,ele esse tempo,
tinha estado com ela,usava short jeans até a altura dos joelhos,David ao meu vê
estava bastante simples nesse momento,não usava camisa,se mantinha de com os
pés desnudos.Tinha se trocado de roupa,pela simplicidade de estar em casa,ainda
me sentia desnorteado com isso,conforme ele digitava no Leptop,eu me sentei na
poltrona.Letícia,me foi vista deitada sobre a cama,ainda estada totalmente despda.

Se deitava de bruços,pude vê toda extensão de seu corpo tão delicado,seu rosto
pairava sobre o travesseiro abaixo de seu corpo,ouvia o barulho das teclas sendo
digitadas.Deviei minha atenção de David,por ele estar fazendo isso,não lamentei,á
sua pessoa á tinha tido inumeras vezes enquanto eu é Carlos estivemos fora,ainda
tentava me adaptar á isso,a luz banhava todo quarto,velas ardiam nos castiçais,as
luzes estavam apagadas.

Todo esse requinte de atenção de David,me deixava gratificado:Sinal de que,ele á
amava,piamente,mais á amava cruelmente.Ele,sabia que,enquanto me mantesse no
desvaneio,não deveria esperar palavra minha,por isso se manteve atento a escrita,a
tele do Leptop brilhava na escuridão iluminada por velas bruxeleantes.

Letícia,iria ficar ardomecida por mais um tempinho,cruzei minhas pernas ao pegar á
taça cristalina em cima da mesinha de centro á frente da poltrona,tinha um jarro,as
flores tinham sido trocadas por ele.Me sentia ainda amargurado,mais essa sensação
passaria,eu tive certeza disso quando meu olhar pousou novamente em Letícia,meu
pensamento não seria interrompido por qualquer coisa.

A lámina foi desferida em meu pulso,sangue viscoso me saia das veias cortadas meu
observar estava sendo altamente cruel.Quando terminado,começa a solver todo esse
Necta esperado,um silêncio tão esperado por mim que,nesse devagar,meu coração ia
almentendo de ritmo.

Mantive o foco de minha visão em Letícia,ardomecida em cima da cama,todo brilho
que,vinha das velas bruxeleando,caia sobre ela,os cabelos castanhos-claros,caiam
pelos ses ombros delicados,seu cheiro estava no ar,perfumada como rosa,toso seu
corpo mantido jovem desse modo!Repensar nessa vedade foi cruel para mim,tomei
mais alguns goles do sangue viscoso na taça que,cintilava nas luzes de velas.

Dava para vê a sinuosa curvatura de seus pequenos seios de menina abaixo do lençol.
As pernas esticavam-se completamente,em linha reta,perfeitamente alinhadas a todo
seu corpo.David,á tinha deixado fatigada,desgastada por todo o modo com que,a tinha
tomado naquele momento,antes de minha saida.

A tinha machuado,isso ficou claro,quando meu olhar ousou em seu rosto."Sabe se seus
ferimentos fecharam por completo?".Ele,parou voltando sua atenção a mim,passou seus
olhares diretamente a meu rosto,continuava solvendo todo necta na taça."sim, não lhe
resta nem uma marca corporal dos ferimentos".Ouve silêncio multuo,para depois David,ir
ao devagar mental,a confissão foi branda.

"Ainda sinto o sentimento de medo,seus seios,tenho certeza de que,estão levemente in-
chados,os motivos são,é não são,claros...Nada me é sentido em relação á isso,mais isso
podemos tentar resolver quando,chegarmos no templo de Tompei".Ele,se sentia seriamen-
te abalado,cruzou os braços em plena sutileza.Podiamos ouvir a respiração de Letícia,não
iria acordar facilmente.

"Minha cabeça,ainda está queimando..Se acontecer alguma coisa com ela,eu juro que".Eu
não pude continuar,devaguei permeando meus sentimentos,deixando a taça na mesa de
centro,curvei minha mão sobre meu queixo delicadamente,não consegui manter todo olhar
em David,ouve toda uma tentativa branca de voltar a falar comigo,porém descartei,todo o
meu choro foi imediato.

"Querido,á amo profundamente,sabe o que,sinto para com Letícia...Amo protetor,todo um
sentimento protetor David!".Meu grito foi sussurrado para não acordá-la.gradualmente meu
olhar se voltou a frente,Letícia abria seus olhos azulados,se sentava encostada ao espelho
da cama,isso fez com que,David voltasse sua atenção a ela.

"Acordou,mesmo depois de tudo,conseguiu prover descanso a ti,muito bom princesinha".Os
espasmos de alívio ainda estavam sendo contidos,ele se levantou indo se sentar ao lado de-
la,Letícia apertava o denso lençol em tom esverdeado de encontro a seu corpo,conforme as
mãos de David pousaram em seus ombros,ouve pequenos tremores.

"Não compreendo os motivos de toda essa preocupação comigo,posso ser jovem,mais ainda
mantenho minha vitalidade".Isso me provocou risos de ironias,minha pessoa ainda captava o
seu pensamento,Letícia não deixava de manter seu olhar em mim."Seja sentava mom petit,o
teu sofrimento,é o nosso sofrimento,tenha certeza disso".Ela,considerava isso um modo para
controlar sua pessoa,mais não era assim.

Simplesmente cautela,simplesmente proteção plena."Carlos,está lá em cima,tenha certeza dis-
so,chegamos ainda agora,não faz muito tempo".Minha palavra tinha saido pesada,isso a deixou
preocupada,mais envão,se sentia ainda em desvaneio,se deitou de lado tentando juntar toda a
força restante.David,fez o mesmo,deixava delicados beijos serem dados em seus ombros.

"Precisa se arrumar,precisa subir lá em cima para façar com ele".Isso me tirava risinhos irônicos.
Ela,mantinha seu olhar a frente,exatamente da densa paisagem que,provinha das den janela.Eu
respirava devagante no observar,David ainda se deixava beijar os ombros de Letícia,isso a fazia
se reanimar,ouve algumas mordidas delicadas ao pé de suas orelhas tão finas,devidamente deli-
cadas.

-Seu vestido está devidamente quardado em cima da mesa,levante para se arrumar,A
noite ainda corre,o que,me faz repensar se devemos ou não,nos manter áqui.

-Maldito,me tira do meu sono para isso?O que,Carlos tem para conversar comigo?Nada!
Nada tenho a explicar para ele.

-Princesinha,não seja indelicada,seja sensata...E a única coisa que,lhe peso,venha conosco.

Tinha sido,todo um últimado para ela,isso a fez se levanta irritada.Quando pode vê seu vesti-
do dobrado em cima da mesa do Leptop,passou a se vestir,ia ajustando a faixa na cintura que,
David tinha colocado,faixa negra para combinar com a cor violeta em tom lilás,a sandália foi co-
locada por ele,enquanto ela continuava sua arrumação.

Seus cabelos estavam desalinhados,isso a fez escová-los em gestos vultuosos,quando teve
certeza de que,estava pronta,tive que,observar mais delicadamente,enquanto ela voltava á
aplicar seus beijos em David,não dixava de perceber toda delicadeza de como seus seios ti-
nham ficado levemente inchados,isso me provocou crueis pensamentos.

Pensamentos aterradores!Meus olhos continuavam pousados delicadamente em sua figura,as
observações mentais iam sendo captadas.David,não deixava de á enlaçar contra ele,Letícia
se afastou para poder sair,a segui pelo corredor.David,teve que,ficar no quarto para que,todo
quarto quarto fosse arrumado.

Subi com ela pela escada,mesmo assim,tive que,dar uma pausa para poder tentar puxar toda
uma conversa com ela."Letícia,está bem mesmo?Tem certeza?".Ouve risinhos dela,mesmo com
minha sutileza em perguntar,ouve todo um acatamento de palavras."Claramente que sim Lestat.
O que,pode ter de errado?Para mim,absolutamente nada".Mesmo com seu abraço,não me senti
aliviado.

Pude sentir todo calor que,começava a germinar em seu corpo,um calor separado do dela,como
o calor de um outro ser.Seus seios,estavam mais quentes do que,o norma,isso me foi sentido ao
aperta-la contra mim.Seios que,estavam inchando,como se começasse a produzir necta viscoso,
o necta que,podia servir de alimento á algo.Essa sensação de terror,me fez largar Letícia.

Parando em frente a porta,Carlos nos atendeu,ele tinha nos esperado todo esse tempo,não
me contive em poder entrar.Claramente que,poder vê a irmã tão bem,lhe deixava aliviado,os
sentimentos de presságios começavam a me corroer a alma,me sentando a beira da cama,o-
lhando para os dois que,estavam de frente a jenela.

Não,deixei de ter certeza de que,algo áli estava errado.Tentei desviar desse tipo de sensação.
Me deixei deitar na cama olhando para o teto,só a voz de Letícia e Carlos,era ouvida,toda uma
sensação cortante me continuava sendo sentida,fechei meus olhos tendo total visão de como
á Thalwa,tinha sofrido sérias conseguencias em sua gravidez,seu parto.

Não conseguia falar,só me lembrava de tudo.De como ela,sempre se sentia apavorada quando
tinha que,alimentar Hyarian em seus seios fartos,seios cheios de alimento fresco para Hyarian.
Pequeno sofrimento desnorteado,todo um quebra-cabeça começava a se forma em minha men-
te,o perfume delicado de Letícia,pairava por toda casa,isso era delirante,como droga de praser.

Toda conversa entre ela é Carlos continuava,ele sofria para lhe tirar qualquer tipo de informação.
Mais pelo que,ela entendia,nada estava errado,nada!Conforme ela falava com ele,eu podia sentir
também essa sensação,mais juro que,não por muito tempo.Thalwa,me continuava sendo lembrada.
Me continuava cindo á mente."Esposa tirana,puramente tirana".Carlos e Letícia voltaram seu olhar
para mim.

"O que,ouve Lestat?".Risinhos irônicos novamente vinham de mim."Crueldade,estou lembrando de
Thalwa,mais nada que isso".Letícia,se afastou vindo em minha direção,me sentei a beira da cama
tendo total nuanse de sua pessoa á minha frente.Ela,estendeu suas mãos delicadas ao meu rosto.
Deixou-se beijar minha testa.

"Querido Lestat,lamento por provocar esses caláfrios em você".Gostava se sua tonalidade de voz.
Novamente,a enlaçava em um abraço feroz,mais não pude suportar me manter grudado á ela,seus
seios novamente me voltaram á parecer quentes,levemente inchados,isso me deixava apavorado,o
pavor me contaminava ao fazer isso.

"Chegaremos rápido a China,todos estão a nossa espera,tomou realmente coragem para dar conti-
nuidade?".Sentando ao meu lado,não deixou de deixar tudo bem claro para mim."Sim,toda coragem
do mundo querido,esse é meu lugar,o lugar aonde quero viver,cuidar de David,de Carlos,estar junto
á eles,sem dúvida nem uma".Não deixava de perceber sua maturidade,todo o geito pacado dela vê
cada nuanse em meu olhar.

"Não tiro rua razão,é tua vontade,faça usso dela mon petit".Suas mãos,afanharam meus cabelos ao
se lenvar indo ao seu irmão,voltando á apreciar esses dois seres conversando,pude vê a mulher que,
tinha tomado conta daquele pequeno corpo de menina jovem:Essa tinha sido a nova Letícia,a Letícia
que,sem querer,tinha sido impulsionada a esse amadurecimento.

Senti,o leve peso do meu cordão,o pingente pendia a frente,gradualmente meu coração foi partido,á
minha pessoa continuava pressentindo todos os detalhes,como se fossem nuvens aparecendo a fren-
te de meu olhar,minha pessoa tentava apenas entender.Me dentei pousando a cabeça nos travessei-
ros macios,continuava me perdendo no requinte:Letícia,conversava com seu irmão,David tentando or-
ganizar o quarto lã embaixo.

O que,pensar de tudo isso?Absoluramente nada,só que,me assustava a cada vez que,abraçava
Letícia,a cada vez que,sentia seu calor,sinuosamente várias curiosidades começavam a se for-
mar mentalmente.Fechei meus olhos ainda delirante pensando em Thalwa,a noite corria,ainda ia
entrando em sua parte final,agora só o que,nos restava,era a meta de preparamento para todo
um contexto de pavor e terror.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 55

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:50:17

***Continuando***

Toda conversa continuava,Letícia não conseguia desviar sua atenção de seu
irmão,equanto isso,eu continuei deitado pensando em todos esses detalhes,o
incrime requinte de atenção,começava a passar,isso era o sinal de que,todos
os meus pensandos voltavam á mais perfeira ordem.A voz dos dois sempre e-
coava por todo quarto,fiquei vislumbrando como a lua caia sobre o rosto dela.
Letícia,essa noite,apesar de todo imprevisto,estava se saindo muito bem.

Ela,não sentia nem um ressentimento do que,tinha acontecido.Pode ter sido a-
cada pelo infeliz,violentada várias vezes,mesmo assim,não se importava.Afina á
sua felizidade era estar conosco,o que,me fazia me sentia muito feliz,conforme
ouve uma continuidade,percebi que,Carlos começava á dar algumas informações
á ela,sobre Leptop,compuradores de todos os tipos,não só em relação a maqui-
na,é sim,sobre oa programas.

"Agora compreende os motivos das pessoas errarem em algumas gráfias de es-
crita quando se escreve em compuradores?Muitas pessoas escrevem rápido,ou-
tras tem,pe sempre vão ter algumas probleminhas em digitação;falo teclahas fa-
lhas,teclados delicados demais para se escrever de forma gradual".Ouve risos da
parte dela,isso me fez repensar,compreendia diante desse momento que,nem tu-
do pode ser perfeito,ninguém e perfeiro,por mais que,se queira ser perfeiro,em fa-
lar que,minhas loucuras foram justamente por isso.

Estava deitado de lado,minhas mãos apoiadas sobre meu rosto de forma elegante.
Um gesto descabido,mais preciso.O vestido de lã de tom violeta-lilás caia até os
pés de Letícia,era longo,muito delicado para seu corpo,exatamente como ela,deixa-
va minha mente poder devadar por esses detalhes tão atrativos.Seus cabelos pen-
diam pelas costas,os cachos formavam-se como espirais longas.

A luz batia sobre a tonalidade castanho-claro,não posso deixar de descrever como
isso sempre me fazia oscilas em tremores.Ouve toda uma continuidade de conversa.
Eu,sentia que,David iria demorar mais um pouco,mais não foi o que,acotneceu.Com
esse mero pensamento sobre ele,podemos ouvir seus passas no corredor do andar.
Isso,fez Carlos voltar sua atenção á porta.

David,entrou passando todo olhar por nóis,Letícia conforme continuava olhando,lhe
pedia para se apróximar."Finalmente está presente,conseguiu organiza o quarto?Eu
estava esperando".Tinha sido Carlos que,lhe tinha dirigido a palavra,isso fez David ir
a pura vergonha,seu rosto ficou todo rubro de vermelho.

-Claramente que,sim.Eu deixei tudo em seus lugares,espero que,quando voltarmos
não fique chateado.

-Como assim,voltarmos?Sabe se vamos para algum lugar?O quê pretende fazer essa
noite David?

"Ir aos pântanos próximos Carlos,sabia que,Letícia me pediu isso,antes de irmos para
o templo de Tompei?".Ouve troca de olhares entre Carlos e Letícia,isso o tinha deixa-
do muito irritado,algo como trovões sendo desferidos na mente é pensamentos deles.
"Andas pedindo o impossível,sabe que,jamais andaria por esses lugares Letícia".Ela ia
tentar convencer,porém sabia que,iria ser uma ardua batalha contra Carlos.

"Sei o que,pensa,porém não quero acatar aos seus caprichos.Eu vou,é não espere al-
go como,razão vindo de meus pensamentos".Me levantei me sentindo alertado por es-
se tom de voz vindo de Letícia,jamais pensei que,ela ousaria falar com Carlos do geito
que,estava fazendo."Querida,tenha paciência.Não precisamos arrumar guerra com isso
correto?Vamos aos pântanos de Nova Orleans,não se deixe esvair por isso".Eu,tive es-
sa atitude de intervir,não queria brigas dentro do leito de David,vê isso o deixava mui-
to pensativo.

"Como quiser,mais depois não venham me dizer que,tentei impedir.Se acontecer algo,á
minha pessoa não se responsabiliza".Seria como ele desejava,como Carlos queria, mais
com um simples gesto,fez com que,David saisse de sua pequena razão.Olhou para a me-
sa ao lado,logo encostada na parede,abrindo a gaveta,não deixou de tirar uma tesoura.

"David,sabe que,odéio ficar muito tempo com esses longos fios de cabelos,espero poder
costa-los".Letícia,tentou convencer Carlos do contrário,infelizmente não iria adianar,ele
simplesmente a queimava detalhadamente fazendo descaso do que,estava ouvindo,até
o David,tentou fazer manha para Carlos não cortar os cabelos.

"Irmão,lamento por agir assim,não sabe como fica belo com cabelos longos,pena que,vo-
cê queira descidir por isso.Deixa Letícia muito triste".Risinhos sairam de mim,David sentou
a beira da cama ao lado de Letícia,eu me aproximei de Carlos pegando a tesoura de suas
mãos.David,estava choroso por isso."Odéio quando faz isso Carlos,odéio de verdade".Não
me contive,tive que,aplicar pequenos requintes aos dois sentados a beira da cama.

"Choram só por cabelos?Agem com imaturidade".David e Letícia,simplesmente quase viram
me bater,porém por David ser sensato demais,segurou Letícia pelos braços,é por fim,fez a
sua raiva ir embora,voltando aos seus lugares,Carlos pegou uma cadeira logo a frente,ago-
ra o processo de corte iria começar.

"Faça bem curto Lestat,sabe como gosto:Levemente repicados,curtos em fios macios".Ele,
sabia escolher muito bem,fez com que,os cabelos caissem para trás,deixando todos os fios
arrumados para o corte,um castanho puro!Catanhos em tom amêndoa.Há!Brilhoso como esse
pensamento.Me lembrei puramente de amêndoas conforme meu olhar passeava pelos fios.

Começava a cortar as meixas quando,Letícia entrou em prantos,levou seus dedos delicados
ao rosto,ainda muito chorosa,ela e David entravam nesse estado sentimental,os dois até o
fim,iriam se comportar desse modo.As meixas caiam ao chão conforme meus movimentos iam
sendo aplicados,a tesoura simplesmente retalhava fios por fios.

"Isso mesmo,continue,por fim,repique levemente,usse toda uma sutileza Lestat".Meus risos
não paravam se ecoar pelo quarto,enquanto isso,David e Letícia em amarguras sentimentais.
Já não me importava com mais nada,simplesmente estava contando o tempo para poder vol-
tar,meus olhos focaram-se no chão,eu tentanva sinuosamente olhar como as meixas de cabe-
los caiam.

Isso me fazia me perder,entrar em pequeno transe,vários sabem que,a visão vampirica dar
esse requinte á gente.Carlos,continuava sentando esperando silencioso,o silêncio era tama-
nho que,dava até para ouvir o laminar do corte do fio da tesoura em minhas mãos.Letícia,ao
continuar em seus desvaneio,ia se acalmando tentando se adaptar ao pequeno ódio que,seu
irmão,sempre teve com seus cabelos longos.

"Sempre foi assim,desde pequeno!Sempre Carlos,movendo céus e terras para jamais deixas
seus cabelos longos".David,á acolhia,eu estava dando os toques finais.Tinha ficado perfeito.
os fios estavam curtos como Carlos desejava,levemente repicados,algo como toque de seda.
Olhando,me fez lembrar como a seda pode ser tão macia ao toque,me deliciava conforme os
meus dedos passeavam pelos fios curtos.

"Gostei disso,pena que,não faça isso Lestat".Achei graça,tive que,me segurar novamente pa-
ra não ter um novo ataque de gargalhadas."Já fiz uma vez,mais para nunca mais".Ouve toda
uma compreensão,ele se levantou esticando os braços ao David,Letícia teve que,descer para
pegar uma pá,uma casola para jogarmos os cabelos ao chão,fora.

Enquanto ela voltava,Carlos teve que,aproveitar para desferir beijos crueis em David,como se
ele,estivesse pedindo perdão,me sentei na cadeira cruzando as pernas delicadamente,confor-
me meus dedos se moviam nos buraquinhos da tesoura á mão,á fazia abrir e fechar.Continuava
vendo como Carlos,estava sendo cruel conforme beijava toda boca de David,sussurros de pavor
eram ditos entre eles.

"Estou triste,não faz o que,quero,nem me ouve".David,estava certo,mais claramente que,Carlos
não estava disposto a dar o braço a torcer nessa situação.Ele comandava,então que,David fos-
se se conformando.Letícia,entrou com pá e sacola de lixo,ela mesma fez com que,todas as mei-
xas restantes fossem colocadas dentro,conforme ela se mantinha abaixada ao chão,tive toda a
visão do decote de seus seios.

Meu pensamento entrou em trevas!Cheios de fartos!Fartos!Minha mão tremeluzia diante disso!
Seios tão redondinhos,quentes ao estarem cheios!David,ainda não tinha sequer,colocado seus
olhares nela,graças que,ele não tinha aplicado nem uma visão,iria pensar besteira,exatamente
como eu,estava pensando,quando ela voltou a sua posição normal,fechou a sacola a colocando
na lixeira pequenina ao lado da cama.

"Vão mesmo comigo aos pântanos próximos?".Letícia,tinha feito essa pergunta a todos nóis,não
conseguia descobrir o que,ela planejava."Se realmente quer,conhecer esses lugares,acataremos
a teu desejo".Ela,esticou seus braços me abraçando,delicadamente fez seu rosto se mover para
me olhar."Obrigada Lestat,não sabe como me fará feliz".

Me curvei beijando seus cabelos docemente,perfume adocicado que,só ela tem.Pretente ir agora
ou amanhã a noite?".Risos maléficos sairam de seus lábios,um calor anormal me era sentido,todo
seu brilho estava mais destacado,se destacava de forma anormal aos meus olhos,novamente não
deixei de focar meu olhar em seus seios.

Levemente maiores,se enchendo como véu."Podemos descer agora,sairmos pela noite,podemos
voltarmos ao fim da noite Lestat".Malvada como só eu,posso ser,sorri novamente beijando todo
seu rosto delicado,lamentei novamente em ela ser tão pequenina comparada a mim,ao Carlos,ao
seu irmão,mais era de compreender;tinha sido tirada da vida humana ainda muito jovem,apenas
me voltei indo a porta para descer.

"Posso esperar você no jardim".Ouve toda uma concordância com isso.Desci as escadas
ainda em pânico,depois do que,eu tinha visto,meu pensamento não iria ficar em paz até
eu saber o que,estava acontecendo com Letícia.Passando pela sala,entrando no jardim,
só me dei a pensar,á lamentar.

Andava devagante de um lado á outro."Seios cheios,seios altamente fartos,o que,aquele
infeliz fez com ela?Merda!Se eu,ao menos tivesse qualquer certeza do que,pode estar a-
contecendo!Infernos!".Seriamente cheguei a chutar a caixa de correio a frente,tiva fica-
do tão puto que,não me controlei.

"Tenho que,ao menos pensar,pensar!Usse sua cabeça Lestat!Usse sua cabeça,agora isso
e nescessário!".Quase cheguei a gritar,tive que,esperar sentado no gramado,me encostei
ao tronco de um dos pés de bananeiras do jardim,meus pensamentos devagavam como se
eu,estivesse entrando em estado de guerra pessoal.

"Seres desconhecidos,eles se dizem ser seres bestiais,mais para mim,desconhecidos!".Teve
todo um devagar de pensamento até,a chegava de David e Letícia.Quando ela,se apróxima-
va,não deixou de focar seu pensamento em mim.Deixou claro que,Carlos não iria,desejava
poder ficar,não seria de seu agrado vagar por esses lugares.

"Infeliz,pena que,pense desse modo".Sussurrei essas palavras bem baixinho,isso a deixava
pensativa.David,tinha se trocado:Colocado botas curtas em tom escuro,calças jeans preta.
Para finalizar,uma blusa de algodão de mangas curtas,exatamente no tom que,mais gosto
de vê nele(O branco própriamente dito);uma corrente fininha para dar o toque final.

"Não deixaria de ir com vocês".Sorri conforme ouvi isso,tinha me deixado alegre,estendi as
mãos ao seu rosto o beijando de forma aquecida,o frio começava a ficar novamente forte
na cidade."O mesmo mon amour,o mesmo".Saimos pelo portão,as ruas seriam nosso guia,a
caminhada não iria ser longa,justamente na parte alta da cidade se tinha vários pântanos.

"Não acha melhor,a gente alças voo?Eu,particulamente acho um pouco longe".Paramos ao
ouvir isso de Letícia,ela estava certa.Realmente era perto,mais não deixava de ficar longe.
Tinhamos que,procurar qualquer beco para alçarmos voo,entrando no mais próximo,tivemos
que toar folego.

O voo foi nosso guia,tinha sido a change de Letícia,testas suas abilidades,é isso ela soube
fazer muito bem.Percorremos toda cidade de Nova Orleans pelos céus escuros,foi com uns
quinze minutos que,avistamos a trilha que,ia ao pântano.Descemos nessa trilha decerta,eu
já sentia o cheiro de carvalhos,rios cheios de cobras,peixes.Começamos a pequena caminha-
da,aos poucos entravamos pântano adentro.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 56

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:51:07

***Continuando***

Nossos passos eram delicados,a mata ia ficando levemente fechada conforme ouve
toda uma entrada no pântano,garanto que,estavamos na fronteira da cidade,jamais
pensei que,iria trazer Letícia para esse tipo de lugar,David segurava a mão dela,não
iria se desgrudar enquanto não tivessemos toda uma atitude descabida para com as
intenções de Letícia.

Percebi o quanto,ela se deliciava com isso,os pequenos rios iam aparecendo,todo bri-
lho lunar,começava a banhar as arvores,a lua banhava todos os detalhes de galhos,a
terra bruta que,começava á aranhar os pés.Começamos á ouvir os cantos de corujas
em cima das arvores altas,humadas pela água começando a bater em seus troncos.

Meu corpo começava á sentir os efeitos da densa neblina,simplesmente um mar de na-
da a nossa frente,conforme continuavamos entrando pântano a dentro,Letícia fazia as
bordas de seu vestido se levantarem docemente.Temi que,tivesse jacares dentro dos
pequenos rios próximos,isso sem dúvida nem uma significada encrenca,serios ferimentos.

"Isso é maravilhoso Lestat,gosto como esses lugares podem ser tão depressivos,acho
que,a última forma de silencio com que,podemos nos desparar".Assenti conforme ainda
continuavamos andando.Já,tinhamos saido da trilha e nos encontravamos nessa situa-
ção inesperada."Estamos na última fronteira da cidade Letícia,áqui só se encontra pân-
tanos,era como esperado".Foram meros sussurros.

"Compreendo".David,não conseguia ouvir qualquer sussurro de nossa parte,ele ainda ia
se adaptando aos passos,derrepente a densa folhagem de abriu dando paisagem ao to-
do bosque á frente,isso me deixou aliviado,era o lugar aonde ficariamos.Tinha troncos á
serem vistos ao chão,troncos costados antigamente,me sentei tendo toda visão do bos-
que.

Conforme os cantos chegavam aos meus ouvidos,tive certeza de que,muitas corujas nos
olhavam de seus galhos.Nesse lugar,á lua conseguia bater forte,fazendo com que,toda a
escuridão fosse ofuscada como uma luz em tom de leite,Letícia sentava ao meu lado com
os chamados de David,pude sentir como ele tremia de medo.

-Deixe David procurar coisas novas,mais é com você que,preciso falar.Sobre Kalawina,sa-
be se ela,ainda conseguiu preservar seus dons de bruxa?

Ouve todo um indagar de pensamento,Letícia tinha me pego de surprezas,sentados em ci-
ma de um tronco de arvore,me deixava bastante pensativo.O vento rugia conforme as fo-
lhas das arvores caiam ao chão,olhando para o céus,veio a coragem de responder,tentar
sentir o que,podia estar de errado,nada de meus instindos me era sentido.

-Letícia,saiba que,Kalawina é a bruxa mais forte da familia Lioncourt,não resta dúvida nem
uma,ouve Samantha,Lunnes,ouve á minha pessoa,mais claramente mesmo não sendo ple-
na,Kalawina foi a mais preparada para dar continuidade ao legado,ouve sua morte,claro!A-
final,também o surgimento é nascimento de Alexien que,por fim,é a detentora por direito de
todo legado.

-Acha que,um legado assim,pode ser tão doloroso?Digo,apreender tudo isso Lestat,digo de
realmente nascer para reinar.

"Não nesses termos mon petit,não nesses termos".Ouve todo um devagar de seus dedos aos
cabelos,David ainda tentava se perder em suas analizes a frente,algo como distração,espera-
va toda uma cordialidade de sua parte,porém sabia que,nem tão sedo ela iria voltar seu olhar
a gente."Quanto ao infeliz,realmente consegue se sentir recuperada?".Letícia,não respondeu,
não de imediato.

Primeiro devagou lentamente sobre as arvores a frente,como se um transe estivesse caindo,a
sua pessoa jamais se comportava dessa maneira até dado momento,suas mãos apertava toda
base do tronco aonde sentavamos,as unhas aranhavam conforme ela,sentia o aparto de dor,á
raiva que,a consumia,depois respiroi para falar comigo.

"Recuperada sim,mais nunca o sentimento de ódio vai sair de meu coração.Não consigo esque-
cer quantas vezes ele fez,sempre me batendo no rosto,nos ombros.Consegue ao menos ter a
noção de como é?Nunca tive até esse momento".Ouve todo um suspiro vindo de mim,tive todo
ressentimento me consumimendo de volta,não deixava de poder olhar em seus pensamentos.

-Fico preocupado,sabe os motivos,não sabemos exatamente como é configurada a raça deles.
Sabe o que,eu realmente temo.

-Há!Dele ter tido forças o bastante para gerar vida em mim?Não querido,jamais...Sabe que,eu
me tornei tão seca,como terra ao ter recebido o sangue negro,é isso devido a tudo que,me foi
feito..Tudo por causa de um maldito tiro.

"Não lamente mon petit,não lamente".Ela,deixou-se levar os dedos aos lábios delicados,confor-
me ria,se deixaa entrar em um transe obscuro,pensei que,ela estaria disposta a morrer,mais os
seios se enchendo,ficando fartos daquele modo,isso sim,me causava pavor!Tive que,pedir para
ela se por de pé diante de mim,o fez em um saltar de gestos.

"Tento sentir qualquer presença,claramente que,nem uma além de você petit".Novamente
seus risos foram ouvidos,David continuava distraído com suas investigações.Estiquei toda
mão a frente de seu corpo,juro que,de modo descarado cheguei a encostar meus ouvidos
ao ventre de Letícia!Isso a deixou risonha,achava graça disso.

"Está sendo cruel Lestat!Sabe como me sentiria se um infeliz daqueles,tivesse conseguido
esse feito?Morreria!".Quase gritou,eu ouvia plenamente sua voz,mesmo assim,meus ouvidos
sempre encostados ao seu ventre,lentamente senti as mãos dela se encostarem em meus
cabelos,ouve toda uma caricia diante disso."Hum...Nada,não sinto,é nem consido ouvir nada
Letícia".Novamente risinhos sento ouvidos.

"Sei que,sim querido...Não pense outra coisa,se fosse,eu mesma sentiri qualquer presença
maldita dentro de mim"Conforme á ouvia,minhas mãos se curvavam em seu rosto delicado.
Letícia,não se deixava vencer,ela se sentou em meu colo quando voltei a me sentar,David
finalmente saia de seu desvaneio,caminhava em nossa direção.

"Algum sinal do que,procura David?".Ela,sorriu para mim ao se sentar,desferiu suas mãos ao
meu rosto."Não,infelizmente só estava sondando a aréa para saber de tinha alguma coisa á
nos espionar".A mesma sensação que,á minha,realmente não se podia negar que,aonde quer
que,estivessemos,sepre a sensação de espionagem.

-Maldito não apareceu,claramente que,depois do que,fez,vai pensar várias vezes antes dele
aparecer novamente.

-Consegue captar as coisas rápidamente David,mesmo assim,ainda se tem muito o que,saber.
Realmente é como ele me falou "Seres Bestiais".Já lhe passei tudo que,podia ter descoberto,o
meu espirito ainda tenta se recostruir depois de tudo.

"Age com cautela Lestat!O teria matado se fosse você".Tive que rir.Ele ainda achava graça
de minha parte ter perdido todas as investidas contra o maldito."David,acha mesmo que,se
pudesse,teria deixado de fazer?Ele é mais forte que,minha pessoa!Como posso transpor uma
barreira como aqueças!?".Seus olhos se arquearam em espanto.

"Achas mesmo?Falas com toda alma?".Ri novamente fazendo descaso,acariciava os cabelos
de Letícia,conforme ela se mantinha abraçada a mim,eu sentia o calor de seus seios quentes
em meu corpo,algo delicioso! "Ele me falou seu nome,Hyargra,o chame por esse nome,falo do
ruivo de cabelos lisos".Novamente,ele tentava acatar informações de minha parte.

"O liader,eu sei que,já mencionou algo...Fale".Sorri amargamente,como se todas as dúvidas
me estivessem sendo desfeitas conforme me lembrava das senas que,tinha visto ao beber
do sangue de Hyargra."É como se uma fera,vivesse dentro dele,pelo que,vi,realmente é o
liader,o detentor da raça.Dharytha,é esse o maldito que,eu desejo realmente vê com meus
próprios olhos".

"Lestat,não se sinta acanhado,atue como sempre atuou...Se estiver sozinho,eu tenho me-
do,mais se estiver acompanhado,eu não tenho medo".Ouvir isso vindo dele,foi como se os
mares me fossem abertos,Letícia continuava abraçada a mim,eu sempre me deliciando ao
acariciar os cabelos,seu rosto sonolento pousado em meus ombros.

"Compreendo,posso voltar um pouco antes do momento certo...Tenho que,enfrentar toda
personalidade selvagem de Kalawina".Olhava para a frente ao falar isso,os cabelos densos
de David,caiam pelos seus ombros,escuros ao luar,todo um brilho apareceu em seus olhos.
"E dela que,tem medo,não deles!Da raça maldita".Tinha atingido o alvo!

"Há!Exatamente! O preço foi alto meu querido,muito alto,pode custar metade de minha alma".
Eu,falava de Louis,isso deixava David impaciênte,conforme eu continuava sentindo os seios
de Letícia encostados em mim,pude sentir como estavam ficando rigidos,cheios!Isso estava
sendo rápido,meu coração ainda batia forte.Não sei como descrever,como me sentia tão bur-
ro em não saber nada disso!

Literalmente me sentia burro!Nadando em mar de escuridão por não saber de nada!Ouve todo
um esfregar dela sobre mim,algo delicioso,seu calor se fundia com o meu,como em um abraço
delicado."Eu,estava deitado ao lado de Louis,quando ele entrou em coma,simplesmente estava
conversando com ele,é por fim,o coma".David,engoliu suas palavras quando quis falar.

"Falando com ele?".Novamente ele devagou,esfregou os cabelos como em raiva por isso.
Sentia todo um modo de pecado diante desse acontecimento.Eu,começava a me sentir
um pouco incomodado com os seios de Letícia encostados em mim,muito rigidos,docemen-
te cheios,maiores,sultuosamente maiores,não podia negar isso.

Sabem a sensação de terro?Tenham certeza que,começava a sentir isso apartir desse mo-
mento."Exatamente,Hyarian não quis vir,não sabe como ele está tão belo,grandinho,um me-
nino maldito,como só ele,sabe der".Risinhos vieram dele,suas pernas mantinham-se perfeita-
mente esticadas a frente.

-Desejo vê-lo,tão pequenino,é já começava a enfrentar tais problemas,imagino como
sele deve ter se sentido.

"Ah!Claramente que,eu consigo vê.Eu,tentei,mesmo assim toda situação me levou seder
as suas vontades".Letícia,pode se afastar andando a frente,quis se deitar sobre flores á
estarem por toda parte.O bosque era como um denso campo,muitas flores conseguiam
crescer sobre esse campo,ela se deixou sobre essas flores para ardomecer.

A atenção de David,pousou sobre ela,conforme seu olhar passeava pelo seu corpo sentiu
caláfrios."Não consigo imaginar como ele deve ter feito".Sentir essa dor vindo dele,me fez
arrepiar,o abrasei rápidamente envolto em ressentimento."David,se realmente quiser vir co-
migo para cidade de Athena,o receberei plenamente".

"Lestat,essa a minha casa agora,não vê?Por favor,entenda isso,mais sempre que,eu quiser
amar você,sempre irei a sua procura,você da minha".Tinham sido sussurros apavorantes,os
meus gestos passaram a se descoordenar.O beijei arduamente na boca,caládrios tenues ia
me contaminando dos pés a cabeça.

"Ah,mais isso e um castigo,correto?Não pode mentir,está me castigando".Ele,deixou-se afas-
tar seu rosto,seu olhar de mim,me mantive agarrado a ele,gradualmente ouve coragem para
ele me responder."Certamente que,sim...Tenha certeza disso,mais no momento certo o ama-
rei,o terei,exatamente da mesma forma que,tive,não sou covarde Lestat,quanto a isso,não
mesmo".Me senti aliado,foi como respostas de ressentimento.

Depois desse longo beijo,voltei meu olhar a Letícia,me enloquecia como a pequena conseguia
ser tão perfeita."Uma mulher presa em um corpo de menininha,isso me encanta nela,jamais á
minha pessoa conseguiu vê tamanha perfeição...Dorme em meio as flores como se não fosse
nada".David,presionava meus ombros com suas mãos.

"Sei que sim,precisamos ir para casa dáqui a pouco,a noite começa a ir embora de modo deva-
gante Lestat".Risos irônicos sairam de mim,conforme me levantava para me tentar acodar ela,a
sensação de despero me tomou,quando pude abraçá-la,vi o geito como estava tão sonolenta.
Seus olhos se abriram docemente,se sentou sobre as flores amassadas."Precisamos ir,sabe que,
o sol está começando a nascer,a noite entra em seu fim".

"Lamento".Estiquei as mãos para ela se levantar,quase gritei quando vi aquelas gotas em tom
vermelho lhe sairem dos seios,isso ficou claro quando vi pequeninas manchas sobre o tecido do
vestido."Letícia,se mantenha acordada!Temos que ir!Acorda Letícia!".Ela,voltou seus olhos pa-
ra mim,docemente se agarrou ao David."Estou apenas sololenta,só isso Lestat".David,á segura-
va nos braços.

Foi apenas uma questão se aceno para alçarmos voo,agora simplesmente era voltar,entramos
em nosso retiro,o sotão que,nos esperava.Voamos a cidade,traçamos todo caminho.Quando á
gente desceu no jardim,Carlos nos esperava,ele tinha preparado tudo sabendo de nossa volta.
Nos sentamos no gramado ofegantes,Letícia ainda sonolenta nos braços de David,alivio em tu-
do ter saido bem,conforme desejava,meu olhar de perdia nos céus escuros,a noite começava a
ir embora,só o retiro no sotão nos esperava,continuavamos sentados no gramado do jardim,só
um leve descanso antes de entrarmos.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 57

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:51:58

***Continuando***

Carlos,se apróximou da gente,passou devagante seus olhos para David e Letícia.Ela
que,se mantinha sonolenta conforme os olhos não deixavam de informa,David a segu-
rava delicadamente nos braços.O gramado estava fresco,delicioso,ainda todo pensa-
mento desejava voltar a plena ordem,todos os olhares entre David Carlos,voltaram-se
a mim,o que,isso significava?Hora de nos retira,momento de caminharmos até o sotão.

Por fim,simplesmente entrarmos nos sarcofagos.Meu olhar se focou gentilmente sobre
Carlos,ele se sentou ao meu lado fazendo com que,seus braços caissem aos meus om-
bros delicadamente em gestos inesperados.Letícia e David,estavam bem ao nosso lado.
Isso me deixou aliviado,tinhamos chegado seguros,mesmo assim saber que,algo muito
estranho estava acontecendo com ela,me deixava muito pensativo,mais isso eu iria vê
quando entrassemos.

"Ela,está apenas cochilando desde á nossa saida dos bosques e pântanos da Cidade,eu
ainda preciso tentar prever,se ela está dispota á acordar,ou ir direto para o sotão".Não
quis responder as palavras de David,á minha pessoa apenas desejava tentar compreen-
der o que,estava se passando com ela,isso me deixava muito amedrontado,porém meus
pensamentos continuavam tentando manter toda ordem.

"Vamos entrar,tente acordar Letícia,sabe que,ela ao menos precisa manter a razão.Não
acho sensato da parte dela,se envolver nesse modo,passou por um momento complica-
do,eu mesmo,não garanto que,ela esteja plenamente bem,digo mentalmente".Carlos,não
se sentia seguro ainda com isso,ele simplesmente deixava-se pensar,isso deixava David
sem o que,falar,responder á ele.

"Ok meu querido,compreendo,será como desejar".Eu,ainda tentava não intervir,mais meu
ego não permitiu que,David viesse á acordar Letícia,sabia o quanto ele,podia ser desas-
trado com isso.Rápidamente tomei ordem da situação,me curvando por cima dela,chamei
delicadamente em seus ouvidos."Temos que,entrar Letícia,já chegamos querida".Ouve os
pequenos gemidos de sono,para depois ela poder acordar,voltar a sua própria razão.

-Obrigada por me trazerem,por não terem me acordado,isso me faz muito feliz,me deixa
bastante convicta do sentimento de vocês.

Já,tinha se sentado quanto me falou isso,gradualmente de colocou de pé,tinha ajudado á
sua pessoa a se levantar,novamente meus olhos voltaram-se aos seios cheios daquele mo-
do,o que,novamente me deixou arrepiado.Nem David ou Carlos,tinham percebido tal requin-
re provindo dela,andamos devagantes para entrarmos pela casa,sabendo que,já iamos nos
retirar,David fez questão de fechar a porta da cada na chave delicadamente.

Ele,se sentou ao sofá com Carlos,Letícia saiu sozinha para descansar na cozinha,a cozinha
que,fica logo nos fundos da casa.Me sentei entre os dois,continuei passeando meus olhos
delicadamente a frente,isso fez com que,David focasse seu olhar em mim derrepente,mais á
sua pessoa ainda tentava descobrir o que,se passava comigo.

"Há alguma coisa de errado Lestat?".Assenti derrepente saindo do pequeno transe,Carlos
também estava esperando uma resposta de mim,mais tive que,tentar desviar de assunto.
Porém nem um deles o permitiu."Por favor,fale para gente.O quê há de errado Lestat?Seu
olhar denuncia algum ressentimento quardado dentro de você".Continuava prestando toda
atenção nós dois.

Mesmo assim,minha preocupação com Letícia,não saia de minha mente,conforme me levan-
te me preparando para ir a cozinha,já me dava conta de que,realmente ela mesma sentiria
o que,podia estar de errado com ela."Meus sentimentos,minhas visões,presságios,isso deixa
meu corpo fora de si queridos,nada mais que isso".Eles não deixavam de focar o olhar deles
em mim.Carlos e David não iam deixar barato alguma coisa dessas.

-Lestat,está desnorteado com tudo ainda meu querido,precisa mesmo falar dessa forma?Eu
começo a me preocupar seriamente com você.

-Não,é isso David...Sabe o que,penso diante do que,aconteceu com Letícia,o que,acha que,
o Marius vai falar?Dúvido que,depois disso,ele deixe ela vir para Nova Orleans,até imagino as
palavras que,vai dizer."Há!Inrrresponsáveis!Jamais!Jamais!Jamais!"

É por fim,os gritos altos ecoando por todo templo de Tompei.

"Falas como se sentisse covarde Lestat,é isso você não é! Prometeu que,vai ajudar Letícia,é
essa á tua missão para com ela,compreende?".Davir,estava certo,porém nem eu,sabia se iria
ter forças o bastante para me defrontar com Marius.Repensei das brigas que,aconteceram no
nosso passado,das inumeras vezes que,Marius simplesmente agirá comigo dessa forma.

"Há de se pensar David,não será nada fácil".Ele é Carlos se levantaram,os dois descidiram ir
ao sotão,quanto a mim?Me dei a devagar entre os corredores da casa,admito que,diante dis-
so,eu tinha,é ainda me sinto deliciado com a doce reforma que,David fez na casa.É como eu
descrevo:Reformas sutis,simplesmente delicadas,mais que,encatam á qualquer um,não quero
entrar mais a fundo no assunto,afinal conforme vago pela doce descrição,cada um de vocês
tem a plena noção das pequeninas diferenças.

Senti o cheiro de Letícia no ar,passei pelo corredor denso entrando na cozinha,á vi sentada
na mesa ao centro,uma cozinha simplesmente magnifica em estilo francês.Ela,estava com o
braço esticado a frente,de alguma forma já me senti em alerta pela sua respiração rápida,os
inumeros suspiros delicados que,saiam de sua delicada boca.

"Letícia!Precisa de ajuda,realmente se sente bem?".Ela,ouviu minha voz rápidamente,me pos-
tei de pé ao lado dela,estendi os braços delicadamente como um elo de acolhimento."Lestat,
eu não me sinto bem.Garanto que,eu não me sinto bem".Quase tinha gritado em desespero,o
seu olhar estava enublado,bastante opaco.Ela,se sentou ao chão,logo encostada a parede,o
denso brilho de seus cabelos castanhos se destacada delicadamente nas luzes.

"Só vim para a cozinha para descansar um pouco,mais vejo que,minha sensação de fraqueza
não é normal.Me sinto pesada Lestat".Ela,ainda não podia sentir como os seus pequenos,es-
tavam cheios,realmente rigidos conforme todo requinte obscuro continuava.Ela,devagava co-
mo princesinha em seus pensamentos desnorteados,delicadamente tive que,acolhê-la em to-
do meu leito.

"Letícia,olhe para você princesinha.Está fatigada,em todos os sentidos espero poder dar uma
espionagem em você".Ouve todo um arquear de seu olhar tenue á mim,se manteve abraçada
ao meu corpo.Levemente desgastada,docemente brilhante como uma princesa deve ser,mais
mesmo assim,tive que,desferir meus dedos pelos botões de seu vestido,meus dedos se delicia-
vam com a textura de lã,a cor realmente continuava á me encantar.

"Tom violeta,o modo como se mistura com o liás me encanta princesinha".Ouve risinhos de sua
parte,eu continuava desabotoando delicadamente os botões a frente do decote do vestido,ti-
ve que,desatar a faixa de ajuste,meu espanto foi imediato.Ela,ainda tentava se esvair conforme
tentava decernir minha reação.Meus instintos vampiros ainda não conseguiam captar o que,eu
estavam vendo.

Me neutralizei imediatamente,Letícia estendeu seus braços a frente,mesmo tremendo estendi
meus dedos sobre seus seios volumosos!Seios que,se enchiam de necta viscoso,exatamente
o necta que,Thalwa tinha provido para alimentar Hyarian.Meus dedos delicadamente começa-
ram á apertar os mamilos rosados,o necta jorrava delicadamente entre meus dedos.Meu grito
teve que,ser contido,já sabia o bastante para simplesmente,não tentar desencadear toda uma
guerra dentro da casa de David.

-Princesinha,não se grite,não entre em pânico com o que,vou dizer...Me promete isso?Espero
que,me prometa,compreende?

-O que,exatamente Lestat?

"Se desejar podemos sair dáqui,procurar um lugar seguro para tirar esse serzinho que,está ai
dentro".Há!Ela,começava a se debater cruelmente em meus braços,não demorou para ela,cap-
tar o sentido de minhas palavras.Lamentei muito!Eu,começava a ficar choroso conforme ouve
tudo um encontro de corpos poderosos.O meu,é o dela!."Não grite! Não sei como um fillho da
mãe como aquele,conseguiu isso! Não sei mesmo! Mais vai realmente querer ter esse bebê?Es-
tá convicta das consequências se chegar ter essa criança!?".Letícia,estava demostrando uma
forma imensa!Sofria para segura-la em meus braços.

"Imagine! Isso nunca iria acontecer!Sou tão seca quanto vento!Terra Lestat! Acha mesmo que,
um maldito como aquele,teria forças para fazer isso comigo?Imagine!".Tinha se desviado muito
bem,deixou suas mãos pousarem em cima de seus seios desnudos,ela segurava toda borda do
vestido.Ainda estavamos sentados ao chão,ela tremia dos pés a cabeça,não conseguia decernir
a sensação de vê o terror em seus olhos,estava tão furioso que,meus gritos sairam como nava-
lha ao ecoar pela cozinha.

"Ele teve forças,é infelizmente o fez! Não importa de que,modo!Mais o fez! Olhe para você!Veja
por si mesma Letícia! Para de ser insensata!".Ouve mais tremores emanando pelo corpo dela,me
levantei andando de um lado a outro da sala,eu tremia muito!Me sentia em pânico,tentando sa-
ber o que,deveria fazer,minhas mãos passeavam sutilmente pelos meus cabelos,chegava até á
apertar meus lábios.

"Princesinha,podemos sair dáqui,ir para um lugar seguro,tirar o maldito que,está ai dentro,mais
está realmente disposta a dar a luz?".Lamentei muito,em novamente ter que,dizer isso a ela,os
seus pensamentos corriam toda minha mente."Lestat,desculpe meu querido,posso morrer,mais
tenho certeza de que,meu bebê não pediu para ser feito,sequer tem noção de que,está dentro
de mim.Admito,viu insensata em pensar o contrário,em não ter sentido,mais não pretendo fazer
algo que,seria contra minha razão".

Isso me deixou choroso!,lentamente o som do meu choro começava a ser ouvido por toda cozi-
nha.Tive que,tomar folego para me sentar ao chão novamente,arrumar seu vestido,abotoar os
botões,ajudar a faiza.Eu chorava enquanto fazia isso,chorava como um condenado.Não só por
infelizidade,mais por ódio,tristeza,todos esses tipos de sentimentos que,sentimos nesses momen-
tos.

"Sei que,sente ódio princesinha,mais mesmo assim,acatarei á tua vontade.Só espero que,não vá
ser tarde demais para ninguém me queimar quando chegarmos.É seu bebê,correto?Pode ser de
um maldido,mesmo assim,desejo que,isso seja resolvido da melhor forma".Conforme terminava,os
passos de Carlos e David ecoavam ao corredor a frente da cozinha."Fique calada!Amanhã quando
acordamos á noite,eu mesmo falo,fique quieta,mais nada".

Sussurrei delicadamente essas palavras lhe beijando delicadamente,dei um último ajuste,mesmo
choroso,lentamente nos levantamos,toda palma de minha mão deliszava pelos meu rosto,mesmo
assim,Letícia não conseguia parar de chorar,eu me contive,mais ela?Há!Uma cascata de tormen-
to.Quando os dois entraram rápidamente foram ao encontro ela.Foi como se David sentisse que,
á alma de Letícia,não estava bem.

"Querida,olhe para você,precisamos nos retirar.A noite chega ao seu fim,é lamento por vê-la des-
se modo".Ele,á segurou nos braços,Letícia esticou os braços aos ombros de David,Carlos estava
ao meu lado,ela não parava de chorar!Chorava como qualquer mulher diante de um tormento co-
mo esses. "Estou mau,simplesmente isso David...Me leve para o sarcofago,só isso que,desejo até
amanhã a noite querido".

Saimos devagantes,Carlos apagava todas as luzes por onde passavamos.No fim de tudo,entramos
no sotão,os sarcofagos estavam a nossa espera.David entrou com Letícia em seus braços,mesmo
lá dentro,depois da tampa fechada,eu e Carlos ainda podiamos ouvir o choro dela,chorava conforme
entrava em seu sono."O que,há com ela?Estrano vê Letícia,assim".Voltando meu olhar para ele,tive
que,responder."Se ela desejar,amanhã a noite sabera".Por fim,apaguei as luzes,entrei no sarcofago
sem falar mais nada.Em seguida,Carlos me foi sentido,assim foi o fim dessa noite maldita:O sono á
nos envolver,envolver a cada um de nóis.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 58

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:53:01

***Continuando***

Foi na noite seguinte que,começava á acontecer o que,eu temia,falo de como Carlos
se sentiria espiritualmente caso Letícia,desejase falar por si mesma.Acordei não ten-
do a presença deles a minha volta.Abri a tampa do sarcofago lentamente,envolto no
momento solene.Saindo,passei meu olhar lentamente pelo sarcofago de David,aonde
ele é Letícia,tinham dormido na noite anterior.O cheiro de incensos estava presente.
Lentamente meus passos ecoavam pelo sotão.As luzes estavam acesas,sentia toda
presença de Carlos e David no jardim.

"Letícia,está no segundo andar da casa,sinto o cheiro dela vindo do quarto deles,dos
dois".Sai pelo corredor saindo a sala.David e Carlos,ao contrário do que,pensava,esta-
vam me esperando na sala,sentados ao sofá.Ainda tentavam entender os motivos de
Letícia ter ido dormir naquele estado."Tenham certeza que,vão saber,mais isso caso á
Letícia o faça".Os dois sofriam pelas palavras citadas por mim,lentamente começava á
subir as escadas.

Saindo ao denso corredor á minha pessoa teve que,entrar no quarto.Letícia,esse tempo
todo tinha estado a minha espera,de modo delicado pedi licença ao vê-la sentada sobre
o vão da jenela.Ela,estava simplesmente sentada sobre toda a base olhando para o lado
de fora,tendo toda visão do jardim,Letícia pensava devagante no que,iria fazer,só luzes
de velas iluminavam o quarto.A lua estava forte essa noite,entrava por todo quarto me
parecendo banho de cascatas limpidas.

"Posso conversar com você?Está disposta á falar comigo?".Focando novamente os olhos
sobre ela,vi que,segurava uma taça cintilante na mão-direita,não desgrudava o olhar da
densa paisagem.O vento entrava rebatendo nas densas cortinas das jenelas do quarto.O
seu olhar se voltou a mim,ao finalizar sua distração."Sim Lestat,claramente que,sim".Não
pude sentir qualquer sentimento provindo dela,ressentimento,qualquer tipo de reação ao
estar áli diante de sua pessoa.

"Pretendo agir da melhor forma possível,não desejo de forma alguma agir corvardemente".
Há,isso tinha me deixado em alerta,pude sentir só em vê em seu olhar,como Letícia esta-
va disposta a tudo.Me sentei sobre a cadeira postada sobre a mesinha ao lado da cama,
vi como ela desceu o vão da jenela para poder se sentar a beira da cama.Usava vestido
de linho vermelh-escuro,um tom bastante delicado para sua pele,infelizmente a minha pes-
soa continuava á se sentir tão amargurado.

-É seu bebê,fico triste em tomar uma descisão como essas.Lamento por ter acontecido o
que,todos nóis pensamos ser impossível.Eu ainda consigo compreender o meu caso com á
Thalwa,mais com você?Há minha princesinha!Lamento imensamente!

Não deixei de estender as mãos a ela delicadamente,conforme Letícia tentava manter seu
pensamento em ordem,garanto que,o desespero começava á atiçar minha memória tão in-
sana."Não lamento como foi feito,mais sinto ódio de quem o fez,do maldito que,simplesmen-
te não teve piedade".Deixei meus dedos pousarem em seus lábios delicados,conforme senti
sua firmeza mental,pude continuar falando.

"Quieta princesinha...Sinta ódio do maldito,é não do seu bebê".Isso a deixou espantada,ela
se deitou sobre a cama,conforme seu rosto pousava delicadamente sobre os travesseiros,á
sua alma,entravam em estado de transe.Começava a se preparar para ao menos tentar sua
argumentação com David.Pensei que,eles iriam demorar muito para subirem,é demoraram ao
meu ver.

"Não espere nada mais do que,uma pequena raiva os contaminando".Ouve risinhos da parte
dela,as mangas do seu vestido eram longas,estendia-se até seus pulsos delicados,fechando
os olhos delicadamente,não deixou de levar a mão-direita ao ventre,isso a deixava arrepiada.
Muito envolta em tormento,os gemidos eram ácidos conforme começavam a serem ouvidos.O
momento corria,o tempo não perdoava.

"Vou odiar essa criança,tenho certeza disso Lestat".Me esquivei para poder deitar ao seu la-
do.Meu braço se curvou por debaixo de seu corpo,á acolhi em meu leito,beijava seus cabelos
como se fossem rosas perfumadas."Repito novamente.Tenha ódio pelo maldito que,o fez,não
pelo seu bebê".Letícia,mesmo diante de um tormento como esses,ainda se sentia desnorteada.

David e Carlos,chegaram conforme nos mantivemos deitados na cama.Ouve batidas antes
deles entrarem,foi nesse momento que,meu coração começava a bater rápidamente,senti
meu ego ir além do limite planejado.Saber que,eles estava a sua frente,deixava Letícia ao
ponto de correr,procurar abrigo em seu pavor.Se sentou sobre a cama,encostada sobre o
espelho,suas pernas delicadas se curvavam de encontro ao seu corpo.

Ainda existia um receio,um notório devagar,se realmente iria acatar ao que,tinha decidido.
Os pequenos gemidos de choro foram o sinal á mim:'Resolva isso para mim,o resto não me
importa'.Essa mensagem foi captada nesses gemidos chorosos,me levantei passando pela
porta,desci toda a escada com os dois me seguindo,eles não tinham entendido essa atitu-
de da pequena.Entrando no denso jardim,me sentei abaixo do pé de bananeira.

Carlos e David,sairam pela entrada da casa envoltos em fúria,isso por Letícia ainda continu-
ar agindo daquela forma."Minha pessoa ainda continua não entendendo o que,acontece,eu
ainda não consigo absorver o que,está acontecendo com Letícia!".Tinham sido as palavras
ferozes de David,provavelmente eu teria fugido caso contrário.

Meus dedos passeavam devagantes pelo gramado,á minha pessoa ainda tentava acolher as
palavras corretas.Conforme ouve um silêncio entre os dois,veio forma notória de como tive
que fazê-lo."Está grávida,esperando um bebê Hyargra...Exatamente como tive medo,como
o medo me consumiu quando o estupro aconteceu".Ouve risos irônicos de David,ainda não
tinha captado bem minhas palavras.

-Como assim Lestat?Esperava que,dizesse alguma coisa mais real,é não esse tipo de brinca-
deira.

-Acha mesmo brincadeira?Ontêm a certeza absoluta David! Pode vê por si,como os seios de-
la estão cheios,se enchem como cascatas incrimes,falo de necta puro! Exatamente como a-
conteceu com Thalwa!

Ouve passos para trás,ele e Carlos ainda absorviam minhas palavras,David começava a sen-
tir toda uma indagação de presença.Conforme,se voltava a entrar pela sala,começa a sentir
todo um efeito de como essas palavras tinham sido fortes para ele.Eu os segui,Carlos ainda
não tinha citado nada,tive tova visão deles andando de um lado a outro da sala,como se os
seus pensamentos começassem á se entrelaçar.

"Considero isso uma brincadeira Lestat!Puramente uma brincadeira de mau gosto de sua par-
te!".Carlos,começava a gritar comigo,David também!Conforme os gritos começavam á acoar
na sala,eu começava a sentir a forte presença de Letícia,gradualmente que,ela vinha para o
nosso encontro.Me sentei no sofá deixando os dois á gritarem comigo,gritavam tão alto como
trovões cortantes.

Voltei minha atenção á Letícia,quando a vi parada no topo da escada em espiral,ela olhava os
dois gritarem comigo,sorri amargamente como se nada estivesse acontecendo."Lestat,não faz
nem uma brincadeira de mau gosto,Lestat está certo,ele não mente para nem de vocês".Ainda
descia a escada conforme falava,conforme aplicada suas palavras aterradoras.Sentia todo um
ar de suprema certeza de si,quando passou a minha frente,

"Ah!Tente entrar em sua razão Letícia,não está em sua razão!".Ouve risinhos vindo dela quando
David citou essas palavras,se sentou ao meu lado focando seu olhar nos dois a nossa frente,os
gestos de Carlos eram descoordenados."Só farei uma única coisa...Iremos para o templo,quero
deixar o tempo correr,vou ter á criança,mesmo que,poucos desejem isso!".O modo como ela os
olhou,foi como navalha de terror!

"Ter a criança?Ter a criança!? Só pode está enloquecida,maluca!".David,entrava em prantos por
ter quase certeza de que,ela não estava brincando,conforme ouve todo um devagar,vi como os
seus arrepios lhe corriam o corpo,ele sentia realmente o toque de vitalidade vindo dela,ela levan-
tou esticando os braços ao seu encontro,David devagou ao esvair sobre o tapete da sala,ainda
se sentia tonto por ter tido a certeza.

"Grávida,deseja ter o bebê mesmo,sabendo que,ele é filho de um maldito...Minha Letícia grávida".
Agora,eu ficava seriamente preocupado,muito estarrecido! Letícia,entrava em pânico sentindo o
começo de fraqueza de David,ela tentou segurá-lo,porém foi Carlos que,o segurou.David,tinha se
levantado,devido a todo impacto,desmaiado!Apagado como uma vela!Como se um sopro tivesse
sido desferido sobre seu coração.

"Infernos! Mantenha-se vivo David! Vai me ajudar a ter esse bebê".A esse ponto de palavras de
Letícia,já corriamos pelo corredor indo ao quarto,com David nos braços,eu e Carlos o carregava-
mos,Letícia simplesmente desferia essas palavras conforme entravamos,seu estado de prantos
era de matar a qualquer um."Fique firme David Talbot! Vou ter esse bebê,preciso de sua ajuda pa-
ra isso".Eu,me sentia um infeliz diante da situação.

Colocamos David sobre a cama,eu entrava em desespero por isso ter acontecido,começava a ba-
ter em seu rosto para tentar trazê-lo de volta,Letícia fazia o mesmo.Carlos,andava em gritos de
um lado a outro do quarto."Tragam ele de volta!Estou falando! Se acontecer algo a ele,eu declaro
guerra ao maldito!".Passei meuu olhar ao Carlos,agora sim,meu espirito entrava em pânico.

"Volte a si querido,está chegando o momento de voltarmos...Tompei,todos estão a nossa espera!
David!".Não adiantava,só me deixei esvair caindo ao chão em choro,Carlos simplesmente se deses-
perava,Letícia,se sentou sobre a poltrona."Tudo minha culpa,tudo minha culpa!".Eu,estava tremen-
do notóriamente,minhas mãos conforme passeavam pelos cabelos,tremiam sem coordenação.

"Esse não é o momento David,não é o momento querido...Não faça isso comigo".Minha visão não
conseguia sair de foco.Sempre aplicada sobre David em cima da cama,David apagado como se o
seu ser fosse um nada! O impacto ia ser grande,mais não pude saber que,teria sido a esse ponto!
Meus sussurros acoavam silenciosamente pelo quarto,agora podia sentir o toque de Carlos ao meu
ombro,quando se sentou ao meu lado.

A gente se esvai devagante sentados ao chão,o tapete macio que,nos acolhia,o choro de Letícia
não parava de ser ouvido."Mais tarde precisamos ir embora querido,não é o momento disso aconte-
cer".Palavras ditas por mim.Só o que,nos restava era a espera.David,continuava apagado,envolto
em seu desmaio impactante.Enquanto isso,só esperariamos.

Eu,me mantive envolto em todo meu silencio,o choro silencioso de Carlos,foi brando.A minha pessoa
o acolhia,a noite só estava começando,e tudo isso,tinha levado David ao estado de impacto,o que a
minha pessoa deveria pensar?Nada!Absolutamente nada.Só continuariamos esperando,é quando ele
acordasse voltariamos para o templo.

Sempre que,eu fechava os olhos,conseguia ouvir Marius gritando comigo!Me mandando ao inferno!
Me condenando por todo meu descuido!.'Vai morrer Lestat! Não me importo mais! Vai morrer!'.Esse
era o tipo de gritos que,eu conseguia ouvir,eu sempre que,imaginava tremia nos braços de Carlos.
O tempo corria,David continuava recuperando suas forças escassas,aos poucos o momento chega-
va.

Em em um momento Letícia,tinha parado de chorar,isso sempre me deixava impactado.Eu,começa-
ça a sentir a leve presença de seu bebê.As células me foram vistas mentalmente se multiplicando!
Fechei meus olhos tendo todal visão! O bebê jasendo no liguido em seu útero!Se formando como o
esperado!."Vou morrer por isso,infernos,infernos,infernos".Sussurrava essas palavras continuamen-
te.

Carlos,apertava minhas mãos,se mantinha neutralizado.Chegaria o momento de David acordar,tive
certeza disso,é com isso,ao menos um momento de paz me tomava.Chegava o momento de irmos
embora.Ouve um leve abrir de olhos de David,assim que,Letícia viu isso se levantou se jogando ao
seu encontro."Desculpe querido,desculpe,desculpe".Ele tremia,tremia em todos os musculos do seu
corpo.

"Desculpe...Desculpe".Era sussurros brancos,Carlos não teve reação,não queria,sair de meu lado,ele
se grudava a mim como uma criança.Tão impactado,quanto uma criança.David,mesmo ainda envolto
em seus tremores,seu medo,conseguia acolher Letícia em seus braços.Tive total noção de que,tinha-
mos que,nos preparar para irmos embora.

Thalwa,Marius,Lunnes,Sofia,Armand,kalawina,Xinhua e Kenjing estavam a nossa espera.Só o começo
do inferno que,enfrentaria.Fiquei,devagando enquanto David acolhia Letícia,eu começava a sentir me-
do de Marius,exclusivamente dele,de como tudo ia ser dito,de como eles reagiria...Temia um inferno á
nossa volta."Não iremos falar nada! Nada Lestat!".David,tinha percebido esse pensamento em mim,es-
sa tinha sido a reação dele.Impactante!

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 59

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:53:57

***Continuando***

Eu e Carlos,começamos á analizar todo indagar vindo de David,gradualmente os
dois que,nos era visto,se mantinha grudados daquela forma.Letícia em todos os
sentidos tentava trazê-lo de volta.David,aos poucos conseguiu de levantar,ela
ao menos o conseguiu.Esticando as mãos para ela,fez com que,delicadamente o
seu corpo de esticasse a frente.Os dois começavam á andar devagantes por to-
do quarto.

"Desculpe pelo golpe,definho ao ter plena certeza do que,aconteceu com você".
Ela,ainda se sentia mau pelo que,tinha acontecido a ele,o desmaio teria sido fa-
tal a qualquer mortal que,se possa imaginar.Gradualmente eu e Carlos consegui-
mos nos levantar,passava á me sentir desgastado,é justamente no momento á
qual precisaria de forças plenas.

"Letícia,não esperava isso,ainda há certas coisas que,não estamos preparados.A
sua gravidez ainda me continua sendo inesperada...Desejaria muito poder matar,
se realmente desejar,quem sabe não possa colocar céus e terras contra o maldi-
to".Ouve leve toque de atenção da parte dela,eu e Carlos os observavamos logo
do vão da porta do quarto.

"Tem a coragem de me falar isso?Tenha certeza que,me sinto da mesma forma,eu
ainda estou absorvendo essa realidade".Carlos,estava aguentando muito bem,esta-
va chegando o momento de partimos,só nos manteriamos por mais alguns minutos
na casa,em Nova Orleans,garanto que,o meu coração começava a bater forte,não
deixava de pensar em Thalwa,em como tudo começava a se desencadear.

"Está disposta á ter o bebê,mesmo sabendo de quem é o filho,Letícia não se sente
acuada...Acho que,será complicado convencê-la do contrário".Essas palavras vindo
de Carlos,conseguima me matar aos poucos,me senti esvaido de forças.David,tenta-
va começa a procurar algum tipo de roupas.

Sabiamos que,ele iria se trocar antes de sairmos.Eu e Carlos,ficamos esperando eles
se trocarem,Letícia tinha ido ao gloset pegar um vestido de algodão.Quando voltou,
eu pude vê a cor:Vestido de algodão negro,essa cor sempre caia bem em Letícia,ela
se trocou rápidamente,nem fez questão de trocar de calçados,iria com a sandáloa á
qual calçava.

David,tinha escolhido calças clássicas,caminha também no mesmo estilo,sapatos em
tom preto,demorou menos de dez minutos para eles se vestirem.Quando terminando,
David teve que,apagar as luzes.Saimos pelo corredor,saindo ao jardim,isso logo apois
terminarmos de fecharmos jenelas e portas.

David,se sentou pensativo ao batente da entrada,seus dedos delicados passeavam,o
brilho dos cabelos escuros se destacava pelas luzes dos postes vindo da Rua.Letícia,
não conseguia tirar os olhos dele,nem eu ou Carlos,tinhamos tido a paciência de fazer
a troca de roupas,estavamos tão de cabeça quente que,realmente não teriamos con-
seguido.

-Não devemos falar nada,compreendem?Nem ao Marius,Thalwa,Sofia,Tompei,Kenjing,
Kalawina,Lunnes ou Xinhua,até Armand...Não acho prudente de nossa parte contar.

-Quer mesmo decidir por esse lado David?Não deixar com que,ninguém descubra?Até
o Armand?

"Exatamente...Tenho medo!Medo Lestat! Medo do que,eles possam armar contra ela.
Só isso que,me importa".Ha! Lamento descoordenado,isso me fazia me sentir um Deus
perto de sua mentalidade madura.Letícia,estendeu os braços a ele delicadamente,isso
o fez se acolher nos braços dela.Conforme Letícia,conseguia deslizar as mãos pelo seu
rosto,começamos a entender a verdadeira situação do estado espiritual de David.

"Lestat,quando chegar o momento certo,podemos sumir,posso ter o bebê longe,não
seria sensato de minha parte me manter com eles por muito tempo".Seus olhos esta-
vam focamos em meu olhar,Carlos emanava seus gemidos de choro,um choro silencia-
do pela situação em que,a sua irmã se encontrava.

"Longe de todos?Fora do foco de visão de Marius?Letícia! Como acha que,eu me sentiria
?".Ouve pleno devagar entre ela e Carlos,pude sentir que,os dois começam uma conver-
sa mental entre si,mesmo assim Letícia pode me responder."Exatamente...Longe de todos
os que,conheço".Ela,não tinha sido direte,mais indiretamente tinha me pedido para que,a
minha ajuda fosse plena nesse momento trágico para ela.

"Tenha certeza de que,terá minha ajuda,á ajudarei no possível Letícia.Vai dar a luz a esse
bebê,mesmo que,seja nos lugares mais remotos que,se possa imaginar".Ouve toda compre-
ensão provindo dela,David se levantou cambaleante,seu foco de visão começava a se per-
der novamente,conforme respirava,dava para sentir que,aos poquinhos David,começava a
recuperar suas forças.

Olhando o vestido de Letícia,pude vê como se atenuava bem as curvas delicadas,como se
se seu corpo de menina,se tornasse um corpo de uma mulher completa,os seios pequenos
se mantinham cheios de necta vermelho(Leite Vermelho).Conforme minha mente começava
a vagar,me dei conta que,a presença do bebê estava ficando bastante nitida.

Fechando meus olhos delicadamente,pude vê como ele,continuava boiando no líquido dentro
do útero de Letícia,todos os tipos de caláfrios foram sentidos por mim,ainda tentava prever
o que,iriamos dizer,como iriamos esconder,mesmo assim,eu continuada confiante,tentava fa-
zer com que,não me sentisse desanimado com essa pequena situação.

"Está se esvaindo diante disos tudo Lestat,não esta conseguindo manter sua razão.Será
que vai conseguir suportar?".Sua voz saiu doce,Letícia tinha conseguido me tirar de todo
esse transe inesperado,voltei á abrir meus olhos,nesse devagar os tinha mantido fechados
para que,jamais deixasse de captar cada detalhe de como deviamos agir quando chegasse-
mos.

"Deixe com que,tudo possa parecer normal,simplesmente isso.Acho que,esse é o melhor mo-
do de mantermos sigilo desse pequeno imprevisto".Ela,acatava delicadamente todas as pala-
vras proferidas por mim,David conforme continuava silenciado ao lado de Carlos,já não tenta-
va opinar,se sentia tão perdido,quanto uma gaivota nos céus escuros.

-Mantenho minha palavra,é complemento dizendo que,esse bebê e tão meu,quanto de David.
Só quero proteção,mais nada que,isso.Espero que,não tenha deixado de ser clara com vocês.

"Já sabemos disso Letícia,eu só estou tentando me revitalizar,me sentir revigorado diante de
tudo isso".Ouve risinhos maléficos da parte dela quando ouviu isso de David,porém conforme
o tempo passava,começava á chegar o instante que,deveriamos alçar voo,ainda não conse-
guia decernir um apreciar de sonhos,meus olhos ardiam,o que,me fez levar os dedos acima do
rosto.

"Plenejam esperar mais um pouco?".Eu,sentia a doce pontada de sono,mesmo assim teria que,
manter a vitalidade a 100%.Não podia parar nesse instante inesperado,me sente ao batente
tentando juntar as últimas forças,Carlos fez o mesmo deixando David e Letícia em seu silêncio
multuo.Nicolas,começava a vir em minha mente,meus pensamentoa devagantes.

O silêncio foi tamanho que,podiamos ouvir todo canto das cigarras,o denso barulho vindo delas.
"Nicolas,voltou á vida pelas mãos de Tompei,esperava mais presença da parte dele,infelizmente
não foi como planejado".Ri irônicamente disso,Carlos dava pequenos tapas em meus ombros por
todo meu estado."Compreendo,mais sabe que,Nicolas pode aparecer quando bem convier,sabes
a sede que,ele têm por conhecer o novo mundo em que,nasceu Lestat".

"Exatamente Carlos,esse é o problema:Sede demais,o que,acaba por me deixar abatido,pensati-
vo".Ouve toda uma compreensão entre eu e Carlos,como se conseguissemos uma ligação vindo
do fundo de nossas almas.Tinha sido inesperado,mesmo assim isso queria,me dizer como podia ir
além de meu limite.

"Tenhamos indolê só isso".Foram os últimos sussurros de Carlos,tinha chegado o ponto de minha
tomada de forças,me levantei esticando as mãos a frente,passei todo olhar pela densa faixada,a
casa iria ficar bem,até a volta de David,Carlos e Letícia,só ficaria sem seus donos,Letícia saiu de
sua quietude,veio me abraçar calorosamente.

"Temos que,ir...Tome tome folego princesinha,vai precisar".Isos me fez oscilar conforme a puxei
ao meu encontro,depois que,a coloquei no não,David entrelaçou seus braços sobre ela,depois os
dois sumiram nos céus escuros de Nova Orleans."Carlos,precisa de ajuda?".Carlos,mantinha todo
seu olhar focado em mim,simplesmente esperava qualquer palavra vindo dele.

"Não,sei como fazer,mais não deixe devagar demais em tua alma".Ha! Delicadeza de um martin,os
meus olhos não deixavam de passear por ele.Tinha sumido aos céus quando,tinha subido sobre a
murada a frente do portão da casa,me encontrei sozinho,pequeno lamento de notória amargura,o
meu ser sairia mais uma vez destruido da cidade.

"Chegado á hora...O momento de fazer história mais uma vez".Sussurrei essas palavras quando,eu
olhei para os céus escuros da cidade,simplesmente meu voo foi pleno,subi aos céus da noite numa
velozidade aterradora.O vento batia forte em meu rosto.Carlos,David e Letícia,estavam a frente,eu
não consegui encontrar nem um deles.

Só a viagem me era esperava,me encontrei sozinho no silêncio que,só uma viagem dessas pode
nós dar.A velozidade constate,atenuada como pétaça de flores.O céu começava a ser atraves-
sado como um ráio.Estava pouco me importando com isso,só queria chegar,é me jogar nos braços
de Thalwa,chorar nos braços dela.

Uma crueldade de minha parte,mais que,para mim teria que,ser nescessário,toda essa forma de
pensar,sempre vinha a minha mente durante todo voo.Mesmo assim,a presença de Carlos,David
e Letícia,me eram sentidas sinuosamente.Toda uma exploração sempre era feita,esperava poder
chegar são e salvo.

Nunca o medo conseguiu cair sobre mim como nesse momento.A chegada era inevitável,tinhamos
que,simplesmente chegar,fazer todo um descaso da situação de Letícia.Me senti assim durante o
percurso,sem piedade,o meu corpo estava constantemente castigado.A proximidade estava clara.
Minha mente devagava como seda,pétalas pisadas,esmagadas sobre vossos pés.O frio do vento,a
clareza de uma constante mente correndo o mundo.Esse era meu ego,todo um legado que,tive que
acatar,acolher em meu coração é alma.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 60

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:54:49

***Continuando***

Terceira Parte: O encanto do ressentimento,a perda do pequenino.O choro Negro.



Tinhamos chegado,David e Carlos estavam a minha espera em cima da muralha que envolve
todo templo de Tompei,ainda tentava me esvair quando saltei.Letícia,estava sentada ao lado
deles.Olhavamos para baixo,como se um transe pudesse ser visto,sinuosamente a visão pas-
sou toda a frente.Eu,olhava atentamente para baixo,lá eu pude vê quem estava me esperan-
do.Será que,eu podia me sentir um profanador?Não,realmente esse tipo de contexto não se
passava em minha mente tão retraida nesse instante.

Thalwa,era ela que,estava a minha espera.Não soube como,mais de algum modo ela pode me
esperar,tinha sintido minha chegada,tinha sentindo em que,instante eu iria chegar.Continuava
olhando atentamente para ela lá embaixo.Estava sentada exatamente sobre a pedra no denso
jardim do templo,cruzava as pernas elegantemente,usava túnica em tom oliva,a sua cor adora-
da,a sandália lhe caia bastante bem,baixa de modo a se encaixar tão perfeitamente em todo o
pé.

"Thalwa,esteve me esperando,isso e muito obvio,realmente chegou a sentir minha chegada,ela
nunca deixa de sentir essas coisas".David,passou seu olhar abaixo,isso fez com que,Thalwa lhe
olhasse delicadamente,os cabelos negros lhe caiam aos ombros,as costas como um todo,véu de
pecado,puramente o pecado aterrador que,me contaminou em época não tão distante.A vi se le-
vantar,caminha pelo jardim,as mangas longas da túnica oscilavam com seu andar.

Nada ela falou,mesmo tendo toda sua visão sobre mim,foi como um encontro imediato,encontro
de todo um martirio."Não vai descer Lestat?Pretende ficar ai?".Juro que,começava a ter medo,o
medo de fazê-lo,mesmo assim,não pude me conter.Lágrimas apareciam pelo rosto,todo rosto ia
se sujando dessas malditas lágrimas sanguinolentas.Conforme o vento corria pelo lugar,tentava
sentir toda uma nuanse de aspereza.Ouve um riso maléfico vindo de mim,como se música fosse
cantada aos meus ouvidos.

"Temos que,descer.Antes que,Thalwa venha nos pegar,antes que,ela nos fassa cinzas".David,ia
se enfronhando em seus pensandos,os fechada como cadeados.Letícia,fez o mesmo,Carlos ainda
se sentia retraido,mais teve que,fazê-lo para que,nada lhe saisse estranho para com Thalwa que,
continuava alternando seu olhar para cada de de nós.Deixei meu riso de alargar,desci a muralha,
apareci logo a frente dela,como se um laço de amor,sentimento,vitalidade,tivesse sido lançado ao
meu corpo.

-Ouve uma demora em tuas andanças Lestat.Pensei realmente que,jamais iria voltar.Pensei que,a
minha pessoa,teria que,ir pessoalmente lhe buscar em Nova Orleans.

Eu sofri por ter que,responder a uma pergunta como essas,meu sangue fervia conforme meu corpo
sentia essa densa nuanse de nescessidade.Esticando as mãos a frente,fiz com que,os dedos lhe
fossem ao seu rosto."Poderia ter acontecido,provavelmente não,isso dependeria dos acontecimen-
tos".Ouve um silêncio aterrador vindo dela,os olhos cinzentos captavam muito bem toda cor que,as
luzes do jardim traziam.

Um tom fortemente azulado se destacava de seus olhos brilhantes,Thalwa não sofreu para entrar
em minha mente,como um laço deferido em meu coração,o espanto foi imediato.Conforme ouve as
captações de informações,pude me deparar com a imensa muralha que,ela podia representar para
mim.Ouve um ar de tristeza vindo dela,mesmo assim,nada Thalwa quis responder.

Apenas,esticou suas mãos ao meu rosto delicadamente deixando com que,me beijasse inteiramen-
te.Um beijo longo,o beijo que,de alguma forma,sempre conseguia me trazer de volta,reconstruir as
forças que,tanto precisaria nesse momento.Mordia levemente seus lábios conforme eu e ela,iramos
nos mantento nesse abraço poderoso.Me perdia no sabor amargo de ainda preservar todo ressen-
timento por não ter estado ao lado dela.

"Vá atrás deles,todos estão lá dentro,essa situação fica entre eu e você,nada mais que,isso".Tentei
argumentar!Ela,tinha agido diante disso,realmente começava a neutralizar todas informações que,á
sua mente tinha captado.Me sentia acuado,como se tivesse sido encurralado contra parede por ela.
Seu olhar emanava toda uma crueldade amorosa.

Quando David,desceu ao lado de Letícia,Thalwa caminhou ao encontro deles,deu para sentir como á
sua reação foi imediata,andava a volta dos dois,Carlos se mantinha em cima da muralha bastante a-
presivo pelo que,podia acontecer.Letícia,se escondeu atrás de David,quando Thalwa esticou as mãos
a frente,juro que,eu pude vê mesmo de longe,como ela tremia por inteira.

"Letícia,juro que,não tenho pretenção de machucá-la,mais não posso negar tudo o que,pude vê.Não
se sinta retraida comigo".Letícia,não iria sair de detrás de David nem a pau!Nem que,considerasse a
guerra mundial a sua frente! "Podemos conversar depois Thalwa,por favor!Depois,não agora!Agora
não me sentiria bem!".Tinha sido um grito vindo de Letícia,isso fez com que,Carlos saisse de cima da
muralha.Conforme ele,continuava olhando para Thalwa,começava-se uma ardua troca de informações.

-A culpa não foi dela,se realmente pode vê,não foi dela.Pode me condenar por isso,não tenho pena,é
nem medo de falar...Acate minhas palavras! Por favor! Quarde para si o que,pode vê!

"Hum...Presságio querido,nada mais que,isso.Os presságios sempre andam ao meu lado,jamais pense
que,e fácil esconder algo de mim,definho diante de tua situação,da situação de tua irmã".Thalwa,deixa-
va as sobrancelhas arquearem,os fios lisos dos densos cabelos negros,faziam com que,balansasse ao
encontro do vento gelado do lugar.

"Suba Lestat,esteja a minha espera no quarto,quando eu voltar,por favor".Senti ódio por ela ter pedido
isso novamente! Lamente ter que,fazê-lo,enquanto subia as escadas,pude vê Thalwa chamando todos.
Entrando no salão,senti a presença de todos,até de Armand!Exclusivamente dele!.Estava sentado junto
a poltrona,se levantou correndo desnorteado ao meu encontro.

"Lestat...Digame que,Letícia está lá embaixo,não espero ouvir outra coisa,além disso".Ter que,falar
esse tipo de palavras,foi complicado para mim,deixei meu riso de alargar,amargo,mais forte para o
Armand ficar convicto."Não só ela,mais David e Carlos".Ele,assentiu com aceno mental,deixou-se po-
der me informar de como andavam as coisas.

"Marius,saiu com Kenjing,Tompei está com Sofia e Xinhua em seu quarto,Lunnes e Kalawina.Não sei
se devo realmente lhe informar".Apliquei minhas mãos aos seus ombros,isso o deixou asustado,ele
imediatamente fez com que,pudesse falar."No quarto,no quarto!".Quase não tinha conseguido falar.
O larguei ao chão,sai em passos rápidos pelas escadas indo ao andar de cima do templo.

"Kalawina,está lá em cima,sinto a presença dela! Maldita!".Há! Tinha chegado o momento,realmente
á minha pessoa começava a sentir toda uma ponta de amargura,juro que,lágrimas voltavam a brotar
de meus olhos enquanto passava pelo corredor."Infeliz,maldita...Quero ouvir de sua própria boca,as
suas intenções,tudo isso!".Eu,não parava de pensar em Louis,de como ela,era tão importante para a
volta dele!

Bati na porta,meu descontrole era muito evidente,cerrei meus punhos,só em esperar me parecia uma
demora imensa.Ouvi passos do lado de dentro do quarto.Lunnes,abriu a porta passando todo olhar,a
minha pessoa ainda estava se controlando do nervosismo eminente.Ele,usava túnica em cor vinho,seu
cabelo estava solto,caiam pelas costas."Lestat...Demorou querido,pensei realmente que,Thalwa sairia
a sua procura".Sussurros delicados,como toque de obscuridade.

"Lamento,ouve pequenos imprevistos".Ele,esticou os braços me abraçando,sentindo todo meu vigor.O
ato me pareceu altamente inesperando,estranho por vir de Lunnes.Há! Garanto que,quase enloqueci
a sua espera moleque".Ah! Lutei para que,ele pudesse me largar,pudesse me deixar livre,entrei tendo
visão do quarto.Percebi que,as criadas tinham trocado os lençois:Lençois de linho branco,com detalhes
em seda vermelha nas bordas,travesseiros macios a postos.

A lua entrava forte pela densa varanda a frente,arvores oscilavam piamente pela paisagem.Kalawina,a
sua presença estava forte,vindo da varanda,a procuren tentando vê-la detalhadamente,só a vi quando
caminhei mais a frente,tendo toda nuanse de sua silhueta escondida pela escuridão da noite,digo que,o
quarto,estava apenas iluminado por velas.Kalawina,estava de pé,com os braços sobre a borda de toda
a base da varanda.

"O vi chegar Lestat...Lamento pela demora".Uma sus rispida,exatamente como previso.Parando ao seu
lado,pude vê que,ela estava olhando para Thalwa,David,Carlos e Letícia,exclusivamente não deixava os
olhos sairem de Letícia,uma quietude eterradora antes de voltar a ouvir sua voz novamente."Imprevisto
como deveria ser".Quase,a esmurrei de raiva por se manter tão atenta desse modo,ela se sentou a me-
sa da varanda.

Tive que,me sentar.Kalawina,durante todo esse tempo tentava entender o que,tinha de estranho com
Letícia,isso ficou claro só em vê seu olhar se voltando a mim.Olhos verdes,cabelos altamente vermelhos
por serem tão ruivos,caiam em ondas a frente,por detrás das costas,a pele tão alva quanto a de Lunnes.
Ele,estava sentado a beira da cama,dali ele não iria sair,claramente como um pressário demoniaco.Ouve
Uma pequena demora vindo de Kalawina.

Enquanto isso,meus olhos captavam os detalhes de suas vestes:Vestido de linho vermelho,destalhes
em prata se destacando em cada nuanse,alças finas como véu,os ombros dela se moveram em delica-
deza.Entrando mais a fundo nesa observação,senti o cheiro inesperado."Continua sendo tão bruxa,co-
mo em sua morte,em sua vida anterior,compreende?".Ouve risos de sua parte.

"Há,exatamente Lestat,não espere que,todos os meus dons tenham sido apagados com o ato insano
de meu pai,não espere por isso Lestat".Tinha sido a pura verdade!Poder de bruxa brotando de todo o
seu corpo,todo seu sangue,exatamente como ela sabia."Bruxa-Imortal,nada mais que,isso,posso dizer
algo além disso?".Novamente,ela teve que rir diante disso.

"Claramente que,sim.Quanto ao Louis,não desejaria que,o mantivesse recluso naquele lugar,apenas a
minha pessoa,se irrita por tê-lo deixado lá".Me senti acuado,me levantei em impulsão batendo as mãos
na base da mesa,juro que,mesmo odiando Kalawina por inteiro,tive que,tentar agumentar com ela."Vai
mesmo agir?Tem certeza disso kalawina!?Vai decidir por esse lado mesmo!?".Me sentia muito angustia-
do.

Lunnes,se levantou vindo ao meu encontro,não deixou de passar suas mãos pelos meus ombros,ainda
sentia todo impacto de minha reação,de como estava espiritualmente."Convenhamos que,Louis me saiu
como um arma infalível...Posso ser cruel querido,mais nunca desacato minha palavra".Infernos! Sabia as
finalidades do porque dela estar falando assim comigo.

"Preciso descer querido,mais antes de sair,saiba que,acatarei minha palavra".Ela,saiu pela porta,Lunnes
continuava tentando me acolher."Lestat,tenha paciência,tudo foi feito,tudo será conclúido...Kalawina po-
de ter agido de forma cruel,mais vai saber como tirar Louis daquela situação".Há!Me sentia totalmente in-
sano.Caminhei cambaleando ao encontro da cama.Tombei,encostando meu rosto nos travesseiros.

Meu choro foi eminente."Pode descansar querido,pode descansar".Não sabem como meus ombros esta-
vam pesados,um peso imenso.Depois de um tempo nesse transe,Thalwa entrou,deixou-se se deitar ao
meu lado,senti quando suas mãos começaram a deslizar pelos meus cabelos delicadamente."Lestat,não
posso citar nada do que,penso sobre a situação de Letícia,doi muito saber que,Armand vai passar por mo-
mento doloroso".

"Má belle,tenha ciência de que,pode ser muito pior que,isso".Ela,assentiu conforme continuava beijando
meu rosto,deitada ao meu lado,tentando conclúir suas pequenas descobertas."David,Carlos e Letícia,es-
tão na quadra,Armand ainda nem desconfia.Quanto ao Tompei,Xinhua e Sofia,provavelmente só saberão
quando sairem do quarto".Não tinha comentado de Marius.

"Deixe Marius comigo,só sei que,áté dado momento,até o momento própicio,nada deve ser citado diante
deles.David e Letícia,vão saber manter silêncio muito bem".Falava como trevas,as trevas que,caiam sobre
meu coração.Me deixei acolher em seus braços,meu corpo estava dolorido pelo cansaço.Thalwa,tinha tido
a nuanse de pensar,antes de acontecer,até lá,a doce espera iria ser ditada por ela.Só,esperava pela che-
gada de Marius.Continuava sentido pequenos beijos doces de Thalwa,em meu rosto,a forma como ela fa-
zia suas mãos passearem pelo meu ombro.

***Continua***


avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 61

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:55:36

***Continuando***

Eu,pude sentir que,conforme Thalwa,continuasse me mantendo acolhido em seu leito
de beijos profanos,iria ceder as vontades dela,falo no termo de acatar a todos nosso
momento sublime,á minha pessoa simplesmente tentava fazer com que,todos esses
acontecimentos começassem a ficar para trás.As suas mãos delicadas continuavam o
passeio pelos meus ombros delicados,isso me fez me sentar sobre a cama,ela confor-
me sentiu esse meu esforço,pode se sentar por detrás de mim.

De modo delicado,ela não deixava de beijar meus ombros por detrás,me delciava com
isso,é eu que,tinha pensado que,Thalwa em todo momento chegava sempre a ser uma
mulher seriamente severa,porém calma para com toda sua vontade."Querido,eu quero
que,possa descansar,só isso,compreende?Será que,seria sensato demais de minha par-
te que,eu fizesse descaso dessa tua vontade?".Ah,uma voz aveludada como pétala,não
podia me conter.

Era delicioso sentir a forma como Thalwa movia suas mãos pelos meus ombros,toda ex-
tensão das costas."De desejar se deitar,deite-se,posso fazer uma pequena massagem,a
minha pessoa sabe que,gostária muito de esticar a musculatura".Digo que,eu começava
á estar no no céu,sempre que,eu ouvia Thalwa falar desse modo,podia ter certeza que,a
sua intenção seria únicamente diversa.

"Obrigada querida,me deixas feliz para com tua vontade,mais acho que,não é necessário
se dar á esse trabalho".Ouve risinhos da parte dela,ela deixou com que,as mãos viessem
se curvar envolta de minha cintura,delicadamente começou a beijar a minha nuca,sentia a
doce mordida de sua boca delicada,isso me deixou arrepiado por toda espinha."Vamos,não
faça descaso disso querido".Novamente risinhos maléficos para depois simplesmente poder
sentir o toque de toda sua força."Já se desgastou demais por esses dias querido,preciso ter
certeza de que,ao menos grande parte de tua força vai ser recontruida".

Fiquei devagante quando ela se levantou para ir a prateleira junro a parede,em cima tinha
alguns frascos de oléos essenciais.Depois disso,ela se deixou devagar em passos delicados
pelo quarto."Não me importa,nem tão cedo eles vão vir a nossa procura,até lá,tenhamos a
certeza de que,podemos aproveirar.Um momento só nosso,de mais ninguém".Jamais senti
a falta de ar que,eu estava tenso nesse momento,ela ainda não se dava conta do que,esta-
va carregando em meu pescoço(Digo o cordão com o pingente tão adorado por mim).

"E depois disso que,possamos finalmente recomeçar a etena guerra espiritual a qual fomos
destinamos a viver".Se sentou ao meu lado esticando as pernas a frente,pernas delicadas,o
perfume emanava pelo ar,o doce perfume de Thalwa,algo únicamente dela,algo que,só uma
pessoa como eu,poderia sentir."Sabe que,á amo,não vou acatar um sentimento que,seja ao
contrário do que,eu realmente sinto minha querida,únicamente amada por mim,lamento que,
não a tenha conhecido muito antes disso".

Thalwa,deixou suas mãos esticarem a frente,começava a desabotoar minha camisa de seda
negra,tirava meu lenço branco junto ao pescoço,começava em gestos rápidos a desabotoar
o ziper de minha calça,fez com que,eu me deitasse esticando todo o corpo a frente."Lestat,a
minha pessoa não se importa com isso,só o que,realmente quardo dentro de mim,não preci-
sa ficar ditando esse tipo de palavras,seja você mesmo,esteja comigo é nada mais me impor-
ta".Falava como a Deusa que,é,que,sempre vai ser para mim.

"Falas do fundo de sua alma querida?".Ela,se curvou a frente beijando minha boca,deixava o
corpo de esticar por completo."Sim,do fundo de minha alma,só isso que,me importa,mais na-
da:Meus filhos,meu legado...Únicamente isso".Quis chorar conforme ela disse isso,conforme a
sua voz me fou ouvida de forma altamente clara para mim.Voltei á me sentar á beijando,ouve
todo um largar do oléo dentro do frasco sobre a cama.O silêncio da noite era fatal,ela teve to-
da bondade de terminar de tirar minhas roupas rápidamente.

Tive que,me deitar de costar,curvando os braços abaixo de meu corpo ao meu deitar sobre o
travesseiro fofo,delicioso."Descanse,simplesmente entre deixe com que,a dor muscular,todo
cansaço sumam de seu corpo Lestat".Ah!Que delicia!Suspirei quando senti suas mãos poisarem
em minhas costas em toques delicados,fechei meus olhos entrando em pequeno transe,foi como
um pedido de redenção de amor,paixão por ela!Minha Thalwa,únicamente o presente inesperado
que,caiu em minha existência!

Aos poquinhos ela derramava o oléo de essencias sobre a pele,deslizava as mãos como véu de
seda,ia fazendo movimantos circulares,uma vez ou outra não deixava de ser malvada comigo.A
sua boca sempre se encostava detrás da nuca,isso sempre quando ela se curvava,isso realmente
ia me deixando sedento,é o sofrimento foi esse até eu,simplesmente começar a me sentir revigo-
rado."Estava precisando disso,únicamente disso".Tinha sido sussurros aterradores para mim.

"Sei que,sim...Se fosse o contrário,Thalwa não estaria agindo desse geito.Durante essas noites,eu
estive carente!Me deixou carente Lestat!Confeço que,me deixou irritada com isso,quando passo as
noites sem as pessoas que,amo,eu fico carente!Espere que,entenda isso!".Ah! Saber disso tinha ido
além do que,esperava."Ah,saber disso me deixa pensativo,feliz!".Tive que,me virar olhando para á
sua pessoa,olhar firme em seus olhos cinzentos."Carente?Achas mesmo que,eu também não fico?O
que,acha que,sinto quando estou longe de você!?".

Tinha apertado seu braço esquerdo com bastante força,sem querer eu tinha sido um ataque de
fúria com ela!Isso me deixou fúrioso comigo mesmo!Me condenava constantemente em pensa-
mentos."Desculpe!...Não era minha intenção!".Um grito sussurrado,se tivessendos ido álém,teria
sido um desastre!Teriamos tido uma briga feia! Digo de briga de casal!Briga entre marido e mulher.
Saber disso tinha me deixando silenciado.

"Gosto de quando tem teus ataques de fúria,mais uma fúria desmensurada".Estava quase a ponto
de chorar!Me repudiava em todos os pensamentos mentais.Thalwa,olhou para o lado delicadamen-
te,eu sabia como isso iria terminar.Me odiei,mais sabendo da segurança de meu corpo voltei toda
força para ela.Isso a deixou impactava,tentou sair de cima da cama,mais tive força o bastante pa-
ra segura-la."Dáqui você não vai sair Thalwa...Não nessa noite querida,eternamente maldita para
mim,meu destino".A fúria com que,ela me olhava era de colocar pavor,conforme os seus momen-
tos de mãos corriam ao meu encontro,sentia leves arranhões em minha pele.

A beijava com força,ouve uma pequena resistência da parte dela,mais a essa altura já começava a
rasgar sua túnica,simplesmente morder delicadamente seus ombros."Está sendo maldito comigo!As
tuas intenções não são das melhores!".Ah!Pouco me importava,tive que,revidar as suas palavras"Eu
não me responsabilizo,não vai gostar de me vê desse geito...Sem meu controle de sanidade querida".
Começava á morder levemente os mamilos de seus seios,a túnida dela estava simplesmente em pe-
daços."Maluco,louco..Posso,posso...Ah! Isso e maravilhoso".Thalwa,não suportava,entrava em todo
transe possível.

"Exatamente isso má belle".Pude beijar sua boca novamente,não me importava por ela esta furiosa
daquele geito,mais tinhamos chegado á um ponto de neutralidade,ela gemia em meus braços,a tinha
por inteiro nesse momento.Ia deixando os gemidos almentarem,lhe consumirem,rápidamente deixei
seu corpo oscilar diante dos orgasmos que,os beijos provocavam.Totalmente amassava pelo meu cor-
po,estava deitada por debaixo de mim,á envolvia como a princesa que,é para mim.

"Delicioso,delicioso...Preciso de algo dentro de mim,ou isso vai provocar minha morte".Tinha falado
isso em gemidos.Continuamos envoltos naqueles beijos fatais para alma,deixei as mãos delizarem
por debaixo da túnica rasgada,em gestos felicados continuava mordendo os mamilos dos seus seios
pequenos,mais porém perfeitos.Eu,deixava com que,a quelma fosse completa,exatamente como ela.
"Vamos,vamos,vamos...Não me deixe plantada,quero esse algo dentro de mim,não me deixe sem o
requinte final maldito".Novamente sussurros baixinhos,delicados aos meus ouvidos.

Não suportei mais diante disso,á apertei mais de encontro ao meu corpo,deixando com que,a borda
da túnica rasgada subisse,a penetrei,simplesmente á tinha em meus braços,senti peso sútil de todo
seu corpo pender para trás."Há! Há! Isso mesmo,isso mesmo! Pode fazer com força querido,com to-
da força possível!".Isso me deixou queimante,a chama realmente estava me consumindo como uma
larva correndo por todo meu sangue.

Continuava almentando o ritmo,Thalwa,deixava com que,suas pernas delicadas se curvassem sobre a
altura de minha cintura,meu braço-esquerdo se curvava por debaixo de suas costas delicadas para seu
apoio ser completo,a beijava continuava enquanto transavamos daquele modo furioso como sempre fa-
zemos nesses momentos requintados,me deliciava conforme olhava seu rosto virado de lado,os olhos
fechados fazendo com que,seu transe fosse completo,continuava gozando bastante.

Sua boca de abria delicadamente como em um O perfeito!A mão que,estava livre,se curvava sobre sua
silhueta tão fina,delicadissima ao toque de qualquer home.Eu,começava a ficar suado,exatamente como
acontecia com ela.Os gemidos eram contidos pelo silêncio,nosso silêncio,nada falavamos,nada queriamos
dizer um ao outro,só a pequena entrega de corpo e alma.

A luz da lua entrava pelo quarto fazendo com que, sua pele alva clareasse delicadamente,imaculamente
branca,doce como neve!Quando voltei a morder os mamilos de seus seioss,senti como sua pele estava
suada,como os mamilos estava rigidos,seu corpo arrepiado."A parede,parede".Foi um chamado como as
correntes de vento,ela se levantou devagante,fiz o mesmo.Deixei minhas mãos deslizarem pelo seu corpo.

A túnica rasgada por minha fúria foi tirada,beijei sua barriguinha tão delicada,subi com beijos delicados
até sua boca,ela se mantinha de pé,a fiz andar para trás delicadamente até lhe encostar sobre a parede.
Silêncio multuo quando simplesmente minha mão se curvou atrás de sua nuca apertando todo cabelo,ou-
ve novamente gemidos ácidos saindo dela,pude segurar todo seu corpo de encontro a parede,voltamos a
fazer amor novamente,seus braços de curvavam a frente,sua cabeçoa pendia para trás delicadamente.

"Me sinto condenada por não poder prover filhotes novamente,não só pelo passado,mais pelos aconteci-
mentos".Ah!Tive que,sorri maliciosamente ouvindo isso,a beijei antes de responder."Filhotes,se sente tão
maldita assim,por não poder prover mais filhotes?".Tinha sido uma pergunta sussurrada,enquanto isso,o
sexo maldito era continuo."Sim,sim,sim querido....Sim".Risinhos irônios,votei a beijá-la novamente,isso a
fez gemer algo quando pode gozar bastante alto.

A deixei livre,ela andou cambaleante até a cama,deixou-se cair sobre os travesseiros exausta,jamais eu
pensei que,poderia fazer isso com ela,estava ofegante quando me deitei ao seu lado,seu rosto se encon-
tava pousado sobre travesseiros macios."Por isso tenho pavor de transar com você,me esgora,me deixa
totalmente exausta maldito".Estava devagante,pude beijar seus ombros,seu corpo,para no fim apagar no
seu leito acolhedor.

Sonhos apartir desse momento me envolveram,me tomara.Apenas senti um toque leviano sobre meu pes-
coço,algo sendo arrancando de mim.A noite apenas começava,simplesmente envolvia o meu espirito,agora
o que,eu precisava fazer?Me manter apagado desse modo,só a presença de Thalwa,era sentida,meu desva-
neio foi falta para mim..Sonhos e mais sonhos!Sonhos com Louis e Hyarian!Sonhos aterradores com eles!A
paz ao menos veio enquanto isso,o cheirinho de Thalwa emanava por todo quarto enquanto eu dormia.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 62

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:56:29

***Continuando***

Durante tod sono,não deixei de sentir esse toque de paz que,andava procurando por todo
esse tempo.Porém ouve o inusitado,o que,não estava preparado para presenciar.Me acor-
dei com gemigos e gruidos de Thalwa,tudo ainda muito silencioso.Abri os olhos tendo toda
sua visão sentada a poltrona encostada na parede,a lua continuava entrando forte por todo
quarto.Sinuosamente fiquei devagando por toda sua figura sentada á me observar.Ela,ainda
não tinha se vestido,durante todo meu sono,tinha se mantido despira,nua!

"Acordou,finalmente acordou,pensei que,essa noite já não teria mais a tua presença maldito".
Mais que,modo de me acordar,compreemdem? Pude vê comos eu rosto estava abatido,ainda
não compreendia o sentido disso,me sentei a beira da cama deixando com que,as mãos fosse
a frente da borda da cama.Suas pernas se curvavam a frente,Thalwa deixava os olhos se per-
derem sobre o nada,durante todo esse tempo tinha devagado diante do que,tinha sentido.

"Lamento por ter deixado um sentimento tão bruto,ter sido alimentado dentro de você,espero
que,possa me desculpar Lestat".O quê!? Tive que,me deixar desnortear,me sentia tonto pelo
que,estava ouvindo."Como assim Thalwa!?O que,isso significa!?".Ela,deixou-se devagar mais
profundamente,aplicando a visão a frente,pude vê o motivo de seu choro.Em uma das mãos,o
colcar me foi visto,Thalwa o segurava com força,quase fazendo com que,o metal fosse desfei-
to.

"Pede desculpa por isso?Jamais Thalwa!".Me levantei cambaleante,ela se desvencilhou conforme
eu andava pelo quarto.Não descrevo como seu rosto estava rosado pelo choro,como ela sentia a
ponta de todo ressentimento."Esqueça! Eu,alimentei esse sentimento dentro de você,isso me dei-
xa acuada! Triste Lestat,não era minha intenção querido,não mesmo!".Saber que,ela sentia medo
disso,simplesmente me tinha deixado neutralizado.

"Thalwa,como acha que,eu me sentiria depois de tudo?Depois de tudo o que,aconteceu?Cultivo
sim,todo esse sentimento,fique com esse presente,pode pegar para você,é seu,únicamente seu".
Ela,continuava me olhando,a pequena fúria em seu olhar estava presente,a luz da lua conforme
batia em seus olhos cinzentos,os deixava azulados,sempre os olhos cinzentos que,acolhem toda
cor possível ao nosso redor.Minhas mãos seguraram suas mãos.

Isso a deixou arrepiada,estava em estado de transe diante disso."É seu,únicamente seu,apenas
espero que,acate meu sentimento,não pense que,iria ser ingrato por tudo amada...Soube como
acatar minha selvageria,de modo inesperado me deu filhos.Um filho,mais únicamente nosso filho
Thalwa!Como choras diante disso!?".Isso a deixava quase ao ponto de loucura,desespero!Quase
deixava com que,sua configuração fosse desfeita."Nunca era para ter acontecido Lestat,não o nas-
cimento de nosso filho,não esse acontecimento".Pude perceber o quanto,ela ainda se sentia enlo-
quecida por isso.

"Achas mesmo?Achas mesmo loucura Hyarian,ter vinto ao mundo?Não sabe como ainda me sinto
explodindo de alegria Thalwa,é mesmo assim choras!Acate á tua finalidade,me sinto pleno por is-
so".Minhas mãos estavam pousadas em seu rosto,o segurava firme conforme olhava as lágrimas
caindo por sua face tão delicada."Puramente loucura,só isso em que,posso pensar,filho forjado em
um corpo seco,tão seco quanto a própria vida".

"Ah,allgresse por isso".Á abraçava forte conforme sussurrei essas palavras em seus ouvidos,deixei
ela devagando quando fui acender as luzes do quarto.Thalwa,tinha se sentado a beira da cama,todo
corpo ainda suado,o vento começava a corer pelo quarto,pela varanda."Trouxe roupas para á gente,
Tompei,Sofia,Xinhua,Marius,Armand,Lunnes é Kalawina,estão lá embaixo,ao que,saiba o Kenjing foi
para casa de Xinran.Vai passar longos dias lá,não queremos levantar suspeitas".

Tinha,deixado as mãos devagarem pelo seu rosto choroso enquanto falava,eu olheu como a calça de
seda,o roupão de desa estavam colocados em cima da cama."Compreendo,mais por favor!Não faça
nada ainda Thalwa.Falo da situação de Letícia".Ela,deixou-se devagar pelos meus pensamentos,ainda
tentava absorver essa realidade."Compreendo tua vontade,mais não podemos acatar isso por muito
tempo,não sei quem conseguiu fazer isso com ela,isso não consegui vê muito bem em tua mente,mais
realmente o feto se desenvolve bem,pude vê como você,o modo como as células se dividem,como o
maldito cria vida dentro do útero dela".Conhecimentos ávidos!Sem dúvida nem uma!

"Até dado momento,vamos fazer silêncio disso,acho que,ninguém a parte ainda sabe,é nem devem sa-
saber,só lamento por Armand".Eu,estava me vestindo enquanto ela tinha dado continuidade,enquanto
isso,algo começava a ficar estranho,gritos lá de baixo! Isso me fez apressar,me vesti rápidamente,todo
roupão de seda negra me caia pelo corpo,a calça também!Seda puramente chinesa.

"Maldição! Tinha que,começar tão sedo?Não agora,não agora!".Thalwa,se levantou tentando saber o
que,isso significava."Não pode ser possível,ainda e sedo demais para algo ser dito".Os gritos vinham
de Armand,gritos chorosos como trovões vindo do salão do templo.Deixei Thalwa,terminando se se
arrumar.Conforme descia as escadas,pude sentir a presença de todos."Não agora,não agora Letícia!".
Sai pelo salão apressado,tendo toda visão de todos presentes.


-Calma a! A gritaria não pode começar tão de imediato! Armand,tenha paciência diante de tua situação!

-Paciência Lestat? David,é um traidor!Infeliz! Maldito!Traidor!

Estava no vão da escada quando,trocamos essas palavras,Marius e Tompei o seguravam,Tompei usava
vestes negras também,Marius trajava túnica vermelha.David e Letícia estavam olhando atentamente ao
Armand que,só desejava voar em cima de David.Xinhua e Sofia,sentadas á poltronas junto ao centro do
salão."Segurem ele,não admito gritos em meu templo".Tompei,tinha ficado revoltado,Marius lutava para
poder conversar com ele.

Lunnes e Kalawina tiveram que,intevir também.Letícia,só estava tentando argumentar com ele,infelizmen-
te isso tinha me saido pior do que,eu pensava.Thalwa,desceu a escada passando por mim,já tinha se tro-
cado,vestes brancas como neve andulavam pelo seu corpo."Esse e o seu problema Armand,sempre faz a
guerra indepedente dos motivos moleque!".Ela,tinha gritado com Armand;isso fez com que,Tompei,Lunnes
e Kalawina o levassem escada abaixo da entrada do templo.

"O levem para quadra,resolveremos isso lá".David,veio conosco...Eu andava ao lado de Thalwa,Marius ten-
tava acalmar Armand que,era carregado por Tompei e Lunnes,Kalawina livre do impacto da força de nosso
Armand.Quando a Xinhua e Sofia,as duas esperariam lá em cima,graças que,não tinha descobrido o pior,eu
não teria como resolver uma situação dessas tão fácil.

Lunnes e Tompei,largaram Armand ao chão da quadra,Letícia se sentou ao seu lado junto com Marius,mais
isso ao meu vê ia longe,realmente muito longe."Armand,não falei que,o odéio!Nunca! Só digo que,não sinto
todo amor que,sente por mim! Estaria mentindo a mim mesma,se convinhesse á ficar com você!Entenda is-
so querido!".Marius,odiava ter que,revidar as palavras de Letícia,exclusivamente ao David,Mais teve que,fa-
zer prol ve sua vontade!

"Letícia! Nova Orleans? Lá e aonde pretende viver?Querida,tem mais changes de conhecimentos de
convinher ficar comigo".Carlos,tinha estado esse tempo todo no jardim,o vi caminhar em nossa dire-
ção parando ao lado de Thalwa."Marius,desculpe intervir,mais tenha noção de que,o ressentimento á
ser causado em Letícia,é maior do que,ficar com você ou Armand,apenas olhe para ela,acate a vonta-
de dela".Ouve uma troca entre Marius e Thalwa,diante disso.

"Thalwa,repense! Não isso,não isso!".Armand chorava loucamente,porém ao menos grande parte do
problema de Letícia tinha sido revolvido,compreendem? "Letícia,pode ser muito inexperiente ainda,a
minha pessoa acha justo esse pequeno amadurecimento dela".Tive que,revidar as palavras de Lunnes
ao que,pude sentir."Cale-se,isso não diz respeito a você,nem a mim,e sim exclusivamenta e ela".

Marius e Thalwa,assentiram as minhas palavras,Tompei ainda se sentia desnorteado pelo que,estava
presenciando."Meu templo deposto de gritos!Agem como arpias,animais!".A noite mau começava.Eu
tive á coragem de passar meu olhar a Kalawina,ela que,repreendeu Armand,quando ele tentou uma
nova tentativa de voar em cima de David."Infeliz! Maldito! Depois de tanto tempo pude ter alguem,es
traidor,merece morrer!".

"Calma ai Armand! Isso não,isso não!".Thalwa,o segurou também,Carlos simplesmente passou todo o
braço em volta de David,Letícia teve que,agir do mesmo modo,Marius e Tompei quase a ponto de dar
uma queima exclusiva em David e Armand,os dois gritava loucamente,trocavam toda farpa de palavra
rápidamente.

Kalawina,foi a quem teve coragem de desferir o tapa fata na face de Armand,isso deixou a todos nóis
perplexos."Age como criança mimada!Esse e teu problema! Piralho! Mimado! Foi criado em um leito
de luxo para tua época!Por isso age como criança mimada!".Mau acreditavamos que,Kalawina tinha da-
do todo um acato a situação,Lunnes anda se sentia neutralizado por isso,como pai de Kalawina,ainda
necessitava de toda uma virtude para compreender as palavras da filha maldita.

"Mimado?Achas mesmo que,sou mimado depois do que,passei?Ao infeno sua bruxa despressivel!".Não
ouve tempo,Kalawina novamente lhe soltou o tapa em sua face novamente."Bruxa despressivel!?Acha
mesmo que,sou uma pessoa despressivel?".Infenos! Ele,tinha provocado a fúria em Kalawina! Simples-
mente Lunnes teve que,segurá-la rápidamente.

Mais a força foi descomunal provindo dela,algo como uma força cinética saindo de sua mente,Armand
foi derrubado para trás,comprimido por algo não visto,os céus escuros começava a ficar cheios e nu-
vens."Nunca despressivel querido!Isso nunca!".Verdadeiramente bruxesco,Thalwa acatou a situação ao
prover fúria para coma dela,imediatamente Kalawina,voltou a si controlando sua força.

Uma força que,unia os dois polos:Ser Bruxa e Vampiresa ao mesmo tempo!Kalawina,conseguia suprir
e unir isso muito bem! Lunnes e Thalwa,tiveram que,sair para a margem do lago com ela,Tompei não
se continha diante de sua fúria."Isso me irrita,resolvam isso,ou expulso você dáqui".E,assim saiu com
David e Carlos,eu e Marius continuavamos ao lado de Armand.

"Querido,venha comigo,ao menos tentemos conversar delicadamente,compreede?".Letícia,diante disso
saiu com Marius e Armand,do outro lado da ponte,iriam conversar,tentar se organizarem,sabendo aon-
de Thalwa,Lunnes e Kalawina estavam,sai ao encontro deles.Quando na margem do lado,me sentei ao
lado dos três,Thalwa,deixou-se acolher em meu leito.

"Lamentável que,Armand seja tão imaturo para isso,lamentável".Ouve troca de palavras entre Kalawina
e Thalwa,as duas olhavam fixamente para Marius,Armand e Letícia do lado oposto."Apenas imaturo que-
rida,mais nada que,isso".O quê?Uma ligação tão intima assim? Lunnes,se perdia silencioso na imagem do
acontecimento."Sabemos que,sim,mais ele vai compreende,é me sinto anciosa para rever Gabrielle,sabe
que,ela está no palácio de Maharet".

"Claramente que,sim...Nunca,me esqueço quando ela ficou grávida de Lestat,ainda tão jovem,compreende?
Lamentável Thalwa".Ouve risinhos entre elas."Hum...Arpias,mulheres".Lunnes,me olhou imediatamente,eu
ainda continuava olhando para Marius e Armand,Letícia tentando argumentar com os dois,uma sena que,eu
nunca me esqueço.Os três sendo vistos do outro lado da margem,iriamos esperar,apenas me sentia um pou-
co aliviado por ainda não saberem da gravidez de Letícia,um passo de vitória,Thalwa confirmou essa mesma
sensação silenciosamente por seu pensamento.

Ninguém além de mim,de David,Carlos,Letícia e Thalwa,estavam a saber da situação,o vento corria forte,eu
me senti aliviado por isso,mais voltando meu olhar a Kalawina,me deparei com a imensa muralha que,ela re-
presentava pra mim.Bruxa,além de vampiresa! Unia os dois polos mais consagrados com que,um ser humano
possa alcançar.Bruxa,eternamente Bruxa! Lunnes,a beijou sobre o rosto delicadamente,nóis três ficamos ven-
do a conversa entre Armand e Letícia,Marius argumentando em prantos.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 63

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:57:10

***Continuando***

Toda nossa visão continuava focada nos trê do outro lado da margem,eu sabia que,Sofia,Tompei,
Xinhua,David e Carlos,estariam a nossa espera no salão.Eu ainda me sentia feliz por Kenjing ter
ido para a o templo de Xinran(Mão de Tompei) o que,claramente faria com que,tivessemos menos
preocupação para com todos esses atos.Armand,conforme continuava prestando atenção ao que,a
Letícia falava,entrava em prantos arduos,exatamente como Marius,ainda não podiamos sair para
ir ao encontro deles,raramente fariamos algo dessa natureza,meus sentimentos brotavam como a
música consagrada de Deuses,meu corpo arrepiava ao continuava presenciando todo esse martirio
entre Marius,Armand e Letícia.

Kalawina,continuava grudada aos braços do pai,pude vê nos olhos de Lunnes,como ele se sentia um
ser renovado,um ser que,se alguma forma tinha recuperado metade do que,ele tinha sido um dia.Os
meus olhares passeavam sinuosamente por todo lago,Thalwa deixava com que,seus braços viessem
ao encontro de meus ombros,deixou-se beijar meu rosto delicadamente,eu ainda me sentia enebria-
do por seu doce perfume."Lestat,sabe que,mesmo Marius sentindo essa ponta de raiva,vai acatar ao
que,Letícia quer,infelizmente ele vai ficar ressentido.Mesmo assim,vai tentar compreender tudo o que,
Letícia falar".Vieram risos maléficos de minha parte,o que,fez tremer por alguns segundos.

"Não que,eu esteja me sentindo um infeliz,é sim um ingrato pela situação".Diante de todo esse andar
de observar,passei meu olhar a Kalawina,ainda nos mantiamos sentados nessa observação.Ouve um
espasmo de medo provindo de minha parte,pude vê nos olhos de Kalawina o quanto,ela lamentava,o
algo,eu ainda não sabia,mais porém ficaria evidente com o passar das noites a frente.Kalawina,manti-
nhasse em sua quietude intransponível.

Lunnes,não deixava de tentar quebrar essa queitude,os olhos verdes de Kalawina,sempre grudados
em Letícia,eu tinha me importado com isso,menos Thalwa e Lunnes que,mal percebiam todo esse ca-
lor correndo por todos os cantos do lugar.A ponte estava a frente,é mesmo assim,ainda não tinha a
coragem de atravessar para ir ao encontro de Marius,Armand e Letícia.Só ouviamos sussurros da on-
de eles estavam.

"Esperemos só mais um pouquinho,acho que,eles podem sair de lá a qualquer momento".Thalwa,teve
tal coragem de falar,isso me deixou constrangido,a minha pessoa ainda necessitava de todo um andar
de acontecimentos para atravessar a ponte acima do lago,a lua estava cheia essa noite,brilhava por to-
dos os cantos do lago,arvores,aonde quer que,puséssemos os olhos.

"Parece que,eles estão vindo...Agora é o momento de sabermos o que,Marius e Armand decidiram,eu
ainda me sinto nervoso por isso".Eu,tinha sido o mais claro possível com Lunnes e Thalwa,porém ouve
um impasse entre eu e minha prima Kalawina."Espere Lestat,não vá querer saber das coisas logo de i-
mediato,isso pode deixar Marius ao pé de matar você".Voltei meu olhar para ela.

"Mais por quais motivos ele faria isso!?Uma ofensa contra mim maldita".Ela,deixou as mãos se curvar
ao encontro de meus ombros,deixou-se me olhar delicadamente,mais a fúria sempre presente,algo á
qual tentei captar."Lestat,já amei um dia,já tive dois filhos malditos que,dá qual nunca me esqueço,eu
sei o que,Armand e Marius estão sentindo,é exatamente por isso que,seria melhor evitar esse tipo de
pergutas,compreende?".Ouve um ingadar se quietude entre eu é ela.

"Ah,me espantas com tais palavras Kalawina...Dois filhos?Ao que,vejo Lunnes deixou de falar algo para
mim naquela noite no castelo de Alexien".Thalwa,deixou-se passar os olhos ao Lunnes,arqueou toda sua
sobrancelha,isso o fez tremer por causa do olhar provindo dela."Será mesmo Lunnes?Tem algo a dizer?
Algo a falar?".Lunnes e Kalawina,não deixaram de trocar seus olhares trevorosos.

"Jamais Thalwa,se eu tivesse,seria únicamente problema de minha parte,jamais iria jogar um problema
meu para você resolver,não seria dignigo de uma pessoa com minha indole".Lunnes,tinha sido claro ao
que,podiamos perceber,deixei minha mão pegar as mãos de Thalwa,saimos atravessando a ponte para
nos encontrarmos com Marius,é os dois ao seu lado.

Quando chegamos,os três estavam de pé,Letícia ainda estava voltando a sua razão para poder conclúir
todo caso."Marius,tenha certeza de que,poderá me visitar quantas vezes quizer,sabe que,sempre posso
esperar sua chegada querido,o mesmo para com Armand...Nunca deixarei de recebê-los em meu leito".
Letícia,sido o mais sensata possível,claramente que,nem tinha sequer ousar comentar do seu filho que,
se desenvolvia no útero.

Algo arrepiante,eu podia sentir sutilmente a pequenina presença do ser,um ser que,estava se enchendo
de força,vitalidade,é de alguma forma de amor.Conforme nos unimos e voltamos á atravessar a ponte,
entramos na quadra,a densa quadra aonde Tompei tem seus momentos de desvaneios desde pequeno.
As tochas tinha sido acendidas ao comando mental de Kalawina,o fogo ardeu diante de nossos olhos,eu
ainda tentava me adaptar a situação.

-Letícia,ainda estou ressentido com tua vontade,tua decisão.Digo que,estou sofrendo por dentro,por toda
tua vontade...Mesmo assim,eu tento compreender,tento acatar a toda tua vontade,jamais pense que,pos-
so ser mau-educado para com tua vontade.

Mesmo com pouco tempo,posso sim,tentar sempre vê-la,sempre visitá-la...Será como quizer,ainda tento
entender esse seu sentimento para com David.

-Querido Marius,exclusivamente desejo uma pessoa madura,uma pessoa que,una juventude e amadure-
cimento,é sem mencionar o que,eu realmente sinto estando longe de meu irmão,sabe que,falo de Carlos.
A necessidade que,tenho em sempre está ao lado dele.

Letícia,ainda tinha os olhos chorosos,delicadamente Marius deixou com que,o lenço lhe fosse entregue,ele
deixava o tecido fininho passear pelo rosto de Letícia,todos nós ainda ouviamos,diante disso nem um ten-
tava intervir entre os dois,Armand ainda estava furioso,sentia muita raiva.Mesmo gostando de David,dava
para perceber o sentimento de traição que,tinha se instalado em seu coração.

O vento corria,a neblina ficava muito densa,tod a folhagem das arvores rangiam aos meus ouvidos,todo o
cheiro de terra humida vinha ao meu faro vampirito."Vamos subir querida,já está no momento de entrar-
mos,não podemos ficar áqui".Ouve um acerto de olhares entre Marius e Letícia,aos poucos ela ia sentindo a
calma chegar.Me deixei falar com Armand,mais antes disso,ele não deixou de passar seu olhar macabro á
Thalwa.

"Sinto ódio de David,posso sentir os mais puros sentimentos para com ele,porém essa traição nunca me
será esquecida Lestat,tenha certeza disso".Marius,não deixou de tentar rebater as palavras,isso fez com
que,Kalawina e Thalwa,aplicassem toda força mental sobre ele."Armand,também estou furioso com ele,a
verdade é que,Letícia e David sequer tentaram esconder isso.O que,me faz definhar diante da vontade de
cada um deles".

"Será mesmo!?É a minha vontade!?O meu ressentimento?".O tom de ódio provindo de Armand,me deixou
cheio de ascos,tive que,sacudi-lo pelos ombros com toda força."Pare de chorar!Teria sido muito pior se á
Letícia tivesse escondido isso de você".Isso o deixou revoltado,tentou avançar por cima de mim,como se o
maldito fosse forte o bastante para isso,envão!

"Cale sua boca!Temos que,subir!Cale sua boca!Realmente começo a compreender o porque Kalawina ter
falado daquele geito com você! Garoto mimado!Se não aceita a derrota,então se queime!".Marius,junto á
todos ainda tentavam captar o sentindo de minhas palavras,quando Armand voltou a si,gradualmente fez
com que,suas vestes fossem arrumadas.

Amarrou os longos cabelos ruivos para trás,conforme começamos a subir toda escada a frente do templo,
me dei conta de que,Kalawina estava captando algo,mais isso lhe vinha aos poucos,como uma música to-
cada aos seus ouvidos,Lunnes deixou-se levar os braços aos ombros dela."Filha,tenha calma,sei que,ainda
sente todos os ressentimentos do passado,por favo não se inluda diante de tudo o que,sente".Kalawina,não
se conteve.

-Não se se ele ainda está vivo.Papai,pensar que,ele ainda possa estar vivo me faz triste,foi um maldito em
minha vida,um maldito que,me tirou a vida.Dá para tentar entender algo assim?Arrancou vitalidade de mim.
Únicamente minha existência.

"Mais do que,está falando Kalawina?Pode me dizer prima?".Ouve silêncio da parte dela ao voltar seu olhar á
mim,continuavamos subindo as escadas,tochas,lamparinas ardiam por todo lado iluminando cada recinto do
templo."Ah,querido Lestat,garanto que,quando tivermos mais tempo,irei contar tudo querido,tenha certeza,á
minha pessoa vai contar tudo...Mais prefiro que,seja em um lugar calmo,cheio de silêncio para que,possamos
ter essa conversa sem interrupção".

"Se deseja realmente compartilhar esse segredo,será como desejar,simplesmente me chame é sairei ao
seu encontro".Armand,tentou entrar na convers,algo relacionado a mim,a Kalawina,ao Lunnes!Maldito por
ter tentando intervir em uma conversa entre meus familiares!Não sabem como quis queimá-lo por isso!A
Thalwa,teve avidez o bastante para silenciá-lo.

"Esse garoto está me irritando,resolva isso para mim Marius".Não podemos esperar,Letícia almentou seus
passos a frente,Marius ficou trocando farpas com Armand,Lunnes e Kalawina subiam depressa a escada,á
Thalwa fazia com que,o andar fosse bastante imediato.Já estavamos chegando ao vão da entrada do salão.
O salão decorado com aquelas estatuas chinesas douradas,estatuas banhadas em puro ouro.

Quando entramos,todos se levantaram,David e Carlos assim que,colocaram os olhos em Letícia,foram ao
seu encontro.Carlos,estava trémulo só em tocá-la,o abraço foi impactante entre os dois,David ainda tenta-
va olhar nos olhos de Armand,mais Marius teve toda coragem para abraçar,de desferir aqueles beijos nele.
Deixou com que,as mãos passeassem pelo rosto de David.

"Vá para o quarto querido,tenha certeza de que,depois podemos conversar,mais sem dúvida nem uma não
faria nem um mau a vocês".David,deixava o tremor circular em suas veias,isso me fez entrar em alerta,eu
e Kalawina alternavamos os olhares entre os dois,Armand estava bufando de raiva,precisaria ir par ao quar-
to dos fundos do templo.

Tompei e Sofia,sairam com ele pelos corredores,iriam tentar organizar algo para ele,mesmo assim,soube á
contra-gosto que,nem Armand ou Marius iriam ficar por muito tempo,tive que,perguntar isso ao mestre,ele
á qual,tinha voltado sua atenção a mim."Sim,realmente estou para ir embora dáqui a pouco,preciso organi-
zar algumas coisas com Pandora...Digamos que,por os olhos em coisas novas aos nossos olhos Lestat".

"Sem problemas,apenas lamento por tudo,mais sabia,eu sentia que,teria maturidade o bastante para que,á
sua pessoa,tomasse a decisão certa".Irônicamente ele sorriu,não deixou de sorrir para mim,é depois com o
olhar para Lunnes que,saia para os corredores com Kalawina ao seu lado,teve que sussurrar."Tenho inveja
dele,além de forte,reconquistou algo perdido a tanto tempo".

"Apesar da minha prima ser tão maldita assim,correto?".Ri maléficamente para ele,levei s dedos aos meus
lábios delicadamente."Moleque,admito...Realmente para ser como é,tinha que,ter vindo de uma familia co-
mo essa!".É assim,Marius saiu pelos corredores,queria ter uma última conversa com Armand antes de irem
embora,antes de se despedirem.Voltando meu olhar ao David e Carlos,tive certeza de que,eles iriam caçar.
Teriam que,sair.

Passando o olhar em Xinha,tive que,trocar algumas palavrinhas com ela,antes de me retirar com Thalwa."Á
minha pessoa estava com soudades pequena,porém definho em ter que,subir".Isso a deixou atenta,porém o
termo a tinha deixado intrigada."Compreendo moleque maldito,preciso ir,sei que,Tompei necessita de minhã
ajuda".É assim ela sumiu em passos devagantes ao corredor,se juntaria a Armand,Marius,Tompei e Sofia,isso
me tinha deixado fatigado!Igrato momento!

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 64

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:58:17

***Continuando***

Conforme ouve esse devagar,David e Carlos sairam pela noite para caçar,Letícia queria ir.
Porém ouve uma certa crueldade da parte de Thalwa,em não querer que,ela fosse."Esque-
ça,é com você que,quero conversar,venha conosco".Com isso,David teve que,se adaptar a
esse pequeno termo.Ele e Carlos sairam descendo as densas escadas,quando eu é ela nos
encontramos sozinhos com Letícia no salão,não deixamos de acatar a situação.

"Vamos subir,é no quarto que,terei que,argumentar com você pequena,mesmo assim,não
me sinto seguro o bastante para que,seja áqui".Thalwa,caminhou até o vão da escada,ela
chamava Letícia quando senti o espasmo de segredos sendo contados,gradualmente tive á
impetulancia de tentar descobrir o que,isso significava.Conforme,Letícia se retirava para o
andar de cima com Thalwa,simplesmente me dei a analizar todos esses detalhes.

"Segredos sendo contados?Há,mais isso me chama bastante atenção".Sai a procura daonde
isso estava acontecendo,sai caçando em faro ávido as pessoas.Dando por mim,senti que,era
Kalawina e Lunnes conversando em segredos baixinhos,só uma mente sobrenatural para sen-
tir isso!Algo aterrador.Algo sinistro estava acontecendo,isso sem dúvida nem uma!

Meus passos eram devagantes,me encontrei em uma parte do templo desconhecida com esse
devagar,delicadamente cruzei o pequenino corredor.Esse corredor era largo,vi que,tinha entra-
da sobre o piso do chão para um sotão abandonado.Olhei como os jarros estava colocados,as
flores eram tipicamente chinesas,só encontradas nesse lugar tão maravilhoso e único nesse re-
canto.

"Lunnes e Kalawina trocando segredos,isso eu quero vê com meus própios olhos".Imediatamen-
te olhei para a imensa porta ao fim do pequenino corredo,ao pé da porta,logo ao lado da borda,
tinha recipiente de incensos queimando,era lá que,eles estavam se reunindo toda noite para po-
der conversar,trocar todo um conhecimento esquecido.

"Queridos,me fazem feliz por me darem esse momento de presente".Risinhos baixos sairam
de meus lábios rosados,delicados como veludo,me deliciava com isso.Minha familia realmen-
te estava sendo bastante malvada comigo,por isso me deu essa vontade de desbravar todo
o recanto,chegando a esse momento glorioso,porém amedrontador.Devaguei caminhando a
frente.

Parei em frente a porta,vi que,ela estava entre-aberta,por uma brecha delicada sobre a por-
ta,pude vê,ouvir com meus próprios ouvidos sobrenaturais a pequena troca de palavras en-
tre eles."Kalawina,mesmo depois de tanto tempo se sente reclusa,desejava simplesmente ir
a procura dele?Não sabemos se ele ainda está vivo!".Lunnes,andava pelo quarto,Kalawina o
olhava atenta,absorvia toda palavra do pai profano a sua frente.

"Papai,já lhe falei que,tudo que,aconteceu comigo foi maldito!Um maldito como ele,merece á
morte,não sabe como todo desejo de vigança me consome até hogê...Tudo o que,eme me fez
merece morte!".O que,ela queria dizer com isso?Entrando mais a fundo em meus pensamentos
me encontrei em unisono devagar:Kalawina,pelo visto tinha amado alguém,uma pessoa além
do marido que,ela tinha matado.

O que,pensar disso?Conforme Lunnes devagava em seus pensamentos,Kalawina e sentia mais
amedrontada pela revalidade entre o pai."Sabe que,ele nunca foi humano,falo do teu filho per-
dido no tempo,o que,foi fruto de um maldito momento...Cordialmente vejo que,ainda não se es-
quece disso! De como o pai a levou para aquele maldito palácio as forças,é a fez prover aquele
filho profano".Isso a deixou ressentida,chorosa.

-Lamento por achar isso!Lamento imensamente papai!Porém tenho avindo para lhe tirar a vida.
Eu tindo que,meu filho ainda por estar vido,não tive coragem de matá-lo quando estive vida no
tempo em que,se passou,mais sei que,agora o teria.

Seriamente o teria...

"É antes disso o maldito pai a mataria,sem dúvida nem uma!Enloquece com tuas palavras,deixa-
me devagante Kalawina...Sabe que,o pai mesmo presenciando tal ultraje contra você,a mataria.
Ele,á amou é mesmo assim a forçou á prover aquela maldita criança!".O que,tudo isso significa?
Meus oensamentos começavam a ficar desnorteados,enloquecidos!

Me mantive atento a conversa,anciava ao menos saber quem,eram o pai do maldito filho de minha
prima.Pelo que,pude perceber,Kalawina tinha tido dois filhos,um inteiramente humano,algo que,o
Lunnes tinha deixado bem claro naquela noite,mais o segundo!O segundo filho!Esse sim tive toda
vontade de saber quem era,me corria de curiosidade enquanto ouvia.

"Foram dois!Dois filhos que,trouxe a vida!únicamente um perdido para sempre,sabe disso!Mais eu
faço prol do direito de por os olhos no outro!Me impede de realizar tal sutileza!Não tive tempo de
poder vê-lo!Por favor,não por me negar isso!".Kalawina,tinha ficado inteiramente nervosa,cheia de
avinco por uma resposta de Lunnes.

"Jamais! Não vou me ariscar a perdê-la novamente!Nunca!Aconteceu uma vez querida,é se aconte-
cer novamente,não haverá uma segunda vez".Kalawina,engolia em seco essas palavras do pai,eu
vi como Lunnes,esticou as mãos aos ombros dela delicadamente,de como a beijava no rosto,como
se ele sentisse todo medo o consumir novamente.

"Pode ser forte Kalawina,mais não o bastante para eles,isso nunca".Algumas gotas de lágrimas iam
caindo pelo rosto dele,Kalawina se continha em observar isso,lágrimas puramente vermelhas,ainda
iria haver uma pequena espera.Ela,oabraçava forte,se agarrada com todas as forças ao Lunnes,ao
deixar o rosto de curvar,começava a lamber as lágrimas tão gelidas de Lunnes.

-Posso compreender tua vontade Lunnes,posso absorver tuas palavras,mais jamais o motivo de me
renegar tal desejo,e isso que,me doi imensamente.

O chamava pelo nome!Pelo nome!Maldição! Lunnes,se deixou agarrar mais forte á ela,simplesmente
os dentes de Kalawina lhe entraram na carne,os dois caiam sobre a cama,os dois grudados como um
laço mortal."Há,sim...Inteiramente forte o bastante,mais não para eles".Foram palavras ditas em ge-
midos,Lunnes se deixava tomar por ela.Conforme Kalawina se agarrava a ele,única coisa que,conse-
guia fazer,ela solver o necta precioso para qualquer um de nóis.

Um passado ainda desconhecido aos meus olhos,sai andando cambaleante."Ele á alimenta com toda
sua força...Faz prol do direito de ser o pai dela,isso a deixa irritada,imensamente irritada".Ainda me
sentia tonto.Andava sem coordenação,sem todo um gesto coordenado.Chegando ao sação,olhei para
a escada que,subia ao segundo andar.Thalwa e Letícia,me esperavam lá;

Subi devagar,passando ao corredor pude entrar no quarto,as duas estava a minha espera sentadas na
mesa da varanda a frente,realmente a noite além de maravilhosamente assustadora,estava me saindo
como um brinde maldito."Sente-se ao nosso lado Lestat".Aos poucos me apróximei ainda devagante,eu
ainda tentava captar o sentido das palavras entre Lunnes e Kalawina.

Me sente ainda desnorteado,o que,deixou Thalwa muito pensantiva."Aconteceu algo?Eu estava falando
com Letícia esse tempo todo,ela ainda tenta especificar de como é o maldito pai da criança".Ouve uma
reviravolta nesse momento:Thalwa,estava sabendo o por cima dos malditos seres bestias,isso Letícia á
tinha dito durante todo esse tempo!Maldição!

Passei meu olhar cortante a pequena,conforme Thalwa voltou seu olhar para ela,pudemos continuar to-
da conversa."Não pude correr,gritar,muito menos lhe bater Thalwa...É como disse ao Lestat.Eu tinha sai-
do daonde tinha caçado,assim que,entrei no cemitério Lafayette ouve todo atentado,mal conseguia vê o
que,me acontecia".Thalwa,mantinha seus braços cruzados,voltou seus olhos a mim.

"É você,simplesmente entrou em brigas ferrenhas,correto Lestat?Sem nem ao menos saber do que,isso
se trata,irresponsável de sua parte".Thalwa,podia estar sendo cruel comigo,mais mesmo assim,ela esta-
va certa,o que,falar á ela diante de um momento desses?Rápidamente tentei lhe responder algo,mais is-
so tinha me deixado sem o que,falar.

"Acato aos teus pensamentos,mais não ao termo de ter que,ficar sem agir naquele momento".Isso a dei-
xou furiosa,isso a fez se levantar diante de sua impulsão.E se tivesse morrido!?E se tivesse morrido?Co-
mo acha que,teria me sintido!?Pode me responder a isso Lestat!".Foram gritos altos á mim,Thalwa ainda
sentia a pontada de raiva dentro dela.

"Não pense dessa forma,não!".Ela,nem fez questão de me responder,imediatamente deixou com que,os
olhares continuassem focados em Letícia."É só isso que,tenho a dizer,só isso querida Thalwa".Conforme
ouve essa pequena conclusão de palavras,Thalwa se deixou falar novamente com Letícia."Querida,ainda
não sabemos em que,tempo essa crinça se desenvolve dentro de você,como é o tempo de gestação de-
la,mais se realmente deseja que,esse bebê seja seu,digo que,não pode ficar áqui por muito tempo".

"O que!?Como falas algo assim a Letícia?É justo em um moomento como esses Thalwa!?".Isso a fez se
voltar a mim,me levantei desnorteado com seu olhar raivoso! "Repita isso novamente!Vamos!Repita!Eu
dito simplesmente o que,penso.O que,acha que vai acontecer caso ela continue áqui?Digame!".Ouve as
resonancias de seus pequenos gritos,a fúria a contaminava nesse momento aterrador para mim.

"Não Thalwa,isso e enjusto demais".Sussurrei essas palavras indicando sumissão a ela,caso contrário,eu
temia ser queimado.Letícia,se levantou se ponto entre a gente,olhou risonha para Thalwa,conforme suas
palavras saiam,Thalwa começava a sentir a tranquilidade voltar novamente."Calma querida,sei o que,eu
devo fazer,realmente e isso...Ir para um lugar aonde ninguém possa me encontrar,acato as tuas palvras,
não culpe Lestat por isso".Thalwa,saiu ao vão da porta arqueando as sobrancelhas novamente.

"Lamento,simplesmente isso...Lamento".Assim,ela saiu pelos corredores,a segui imediamente,vim a vê-la
logo no salão."O que,isso significa?Um acato ao que,eu realmente penso?Não pensa no que,eu realmente
sinto Thalwa?".Ela,puxou o braço que,estava sendo segurado por mim,isso a deixou a ponto de me encher
de tapas,porradas,tudo que,se possa pensar.

"Faça isso novamente e juro que,sumo dáqui!Sumo mesmo!Cale-se!Não penso no que,eu acho,no que você
acha!Penso únicamente no que,deve ser feito".Ergui minha mão a ela devido a raiva que,me consumia,teria
batido em seu rosto se Letícia,não tivesse aparecido descendo a escada.Um alivio me contaminada,no que,a
minha pessoa estava pensando em fazer?Que loucura!Loucura!

Tompei,apareceu diante da saida,me chamava.Realmente Marius e Armand iam embora,teriam que,
dar continuidade as atividades.Quando no Jardim,Thalwa não deixou de beijar seu rosto,porém ela
não quis se despedir de Armand,preço justo diante de seu comportamento descabido,sem prestesto
para com minha pessoa.Eu,ainda me sentia um maldito por quase ter feito aquela loucura.

Levantar as mãos á Thalwa,bater no rosto dela!?Seria como ter assinado meu útimato de morte!Eu
realmente ainda estava trémulo por tudo isso.Conforme Letícia,aplicava sinuosos beijos em Marius,
pude sentir que,ele partiria desgostoso por tudo,mais iria superar,sem dúvida nem uma.Armand e
ele sumiram pela noite apois isso.

Sofia,me tocou os ombros."Vamos,já está feito Lestat,não chore por isso querido...Tinha que,partor.
De algum modo Marius teria que,reaver seu lugar".Sorri amargamente,eu e Tompei no sentamos ao
gramado do jardim,Thalwa,e Sofia subiram em seguida,eu sabia que,elas iriam a procura de Lunnes
e Kalawina.

Xinhua,inesperadamente preferiu ficar conosco,se sentou ao colo de Tompei,Letícia quis ficar ao meu
lado,amava como as tochas ardiam pela quadra,o jardim!As lamparinas tão delicadas! "Isso me faz
bem Tompei,desculpe pelos acontecimentos".Ele suspirou rápidamente,foi como mero afagar de um
doce terror lhe corroendo o corpo."Sempre age como selvagem Lestat,do que,adianta me pedir des-
culpas?".

"Concordo com Tompei,não adianta,es selvagem até na alma".Xinhua,me causava pavor,os olhos azuis
realmente se sobresaiam a noite,ao brilho das chamas,Letícia sentia arrepios por isso."E,selvagem,aos
poucos eu compreendo esse meu defeito,agradeçam aos meus familiares".Me deliciava com a troca de
roupas de Tompei e Xinhua,os dois vestiam túnicas negras,detalhes em prata nas bordas,algo como um
brilho de luar se destacando no tecido de seda.A túnica de Xinha tinha mangas curtas,as de Tompei,bem
largas.

Desejamos ficar por áli mesmo,iria ter soudades de Marius e Armand,mesmo sentindo a pontada de raiva
dele,iria sentir soudades do púpilo.Nem David ou Carlos,tinham chegado da caçada ainda,esperariamos por
eles,enquanto isso que,o restante do pessoa nor aquardasse no salão,me deitei sobre o gramado acolhendo
Letícia."Es um maldito,admito isso".Tompei,não deixava de indagar esse momento,continuava acariciando
os cabelos de Xinhua que,me olhava detalhadamente...Terror emanando de seus olhos.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 65

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 16:59:16

***Continuando***

Exatamente conforme esperavamos,começava á acontecer toda uma ligação entre
a gente.Tompei,aos poucos tentava compreende todo o motivo da briga com Marius
e Armand,isso fez com que,Letícia se sentisse insana,absolutamente isana.Jamais á
minha pessoa esperava algo assim,ele continuava se deliciando com Xinhua em seu
leito,conforme seus dedos deslizavam nos cabelos dela,dava para sentiro todo nexo
do que,verdadeiramente estava acontecendo com eles.

Letícia,ainda tentava respirar,fazer com que,seu vigor voltasse por completo,isso ao
meu vê,seria preciso,já que,Letícia pela situação em que,ela se encontrava,estava
em um momento delicado corporalmente e mentalmente.Gostei de como ela veio se
apróximar mais delicadamente de mim,isso me fez abraçar seu corpo para poder ter
Letícia,em meus braços.A noite estava fresca,não muito fria apesar da neblina densa
vindo da quadra,de todos os recantos do lugar.

"Lestat,sabe se realmente Louis,pode acatar a sua em que,se encontra?Falo do coma,
de todo seu vigor sendor retirado".Tinha sido uma das primeiras pergundas vindo de-
le,o que,provocou pequenos tremores em mim,gostava de como Letícia se agarrava á
meus ombros,conforme ela se deliciava,dava para sentir todo peso vindo dela,como a
pena fina que,ela sempre será aos meus olhos.

"Tompei,não sei,sinceramente eu não sei querido,simplesmente espero poder vê como
ela saira dessa situação tão aterradora,temo que,ele não seja o mesmo".Isso deixou o
Tompei pensativo,conforme absorvia minhas palavras,pude sentir como ele se revigora-
va delicadamente,um vigor que,o preenchia por completo!O que,me causou total avinco
para com ele diante desse momento.

"Exatamente como pensei,o que,penso disso tudo...Provações espirituais são as mais a-
terradoras para qualquer um de nóis,não é?Eu,sinceramente,depois de uma provação
desse nivél,jamais seria o mesmo,mais tenho certeza de que,Louis vai poder provar os
impactos da alma depois de tudo".Xinhua que,se mantinha acolhida por ele,simplesmen-
te deixou-se voltar seu olhar.

Algo como silêncio lhe passou pelo seu olhar azulado,o que,considerava um vestígio da
verdade que,Tompei tinha acabado de me falar.Eu,passei a pensar em Thalwa,em nos-
sa Sofia lá no salão.A conversa entre Lunnes e Kalawina ainda se passava em minha ca-
beça,ardia como trovão.Infelizmente tive que,tentar repensar nisso.As imagens ainda me
contaminavam ardualmente.

Meus olhos se voltaram para cima,olhei o céu escuro,totalmente estrelado,envolto em to-
da malva de luar."Dois filhos...Um humano,inteiramente humano,o outro feito por um ato
forçado,apesar do amor ter existido".Todos ouviram isso,Tompei não deixou de focar seu
olhar em mim,eu ainda lamentei por Carlos e David não terem chegado da caçada,isso á
meu vê podia ser uma pequena afronta.

-Eles vão chegar Lestat,mais o que,quer dizer com suas palavras?Algo provoca pavor em
você?

-Jamais Tompei,jamais...Apenas definho diante de pequenos segredos do meu passado á
qual,me estão voltando agora,estão sendo revelados como trovões de presságios,sinto o
medo correr em minhas veias querido,só isso.

"Compreendo,porém seja sensato...Tem um filho para prover,cuidar,acho que,agora sabe
qual,é a tua verdadeira missão".Isso me provocou risos imediatos,a minha pessoa ainda á
tentar provocar arrepios em Tompei,o que,sinuosamente jamais esperei,Letícia,se levantou
cambaleante,isso fez com que,Xinhua se levantasse para poder acolhê-la.

"Tenha cuidado menina,acho que,não anda se sentindo muito bem,não é?".Isso me deixou
a ponto de correr do lugar,fugir conforme eu ainda unia minhas forças.Letícia,estava trému-
la diante da força de Xinhua,conforme ela manteve seu olhar focado sobre ela,pode sentir o
avinco de querer subir.

Mais isso,seria para outro momento,eu começava a sentir a presença de David e Carlos por
perto,minha pessoa teve que,se levantar rápidamente quando eles apareceram junto a mu-
ralha do templo.Até Tompei tinha resolvido se por de pé,lindo como a túnica dele chegou ao
andular perfeito,oscilava como cetim,mesmo não sendo feita desse tecido como dito por mim.

"Chegaram,isso me deixa feliz,inteiramente feliz".Não deixeis e sorrir quando os vi,eles dei-
xaram o salto ser pleno,flutuaram no ar por alguns segundos,é ponto os pés em terra firme
vieram em passos vultuosos até á gente,Xinhua esticou os braços ao David,foi como se ela
pudesse sentir o cheiro de caça provindo dele.

Isso a deixava arrepiada,ouve até um pequeno gemido dela conforme sentia o cheiro,mais o
Carlos,só queria dar atenção a irmã Letícia,como se uma música fosse tocada para que,eles
dançassem no ritmo da valsa.Risos irônicos sairam de meus lábios,isso os fez parar ainda iam
subir,sem sombra de dúvida iriam se recolher em um dos quartos do templo.

"Precisamos subir,acham que,Thalwa vai ter paciência de continuar nossa conversa?".Ouve o
indagar de David á mim,arqueava a sombracelha com esmero de provanidade,Tompei ainda
se perdia nos braços de Xinhua,os dois de pé,abraçados como pétalas delicadas,algo como os
toques de obscuridade vindo deles,isso me fez querer voltarme atenção para Lunnes e nossa
Kalawina.

"A odéia,é mesmo assim tenta conversar com ela,por quais motivos começa a preservar teus
sentimentos para com ela,Lestat?".Essa pergunta de David me fez rir como diabo,como todo o
demônio maldido que,posso ser."Querido,irônicamente ela é minha prima,irônicamente ela po-
de ser a cura de Louis,dos problemas futuros,certamente que,á minha pessoa preserva toda á
verdade....Kalawina pode ser malvada,porém tão bruxa quanto Alexien,se não mais poderosa
que,a própria,compreende?".Conforme terminei de ditar minhas palavras,David se agarrou ao
abraço de Carlos.

"Hum...Não tiro sua razão,pode estar sendo enfatizador,mais mesmo assim,vossa pessoa com-
preende a verdadeira situação".Assenti com acenos delicados,me apróximei delicadamente aos
passos rápidos,isso fez com que,Carlo se afastasse,não sei como pude desferir aquele beijo em
David,o beijava delicadamente na boca,algo como um maldito momento,para ser mais claro,um
momento demôniaco.

Me afastei delirante ainda,trémulo por ter que,falar."Uma bruxa imortal querido,completamente
imortal..Cruel e selvagem por natureza,mais tão imaculada quanto o meu sangue que,ela carre-
ga em suas veias".Ouve risos provindo dele,rápidamente isso o fez oscilar trémulo.Conforme o
vento corria,foi como malva negra,a neblina estava forte,ouve uma última pergunta de David,as
trocas de olhares eram crueis.

"Falando de seus malditos familiares,aonde está Alexien?".Isso me provocou total terror,jamais
eu esperava ouvir isso dele,levando as mãos aos seus ombros fiz com que,pudesse voltar todo
seu olhar para mim."No palácio de Sépia e Ardônis,ela veio passar uma temporada conosco,eu
passei por alguns momentos com ela,nada agradáveis".Continuava explicando.

"Thalwa,foi cruel com Alexien.Á ussou para voltar a vida,simplesmente á atacou no sotão da nos-
sa manção,essa foi a chave para Thalwa sair do sono".Ele,passava á considerar isso terrível,não
desejava esperar mais,estava tonto de curiosidade por rever Kalawina e Lunnes,sinceramente eu
me mantinha vinculado ao momento entre eles.

Mais mesmo assim,eu tive que,manter toda notória paciência,o segredo maldito compartilhado
entre os dois.Voltando minha atenção a Alexien,pude me questionar mentalmente se um dia á
minha pessoa iria saber quem,poderia ser o filho não-humano de Kalawina.Juro que,quando eu
me sentei sobre o gramado,fiquei devagando a pura verdade.

"É,bruxas realmente podem dar a luz a monstros...Falo de seres não conhecidos pela gente,por
toda humanidade...Sempre tem sangue forte o bastante para tornar isso uma completa realida-
de".Isso fez,com que,Tompei mantesse sua atenção á mim,ainda continuava me sentindo muito
desnorteado para com essa realidade que,as vezes se abate dentre todas as bruxas.

"Mesmo assim,pode considerar isso uma crueldade para com elas?Tem muitas que,simplesmente
mesmo sabendo,cometem erros Lestat,vossa pessoa sabe disso".Voltei meu olhar para ele,ainda
podia sentir a pequena pontada de ressentimento dentro de mim,ainda tentava captar todo senti-
do do meu pequeno tormento.

-Tompei,muitas erram,a maioria sempre erra,é juro que,isso me causa transtorno,temo muito me-
do de acontecer isso com Alexien um dia,meu coração choraria muito,caso algo assim lhe fosse a-
contececido.

"Seja sensato,nada mais que isso,apenas acho que,quando uma pessoa se encontra diante de uma
situação como essas,simplesmente há de querer ser sensato...A maioria conhece o perigo como sua
pessoa fala,é mesmo assim,provocam ou causam o erro,por isso particulamente não tenho piedade".
Risos vieram de David,particulamente considerei isso um pequeno ultraje á minha pessoa.

"Vamos subir Lestat,acho que,Thalwa,Lunnes,Kalawina e Sofia,começam a ficar impacientes com a
gente".Me levantei delicadamente revendo tudo que,tinha dito."É,bruxas podem das luz a monstros,
sempre tem sangue forte e ávido o bastante para isso meu querido".Caminhamos ao vão da escada-
ria,David fez questão de me responder.

"E mesmo assim,na maioria das vezes deixam o erro se tornar realidade,por isso me sinto irritado
por muitas dessas pessoas virem chorar,pedir ajuda".Realmente ele estava sendo o mais cético ao
meu ponto de vista,simplesmente me sentia feliz por isso."Não se preocupe,nunca vai acontecer a
Alexien,acho que,ela é sensata o bastante para isso".

Começavamos a subir a escada,nos apróximavamos da entrada."Eu acho que,sim.Mais sabia disso:
É só questão de ter sangue forte o bastante,de ter a genética própriamente perfeita,é assim,mons-
tros podem ganhar vida".Pavor corria em minha espinha,enquanto Letícia,ouvia isso,pude sentir os
seus arrepios,isso fez com que,Tompei tomasse atenção para com isso.

"Isso está deixando Letícia asustada Lestat,acho melhor encerrarmos esse assunto".Claramente que,
eu estava me sentindo um tonto por isso.Letícia,estava passando por um sério momento,ainda por
cima tinha que,ouvir isso de mim.O que,eu realmente passava a ser perante seus olhos?Como eu fui
um maldito em ter tocado nesse assunto!

Enquanto subiamos silenciosos,entrei novamente em meus pensamentos secredos.Será que,as almas
me escolheram para ser o pai de Hyarian,por causa de toda linhagem de Lunnes?Falo de genética,um
sangue fraco,porém forte o bastante para mediar aos dois polos das duas linhagens.Falo de Maharet e
Thalwa.

Sinuosamente começa a considerar isso uma total realidade.Eu,como inesperadamente descobrir:O ne-
to de Lunnes,um dos poucos sobreviventes de sua linhagem plenamente forte,provido de todo um termo
de presságio,sangue de bruxo,sangue provido de morte,mais plenamente sangue de bruxo,isso para as
almas era o que,importava.

"Infelizes,se não fosse assim,nunca teria sido pai de Hyarian,nunca".Sussurrei essas palavras ao ar,os
demais pararam passando todo olhar para mim."Está enloquecendo?Está pirando Lestat">Tompei,tinha
me indagado quanto a essa situação,continuamos a subir,sinuosamente chegavamos a entrada,ele abriu
toda densa porta.

Tivemos toda visão de Sofia,Thalwa,Lunnes,Kalawina e Thalwa a nossa espera.Conforme olhava
essa sena,lamentei por Marius e Armand terem ido,por Kenjing ter que,ter ido ao templo da mãe
de Tompei,Xinran que,sem sombras de dúvidas ao continuar pensando que,o seu filho estava mor-
to,sempre tinha seus momentos de terror.

"E o melhor para todos Lestat,saiba disso!".Xinha e Tompei,tinham ouvido esse meu pensamento,é
assim nos juntamos aos demais.Lunnes,não deixou de se apróximas de mim,simplesmente sentia o
seu cheiro em mim,é isso sempre o fazia delirar de ressentimento."Vamos moleque,ainda temos os
últimos detalhes á acertar".Thalwa,quando viu David,mau pode se conter.

Pulou em cima dele,tentando agarrar seus braços,lamentei por isso,ele iria sofrer com ela essa noite.
Carlos,se manteve ao lado de sua irmã,conforme eu me apróximava de Sofia,pude sentir como ela
quardava seus segredos tão bem.A dama com cabelos de ouro,ela sempre me passa essa imagem,os
meus encantos afloravam por todos os cantos,até no ar!descaradamente Thalwa,beijava David sobre
minha presença.Maldito,descarado!

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 66

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:00:51

***Continuando***

Nada como um olhar aterrador para resolver a situação David e Thalwa,até Letícia que,
olhava,se sentia acuada,algo como sublime terror lhe consumindo,ela tinha ficado muito
chateada,deixei com que,minhas mãos fosse aos seus ombros,imediatamente a imagem
do bebê me foi passada.Quase gritei diante disso:O bebê boiando no líquido dentro do ú-
tero,jamais me conformava com isso,os olhares de Kalawina direcionados a Letícia ainda
me deixavam muito impactado.

Ela,se apróximou de mim,nesse momento começavamos uma ligação carnal entre primos.
De algum modo,eu confeço queridos:Minha carne,meu sangue,meu rosto,tudo que,tenho
realmente provinha dela,achei que,até meu modo selvagem de ser também vinham dela.A
minha pessoa começava a acreditar que,tudo que,uma pessoa pode ser,é passado genética-
mente pelo sangue ávido de seus antepassados.

"Vendo coisas Lestat?Precisa que,algumas dúvidas sejam tiradas?Resolvidas para você?".Eu
ainda me sentia desnorteado com isso.Ouviamos as trocas de palavras entre todos,realmen-
te Tompei argumentava com Lunnes."Precisa trazê-lo de volta,achas mesmo que,Xinran vai
engolir em seco a presença dele?".Rápidamente eu e Kalawina voltamos nossa atenção aos
dois.

Todos olhavam para eles."Claramente que,sim.Lunnes,Xinran sempre gostou da presença de
Kenjing,não se preocupe!Não esquente cabeça com isso...Minha mãe sempre apreciou toda
presença dele,para ela,Kenjing sempre vai ser uma ótima companhia".Thalwa,ria diante da si-
tuação,exatamente como Xinhua e Sofia,as duas que,neutralizavam os olhares de Tompei.

"Lestat,por favor,se realmente precisar resolver qualquer problema,me diga".O que,Kalawina
queria dizer com isso?Sempre mantendo sua atenção sobre Letícia,rápidamente eu tive que,
tentar entrar em seus pensamentos,mais isso ela sabia fazer muito bem:Nem o mais poderoso
dos vampiros conseguiria transpor essa barreira.

"Lestat,estarei com Lunnes,Xinhua,Sofia e Tompei,no quarto de cima,pode nos encontra depois
querido".Olhei imediatamente para Thalwa,me apróximei delicadamente,a beijava com força,eu
sentia todo sabor de sua boca tão aveludada,suculenta,sua voz sempre como veludo de pétalas
aos meus ouvidos."Ok...A verei depois,me aquarde".Risos sairam dela,assim ela saiu com suas
companhias ferrenhas.

-Kalawina,por favor,sentesse querida...Ainda preciso trocar algumas palavras com sua pessoa.

Mais antes disso,conforme eu tinha dito a ela,David e Letícia,se retiravam para o quarto junto aos
fundos do templo.Carlos,também tinha ido com eles.Me sentei na proltona tendo toda visão dela á
minha frente,me sentei na poltrona que,ficava logo a frente á dela,nos olhavamos como multuo res-
peito.

Imediatamente minha voz saiu rancorosa,como se,todos os meus sentimentos saissem como uma
malva de raiva pelo o que,eu tinha ouvido.Isso deixou Kalawina,envolta em silêncio antes de poder
falar."Não pode me esconder muitas coisas Lestat.Sei que,pode ouvir o que,eu e meu pai conversa-
mos naquele quarto".Ela,sabia,desde o momento que,tinha voltado a por seus olhos em mim,soube
a pequena crueldade que,eu tinha feito.

"É,exatamente como ouviu...Tive dois filhos,um inteiramente humano,realmente dotado de dons pa-
ra bruxaria,porém,ao longo do pequeno tempo de vida que,tive,ouve impasses aterradores em toda
minha vida".Levei as mãos ao meu rosto,á observava delicadamente esperando que,ela continuasse.
Os cabelos caiam aos ombros,longos em ondas ruivas,tão vermelhas quanto sangue.

Os olhos verdes se destacavam multuamente,tinha trocado de vestido:Passava á ussar um vestido de
tom branco,feito de algodão fino,vestido que,contornava suas curvas delicadas,a silhueta bem marca-
da aos meus olhos,o silêncio era aterrador entre a gente,eu temia deixá-la muito chateada caso não a
respondesse,cruzei minhas pernas mentendo o foco de meu olhar.

Tive toda visão de seus ombros despidos pelo vestido ter alças fininhas,o decote sobre os seios fartos
era uma visão meramente aterradora para mim:Linda em todos os sentidos!Uma filha milenar com seu
corpo totalmente reconstruido,um corpo de apenas seus vinte anos!Únicamente a idade em que,ela tinha
morrido pela doença fatal,como Lunnes tinha explicado para gente.

"Hum...Se pusesse seus olhos em seu filho nos dias atuais,o reconheceria Kalawina?".Ouve todo um
amargor da parte dela,levou os dedos delicados aos lábios trémulos,ainda se sentia despreparada a
me responder."Não vou mentir Lestat...O alimentei em meu seio quando nasceu,depois de tudo!Não
o deixaria de reconher,jamais!".Quase tinha gritado em seu em seu nervossismo.

Ouve a confissão que,tinha me abalado imensamente."Tão forte quanto o pai,únicamente preparado
para um dia tomar o poder,uma infelizidade eu ter sido ultrajada daquele modo!O maldito parto que,
me causou a morte tão rápido...Digo que,inúmeras vezes,enquanto fui aquela alma devagante,tive a
coragem de sair a procura dele muitas vezes".Tinha terminado,eu ainda me sentia tonto com isso!

"Inumeras vezes!?É mesmo assim nunca colocou seus olhos nele,correto?".Ela,assentiu rápidamente,á
minha pessoa deixou-se ouvir,ouvia como música as suas palavras brotarem."Ah,sim...Nunca,mais eu
ao menos me conservo em ter vivido o pouco tempo que,tive com meu outro filho,sabes o nome dele".
Não pude deixar de afirmar,claramente que,sim,confirmo isso a todos vocês!

"Falando do pai maldito...O amei,sempre senti avinco pelo não-humano,porém,apezar de todo esse senti-
mento entre eu e ele,o maldito não pode deixar de fazê-lo,de me tomar na frente daqueles malditos,isso
nunca me saiu de minha mente,mesmo em minha solidão como a alma ferrenha que,fui".Digamos que,as
traições são imediatas,certo?Isso tinha acontecido com ela.

"Emane teus pensamentos...Quem sabe o filho maldito não,capte teus pensamentos".Isso a deixou em
risos,o que,tinha me deixado tranquilo,me levantei pegando em suas mãos,as beijei delicadamente,eu
ainda não acreditava que,estava fazendo isso."Compreendo querida,também começo a cultivar o sonho
de poder vê teu filho perdido,o único que,resta vivo nesse mundo".

"Ah,não pense dessa forma...Filho de um momento aterrador,o mataria se pusesse meus olhos nele".Eu
assenti novamente negando essa realidade."Não pense dessa forma,jamais querida!".Isso a deixou es-
pantada,rápidamente ela se levantou passando todo olhar para mim,claramente que,tinha considerado o
momento profano.

-Desperta sentimentos que,não e normal,eu sentir Lestat...Claramente que,definho diante disso,mais eu
espero que,ainda possa compreender os motivos deu ter escolhido ao Louis.

"Ah!Louis,Louis,Louis! Ele sim,me preocupa,espero realmente vê-lo vivo,essa é a minha meta de realida-
de atualmente querida".Ela,se afastou de mim,conforme ditei essas palavras,uma mulher alta,realmente
uma Celta pura dos pés a cabeça!A silhueta oscilava como sinuosa dança maldita aos meus olhos."Vamos
presenciar um momento histórico".Ouve risos vindo dela.

Raramente pensei presenciar isso um dia."Seres existem querida,é fazem prol do sangue de bruxas para
vir ao mundo".Kalawina,tinha se arrepiado diante de minhas palavras."É,não tiro sua razão".É assim,ouve
seu desaparecimento no vão da escada quando ela subiu para se encontrar com Thalwa,é os demais que,
estavam no andar de cima.

Me encontrei sozinho,total silêncio no salão de entrada do templo."Preciso vê David e Carlos,não posso me
dar ao luxo de deixá-los sozinhos nesse momento".Sai ao encontro deles,me apróximava do quarto de fun-
dos do templo.Quando a frente da porta,pude esperar,abri em gestos delicados,os três me foram vistos em
seu leito de acolhimento.

Letícia,estava sentada de encontro ao espelho da cama,ela tinha colocado um roupão de seda por cima de
do vestido que,tinha vestido.Vestido vermelho-escuro que,ia até a altura dos joelhos,feito de desa pura,to-
do roupão estava largo ao seu delicado corpo,ela estava descalço por estar em cima da cama,realmente a
sua condição começava a ficar delicada.

"Não de preocupe Lestat,estou bem,só me sinto desgastada...O bebê começa a me irritar profundamente".O
que,ela queria dizer com isso?Passando meus olhos ao David,ele pode perceber que,exigia uma resposta de
sua parte."Ela,desmaiou quando entramos,só isso,porém está bem,apenas fico receoso pela condição que,ela
possa se encontrar com o passar do tempo.

Carlos,claramente que,sentia o mesmo,Letícia suava devido a falta de forças,se sentia desgastada
aos meus olhos.Ela,mantinha sua mão-esquerda ao pé da barriga reta,bastante talhada por toda a
delicadeza possível.Respirava devagante,David deixou-se se curvar sobre ela lhe beijando com os
toques esperados aos seus cabelos longos.

"Se continuar assim,não sei o que,vou fazer Letícia,só me sinto acuado por ser inútil de minha parte
tentar algo".Esse comentário a deixou bastante irritada,voltou seu olhar para mim furiosa."Já falei,eu
não estou disposta a tirar esse bebê,mesmo ele sento fruto daquele maldito momento".Ela,tinha fala-
do isso entre dentes,como uma ameaça ferrenha aos meus ouvidos.

"Sei que,sim...Mais esteja preparada,porque não terei forças para resolver esse probleminha caso,os
demais saibam...Agradeça a Thalwa por ter sido muito sensata com você".Isso a fez rir em desvaneio.
Ainda se sentia ofegante,bastante ofegante.o tom vermelho-escuro da seda,lhe caia batante bem,ouve
um afagar de David ao se sentar ao lado dela.

Carlos,mau conseguia dizer nada,só se sentia acuado pela irmã se encontrar nessa situação amedronta-
dora."Thalwa,sempre foi compreensiva,os únicos que,me causam medo e Tompei e Kalawina,o modo co-
mo ela anda olhando para mim,me causa ascos".Estava com medo,ela não deixava de transparecer essa
sensação a gente.

"Só a você?Já tive medos muito piores do que,esses Letícia".Ela,esperava eu terminar,se mantinha em
sua quietude esperada,se deitou de lado com David por detrás dela,se encolhia sentindo o medo que,á
consumia,a sonolência era tamanha que,Letícia dormiu de imediato.Ficamos devagando nesse momen-
to inesperado.Temi que,algo de errado estivesse acontecendo com ela,algo com sútil guerra entre todo
seu corpo e alma ainda tão jovens.

Ouve batidas na porta do quarto,Thalwa entrou passando olhar para a gente,David se levantou imediata-
mente com a presença dela.Thalwa,vestida naquelas vestes brancas como neve,me era visão de prote-
ção,túnica longa em mangas compridas,túnica de tecido de linho e seda nas bordas!O pingente!Fiquei em
desalento quando o vi.

O cordão com o pingente que,tinha ficado para ela,se sobresaiam sobre o branco:Um prata misturado ao
ouro!Agradeci por terem me alertado sobre esses detalhes.Ter essa visão do cordão com pingente sobre
seu busto,me causou ressentimento por todos os malditos momentos que,vivi até dado instante,Thalwa á
se apróximar de Letícia,não ousou acordá-la.

Suas mãos deslizavam por seu corpo,Thalwa mantinha toda atenção em sua investigação primorosa sobre
Letícia."Hum...Está ficando fraca,o corpo produz tanto leite-vermelho,o leite sanguinio que,mau lhe resta as
forças para se manter de pé.Olhem para esses seios!".Ela,quase gritou,não deixou de desabotoar o vestido
de Letícia que,tinha os botões a rente,logo a frente do busto tão delicado.

"Deuses,Deuses".É,Thalwa conhecia muito bem esse problema insano,conforme ela passeava as mãos por
cima dos pequenos seios de Letícia,pudemos vê:Muito rigidos por tanto leite-vermelho,tanto leite-vermelho
que,começava a brotar dos mamilos.Thalwa,aperou delicadamente,é ouve um pequeno jorro do sagrado nec-
ta.Rápidamente ela,tirou um lenço do bolso da túnica.

Limpou os seios de Letícia,delicadamente,voltando á abotoar o vestido."Tadinha...Lamento por tudo isso.
Porém,ainda tendo descobrir o que,faremos".Thalwa,se sentia desnorteada com esses pensamentos,ela
esperava pensar,analizar,David tinha fechado a porta do quarto,me senti aliviado por isso.As paredes do
templo tinham ouvidos.

Se tratando de imortais,tenham certeza disso."Podemos resolver isso da maneira mais rápida...Tirar esse
bebê,pronto,problema resolvido Lestat".Thalwa,estava entrando em seu momento de crueldade,isso a fez
continuar focando seu olhar em mim,como nuanse negra! "Jamais,esqueça isso!".Gritei com ela em sussu-
rros bracos,Carlos e David começavam a entrar em desespero,temiam que,eu e ela começassemos nossa
briga áli mesmo.

"Lestat,eu já tirei um maldito bebê de Beldatos de dentro de mim a tempos atrás,é juro que,não quardo nem
um ressentimento por isso!".É,isso tinha acontecido devido a série de ataques que,ela tinha sofrindo naquele
momento aterrador naquela torre enfronhada nas florestas daquela época.Passei a entrar em desespero por
isso."Sei muito bem qual,o meu estado depois do parto de Hyarian...Nunca passei por um desgaste como ou-
ve comigo".Lamente pela continua e dolorosa verdade.

"Quer mesmo que,Letícia passe por isso?".Silêncio multuo caiu entre mim,sobre David e Carlos,claramente
que,o meu desespero começava a brotar,medo além de tudo! "Pense nisso Lestat,a qualquer momento vou
quere uma resposta de sua parte,temos que,resolver isso antes de sairmos para nos encontrar com Hyarian".
Ela,se levantou saindo pela porta,só ouvimos seus passos ecoando pelo corredor.

Me deitei ao lado de Letícia,David e Carlos se sentaram na mesinha encostada sobre a parede,passei a dar
beijos sobre seus cabelos perfumados,só velas iluminavam o quarto,me mantive abraçado a ela,realmente
as palavras de Thalwa,tinha atingido em cheio a minha razão,conforme fechei meus olhos pude sentir como
Letícia se sentia fraca,rápidamente me deixei devagar em seu delicado perfume,David e Carlos começavam
a tentar entrar em um acordo.

Letícia,abraçava a mim,eu beijando os cabelos de Letícia."E,pequenina...Acho que,minha razão começa a sair
de dentro de mim,estou começando a perceber o que,eu devo fazer".Lamentei por ter dito isso,ela dormia aos
meus braços,sussurros de Carlos e David,eram ouvidos por mim,me pedia acolhendo Letícia,eu sentia como os
seios estavam quentes,cheios de leite-vermelho.Ouvia sua respiração vindo aos meus ouvidos,ela estava dentre
seus sonhos,sonhos não vistos por mim.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 67

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:01:38

***Continuando***

Adorava como eu,mantinha Letícia em meus braços,os sussurros da conversa entre
David e Carlos,se mantinham correntes em meus ouvidos.O perfume da noite ainda
corria como flores e folhas espalhadas por tudo quanto e canto do templo.A forma,o
tom com que,Thalwa tinha falado comigo,ainda me era muito perceptivel,tentava ter
a mais alta forma de me manter ligado ao seu modo de pensar.Letícia,conforme viria
á se manter nessa situação,começava a sofrer as conseguências do problema oculto
em nossas mentes aventureiras

O que,fazer?Me sentia acuado nessa situação,meu corpo ainda tentava absorver todo
tipo de detalhes obscuros em minha mente,de qualquer modo,essa sensação de acua-
do,veio para trazer meu perfeiro juizo a tona,fazer com que,todos os meus pensamen-
tos entrassem na mais perfeita ordem diante dessa situação.Minha falta de coordena-
ção de pensamentos tinha vindo para destruir minha estrutura.

Por tais motivos a minha pessoa ainda sonhava com todo um modo de neutralizade,os
meus olhos estavam fechados enquanto eu,me mantinha deitado sobre a cama com ela
aos meus braços.O tecido de suas vestes se encostava sobre minha pele,o que,provoca-
va sinuosos arrepios em meu corpo,enquanto isso,ouve todo um repensar do que,iria fa-
zer diante do estado de Letícia.

Tive que,deixar meus olhos se abrirem,isso por querer,prestar atenção no que Carlos e
David,andavam conversando,só poder ouvir os sussurros dele,não me era satisfatório.O
cheiro dos dois impregninava todo quarto,ao menos as luzes estavam apagadas,apenas
as velas ardendo em cima da mesinha aonde eles estavam sentados ainda mantendo a
conversa.

"Obrigada por terem apagado as luzes,isso ao menos,me deixa tranquilo,apenas isso que,
eu queria".Carlos,se levantou vindo se sentar a beira da cama,Letícia se sentia tão fraca,a
falta de forças a mantinha envolta em seu sono."Ao menos pode pensar no que,decidirá?".
Dava para perceber o quanto Carlos ainda se sentia amedrontado,o espasmo de descontro-
le de sua força,deixava isso claro a qualquer um.

"Não consigo pensar Carlos,não sei por onde começar a decidir o que,realmente fazer,eu
ainda acho que,vossa pessoa,seria a mais apta para poder decidir".Isso o deixou bastan-
te pensativo,seus olhos verdes brilhavam conforme as chavas das velas batiam em todo o
olhar sinistro.Nunca vi tal requinte nos olhos de Carlos.

Conforme voltei meus olhos ao David,vi a fagulha de ressentimento por ele,pelo que,os dois
tinha conversado nesse pequenino devagar de tempo."Carlos,acho que,nesse ponto Lestat
está certo,acho que,vai saber o que,decidir".Carlos,estava trémulo,porém tinha chegado seu
momento de desabafar diante de nós dois:De mim e de David,Carlos primeiro sentiu o silên-
cio chegar.

Em seguida um toque de respiração branda para ele,poder falar."Se o fizer,sei que,Letícia não
vai querer,nunca mais olhar em meus olhos...Mesmo passando por tudo isso,Letícia sabe todo
o significado do que,é a vida,acho que,fazer isso,será o mesmo que,condena-la a tristeza,ainda
preciso pensar em alguns detalhes".Apreciava seu tom de voz delicada,voa forte,porém branda
como algodão.

-Deves conclúir isso dentro de si Carlos,lamento,mais eu realmente vejo essa necessidade
para podermos acatar situação de Letícia.

"E me condenar a nunca mais ter a presença dela?Apois e exatamente isso que,vai acontecer
caso eu o faça David!Consegue imaginar isso!?".Gritos sussurrados provindo de Carlos,ainda
conseguia sentir a pequena raiva o consumindo,me levantei para me sentar ma mesinha aon-
de David estava,sinuosamente ele focou todo olhar em mim,deixei com que,minhas mãos vies-
sem a se esticar a frente.

"Lestat,digame que,têm uma reposta,que,não vai deixar de tomar a decisão correta para com
Letícia,ou,eu realmente vou me desesperar".Suspirei delicadamente ao ouvir essas palavras,o
ar estava frio,a noite tinha ficado fria conforme a maldita neblina tomada todo tempo,isso sen-
ti da forma mais pura possível ao me manter imóvel.

"Conhece Letícia melhor do que,minha pessoa.Então como ela vai reagir caso eu e Thalwa aca-
temos a decisão mais gruel?".Ele,deixou-se devagar dentre seus pensamentos morbidos,David
continuava agindo de forma bastante indiscreta na minha opinião.O brilho em tom dourado apa-
receu em destaque em seus olhos escuros,todo espasmo sobrenatural estava presente agora.

David,estava prestes a me responde,o que,me deixava bastante tonto diante da possibilidade
de uma resposta bastante inesperada."Iria odia,se sentiria ultrajada,acho que,seu ego faria a
loucura á consumir".Deixei os olhos arquearem em espanto,me levantei indo a beira da cama,o
lençol que,cobria Letícia foi esticado por mim,leçol clarinho como a pele dela.

Lhe beijei o rosto delicadamente antes de subir."Continue descansando minha querida,depois
eu virei vê-la".Carlos,nesse momento é que,tinha se deitado ao lado dela,á abraçava delicada-
mente passando o braço por debaixo dela.Indo a porta do quarto,David veio se despedir antes
deu subir ao encontro dos demais."Lestat,por favor!Única coisa que,lhe peço antes de voltar,de
tomar a decisão junto a Thalwa,é que,não façam Letícia sofrer".

-Tentarei da melhor forma possível David,porém saiba que,isso não sí diz respeito a mim,mais a
Letícia como um todo,é a qualidade de vida dela que,me importa nesse momento.

"Compreendo...O vejo mais tarde".O beijei diante dessas palavras,não deixei de esticar as mãos
ao seu rosto,o beijar arduamente,arrepios me tomavam como trovões enloquentes."Se vier acon-
tecer qualquer coisa,pode me chamar no jardim dos fundos do templo,estarei tomando banho no
painel lá,apenas vá a minha procura".Isso o fez corar de vergonha,tinha sentido como era frágil a
meu olhar.

É,realmente David e Louis para mim,eram as criaturas mais indefezas do que,se possam imaginar.
Tão frágeis quanto rosas que,podem ser esmagadas sem a menor quantidade de forças."Me faz
me sentir um inútil Lestat".Risinhos irônicos sairam de mim,deixei a ponta dos dedos deslizarem no
seu queixo."E será meu querido,por muitos anos será,só o tempo lhe dará o verdadeiro poder de
um imortal".Com isso,meus passos começavam á ecoar pelo corredor.

Quando no salão subi,passei pela escada saindo pelo corredor do andar de cima,vi a porta,entrei
tendo total atenção de todos.Lunnes,Tompei,Thalwa,Kalawina,Xinhua e Sofia;todos eles sentados
ao chão da varanda conversando em relação ao momento.Me apróximei muito receoso de que,um
deles tivessem lido minha mente,é descoberto o segreto além de Thalwa.

"Letícia,ainda continua no quarto Lestat?Por quais motivos ela se mantém nessa reclussão?Me pa-
rece uma doente agindo desse modo".Ouvir Kalawina falar desse modo,me fez tremer de raiva,ela
mantinha todo vigor ao me questionar dessa maneira descabida."Não Kalawina,apenas está indis-
posta,irritada com algumas coisas".Lunnes,conforme tinha ouvido minha resposta a Kalawina,teve
a coragem de me revidar da mesma maneira.

Graças que,já estava sentado ao mado deles,se não teria caido de tanto espando e medo com
as palavras de Lunnes."Hum..Será apenas isso Lestat?Não está escondendo mais uma de tuas
aprontações!?".Um tom de raiva foi sentido diante de suas palavras,Tompei e Sofia fizeram toda
situação ser desviada para outro foco qualquer,isso me deixou bastante alíviado.

-Me parece bastante cansado Lestat,quer que,eu possa providênciar algum banho para você?A
Thalwa,mereceria muito esse requinte descabido de minha parte.

"Não descabido Tompei,mais pretencioso na minha opinião".Ouve risos amargos vindo de Kalawina.
Ela,solvia em uma carneca de porcenala negra,um maltado necta de sangue,simplesmente desferia
uma sútil quantidade de ervas aromatizadas dentro,porém não o bastante para lhe fazer mau,todo
um modo de se deliciar com o cheiro,o perfume,apenas isso."Me desculpe Lestat,mais acho que,tem
algo além disso".Novamente os risos malvados!

"Como assim!?Ousa questionar meu conceito de verdades!?".Xinhua,sabendo que,eu ia explidir,veio
intervir entre eu e Kalawina,a gente quase saiu na pancadaria naquele momento,infelizmente não fo-
mos além,por causa de Lunnes,ele que,tinha almentado seu tom de voz."Se querem brigar,que façam
isso lá fora!Não áqui diante de mim!".

Voltando ao meu lugar,senti a sensação de fracasso,Kalawina tinha voltado a solver seu necata
aromatizado com ervas,cheiro forte,mais doce o bastante para eu querer beber,mesmo com rai-
va descontrolada,pedi a ela,isso a fez me queimar com seu olhar maquiavélico."Delicioso,sinto o
aroma como doce,apenas me lembra o sabor de doces".

"Hum...Pena que,não saiba fazer algo assim,mais posso lhe ensinar como aromatizar sangue,um
sabor melhor,só isso".Arqueiei minha sobranceha mantendo meu olhar focado,solvia o sangue co-
mo se fosse doces,isso me deixava deliciado,infelizmente tive que,devolver,apenas era um pouco
trabalhoso tentar beber e manter as ervas dentro ao mesmo tempo,mais valia pena!

Ah,se não valia a pena!Sorri com desden movendo todos os dedos as mãos,minha lingua passea-
va por meus lábios,eu ainda sentia o sabor doce!Ah!Tinha que,admitir,Kalawina sabia muitas artes
obscuras para dar prazer,rápidamente tive que,me levantar,Tompei tinha decido a procura de uma
quantidade de roupas e toalhas para mim e Thalwa,me sencia deliciado com isso,gradualmente eu
estiquei os braços na direção de Lunnes.

"Sinta-se maravilhado por isso Lestat,ao menos descanse,pelo teu comportamento selvagem,tenho
a certeza de que,anda estressado!Descarregue essas energias negativas,isso começa a me deixar
bastante irritado".Thalwa,estava de pé ao meu lado tentando compreender o sentindo dessas pala-
vras,infelizmente tinhamos que,descer,o que,me deixava triste.

Kalawina,se levantou deixando a caneca ao chão,vi que,até Xinhua e Sofia estavam fazendo o mes-
mo!Algo terrível para mim! "Tome teu perfeito juizo,garanto que,nada do que,falas me convence".O
brilho dos olhos verdes eram bruxescos!Imensamente grueis!Ouve total abraço apertado entre eu e
ela,Thalwa continuava esperando ao meu lado."O amo,mais o odéio ao mesmo tempo primo maldito".
Sussurros doces,deliciosos de se ouvir.

"Deixa-me acuado com essas palavras Kalawina...Posso tentar encontrar teu filho,só me diga isso".
Ao ouvir essas palavras,Lunnes se levantou me queimando."Como sabe disso moleque!?Digame!A
minha pessoa está ouvindo errado?".Não,não tive nem um ripo de receio em responder,isso tinha
deixado Thalwa em espanto."Sim,sabe que,pensamentos voam Lunnes,só isso".Sorri com o termino
da resposta.Fui a porta com Thalwa."Precisamos ir,os veremos dáqui a pouco".E,assim eu e Thalwa
saimos pelos corredores,algo maldito de minha parte,mesmo Lunnes gritando ao aparecer na porta
não dei atenção,fiz descaso mesmo,tava me lixando com o que,ele dizia.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 68

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:02:29

***Continuando***

Descemos toda extensão dos andaresmo,Thalwa se sentia revitalizada com minha decisão de
ter decido com ela,para um momento como esses."Lestat,só agradeço diante de tua vontade,
eu estava precisando disso,lamento por não ter conseguido pedir ao Tompei".Ri diante de sua
forma de falar,rápidamente caminhavamos em direção aos fundos do templo,era lá que,a gen-
te iria tomar banho,já visionava o enorme painel com água aquecida,água fervilhante de tão
doce e perfumada.

O silêncio era tamanho que,conforme andavamos,ouviamos nossos passamos,saimos ao jardim
da frente,atravessamos a quadra seguindo o caminhar.Quando passamos aos fundos,Tompei es-
tava a nossa espera,algo que,me fez delirar de felizidade,ele estava segurano toalhas limpas,os
potes de ervas devidamente preparadas para nosso banho,ouve pequenos risinhos vindo dela,a
boca de Thalwa se alargou conforme sua felizidade foi plena.

"Há!Agradeço por isso Tompei,realmente me sinto gratificada por isso".Tompei,não deixou de
sorrir em tom malvado,alternava seus olhos entre mim e Thalwa,conforme seus pensamentos
entravam em nuanse,ele deixou as toalhas em cima de um bando de madeira bruta,olhei todo
o painei cheio de água,a fumaça subia,era mesmo lugar aonde Tompei tomava banho quando
era apenas um menino,o lugar aonde Louis,em nossa primeira estadia nesse lugar,tinha tido a
coragem de tomar banho,ao ser convidado daquela forma!

Todas essas pequenas lembranças me contaminavam conforme a minha pessoa deixava toda a
mente me consumir."Lestat,têm roupas limpas ao lado do painel,e só pegar e se vestir,o mesmo
a Thalwa pode fazer...São roupões de seda,conjunto negro e o outro puramente vermelho,isso
e da escolha de você,preciso me retirar queridos,mais posso voltar".Ouve todo uma retenção ao
vê-lo caminhar em direção a entrada dos fundos do templo.

De lá se juntaria aos outros que,estavam a sua espera,apenas lamentei por não ter sua presença.
Thalwa,estava começando a se despir,isso me deixou furioso."Querida,deixe eu poder ajudá-la,eu
não permiria que,tivesse tal trabalho".Isso a fez gargalhar diante desses modos pretenciosos,ainda
tentava captar os motivos dela se sentir assim."Lestat,sempre agindo de forma pretenciosa,me sin-
to constrangida querido".

Começava a beijar sua nuca delicadamente enquanto a despia,enquanto tirava suas roupas."Achas
isso mesmo Thalwa?Será que,não seria você a mais pretenciosa para comigo?".Ela,se virou com as
faces coradas,um vermelho delicioso de se vê,isso me deixou constrangido,porém não o bastante.A
minha boca se encostou na dela,a beijei delicadamente para depois voltar a minha razão.

"Hum...Ages como um selvagem,não nego isso".Todos começavam a achar isso de mim!?Infernos!
Puramente infernos!Me perdi de mim quando,ela começou a tirar minhas roupas,rápidamente fez o
meu corpo se encontar despido."Vicê sim moleque,merece um banho...Selvagem até na alma".Não
conseguia voltar a minha razão,conforme ela esticou seus braços a me dar apoio,pude entrar dentro
do gigantesco painel.

O calor era fervente,deliciosamente revitalizante."Ah,banho a moda chinesa,isso sim e melhor do que,
um banho normal,do que,qualquer coisa".Me deixei afundas por alguns instantes antes de voltar,Thalwa
começava a deixar ás ervas cairem sobre a água borbulhan,porém fresca.Quando ela entrou,se encos-
tou junto a mim,abri os braço acolhendo todo seu corpo,se sentia um pouco cansada,mais não deixava
de transmitir sua eminente preocupação.

"Quanto vai ter coragem para voltarmos Lestat?".Ela,tinha perguntado isso bem baixinho,não queria
que,ninguém nos ouvisse,porém ouve todo um indagar de pressentimento enquanto beijava seus ca-
belos molhados."Me sinto acuado Thalwa,sabe o que,se passa em minha cabeça diante da situação de
Leticia?".Ela,me olhava profundamente,me deliciava com a forma que,a luz batia em seus olhos zin-
zentos provocando uma coloração azulada.

"Não consigo saber Lestat...Mais qual é a sua decisão?".Thalwa,se apoiava se encostando sobre todo
o meu corpo,eu estava perfeitamente encostado na borda do painel,isso a fazia se acolher perfeita-
mente a mim."Acho que,de alguma forma está correta,você está certa,mais não consigo saber como
é passar por isso".Thalwa,começava a ser cruel comigo,tão malvada a ponto de beijar minha boca e
ao mesmo tempo aplicar mordidinhas em meus ombros.

"Sofrido,mais no fim,nada importa".Ouví-la falar desse modo começava a ser cruel para mim,deixei
os pensamentos se fecharem,me sentia entristecido conforme ela continuava."Só não me esqueço,o
meu bebê perdido poderia está vivo,porém tive que,me conforma com a forma que,as almas vieram
intervir me tirando o bebê,fazendo com que,Lunnes o tirasse de mim".

Ela,devagava em seus pensamentos,me mantive grudado a ela conforme continuava ouvind,será que,
o silêncio nos trás resposta?Tenham certeza que,sim."Não se um dia podera por teus olhos em um de-
les,falos dos Beldatos,mais garanto que,são tão terríveis quanto um bebedor de sangue".Assenti quan-
do estiquei as mãos atrás de sua nuca.

Isso a fez encostar sua boca em meus ombros novamente,Thalwa beijava delicadamente conforme ia
deixando pequenos delirios a consumirem."Mais repensando em tudo,acho que,foi a melhor decisão,eu
não saberia no que,daria caso o bebê tivesse nascido,estava se desenvolvendo rápido,imensamente a
me tirar todas as forças".Ela,falava conforme seus escritos,conforme tinha escrito tudo naquele escrito
maldito aos meus olhos.

"Hum...Grarion,no fim de tudo,realmente sentiu tudo áquilo por ele,Thalwa?".Ela,parou colocando todo
seu olhar em mim,a olhava seriamente,ela passou suas mãos atrás de minhas costas,cruelmente sen-
tia seu doce perfume feminino,maldito de minha parte,maldito para minha condição."Sim,o amei,ainda
preservo algo pela sua memória,afinal me deu dois filhotes consagrados para mim,como poderia deixar
algo assim,ser esquecido?".Me olhava seriamente,tentando fazer com que,eu compreendesse todo esse
sentido de palavras.

-Odéio saber disso!Admite que,nunca vai esquecê-lo,apesar deu está diante de sua pessoa...Compreen-
do a ligação de sangue,mais não a presernvação de sentimentos apois tanto tempo.

-E impressão minha,ou está tendo um ataque de ciúmes Lestat?Fala-me!Desejo muito saber disso agora,
me deixas muito curiosa!

Thalwa,tinha ficado furiosa com meus modos de pensar,deixou-se se sentar ao outro lado do painel,me
encontrei olhando em seus olhos,ela esperava,deixava os punhos de fecharem em raiva,se sentia mui-
to chateada com isso."Thalwa,compreendo que,considere sagrado ter tido Sépia e Ardônis com Grarion,
mais como devo me sentir ao saber que,preserva algo por ele ?".Minha voz saiu rancorosa,realmente a
ponto de me fazer explodir de amargura.

"Ah,mais isso não significa que,não o ame Lestat!O amo inteiramente!Como pode duvidar disso disso?O
teu comportamento é sim,o mais puro sinal de individualismo para mim...Olha querido,entenda ao me-
nos isso....Até hogê sou grata por Grarion ter cuidado de mim,ter me protegido naqueles tempos,por ele
ter cuidado de mim durante todo tempo! E mesmo assim,me pede para me esquecer de sua memória?".
Thalwa,tinha ficado constrangida em ter que,ter me falado isso.

Foi nesse momento que,me apróximei dela,a puxei para mim em gestos delicados,conforme as ervas na
água agiam,eu pude sentir o quanto,nossa pele e corpo estava ficando limpos,realmente perfumedos."Is-
so me faz não saber o que,você realmente sente por isso,só isso mon petit".Risos doces saiam de sua bo-
ca,ela se deliciava conforme continuava abraçada a mim.

"Há,algo muito,muito,muito maior Lestat,só isso que,consigo transmitir,se eu tentar falar mais de como é
o meu sentimento por você,ai sim,eu entro em prantos".Lamentei nesse momento ter dito tudo áquilo,eu
nesse indagar tive certeza de uma coisa:Os ciúmes sempre iam me consumir diante de minha situação á
estar com Thalwa,disso tive a plena certeza enquanto olhava em seus olhos.

"Sinto-me grato por não esconder isso de mim,por ser verdadeira comigo,apesar de meu geito selvagem".
Ela,sorriu irônicamente,deixou-se beijar toda minha boca rápidamente."Hum...Ainda não percebe querido,
eu sempre gostei de homens selvagens,de homens que,sabem bater de verdade".O quê!?Deuses!Isso me
deixou todo arrepiado,totalmente arrepiado!

Dos pés a cabeça bastante arrepiado!Não tive como responder,ela se virou se mantendo encostada a mim.
Passei a esfregar suas costas com um pano humido,deslizava e limpava,só para conclúir o banho,Thalwa se
perdia ao focar seu olhar aos céus,rápidamente ela se voltou mantendo o peso de seu corpo contra o meu.
"Mais aos poucos vai conseguir distinguir isso Lestat,sei disso...Irônicamente foi sua selvageria animalesca
que,me fez focar minha atenção em você...Um homem,mais tão animal quanto minha pessoa".

"Querida,está sendo cruel,verdadeira demais!Pare com isso,me deixa constrangido".Eu já a tinha chamado
de tirana,conforme pensei nisso,descobrir que,isso também fazia parte de meu ego,de mim! "E isso mesmo,
tão tirano quanto eu,pai de meu filhote pequeno".Deuses,me levantei em impulsão,bastante desnorteado,os
seus movimentos foram imediatos,ela me segurou pelas mãos."Pena que,queira sair tão rápido".

"Há! Há! Há! O que você quer dizer com isso Thalwa!?Não está pensando em selvageria nesse momento sua
tirana provana!".Me sentia acuado por sua força,me desvencilhei delicadamente caindo do painel,ela fez isso
também me seguindo.Se modo cruel me encostou contra a parede,nem sabia de suas pretenções para comi-
go.Ela,se abaixo se apoiando sem seus joelhos.

"Ainda bem que,consegue ler minha forma de ser,lamento querido".Isso tinha me calado,me calado!Confor-
me ela mantinha a pressão de suas mãos em minhas pernas,tentava desviar caminho,crueldade demais!Os
seus olhos se voltaram a mim,o pavor me tomou,porém ouve o inusitato.Thalwa,agia com calma,muita cal-
ma.Suas mãos dlicadas não deixaram de pegar firme entre minhas pernas,mesmo assim,ela tinha força pa-
ra me manter grutado a parede.

Digo que,de modo pretencioso ela,deixava sua boca deslizava em toda extensão de meu orgão,lambia com
vigor,arrepior corriam minha espinha,não pude deixar de deixar minha impulsão falar mais alto,minhas mãos
passeavam por seus cabelos ainda molhados,conforme ela mantinha o ritimo dos movimentos com sua boca,
eu me sentia quente,muito quente!Confeço que,em nem um ocasião,uma mulher tinha feito isso comigo!

Nunca mesmo!Por esse motivo me sentia acuado,jogado contra parede,sentir aquela boca macia em
deslize pelo meu pau realmente me levava as nuvens."Há,há!Termine com isso,parece um inferno!".
Ela sorrou delicadamente,voltou a sua razão quanto pode me beijar novamente,me sentia desgasta-
do,para voltar a mim,tive que,me esvair em seus brços."Se arrume,fique calado!Só isso".Ofegava ao
me manter preso naquela parede.

Delicada,mais tão pretenciosa quanto minha pessoa.Não demomos muito para nós arrumar.Vestimos
os roupões rápidamente.Eu tinha ficado com o conjunto negro,Thalwa com o restante,conforme olha-
va aquele cordão com o pingente jasendo em seu pescoço,me senti neutrasado.Tinhamos acabado de
pentear os cabelos também,simplesmente jogamos as roupas usadas no gesto de bambu,saimos pelos
corredores da entrada dos fundos.

Eu,ainda sentia o impacto dos orgasmos que,tinha tido com aquela audácia de Thalwa,porém sentia o
vigor boltar,ela conforme me olhava tinha percebido isso."Desculpe Lestat,acho que,peguei pesado,eu
as vezes me esqueço de como posso pegar pesado com qualquer homem nessas questões".Qualquer
homem!?Quase tinha me matado! Deixei isso bastante claro para ela conforme andavamos pelo corre-
dor.

"Ah,não estou acostumado com isso Thalwa,têm certas situações que,nunca passei,compreende?".Ela,
parou,aplicou bem seu olhar."Ah?Desculpe!Desculpe!Tadinho!Não sabia,eu agora me sindo a selvagem
nesse lugar querido,desculpe".Estava corado diante disso,por ter que,falar isso,ema me beijava em bei-
jos apressados."Tadinho,prometo que,nunca mais faço isso,não mesmo".Eu,estava trémulo,saimos ao
salão,todos estavam a nossa espera.Que visão notária e magnifica!

****Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 69

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:03:15

***Continuando***

Quem estava presente era Lunnes,Kalawina,Tompei,Sofia,Xinhua,Carlos e David.Senti que
Letícia ainda dormia,estava envolta em seu momento de sono.Foi isso que,recebi como res-
postas de David quando me apróximei dele ao lado de Thalwa.Conforme trocavamos olha-
res,ficou claro que,David ainda sentia-se impactado por tudo,conforme o olhava nos olhos,a
sua pessoa conseguia me mandar respostas muito bem aplicadas,delicadamente deixei-me
abraçá-lo calorosamente.

Isso fez com que,David sentisse a ponta de segurança que,tentei propiciar a ele,Lunnes ao
presenciar a sena,teve que,se levantar,conforme seus passos ecoavam no salão,todos iam
captando sua notória presença."Letícia,ainda dorme,acho que,nem tão sedo ela vai desper-
tar Lestat,simplesmente acho que,a viagem a deixou desgastada demais".Que palavras pa-
ra desviar do verdadeiro assunto,como se chocolate dosse dado a crianças.

"Sei que,sim.Prefiro que,seja assim,ainda tenho muito o que,pensar David".Isso o deixou á
devagar em seu estado de alerta máximo.Aplicando meu olhar em Thalwa,pude vê como a
cor vermelhas de suas vestes lhe caia tão bem:Ela tinha sim,ficado com o roupão restante
que,Tompei tinha providenciado para gente.Sabem que,o tecido caia como malva em seus
toques de sobre a pele.

Analizava detalhadamente as mangas longas do roupão de Thalwa,toda faixa caindo ao lado
da cintura,a calça da mesma tonalidade vermelha,realmente um conjunto perfeitamente fei-
to para ela,ao meu vê,Tompei não poderia ter econtrado roupas melhos,ainda pude me per-
der sobre o cordão que,tinha adquirido em Nova Orleans.

Sabendo desse meu pensamento,Tompei não deixou de indagas algumas palavras com minha
prima Kalawina,ela que,se mantinha ao lado de Lunnes repesando em suas lembranças,isso a
fez sair de seu transe bruxesco,rápidamente entrou em alerta conforme Tompei falava,confor-
me Thalwa,todos focavam suas atenções nela.

"Ainda têm mais de suas ervas Kalawina?Se puder,por favor,faça mais uma quantidade para
Lestat".Há!Por quais motivos ele tinha pedido isso por mim?Conforme seu pensamento chega-
va em minha mente,tive total certeza do que,ele realmente queria dizer.'Sente fome Lestat,á
minha pessoa sabe que,deseja beber sangue adocicado por ervas'.Arrepios correram toda mi-
nha espinha.Tompei,tinha acertado em cheio nas palavras,descoberto minha vontade.

"Venha comigo a cozinha Lestat,posso fazer algo para você".A segui deixando todos em seus
observares em nós dois,isso me deixou tonto,andavamos pelo corredor de acesso a caozinha.
Quando entramos vi que,as luzes estavam acesas,luminarias suaves para não irritar a visão,o
meu espirito agradecia por isso.Me sentei a mesa ao centro da cozinha,fiquei devagando dian-
te de minha preocupação com Hyarian,Louis e Letícia.

"Tome cuidado Lestat,anda sentindo coisas demais,anda aberto espiritualmente para que,todo
tipo de fantasmas tentem entrar em teu corpo".Kalawina,estava certa,assenti ainda sentindo a
ponta de preocupação,meus olhos estavam turvos,realmente opacos conforme suas palavras.
"Espere um pouco,vou preparar algo para você".Isso me deixou ansioso para que,soubesse os
requintes dela.

"Pode ser qualquer coisa,qualquer forma de preparar sangue Kalawina,me sinto tonto conforme
perco energias".Ouve um olhar malvado da parte dela.Pegando uma caneca feita de bambu po-
lido,pude sentir como ela ia preparar,pena que,não tinha conseguido captar o tipo de erva quan-
do ela tirou do pacote.Tinha um amassador em cima da mesa,conforme ela amassava,eu podia
vê a pasta se forma ao fundo do recipiente.

"Por quê amassar?".Novamente ela sorriu,continuava movento o amassador conforme a erva ia
se transformando em uma pasta bastante fina."Sabia de um segredo?Irei contar querido Lestat:
O corpo morto precisa ser protegido,correto?Então estou amassando as ervas para que,assim vo-
cê não passe mau,não se sinta péssimo quando solver esse coquetel sanguineo".Há,apenas toda
uma cautela coforme ela sabia que,corpos imortais não podem processar comida,a não se sangue
ávido.

-Para conclúir,quando beber,apenas não solva as ervas amassadas,só isso,as ervas ficam ao fun-
do do liguido,deixando assim apenas o sabor doce,adocicado.

-Perfeito!Gostei disso,ao menos algo de gosto diferente...Não sabe como as vezes me irrito por
não sentir outros sabores a não ser de sal e água,sangue tem esse gosto,o que,irrita bastante.

"Certamente que,sim.Eu sinceramente não me sentiria feliz caso tivesse que,ser assim comigo".O
seu olhar passava a ser sinuoso,tive a coragem de lhe perguntar sobre seu filho,falo de Genevieve.
Conforme falei,Kalawina deu toda uma pausa no preparamento do coquetel sanguineo para mim,o
seu olhar se encheu de lágrimas doloridas.

"Genevieve,o que,me causa mais dor,é que,ele tinha apenas cinco anos quando eu morri,sabe o
caso Lestat...Dei a luz a ele com apenas meus quinze anos,tinha sido ousada demais,simplesmen-
te para prover sangue ávido".Assenti conforme ouvia,delicadamente a deixei continuar,isso causa-
va um certo incomodo á ela,mais não o bastante para deixar de falar.

"Olhe,foi o pior caso que,se possa imaginar...Provi Genevieve,cujo significado em Celta e "Onda
Branca...Pensei que,estava preparada para a continuidade,mais não,maldito seja o momento em
que,coloquei meus olhos...".Por quais motivos ela tinha parado novamente?Ouve lágrimas caindo
em seu rosto delicado.

O rosto de porcela,isso me deixou imensamente triste,tentei me levantar mais mantive toda uma
indole para não atrapalhar Kalawina."Agora ia falar de teu filho não humano,não é?".Isso ela não
pode,apenas deixou-se focar seu olhar em mim delicadamente,olhos verdes queimando de vida.A
Kalawina,tinha voltado a vida,é cheia de mistérios obscuros.

"Essa é a principal maldição de uma Bruxa querido....Sangue ávido demais,sangue forte demais,a
longo do tempo dá as forças para gerarmos qualquer outro ser não humano,isso foi o que,aconte-
ceu comigo".Assenti silencioso,ela estava terminando de amassar as ervas,porém senti por meus
olfatos que,era um tipo de erva diferente,ainda mais doce,cheiro muito mais adocicado.

"Há,precisa de respostas,correto Lestat?Vai encontrá-las assim que,sentir sua alma sendo arreba-
tada de teu corpo.Precisa tomar uma decisão,é por isso procura resposta...Só lhe falo uma coisa
Lestat:Por mais dolorosa que,seja essa decisão,será feita querido".Ainda me sentia desnorteado e
tonto ao ouvir isso dela,como de Kalawina estivesse lendo minha alma,meu coração,é assim ten-
tando me guiar da melhor forma.

"Mais continue,desejo muito que,termine o que,estava falando Kalawina".Novamente,ela sorriu no
seu amargor,passava uma pequenina lámina por seu pulso-esquerdo,o sangue derramavase sobre
a caneta aonde,ela jogou as ervas amassadas dentro,assim me entregou em gestos delicados,não
esperei,logo tomei o primeiro gole do coquetel sanguineo.

"Há,Há!Não esperava por isso,não mesmo!".Tinha me pedido para ir com calma,assim o fiz quando
terminei de ageitar a borda de meu roupão negro."Continuando Lestat...Essa no fim,foi a minha des-
graça,amei o infeliz,o amei de verdade,da mesma forma que,ele me amou".A observava em toda a
minha crueldade,isso a deixava feliz,Kalawina pelo visto admira pessoas com esse tom de crueldade.

"Ele,tinha me prometido,ele tinha feito sua palavra tornar realidade,falo de nunca atentar contra o
meu corpo...No fim,ouve a traição,mais isso e algo que,odéio comentar,uma traição,todo feito aos
olhos de todos".Fiquei desnorteado!Mais tonto do que,tinha imagino,palavras fortes para mim! Isso
eu,me fez entrar fundo em sua mente.

"Há!Não me diga que...".A tristeza tinha tomado conta de mim,bebendo mais um gole do coquetel
preparado por ela,pude pensa fime! "Estupro cometido na frente de todos?E isso que,quer dizer!?".
Kalawina,não deixou de afirmar,de realmente admitir essa crueldade cometida com ela."Sim,isso o
papai não lhes disse o castelo,e tipico dele não falar tudo por completo".Ouve um devagar seu ao
olhar para o teto.

"Isso logo apois cinco anos ao ter dado a luz ao Genevieve;únicamente meu filho humano que,eu
nunca pude criar,conviver com ele...O parto me alastrou doença,fraqueza,desgaste,falo do parto
do maldido filho não humano...Há!Agora sabe como bruxas sempre cometem erros insanos,erros
cometidos por vontade própia...Mais não foi meu erro,foi a obsenidade de um maldito".Compreen-
dia.

"Foi forçada,únicamente forçada por vossa pessoa não desejar,ai e diferente...É realmente diferen-
te de uma pessoa conhecer a sua fraqueza,é mesmo assim,fazer por onde ela mesma sofrer,e ao
ouvir reclamações do sofrimento dessas pessoas,isso me dá nos nervos Kalawina".É,já tinha ouvido
o bastante,colocando a caneca sobre a mesa,estiquei as mãos a frente.

"Mais não quarde rancor,quem sabe um dia não ponha teus olhos em seu filho não-humano?Isso a
deixaria feliz?".Kalawina,deixou-se pensar,devagar sinuosamente em meu olhar."Sinceramente,eu
não me sentiria feliz...Não criei amor por ele,não convivi com ele para progenitar esse sentimento."
Sorri abertamente,isso a deixou desconcertada.

"Sorri com facilidade Lestat,não espere essa mesma facilidade de mim".Seriamente tive que,confe-
çar os motivos de tanto sorri a ela,rápidamente isso a fez alerta-se."Sorrio por sentir rancor demais,
por ainda ter vestigios de sofrimento,sorri as vezes,me e a única forma de me sentir feliz".Ouve um
arquear de sobrancelha dela diante disso.

Lindo como Kalawina,deixou-se espantar com minhas palavras,as sobrancelhas vermelhas subiram
em desden obscuro,novamente os arrepios contaminavam meu corpo."Esperava ouvir algo diferen-
te de você em relação a isso".Kalawina,começava a falar em sua linguá mãe!Sinistramente entrava
em transe coforme citava as palavras e Celta,linguá morta para o mundo que,ao meu vê,só imortal
vivido naquela época,conseguiria falar.

"Muitos ainda precisam fazer suas descobertas,só isso".Nos levantamos da mesa,com isso,senti sua
vontade de voltarmos ao encontro dos demais,saimos silenciosos pel corredor,entrando no salão do
templo,Thalwa pairava nos olhando friamente,temi que,ela estivesse prestes a ter um ataque de ira
comigo,conforme ela olhava para Kalawina,pude sentir como ela se sentia plenamente vistosa,ainda
me mantinha envolto em meu transe ao solver o nectar.

Deixei as duas conversando,me distrai da atenção dos demais ao meu lado,Xinhua se apróximou,os
olhos azuis bruxeleavam sobre as luzes clareando ainda mais."Demorou um pouco Lestat,o que,você
e Kalawina,estavam conversando na cozinha?".Sinistramente ela tinha me questionado sobre isso,e a
sua pessoa queria uma pergunta imediatamente!O que,pensar disso?

"Sobre passados,sofrimentos,acontecimentos Xinhua".Ela,não deixou de pegar a caneca de minhas
mãos para beber alguns goles do coquetel sanguineo."Só tome cuidado com os pedaços de ervas,o
corpo não suporta isso".Sorri amargamente,voltei a beber devagar,os goles me entrava a boca,ela
se perdia nesse requinte e gestos.

"Sei disso,kalawina me explicou".Olhei rápidamente para a saida,caminhei até a imensa porta,queria
ir aonde tinha túlipas negras,as palavras de Kalawina,não me saiam da mente,em todos os sentidos,
o seu passado tinha sido cruel,algo pesado caia sobre mim.Desci as escadas devagar,conforme meus
passos ecoavam,tive toda visão do denso jardim.

"Túlipas Negras".Sussurrei isso tonto,estava cambaleando,já andava pela densa quadra,a ponte tinha
sido vista,sabia que,as túlipas negras jasiam a margem do lado brilhando ao luar,muitos passaros por
perto,corujas cantando na noite inusona.Caminhei pela margem observando sinistramente o lugar,as
túlipas negras não estavam longe,as encontrei,é assim me sentei sobre elas,fiquei me perdendo em
transes pela visão,pensamentos ecoando pelos ventos.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 70

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:04:11

***Continuando***

Seriamente algo começava a se passar,a tomar forma diante de meu estado de
espirito.Gradualmente a minha pessoa se focava em querer se aprofundar nesse
conceito de presságio.Olhei para a caneca em minhas mãos,delicadamente tentei
descobrir o que,eu iria fazer."Está vazia,não têm mais nada,será que,eu posso re-
a essas ervas?".Sussurava essas palavras beixino,cortei o pulso-direito deixando
o necta cair dentro da caneca,sangue escorria pela borda.

"Sim,como pude pensar o cotrário".Ainda continuava sentindo o algo tomando con-
ta de mim,rápidamente isso me deixou em alerta total,porém o silêncio veio,isso a
meu vê,começava a me envolver em transe arduo,tão pesado quando,todo martirio.
Os goles começavam a ser solvidos,entravam por minha boca,conforme eu sentia
o sabor adocicado,pude sentir como realmente isso se tornava real para mim.

Abrindo meus olhos novamente apois beber esses goles deliciosos,pude finalmente
descobrir o que,estava acontecendo.Minha visão começava a ficar turva,tonto,ainda
cheguei a demorar para captar o real problema."Maldita!Essa não é a erva que,eles
estavam usando".Tinha fico muito chateado,levei as mãos a testa em gesto delicado.

Minha boca se abria conforme eu,tentava respirar,cada palavra de Kalawina,entrava
em minha mente!Como me senti burro diante dessa situação,me levantei cambalean-
do,meu andar estava descoordenado,passos desageitados.Minha respiração ao menos
estava voltando ao normal,isso me deixava tranquilo,afinal,pude sentir que,se tratava
de algo que,não podia me ferir.

"Ela,foi esperta,realmente muito esperta,usa de suas abilidades para fazer prol de seus
pensamentos".A visão ficava mais tuva,novamente as palavras de Kalawina,me vinham
aos meus ouvidos.'Está a procura de respostas...Vai encontrá-las no momento certo'.O
meu ego tinha sido machucado diante disso,esse tipo de contexto de palavras vindo de
pessoas,sempre são avisos insanos!

"Como não pude perceber!Bruxa,Bruxa,Bruxa!".Quase gritei,a casa andar a visão ficava
negra,foi assim que,o algo não descrito tomou conta de mim.Coração paralisado,toda al-
ma tirada de mim como se fosse um nada perante qualquer um.Conforme a escuridão ia
me timando,senti que,dava lugar a algo,algo como transes,visões,presságios que,tinham
que,serem ditos!

Desvendados!Algo me fazia abrir os olhos,algo catucava meus ombros,será que,eu ainda
estava vivo?Medo rondando meu corpo,movi os dedos das mãos,esse alguém continuava
catucando meus ombros,isso me fez me sentar,minha visão começava a passear por todo
lugar a frente."Só pode ser uma visão,não estou em mim".Ouve novamente sussurros ao
pé dos meus ouvidos.

'Olhe para o lado menino...Não ves com teus olhos?Abra teus olhos plenamente,ainda não
consegue vê'

Odiava isso,o fiz novamente,e dessa fez pude ter toda visão possível da situação.Vi como
a pessoa estava de pé a minha frente,a pessoa se sentou ao meu lado em gestos delicados.
Conforme eu,continuava olhando para ele,simplesmente tentei reconhecê-lo mentalmente.
Cabelos castanhos escuros,olhos na mesma tonalidade,a pele clara,porém queimada pelo
sol.Tentei realmente saber,se eu estava delirando ou não!

'Delirando não,portas foram abertas para você.Teu sangue de bruxo só foi reativado por
alguns momentos para poder me vê,poder encontrar tuas respostas'

Esse homem sabia do que,eu precisava,de alguma forma ele tinha vindo ao meu encontro
ao meu chamado espiritual.Então pelo visto Kalawinha tinha feito esse maldito requinte.As
ervas próprias para reaver uma abertura corporal!Quase gritei ao pensar nisso,ao manter
meu olhar focado na pessoa sentada ao meu lado!A túnica era branca,realmente lembrava
a pura neve.

'Sabe quem eu sou...Não precisa pensar mais Lestat.Sim,é o que,pensas,o que,vê diante de
ti Lestat.Pode me chamar de Grarion,só não sei lhe responder como vim para áqui,por que
eu,é que,tive que,ser chamado'

Maldição!Que aterrador!Começava a entrar em prantos!Prantos!Me levantei desesperado!Eu
nunca tinha tido experiências assim,claramente que,isso me deixava nesse desespero,todas
as lágrimas começavam a cair de meu rosto,sinuosamente Grarion se levantou,tento toda a
visão possível de mim,o que,me fez gritar ao puxar os cabelos!

"Saia de perto de mim,saia!Não e verdade,só pode ser brincadeira!".Ele,me olhava seramen-
te,pude sentir que,conforme vivia nesse estado,tinha adquirido vários conhecimentos do que,
é o mundo espiritual.Porém eu estava desesperado,o que,fazer diante de uma situação dessa?
Grarion,esticou as mãos aos meus ombros,não deixava de olhar firme em meus olhos.

'Se estar pensando em fazer com que,Thalwa me esqueça,desista dessa vontade,mais desejo
lhe pedir algo...Não deixas com que,o que,está por vir,a derrote,acabe com sua vida...Lestat,
só quero que,ela esteja plena'.

-Pode me pedir qualquer coisa!Menos que,ela mantenha tuas lembranças!Isso nunca!Ainda sou
o marido dela,pai do filho dela!E nunca desejaria que,ela quardasse lembranças do seu passado.
Isso nunca.

'Então pode morrer,pode se queimar ao sol,só quero que,veja por si...Thalwa,não está dis-
posta a esquecer seu passado por algo tão maldito para ela...Acho que,isso não e possível.
Quarde isso Lestat:Pela primeira vez,vai ter que,protegê-la do inferno que,estar por vir'.

"Só quer que,eu proteja a teus filhos,falo de Sépia e Ardônis!Que,Thalwa mantenha todo seu
vigor dentro dela,o mantento vivo!Isso nunca,isso nunca!"Como meus gritos od eixaram em
alerta,espantado,mais não o bastante para fazer com que,ele saisse de minha mente,eu ain-
da podia sentir a força me tomando.

Grarion,manteve seu silêncio,depois apertou firme meus ombros para eu poder manter toda
atenção sobre ele."Não Lestat,você a tem,a consome com teu amor por ela,mais a lembrança
tem que,ser preservada...Falo dos três elos:Sépia,Ardônis e Hyarian,esse elo sim,será muito
importante para a continuidade".Ouve um pequeno sacudir de ombros de minha parte,isso o
deixou espantado.

Mais antes de tudo,Grarion quis deixar claro com palavras firmes o que,realmente tinha a fa-
lar para mim,estava furioso diante de tudo,de como Kalawina tinha previsto tudo com todos
os dons bruxescos provindo dela,do maldito sangue! 'Se precisa de uma resposta para deci-
dir o que,tem que,fazer,posso lhe falar'.

"De que,forma?De qual forma faria isso!?Saia!Suma de minha frente,eu não preiso disso,eu
nunca precisei que,alguém me guasse!".Apontava para ele multuamente,Grarion deixava os
olhos se fecharem em pensamentos trevorosos,depois os abriu deixando sua fúria emanar,a
sensação de sentir isso,foi pior do que,imaginava.

'Proteja meus filhos,proteja ao teu filho!Porteja a Thalwa perante tudo que,vão ter que,passar!
únicamente a maldita tempestade se apróxima Lestat!Tire o filho maldito de Letícia!O tire!Não
tenha piedade!'.Tamanha fúria cortante aos ventos,ventos em meio a total escuridão do lugar
aonde nos encontravamos.

Tamanha escuridão que,nem conseguia enchergar direito!Achei maldito da parte de Grarion ter
me dito isso,porém senti a ponta de verdade saindo de sua alma.'Não deixem a raça se propa-
gar,se reproduzir!Ai sim a decadência e extinção dos imortais vai começar'.Foram suas últimas
palavras!Palavras crueischeias de veneno,porém verdadeiramente reais!

-Lestat!Acorda!Acorda!Consome ervas demais!Acorda!Querido,por favor! O que,aconteceu com
você!?

Há!Essa voz estava me trazendo de volta,se tratava de Thalwa,claramente que,ela tinha vindo
me procurar,abrindo meus olhos pude ter toda visão de sua pessoa,me sentei olhando a cane-
ca ao chão,sentindo como meu corpo estava tonto.Thalwa,estava acompanhada de Xinhua,as
duas me olhavam delicadamente em meio a proocupação.

"Lestat,está bem querido?Passou mau com alguma coisa?".Thalwa,falava comigo,sua voz me
chegava aos ouvidos desnorteada,conforme a olhava,ela pode sentir como eu estava impac-
tado espiritualmente,a presença espiritual de Grarion,ainda era bastante presente.Sensação
de morte pairando no ar."Sei o que,devo fazer...Não sei como dizer,mais sei o que,devo fa-
zer".Eu,começava a chorar.

"Lestat,pare de chorar...Diganos o que,aconteceu,podemos ajudar...Alguém veio para lhe fa-
zer mau?".Voltei minha atenção a Xinhua,gradualmente isso a fez sentir como eu estava aba-
lado espiritualmente.Ela e Thalwa,esticaram os braços para me apaiar,realmente chorava,não
sentia nem um sentimento quanto a isso.

Subimos a escada a frente do templo,todos me olharam quando entramos.Tompei,foi o primeiro
a se levantar em alerta."O que,acontece com ele?".Sussurrava essas palavras a irmã quando se
apróximou dela,eu não estava em meu controle,Kalawina estava sentava a poltrona,ainta tinha
que,dizer algo a ela,isso antes de subir para aquele maldito quarto,é voltar a mim.

"Falas de coisas crueis!Obrigada Kalawina...Doeu,mais valeu a pena".Lunnes,não compreendia
isso,mais conforme ouviu os sussurros dela,realmente gritou com a filha maldita,maldita para
ele,mais que,para mim começava a ser amada!Odiada e amada ao mesmo tempo."Só um pou-
co de ervas das almas".

"Enloqueceu!Maldita!Como ages tão gruelmente com Lestat?Achas mesmo que,ele tem forças
para suportar isso?".Ela ouvia,ao mesmo tempo não deixava de rir diante dos gritos de Lunnes.
Eu,ainda estava tonto,rápidamente subimos ao quarto.Quando entrei simplesmente me deixei
caiar sobre a cama,Thalwa ainda tentava compreender minhas palavras.

Eu,falaca descoordenamente,o que,a fazia se perder ainda mais."Vamos tirar a criança,a raça
e maldita,a raça e maldita!".Ela,me segurava pelos ombros,eu gritava só em lembrar."Lestat!
Toma decisão de modo precipitado,calma!".A olhava ainda choroso,porém ouve questionamen-
to imediato a mim,algo que,ela realmente queria saber a qualquer custo.

"De que,raça está falando?Me fala!O que,realmente viu?".Ela,me abraçava,só eu,e ela estamos
no quarto,eu me grudava desesperado a Thalwa,conforme meu desespero me consumia,deitei
sobre a cama com ela nos braços,todos se mantinham no salão,mesmo assim,eu queria ficar
no quarto,espirito arrebatado.

"Prometa que,nada vai acontecer com você...Prometa que,nada vai acontecer com você".Era só
isso que,eu repetia,continuava falando,estava chorando tanto que,meus ombros sacuriam,Thalwa
se mantinha abraçada a mim,só se fez silenciar,esperar meu controle voltar,o vento corria pela
varanda,só a lua iluminada o quarto,realmente meu desespero pela decisão tinha caido sobre mim.

E dessa vez para me destruir."Precisamos tirar o bebê...Tiremos o bebê de Letícia".Nada ela pode
responder,beijava meu rosto,afagava meus cabelos."Precisa rever Hyarian,ou realmente vai enlo-
quecer".A beijei na boca arduamente."Há,sim...Preciso,ou reamente vou pirar".Fechei meus olhos
me perdendo em seu perfume delicioso,juro que,cheguei até a desabotoar seu roupão de seda na
cor vermelha,passei a chupar docemente seus seios."Terror,puramente terror...Não de desgrude
de mim,só isso".Isso a deixava silenciada,suas mãos passeavam por meus cabelos,eu mantinha a
boca grudada aos seios dela,ouve pequenos gemidos,por fim,senti como seu corpo se contorsia
em meus braços de tão quente.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 71

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:04:57

***Continuando***

Esses gemidos eram silenciosos,isso me fazia oscilar de encontro ao corpo de Thalwa.Os
outros se mantinham no salão,pelo visto não iriam sair de lá,nem tão cedo,algo que,tive
que,acatar com a minha própia força.Me deliciava com as mãos dela ainda passeando ao
meu cabelo,Thalwa apertava os cachos delicadamente conforme se deixava tomar nesse
momento amedrontador.Porém imaginava por quais motivos Kalawina tinha feito isso,eu
começava a pensar nos motivos que,a tinham levado a realizar algo de tamanha magni-
tude para com minha pessoa.

"Está enloquecendo Lestat...Seriamente o que,aconteceu naquele lugar?O que,aconteceu
com você para que,esteja nesse estado?".Eu,parei de chupar os mamilos de seus seios,o
olhar de Thalwa ficou opaco ao me olhar sinistramente,cruelmente eu tinha parado,todas
as palavras tinham sido como trovões ácidos aos meus ouvidos crueis.Todo tipo de imagi-
nação nesse momento pode acontece,é estava acontecendo comigo devido a todos pensa-
mentos sento reorganizados em minha cabeça.

"Enloqueci,acho que,Kalawina colocou outro tipo de ervas no coquetel sanguineo que,prepa-
rou para mim...De certo modo,precisava de uma resposta para a decisão que,temos que,to-
mar".Isso a fez rir sinistramente,jamais tinha ouvido qualquer riso de Thalwa,provindo nesse
contexto de momento aterrador para mim.Ela,se sentou sobre a cama,fiz o mesmo deizando
meu olhar focar sobre ela.

"Respostas...Sempre procurou isso Lestat,de algum modo é isso que,o deixa perdido em tuas
decisões,iniciativas a serem tomadas".Será que,ela estava certa?Repensei em tudo dito,mais
ainda continuava me sentindo perdido nessa pequena situação."A raça,a raça não pode se pro-
pagar".Novamente Thalwa,pode sentiu tal impacto em minhas palavras dolorosas para ela,isso
a fez esticas as mãos a mim.

"O que,é essa raça Lestat?Vejo você comentar nisso quase o tempo todo,até nos momentos
em que,teus pensamentos são as tuas palavras".Estiquei as pernas a frente dela,deixei todo
toque de mãos ir ao seu rosto imaculamente delicado.Isso a tinha deixado neutralizada para
continuar."Sabe do que,falo,vê em meus pensamentos,correto querida?Então não vejo uma
necessidade de explicar".

"Achas isso mesmo Lestat!?Como pode ser cruel comigo!?Querido não foi por esses motivos
que,decidi estar ao seu lado".Novamente ela tinha me dado um golpe cruel em meu coração.
Olhei como o tecido de seda-vermelha caia sobre os seios pequenos,porem tão perfeitos,os
detalhes eram nitidos:O roupão ainda estava aberto,cruelmente olhava a linha que,mostrava
sua pele por debaixo do tecido,o toque fio de amostra dos mamilos abaixo do tecido.

Meus dedos começaram a deslizar dentre essa abertura do roupão,de modo imediato fiz com
que,ela se deitasse.Meu corpo se esticou por cima com todo peso,ouve alguns pequenos tapas
provindo dela,uma pequena resistência para com o meu ato."Está enloquecendo novamente,o
teu comportamente me deixa indignada!".Ouvir essas palavras me fizeram levar a mão livre a
sua boca.

A calei silenciosamente nesse momento pacato,aterrador para qualquer um,me deixei focar to-
da força sobre seu corpo,fiz com que,o roupão dela se abriesse ainda mais,todos os seios esta-
va a amostra.Mamilos rosados!Seios deliciosos conforme minha boca pairava sobre eles,jamais
o teria deixado de fazer,realmente me sentia cruel diante desse ato.Digamos que,quase um es-
tupro para Thalwa.

Lamentei por ficar ouvindos seus gemidos tão finos,delicados aos meus ouvidos,continuava chu-
pando delicadamente os mamilos sobre minha boca,em movimentos delicados,sedosos conforme
o toque provinha de meus lábios."Maldito...Maldito!".Gritos sussurrados perante meus ouvidos!?
Ah!Dessa vez não lamentei mesmo!Mantive os movimentos da boca sobre os mamilos,chupava,
chupava,chupava!

Quando simplesmente pude sentir como ela,se expremia por debaixo de meu corpo,tão pequena
aos meus olhos,porém tão poderosa como ela sempre vai ser."Gosto disso..Cale sua boca,deixa-
me continuar".Isso a fez me jogar de lado,tinha desferido tapas em minha face.Conforme Thalwa
me olhava,pude vê-la se levantar passeando seu olhar cruel sobre mim.

"Não pense que,sou seu brinquedo Lestat!Não!Sou mãe de seu filho,não uma mulher qualquer!Eu
o repudio!Ao inferno com tua loucura!".Muito cheia de fúria,raiva,tudo quanto e tipo de pensamen-
to provindo dela.Me sentei a beira da cama olhando detalhadamente todo contexto de sua pessoa.
"Desculpe!Únicamente desculpas!".Parei a sua frente me levantando,isso a fez dar passos atrás.

Suas mãos estavam pousadas acima dos seios,o roupão ainda aberto,o tecido de seda-vermelha
bastante amassado."Ao inferno".Quase tinha batido em minha face novamente,foi quando Thalwa
se virou de vostas caminhando a mesinha que,percebi que,quase a tinha violentado.Certamente a
loucura em determinados momentos fala mais alto,mais não nesse sentido!

Quase a tinha violentado!O que,se passava em minha cabeça!?Voltei a me deitar na cama,tentava
me livrar desse pensamento descabido para mim,certamente que,isso tinha me causado toda uma
retenção diante do momento.Me virei de lado com a cabeça sobre os travesseiros macios,Thalwa ia
penteando os cabelos longos,negros junto ao liso denso.

Ainda estava envolta em fúria,o silêncio era tamanho que,a minha pessoa quase enloquecia junto a
maldita observação.O espelho a frente da mesinha era em formato oval,pena que,Tompei nunca foi
de ter dito isso claramente.Ouvia o barulho da escova deslizando pelos cabelos de Thalwa,conforme
ela ia voltando a si,pude perceber que,ia começando a dar uma finalização.

-Thalwa!?Ainda está ressentida comigo querida?Por favor,não era a minha intenção fazê-lo,não
posso deixar isso passar em branco.

"Age como o maldito que,é...Diante do que,viu,é isso mesmo que,quer fazer com Letícia?Realmente
está seguro de tua decisão?".Tinha sido o últimato para mim,me levantei para poder passar as mãos
por detrás dela,as pousando sobre seus ombros."Depois de tudo,sim.É o que,eu realmente quero,eu
não acho prudente permitir que,isso acontece,não para nossa raça querida".Ela,deixou-se cerrar seu
olhar,pousou seus dedos ao meu rosto delicadamente.

"Agora sim,está pensando como Lestat De Lioncourt".Estava ouvindo isso?Thalwa,se levantou focando
os olhos em mim,esticou os braços a frente em movimentos levianos,a segurava pela cintura delicada.
Ainda estava trémulo diante do maldito momento que,tinhamos acabado de viver."Nem tudo e perfeito
Lestat,mesmo na minha raiva,não posso deixar de confeçar...Me sentiria fora de mim caso o tivesse fei-
to".Espantoso!

"Thalwa! Não digas mais nada,agora eu,é que,me sinto constrangido".Será que,ela novamente ia bater
em minha face?Lamentei pensar nisso,mais ouve batidas na porta,passando minha mente a frente,não
deixei de sabe quem,poderia ser.Letícia,estava parada a porta!Isso tinha me deixado arrepiado,sentia
a sua presença pairando por todo templo."Adorada pequena!Adorada pequena!".

Corri imediatamente para vê-la.Abri a porta tendo toda visão dela,tinha acabado de despertar de todo
seu sono,e assim corrido ao meu encontro.A olhava silencioso,dava para vê que,ela tinha ficar um pou-
co mais frada perante a situação.Ainda esperava eu dar liberdade para ela poder entrar,quando o dei a
sua pessoa entrou olhando para Thalwa que,estava terminando de abotoar os botões do roupão.

"Olá,se sente melhor Letícia?".Thalwa,agia de modo bastante seco para com a menina que,tinha acaba-
do de se sentar.Letícia,ainda vestias mesmas vestes com que,a tinha visto no quarto,foi claro como to-
da pesenda so bebê crescendo dentro dela,ia ficando mais forte,mais impactante conforme o desenvol-
vimento ocorria."Tive sonhos terríveis".

Foram palavras sussurras a nós dois,Thalwa tentava compreender todo sentindo dessa situação,ainda
podiamos prever no que,a delicada situação de Letícia,poderia terminar."Carlos e David,ainda estão lá
embaixo,não sairam para lugar nem um,porém digo que,os olhares de Kalawina me indomoda bastan-
te".Ouve risos da parte de Thalwa,ela que,deixou a mão se curvar a frente de seus lábios."Compreendo,
Kalawina e desconfiada de tudo,até de si mesma".

"Seriamente não acho,só isso,estou sabendo do ataque que,ela fez contra Lestat".Ah!Carlos e David ti-
nham dito,compreendi essas atitude deles em deixar Letícia informada.Será que,todo esse recanto iria
servir para fazermos o que,deveria ser feito?Nem um lamento,só me preocupada que,Letícia não viesse
sofrer com isso,com a maldita intervenção dá qual,ela não tinha a minima suspeita.

"Mais que,tipo de sonhos teve?Pode me dizer?Ao menos pode tentar nos falar?".Letícia,não respondeu
de imediato,simplesmente se deiava perder em suas analizes."Não que,seja de sua importância Lestat,
mais digo que,estou esgotada".Com isso deu para vê como Thalwa,estava se sentindo insegura para a
continuidade ser plena.

"Achas mesmo?".Novamente Letícia,se perdeu em risos,porém conforme esperavamos uma reposta,eu
senti a chegada de Lunnes,ele tinha esperado nossa decida,cruelmente o vi aparecer alternando o olhar
em casa um de nós,me levantei para recebê-lo,o peso do abraço foi de me tirar o folego,ouve palavras
em relação ao Marius,algo como profanidade.

"Marius ,se foi,digo que,a presença do tirano faz falta".Que,modo obscuro de comentar algo sobre Marius.
Deu para sentir como Lunnes,se segurava para não cometer o erro de dar sangue ávido a Marius,isso dei-
xou Thalwa,em alerta total."Esqueça isso,não seja tirano,acho que,começo a vê o serio motivo para que,o
Lestat seja como,é".

"Há,mais isso e meu segredo,sedo ou tarde vai acontecer Thalwa".É,como ele riu diabólicamente perante
a Thalwa e Letícia,admirei como Letícia,conseguiu focar seu pensamento a mim.'Esse cara me dar arrepi-
os".É,realmente tinha sido uma verdade insana,tinhamos que,descer.Sem dúvida nem uma Tompei ia se
recolher,todos nós precisavamos nos recolher,é assim precisava ter uma última conversa com Kalawina.A
curiosidade me corroia.

"Peso desculpas por Kalawina,não foi prudente da parte dela agir daquele modo".Assenti levando as mãos
ao encontro dos ombros de Lunnes."Não precisa,estava precisando disso para encontrar uma reposta,me
ajudou bastante".Lunnes,quase teve um surto de espanto perante minhas palavras,eu só pensava em meu
filho,em Louis,se eles realmente se mantinham seguros.

"Estão seguros sim,se ele Hyarian manter a sua presença muito bem escondida,estão seguros sim,mais
a situação de Louis ainda me preocupa".Caminhamos a saida do quarto,Thalwa me seguiu,Letícia ainda
tentava desbravar minha mente,porém tinha muito o que,apreender nessa missão quase impossível aos
mais jovens.

Saimos pela escada,silêncio multuo quando descemos,Tompei ainda tentava descobrir o que,realmente
tinha acontecido comigo.Deu para vê pelo seu olhar como ele,tinha se sentindo perdido perante toda a
ção de Kalawina,ela me olhava cruelmente,mais o toque de presteza me foi cruel.Xinhua,não esperava
nada mais do que,uma guerra declarada entre eu e Kalawina,ao mesmo modo que,Sofia.David e Carlos
sentados na poltrona.Realmente algo se passava entre eu e Kalawina,é isso teria que,saber.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 72

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:05:47

***Continuando***

Kalawina,mantinha todo seu foco de olhar em mim,o que,fazer diante de uma situação como
essa?Eu,sentia cada espasmo de poder de bruxa saindo dela,correndo em seu sangue ávido
de força.Tompei,absorvia cada detalhe cruel diante dessa estabilidade cortante entre eu é a
Kalawina,até Thalwa olhada com crueldade para a mesma,ao mesmo modo de Sofia e Xinhua.
Eu,sentia como as duas podiam voar em cima de Kalawina,pelo feito,mais isso Tompei deixou
bem claro.

"Fiquem quietas,sabem que,isso jamais admitiria em meu leito,sabem que,podem agir melhor
do que,isso".Si cruelmente diante de suas palavras,isso deixou Tompei a ponto de revidar as
minhas palavras,comportamento."Vamos Lestat,se precisa dizer algo agora,pode falar,eu não
tenho todo tempo do mundo para ficar´olhando".Ouvir isso de Tompei,tinha deixado David e o
Carlos vastante pensativos,tentava desviar meus pensamentos para outro foco.

"Podem ir se quiserem,mais eu pretendo ficar mais um tempinho conversando com Kalawina,o
fato diz respeito a mim,é a ela".Pronto,eu tinha dispensado a todos com a máxima educação a
que,eu disponha nesse momento delicado.Tompei,saiu com Xinhua e Sofia,Carlos ainda tenta-
va captar ou decidir se devia ir ou não.Com o pedido de David,o fez,eles sairam seguindo Sofia,
Xinhua e Tompei.

Como Sinal dos velhos tempos.Só se encontravam no salão,eu,Thalwa,Letícia,Kalawina e Lunnes.
Eu,me sentei na poltrona,Kalawina fez o mesmo passando seu olhar por Letícia,tremi conforme a
sensação chegava.Senti que,Kalawina sabia de algo,realmente temia tudo o que,viesse de todos
os seus pensamentos pecaminosos.Letícia,estava sendo acolhida por Thalwa,algo como sinal de
proteção.

Alívio imediato chegou ao meu coração conforme trocavamos olhares."Me desculpe Lestat,mais eu
tive que,fazê-lo para que,sentisse como e realmente se um bruxo,o bruxo que,deveria ter sido ao
longo dos tempos,nem que,fosse por alguns momentos".Não deixe de arquear a sobrancelha quan-
do ouvi isso,lamentei profundamente.

"Hum...É achas mesmo que,eu teria sido apto o bastante para que,tudo desse certo?Falo de um
tempo arduo para mim Kalawina".Ela,sorriu calorosamente,deixou-se olhar friamente para mim.
Os movimentos de seus dedos eram brancos,suaves como pena,qualquer tipo de tecido fino.Seu
olhar parou sobre Letícia.Novamente o mesmo indagar de ressentimento pela pequena.

"Claramente que,sim...Só o que,faltou foi coragem,coragem e incentivo.Em falar que,quanto pen-
sei que,tudo iria dar certo,ocorrei todo desastre".Ela,falava de seus tempos de alma,tempos que,a
sua pessoa desejava jogar para trás,é o estava fazendo ao falar comigo desse modo direito,ainda
me sentia um pouco tonto,tentava estagnar meu observar.

"Não pense o contrário,por não teria sido assim".Assenti de imediato,claramente que,tentei prover
um momento de reflexão perante toda situação,eu me sentia grato por ninguém querer intervir na
conversa.Será que,isso significava que,o meu fim estava chegando?Me envolvi nesse pensamento
ao continuar focando meu olhar em Kalawina,Thalwa considerava isso um maldito momento entre
dois seres provendo ódio e amor por si mesmos.

"Não se preocupe Thalwa,sabe que,não seria louco o bastante para desencadear uma guerra com
Kalawina".Citei isso conforme olhava para Kalawina,conforme Lunnes tentava dar início a todo es-
se indagar de troca de informações."O que,viu,foi a verdade Lestat...A resposta que,precisava pa-
ra sua decisão".Tive que,admitir,mesmo assim,não deixei de focar meu olhar em Letícia,soube nes-
se momento que,Kalawina estava prestes a fazer uma loucura.

"Pretende vê seu filho,pretende matá-lo com tuas mãos".Falei isso em multuo silêncio,claramente
que,o observar de Lunnes e Thalwa,foi provano diante de minhas palavras,raramente eu tive toda
coragem para dizer algo dessa magnitude perante pessoas tão espéciais para mim.Kalawina,teve
seu momento de apreciar,indagação plena antes de responder.

"É você,o que,faria se estivesse em meu lugar?Já esteve antes Lestat,quando era humano,sabe o
risco que,correu diante de teus atos..O que,sentiria caso uma mulher tão bruxa quanto eu,viesse
a prover um ser de outra raça?Uma raça desconhecida a teus olhos?".Me senti jogado contra a pa-
rede,me senti arrepiado dos pés a cabeça.

"Achas mesmo que,isso aconteceria comigo?".Uma resposta contra a resposta dela,realmente esta-
vamos entrando em um debate cruel entre nóis dois,conforme Letícia ia ouvindo,ela começava sen-
tir-se acuada,afina,passava por situação citada entre eu e Kalawina."Sim..Não nego,jamais eu posso
negar Lestat".Pretencioso da parte dela falar assim,como se eu fosse um animal que,ela pudesse pi-
sar.

"Não sinta isso,não pisei em você,só usei as armas possíveis para voltar a vida".Cerrei meus punhos
ao continuar ovindo isso,como a raiva me consumia,como me fazia em pedaços,me senia triste,mes-
mo assim,com raiva de ouvir isso.Kalawina,se levantou passando por todos,claramente que,iria sair.A
minha pessoa não desejava isso,mais mesmo assim,isso para ela,era necessário.

"Preciso realmente ir,mais ao menos sabe o que,eu penso,o que,eu vou fazer caso realmente o tempo
me leve a por meus olhos nele".Vontase asassina,mais ao mesmo tempo de ressentimento,ela sumiu a
descer a escada.Os que,tinham saido,claramente que,iriam dormir em esconderijos próprios,ao meu vê
poderia considerar isso uma guerra espiritual,isso devido ao meu sentimento,é não confronto.

"Sinto muito Lestat,mais mesmo assim,Kalawina fala o que,não deve ser escondido querido,ainda
sente remorso de tudo".Ouvia atentamente as palavras de Lunnes,rápidamente deixei com que,as
perguntas fossem ditas."O que,ela realmente foi".Ele,sorriu silencioso,depois ouve todo um afagar
em meus cabelos quando ele falou.

"Simplesmente a bruxa mais forte de seu clã.E,Kalawina pode desenvolver suas abilidades dentro
de um clã restrito aonde moravamos,ela sabia comandar muito bem,mais não até o acontecido,ao
infeliz por seus olhos nela".Diante disso,continuei ouvindo,claramente que,ele iria continuar,só nós
ouvindo atentos a tudo.

"A bruxa mais forte de um clã e chamada de Bruxa De Avalon,porém restritamente condenada em
seus segredos de sangue,a única bruxa com força o bastante para prover vida a outros seres não
conhecidos pelos humanos".Únicamente diabólico!Thalwa,ainda tentava compreender isso,Letícia ao
ouvir tremia todinha.

Eu,também me encontrava nessa situação,amedrontado,mais não traumatizado."Hum...Lamento,ela
foi sugada de suas forças,correto?".Lunnes,assentiu em momentânea citação,tive que,argumentar,o
seu olhar foi sinistro."Lamento e para aqueles que,querem morrer Lestat,algo que,vejo muito em vo-
cê,espero que,um dia se livre desses pensamentos".

"Compreendo".Foi com essa única palavra que,encerrei o assunto,nos levantamos,não me sentoa preo-
cupado com quem foi se retirar pelas redondezas,Lunnes fechou a porta do templo,saimos fechando tu-
do,até Letícia e Thalwa,nos ajudaram."O porão,lá vamos dormir,mais nada que,isso".Lunnes,tinha deixa-
do bem claro aonde deviamos nos retirar.

"Sim,Kenjing não vai voltar tão cedo do templo de Xinran,era previsto".Ele,sorriu para mim,todos nóis a
caminhar pelos corredores do templo em direção ao porão.Quando entramos,tivemos certeza de que,os
feixes eram seguros.A noite estava terminando,me senti grato por existir esse lugar acolher para que,o
nosso descanso fosse pleno.Thalwa,se sentou ao meu lado,tentava ainda compreender tudo.

"Tenha calma querida,ainda estamos no começo de um maldito momento".Beijava seus cabelos ao
falar isso,Letícia se acolhia do lado oposto,se mantinha longe de Lunnes para que,ele não sentisse
nem um sinal do que,acontecia com ela.Ação de proteção,sinuosamente isso,precisamente todo seu
instinto falando alto.

"Não que,eu precise ter calma Lestat,mais tempo para processar tudo".Sorri amargamente,mais ao
mesmo tempo sentindo a pontada de dor percorrendo meu coração,sinuosamente a beijei,deitamos
ao chão do porão.Há,como e maldito um momento desses,o maldito momento que,as luzes se apa-
fam como escuridão,só isso que,nós e visto em nosso sono cheio de medo.

"Vai conseguir entender,vai conseguir compreender querida".Novamente a beijei no escuro,Lunnes e
Letícia,já dormiam.Me senti espantado diante dessa rapidez em entrarem em sono,Thalwa de modo
inesperado fez com que,seus dedos malvados deslizassem por entre a abertura de meu roupão,ouve
um afagar em meu corpo.

"Delicioso,simplesmente delicioso".Cativante no que,diz respeito ao calor,mais aterrador no que,diz o
respeito quando senti sua mão descer,entrando por entre a abertura da calça de seda,quase gritei ao
sentir esse toque.Malvada,sinistra,obscura!Thalwa me colocava terror diante desse ato,insanidade para
com atos que,não estava apto a ter,a vivenciar

"Pode ir se acustumando querido,isso vai ser frequente".Terror!Terror!Terror!É,assim ela apertava com
seus dedos delicados,me beijava delicadamente na boca."Atacado em escuridão,maldita,tirana".Ouve o
riso quase biabólico vindo dela,ela se acolheu melhor em meus braços,novamente me sentia livre disso,
da insanidade que,ela me provoca.

"Terror".Sussurrei essas palavras em respostas a ela,mais porém vi que,ela já dormia,todos dormiam,é
assim estava entrando em meus sonhos.Quando neles vi meu filho,vi Louis,Louis sendo cuidado por meu
filho Hyarian.Hyarian,estava sentado na poltrona a frente da cama,Louis ainda jasendo em seu coma,ele
com os olhos abertos!Olhos abertos para o nada!

Foi assim que,me dei conta de que,estava na mente de Hyarian!Como meu filho tinha conseguido essa
proeza!?Juro que,chorei enquanto me envolvia nesse momento,mesmo envolto nesse sono,nesse encon-
tro mental com Hyarian,senti que,estava chorando! "Papai e mamãe estão chegando,sei disso,sei que,os
dois estão demorando mais,eles vão chegar".E,assim Hyarian se curvou a frente,tocou as mãos de Louis.

Louis,estava vestido em túnica branca,pelo visto Hyarian estava fazendo as trocas de roupas muito bem.
Porém tão pequeno diante dessa situação.E nesse requinte vi que,Hyarian tinha cortado os cabelos!Sim!
Vê os cabelos cortados curtos e repicados me provocaram arrepios!Hyarian,também usava túnica,mais
de cor violeta-escura,delicioso vê isso.

"Sei que,estão demorando,mais eles vão voltar".Minha alma se quebrava diante disso,assim todo sonho e
sono continuavam,envolto nesse laço mortal de quebrar a alma como se fosse vidro.Escuridão,provanidade.
Hyarian,tão pequeno,mais tão apto para prover esses momentos,isso me doeu na alma enquanro dormia,o
sono corria.Delirante conforme eu me sentia mais a envolto nessa conexão mental que,fora rompida nesse
sono aterrador.Foi assim até o fim,até o fim arrebatador!Ao menos tinha visto,tinha conseguido esse feito!A
minha alma começava a implorar pela presença de Alexien,realmente implorava queimante!Thalwa,dormia
ao meu lado,acolhimento pleno,todos silenciosos em seus sonhos.

***Continua***

avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 73

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:06:27

***Continuando***


Foi na noite seguinte que,a fome tinha batido forte em meu corpo,falo de caçar,realmente
poder me alimentar.Porém,antes de tudo,precisava tomar um banho.Abri meus olhos,sen-
tia a presença de todos no templo.Me levantei cambaleante,sai do porão seguindo para o
salão.Tudo estava escuro,realmente eles mal tinham acabado de despertar para a noite.O
que,pensar disso tudo?Ah,os pequenos sonhos tinham sido demais,me deixado feliz,mesmo
ainda sabendo que,a situação continuava a mesma,eu pude me sentir pleno.Mais como eu
sentia a chegada de algo!Pena que,ainda não soubesseo que,esse algo realmente poderia
ser.

Sinuosamente andava,sai pelo salão vazio,silencioso por não ter ninguém,lamparinas por
todo lugar,iluminação bastante suave,deliciosa aos meus olhos,devaguei rápidamente ao
passer meus olhos pelo salão,fechando meus olhos ainda tonto,senti que,todos podiam es-
tar na quadra."É,realmente acho que,eles estão na quadra,pena que,eu não saina que,ho-
ras são".Diante dessa situação passei a procurar com minha visão,aonde poderia estar o
relógio.

Delicadamente passei a aplicar todo contexto da situação,foquei a visão em um relógio a
frente,o tic-tac era ouvido nitidamente conforme a aldição sobrenatural me trazias todo o
tipo de informações."Parece que,são 07:00 da noite,a noite acabou de nascer,realmente o
horário fala por si".Me mantive parado,observador quanto a tudo,detalhadamente desejei
ardentemente tomar um banho,sabia que,eu o tinha feito na noite anterior.

Porém,eu iria sair,não é?Então iria subir para o quarto,entrar no banheiro e simplesmente
me deliciar com mais um belo banho,apenas fiquei um pouco preocupado por Thalwa que-
rer ir comigo,mais isso não me importava,afinal,ter a companhia dela comigo nesse requi-
sito me faria imensamente feliz conforme tudo viesse a entrar nos eixos.

Silencioso passei a subir a escada,rápidamente já me encontrava no corredor,abri a porta
do quarto devagar,estava iluminado com velas,alguns incensos queimavam deliciosamente
para emanar seu perfume suave e adocicado.Olhei imediatamente para a cama,vi que,rou-
pas limpas estavam em cima da cama."Mais quem pode ter deixado isso?".Passei a pensar
em quem poderia ter feito.

"Hum...Thalwa,só pode ter sido ela".Sorri amargamente pensando nessa docilidade que,ela
tinha feito.Fiquei observando as peças das roupas:A blusa era de linho em tom cinza,a cor
fria me provocou caláfrios,passando os olhos a frente,vi a calça de corte clássico pairando a
minha espera,a cor negra me encantou,a bota estava ao pé da cama."Ela,quer me vestir pa-
ra matar,admito isso".

E,garanto que,ela tinha conseguido,tinha me apaixonado pelas roupas,comesei a me despir.
Em movimentos suaves tirei as vestes usadas,claramente que,eu ainda estava com roupão,
calças puramente de seda.Olhei para um gesto ao lado da cama,as deixei lá dentro,passei
a procurar toalhas para me enjugar.

Só as encontrei entrando no banheiro.Olhando firme,tudo o que,Tompei tinha descrito me
veio a mente.As luzes estavam acesas,delicadamente olhava para o Box a minha espera.
"Em falar que,Tompei aprontoi mil coisas nesse lugar,realmente cativante o modo como o
infeliz refez todo seu amargor com Sofia".Ri novamente,lembrar disso me provocava todo
um estado de notória força.

A tolha estava em cima da pia,eu considerei estranho ter encontrado justamente em cima
desse lugar.Me olhei no espelho."Estou precisando revitalizar minhas forças.Ah,como meu
corpo começa a ficar sedento".Risinhos irônicos diante dessa situação,entrando e fechando
o boz,abri o chuveiro quente,a água escorria quente pelo meu corpo,me deliciava com isso.

"Estava precisando,a moda tradicional,mais eu,estava precisando".Fechei os olhos conforme
ia esfregando meus cabelos,pescoço,braços,a pele como um todo.Olhei para o lado,vi que,o
frasco de sabonete-líquido estava presente,imediatamente coloquei uma boa quantidade em
minhas mãos,esfreguei fazendo bastante espuma sedoda.

"Há!Isso,Isso!".Não sabem como o cheirinho delicioso emanava pelo banheiro,mais ouve um
momento de pavor.Alguém estava no quarto,enquanto eu esfregava meus braços,tente apli-
car meus pensandos a frente.Me mantive silencioso,só o barulho da água caindo,silencio em
um momento de observação.Lamentei por não ter conseguido saber quem poderia ser.

Continuei nesse indagar,enquanto isso a presente almentava de força,foi só quando,a pessoa
abriu a porta do banheiro que,pude saber.Thalwa,tinha sentindo meu despertar,sentido o que,
eu estava fazendo."Se preparando para sair Lestat?".A voz aveludada,delicada,me veio como
trovões,vi a sombra dela pairar do lado de fora do box.Pelo visto ela estava encostada com os
braços cruzados,sobre a pia.

"Claramente que,sim...Realmente deseja vir comigo?".Silencio,Thalwa esperava para poder
responder,realmente me senti acuado diante disso.Vi que,todo meu corpo estava livre da to-
da espuma,conforme esfregava meu rosto,vi como a porta de vidro do box foi aberta,luzes
corriam por todo banheiro.Isso me fez imensamente grato.

"Continua sendo maldita comigo Thalwa,por quais motivos faz isso?".Assenti quando a vi en-
trar,assim que,tinha entrado no quarto,tinha se despido.Olhando profundament em todo seu
olhar,vi o quanto Thalwa,sentia a velha fagulha de terror.Não podia perder essa change,não
esperei enquanto ela começava a molhar seus cabelos.A agarrei em gestos vultuosos,com a
minha meira de ser,a beijava.

"Obrigada,obrigada...Estava precisando disso".Ela,se sentia angustiada,por isso realmente se
desesperava ao me beijar.Estava me lixando com o correr da água em nossos corpos,deixei
nossos rostos de encontrarem,só lamentei por sentir a pontada de medo em machucá-la,que-
ro ser mais claro:Thalwa,pode ser alta,realmente como grega,Thalwa tem corpo vigoroso.

O problema é que:Thalwa,comparada a mim,é como uma pétala nos braços de uma fera,os
detalhes corporais devido a tamanha jovialidade em que,foi ultrajada pelas almas ainda mui-
to jovem!Digamos que,mesmo nos tempos antigos,uma pessoa receber poder aos dezenove
anos,é que,mesmo tendo um corpo forte,desenvolvido,não desenvolvido o bastante para se
considerar um adulto.

Há!Me corroia por isso,minhas mãos foram atrás de sua nuca,continuava agarrado a ela,não
deixava de sentir todo esse medo diante desse requinte.Pele sedosa,lábios aveludados,toda
uma cor vermelha por natureza.Foi como uma queima de brasa quando ela,de agarrou mais
a meu corpo,deixou com que,os braços delicados se curvas-sem sobre meus ombros.

"Digo que,está faminta...Acho que,me deixa sem ação Thalwa".Ela,não se importava em ter
feito isso,já a tinha sentindo bastante quente,mais não como nesse momento entre a gente.
Não conseguia pensar,conforme consegui empurrá-la contra a parede do boz,senti quando a
sua mão em gestos descoordenados se direcionou ao meu orgão tão rigido.

"Consegue me matar...Está me matando conforme nada quer,falar".E,isso realmente começa-
va a me deixar desnorteado.Thalwa,não queria falar,se mantinha abraçada a mim,encostada
na parede pelo peso de meu corpo,só o barulho da água do chuveiro caindo,vapor de água a
ser aquecida pairando por todo banheiro.Os movimentos de sua mão em meu orgão era cruel.

É,foi assim que,ela continuou,continuou até meu corpo não suportar mais.Deixei minha forças
falar alto nesse momento,a mantive pressa a parede,Thalwa só olhava para mim,ouve todo o
indagar de beijos entre nóis.Diante disso,conforme seus braços delicados se mantinham curva-
dos sobre minha cintura,fiz com que,ela conseguisse melhor apoio.

"Está demorando demais Lestat...Vamos,faça com que,esse pau fique bem rigido,caso contrário
não vai conseguir".Quando falo que,Thalwa e tão maldita quanto minha pessoa,é que,falo toda a
verdade.E,foi com mais beijos em sua boca,com a abertura de suas pernas na altura de minha
cintura que,a queima foi imediata.Ouve primeiros os gemidos de mim,para depois estar dentro
dela.

Já não pensava por mim,já não estava em minha razão.Lhe dava apoio com um dos braços a
estarem curvados na altura de suas costas,logo atrás.Com o braço livre,conseguia deslizar os
meus dedos por sua silhueta,é continuava firme nos movimentos ferrenhos,a penetrava com
tamanha força que,quase a machucava,não parava de beijar sua boca.Com todo requinte de
tempo,continuamos.

"E únivamente isso que,a faz se sentir maldita,não é?Quando falo maldita,é que,e maldita para
mim".Nem sei como consegui sussurrar essas palavras em seus ouvidos enquanto mantinhamos
toda união dolorosa."Cale-se,fique calado".Ela,mal conseguia falar,deixando-se silenciar passou
a me beijar novamente,é dessa vez senti como meus lábios era cortados pelos seus dentes afia-
dos.

Presas fininhas,delicadas como pétalas cortando minha linguá ao continuarmos grudados nesse
beijo doloroso.Depois disso,Thalwa deixou sua cabeça pender para trás,olhos fechados para as
sensações chegarem."Há,isso me trás ao menos um momento de paz,seja mais cruel".Insanida-
de.Digo que,o calor corporal fazia com que,as gotas de água no corpo evaporasse de imediato.

Com movimentos atentos,Thalwa se livrou de mim,se deixou encostar sobre o vidro do box,ouve
uma mensagem imediata entre a gente,deixei com que,minhas mãos apertassem as mãos dela á
se encontrar no vidro do box,já bastante molhado pelo vapor da água quente caindo.Conforme os
movimentos se tornavam continuos,meu corpo se enchia de prazer alheio.

Era com se larva se derramasse por cima de mim,é depois ouvesse chuva fresca para apagar
todo calor,a pressão era dolorosa,Thalwa continuava gemendo conforme orgamos a tomavam.
"Está agindo como imaginava...Isso mesmo,sem piedade".Risinhos malditos vieram dela quan-
do se virou de frente a mim,isso me fez sair de dentro dela.

Obscuridade que,para mim foi o puro terror,depois disso não deixou de usar sua força bruta ao
me abraçar,novamente suas pernas se curvaram acima da altura de minha cintura,voltava a es-
tar dentro dela,beijo calosoro junto aos meus movimentos fortes,dessa vez ela já não gemia de
prazer,orgamos em si,é sim de dor,dor corporal a consumindo.

Paramos ofegantes,ainda restavam algumas gotas de sangue ao lado de sua boca.Silenciosamen-
te ela fechou o chuveiro,o silencio foi mais amedrontador.Em movimentos bruscos ela saiu,espera-
va eu sair.Se enjugava com a toalha quando do lado de fora,pude vê-la por completo.Assim volta-
mos ao quarto,eu também me enjugava rápidamente,silêncio depois de tudo?Isso era amedronta-
dor,mais necessario para mim,para a recuperação de meu corpo,me sentei a beira da cama tendo
total visão dela andando pelo quarto,enjugando seus cabelos,totalmente despida para mim.Prêmio
merecido!Confeço que,fogos de artifícios exploriam dentro de mim.

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pecado Negro-Cap 74

Mensagem  Ana Nery em Sab 7 Ago - 17:07:18

***Continuando***

"Digo que,você para mim e como um pecado negro...Compreendo o sentido dessas
palavras Thalwa?".Ela,parou continuando a se enjugar,a olhava detalhadamente,isso
a deixou em alerta.Minha boca ferida pelos seus beijos sanguinolentos já estava com-
pletamente fechada,sem nem um vestigio da ação,exatamente como a dela,as luzes
agora,tinham sido acesas,conforme sua vontade."Será mesmo Lestat?Querido,precisa
ter mais conciência de seus atos".Claramente que,não soube o que,ela queria dizer a
mim.Diante dessas palavras,não,eu não soube.

"Só queria que,tivesse sido cruel,lamento que,não o tenha sido".Digo que,meus olhos
a olharam pasmen,essas palavras foram como trovões para mim!Ah,como minha alma
foi feita em pedaços diante disso."E...Querida,quer dizer que,já não sou mais apto para
você?".Palavras que,brotavam chororosas de mim,Thalwa se apróximou em passos de-
licados.

Se abaixou a beira da cama,logo a minha frente,se apoiando sobre os joelhos.Sua mão
segurou a minha,ela me olhava de baixo para cima,friamente deixou-se falar."Es delica-
do demais comigo,como se eu fosse algo fácil de se quebrar".Rápidamente estiquei meus
braços a frente,isso a fez se levantar focando sua visão sobre mim.Me deixei repensar,a
resposta viria depois,enquanto isso Thalwa,observava as chamas das velas,voltando sua
atenção a mim,pude falar.

"Lembrasse de como a feri diante daquele maldito momento?Ah!A feri tanto que,não deixa-
va de sangrar...Essa foi a última imagem que,vi,antes de você fugir Thalwa,realmente pen-
sa que,gostaria de passar por um momento assim?".Isso a fez cerrar o olhar,nunca vi tama-
nho gesto conforme ela curvava os dedos sobre sua boca.

Se apróximou de mim,deixou com que,a mão se esticasse a frente."Nunca vi por esse lado
Lestat...Vejo que,consegue se machucar facilmente".Ela,já começava a se arrumar depois
de falar isso,fiz o mesmo assim que,me dei conta do tempo.Vestia as roupas em movimen-
tos bruscos.Thalwa,vestiu a mesma roupa que,tinha tirado.Se tratava de um vestido branco
com renda em tonalidade azul-escuro.

Para terminar a ajudei a abotoar os botões atrás das costas,nada como um par de bota curta
para ela,se sentir maravilhada."Obrigada por ter encerrado naquele momento,teri chorado se
tivesse continuado".Ela,falava da transa enloquecida no banheiro,sem citar no que,tinhamos a-
cabado de conversar.

"Por quais motivos me diz isso?".Ela,se voltou a mim,esticou as mãos ao meu rosto."Dor,só a
dor me consumia naquele momento,teria chorado de dor".Me silenciei,ela se direcionou pegan-
go a escova,escovando os cabelos,depois entregando a escova para mim,fiz o mesmo.Com es-
se observar,me dei conta de que,tinha chegado o momento.Ela,não deixou de colocar o cordão
com o pingente.

Maravilhoso vê como o pingente pendia a frente de seus seios delicados,meigo como os braços
despidos se curvaram ao me beijar,á apertei na cintura,a enlaçava como cristal.Terminando de
organizar os pequenos requintes de bajunga saimos.Descemos a escada,saimos pelo salão,com
isso passamos pelo portão da muralha.Todos estavam a beira do lago ,por isso nem precisamos
nos despedir.

-Confeço que,escolhe um belo momento para caçar Lestat,justo quando me sinto faminta.

-É precisa caçar com a mesma freguencia que,a minha?Não lamente Thalwa,meu corpo ainda
e jovem comparado ao seu,por isso sempre a queima destrutiva.

"Não lamente Lestat,faça".Sorri,já andavamos pelas ruas chinesas do lugar,várias pessoas passa-
vam entre a gente,Thalwa passava a emanar seus pensamentos.Não demorou nem um instante,e
já nos direcionavamos para a casa aonde a vitma maldita estava."Lestat...Não e bom,nem mau,o
necessário para saciar nossa fome".Voz deliciosa,pegava em sua mão enquanto andavamos pelas
ruas.

"Obrigada,vejo que,está me saindo uma esposa bastante obscura,exatamente como precisa,como
eu desejava é esperava".Isso a deixou sem respostas,já cruzavamos as ruelas para entramos pe-
los fundos da casa da vitma.Pulamos a muralha ao chegarmos,não foi complicado já que,era baixa.
Muitas flores escuras jasendo no jardim dos fundos,passamos sorrateiros.

Thalwa,se concentrava conforme entramos pela cozinha,saimos a sala,viemos a encontrar a pessoa
logo a frente da varanda da casa.Foi com um golpe atrás da nuca que,trouxemos o infeliz para den-
tro da casa.Eu,tinha feito isso muitissimo bem.Me sentei no denso sofá olhando para a pessoa deita-
da ao chão,meus braços,se esticavam para detrás.

Thalwa,se sentou ao lado do corpo."Acho que,exagerou no golpe Lestat,temos quer,ser rápidos,não
vai durar muito".Sorri delicadamente,quebrei uma taça em cima da mesa de centro,isso fez Thalwa
me olhar silenciosa.Pegando um dos cacos de vidro,cortei a garganta do homem,sentindo o cheiro,o
instinto dela foi imediato.

Começava a beber delicadamente,isso sem sequer encostar suas mãos sobre o corpo."Faça com
o fervor de sempre Thalwa,isso me deixaria muito satisfeito".Ela,não respondeu,contunuou junto
ao corpo,era como um beijo a mordida dela,tão delicada,tão silenciosa!Me levantei me postando a
seu lado."Gosto disso,estranho,mais gosto disso".Até,ela acabar,não deixou de beber,depois com
o tempo,parou focando sua visão a frente.

"Tome,termine isso".Deixando o corpo de lado,ela se deitou ao sofá,enquanto isso me agarrei ao
corpo,bebia o sangue que,restava.Me gruvada sedento,cada gota,cada gole me entrada pela boca.
Contaminava meu corpo,trazento todo calor possível.Thalwa,conforme me observava,deixava-se
sentir o vigor lhe voltar.A sua pele corava conforme o sangue era absorvido,exatamente como eu
nunca tinha visto.

Um ar mais vivido dela,um ar mais cruel de vida a tomando."Thalwa?".A tinha chamado com esse
transe,me levantei já sabendo que,a vitma estava morta,ela jasia ao chão,enquanto isso me deitei
por cima de Thalwa,eu e ela deitados sobre o sofá,todo um brilho entrava pela casa."O que,aconte-
ce?".Ela,me olhava coforme esperava saber o que,acontecia comigo.

"Vai me ajudar,espero sua ajuda,não vou poder fazer tudo isso sozinho".Todo meu corpo estava
esticado por cima dela,Thalwa se apoiava sobre as almofadas,seus dedos se curvavam sobre meu
rosto."Ah,sim,tenha certeza que,sim...O bebê de Letícia,e isso que,sempre toma teus pensamentos".
Thalwa,mesmo sofrendo,sabia compreender,não deixei de beijar seus ombros,diante disso,todo o
meu corpo tremia.

Ela,se mantinha silenciosa,olhar friamente em seus olhos,era como se o medo viesse para tomar
as nossas almas,senti todo sabor de sua boca quando a beijei novamente,sinuosamente tentava
me revigorar nessas caricias.Eu,não conseguia respirar,algo selvagem começava a ganhar vida
dentro de mim.

Ouviamos apenas o barulho do toque de nossos corpos,minha mão deslizava por sua penas,não
conseguia nem ao menos organizar meus pensandos.Um corpo quente em meus braços,ainda o
curtume precisava ser tomado diante disso."Quero voltar para casa nas próximas noites,isso vai
deixá-lo chatedo?".

Parei ouvindo essa pergunta,meus lábios roçavam seu pescoço."Não...Digo que,estou sedento por
rever Hyarian,saber como Kalawina vai resolver a situação de Louis".Eu,gemia ao sentir seu chei-
ro me impregninar,só lamentei por não poder morder seus seios,tê-la novamente em meus braços.
Em meu leito de forças.A maldita selvageria ganhava forças dentro de mim.

Thalwa,continuava perdida em nosso leito de calor.Foi com isso que,quase tinha cometido o pior
dos erros.Sem sentir,sem perceber,quase meus dentes lhe perfuraram a carne do pescoço,isso
teria provocado um ultraje a ela!A sensação estava tão desaparecida que,foi quando o gosto de
sangue quente me veio a boa que,tive que,parar.

O instinto falou imediatamente,provocando uma pausa sinistra."Maldição!Espectros que,me tiram
os pensamentos!".Me levantei gritando essas palavras,tentava limpar minha boca,Thalwa ainda a
tentar recompor sua respiração ofegante devido ao momento."Não que,seja uma maldição,mais
um momento erronio".A vi se levantar devagante.

Não deixei de limpar o ferimento causado pela mordida insana."Desculpe,não senti o impacto do
gosto de sangue,teria cometido erro".Ela,me olhava silenciosa,terminando isso,tivemos que,dar
toda uma limpeza no corpo,deixamos o corpo em cima do sofá,com isso,saimos pelas ruas com
o transe percorrendo nossos pensamentos.

"Lestat,por favor,não se sinta magoado por isso...Acho que,devemos evitar esses momentos em
que,ficamos sozinhos...Cometer um erro desses é o mesmo que,pedir a morte diante a força".O
seu olhar passeava pelas pessoas,sua voz tinha ecoado pelos ventos."Thalwa,algo continuava me
avisando,lamento pelo elo de sangue,pela maldita corrente que,não pode ser quebrava".Isso não
provocou nem um pensamento sobre ela.

Entramos pelo portão da muralha do templo,Lunnes tinha estado a nossa espera,Kalawina espera-
va a gente a margem do lago.Só nós quatro para conversarmos.Conforme andavamos,eu sentia a
ponta da imensa barreira que,estava entre eu e Thalwa.O pensamento doloroso percorria todo meu
coração.'Não pode quebrar essa barreira,se a quebrar,não saberá como conter...O elo de sangue
não pode ser cortado,sangue ávido demais para você,queridinho!Nunca podera beber de suas veias'.

Pensamento terrível!Nunca mais!O que,pensar disso?Essa tinha sido a corrente contruida entre eu
e Thalwa.Nossos passos ecoavam no silêncio da quadra,da noite.Enquanto isso me dei conta do al-
go que,continuava sendo terrível para mim:Poderia,é posso beber de todos os meus amados,mais
menos dela,exclusivamente dela!Sabem agora o terror que,é para mim não poder beber,sentir todo
o sabor?

Ah!Provenho que,eternamente estou fadado a isso!Castigado a nunca mais beber do sangue de
Thalwa.Não preciso dizer os motivos,seriamente sabem,vocês sentem!Beber de todos,menos da
mais preciosa para mim.Nos sentamos ao lado de Kalawina ao vê-la,ela usava uma túnica bran-
ca,tinha tocado de roupas,o restava duarante nossa saida tinham subido.

O vento fazia com que,as ondas vermelhas de seus cabelos oscilasse sobre o ar.Lunnes,olhava
para ela silencioso,Thalwa também,eu ainda escondia o meu pensamento secreto,o que,tinha a-
cabado de ter,estava choroso pela verdade que,acabo de vos falar a você."Posso ajudá-lo quan-
do o fizer Lestat,e só me pedir".O que?Arrepiei dos pés a cabeça,Thalwa também!Lunnes sabia
das pretenções da filha..O que,Kalawina queria falar com isso!?Desespero,silêncios,ráios e tro-
vões rachando minha mente!

***Continua***
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ***Pecado Negro*** (6° Conto)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum