****Espelho De Fogo*** (2° Conto)

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 26

Mensagem  Ana Nery em Sab 12 Jun - 20:52:31

Era quase o méio da tarde quando resolvi acorda,estava tonto,mas consegui me vestir e descer a sala para pegar algumas frutas,estava em uma travessa de
vidro lá na cozinha,ninguém aparentemente pelo lugar,mas vi que minhã irmã vierá passar alguns dias comigo,me dei conta quando ela entrou a minhã procura.
Tava ferrado por que se ela desconfiasse iria cair na boca de nossa mãe e pai.A meiga estava em pé de braços cruzados na entrada,Xinhua sempre fazia isso a
mim.Desde que começou a ficar mega inteligente saía a minha caça aonde quer que fosse,já,estava grandinha,já,sábia e se dava conta de tudo que acontecia
ao seu redor.

Me fuzilava com aqueles olhos azuis,mas queria me mandar uma mensagem de que estava encrencado,revidei perguntado o que ela queria de mim,não falou o
que exatamente,mas citou que acabara de passar e virá Sofia a dormir na minha cama.Mandei ela calar a boca e tudo o mas,que não se metesse aonde não erá
chamada.Os risos vieram incrédulos,ela tinha chegado no méio da noite é eu não vi,e nem sequer suspeitará de nada.Também diante de tudo que acontece e claro
que não iria perceber.

-Um pacto?Um acordo?O que acha Xinhua?

-Querido irmão,vai me ficar devendo essa,deixa eu pensar no que vou querer.

-Fala logo e acordo conclúido.

-Não e assim louco,não quero algo tão simples.

Agora sim estava tinindo de raiva,os cabelos dela bem repicados e longos a cair sobre as suas delicadas costas,veio a senta na mesa,me pediu para eu servir um
belo copo de leite e pães,abuso dos infernos e ainda bem que começamos uma densa negociação.Os lábios avermelhados movendo-se ao falar o que queria para
esconder minha aprontação,me deu nos nervos que quase voei encima dela.

-Tompei? Se um dia for embora,por que eu sei que vai,por favor me leve maninho.Não vou querer virar uma fugitiva da vida sem meu irmão fofo e querido de asarão.

-Miserável !

Como bati na mesa,estava puto com isso,ela me encurralou na parece pior do que meu pai,levei as mãos aos cabelos em pensamento.Estava ficando com uma pessoa,
e dai?O que tinha de errado nisso?Ok,simplesmente o fato de que se meu pai ou mãe soubessem teceriam a coça em mim com chicotes.Tinha noção disso.Realmente eu a
chinguei até me fartar.Ela me mandou calar a boca para pensar.

Virou as costas e subiu com sua bandeja de café,não era para ela, mas para a Sofia,a segui mandando parar,retroceder em tudo,nossa,mil coisas que se possa imaginar,mas
abriu a porta do guarto com uma leve pontada de pé e deixou a linda bandeja encima da mesa da varanda,balançava Sofia pelos ombros,se pudesse infartar iria .

-Sofia?Acorda menina..

Agora Sofia metia os travesseiros por cima da cabeça,mais minhã irmã não iria se dar por vencida e conseguiu acordála.Pronto,o sufiente para eu descer e ficar sentado naquela
proltona bem grande e mácia do salão de entrada.Passei horas áli esperando e esperando para saber o que as duas iriam conversa,voltei várias vezes pra tentar abrir a porta do meu
quarto e nada.

Apenas dava chutes e ouvia Xinhua me mandar descer,estava puto,revoltado a ponto de mandar todo mundo ao inferno.Agora esperava tudo,deu até um tempinho de poder dormir
mais naquele sofá.Apreciava a luz do dia emanando por toda casa,movia os dedos sobre o tapete desbruçado sobre as almofadas negras.Agora sim as duas desceram,Sofia ja estava
perfeitamente arrumada,mais ria junto a minhã irmã do que outra coisa.

Pronto,desmaiado e sufocando com falta de ar,Xinhua fora pegar um corpo dágua para mim e eu continuava a chingala bastante.Quéria ir ao inferno pelo preço que ela me cobrara.O que
tinha que suporta com essa menina não ers brincadeira,e continuava a me mandar à aceitar a proposta,mil motivos.Se arrepedimento mata-se esse téria sido o momento,mais não,ver aquel
rostinho a me olhar me erá tudo,absolutamente tudo.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 27

Mensagem  Ana Nery em Sab 12 Jun - 21:00:11

Nada de suspeita da parte de Kenjing quando entrou para noís ver,ainda me mantinha nervoso diante de enloguência de minhã irmã.Seus olhos cantavam vitória,agora sim
o meu amigo áli alternava os olhares entre nóis três,chamara Xinhua para ir ao lago ao analizar alguns aspectos.Esperei eles sairem para poder me despedir de Sofia,as
coisas não iriam ficar muito agradáveis e pedi desculpas pela atitude dela,gostava de sua tranquilidade,prescisava disso.

Veio a se apróximar para me gravejar de beijos graciosos,mecionou que prescisava dar uma grande revisada em algumas pesquisas que estava fazendo quanto ao seu
grande interesse em Arquiológia;lá ela se foi a sair pelo grande portão,agora si, o Kenjing me chamou para continuar todo treino,me mantinha chateado com isso,ao ver
Xinhua com os longos cabelos negros amarrados para trás me dei conta que ela estava áli para me ajudar em alguns aspetos de Espadas.Pensei de forma seria e conclusiva
de que de minhã mãe estava treinando ela e que iria levar uma surra,afinal sei e sempre vi minhã linda Xinran demonstrar muita disciplina nessa arte.

Amigos?Nunca duvidem de uma chinesa de miseros 10 anos ser barra pesada nas suas espadas,ela mandou tirar minhã túnica e começar a agir,sim,que fosse,faria questão de
descontar toda raiva nela.Que nada,Kenjing me mandava segurar a espada com mais ação para poder ir afrente de Xinhua,ela dava risos de vitória,tinha bastante força quanto a isso,
sua leveza e o que lhe dava mais visão ao que iria fazer,ela simplesmente dava passos pessados em minhã direção madando eu ser mais paciênte,tombei no chão.

-Querido maninho se continuar apenas a querer a movimentar a espada jamais chegara a concluir,como falei: Pensa antes de fazer os movimentos.

-Está se achando,só pode ser.Cala sua boca !

-É o que veremos Tompei,agora ponha esses neuronios a funcionar como sempre fez de forma mágistral.

-Ok,concordo com suas palavras.

O sol ia alto,fiquei tão puto que peguei a minhã faixa que estava nas mãos de Kenjing,ele mesmo me fez o favor de atar meus olhos,estava preparado,ela apenas mantinhasse silenciosa
e esperando educada para poder continuar.Ela gostou dá atitude,percebi devido a sua quietude de observação.Isso admirava nela,podiamos ter esses momentos de ira,raiva mas sempre nos
reconciliavamos sabendo da importância de um para o outro.Ela me deixou surprezo diante de sua rapidez de pensar,mais parecia o que iria fazer,ela conseguia bloquear todos meus movi-
mentos,respirei fundo quando senti a ponta da lâmina encostar na minha garganta.

Conclúindo-se,joguei a espada no ar para revidar com um meigo movimento de vento,mas ela sabia de algo que eu jamais esperei e que ela mesma me ensinou,pequeno fogo dragoniano,por
deuses como a pele ardeu ao sentir aquele corte quente do lado do meu braço.Kenjing deu um sobressauto e interrompeu,as pequenas bolhinhas no local,ela fazia isso pior do que minhã pessoa.

-Essa doeu,essa doeu Xinhua !

-Só o começo do que precisará aperfeiçoa,quando um dia o fizer e ouvir o grande rugido ao vento,ai sim,estará preparado Tompei.

Agora meus olhos a podiam ver,ela estava suada devido ao pulmão ofegante,tadinha.Realmente a Xinran estava fazendo grande trabalho com ela.Abrasei a meiga nos braços a bagunçar seus
cabelos,estava orgulhoso disso.Admtia a derrota,realmente divino,apenas para ficar melhor a cada dia teria que pensar antes de fazer os movimentos;gostava de ter uma rival a altura,afinal,
era mais um motivo mais melhorar mais e mais.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 28

Mensagem  Ana Nery em Sab 12 Jun - 21:06:37

Continuamos naquela briga o resto da tarde,amava poder apreender sobre tudo aquilo,ela não estava facilitando,mesmo com o ferimento ardendo ainda
eu mantinha a vontade,sem querer em certo vacilar de gesto eu consegui dar almento de temperatura a lâmina da espada.Agora sim séria briga de dragões
grandes naquele local,o vento vinha gelido,mácio como ceda,quanto mais eu é ela mantinha aquela briga de espada,mais o aprendizado erá maior,os seus
critos altos eram delicisos,tinha fúria naquele solhos.

Kenjing observava,só precisava dizer quanto prescisariamos manter a nossa leveza ou agir de modo mais cruél.Era um empurrando o outro quando as duas
lâminas encostava,melhor presente que Kaniban poderia ter me dado foi a sua vinda,agrádescia por isso.Lá estavamos na beira do imenso lago a querer mais
e mais de dedicação,ela subia na beira do apoio da ponte,saía andando em seus passos levez e enloguêntes,vinha em minhã direção com a espada apontada a
mim.

Não me dava folta,mau me deixava respirar,e verdade que se tinha tempo o meu pai iria querer tomalo com isso.Kenjing mecionou que aprovara sua sabia
descição.O tombo na água foi doloroso,isso por que ela dera um golpe tão forte que perdi meu sábio equilibrio.Mantinhasse a esperar minha volta doce como as
rosas.Agora sim ela demonstrou as pequenas escritas latentes na lâminas,o susto provocou os caláfrios de trevas.

-Calma,calma,calma ai Tompei que vou pegar pesado.

-Nossa,que supresa Xinhua,já,está fazendo isso desde o início.

-Que seja assim irmão.

O calor foi descomunal quando o vento véio,os aerogliflos apareciam tão explicitos como à alma de um deus,é ela mantinha a espada apontada para
mim como que se dizendo para não me aproximar,mais fechei os olhos em analize,pensei como ela me pedira,se eu ao menos fiz com que a minhã linda
espada tivese aquele almento gradual de temperatura,seria questão de: Fazer o mesmo mais como uma evocação.

Marius? Agora,sim,a briga ficou deliciosa: Fiz isso,apenas em mente pedi as forças a minhã alma,o meu carma ao manter a espada segurada foi tão rapido
a lâmina que o fogo em si cintilava,não que estivese em chamas,mais quase desmaei ao ver aqs escritas claras e firmes áli,minhã irmã,agora sim,tremia de
medo,dava passos para trás pedindo que não fisesse nada.

O vento veio por detrás de mim bastante forte em sua corrente,apontava a ela toda estensão de minhãs analizes até que revidei fazendo com que sua
meiga espada se soltase de suas mãos.Acabou,agora sim conseguia dar fim a esse arduo dia de briga.Kenjing bátia palmas de felizidade,fui álem do que
ele esperava,estava feliz,erá evidênte,proclamava beijos a Xinhua e a mim.

Confeçou que o orgulho ia alto,estava áli para ajudar meu pai nisso tudo,fomos de volta ao nosso Templo tão imenso,queria tomar banho naquele painel e fiz com
minhã irmã;ficamos conversando sobre todas as concluções enquanto a noite ia surgindo.Ela estava certa,debatiamos tudo que aprendiamos naquele dia arduo.

Ela gostava de derramar água em cima de mim,pegava um jarro para fazê-lo.Dava risos por que não esperava que diante de tudo terminaria assim,amava a
louca ingênua que me acusará de pensar alto demais,o estomago ruia de fome.Quando as toalhas pelpudadas foram deixadas na mesinha ao lado saimos para
nos arrumar,fui ao clarto dela para ela pode aparar algumas pontas dos meus longos cabelos,tinha escolhido toda roupa em vermelho.

Agora lá estava ela a pentear os fios e a repicalos,como aqueles dedinhos deslizavam perfeitamente nos cortes que deixaram os fios bem pólidos e bem
aplicados,ela em si gostava de azul,combinava com seus olhos,o vestido erá perfeito,téria inveja e ciumes de quem um dia quizese se aproximar dela.O
que provavelmente provocaria briga.

Quando no salão de jantar comemos bastante,desbrulavamos os pedaços de frangos grelhados,as pequenas costeletas de peixe e frutos do mar.A
fome estava grande,mas ela ainda me mantinha contra parede,me mandou simplesmente continuar sendo sincero com Sofia,apenas mencionou que eu
tinha bom gosto e revidei com um 'Ao inferno'.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 29

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 11:10:59

Depois disso passou-se a semana,estava a ponto de pedir recuo ao Kenjing por causa da minhã irmã,o resultado disso foi que conseguia sobrepor muito melhor a espada em
si.Pefeito,foi na Sexta que meu pai chegoi,estavamos em treino quando o carro entrou pelo portão e o vimos descer.Paramos por áli mesmo por que imediatamente ele nos
chamou a Bíblioteta,subimos a escadária para está lá,foi muito rápido por a essa autura do campeonato já tinhamos desenvolvido bastante coisa.Ele queria saber de tudo o que
acontescera na alséncia dele,como seus olhos estavam avidos de vida com a surpreza,Kenjing descrévia tudo a ele que se mantinha sentado naquela mesa.

Sabe,ele mesmo sendo rigido tinha esse lado aprimorado de calor humano,mas veio a notícia que me fez querer sair dali,ele pediu a todos para sairem menos a mim e lo-
gico,que fosse assim;lá estava minhã irmã e kenjing a sair.Foi um longo tempo até que ele resolveu falar do que se tratava,disse que passara a semana toda com o mesmo e
claro pensamento.Não admitia tal cogitação e claro,ele sábia como revirar tudo e a todos.

-Tompei,sejá claro e sincero comigo,digo sim,que essa semana foi corridada para mim, agradesça a sua linda mãe por isso.

Ela me citou algo que não sei como obter reposta,isso só você.

-Pode falar,tentarei aplicar as palavras corretas,mas saiba que essa semana foi uma pedreira para mim e minha irmã.

-Sei disso e claro,fico feliz que tenha conseguido tal aprimoramento no fogo dragoniano.O que encheu Kenjing de puro orgulho devido a dedicação,mas vamos ao que interessa:
Falo de Sofia,aonde e que ela nasceu e do que sua família em si gosta de se aprimorar?

Agora sim estava encrencado,ele tocou no ponto fraco,fiquei minutos pesando nas corretas palavras,espliquei tudo o que eles amavam quanto a arquiologia em si,de que Sofia
mantera paixão por isso,esses aspectos seus olhos brilhavam por demais.Não sabia que ele tinha interesse nisso,nada a comentar da noite maléfica entre eu é ela e claro.Não
séria louco de por meu pescoço a provra,nem a linda Sofia tambem que nesse momento concerteza estária avida de coisas a estudar.

Admito,ele foi cara de pau em pedir que Sofia pudesse vir aprimorar mais seus conhecimentos no nosso acervo,o pulo que dei na cadeira foi de fazê-lo revidar o meu gesto de
loucura.Falei que não,que não era presciso;mais ele fez questão,se ela desejava aquilo é ele podia ajudar que fosse,nem mais uma palavra.Ia dar merda,ia dar merda,isso que
vinha a mente quando pude sair dáli.Agora Kaniban complementava dizendo que desde o momento que a viu naquela loja percebera a ávidez de conhecimento dela.Xinhua me
fuzilava friamente quando me viu,há amigo:Ia ter confusão com essa descisão do meu pai,sem a menor dúvida.

-Tompei,irmão?O que fará quanto a isso?Percebe a gravidade do problema?

-Não sei,não tenho nem aonde pisar agora Xinhua.

-Por Buda,presciso ir embora,presciso falar com nossa mãe.

-Ótima idéia,já,que minha cabeça pode girar por aqui.

Ela simplesmente fora atráz do meu pai que já estava entrando no salão para comer algo,critava,esperneava que quéria ir para casa,que desejava ver Xinran imediatamente.
Kaniban olhava a sena de choro dela,o olhar de pena até que cedeu,mandou o motorista esperar que iria leva-la lá.Não foi nem 1 hora e lá ela partia atônita,nos despedimos e
sábia que podéria contar com ela ou Xinran,séria uma pequena luta contra o tempo e claro.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 30

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 11:19:18

Nossa,foi nem o passar de horas quando acordei no dia seguinte e minhã mãe tinha entrado em contato com meu pai para ele desistir de tal idéia,ele me falará que ela
o ameaçará a pauladas por sua pequenina carta que mal levou horas para chegar e,já,estava na caixa de correio,ele enquanto estavamos tomando chá naquela manhã
largou a carta na mesa.Estava chateado por isso,minhã mãe mencionará que Sofia tinha grande capazidade por si,e que não gostária que se intrometessem nesse lado de
sua analogia.Por esse ponto ela estava certa,mas por outro,os risos maléficos na minhã face para todos verem.

Os olhos de Kaniban atônitos para mim,não comentei nada,apenas estava lendo a linda carta de minhã salvação.Agora que terminaramos tal requinte ele me chamou
para dar a continuação ao pesado treino que mais me parecia que não tinha fim de tempo.Tinha chuvido na noite anterior enquanto dormia,via isso devido as gotinhas
nas plantas e arvores;mas tudo estava seco e bem arrumado e claro.Ele se encaminhava a mesa central,agora iria me aplicar algo que levaria para toda minha e total existência.

-Querido Tompei,lindo filhote pode envocar Buda agora,tente.

-O quê? Está louco? Jamais mexeria com tal autoridade pai.

-Não e assim,atenção: Por que acha que o coloquei para dentro de vossa pessoa naquele dia?Fazendo com que passa-se tais horas abaixo desse lago que jarse
aqui? Tompei,se não acreditasse em sua força jamais o teria feito,agora faça sem medo ou anceio.

As longas mangas da túnica branca balançavam forte enquanto mencionava tais palavras,tomei folego,respirei fundo e o silêncio veio.A pena moviasse sobre o meigo
papiro enquanto escrevia o nome Buda,tão bem escrito e aplicado;as mãos porjadas acima da mesa em meiga reverência;tudo tão quieto e doce que até dava para hovir
o canto dos passaros até que eles pararam.Não tive ação quando a sensação veio,a sombra corria tora a quagra até que subiu ao cèu para desaparecer,o vento vinha
calido até que a voz entou firme.

'Alguém me chama,não sei quem mais apresente-se'

Kaniban apenas silencioso em observação,balançou a cabeça em um gesto para que o fizesse,meu nome foi entoado por mim para quese ninguém ouvir,nada de
que fizesse Buda irado.Quando percebeu que tratava de um mero aprendiz a voz veio reciproca a tudo.Agora as coisas estava artodoantes por que senti a sombra
dele querer vir acima de mim.

'Misericordioso,assim será,Tompei,merecedor de um poder imenso que eu lhe darei,que faça juz a isso'

A força veio tão avassaladora que cai no chão,mais parecia que tinham deixado cair uma barra de ferro em cima de mim;ele estava domando meu corpo por
completo sem dar a minima change,foi um dos piores dias que me lembro em minhã existência,afinal,sentir Buda dentro de si e como a carne ser cortada,
ele percorre todo a estensão do corpo quanto consegue entrar.As horas vinha,passavam naquele artodoante e mero dolor de vida.

Ninguêm véio em meu socorro,Kaniban desaparecera,segunda vez que ele fez isso comigo e quando pude me livra não fiquei revoltado ou quis ir atrás dele,o
fiz novamente,enquanto não conseguise oprimir áquilo não ia desistir,fiquei mais tempo naqueles chamados,a sua sombra sempre percorrendo toda a quadra e
entrando dentro de mim,mais acontesceu de que caira sobre a mesa para meu braço estalar,tinha fraturado o braço esquerdo,por dentro,ainda bem que a fra-
tura não tinha sido exposta,mais aguentei firme enquanto ele mantinhase no que desejava.

-Prefiro definhar do que morrer sem lutar.

'Que seja Tompei,equanto não ter o dom da vida jamais terminará'

A dor dá fratura incomodava e passou,já sentia que aguentava mais horas com ele,mas cochilava quando senti o toque de Sofia no rosto,mas estava apavorada
do que outra coisa,mesmo assim ela me arastou firme até o salão.Saiu a busca de Kenjing,ninguêm acreditava que meu braço estava naquele estado.Não sentia
mais nada vindo dele,apenas critava com tamanha dor devido a batida na mesa.

O que pensar essa hora?Mil coisas e claro;a correria erá densa no salão devido a cena descomunal,Sofia apenas sentada naquela proltona a ver tudo em sua
meiga paz,garanto que se não fosse por ela o caso téria sido mais sério do que pensam,afinal mais parecia que algo a mandara vir me visitar e viu o que viu
fazendo com que agise rápido.Sentia a faixa sendo posta no local,já,limpor por Kenjing,agora sim ele estava puto com Kaniban,os dois saiam em discusão por
tudo.

Sem mais,ao menos minhã insistência tinha dado em algo,aguenta por mais tempo,isso ja erá um longo passo a frente.Kenjing quando me chamou de
louco,imprudente com tudo;considerava minhã insistência acima do normal.Mas dava risos do que qualquer coisa,Sofia ficara incrédula diante daquilo tudo.
Ainda bem que não sábia ou suspeitava de nada,sussuros na mente para que a dor passasse,a essa autura já estava tudo perfeito devido as mãos ávidas do
Kenjing.

Quando ele terminou meu pai tambem me chamara de imprudênte,me mandou ao inferno por isso,me chamou de louco.Que iria fazer?Aguentar firme a situa-
ção até tudo se concluir;virei as costas e fui ao clarto,deixei todos lá embaixo para descansar.Minha mente rodava quando pude me deitar na cama,mas ela
teve audásia de vir em minhã perseguição,apenas me acolheu em seus braços e dormi áli mesmo.A culpa sempre fala mais alto do que o sentimento,não?
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 31

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 12:06:42

Meu pai veio ver como tudo corria,mais envão,por que não queria ver ninguém depóis de tudo.A noite estava presente,já,a dor era tão constante quanto uma faca de dois
gumes que pode ser gravada em sua pele.Sofia não saía do meu lado em nem momento.Insistia para que deixasem continuar a imobilizar meu braço,as luzes de fora entravam
pela varanda iluminando de uma forma tão doce meu clarto.Várias vezes Kenjing também viera a bater na porta para que abrise.Manda todos me deixarem em paz;erá isso que eu
procurava naquele momento sem rumo.

Mas o inusitado acontesceu,não?Quando percebi que todos foram dormir finalmente quis descer ao jardim,sim,o belo e limpido jardim que Lestat tanto comentou em sua aventura
que todos,já,sabem no livro recem lançado,Sofia me acompanhava,o vestido negro bem ajustado a cintura erá mais que perfeito,bem folgado e limpido com o tescido fino como
petála de rosas.Ficamos sentados sobre áquela arvore,agora sim ela resolvera ir pegar algumas faixas,enquanto ela teve que fazer esse retiro indo no salão a mão véio pesada
no meu ombro.

Não duvido de que amei quando sua figura apareceu por detráz de mim dando a volta para ficar a minhça frente.Marius,nunca me esqueci daquela noite em que fez questão
de vir devolver os percaminhos que meu pai tanto lhe ofereceu para vossa linda e meiga pessoa dar alguma analizada nas lendas em si.O mero olhar azul a me fitar gradualmente,
enquanto isso a dor era latente e forte no osso recem-quebrado dentro da pele,o eterno e saldoso vermelho naquela meiga túnica de linho,as mãos sempre delicadas a segurar
os pergaminhos de puro papiro até que os colocou largou naquele gramado.

-Tompei?Pode devolver isso ao Kaniban? Tudo que desejava ler e aprender eu o fiz.

-Como desejar,pode deixar comigo que me encarrego sim de devolvelos em plena segurança.

-Conto com você,mas vejo que não está nada bem pequeno.

-Acho que todos percebem isso;isso o tempo se encarrega de fazer sua cura milagrosa.

Lá vinha Sofia a descer a escada com as faixas nas mãos,sempre com suas analizes quando parou a sua frente a fuzilar sua figura alta e complascente a tudo e a todos que
tentasem se meter em seu caminho,muito delicada e meiga para que você mesmo fosse tentar algo contra ela,agora as pesadas mãos arancavam as faixas das mãos dela em
um meigo pedido de licença.A mágica pode ser feita com o mero toque de ceda junto a mente ávida de vida.

Foi isso que pensei enquanto as mãos pesadas puxavam meu braço a frente,ai sim os gritos vieram para acordar Kaniban que descia com uma lamparina nas mãos ao
ser alertado,como desejava que a dor fosse embora.Os olhos do meu pai me queimando diante de tudo,estava chateado por minhã cede insistente de aprender tudo que ele em
si me passava,pedia desculpas por não telo visto chegar,agora,já,estava terminando de enfaixar meu braço devidamente curvado sobre meu torax.

-Kaniban poderia ter sido pior,saiba disso.Parece que Tompei deu sorte dessa fratura não ter sido exposta.

-Sei que,Sim,Marius,mas a sua insitência o levou a isso.

-Não adianta reclamar mongê.Sua natureza e assim.Sabe que posso adiantar o proscesso de cura,só não o farei sem seu consentimento.

O aceno do meu pai foi imediato;nunca soube o por que da boa vontade em querer que eu voltase a mim com total força,fiquei catatônico em senti um mero vislumbre
do sabor do avido sangue,só algumas gotas para fazer aquela maldita dor parar e o proscesso de cura ser adiantado,depois disso,já,se despedia do meu pai em agrades-
cimentos pelos percaminhos bem escritos e aplicados aos ensinamentos lendários da China;por quê tal interesse ?Sei a resposta:A mente tem cede de aprimorar tais conhe-
cimentos.

Os olhos castanhos de Sofia emanavam preucupação,fazia perguntas a si mesma em sua memória enquanto me fitava para saber o que séria vossa pessoa?Como iria saber?
Nunca soube até as confuções de Lestat entrarem em minhã casa e claro,mas as susspeitas existiram até o dia para sua informação.Continuando a citar:O termino daquela
noite foi mágico;cedoso poder entrar no meu clarto e ter sonhos,a meiga dormia ao meu lado com o toque do calido sono,apenas não queria ir embora até ter certeza de que eu
iria voltar a mim.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 32

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 12:26:16

Mesmo com o braço enfaixado eu quis continuar os treinamentos ao acordar,Kaniban me pedia para não fazelo até ter certeza de que eu estava em total ação e força,fui insistênte
até ele ceder a minhã vontade.Kenjing revidava enquanto conversavamos que twria que repensar nessa descisão;Sofia sentada ao meu lado,agora vestia uma linda camisa de meu
saudoso e cedoso linho negro;os fios dos cabelos desciam ao rosto me dando aquela moldura anciã que sempre admirava;sempre gostei do peso que eles tem,o liso tão aplicado ao
acaso,amava a sensação de dor a ser aniquilada e indo embora.

Não iria mexer com espadas mas podéria e claro tentar novamente dominar doutrina que me era e seria a mais complicada,Buda;a meta que iria perceguir até a maldita hora em sua
agita estivesse em meu sangue,era complicado mais não impossível,Sofia nada desconfiava e nem devéria saber como eu bem desejava,soltei uma indireta para meu pai e Kenjing se
retirarem,nos deixarem a sós.Prescisava dizer algumas palavras a ela antes de ir embora para sua casa;os beijos eram muito doces,ela merecia isso.

-Olha indepedênte do que pense jamais desista,espero coisas grandes de você,Sofia.

-Não tem com que se preocupar,melhor deixar o tempo agir por si e me dar as respostas com que presciso.Presciso ir Tompei,nos vemos daqui a alguns dias.

-Vai lá,cuide-se.

Alguns minutos até sua figura sumir daquela quagra apóis trocar algumas palavras com Kaniban,palavras apenas meigas como só ela podéria pronúnciar até virar a rua apóis
o portão ser fechado,o sol batia nas pedras da muralha imensa,sempre admirava sua imensidão,era uma expiração para mim.Algumas lácrimas desciam no meu rosto e meu
pai perguntou o motivo,não dei resposta apenas que entrasemos em áção.Foi o que veio à acontescer quando pude escrever o sagrádo nome no papiro em cima da mesa de pedra
pólida.

O leve espasmo ao velo desaparecer,como o vento vinha suave e penetrante na minhã pele,estava concentrado e descidido.Kenjing observava sentado junto a Kaniban tudo o
que poderia vir à acontescer,mesmo com o sol no apice as toxas ascenderam junto a sua presença,não tive medo,ancéio ou sequer fiquei tremulo,estava com tanta vontade que
a voz entoava forte naquela briza a correr por tuda guadra,um Deus tem o direito de ver é escolher o que deseja,Buda deixou bem claro que morte e vida iriam vir de mim,erá o
presente que ele desejava me dar.

'Vida e Morte,teras direito de julgar tal guerra em que a humanidade definha Tompei'

-Que sejá;já estou farto dessas fracassar em um aspecto que não posso adquerir e isso para mil e inadmisivél !

'Bem querido e desejado por todos;finalmente a carne será porjada com tal avidez de toque ancestrál'

Tomou a forma da pura e doce neblina,sáia de dentro daquela densas arvores em volta,o meu envolver fora tão aprimorado por aquela vontade que vinha de dentro de mim,isso
que estava faltando:Vontade de fazelo e conségui ao esticar meu único braço que poderia se mover em sua direção;os passos lentos em direção a ponte,séria de lá que ele esperava.
Meu pai pedia para eu parar por áli mesmo,o que não fiz;Kenjing o segurava pels braços em pedido de não intervenção,o que mais amava e que toda véz que Buda estava presente os
passaros cantavam forte,erá como que se tudos os animais sentisem sua autoridade lá.

E véio o que ele desejava;sua forma neblinosa me fez desmáiar,erá isso que ele prescisava para conclúir,cai acima da ponte do lago,minhãs forças erám escasas e fora formado por
sua presença,cada centimetro do meu corpo latejava com isso;a doce brancura da neblina era perceptivél a mim,pairava por todo lago,arvores e ponte,finalmente senti um leve abrir
dos meus lábios,erá por áli que a neblina entrava e tomava todo corpo,não chegava a doer,mas que o poder erá imenso,isso concerteza sento.

'A mágica sera feita:Vida e Morte vindo de uma única pessoa'

Levou horas com aquela neblina a entrar firme pelo corpo,fiquei imovél,tão imovel todo esse tempo que Kenjing pensava que estava morto,ele tinha que controlar Kaniban que
mais desejava intervir,não erá presciso,estava calmo mesmos em pider respirar direito com a neblina entrando por minhã bosa levemente aberta.O vento frio me ajudava a ter
calma,aplicação,nada de resistêntia,esse foi meu termo até tudo acabar,mal conseguia andar por que as pernas estavam fracas demais.

Agora sim Kenjing se encaminhava para me apoiar pelos ombros,claro que meu pai fizera o mesmo,nunca queiram passar por isso,a dor e imensa na alma,e como que se
você se torna-se outra pessoa,prescisava do apóio deles,foi isso que recebi desde o início e por isso eu não quéria decepcionalos,compreende?O suor descia pelo meu rosto
quando entramos pelo salão,não parava de tosir forte,meus olhos estava opacos com a conclusão;meu pai não parava de andar de um lado a outro,agora sim sua preocupação
erá evidênte quando sentou-se com Kenjing sobre o imenso tapete.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 33

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 16:45:12

Me deixei tombar sobre as almofadas,sempre gostei delas,tão deliciosas e acolhedoras como só as penas há de serem.Pela primeira vez meu pai me acolheu em seus braços,
pedirá as griadas para trazerem água,muita água,a sensação de dominio erá clara e o objetivo estava quase dendo alcançado,ele não parava de dar meigos beijos em meu
rosto,e como falei:Apezar da frieza jamais deixara seu lado humano de lado,se ele não pegasse pesado da forma que sempre fez jamais a vontade viria de mim,fazendo com que
assim eu desistisse de tudo.

Agora tinha forças para me sentar e beber águala avida e doce garafa de água bem fresca,bebia e bebia até parar de tosi e a cede passar.Kenjing sentou-se atrás de mim
para poder me segurar melhor,minhãs forças estava tão escasas que mau conseguia mover áquela maldita mão livre,afinal,apenas uma estava ultilizavel até o meu outro
braço melhor,coisa que já estava sentindo e claro.Ele mesmos segurava a garafa para eu poder continuar a beber,mas véio o que me chocou,o pedido de desculpas do meu
pai,o que me fez mandalo calar a boca.

Nunca foi nescessário isso,consideral inrevogavel tal pedido que eu mesmo falei que jamais pronúnciasse áquilo.O alge do dia ao menos estava maravilhoso por que o mero
frescor me erá como cura.Mas quéria ficar sozinho,eles entenderam quando sai a dar passos em direção ao lado.Fiquei sentado sobre uma pedra pesando em tudo,como as
coisas acontesciam tão naturalmente,as estrelas depóis de um tempo começavam o seu brilho eterno,os pés sobre á limpida água do meu lugar predileto,sim,o lago em si me era
magistrál.

-Soudades de minhã casa,gostaria de estar lá,mas nada que isso.

Essas pavras foram jogadas ao vento,gostava de solta-las assim para que ninguém as ouvissem.Esse dia fora um dos mais pesados e vi saliênte um mero corpo de um passaro
ao acaso jogado naquela pedra,ainda fresco por que ao que vi acabara de morrer.O desejo veio,as palavras que Buda dizera antes de fazer tudo áquilo me vinham a mente:Morte e
vida vindo e uma só pessoa;foi ai peguei o corpo na mão,pensei firme,muito firme.

Mero e doce calor vindo do passaro jazendo naquele aperto forte,as patas se moviam e ele acordou como de um sono,erá isso;agora tinha noção do perigo quando o vi saltar do
leve toque,o voo fora rápido,o soltei para fazelo.Ai sim tive vontade de chorar,não segurei a vontade e passei mais algum tempo naquele choro,um choro que não quéria que ninguém
olhase ou sequer sentisse.Descidir voltar para jantar,não comentei nada aos dois quando me receberam na entrada.

Nada,isso sim erá o que eles iriam saber;obsorva sem as pessoas terem direito de verem com seus olhos,a tristeza nos meus olhos fazia com que as griadas me perguntassem,a tona-
lidade da voz saiu firme dizendo para calaren-se,Kaniban as dispensou para descansarem,o que citar?Ele viu naquele olhar e de nada adiantou tentar esconder.Ele já sábia e claro,fazer
para depóis analizar e aceitar.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 34

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 16:55:13

Veio o passar das semanas e as ferias estavam acabando e meu braço estavam devidamente bom,foi numa tarde que em uma meiga visita de Sofia resolvi tirar,ela desatava
de forma lenta e delicada até tudo está retirado,a perfeição me foi reconfortante,intacto e perfeito,minha mãe entrara no clarto para poder avisar que passaria a noite fora com
meu pai,e claro que depois que soubera da queda tinha vindo me ajudar naquela ardua melhora,ok,que fosse assim por quê desejava matar tempo com minhã meiga ao meu
lado.

Um leve passar de pano umido,um leve toque de movimento e o despertou,como amei sentir a musculatura se mover,os cabelos longos e icrimes de Sofia se estendiam ao ter
aqueles leves beijos,nunca iria negar a sua vontade;que esperase mais um pouco,mais um pouco até que comecei enchela de mais e mais beijos pelos seus ombros,ficamos um
longo tempo naquelas caricias,há coisas e aspectos que só vivendo e que se compreende.

Desejo,isso era torturante para quem o tem,será que um dia iriam suspeitar de tudo que hávia entre eu é ela?Que fosse assim,mesmo que descobrissem jamais iria negar quando o
perguntasem,claro que assim que essas férias acabassem,já,não teriamos tanto tempo um para o outro,o que nos fez ir novamente álem do esperado naquele torturoso banho dentro
do banheiro,ela mesma tinha tirado cada pesa de minhas roupas e me convidado para um.

Como negar isso?Marius você que tanto ama e aprecia Pandora deve sabelo,inimaginável o que se sente ao amar uma pessoa,agora,sim,ela ascendia a limpada luz e deixava á
água escorrer,estava provocado,provocando a tal nível que a insitênsia foi completada,ela sempre teve um corpo firme,guente e delicioso.Braços sobrepostos aos meus ombros
naquele banho;se negar minto para minhã própia pessoa;amor e transa eloguênte como só eu e ela tinha um para o outro.

-Sobressaindosse ao acaso,você se resume a isso Tompei.

Palavras sussuradas naquele extaser delirante,claro que aproveitária enquanto pudese,afinal,sozinhos até o dado momento em que a vontade de ir para a varanda veio,seria
lá que continuariamos nossa enloguência de jovens amantes e claro,os aranhos nos meus ombros eram de machucar ou aranhar,unhas muito bem aplicadas,os beijos vinham aduos
quando o leve grito veio,os leves passos para cima da cama,sua pessoa descaramente a jazer naquela visão para a quadra.

A grande revolta ao arancar todos os lençois com Sofia escondida debaixo deles,minhã pessoa em alta agilidade a se vestir para descer,não acreditava que tinha voltado,estava
feliz por isso,sinceramente estava muito feliz naquela correria alta até que o vi entrar no templo.Me chamara de um filho da mãe em manter aquele jogo,queria descobrir mais coisas
do nosso acervo.

-Que isso,não se preocupe,jamais pense dessa forma.

-Tadinha da Sofia,Tompei,seja maduro e assuma logo isso perante todos

-Será mesmo?Não está na minha pele.

-Sei que não,mas aonde seus pais estão?

-Sairam a uma linda noite e claro.

-Há, e isso foi o golpe perfeito moleque.

Os risos eram longos enquanto nos mantinhamos sentados naquela mesa na bíblioteca,agora Sofia devidamente arrumada com sua delicada saia azul e blusa da mesma cor,as
sandálias com um toque de gentileza de delicada,sentou-se ao meu lado a olhalo em tom de suplica.Suplica,essa palavra séria a mais correta devido a sua descoberta,sabendo e
claro que sempre foi grande amigo do meu pai,podéria falar a ele,o que ela jamais desejaria;mãos muito bem delineadas postas sobre a mesa,percebi sim que sua pessoa admi-
rava isso nela,todo esmero de Deusa emanando dela até que o toque no seu rosto foi gentil.

-Querida Sofia,és realmente perfeita.

-Obrigada,mas esperamos que nós ajude e claro.

-Por quê me pede isso?

-Conhece Kaniban,seria suicidio se soubesse.

-Não,não exatamente.

-Por que falas isso Marius?

-Tem uma mente ávida e bem aplicada boneca,então faça suas analizes.

Agora sim dize alto generoso,a claras sobranselhas de Sofia arqueadas naquele pensamento;levou os dedos ao queixo tão bem delineado quanto a isso para depóis concordar
com o que dizera;talvez Kaniban não fosse tão frio assim,foi isso que ela mencionara ao conclúir,seu aseno foi imédiato,vi o toque sobrenatural vindo em sua volta,forte e grande
como uma pedra.

-Pode nos ajudar? Faria esse favor?

-Realmente deseja isso Sofia?

-Uma ajuda seria bem vinda nesse nosso problema.

-Veremos quando ele chegar,pensarei nosso até lá.

Foi naquele levantar e andar que senti que não erá humano,não sábia o que mais que não era humano,isso concerteza via,como minhã mente rodava diante dessa hipote-se.
Sofia sentou-se naquela proltona a falar de suas descobertas,os meros fios louios caindo sobre a cintura de tão longos,toda claridade da iluminação cáia sobre ela,preferia ficar
quieto enquanto vocês dois debatiam tudo sobre antiguidade.

Esperar,desejava ver a reação do meu pai quando finalmente descobrise tal reciproca ousadia minhã;Xinran e claro,já,sabia por que quanto tinha chegado anteriomente viera
conversa comigo no clarto,as suas palavras foram de comprimentos a escolha,mas,já,meu pai,esse seria o problema,não garantia nada,absolutamente nada já que conhecia
tão pouco dele;depóis de algumas horas naquela noite véio o barulho do portão.Marius como sua autoridade mantinhase firme ao velos entrar;nada com que comentar.

Preferi subir com Sofia,queria ao menos tentar adquerir alguns últimos momentos com ela,estavamos naquela varanda esperando tudo.O sono veio para me fazer me curva sobre
a mesa em pensamento,olhos fechados,Sofia passava as mãos sobre minha cabeça em uma meiga reverencia,talvez seriam os últimos e doces beijos que trocamos áli mesmo,os critos
de Kaniban entoando lá de baixo,ao menos sua pessoa estava lá para seguralo se caso ele mesmo fizesse uma tentativa de um asassinato contrá mim;como os passos vinham pesados
naquela escada.

-Tompei ! Tompei ! Desce já aqui. Descarado em ter escondido isso de mim.

-Se quiser me matar,me mate,isso seria o melhor Kaniban !

-Miserável,acha mesmo que faria isso?

-Não sei,nunca saberei querido e adorado pai..

-Não tem coragem de olhar em minha face?

-Diga você mesmo,faça suas concluções.

Agora apareceu na porta;meus dedos apenas levados a testa tão bem feita e delineada,Sofia soltava meigos risos quanto a sena,Kaniban apenas me chamava de covarde em não
ter falado tudo;talvez sim ou talvez não,a reação da minhã mãe em ter ido acolher Sofia nos braços foi a resposta;e claro que diante da autoridade dela e de Marius meu pai tinha
que aceitar,não tinha nada a negar quanto ao que Sofia sighificava para mim;mesmo assim ele me chamava de covarde,o tapa na cara tive que aguentar,ele odiou o fato de não ter
confiado nele.

Me sentia aliviado,sim,ao menos aliviado quanto a tudo isso;a linda não queria sair detrás da minhã mãe,meu pai apenas querendo falar com ela,mas nem uma resposta,o medo foi
claro para todos verem.Agora Xinran a levava para uma meiga despedida;descaramente,cito ao modo Lestat e claro que a gravejava de beijos diantes dele,seus olhos me fitando ao
acaso,mais queria que o mundo acabase diante disso.Xinran dava alguns tapas nos ombros do meu pai dizendo que ele que ousase falar algo,ai sim se veria com ela;problema resol-
vido.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 35

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 17:02:42

Naquela ida de Sofia perguntei como Xinhua estava,minhã mãe me respondeu dizendo que muito bem cuidada lá no seu templo,ela andava ocupada com os estudos,estava correta,
tinha que pegar no pé mesmo,quanto a mim ela sábia que jamais devéria se preocupar.Meupai ainda me olhava ao pé do desespero quanto a meiga descoberta,agora que só estava
nos quatro poderia tentar explicar melhor minhã situação,fato que Kaniban queria tudo ao pé da letra de tão bem explicado.

Amava o esmero de sua pessoa pedindo para Kaniban ter paciência,maghifico em todos os pontos,Xinran era a que mais me dava apóio contra as palavras pesadas do meu pai e
quanto ele tentou levantar para querer sair correndo atráz de mim foi ela que o mandou ficar sentado e que podesse me ouvir,ela não iria permitir tal atitude sem ao menos eu
dar as devidas justificativas;meus meigos risos saiam para todos apreciarem,o meu tremor estava passando quando descidir falar.

-Bem,faz alguns meses que estamos nesse caso todo,espero que ao menos tenha o pleno apóio de vocês,não quero briga,não desejo rivalidades em casa,só escondi
devido ao fato.

Não vou dizer que não fomos além,por que,já,fomos,sim,e se forem contra ai,sim,estaram tirando um pedaço de mim,gosto dela,estou realmente gostando muito dela.
Por Buda,que faço com isso?Xinran fale algo.

-0 que vou falar Kaniban?Deixa o Tompei ser feliz,não posso fazer nada contra isso.Se nos opôr,ai,sim,será pior e detalhe,a Sofia não qualquer menina que se encontra
por ai não,sabe que tem suas virtudes fortes.

-Ok,está descidido,apenas não espero que depois venha chorar.

Agora sua pessoa levantara-se para ir poder pegar alguns livros com meu pai,Marius confeço que sempre admirei sua figura,não pela atitude em ter me ajudado,mas por
sua alma tão vigorosa e forte;os acompanhei ajudando-os a escolher tais requintes deliciosos para ler,subi em uma pequena escada apoiada em uma meiga prateleira com
todos aqueles livros,pude descer com cinco deles em meus braços,uma coleção de toda uma saga de dinastia contada em tais livros.

Lá entreguei nas mãos avidas a segurar,puro agrádescimento pela meiga ajuda,não tive dúvida em acompanhá-lo ao portão e velo virar aquela rua enorme,voltando lá os
dois me esperavam,meu pai quiz me pedir desculpas pela grosseria,apenas citava que jamais esperava que eu tivese tala aldásia ou sequer tivesse interesse em sofia,nada a
comentar;subi ao meu quarto e tirei alguns livros para estudar,estava com essa vontade.

Agora eles ficaram sozinhos lá embaixo;o meigo lapiz dançava nos papéis com algumas anotações de geometria,antes dos estudos voltarem prescisava fazer aquela revisão toda,
queria está todo em ordem nesse ano que começava.Os risos saiam dos lábios de alivio junto a uma meiga felizidade,por um momento olhei o lago lá embaixo,apóis tudo termi-
nado resolvi dormir;o sono véio pesado quanto cai na cama;estava tão esgotado que os braços esticavam sobre os travesseiros.

Com isso os treinos continuavam arduos,sempre depóis que voltava do colégial era a hora de práticar com meu pai,foi em um desses treinos que ele resolveu me chama em
uma dessas pesadas tardes,agora o que ele iria querer que eu pudese aprimorar mais o fogo dragoniado,ia ser pesado,muito pesado,afinal,ele tinha completado tudo o que quiz
aprende,suas mãos moviam a espada quando a tirou da caixa,estava sentado sobre o chão da guadra a observalo,só séria eu e ele,mais ninguêm,a essa altura minhã linda e
meiga mãe encontrava-se em seu templo com minhã irmã.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 36

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 17:07:55

Ele dava passos com a espada em mãos,e claro que já estava com a minhã a prontos,depois de tempo finalmente pude continuar tal aprimoramento com ela,os golpes foram
fortes para me fazerem cair contra a muralha.Ele tinha se aprimorado tanto que se iria apreender,seria na marra.Seus olhos sempre opacos,isso sighficiava algo que não iria
gostar,aparecimento de Buda,sim,agora erá claro que ele estava tomado pelo deus em si.Continuava vigoroso,pedindo para eu manter os movimentos,e veio o que me deixou
boquiaberto,o vento corria tão vigoroso e fortes que tive que curva meus braços bem a frente.

Seus olhos fecharam,estava em silêncio,esperando algo supremo,a força dragoniana,a chamo assim por causa do rugido do dragão,ele veio a tomar toda quadra junto ao
aparecimento dos aerogliflos na espada.Agora depóis de mais um tombo ele parou,vira que não tinha condições de agir e me pediu para fazelo;tinha voltado ao normal.
Sua voz tão doce e gostosa de se houvir que minhã atenção estava redrobarada a ele.

-Tompei? Consegue fazê-lo filhote?

-Não sei Kaniban,vamos passo a passo,não é?

-Concordo,o principal segredo e conseguir mantê-lo dentro de você,tempo suficiênte para emanar tal poder..

-Sim,sim,fato que consegui naquele dia.

-Exatamente filhote.

Fiquei silencioso,esperando até finalmente sentir tal presença que simplesmente entrou em minhã alma,a canalização do poder corria rapido a lâmina da espada,senti que meu
coração tinha batidas lentas,mas algo errado acontesceu,meu corpo esquentava demais me fazendo cair de joelhos no chão,Kaniban me segurava pelos obros,esperava eu poder
voltar a me levantar.Seus olhos me fitando sem entender por que suava tanto,apenas me deu água para beber,mas ele suporta.

Estava instigado com o fato,agora eu me sentia mais vigoroso e finalmente conseguia aguentar mais tempo repetindo o fato,ele ao menos esperava paciênte até que o meigo
vento corria mais rapido pela quadra,agora sim as coisas estava correndo bem,eu sem querer usara o dom da vida no lugar de pensar em algo diferente,estava puro com essa
imprudência;os aerogligos apareciam mais fortes até que uma alma apareceu dentre as arvores,andava em direção a ela e meu pari simplesmente a fez presa naquele forte
redemoinho,me pediu para queimá-la.

A exploção de chamar foi imediata ao impunhar a espada dentro da alma,apenas a enfiei forte para as chamar a corroerem,assim que se queimava deuses,foi o que ele
citou ao terminarmos,estava feliz em saber que mesmo com tal compromisso com a Sofia jamais deixaria de me aprimorar,Kenjing apareceu na entrada do Templo,como
citado:Um Templo que mais erá acolhedor,o perfume de rosas erá forte e agora ele me chamara ao salão ritualistico,um caldeirão no méio em seo apóio,ele apenas iria
me explica uma mera funcionalidade das Túlipas Negras,estavamos parados no centro daquele salão a conversa.

-Tompei? Das Túlipas Negras caso deseje pode fazer o Coquetel das Almas

-O quê?

-Lembra que falei que elas servem para sacramentar almas?

-Claro,nunca me esqueci desde o dia que elas me fizeram desmaiar.

-Que sejá,pode trazer vidas,não e?Sei que sim devido ao que Buda lhe deu sobrepojando-o daquele modo.

-Não adianta esconder,não e?Sabe e descobre tudo.

-Eexatamente,tem que sacrámentrar à alma quando a trazer de volta,então faça um coquetel com as Túlipas e o derrame sobre o corpo quando conclúir,
se não o fizer ela irá embora..

Silêncio,entendia completamente o que ele dizia,Kenjing apena parado a porta,então Buda dava o poder que bem escolhia a quem desejasse,meu pai em si não
o tinha;não podéria trazer vidas de volta como eu.Isso foi lamentavel de saber ao ouvilo mencionar.Quietude no salão,tão calido e estava saindo para poder
revisar algumas coisas,no clarto sentado sobre a mesa da varanda estava anotando algumas coisas e quis ir a bíblioteca.

Desci para passar algumas horas estudando lá,a luz entrava cálida e ela apareceu,sentou ao meu lado me olhando em constande analize,Sofia,não sei que mi-
lagre a fez vir naquele lugar;estava triste por algo,muito triste mesmo,não queria falar,então que fosse assim;algumas lácrimas caiam sobre seu rosto e a acolhi nos
braços nos deitando sobre as almofadas;iria melhorar;ela erá forte sim,veio a meiga pergunta que ela fez:A de que se um dia ela voltase para São Paulo;mesmo assim
eu iria está ai seu lado,claro que sim,resposta imédiata,muitos aspectos assustavam ela.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 37

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 17:18:21

Deixava ela continuar chorando,estava intorpescida por tudo que estava vivendo,sem falar em suas descobertas,apenas me curvei por cima dela a continuar echendo aqueles meigos
lábios de beijos.Estava com soudades,ela me pedia meras desculpas pela demora e por ter aparecido naquele estado,nada com que me fizesse ficar chateado,ela continuava a me ter
em seus braços,curvei meus braços para continuar lhe dando apóio,quéria fazela parar com tal chateamento.Seus olhos castalhos estavam brilhosos por isso.

Um dia ir embora,será?Sábia que ela tinha ambição por querer descobrir mais e mais e a sua outra pergunta foi mais gostosa de responder,quiz saber em que pensava conclúir meus
estudos,História;mencionei isso com um arduo tom de voz por que erá apaixonado por tal convicção;,um mero arquear naquelas sobranselhas claras e apasiguadas,os dedos roçando
os fios dos meus calos;gostava da pele alva com toque escandinavo,isso lhe dava uma total mágia em sua bele.

-Boa escolha,não podéria imaginalo de outra forma.História,realmente tal convicção sempre estão ai.

-Sabe que sim,mas se tivesse algo mais Sofia? Iria ficar chateada?

-Não sei,por que me faz essa pergunta Tompei ?

-Quem sabe um dia sabera,isso e claro depêndera de total observação de sua parte linda.

-Pode ser que sim,pode ser que não.Apenas espero coisas grande de você da mesma forma que espera de minhã pessoa.Não fique chateado,mas um
dia desejarei sim voltar para lá,sabe que pretêndo conclúir tudo lá.

-Morrerei,pronto,melhor pegar uma estaca no coração.

-Não e para tanto;pode um dia quando bem desejar ir me visitar.Qualquer coisa,sabe que minhã casa sempre estara aberta.

Estava acabado,Sofia tinha sido direta e pontual em suas verdades,jamais iria esconder isso de mim,enquanto me mantinha abraçado a ela alí deitado fiquei a pensar,iria sim ir ao
inferno sem a presença dela,levando as mãos a sua cintura continuava a enche-la de mais carícias,apenas isso,ela merecia seus momentos de folga,me sentia encurralado contra a
parede,ao menos ela não mentiu sobre sua vontade.Isso para mim demonstra a maturidade que toda pessoa deve ter;todos essas clalidades ela tinha e sempre manteve,não sabem
o guão o coração doia mas tinha que aceitar que um dia ela ia embora em sua longa viagem

Mas Kaniban apareceu para nos interromper;pedia lisença para pegar alguns percaminhos,seus olhos escuros e caramelados passeavam por ela,ela apenas levantou para ir
lhe comprimentar;sábia descisão por que ele odiava que o inghorassem,deu um meigo e longo puxar nos fios dos cabelos dela e foi a procurar o que desejava,quando saiu
apenas me mandou configurar mais meu conhecimentos de anatómia.Me perguntav ao por que de tal atitude.

Lá ia a virar o corredor iluminado pela luz,o frio começava a cair na cidade para a noite chegar,queria que ela ficasse comigo,pedi com fervor o que a fez aceitar,mandei as cria-
das preparem um chantar delicioso para ela,nada melhor do que massa,talharim com um molho delicioso e gremoso de franco.Fui um descarado em ter ocupado a mesa da cozinha
com ela ao meu lado enquanto elas faziam com meigo carinho;sempre respeitei o trabalho delas lá,muito bem aplicadas em tudo que se possa imagiar,mulheres muito bem respeita-
veis.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 38

Mensagem  Ana Nery em Dom 13 Jun - 17:43:29

Sofia vestia um vestido branco,puro algodão branco,o tescido delineava toda a extensão de suas delicadas curvas,as alças no ombro bem fina e a fita vermelha ataca a sua cintura fina.
Já as botas brancas e pelpudas eram o furação de uma visão,paro áqui,descrevela e o que me deixa doloroso,ela em si e perfeita.O passar do tempo foi rápido e que a noite viesse ao
acaso quando resolvemos ir a imensa varanda de frente ao salão,digo a varanda do andar de baixo,ela sempre ia a frente dando só para a visão do lago que se mantinha iluminado pela
Lua.

Lestat sempre descreveu a Lua da China,diz ele que e tão clara que a imagem e muito nitida,nisso ele estava certo,sempre estava.Neste momento iriamos as pedras,tão frias e opacas quanto
a morte,Sofia quando iluminada pela Luz do mero luar tinha essa mágia de morte,tão pálida e reciproca que me dava caláfrios,primeira vez que a vi assim,a roupa tão branca que o contexto da
vida lhe desaparecia,davamos passos sobre a ponte o que a fez se apoiar sobre o imenso corrimão,não sabem o guanto aquela barriguinha era reta e saliente,seu corpo sempre foi muito fino e
delicado,para ser mais claro e o mesmo que pegar uma petála de rosa com medo de quebrá-la.

-Tem medo de algo?Percebo que sim.

-Não,nunca tive Sofia.

-Está mentindo,vejo isso nesses olhos de mel,pode ser claro comigo Tompei?

- E se eu não desejar falar ?

Seus dedos vieram aos lábios para me encher com mais beijos,ela compreendia isso.Sabia tirar todo meu nervossismo,admirável como ela me conhecia.Nem mesmo a cor de
canela tem tal abilidade,volto a citar:O vento vinha a correr forte para um ráio rachar o cêu,a chuva começava a cair forte pela gladra,para que?Entremos molhados e retalhados
pelo salão e subimos para meu clarto,algumas toalhas para poder me secar.Estava puro por isso,alguns chingamentos em ser Sofia ainda molhada,fui fechar a porta para poder
me trocar de roupa,envão,quanto senti aquelas mãos por detraz de mim sábia que a filha da mãe ia me levar a tentação de novo.

Não sabem como delirava ao ver aquelas mãos desabotoando cada botão da camisa,detalhe por detalhe ela foi desabotoando até pode tirá-la,em pensar que apenas queria
trocar de roupa,agradescia a chuva que neste momento estava fazendo milagres.As mãos a puxar meus cabelos,agora erá eu que desabotoava cada botão do vestido dela,tirei
cada peça dele,ela mantinha-se agora sentada na beira da cama a olhar,observava enquanto tinha tal gesto de delicadeza,as pernas tão bem delineadas,os beijos subiam
por sua fina cintura até pode chegar aos ombros;o pescoço curvou-se para tráz e ela cedeu.

Sempre fui um miserável quanto a isso,estava começando a delirar,mais não ainda,os braços curvados sobre o meu ombro esquerdo,agora as suas mãos tinha uma leve
força contra meu abdomem,gostava disso,ela sábia como lhe dar comigo,sinistra,estava sendo malvada,joguei as últimas peças de roupa no auto,que caissem ao chão,a noite ia
ser longa,mas ela me pedia algo que iria sofrer para concretizar.

-Silêncio,faça-o mais em silêncio.

-Estou ferrado.

-Acho que sim.

Esses foram os últimos sussuros antes de se perceber que seu corpo estava guente por demais,os lábios dela se abriam querendo gritar enquanto toda a transa e amor
acontesciam durante a noite,sempre aquelas pernas curvadas na autura da cintura,tão doce e silenciosa,estava sofrento,muito por que queria critar mais não podéria,estava
num inferno por esse pedido,os ráios coriam o cêu,dava para ver devido a constante iluminação que eles provocavam enquanto caiam,nesta autura as luzes estava apagadas
no meu clarto,tudo quieto,agora a puxava para a parede,voltava a está sinuoramente dentro dela,ela queria critar mais não o fez,sofrimento Marius,muito sofrimento em ver
aquele lábios gruindo em prazer.

Lá se foi algumas horas da noite em prazer com ela,minhã boca mordia seus ombros a ponto de finalmente ouvila gozar,mesmo assim,não houve gritos,apenas o mero
arfa da respiração junto aos beijos,o que me matava eram suas unhas bem polidas na pele,machucava as vezes mais não a ponto de aranhar por completo,voltamos a cama
para ficarmos mais tempo naquele ritmo frenético,ela simplesmente tinha o dom da ir além do esperado,seus cabelos umidos e molhados,leves gotas de suor no rosto.

Estava guente não iria ficar satisfeita tão fácil,agora davamos alguns passos descuidados ao banheiro,o que me fez fechar a porta,não dava para ninguém ouvir os gritos,agora sim
ela poderia gritar é eu amararia ouvila faz~e-lo,isso,isso de tão adoravei naqueles gritos de puro gozo e extaser.

-Continua,continua!

Masacrado por sua energia juvenil,não parava de fazer em nem um minuto,aquele pedido foi como um mero e pequeno combustivel que desejava,a segurava firme pela cintura até
os critos voltarem a tona,toda suada devido ao calor eminente,seus olhos tão delicados e fechados naquele prazer alhéio e delicioso,Tompei,ela nunca esquecia de sussurar tal nome
que me pertencia em sussuros quando voltava a dar aquelas mordidas nos meus lábios.

O que fazer diante disso?Nada a não ser puro rendimento de paixão;como falei:Ela sempre foi e será uma tentação para mim;conclúindose que quando fomos dormir cai no sono em
plena exaustão;apaguei para não querer acordar mais junto a sua figura ao meu lado,está perdido Tompei,esse pensamento não me saia dos pensamentos enquanto dormia junto a
ela,maldição que me foi aparecer na vida e que agradescia por issoo,seus braços curvados sobre mim,estava sonhando,admirável tal perfeição,os olhos fechados em plena paz,isso
que eu também procurava quando voltei a dormir pesadamente.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 39

Mensagem  Ana Nery em Seg 14 Jun - 10:51:51

Naquela manhã acordei sonolento,ela,já,não estava mais no Templo,hávia voltado para sua casa,me desbruçava nos travesseiros quando percebi isso,sempre vinha e ia embora muito
rápido,fiquei magoado por isso,mas entêndia sua atitude,estava encostado contra o espelho da cama quando meu pai entrou no clarto,quéria poder trocar algumas palavras comigo ao
acaso,ainda sentia aquele vigor dentro de mim,o vi sentar-se na mesa junto a varanda,me arrumava enquanto ele mantinha a esperar.Sábado,finalmente um bom e lindo sim de semana,
os longos cabelos amarrados para tráz,realmente complascente como Kaniban hávia de ser.

Dizia que não prescisava me preucupar,Sofia sairá apôs comer algumas frutas que ele mesmo prodênciou a ela,os sapatos pretos com meras calças negras davam um contexto
belo junto a túnica branca dele,ela tinha detalhes preteados em torno da londa mangá bem folgada,seus olhos ainda naquela espera enquanto terminava de me vestir,simples sandália
com calças escuras,puro linho,amava esse tescido,agora sim ia me sentar junto a sua presença.Estava curioso para saber do que tanto anciava,as mãos passeavam pela borda do
centro da mesa,dava para sentir o perfume de água no ar devido a Chuva constante é a voz entou forte.

-Tompei,até quando pretende ficar nesse jogo com ela?

-Quando vai entender? Não estou em um jogo com Sofia,eu realmente gosto dela.

-Espero que,sim para,depois não se decepcionar,afinal,começaremos uma pequena fase. Espero que apreenda em como fazer o Coquetel das Almas.

Não comentei mais nada,jamais iria abrir tudo a ele assim,num simples gesto de virtude que eu mesmo tinha para com Sofia;me conformava que com os dias ela provavelmente
não estaria mais comigo,aceitável ao ponto de chorar um pouco,Kaniban não sabia disso e nem deveria,levou os dedos aos meus cabelos e pediu para descer.Não estava com fome
ou muito menos animado para algo;procurava alguma camisa para vestir mais não a vi.Dando de entrada ao Jardim me deixei levar por minhãs vições sentando em cima daquele
gramado.

Kenjing vierá me trazer algo incomum,uma gesta com as Túlipas Negras devidamente polidas e tratadas,o segui ao salão ritualistico,entrar pelo corredor me dava caláfrios que
meu estomago doia,a porta aberta para ter a visão das velas e o caldeirão no centro,fui em sua direção para ver o que de encontrava nele,apenas água,mas nada que a deliciosa
água dos deuses imaculados,ele e que iria me ensinar,afinal Kaniban não compreendia como manipular as Túlipas,meu pai odiava mexer com a morte ou vida,disse Kenjing que
ele tinha recéio pelo que eu tinha desenvolvido desde a passagem de Buda,agora ele cortava o caule das Túlipas e desmanchava-as em petálas lá dentro.

-Tompei e tão simples como um toque mágico,por terem sido forjadas por Buda já tem a capazidade de por si fazerem o secredo resurgir.

-Que secredo?

-A vida e morte,mero julgamento que jamais devera deixar de fazer.

-Quer dizer que eu e que descidirei quem eu desejo ou não trazer a vida?

-Não:Quem devera voltar a vida e quem devera morrer.

O medo foi imediato,agora o liguido começava a tomar aquela coloração violeta quase negra,o brilho surgia com o perfume da morte até que a meiga fumaça branca subia em
ao ferver,não sabem a vontade de sumir ao presenciar tal avidez de Kenjing em fazê-lo.Lá ele pedou uma ganhola com lindo passo dentro,uma Coruja para ser mais claro,tão
negra e pelpura,seus dedos detravaram a porta para tirala de dentro e pediu para eu a pegar,deliciosa a sensação das penas,ele agora me entregava uma adaga nas mãos e
não entendi tal gesto.

-Vamos,grave essa adaga nela levando-a a morte,depois a traga de volta Tompei.

-Está louco?Não posso fazê-lo Kenjing.

-Pode,sim,devera fazer conforme quizer aprender.

A devolvi nas mãos dele para segurara-la,estava com dó de tomar tal coragem,mas tomei ao simplesmente enfiar toda lâmina no méio dela,se debatia junto ao sangue
escorrendo por minhas mãos,sanguê que agora evaporava nas minhas mãos quentes de vida,esperei a morte conclúir até que levei meus dedos ao seu corpo penoso,sem
mais comentários,Kenjing tinha que segura-la forte até que ela comelçou a se mexer em tentativa de fuga,iria morrer novamente se eu não derrama-se o Coquetel,claro
que peguei uma bela quantidade em um recipiente e derramava em cima,o mero vapor branco sumia no ar,dava para sentir por sua reação que ardia bastante.

Me odiava por isso,ódio puro até terminar,Kenjing apenas asenou em um finalmente,quando a peguei nas mãos não lhe restava nem uma evidência do ferimento que lhe
causara,intacta a tudo,desejei soltala entre as arvores,indo a quadra atravessei a quadra para finalmente ver mero voo em direção as montanhas e volta,trabalho conclúido e com
muito mero de vitória,meu coração desde que pisei em tal lugar sempre com tal mero de cede por vida,quéria viver e o tempo estava passando.

Os anos vieram desde áquele dia Marius,tão rápido e inlicito,meros 17 anos ao entrar de volta por aquele portão,deixei minha bolsa negra com todo material em cima das
almofadas daquele salão,meu pai apareceu a porta da bíblioteca,erá uma linda noite ao fazê-lo,tinha chegado de algumas provas seletivas para faculdade,na China e assim,se
consegue vai em frente e estava fazendo isso,estava esperando por algo,uma mera notícia que ele não quiz me dar,meus olhos passeavam pelos livros da bíblioteca,corpo
delicado,me ressumia a isso,sem falar na altura eminênte que sempre tive,do que reclamar?
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 40

Mensagem  Ana Nery em Seg 14 Jun - 10:56:30

Se ele não queria dizer tudo bem,que fosse,não iria importunalo e me retirei para poder escrever algumas anotações naquele velho e meigo diário,como falei:Graças
que Lestat nunca o pegou nas mãos,passei alguns minutos áli na varanda até que Xinhua entrá para falar comigo,erá isso,ela estava em casa,nossa,apenas vi a linda
caminhar em minhã direção e cair em meus braços,como estava linda,fazia anos que não a via,desde aquele dia que fora de volta ao templo de nossa mãe que nunca mais
a vi,inimaginável tal beleza,não dava mais para erguela,afinal,já,estava crescida em sua porjância de vida,os avidos olhos azuis averiquando minha expresão.

Invejável os gestos,me pediu para descer,quéria passar algum tempo,desciamos a escada quando vi que sua péle estava pálida,perguntei se estava doente com isso,
um não como resposta,lábios tão vermelhos como uma maçã,não citei nada quanto a sua rivalidade com Sofia,ela estava puta da vida por ainda saber que me mantinha
com tal problema,nada,nada a comentar novamente.Xinhua tinha suas covicções de mente,jamais negária tal feitige ao seu meigo irmão,que e claro erá eu em pessoa.

-Miserável,ainda problemático Tompei.

-Que nada Xinhua,mas como passou esses anos?

-Nada,apenas aprimorando mais e mais,sabe disso,Xinran me matária se parasse.

-Conseguiu ver ela ao chegar por aqui?

-Sofia?E claro que,sim,resumidamente está encrencado,uma Deusa,sem mais a lhe responder.

-Que bom que admiti.

Agora sim,uma faisca para começar nossa discussão,meras palavras fortes para terminar em alguns tapas em minhã face,estava furiosa,me mandou ao inferno,meu pai vendo a cena
ao sentir tal crítária pelo lugar,Kenjing dava risos diante disso,meus olhos queimavam ela,o quimono branco com detalhe vermelho perfeito,estava indo ao festival de verão em suas
apresentações,quando soube imediatamente fui querer me arrumar,jamais deixária tal linda solta a todos que quizesem desejar-la..O não imediato,infernos ao bater minhã mão contra
a parede,o que causou uma leve dor.

Ela saiu em direção ao carro que lhe esperava,bateu a porta quando tentei abrir,Kaniban corria diante de tal atitude,Xinhua erá teimosa demais,nos dois fomos deixados para trás
pelo carro,critavamos para voltar,agora a vizinhança toda olhava parada e nos demos á atenção de ódio,realmente indominavel,disse a ele que desse geito nela,ele teve que pegar
uma bela caneca dágua para se acalmar,as criadas dava tapas nas costas dele.

-Por Buda,meus filhos crescem rápido e eu sem fazer nada.

-Esperava o que Kaniban?Que fossem crianças para sempre?

-Não Kenjing,que suas inocências fossem mantidas

Uma piada entre os dois para me fazer cair na gargalhadas,agora sim entendia aquilo, vi que as ruguinhas apareciam no rosto de Kaniban,eram de preocupação,mencionei
isso ao sair naquele ataque de risos,estava sentado na proltona quando ela entrou,meiga e alta,terrivelmente uma mulher quase pronta;Sofia ficou olhando meu ataque de risos
e citei os dois naquela conversa na sala,ela saiu a procura deles.

-Que isso,sei pai em ataque de nervos por Xinhua?

-Sim,descaramente ela fez isso.

Vi sua expresão facial bela,o rosto bem delineado junto ao corpo realmente divino,a camisa bem justa junto as botas e calças jeans que vestida,tudo negro,ela amava tal
cor,as unhas claras e bem polidas,resumidamente descutia o por que do meu pai ter tal atitude,agora dava para houvir os lamentos do meu pai,falando que jamais imaginava
uma filha reciproca junto a um filho tão revigorado,Kenjing pegava agora uma garraga de Saque.

Ele engolia tudo,Kaniban bebia tudo,lá os tapas nos ombros e ajuda pisicologica,Sofia jogava os cabelos loiros e mácios para trás,atenciosa em houvir a conversa.Sem mais,
os critos de raiva as griadas houviam,lamento e mais lamento,Kenjing o levava para seus aposentos,não parava se sentir a dor no estomago de risos,Marius quem me dera passar
por essa esperiência,indescritiavel,claro que depóis disso resolvi ir comer algo,me enchia de do saque restante com Sofia áli sentada a mesa,com o tempo a coloração vermelha e
rosada vieram aos rostos,estavamos bebados depóis que pedimos mais e mais.

Ela mesma se servia naquela caneca negra,avidos goles e mais goles,repensavamos tudo que tinhamos aprontado aos anos,terrivelmente maléfico,Kenjing voltava e quando viu a
sena saiu em retirada,falava que todo mundo tinha enloquecido na casa,sim,enloquecidos pela cena de Xinhua,descaradamente amando como sempre,os fios negros e pesados caiam
aos ombros,começamos naquele delirio a discutir meu interesse por ser Historiador.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 41

Mensagem  Ana Nery em Seg 14 Jun - 11:05:51

Palavras vinham,iam embora naquelas pronúncias deliciosas de se ouvir,Xinhua iria me pagar quando volta-se,era isso que falava a Sofia,ela repondeu com um mero riso em sua
postura seria.Jamais a vira daquele geito,as virtudes que sua pessoa sempre teve não ia desaparecer mesmo que ela chega-se aos 100 anos,foi isso que citei ao irmos andar pelas
ruas proximas,chegamos a uma praça nessa vontade,a noite estava umida porém o frio de sempre se mantinha,as pessoas passavam em seus passos ascelerados,depois de tudo
isso ao observa-la descobri que de alguma forma estária preparado para sua partida com o tempo.

Ao menos nunca mais iria aprontar como fázia com ela,assim Marius:Nunca fui um homem de ir ao limite para realizar meus desejos,não tinha esse aspecto que se ver em quase todo
mundo,compreende?Sempre mantinha minhã tránquilidade,ela voltava a me perguntar o por que de tal ancia por adorar História,boa indole,foi isso que apreciava nesse mero passar
de tempo e a resposta véio para que áqueles olhos não se desgrudasem de mim.

-Hum...Pare para pensar Sofia:Se não fosse pela História jamais tériamos passado,presente ou futuro,averiguo por esse lado.

Espero que jamais fiquei magoado por isso.

-Não,tem razão,realmente divino poder entrar a fundo para analizar os fatos que nos levam aonde estamos e aonde chegaremos.

-Boa! Gostei de suas palavras,realmente contempla o que as pessoas decidem é o que fazem.

Ela tinha feito algumas descobertas de tecnicas de fosseis antigos,tecnicas para aprimorá-los,jamais pensei nisso,ela explicava tudo,nessa época de festival de verão muitas e
arduoas decorações por todo lado,e um momento em que tudo corre muito rápido nas Cidades Chinesas;tudo sempre fica aberto até mais tarde e a vontade de comer aqueles
bolinhos veio avassaladora,são bolinhos com rechéio doce que simplesmente derretem a boca quando comemos.

Sofia nunca tinha esperimentado até o momento,mas amou quando ofereci na minha volta,se um dia pudesse ter esperimentado Marius iria virar um fanático,todos ficam apôs comer
alguns dos deliciosos bolinhos doces.Os dedos de Sofia deslizavam os palitinhos pequenos neles para levalos a boca,claro que levava não um mais dois de uma vez,tão pequeninos e
delicados que desmanchavam.

-Tompei,nunca me citou tal inglária.

-Nunca me perguntou.

Agora via Xinhua andando pela rua com uma amiga dela que acabava de encontra,ela veio nos ver,tinha me encontrado em sua atitude descarada,corria como louca até que
dei um pulo da mesa da praça para cair no chão com ela em meus braços,fiquei pau da vida por isso,minha face corada com a sena,ela dava beijos em meu rosto,me chamando
de maninho azarão,séria presciso Sofia tira-la de cima de mim e conseguil para Xinhua se recompor ao sentar-se junto a gente.

-To chateada,não me acompanhou Tompei !

-Como? Bateu a merda da porta do carro em nossa cara !

-Levaram aquilo a sério?

Só podéria ser brincadeira,realmente ela estrapolava as vezes,fez o que fez e agora perguntava tal fato.A vontade de lhe dar alguns tapas foi grande,sorte que a Deusa se
mantinha áli.Os cabelos de Xinhua estava tão bem tratados e presos para trás com tal aprimoramento Chines,sem mais,ela sempre foi linda de se ver.Estava rondando o tal
olhar em volta para ver se ninguém estava a procura dela,que fosse um homem e o cacete iria comer féio.

Como falei:Jamais admitiria alguém com tal mérito em mão,sempre tive ciumes dela e claro,Sofia observava esse passar de tempo e percebeu.Agora continuava a comer
os bolinhos e mesmo assim não distráia a mente em tal missão,levando a mãos a testa vi os dançarinos da dança Chinesa passar,e claro que quéria ver,as acrobácias sempre
foram mágicas,misturando arte de guerra com o Dragão presente.

-Vamos,Xinhua venha comigo,não ficara sozinha e Sofia vai vir?

-Que isso,presciso ir,agora irei para casa dormir,estou com sono pelo dia.

-Ok,nos vemos depois.

Nada mais do que alguns doces beijos e finalmente empurrava Xinhua a minha frente,sua colega agora iria com outras pessoas,lindo quimono tambem,como a meiga olhava,
nada mais do que alguns critos em visão das danças comemorativas do Verão,os dançarinos mais que belos,o movimento daquela armação de Dragão era visionária a ponto de
fazela delirar.

-Calminha,calminha.

-Que nada,eles são bons,admito isso.

Tinha muitas pessoas nas ruas sim para tal feitige,os tambores entoavam para tosos ouvirem,os gritos em reverência a guerra continuavam,divino,depóis de horas em tal
lugar com Xinhua estava cansado,tinha tomado mais algumas garrafas de Saque e ela prescisou me levar no carro,meu pai critava comigo quando me viu apagago dentro do
carro,chamaram Kenjing e me levaram ao guarto,cai na cama a ponto de desmáio,o que o saque provoca e meras vições e as tive em sonho.

Enquanto dormia na cama fofa e acolhedora eles vieram,apenas mero sonho com sangue e a sombra andando sobre ele,nunca mais quiz me lembrar,acordei no dia seguinte com o
sussto na alma,como um ferimento,apenas um estridênte grito para Xinhua vir ver o que era.Agora ela estava desarrumada,apenas uma leve túnica totalmente negra,as sandálias
couraçadas bem ardonadas aos pés,seus cabelos soltos,o sol estava forte,suava devido ao sonho.

-Bebi demais,bebi demais Xinhua.

-Sim,Kaniban está a ponto de quebrá-lo a méio.

-Ok,agora deixa eu ir preparar uma bandeja de café para a gente.

Não foi presciso,gritei pelas griadas e as mandei trazer frutas,leite,biscoito e chá,veio em questão de minutos enquanto sentamos a mesa na varanda,as arvores iluminadas pela
claridade,o dia estava perfeito.Treinamento,nada mais além desse pensamento a mente ao me servir,ela me olhava incrédula a tudo,mencionava que jamais pensária que o tempo ia
correr tão rápido,ela citava as diferenças corporais,fiquei crieto houvindo.

-Alto,mais esbelto porém forte;sem falar nos cabelos mais longos Tompei.

-Hum?Que quer dizer com isso?

-Resumidamente um belo Deus.

Piada só poderia ser,pensei nisso enquanto comia,ela agora terminava para poder descer a procura de um belo banho,quando desci vi Kaniban,me chingava pela imprudência da
noite antérior,nunca tinha me visto tão bebado em toda sua vida.Entêndia sua mera preocupação,dei um leve tapa nos ombros em suma ingladade e fui me arrumar por que ele iria
pegar pesado naquele dia.

Claro que Xinhua apenas quéria ver,a vi sentar-se no chão com Kenjing,ele à acolheria o tempo que fosse preciso,nada melhor do que belas sapatinhas negras junto a calça com
faixa atada a cintura,tudo negro,delicioso pela leveza,briga o dia todo, rugido do vento vinha alto por detráz dele enquanto nos enfiavamos naquela densa vegetação,ele sempre a
minhã caça.Corria por entre as arvores altas em pensamento de tática,ele quéria que eu consequisse envocar e encontra almas.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 42

Mensagem  Ana Nery em Seg 14 Jun - 11:13:07

Consegui depois que sai em transposição de carma,emanava ele por tudo lugar em meu chamado,as sombra começaram a aparecer,aos montes,tive que sair subindo nos troncos
em observação,kaniban nada fázia,elas saiam em minha procura,estava puto com isso ao fato de sair correndo pela ponto ao sentir que elas conseguiam subir nas copas,a queda
de cima das arvores foi inevitál,ja,correndo desse geito dei de frente a quedra,Xinhua ao olhar tudo,me mandava ao inferno pelo que fiz.

Era para ter chamado elas,mais não em tal quantidade,não quiz ajuda de ninguém por que queria fazer algo que nunca fuz,saber selecionalas,sim,saber quem elas eram para
depóis sair queimando cada uma,traspuz o vento sua volta,estava presas nele,agora ia pensar áli sentado no chão,espandi toda mente na direção delas,via a vida de cada uma,
indescritiavel como a visão me vinha a mente;Kenjing atônito naquela espera.

-Preciso julgar,não e?Só assim encontrarei as almas para depois de vê-las no corpo.

E foi assim Marius que descobrir como trazer as almas a vida do modo como encontrei a alma de Nicolas,amava saber que nem uma áli presente tinha bom coração ou atitude,
o motivo para queimá-las estava escrito e feito,que todo carma fosse para a lâmina da espada,estava concentrado e fiz o que fiz ao sentir o vento correr forte em torno de mim
e para conclúir quando tentei jogar a espada áli dentro delas o rugido dragoniano veio.

Xinhua caira para trás,não acreditava que tinha conseguido,erá isso que mecionava ao ver as faiscas caindo ao chão ao eu conclúir a queima total.Se descrever como meu pai
ficou séria como ir ao além,saiu da vegetação gaguejando o que não conseguia falar.O que fazer?Que fosse,apenas estava me aprimorando mais e mais.

-Tompei,sabia que iria fazê-lo mais não tão cedo.

-Não esperava por isso,não e?

-Nunca,evidente que não.

Estava fatigado,meus ossos doiam por que o desgaste erá claro e evidênte para mi, mesmo com isso meu corpo ainda não tinha condição de aguentar essa ação por muito
tempo,o perfume da morte entoava nor ar,foi o que senti ao ver Kenjing segurar meu pai pelos braços,não sábia que isso acontesceria,Kainiban estava fraco,agora Xinhua
dava seu sobresalto com um lenço a limpar sua boca ensanguêntada.

-O que isso sighifica?

-Não sei Xinhua,estou cansado,mesmo jovem estou cansado e não sei o por que.

Levamos para seus aposentor,ele quéria tomar um banho,nunca pensei que tão jovem assim ele estava começando a definhar,era esses os pensamentos que me vinham a alta
mente,Kenjing não mencionava nada enquanto o carregavamos ao painel,agora meu pai poderia relaxar um tempo e nos retiramos.Xinhua andava de um lado a outro quando cá
estavamos no salão,não acreditava nisso.

-Um custo caro,não posso imaginar,mamãe vai chorar,Tompei.

-Como assim?

-Tudo que vivemos tem um custo,Kaniban está definhando,ter sangue de um deus,o corpo humano não aguenta por muito tempo.

Sangue de um Deus,palavras que vieram como facadas ao coração,erá isso que nunca soube.Não poderia acreditar,silêncio,isso sim que quéria ao subir e me deitar,passei a
tarde toda naquele vai e vem.A mais pura verdade e que ele estava morrendo aos poucos diante de tal dádida,como Buda pode sagrámente um humano com o sanguê de um deus?

Mais um inferno,Xinhua agora entrava para se deitar ao meu lado,estava sonolenta e adormesceu em meus braços,por muitos motivos ela estava triste,uma mera rosa ao
acaso,sera que o tempo cura as feridas?Não,acreditem que não,o tempo nos marca para nunca mais esquecermos daonde viemos;Xinran chegara a noite e nos acordou,Kenjing a
chamou de imédiato para avisá-la.

Aos poucos eu iria me recuperar,mas saber que Kaniban carregava o sangue de um deus nas véias isso,sim,não iria aceitar nunca,por muitos aspectos compreendi o por que nunca
mencionou isso a mim,foi isso que minhã mãe explicava,ainda bem que ela pegou uma e bela condução rápida.Nos encontravamos no salão de jantar,Kaniban estava a ponto do
enloquecimento enquanto mantinha um lenço a boca,as gotinhas de sanguê não paravam de sair.

-Inferno,queria não viver com isso.

-Querido acalme-se,sempre tem essas grises quando o sangue explode em poder.

-Sei que,sim,mas doi por dentro Xinran.

O poder explodindo atravéz do sangué,palavras fortes,agraças que não era a morte ainda a chegar;momento passageiro,lindo vestido que Xinran usara com a cor vermelha
e pequenos desenhos de dragões dourados por todo extenção,as mangas longas em mero abraço a Kaniban,sempre foram ao limite sem seus obstaculos,a crise iria durar uma 7
dias para passar.

Poder falando mais alto,realmente divino tal descoberta;sai em risos ao saber que seria apenas momento,mandei o motorista me esperar para eu poder ir pegar os resultados da
seleção a faculdade,estava terminando o colégial e tal fase chegou,coloquei apenas uma blusa preta de ceda e sai.Finalmente quando voltei para casa tive coragem de abrir pacote
com os papéis dos resultados,Xinran olhava em ancia.

Coragem em retiralos e saber que tinha dado certo,boa seletividade quando ela viu em meu pedido;primeiro periodo começária no proximo ano assim que tudo fosse conclúido
no colégial,não contive os pulos a pegar Xinhua nos braços ao vela entrar pelo salão;ela não entêndia até que ouviu das minhas palavras,as dancinhas corriam entre eu e ela.Nada
mais do que isso em meros delirios;tinha sido complicado,mas consegui,o que me deixou pasmo foi a rapidez em eles terem corrigido todas as provas e dado as notas,divino.Meu sonho ia se concretizar:Historiador a descobrir e a desbravar toda a história do mundo.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 43

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 19:09:19

Desejei ir ver meu pai,sabia que ele ainda se encontrava em descanso,estava em seu quarto quando bati a porta ao entrar;as criadas tinham ascendido algumas lamparinas
que estavam em cima da mesa,seus olhos semi-abertos e simplesmente o deleite do sono lhe cáia em plena paz,suava forte,estava com febre devido a perda de sangue.
Agora eu tive a ousádia de pegar o pano úmido e passar em sua pele nos braços que,já,estavam fracos e secos.

Soudades dos velhos tempos,por um momento vi o guão o sangue lhe era forte para o corpo,isso acontesceu quando lhe toquei a pele,conforme ele corria em suas véias
fazia com que o eglodissem.Conforme tirava minhã dúvida ele agora abriu os olhos ao sentir minhã presença,piscava devagar,sua respiração lhe erá delicada e segurou a
minhã mão bem firme,desejava que jamais partise.

-Não vai acontecer isso,sabe que não.

-Sabe Tompei?O poder do sanguê acumula com os meses e explode dentro de mim,isso me deixa assim:Fraco e sem ação;não consigo transpor isso por que não posso
trazer vidar.

Mas você?Nunca passar por isso Tompei.

Indescriti´svel a forma como ele mencionou essas palavras;agora a dor era máior.O poder acomula para depóis fazer sua exploção no sangue,só a morte pode bloquear
tal efeito,sai me sentindo morto diante disso.Ele estava dormindo agora e confeço que caiu em prantos nos braços de Xinhua lá em meu clarto;nuna chorarei a esse
ponto,mesmo com a frieza dele jamais deixou de ser claro.

Aos poucos o corpo de Kaniban iria ser tomado pelo sanguê,essa será a verdade,Xinhua não entendia minha crise que e claro não quéria sair de perto dela,nossa mãe
tentou entrar no quarto mais não quiz interver;saiu em recolhimento diante da sena.Observação,séria isso que estava procurando?Atenção de amor e sentimento para ele.
Quando ele iria embora não sábiamos,mas que iria acontescer isso era fato.

Minhã irmã agora estava deitada sobre mim entre os travesseiros,me dava alguns e meigos beijos no rosto,o vento entrava pela varanda para vir em nosso toque,ela ao
menos sabia a mais tempo,estava mais tranquila que minhã pessoa;Xinhua tinha mais sangue frio que minhã pessoa;isso tinha que admitir.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 44

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 19:12:14

Pequeno passar de tempo para vir nosso jantar no clarto,Xinran mesma que mandara ir em preparamento e já nos pedia para nos alimentar;olhos inchados,eu e a doce Xinhua
entraramos em depressão juntos por tudo;não iria ter forças para simplesmente treinar no dia seguinte,O Fogo Do Dragão já estava em alto nivel por mim,meu pai dessa vez
escaparia,mas na proxima já não teria certeza,fora isso que Xinhua citou a mim ao vir em tentativa de limpar as lágrimas.

Ao menos seus risos me faziam melhor;não quéria ver Sofia tão cedo,mandei Kenjing avisar caso ela aparece-se que não estava disposto a isso,me sentia mais um poço de
ambiguidade do que bem.Nada estava bem e se não estava tránquilo não iria me sentir em total ação.As coisas iriam se resolver,Kenjing viera comer com a gente,trazia uma
linda lagosta assada e bem suculenta,pegou a cadeira e pos uma bela garrafa de Saque a nossa disposição,Xinhua já bebia avidamente.

-Queridos filhos,jamais precisam ficar assim,tudo se manterá.

-Acha que Kaniban recupera as forças?

-Sim,Tompei,pode ter certeza,mas na próxima já não sei. E a terceira vez que acontesce isso e o desgaste a cada acontecimento e grande.

-Evidende que,sim,o que ele quiz dizer com morte poder transpor ao poder?

-Assim:Se ele tivese conseguido apreender tal dom que tem se morrese em uma das exploções de poder no sanguê podéria voltar ou neutralizar,compreende?

Nossa,completamente evidênde,únicamente passei a ter medo de isso acontescer com minhã pessoa,afinal tinha o sangue dele correndo em minhãs veias,Kenjing percebeu o
pensamento e respondeu que não,afinal não tinha nem metade do poder de Kaniban e ao acaso nunca chegária em seu nivel de conhecimento,agora sentia o merito que ele tinha.

Mais uma maldição do que uma dadiva na vida,erá de se imaginar que era doloro sim conviver,comiamos devagar naquele deleite de conhecimento,Xinhua já bebada ao ver
do choro,mas pedi algo unisitado ao Kenjing,que jamais deixase alguem tocar em meu diario,ele entêndeu a mensagem e o pegou ao ler,rapidamente se deu conta das anota-
ções.Que fosse assim,compraria outro ja que esse tinha sido completamente escrito.

Esse sim Marius e meu verdadeiro diario,o que o Lestat viu não corre e nem tem as citações que cá o antigo tinha.As soudades batiam para avassalar à alma,meus olhos
estavam apasiguados,o que me fez querer Sofia em meus braços,mas não,iria aguentar até tudo passar,o toque dos dedos de Xinhua vieram ao rosto junto aos arrepios,tinha ido
ao delirio mas me recuperei.Tudo terminado e Kenjing saiu para dormir,as criadas vieram retirar a mesa e nos dois dormimos áli mesmo,gostoso perfume de Xinhua jasendo em
meus braços.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 45

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 21:46:08

Mas acordei no dia seguinte com uma pergunta:O por quê,se caso meu pai,tivesse tal aprimoramento poderia voltar,perguntei a Xinran no café,ela acabara de acordar e estava ao
máximo de energia,resposta clara para mim e Xinhua que tambem estava sentada ao meu lado,ela disse que uma alma que morre duas vezes não tem autorização de voltar a vida
novamente,isso foi a gota dágua,meus neuronios em erupção por não entender o que ela queria dizer com isso e véio novamente as palavras que tanto anciava enquanto eu bebia
chá.

Kenjing sentando em silêncio a observar tudo;ao menos a companhia dele me era meiga e reconfortante;prescisária de mais observação nas novas anotações,meu novo Diário foi
comprado por ele e estava em cima da mesa,dei um obrigado pela atitude,o que iria fazer com que pudesse andiantar as escritas nele,disse que meu pai estava aos poucos melho-
rando,ao menos algo apasiguador.

-Tompei seu pai,já voltou duas vezes da morte,agradesça ao Kenjing por isso,que não o deixou ir,nas duas primeiras crises ele morreu por não ter tal requinte,na última ele teve
que aguentar sozinho e nessa ainda bem que não e uma das exploções de poder piores,e na próxima ai,sim,quero está preparada.

-Aterrador mãe,simplesmenter puro horror que não quéria que acontescese;por quê Buda,senhor das almas forjou tal pessoa com o poder de um deus?

-Sempre tem que ter um equilibrio,isso Buda descide,Kaniban e a faca e o gume que Buda sempre prescisou,ele o ajuda a manter esse tal equilibrio que jase em méio a
uma epoca de pura guerra de almas.

Se Deus e o Demônio criaram o universo,Buda criou as almas e jamais,jamais as entregaria a esses dois holocaustos.

-Entendo,de certo modo e isso que Kaniban ajuda.

Xinhua sempre explicada em alto nivel o que acontecia,gostava disso,Deus e o Demônio não tinham o direito e nem poder sobre as almas humanas e Buda erá o responsável por
isso,de epoca em epoca ele forjada um humano com seu sanguê para assim ajudalo na longa caminhada,soltei risos diante disso.Realmente divinho saber dessa história,amei a
ponto de trazer o brilho aos meus olhos novamente.

Kenjing aprovara com mero aseno o que minhã mãe citou a mim e a XInhua que cá iria terminar seu café no salão de entrada.Vieram o passar dos dias daquela semana turbu-
lenta e ao ver meu pai entrar pelo salão de jantar o esmero da mente iria se transpor a ele.Vi que de alguma forma ele estava forte,porém desgastado.A pura verdade e que deuses e
demônios sempre estavam em guerra pelas almas humanas e Buda realmente protegeria tal aldásia sobre seu mero reino de apreciação e cobiça as almas que ele mesmo forjou.

Isso que meu pai citou ao sentar-se ao meu lado na mesa,estava comento frutos do mar no jantar,erá noite e acabava de chegar do colégial,tudo indo bem conforme eu desejava.
Senti as mãos roçarem os fios do meus cabelos para assim ele me dar um abraço,Xinhua e Xinran já estavam em sua casa,acolhidas pelo calor de lá.

-Seja bem vindo novamente Kaniban.

-Obrigada filhote demôniaco e dou parabens para conquista a faculdade que começa ano que vem,tudo dara certo.

-Sei que sim.

-Cadê Kenjing?

-Saiu para fazer algumas compras,nada demais.

Ele começou a comer avidamente,quase não tinha se alimentado nos dias da crise de aterração a sua alma;intacto a tudo que passou;agora se deliciava com tudo posto a sua
mesa.Dava para ver que a fome lhe erá constante;ficamos áli por algum tempo e depois me falou que iria recomeçaria os treinamentos no dia seguinte,mesmo chegando ao a sua
idade estava vigoroso,mas por quanto tempo?

Senti o poder voltar a acumular,erá sempre assim como me disseram,terminado tudo ele iria ficar preso no sangue para depóis explodir,medo e tensão naquele gesto quanto peguei
em suas mãos frias e pálidas,que assim fosse,ao menos ele me citou e confirmou que não iria passar por isso,podéria até passar,mas levaria anos e teria que ser realmente um alto
custo para tal aldásia de Buda;fui ao clarto em meu deleite de anotações no novo Diario, agora sim erá o que usava em Rosas e Sanguê,que Kenjing protegese o outro que mais
presava com sua vida.

A noite estava limpida e deliciosa,Sofia devéria está ocupadissima com seus compromissos,erá de aceitar sem reclamar,pensava nela ao manter a escrita no papiro puro e deli-
cioso de escrever,a Lua forte em seu alge,epoca de Lua Chéia para meu delirio,as corujas cantando junto aos crilos em sua vegetação forte.O vento frio e calido para refrescar a
temperatura.ao menos a Túnica de ceda Branca que usava me foi deliciosa e confortável, amava o esmero detalhe em fios negros sobre o tescido,as sapatinhas sempre da mesma
cor e a visão de vossa pessoa Marius a entrar pelo portão foi um feitiço,fiquei da varanda a apresciar sua vinda ao meu pai,depóis de tempo e que viera me devolver os livros.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 46

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 21:56:22

Claro que deixei meu Diário na mesa da varanda e desci as escadas,lá estavam vocês a por todos os assuntos em dia,apareci por detráS de Kaniban para ter uma visão ampla de
tudo que pudesse absorver,a complexidade com que a vida e esmero correm e para nos deliciar com cada gota que de derrama a nossa frente,foi isso que conclúi ao velo cami-
nhar em minhã direção,tempo,nisso eu concordei ao sentir o pelo do abraço em meu e ávido corpo humano.Nostálgia comparado a um deus,limpiros cabelos loiros amarrados
para trás,a roupa emanando antiguidade divina,disso eu gostei sim,o vermelho do sangue e guerra.

-Está crescido Tompei,quase a minhã altura menino.

-Que isso,nada demais,mesmo diante de meros 1,76 eu me conformo em ser pequenino ainda.

-Sei que,sim,como anda os aprendizados?

Isso foi caláfrio,não?Melhor,um golpe com faca de fois gumes com a qual gostaria de não ter presenciado,sim,ávidamente percebeu que estava indo bem,não que me compara-se a
Kaniban,mas feliz em me aprimorar mais e mais a cada dia que se passava.O toque forte dos dedos em meu rosto para me fazer me afastar;assim sentou-se a deixar os livros na
mesa central a nossa frente,claro que perguntava como meu pai tinha se saído diante da fase no sangue,revoltante por que jamais me conformária,mas tive medo ao ouvi-lo falar
que a mente maléfica pode se apodera do ser humano.

Meus olhos a passear diante de cada detalhe de seus gestos ao houvir as menções que falaria por algumas horas,não sou louco de falar diante de todos,realmente segredos são
para serem mantidos nem que isso nos custe a vida Marius,sempre tive noção disso em todos os meus problemas.O brilho da luz dava mais vigor aos olhos azuis para assim eu
ver o ar sobrenatural,quéria saber o que isso sighificava,não ousária saber sem permissão de vossa pessoa.

Neste passar de observação seus olhos vieram a mim,senti que vasculhava cada mero e detalhe que poderia clardar,depois de palavras trocadas com Kaniban o chamado véio
para assim subir,agora sim minhã vontade de saber de tudo erá mais forte,mandei ir a varanda,mesmo assim iria até o fim,quéria testar o que fária diante de minha imprudên-
cia,meus braços esticaram de modo a levar as mãos a sua face divinamente delineada,coragem,isso que se passava na mente.

-Hum..Diferente,a pele e fria como um gêlo Marius,ainda mantém a palavra de que é humano?Se mantê-la estara metindo.

-Tompei não provoque o não deve ser tocado ou ultrajado;não quero chegar ao nivel de machucá-lo,não merece.

-Será mesmo?Isso e uma resposta muito vázia senhor.

A provocação foi demais quando continuei a movimentar meus dedos até sua boca,lá estavam os pequeninos caninos afiados;agora sim tinha certeza mas como citei:O
que realmente erá?Isso sim eu não sábia o que vossa pessoa não quiz falar para mim.A sua respiração ficou forte,continuava minha verificação e o tapa nas mãos para me
afastar,meras desculpas para sentir a dor das presas afiadas em meu ombro,claro que me arrependi completamente,agradesci a minhã força por poder telo afastado.

Odiava ver o tecido da minhã túnica manchado com aqueles gotinhas de sangue,em sua graça desceu para pegar os livros e deixalos em cima da minhã mesa,bela retirada ao ver
atravessar a muralha,desde aquele dia nunca mais o vi até o dia em que Lestat e cia estavam presentes em minhã casa.Foi um mero vislumbre Marius,me deu um mero vislumbre
do que tinha dentro de você,as mãos apertando o pequeno ferimento ao ombro,agora,sim,estava passando,a dor cessara conforme mantinha apresão com os delicados dedos.

-O que isso sighifica?O que realmente há por detrás disso tudo? Será que os Deuses ultrajariam os humanos nessa forma?

A noite iria passar,sim,iria passar,mesmo dolora véria como a visa pode ser gostosa e bela de se viver;estava preparado para o dia seguinte.A grande responsabilidade só vem
quando nos damos conta dela.Sofia neste momento não sáia da cabeça,quando desci meu pai me esperava e viu tal ultrage a minha pessoa,os risos emanando por toda casa,levou
os seus dedos a sua boca para tentar prendelos mais não conseguiu.

-Por quê rir?

-Provocou o que não deveria provocar Tompei.

-Engraçado,grande coisa.

-Não e o que pensa,Marius De Romanus realmente não admite tal ofença a ele,divino.

Me deitei no seu colo para adormescer naquele sofá imenso,acordei áli pela manhã,fui tirar a túnica ainda ensaguentada e recebi notícias de Sofia,iria vir me visitar,estava com
soudades dela;infelizmente ela iria viajar para São Paulo,kenjung passou casa palavra a mim para me deixar magoado,em uma semana Sofia já não estária na China,segurei as
lácrimas para ninguém velas,assim passei grande parte da manhã aprimorando mais o fogo dragoniado.

Kaniban apóis esse mero passar de tempo me pediu o aprimoramento de anatômia dos huamnos,ele citou que iria ter que saber de tal mérito,o que me levou claramente a ter
um treino de desenhos,agora sáia a papelária mais proxima para trazer um belo pacote de papéis e joga-los sobre a minha cama,o perfume das flores aflorando vinha no ar de
tão forte.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 47

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 22:03:40

Como passei a tarde me deliciando em fazer os desenhos,passeava meus dedos nos livros de Biológia para assim passalos aos papéis,perfeitos,nunca iria saber que tinha tal talento
se Kaniban não me tivesse pedido,o chamei ao clarto para ver os desenhos com as partes humanas,apenas os passos para trás e os comentários meramente frios como sempre os
mencionou.Meus olhos o queimavam diante disso,tinha sofrido para fazelo é era assim que ele agia?

Soltei alguns tapas em seus braços para ele acordar o delírio,Kenjing agora entrava para olhar,ele sim admitiu que tinha talento nos desenhos quase que perfeitos,soudades dessas
citações que ele agora falava;meu pai erguia os papéis no ar em deleite,girava em todas as posições.Quéria saber o que Xinhua ácharia de tudo isso;nada com que me preocupar
a não ser a partida de Sofia.Neste caso as mãos de Kaniban a bagunçarem meus longos e pesados cabelos negros.

-Perfeito Tompei,isso e para memórizar como o corpo e formado.Um dia terá que reconstruir corpos,neste caso chame Marius pela mente;sei que ele poderá ajudá-lo,nada como
o mero acaso.

Não tenha medo disso,ele atendera,ele sabera como fazelo caso em algum momento for prescisar.

-Sim,obrigada pelo conselho,quase tudo terminado e por favor quero ficar sozinho.

-Como desejar.

Foi na noite que Kenjing me chamou desesperado,Sofia estava saindo na limosine na sua espera para levá-la ao aeroporto,ela me chamava para poder me ver uma última vez antes
de sair,me segurei quando a vi parada a frente,as malas sento postas no porta-malas em compartimentos.Não tive vontade de comentar nada a ela,entendia que agora ela iria ter-
minar seus estudos em São Paulo,iria ficar sozinha,tinha o apóio do seu pai e mãe nessa longa caminhada.

-Tompei,não vai me dar um abraço antes deu ir?

-Desculpe a demor,e que não sei como agir linda.

O abraço foi doloroso,não queria chorar na frente dela mais não contive a vontade,seus dedos apenas delizando abaixo dos meus olhos,respirei fundo quando senti beijos arduos
e cedosos.Paciência,isso que téria que ter até tudo acabar,agora ela entrava dentro da limosine que partia pela rua principal,kenjing quéria citar algo mais o mandei calar a sua
boca,estava triste,saimos silenciosos pela imensa escadária de ascesso ao Tempo,portão a bater firme.

Quando meu pai viu minha situação quis conversa comigo,mas sem animo,não jantei ou sequer tive fome,não sabe como chorei a noite toda Marius,primeira vez que minhã
vontade vinha constante,a porta estava fechada para que não pudesse ser importunado.Os baixos gritos de dor saiam da garganta a noite toda,um mero travesseiro que segu-
rava contra,mim naquelas pernas curvadas.

Em nem um limpido momento deixei de me lembra dela,coração partido,como o nosso espelho de lembranças,mesmo assim mantinha a esperança de rever Sofia,nem por um
mero olhar mais quéria vela;que sua descisão a levase para um grandioso destino que tinha vontade de conquistar;desde aquele dia meu coração nunca foi o mesmo,em nem
um averiguar senti que séria o mesmo.

Foi o que acontesceu quando Kaniban me viu descer para ir ao colégial no dia seginte,ele comentou que nunca me viu tão deprimido a ponto de chorar a noite toda,ele tinha
ficado no pé da porta esperando eu abrir,mas entendeu o por que;apenas complementou dizendo que meu olhar tinha mudado,sem dúvida nem uma um frieza inexplicavél tinha
se aposado de mim,meus olhos emanavam isso,sempre emanaram até os dias de hogê que cá cito isso a vossa pessoa Marius,não pode ter falado a mim mais concerteza sente
isso.

Em continuação eu sái sem comentar nada,Kenjing estava parado a pora,ele me foi ao carro comigo,finalmente pude sair para só chegar a tarde,ao menos a esperança erá o
meu motivo de continuar indo adiante;mantinha essa meta para fazelo,eles me esperavam na quadra em sua paz.Trajados em túnicas negras de linho,cabelos longos como sempre os
apreciavam;novamente a forte respiração para me manter em plena razão,se não fizesse isso iria pirar.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 48

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 22:11:09

Tive que esperar até Kenjing poder voltar de uma ida ao seu quarto,ele subia as escadas ao pedir licença,sentei no chão envolvido por meus pensamentos.Kaniban atônito pelo meu es-
tado.O que ele esperava?Que depois da partida de Sofia estivesse me sentindo bem?Claro que não,foi essa a resposta que lhe dei em plena calma,seus olhos passeando por mim ao
acaso,me pedia disciplina como vinha desenvolvendo,erá um trabalho arduo que não se via um fim,a vida do início ao seu termino se resumia aos conhecimentos.Fitava a mesa pólida
em sua iluminação pelo sol e lá Kenjing descia a escadaria com uma pequenina caixa negra nas mãos.

Fiquei curioso em saber do que se tratava.Deixei meus dedos abrirem ao pegala de suas mãos,os dois alternando seus olhares em minhã pessoa,eram pequena lâminas que eles
mandaram forja para mim,lâminas de desecação de corpos,repudiei a idêia devolvendo as suas pessoas,disse que jamais fária tal pecado,agora o vento corria forte em todos os can-
tos.Avidos cabelos de Kenjing a andular sobre tal miragem da vida,me fuzilava pedindo o aceitamento.

-O quê?Aprender a desecar corpos?Isso e contra meus principios.

-Sei que,sim,Tompei,mas por favor e nescessario para caso futuramente prescise reconstruir corpos,as lâminas apenas servem para moldar os ossos e dessecar a carne.

Sabem o que eu fiz?Me ajoelhei na frente deles para que não me obrigarem a isso,jamais desejária ultrajar a carne humana,que assim consideramos intocavel;não adiantou muita
coisa não,meu pai foi ao Lago para pegar alguns Gansos,sim,sempre estiveram lá.Não foi muito passar de tempo para que suas mãos abatesem três deles e trouxesem ao meu en-
contro.Nada de discutir e sim me conformar para por as mãos a obra;téria que aprender para não deixar nada escapar,Sofia não me Saia da mente;coração partido por sua ausên-
cia.Os dois sentaram-se ao meu lado para ir me explicando várias coisas,apreendi de imediato que a tecnica de dessecação e a mesma para qualquer tipo de animal,até mesmo os
humanos.

A essa altura já depenava os gansos para deixalos sem nem uma pena sequer em seus corpos,o que se passava na minhã mente não e para contar aqui diante de vocês,quéria
fugir em meu desespero;mal sabia como deslizar a pequenina lâmina por aqueleles corpos diante de mim.Kenjing ia me explicando em todos os detalhes que desejava saber,todas as
duvidas indo embora,já conseguia corta melhor a fina pele dos Gansos mortos.Foi rápido e sem medo,ia memorizando todas as partes,isso que eu prescisava,sem falar que os meus
desenhos tinham me ajudado a conhecer de baixo a cima como os corpos em geral eram formados.

Tão simples e meramente inocênte a ponto de agora Kaniban soltar risos,mandei ele ir ao inferno e calar sua boca,não estava com paciência de aturalo com sua indole fria e
calculista,recado dado e agora continuando o trabalho de dessecação dos Gansos abertos e com os orgãos expostos para minhã visão;ia tirando tudo e jogando dentro de um bom
recipiênte que já estava ao lado,odiava ver as mãos sujas de vermelho,o calor véio ao meu corpo já sujo;quando terminei quis ir tomar um banho,mas não,meu pai arancou minhas
roupas e me mandou continuar o treinamento no Lago.

-Isso eu chamo de inferno,não ver que eu não quero mais isso?Gostária de voltar a casa de Xinran,morar com ela sem me preocupar com mais nada.

-Isso que falas me desepciona Tompei,não deixarei mais de Dois mil anos irem por água abaixo por sua inrresponzabilidade,agora caminha ate aquele lago e deixe o fogo dragoniano
queimar dentro de você.

-O que quer dizer com isso?Não entendo suas palavras Kaniban.

Foi imediato,do nada vi as arvores balançarem forte para sentir algo descomunal entrar no meu corpo,estava queimando por dentro;erá como que se todos os musculos estivesse sendo
queimados,carbonizados,ele me disse que tinha que suportar altas temperaturar para assim que tivesse que trazer um humano a vida está preparado.Fui ao chão quase desmaiado segurado
pelo Kenjing que agora me carregava para o Lago,Kaniban caminhava ao lado dele ainda ao acaso.

-Tompei não reclame,prescisa aprende a suporta isso por que trazer uma alma humana ao seu corpo lhe custa muita energia e que e claro não pode ser jogada fora.

Suor escorrendo por meus cabelos até que fui jogado da porte,cai na água em pleno alivio,mesmo assim sentia tal calor,tive a impressão de que a água borbulhava com a alta
temperatura,já estava chegando ao fundo para ficar jasendo por tempo inderteminado lá.Tive pesadelos que nunca mais esqueci,pesado,doloroso e arduo como sempre,desde o
inicio de tudo meu pai não deu moleza em nem um momento comigo e não seria agora que iria voltar atraz de sua indole.

Pulmões doento por não poder respirar,para completar o calor correndo em cada membro que se possa encontra.A complexidade para suportar aquilo foi tanta que subi em pedido de
ajuda,envão ao receber o empurão me direcionanto para baixo;iria ficar nessa situação ate eles descirem que já sabia como dominar o calor.Que fosse assim,nem que durase o resto
daquela tarde iria suportar e foi o que acontesceu ao chegar da noite,ainda me mantinha no fundo do Lago quando senti meu corpo absorver toda temperatura dentro dele,resolvi subir
a superficie.

Já tinham descidido,finalmente pude sair enrolado numa bela manta negra até o meu quarto,o sono constante devido a falta de forças,meus cabelos molhados sendo penteados pelas
criadas,estavam longos,isso,sim,que me dei conta ao ver chegarem a cintura,sentia tanto frio que tremia pelos musculos.As roupas foram deixadas em cima da cama para me vestir
em pura ceda negra,os botões da camisa prateados junto a calça com faixa branca na fina cintura,as mãos tão palidas que os dedos estavam enrugados.

O que isso podia sighificar?Trazer vidas de volta exigia tal requinte?Sim Marius,não nego que fez diferença quando trouxe Nicolas de volta,mesmo tendo toda a camada de gordura
do meu corpo queimada pude sobreviver,mas volto a citar mestre as arduas palavras da minha vida.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 49

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 22:23:11

Não quis jantar aquela noite,pensava em Sofia,fiquei deitado sobre os travesseiros fofos,sua doce imagem passava pela mente,estava com soudades dela,ficaria sozinho por anos
a fio,isso que descobri analizando as passagens de lebranças.Estava novamente chorando,mas dessa vez por dentro,chorava por dentro para ninguém suspeitar da magoa que man-
tinha dentro de mim.Nunca desejo que alguém passe por isso,esta longe de uma pessoa a qual ama de modo incondicional;nisso que meu sentimento por ela se resumia,agora a Lua
vinha ao Céu junto com as estrelas calidas e brilhosas,a visão magistral para minha calma.

Me levantei,fui a varanda para apresciar aquela noite,meus cabelos ainda molhados junto ao frescor de limpeza,estava mais frio,a noite séria fria;só em ver o vento dava para se
ter essa conclução;Kenjing abril a porta devagar para poder vir em direção a mim,olhei sua figura ainda naquelas vestes negras a me fitar;perguntou o que passava,respondi de
modo seco para sua surpresa.

-Não sei,estou com soudades dela,sabe de quem.A dor não vai passar.

-Sei que não,ao menos tera que aprender a conviver com a ardua ponte que há entre vocês dois.

-Gostaria de ir embora,largar tudo,sabe?Estou enloquecendo Kenjing,se ficar áqui,mas alguns dias vou sair de minha razão,não vou saber quem eu realmente sou.

-Já não sabe quem e desde que ela partiu,seus olhos emanam e mostram isso.

Ele tinha razão,tinha ficado vazio e seco por dentro,não me reconhecia.Minha frieza tornou-se descomunal sem a presença dela,respirei fundo quando senti o abraço forte,mesmo com
tal merito não via alguma razão para ter vontade de continuar,anciava pelo que me esperava no dia seguinte ou talvez nos proximos anos;como a lei pronuncia:Tudo se transforma não
importando de que forma seja feita.Esperava caloramente o que o destino me reservava ao tempo.

Quando consegui dormi naquela noite os sonhos me trouxeram a seguinte mensagem:O mundo o espera,não sabe em qual momento acontescera,mas vivera da forma que não ver
ou imagina,vieram os dias,semanas e meses,sim;os meses dolorosos naquele treinamento constante,o ano letivo já estava terminando para alivio.Estava treinando no fundo do lago,
um lindo Sábado de sol,estava subindo a superficie para pular em cima da ponte,no abraço de Kaniban senti que o sanguê voltaria a explodir em poder;estava proximo,foi questão do
toque da sua pele para concluir esse pensamento.

-Morrendo,gradualmente morrendo,sabe disso e não toma atitude nem uma pai.

-Não se tem nada a fazer;o que me conforta e que sabe quase tudo que tinha a lhe passar.

Silêncio,aceitável a ponto do meu desespero,Xinhua entrava pelo imenso portão em sua correria,tinha chegado,ao menos mataria soudades dela;tinha falado que iria vir e fez virar
realidade,pleno inverno chines e novamente os tremores,só que mais fortes,seus finos e meigos braços me enrolando com uma toalha deliciosa.Considerava injustiça,meigamente
linda em seu quimono vermelho junto as sapatilhas negras,todos os detalhes caiam com a perfeição de sua beleza,começamos a caminhar a fome batia forte quando entre pelo salão
principal,foi rapido a troca de roupas,linda cor marfim da blusa e calças,meras sandálias de sempre a calçar.

-Está cansado Tompei,explicito nesse rosto.

-Mais ou menos Xinhua,não ando com muito animo desde que Sofia foi embora.Algo que nunca vou superar.

-Não tenho o que falar maninho;estas correto e não tenho nada com que lhe confortar,soube que anda treinando forte o que prescisa saber.

-Sim,já que ando com tempo e claro que seguirei fime apesar da mágoa.

O sussto foi claro;ela levou os delicados dedos aos labios diante das palavras,Kaniban já entrava no salão de jantar a nos acompanhar,vi que ela desejava conversa a sos com
ele,realmente sua preucupação foi explicita para mim;seus avidos olhos azuis em minha direção enquanto falava algumas coisas em tom baixo nos ouvidos dele.Quieto,descidi
ficar em quietude com a atitude dela,já estava comendo para matar a fome,gostosos e apetitosos pedacinhos de peixe.

Que fosse como ela desejava,os dois se retiraram para os aposentos de Kaniban,os segui sem perceberem,fiquei detraz da porta a houvir tudo que falavam,estava tão
imovel que até um mosquito me consideraria uma Estatua sem vida ou sentimento.Respirava devagar diante da situação de espionagem.

-Pai o Tompei está assim desde que Sofia foi embora para São Paulo,tenho medo dele tentar suícidio.

-Não mecione tais palavras Xinhua,ele se mantem vivo,isso e o que importar.

-Olha e diferente:O coração dele foi ultrajado por uma magoa,não sabe o que está amando e derrepente vir a fava para atravessar o coração nessa situação.

-Sei disso,não discuto com você;no meu ponto de vista foi descomunal sim. Deixe o tempo passar;ele aos poucos está apredendo a viver com isso.

-Que seja,só não quero chegar aqui um dia e ver meu irmão morto ou numa fuga desesperada !

Ela levantou para bater a porta,me viu áli ao seu lado,estava chateada por essa situação imposta na situação alheia,me queimava ao continuar passeando seus olhos por mim;as
lácrimas querendo cair mais não permitiu.Me pediu uma única condição:Se um dia fosse embora que a levase junto,não cogitava essa idéia,jamais,afinal tinha minhas responsa-
bilidades com todos.Nunca deixar na mão a quem espera algo maior de você;esse foi o meu leva.

Ela citava noticias de Xinran que e claro estava intacta e feliz;confortante saber de tais acontescimentos,os risos de Xinhua eram como doce de caramelho derretendo na boca,
são assim até os dias atuais.Não pude corresponder a altura que ela desejava,ao menos ficamos deitados naquele sofa imenso agarrados um ao outro;um momento ou outro eu
soltava algumas menções nos houvidos dela;ela sempre gostava disso desde pequenina.

Os dedos acima do meu rosto para não mais querer me largar;seu perfume delicado em sua perfeita escolha,era um dos meus poucos confortos agora,essa tornouse a mais pura
das verdades.Estava crescendo forter;a complexidade da beleza de uma mulher aos dias estavam aflorando;vi isso ao vela cochilando ainda em meus braços.Divino,se acreditam
nessa palavra então são capazes de saber como a alma humana e formada.

-Linda Xinhua,obrigada por tudo.

O tempo;isso não podia lutar contra;que ele passase para que a vida voltase ao normal,o que acontesceu em minha aceitação e redenção as memorias passadas;miseros 19 anos
ao está ofegante quando andava pela quadra;o fogo dragoniado naquele costume de treino e temperatura se tornou descomunal em minhas mãos;não sabem como erá delicioso e
maghifico houvir o rugido do Dragão entoado atravez do vento,meu pai me ajudando firme em meus erros que agora era poucos.

Tive pena do Kenjing ao tombar para tráz em sua observação;eu e meu pai mais pareciamos dois titans em guerra;um batendo no outro;nada que fosse errado e claro;as lâminar
se encontrando para nos afastar em perseguição as almas;julgamento severo a altira de um mero heroi.Jasemos em vida,em morte e finalmente na alma,me resumia a isso agora.
Quando cito isso tudo volta por um momento,disso tenham certeza.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Espelho De Fogo-Cap 50

Mensagem  Ana Nery em Ter 15 Jun - 22:31:11

Estava ofegante,sempre dessa forma ate que quiz para;de certo modo estava acostumado com a situação Sofia,ja não a via desde sua partida,quiz seguir meu caminho mesmo com o
fato.Estava indo muito bem nos periodos da faculdade;gostava de poder me aprimorar com tudo que desejase,minha cede pela História ardia forte desde que comecei,estava caminha-
ndo a muralha;desejava poder subir em cima dela,iria me deixar saciado em força junto a plenitude.Finalmente podendo exigir o maximo dos meus movimentos lá em cima,dava giros
grandiosos para traz;ficaria nisso até o chegar da noite,graças que era um dia de folga,iria apôs isso a Bíblioteca,prescisava concluir um trabalho complexo que e claro não gostaria de
ser interrompido.

Gostava do vento a correr pelo meu corpo enquanto mantinha o meigo ritmo do movimento da lâmina;lindo cintilar sobre a luz da tarde que agora chegava;não consigo descrever com
tantos detalhes,a sena para mim vem maghifica como a vida e;respiração forte para tomar folego,era presciso por que a queima era descomunal;me pergunto se Lestat conseguiria ir
em frente diante de tudo que passei.Suporta para aprimorar;que fosse;que o destino fosse alem do que anciamos,as arvores tão pequeninas la de cima;por um momento pare para o
descando e me dei conta da beleza que cercava o lugar;colinas indo a frente da parte norte do Templo;estava com cede mais não que me fizesse parar.

Continuei ao me levantar e sair andando para tráz;que viessem os giros das mãos delicadas e maliciosas,gostava da forma com que segurava o apoiador da espada,sempre bem
prescionado contra meus dedos ageis e fortes apesar de tão finos junto a delicadeza.A dor ao menos estava mais adormescida;a ferida continua aberta até os dias de hogê,porem ao
acaso menos dolorosa.Gostava de ver os aerogliflos da escrita chinesa cintilando por um estalar de dedos na lâmina;a luz do sol dava um constrate filosofal.

-A maghificência vem com aprimoramento,belo.

Sussuros jogados ao vento para ninguêm ver;tarde terminando quando me dei conta de desci,subia a escadária para ir a um banho fresco naquele painel delicioso,pude saber o
que me esperava;já estava nos meus aposentos em descanso quando Kenjing me chamou para comer algo;não desejei comer;direto a bíblioteca para terminar o que téria que ser
entregue no dia seguinte.A pasta devidamente quardava em na gaveta da mesa principal,amava minhas vestes toda em cetim com a cor cinza;o que esperavam?Devoto da dor na
alma humana.

Meus olhos passeavam pelo papel branco,odiava escrever em papel normal,mas era precioso por que eles desejavam isso,mantenho o assunto em segredo e claro;soltei os
risos de vitoria com o termino enquanto lia e escrevia sem parar;alguns estalar de meus dedos para alivialos e novamente em ação.A porta da Biblioteca fechava para que não
fosse pertubado,a noite agora estava presente;vi a iluminação da Lua entrando pelo lugar tão apresciado por mim.

Passeava os dedos nos fios longos;confeço que tinha pegado uma agulhava e atravessado os globulos da minhas orelhas,tinha furado elas que agora ostentavam pequenas argolas
de pura prata,tão pequeninas que ningue as via sem eu levantar os fios;tinha sido um cara de pau nessa atitude;me lembro quando meu pai viu e saiu a correr atraz de mim;volto a
citar que minha escrita com os anos ficara perfeita,sem constrangimento por que a escriba chinesa sempre pediu isso de seus devotos.

-Está perfeito;como pude concluir e chegar a essa tese? Vou conseguir boas notas novamente,fico feliz.

Dava para houvir minha voz etoando por todos os cantos dali;houvi uma Coruja bater o bico no vidro da janela,tinha feito um voo desastroso para cair ali,parei a olhar e percebi
que não se machucara,tinha alsado voo novamente ao céu tão calido e doce como caramelo.As asas bateram firme e novamente os risos para meu deleite,desejava ver Xinhua
em sua volta,esperava ancioso o dia que ela viesse me visitar.

Meu pai tomou coragem para entrar e parou a minha frente;já tinha terminado mesmo e levantei da cadeira para sair andando pelo templo,ele me seguia me pedindo que quar-
dase as orações;desejei mandalo ficar quieto,levei os dedos a sua boca o que deixou em ira,os gritos vinham para meu espanto.Kenjing o levara a mesa de jantar;estava subindo
para meu clarto.Alguns vasos de plantar tinham colocado na varanda;fiquei curioso em visão a elas,quem as colocou?

Gritei pergutando e a resposta foi minha mãe,Xinran estava no Templo e ninguem me tinha avisado;houvi a voz dela me chamando lá de baixo o que me fez descer em corre-
ria para abraçala forte;não respirava e me mandou soltala,tão delicada em meus braços ao poder ter melhor visão de sua face.Não a larguei por um bom tempo,soudades de ver
suas ações;pouca convivência pode levar a loucura.

-Nossa Tompei,fico imprescionada como mudou,sem palavras menino.

-Que nada,eu que falo,olha essas ruguinhas ai neste rosto tão delicado.

Um leve tapa nos ombros em resposta;agora andavamos pelo corredor que nos levou ao jardim;ficamos conversando bom tempo;tinha gostado da nova decoração da varanda,foi
a resposta que lhe dei ao sentarmos no gramado tão fofo.Novamente alguns passaros a sairem de suas tocas nas copas das arvores;carregavam alguns gravetos para os ninhos
dos filhotes;ela se deleitava com a cena.

Nada com que mencionar;sabia o que fária;soltei alguns beijos a ela o que a fez mandar mais alguns;uma leve brincadeira que sempre fazia desde pequeno;o perfume das Tuliplas
Negras estava forte,sentia mesmo elas estando longe.Agora sim batia a fome que me fez ir a conzinha e comer Sopa Doce;ela ficava observando e mencionando alguma coisa sobre
gladros;louco de sua parte dizer que a eles se desgastavam rapido.
avatar
Ana Nery
Admin

Mensagens : 1893
Data de inscrição : 31/01/2010
Idade : 30
Localização : Rio de Janeiro - RJ

http://lightinthedarkness.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ****Espelho De Fogo*** (2° Conto)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum